Estatísticas APAV | Crianças e Jovens Vítimas de Crime e de Violência 2013-2017

Agosto 31, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

descarregar o documento no link:

https://apav.pt/apav_v3/index.php/pt/1823-estatisticas-apav-crianc-as-e-jovens-vi-timas-de-crime-e-de-viole-ncia-2013-2017

8 livros para as crianças lerem antes do regresso às aulas

Agosto 31, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto da Evasões de 25 de agosto de 2018.

Cláudia Carvalho

As férias já vão longas e é preciso começar a preparar mais um ano. Porque não pô-los a ler banda desenhada e livros ilustrados? Dos grandes nomes da filosofia à história dramática de Anne Frank, do inventário ilustrado de aves a um guia para descobrir a natureza, as propostas são muitas e variadas.

Banda desenhada, rock, viagens, botânica, natureza ou História… São múltiplos os temas abordados nestes 8 livros ideais para pôr as crianças a ler (e a aprender) enquanto não chega o dia do regresso às aulas de mais um ano letivo. Tome nota das sugestões percorrendo a fotogaleria acima.

 

Explicar o divórcio às crianças não tem de ser um bicho de sete cabeças

Agosto 31, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Photo by rawpixel on Unsplash

Texto de Rute Agulhas publicado no DN Life de 4 de agosto de 2018.

«Apaixonaram-se, casaram e… viveram felizes para sempre». Estes finais de histórias infantis, inspirados na vida real (raramente…), nada têm de actual nos dias de hoje.

As pessoas continuam a apaixonar-se, é certo, muitos ainda casam ou vivem em união de facto e muitos, ainda (quero crer), sentem que vivem mesmo felizes. Outros não. Não se apaixonam, embora possam viver juntos ou casar, tantas vezes motivados por outras razões. Porque se engravidou de forma inesperada. Porque a pressão social dita as regras de uma forma ainda rígida. Porque é suposto ser assim.

Noutros casos apaixonam-se e surge o amor… que depois morre aos poucos. Outras vezes morre de repente. Noutras ocasiões nem se sabe muito bem como morre. A verdade é que muitos casais não vivem mesmo felizes para sempre.

A felicidade, mesmo quando existe, tem frequentemente um prazo de validade. E deparamo-nos com relações a termo certo. Contratos que acabam e que não se querem renovados.
Falamos de separações e divórcios, especialmente complexos e geradores de stress quando existem crianças.

No ciclo de vida de uma família, o divórcio é conceptualizado como uma crise não normativa, não esperada, podendo estar associada a maior stress e risco de patologia… ou de crescimento e mudança. Depende, acima de tudo, da capacidade dos vários elementos da família em activar recursos internos e externos, facilitando o processo de adaptação a esta nova realidade e estrutura familiar. Se isto for conseguido com sucesso, ao invés de o divórcio ser sentido como uma perda ou ameaça, poderá ser-lhe atribuído um significado mais construtivo, de desafio e associado a novos objectivos.

Mas por mais que o divórcio possa ser desejado, por um ou ambos os pais, há diversas questões cruciais que se revelam transversais a todos os casais, enquanto pais.
«Quando devemos falar com os filhos?»
«O que devemos dizer?»
«O que não devemos dizer?»
«Como devemos dizê-lo?»

Perguntas que não têm, nem podem ter, uma única resposta, adequada para todas as crianças e famílias. A família é um sistema vivo, com regras e dinâmicas muito próprias. Cada criança, em função da idade, mas também do seu nível de desenvolvimento, maturidade e temperamento, revela idiossincrasias que exigem uma adaptação destas respostas. Em suma, não há uma receita válida para todas as situações.

Existem, no entanto, alguns cuidados que os pais devem ter. Algumas regras básicas que podem facilitar todo o processo.

Explicar o divórcio às crianças não tem mesmo de ser um bicho de sete cabeças.

