Crianças expostas a espaços verdes têm menor risco de desenvolver doenças

Outubro 28, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 15 de outubro de 2019.

Trabalho do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto alerta para a necessidade de investimentos nestes espaços perto das escolas, onde as crianças passam a maior parte do tempo.

Lusa

As crianças que têm espaços verdes à volta das suas escolas e casas apresentam um “menor risco de desenvolver doenças no futuro”, concluiu um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP).

Em entrevista à agência Lusa, a investigadora Ana Isabel Ribeiro afirma que o objectivo do estudo, publicado na revista Environmental International, era “perceber se a exposição a espaços verdes tinha algum reflexo na saúde das crianças”.

Para “explorar o impacto desta exposição”, ainda pouco estudada internacionalmente, os investigadores analisaram os marcadores biológicos de 3100 crianças, com sete anos, da Área Metropolitana do Porto pertencentes à Geração XXI (um estudo longitudinal do ISPUP que acompanha, desde 2005, 8600 crianças).

“Estas crianças estão todas geo-referenciadas, ou seja, nós sabemos em que par de coordenadas é que elas vivem e em que escolas estudam. Com base nesta informação, cruzámos os dados de saúde da criança com a informação ambiental”, explicou.

No estudo foram incluídos 226 espaços verdes públicos e de livre acesso da Área Metropolitana do Porto que, posteriormente, foram correlacionados com dados de saúde de cada criança, tais como, a pressão arterial, relação cintura/anca, hemoglobina glicada, colesterol e proteína C-recativa.

Conseguimos medir a acessibilidade geográfica e, regra geral, vimos que as crianças que tinham espaços verdes no entorno da escola e de casa apresentavam níveis de biomarcadores mais favoráveis”, referiu.

No entanto, os investigadores afirmam que as “diferenças são relevantes” quando comparadas as exposições em redor das escolas.

“As crianças que dispunham de espaços verdes a 400 e 800 metros no entorno da escola, isto é, respectivamente, 20% e 40% das crianças tinham níveis de biomarcadores melhores, sobretudo, no que diz respeito aos marcadores relacionados com a saúde cardiovascular”, frisou.

Tendo em conta as evidências observadas com este estudo, Ana Isabel Ribeiro alertou para a necessidade de “não desprezar” estas áreas, sugerindo um “maior investimento na provisão destes espaços perto das escolas”, local onde as crianças passam a maioria do seu tempo.

“É fundamental que os governantes e planeadores locais assegurem que a população dispõe de áreas verdes a uma distância razoável dos seus locais de residência e dos parques escolares”, concluiu.

O estudo, desenvolvido por investigadores da Unidade de Investigação em Epidemiologia (EPIUnit) do ISPUP, integra o Exalar XXI, um projecto que estuda a relação entre o ambiente urbano e a saúde infantil.

mais informações na notícia da ISUP:

Crianças expostas a espaços verdes têm melhores marcadores biológicos

Medidas de apoio à família são cruciais para aumentar taxas de amamentação

Setembro 24, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia da ONU News de 1 de agosto de 2019.

Semana Mundial da Amamentação acontece entre 1 e 7 de agosto; apenas 4 em cada 10 bebês são exclusivamente amamentados nos primeiros seis meses de vida, conforme recomendado; somente 12% dos países oferecem uma licença de maternidade remunerada adequada.

Políticas que apoiam a amamentação, como licença parental paga e intervalos para amamentação, ainda não estão disponíveis para a maioria das mães em todo o mundo.

A afirmação é do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, no início da Semana Mundial da Amamentação, que decorre entre 1 e 7 de agosto.

Importância

Em nota, a diretora executiva do Unicef, Henrietta Fore, disse que “os benefícios de saúde, sociais e econômicos da amamentação, para mãe e filho, são bem conhecidos e aceitos em todo o mundo.” Apesar disso, “quase 60% das crianças do mundo estão perdendo os seis meses recomendados de amamentação exclusiva.”

Amamentar apoia o desenvolvimento saudável do cérebro em bebês e crianças pequenas, protege contra infecções, diminui o risco de obesidade e doenças, reduz custos de saúde e protege as mães de câncer de ovário e câncer de mama.

Fore disse que, apesar desses benefícios, “locais de trabalho de todo o mundo estão negando apoio muito necessário às mães.” Para ela, é preciso “investir muito mais em licença parental remunerada e apoio à amamentação em todos os locais de trabalho para aumentar as taxas de amamentação globais.”

Dados

Apenas quatro em cada 10 bebês são exclusivamente amamentados nos primeiros seis meses de vida, conforme recomendado. Nos países menos desenvolvidos, essas taxas sobem para mais da metade, 50,8%.

Os países de renda média-alta têm as menores taxas de amamentação, 23,9%, o que representa uma descida dos valores de 2012, quando eram 28,7%.