As FAQ que mais preocupam os pais…

  1. Quando devemos falar com os filhos?
    Em primeiro lugar, a conversa deve ocorrer apenas quando a decisão estiver efetivamente tomada pelos pais. Sabemos que o processo de tomada de decisão sobre a separação/divórcio não é linear, existe ambivalência de sentimentos e, muito frequentemente, avanços e recuos.

Não devem falar com os filhos numa fase de indecisão e dúvida, pois apenas poderá aumentar a ansiedade e sensação de falta de controlo.

Atenção! Muitos pais não falam abertamente com as crianças sobre o assunto, acreditando que elas já sabem, porque já se aperceberam, ou porque ainda são muito novas. Todas as crianças precisam de uma explicação, sempre.

  1. Devemos ter esta conversa juntos?
    Idealmente, sim. Se sentirem que o conseguem fazer com tranquilidade, sem acusações mútuas, procura de culpados ou atribuição de responsabilidades. Caso contrário, é preferível que falem de forma individual.

No entanto, é crucial que a mensagem transmitida por ambos seja coerente. Acordem previamente o que dizer e o que não dizer. Se forem confrontados com uma pergunta inesperada, à qual não sabem o que responder, sejam honestos e digam à criança que precisam pensar, ou falar com o outro progenitor. E que em breve conseguirão ter respostas para as várias questões que forem surgindo.

  1. Devemos falar com as várias crianças ao mesmo tempo?
    Depende da idade e nível de desenvolvimento das várias crianças. Crianças mais novas precisam de explicações mais breves e concretas. Crianças mais velhas ou adolescentes terão, certamente, outro tipo de dúvidas e questões, cujas respostas podem não ser entendidas pelos irmãos mais novos.

Regra de ouro: falar com as várias crianças no mesmo dia, ainda que possa ser em momentos diferentes, para que não se corra o risco de os irmãos falarem entre si antes de os pais terem oportunidade de falar com todos.

  1. O que devemos dizer e fazer?
    Apesar de não haver uma explicação mágica, aqui ficam algumas ideias chave:
    a) Os pais deixaram de gostar um do outro como namorados;
    b) Vão continuar a ser pais da criança e serão sempre uma família (apesar de passarem a viver em casas diferentes);
    c) Podem acontecer algumas mudanças (p. ex., de casa ou escola), mas o mais importante é que a criança vai ser sempre amada e cuidada por ambos;
    d) A separação/divórcio não é um assunto tabu e podemos falar à vontade;
    e) Estamos disponíveis para te ouvir e responder às tuas perguntas e dúvidas;
    f) Podem existir perguntas às quais ainda não sabemos responder, mas assim que soubermos, falamos sobre isso;
    g) É natural sentir tristeza ou zanga, mas com o tempo e a ajuda de todos estas emoções irão passar;
    h) Vamos fazer tudo para que estas mudanças na vida da família corram bem;
    i) Manter a coerência entre aquilo que se diz (comunicação verbal) e não se diz (comunicação não verbal).
  2. O que não devemos dizer ou fazer?
    a) Procurar culpados ou responsáveis pela separação;
    b) Deixar a criança acreditar que ela própria é culpada (muito frequente em crianças mais novas);
    c) Dizer que a criança vai passar a ter duas famílias;
    d) Omitir informação relevante para a criança (p. ex., mudança de casa ou escola);
    e) Partilhar aspectos da vida conjugal (os pais têm de aprender a separar a conjugalidade da parentalidade!);
    f) Não dar espaço para a criança colocar questões;
    g) Fazer falsas promessas.
  3. E se eles pedirem para não nos separarmos? E se chorarem?
    A maior parte das crianças tem a ilusão de reconciliação dos pais, muitas vezes anos após a separação/divórcio. É natural que façam este pedido e que manifestem emoções negativas. É também natural que chorem.

As emoções negativas fazem parte da vida e não têm necessariamente de ser más.
Deixem a criança expressar o que sente. Dêem-lhe espaço para chorar, se precisar.
Demonstrem apoio, compreensão e empatia.

  1. E se nós também chorarmos?
    Os adultos também choram. Se chorarem neste momento, não inventem que algo entrou para dentro do olho. As crianças percebem!

Admitam que também estão tristes, mas que têm a certeza que vai passar e vão conseguir ultrapassar esta fase. Transmitam sempre expectativas positivas.

  1. Estamos a ser egoístas ao pensar apenas em nós?
    Não. Uma relação não deve ser mantida apenas porque existem filhos. Mais tarde ou mais cedo acaba por não ser possível manter essa situação.

Quando um casal toma a decisão de separar-se, não está apenas a pensar em si, mas também nas crianças, que merecem um ambiente familiar tranquilo, com amor. E não com pais-que-fazem-de-conta-que-são-uma-família-feliz.

Rute Agulhas é psicóloga e terapeuta familiar, especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicoterapia e Psicologia da Justiça. Perita na Delegação Sul do INMLCF, é docente e investigadora no ISCTE-IUL, além de membro do Conselho Jurisdicional da Ordem dos Psicólogos Portugueses. A pedido da autora, a crónica segue as regras do antigo Acordo Ortográfico.

 

Keep it Cool! Campanha de Verão da Linha Internet Segura “Dificulta o acesso aos conteúdos do teu smartphone com mecanismos de bloqueio”

Agosto 30, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Imagem retirada do Facebook da Internet Segura.

Unicef alerta sobre riscos para crianças mexicanas e centro-americanas deportadas

Agosto 30, 2018 às 6:00 am | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia da ONU NEWS de 16 de agosto de 2018.

Menores deportados do México e dos Estados Unidos sofrem consequências da pobreza, da extrema violência, falta de oportunidades e outras ameaças; em Honduras, por exemplo, 74% das crianças vivem na pobreza; na Guatemala, 942 crianças tiveram mortes violentas no ano passado.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, alertou que crianças migrantes do México e da América Central estão correndo graves riscos ao serem deportadas.

Num relatório, divulgado nesta quinta-feira, em Nova Iorque e na Cidade do Panamá, a agência informou que causas como violência extrema, pobreza e falta de oportunidades não apenas provocam a migração do norte da América Central e do México, mas também são consequências para deportações realizadas pelos Estados Unidos e pelo México dessas crianças.

Indiferença

El Salvador, Guatemala e Honduras foram os países citados no estudo com altas taxas de homicídio de crianças e extrema pobreza.

Mary, da Guatemala, disse que onde vive, a cada três dias uma pessoa é assassinada.

O Unicef pediu aos governos que cooperem entre si para implementar medidas que aliviem as causas da migração forçada e irregular protegendo as crianças refugiadas e migrantes.

O relatório Uprooted in Central America and Mexico analisa desafios e perigos enfrentados por milhões de crianças na região que são vítimas da pobreza, da violência, da indiferença e do medo da deportação. A declaração foi dada pela diretora regional do Unicef na América Latina e no Caribe, Cristina Perceval.

Ela lembrou que em muitos casos, as crianças são levadas de volta para casa sem terem um lar e acabam nas mãos de gangues.

Assassinatos

Na Guatemala, 74% das crianças vivem na pobreza. As taxas para El Salvador e Honduras são 44% e 68%, respectivamente. Quando se fala de violência, a Guatemala registrou, no ano passado, 942 menores tiveram mortes violentas. Muitas crianças em Honduras, El Salvador e Guatemala são recrutadas por bandidos, sofrem com abusos e até assassinatos.

Entre 2008 e 2016, pelo menos uma criança morreu por dia em Honduras. Zoe disse que o pai o convenceu a sair do país em busca de uma vida melhor e de proteção.

Ainda de acordo com o estudo do Unicef, o estigma é um outro problema para as crianças centro-americanas deportadas. Elas ficam conhecidas pelo fracasso de chegar ao México ou aos Estados Unidos. O estigma também dificulta a reintegração delas na escola e no caso dos adultos a encontrar um trabalho.