Segundo o Unicef, as mulheres que trabalham não recebem apoio suficiente para continuar a amamentar. Em todo o mundo, apenas 40% das mulheres com recém-nascidos têm os benefícios básicos de maternidade em seu local de trabalho. Em África, apenas 15% tem algum benefício para continuar.

Apenas 12% dos países do mundo oferecem uma licença de maternidade remunerada adequada. O Unicef recomenda pelo menos seis meses de licença remunerada para todos os pais, dos quais 18 semanas devem ser reservadas para as mães.

Segundo um estudo recente, mulheres com seis meses ou mais de licença maternidade tinham pelo menos 30% mais chances de manter qualquer amamentação pelo menos nos primeiros seis meses.

Benefícios

A ONU afirma que o aumento do aleitamento materno pode evitar 823 mil mortes anuais em crianças menores de cinco anos e 20 mil mortes anuais por câncer de mama.

Em 2018, apenas 43% dos bebês foram amamentados na primeira hora de vida. O contato imediato da pele com a pele e o início precoce da amamentação mantêm o bebê aquecido, constroem seu sistema imunológico, promovem a união, aumentam a oferta de leite materno e aumentam as chances de que ela continue amamentando exclusivamente.

O Unicef diz que se os números ideias de amamentação forem alcançados em todo o mundo, haverá uma redução estimada nos custos globais de saúde de US$ 300 bilhões.

Semana Mundial

A Semana Mundial da Amamentação começa esta quinta-feira, 1 de agosto, e termina a 7 de agosto. O objetivo é destacar a importância crítica da amamentação para crianças em todo o mundo. O tema deste ano é “Capacitar os pais, possibilitar a amamentação”.

Em nota conjunta, Henrietta Fore e o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Ghebreyesus, pedem aos governos e empregadores de todo o mundo que adotem políticas favoráveis a esta prática.

Os dois representantes afirmam que “as provas deixam claro que, durante a primeira infância, a nutrição ideal fornecida pela amamentação pode fortalecer o desenvolvimento do cérebro das crianças com impactos que perduram ao longo da vida.”

Mais informações no site da Unicef:

https://www.unicef.org/breastfeeding/

Bolachas, bolos e leite com chocolate banidos da publicidade para crianças

Setembro 19, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia da TSF de 21 de agosto de 2019.

Os produtos alimentares que mais aparecem na publicidade para crianças são também os que vão ter mais restrições a partir de outubro, sejam refrigerantes ou bolachas ou outros alimentos com excesso de açúcar.

A tabela que define o perfil dos alimentos e bebidas com publicidade dirigida a menores de 16 anos é publicada esta quarta-feira em Diário da República, num despacho que entra em vigor dentro de 60 dias.

O perfil nutricional surge no seguimento da lei aprovada em abril, destinada a restringir determinada publicidade dirigida a crianças. A lei então aprovada incumbia a Direção-Geral da Saúde de identificar os produtos alimentares com elevado valor energético, teor de sal, açúcar, ácidos gordos saturados e ácidos gordos ‘trans’.

“Provavelmente as categorias mais atingidas (pelas restrições) são também as que mais publicitam”, disse a diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS), Maria João Gregório, ressalvando que se trata de uma medida apenas para restringir a publicidade alimentar dirigida a crianças, e devendo ser essencialmente afetados produtos como refrigerantes e outras bebidas açucaradas, chocolates, produtos de confeitaria e pastelaria, bolachas, cereais de pequeno-almoço ou refeições prontas a consumir.

A tabela foi construída tendo em conta as sugestões da Organização Mundial da Saúde (OMS), legislação europeia, investigação científica e a realidade nacional, disse a responsável.

Dentro de dois meses, produtos como chocolates ou barras energéticas podem ter a publicidade limitada se tiveram mais de 40 kcal (quilocalorias), ou mais de cinco gramas de açúcar ou 1,5 gramas de ácidos gordos saturados por cada 100 gramas.

“Estes são os valores-limite definidos para estas categorias, porém estes valores diferem entre as diferentes categorias de produtos alimentares”, alerta a DGS num comunicado.

Maria João Gregório também o diz. Que os valores limite foram definidos categoria a categoria. “Para algumas categorias podemos ser mais permissivos, na medida em que temos valores mais elevados porque no global essa categoria tem um valor nutricional interessante”. E exemplificou com os iogurtes, com valores limite mais elevados do que chocolates, bolachas e bolos, produtos que não devem fazer parte de um “padrão alimentar saudável”.

É por isso que na categoria de iogurtes foram analisados 93 e desses 28% “estão aptos”. “Nas categorias com valor nutricional importante o objetivo foi definir um perfil que permitisse que os melhores perfis possam estar considerados aqui. Tal até pode ser um incentivo à reformulação de outros iogurtes com mais açúcar”, acrescentou.