Famílias

A agência da ONU afirmou que a separação das famílias e a detenção de menores migrantes são profundamente traumatizantes e podem ter um efeito negativo para o desenvolvimento das crianças a longo prazo. Para o Unicef, manter as famílias juntas é melhor para crianças migrantes e refugiadas.

O relatório traz uma série de recomendações para que as crianças fiquem seguras e para reduzir as causas que levam com que crianças e famílias deixem seus lares à procura de segurança ou de um futuro com mais esperança.

Para a chefe regional do Unicef, os governos têm agora uma oportunidade de fazer o que é certo ao implementar maneiras de aliviar as causas da migração e proteger as crianças em trânsito.

Entre 2016 e abril de 2018, quase 68,5 mil crianças foram detidas no México e mais de nove em cada 10 foram deportadas para os países da América Central.

O relatório citado é o seguinte:

Uprooted in Central America and Mexico: Migrant and refugee children face a vicious cycle of hardship and danger

IV Encontro da CPCJ de Moura “A criança como sujeito de direitos: Prática e compromissos para o sucesso” 5 setembro

Agosto 29, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

mais informações no link:

 

 

Portugal precisa de (mais) literatura para jovens

Agosto 29, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Artigo de Rita Pimenta publicado na Revista Cátedra Digital

Livros para crianças e jovens há muitos. Literatura nem por isso. A atenção das editoras a este segmento de mercado tem sido constante, mesmo nos anos de crise. No entanto, o incremento maior de obras escritas por autores portugueses verifica-se no álbum ilustrado e para as idades mais baixas.

Para os adolescentes e jovens (dos 12 aos 18 anos), são as traduções que mais ocupam as prateleiras das livrarias e das casas. Poucos nomes se juntaram aos há muito reconhecidos autores que criaram histórias que os adultos de hoje não esquecem, como Alice Vieira, Álvaro Magalhães, Ana Maria Magalhães, Ana Saldanha, António Mota, António Torrado, Isabel Alçada, José Jorge Letria, João Pedro Mésseder, Manuel António Pina, Sophia de Mello Breyner Andresen ou Teresa Maia González. E muitas crianças e jovens continuam a gostar de ler estes autores.

“As crianças não mudaram nada. O que mudou foram os adereços. Tudo o mais, os ciúmes, as zangas, as tristezas e alegrias, está tudo tal e qual como naquele livro”, disse recentemente Alice Vieira ao jornalista Tiago Palma, a propósito do seu primeiro livro para a infância, Rosa, Minha Irmã Rosa (1979

Mas não se fique com a ideia de que o mercado português se limita a oferecer obras traduzidas para os leitores que estão a abandonar a infância. Certos autores portugueses de gerações mais recentes vêm dedicando também algum do seu talento à literatura para jovens, não sendo, no entanto, este o seu público-alvo preferencial. São eles Afonso Cruz (Vamos Comprar Um Poeta, O Pintor debaixo do Lava-Loiças), Cristina Carvalho (Rebeldia, O Gato de Uppsala), Richard Zimler (O Cão Que Comia a Chuva) ou Valter Hugo Mãe (O Paraíso São os Outros). Com sucesso.

Outros autores – na verdade, autoras – surgiram nos últimos anos em dedicação praticamente exclusiva à literatura juvenil: Ana Pessoa (Supergigante, Mary John) Ana Soares e Bárbara Wong (colecção Olimpvs), Carla Maia de Almeida (Irmão Lobo, Amores de Família), Margarida Fonseca Santos (colecções A Escolha É Minha, Desafios em 77 Palavras) e Maria Francisca Macedo (colecção O Clube dos Cientistas). Também com sucesso.

No domínio da poesia, continuam a impor-se os autores João Pedro Mésseder (Olhos Tropeçando em Nuvens e Outras Coisas: Haicais ou quase), José Fanha (Esdrúxulas, Graves e Agudas, Magrinhas e Barrigudas) e José Jorge Letria (O Livro das Rimas Traquinas, A Guerra), a quem se juntam agora João Manuel Ribeiro (Palavras-Chave, Notícias Fugazes do Amor) e Manuela Leitão (Poemas da Horta e Outras Verduras, Poemas para as Quatro Estações).

O inconfundível humor de Luísa Ducla Soares continua a dirigir-se sobretudo aos mais novos, tendo, no entanto, a escritora alguns títulos vocacionados para jovens, como Diário de Sofia & Cª. Aos 15 Anos e Atenção! Sou Um Adolescente (Editorial Presença) ou a biografia de Teixeira de Pascoaes (Porto Editora).

Álvaro Magalhães adaptou-se aos novos tempos sem perder identidade nem qualidade literária em títulos como Poesia-me (ilustração de Cristina Valadas) ou em colecções como O Estranhão ou As Novas Crónicas do Vampiro Valentim (bem acompanhado pelo ilustrador Carlos J. Campos). E ainda a série (de futebol) Os Indomáveis FC.

Nomes como Rosário Alçada Araújo (Num Tempo Que já lá Vai), ou Joana Bértholo (O Museu do Pensamento) ajudam a compor uma oferta que se vai diversificando, sem, no entanto, podermos prever se continuará a ser alimentada por estas autoras, já que se desdobram em diferentes géneros literários e em inúmeras actividades culturais.

Livros de pendor científico e cultural para jovens também não contam com muitas assinaturas portuguesas, mas queremos aqui assinalar o trabalho da editora Planeta Tangerina com os títulos Lá Fora – Guia para Descobrir a Natureza (Maria Ana Peixe Dias e Inês Teixeira do Rosário), Cá Dentro – Guia para Descobrir o Cérebro (Isabel Minhós Martins e Maria Manuel Pedrosa) e, mais recentemente, Atlas das Viagens e dos Exploradores: as Viagens de Monges, Naturalistas e Outros Viajantes de Todos os Tempos e Lugares (Isabel Minhós Martins, com ilustração de Bernardo P. Carvalho).

Ainda um reparo feliz para Sou o Lince-Ibérico: o Felino mais Ameaçado do Mundo (Maria João Freitas, com ilustração de Nádia e Tiago Albuquerque), editado pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Também o físico Carlos Fiolhais e o divulgador de ciência David Marçal têm contribuído para que os jovens se deixem conquistar por temas científicos de uma forma acessível e bem-humorada, sem deixar de ser rigorosa. Aqui ficam dois títulos destes autores aconselhados pelo Plano Nacional de Leitura (PNL) relativamente ao primeiro trimestre de 2018: A Ciência e os Seus Inimigos (Gradiva) e Não se Deixe Enganar (Contraponto).

Plano Nacional de Leitura está diferente

Contabilizando as indicações do PNL para os primeiros seis meses deste ano, observámos que havia 79 resultados (títulos) para leitores dos 12 aos 14 anos. Já para quem tem entre 15 e 18 anos surgiam 116 sugestões de livros.

Assim sendo, os adolescentes e jovens entre os 12 e os 18 anos, se quiserem seguir os critérios do PNL para estes primeiros meses, podem escolher entre 195 títulos. Mas, destes, apenas 45 são de autores portugueses. Ou seja, somente 23% das propostas do Plano. Entre eles, encontram-se autores como Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, Júlio Dinis, Alexandre O’Neill, Mário Cesariny, José Pacheco Pereira ou António Damásio.

São pequenos indicadores que nos permitem inferir que neste segmento faltam novos autores ou mais produção de textos literários por parte dos que já se dedicaram à literatura juvenil.

“Os livros que constam das listas PNL 2027 resultaram de uma seleção prévia feita pelas editoras posteriormente apreciada por um conjunto de especialistas independentes, de reconhecido mérito e qualificação nas diferentes áreas do saber”, explica-se no site do Plano, que está diferente.

Desde o dia 16 de Julho que os livros recomendados pelo Plano Nacional de Leitura deixaram de ser organizados por níveis de escolaridade, passando a haver uma base de dados online de atualização semestral. A primeira já foi lançada e nela baseámos os dados acima referidos. Em Dezembro, haverá nova listagem de sugestões.

Os livros recomendados podem ser encontrados através de um motor de pesquisa por idade, nível de leitura (pré-leitura, inicial, mediana, fluente), tema (banda desenhada, ensaio, poesia ou biografia), língua ou formato (livro, livro com CD e/ou DVD, livro-álbum). O sistema resulta de uma parceria com A Rede de Bibliotecas de Lisboa.

Palavras para quê?

A qualidade de muitos ilustradores portugueses, com forte projecção internacional, vem motivando uma aposta em livros cujo texto muitas vezes se reduz a breves legendas ou a ideias muito simples. Algumas obras prescindem mesmo das palavras e são objectos artísticos que conquistam também os adultos.

Bons exemplos desta prática têm sido os de editoras independentes como a Bruaá, Kalandraka, Orfeu Negro, Pato Lógico ou Planeta Tangerina. Divulgam ilustradores, artistas plásticos e designers portugueses, frequentam feiras internacionais e conseguem dinamizar com competência e criatividade o mercado nacional do livro ilustrado. Ainda bem.

A presença de Portugal na Feira do Livro Infantil de Bolonha vai aumentando a sua pujança e visibilidade, mais pela força da imagem do que da palavra. Nada contra. Mas é de literatura que vamos sentindo falta. Sem drama.

Congratulamo-nos com o facto de em Junho deste ano Portugal ter sido país convidado nas semanas internacionais do livro infanto-juvenil em Colónia, Alemanha. Nelas participaram os escritores e ilustradores: Afonso Cruz, Alice Vieira, Carla Maia de Almeida, Catarina Sobral, Fatinha Ramos, Inês Teixeira do Rosário, Isabel Minhós Martins, Madalena Matoso e Maria Ana Peixe Dias.

Um programa que incluiu leituras dos autores portugueses em bibliotecas e escolas, numa iniciativa com o apoio de Camões — Instituto da Cooperação e da Língua, através da Embaixada de Portugal/Camões Berlim, do Leitorado de Colónia e da Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB).

Este último organismo, a par com a Rede de Bibliotecas Escolares, muito têm contribuído para a conquista de novos leitores e para a dinamização de actividades à volta do livro e da leitura. A DGLAB.

Em 2017, venderam-se 11,8 milhões de livros

Segundo a GfK Portugal, o negócio editorial fechou no ano passado com um valor total de 147 milhões de euros, revelando crescimento de 3% face ao ano anterior (142,4 milhões). Isto apesar de terem sido vendidos menos livros. Em 2017, foram comercializadas cerca de 11,8 milhões de unidades, mas em 2016 vendeu-se um pouco mais: 11,9 milhões de livros.

Não foi possível obter dados discriminados para os livros infanto-juvenis, mas é sabido que é um dos segmentos que mais vendem.

Importância maior que os lucros de curto prazo é a certeza de que a conquista precoce de leitores e a aposta na sua relação continuada com os livros permitirão não apenas a continuidade do negócio editorial, mas a formação de cidadãos cultos e com sentido crítico. Fazem falta.

 

 

Conferência “O Olhar da Criança: Educação Intercultural e Intervenção Social” na ESECS do IPLeiria, 17 de novembro de 2018

Agosto 29, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mais informações:

https://www.ipleiria.pt/esecs/17-novembro-20180900-1700-auditorio-1-esecs/

Guia Prático para as Famílias – Pré-escolar, Infância e Adolescência: Estratégias de Prevenção do Consumo de Substâncias Psicoativas Lícitas e Ilícitas

Agosto 28, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

descarregar o guia no link:

http://www.iasaude.pt/ucad/attachments/article/382/GUIA%202.pdf

Estudo revela sinais de que os homens estão a mudar a forma como criam os filhos

Agosto 28, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

thumbs.web.sapo.io

Notícia do Sapolifestyle de 14 de agosto de 2018.

Se acha que ser um bom pai é impor disciplina, assegurar o sustento da família e não mostrar sentimentos, talvez tenha uma noção errada da masculinidade. Os pais de família de hoje estão cada vez mais presentes na vida dos filhos e prestam-lhes apoio emocional.

A maioria dos homens que são pais está hoje mais envolvida na educação dos filhos. Eles procurar estar presentes nas atividades dos mais pequenos e preocupam-se em temperar a sua faceta masculina – ligada à força e à autoridade – com um lado mais carinhoso. A conclusão é de um estudo sociológico conjunto da Brigham Young University (BYU) e da Ball State University (BSU), que envolveu 2.194 pais de crianças entre os 2 e os 18 anos.
A pesquisa, publicada no Journal of Marriage and Family, revela que a paternidade contempla hoje um acompanhamento e uma preocupação maior do que antes. “Os pais preocupam-se em estar presentes fisicamente, por exemplo num jogo ou num recital de piano, mas também emocionalmente, de forma dar apoio e carinho em momentos difíceis”.
Kevin Shafer, professor de sociologia da BYU e co-autor do estudo, disse ao Journal of Marriage and Family que “embora a maioria encare o seu papel como um trabalho de equipa permanente, ao lado da mãe, ainda há um grupo de pais que acredita que a sua maior tarefa é fazer de chefe de família e disciplinador”.
O estudo revela outro dado curioso e que passa pela correlação entre sinais negativos da masculinidade tradicional e menor envolvimento na educação das crianças. Ou seja, os que se comportam de forma mais “dura” tendem a ser menos presentes e afetuosos.
“É importante entender o que é a masculinidade”, sublinhou Kevin Shafer. “Existem alguns aspetos muito benéficos na masculinidade – se forem orientados para a objetividade e a lealdade, por exemplo. No entanto, os mais problemáticos, como a agressão, o não demonstrar emoções e a dificuldade em pedir ajuda são aspetos negativos da masculinidade tradicional que tendem a prejudicar a família”, conclui.
Os investigadores perceberam que, em média, as crianças mais novas têm uma interação forte com os pais várias vezes por semana e que se pode manifestar em brincadeiras e passeios. Já os mais velhos, por vezes, vêm a relação mais cingida às questões de disciplina, mas sabem que eles estão bem informados sobre as suas atividades.
Em termos emocionais, concluiu-se que os pais de crianças mais pequenas encontraram no afeto trocado com os filhos algumas memórias do seu passado e que os pais de miúdos mais velhos admitiram que é comum serem procurados pelos filhos em busca de apoio emocional.
Os sociólogos das duas universidades dizem que, nas últimas décadas, os ideais da paternidade têm estado em constante mutação, muito devido à alteração de expectativas sobre os comportamentos paternos.
“Eles continuam a navegar nas expectativas sociais”, afirmou um outro autor do estudo, Lee Essig. “À medida que as tendências sociais empurram o homem para um maior envolvimento familiar, vemos mais pais a mobilizar-se para ter um papel ativo na vida dos filhos, e de várias maneiras”.
A mesma fonte salientou que “quando ensinamos rapazes e homens a serem mais conscientes emocionalmente e a cultivarem o bem-estar emocional, eles podem tornar-se melhores pais, deixando para trás o papel exclusivo de disciplinadores e fornecedores de rendimento financeiro e afirmando-se como contribuintes decisivos do seu bem-estar emocional”.
Os investigadores dão algumas dicas para os pais.

Se é homem e pai, tome nota

  • Não há problema em mostrar sentimentos. Isso ajuda a ser um pai melhor.
  • Os pais não devem ter medo de ser carinhosos, cuidadosos e ativos. Crianças e famílias só têm a ganhar com isso.
  • Seja um exemplo. As crianças que aprendem pelo exemplo usufruem mais da relação pai-filho, mas também aprendem a ser mais felizes em sociedade.
  • Há muitas maneiras de ser homem. O “durão” está associado a uma deficiente educação das crianças

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Does Adherence to Masculine Norms Shape Fathering Behavior?

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.