A diretora do PNPAS reconheceu que o modelo que é agora publicado teve como base de trabalho o modelo da OMS mas com adaptações. Nega que o modelo português seja menos restritivo e diz que, por exemplo, nos cereais de pequeno-almoço, o modelo da OMS é mais permissivo. Mas conclui que, comparando a aplicação dos dois modelos a quase 2.500 produtos, “as diferenças em geral não são muitas”.

Certo é que, dentro de dois meses, produtos com o que for considerado excesso de açúcar, sal ou gordura têm a publicidade vedada em programas infantis ou outros, genéricos, cuja audiência seja superior a 25% de jovens com menos de 16 anos, e também em outras plataformas, como a publicidade em cartazes perto das escolas ou parques infantis, nas rádios, no cinema, ou mesmo na internet, neste caso mais difícil de fiscalizar e algo “em que se está a trabalhar”, com a ajuda da OMS.

Da lista fazem parte muitos mais produtos além dos chocolates, bolos ou refrigerantes, néctares e sumos de fruta. Está também, por exemplo, o leite achocolatado ou aromatizado, a manteiga, os queijos e pão, os preparados de carne ou mesmo as conservas.

Maria João Gregório não tem dúvidas. A lei também serve para mudar os hábitos alimentares, que se formam numa idade mais precoce e que se mantém na vida adulta, pelo que é importante que se promovam hábitos alimentares saudáveis junto dos jovens.

“A lei tem como objetivo limitar o estímulo ao consumo de alimentos menos saudáveis, ou não saudáveis. A verdade é que a investigação científica diz que a publicidade tem impacto no consumo alimentar das crianças, com impacto no seu estado de saúde na infância e depois na idade adulta”, salientou a responsável à Lusa, frisando que mudar comportamentos pode ter uma influência significativa na saúde, algo que a OMS também considera muito importante.

“Esta pode ser de facto uma medida muito importante. Portugal tem tido nesta área uma estratégia concertada e os resultados começam a aparecer, nomeadamente na diminuição do excesso de peso nas crianças”, disse também Maria João Gregório, lamentando que 30% das crianças em Portugal tenham ainda excesso de peso.

O Perfil Nutricional foi feito pelo PNPAS no seguimento da aprovação da lei 30/2019, que introduz restrições à publicidade dirigida a menores de 16 anos de géneros alimentícios e bebidas que contenham elevado valor energético, teor de sal, açúcar, e gorduras, alterando o Código da Publicidade.

Notícia atualizada às 9h11

mais informações no texto da DGS:

Definido o perfil dos alimentos e bebidas com publicidade restrita a menores de 16 anos

Poluição do ar causa um terço dos casos de asma nas crianças

Setembro 2, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do Euronews de 9 de agosto de 2019.

http://www.youtube.com/watch?v=n4uQiRETz_o

De  Elza GONCALVES 

A poluição do ar é responsável por um terço dos casos de asma nas crianças. É o resultado de um estudo realizado em dezoito países pelo Instituto de Saúde Global, sedeado em Barcelona.

“Estimámos que, cada ano, há seiscentos mil novos casos de asma infantil nesses países. Um terço desses casos de asma são causados pela poluição do ar, especialmente pelas partículas finas com menos de 2,5 micrómetros em diâmetro”, explicou Mark Nieuwenhuijsen, autor do estudo e investigador do Instituto de Saúde Global.

As partículas finas são produzidas pela circulação automóvel, sobretudo pelos veículos a gasóleo e pela indústria. Por serem muitos finas, estas partículas alojam-se nos pulmões.

O impacto da poluição na saúde humana tem sido alvo de vários estudos. Recentemente investigadores chineses concluíram que a poluição tem um impacto negativo no desempenho cognitivo dos humanos, sobretudo nos homens.

Mais informações na notícia:

El 33% de los casos nuevos de asma infantil en Europa son atribuibles a la contaminación atmosférica

“Ideia que a amamentação cria um laço especial é romântica mas é de tempos em que psicologia era mais arte que ciência”

Agosto 30, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia do Expresso de 7 de agosto de 2019.

Marta Gonçalves

A relação entre mãe e filho não está na alimentação, está naqueles momentos de conforto e carinho, do bebé no colo, na interação. “Se a mãe não estiver a ligar coisa alguma ou estiver ao telemóvel enquanto amamenta nem vale a pena.” No entanto, nutricionalmente, não há dúvidas: o leito materno é o melhor alimento para o bebé. Esta quarta-feira termina a semana internacional da amamentação, uma data implementada pelas Nações Unidas para incentivar a alimentação com leite materno e “melhor a saúde dos bebés em todo o mundo”

Quando um bebé nasce uma das primeiras coisas que se faz é pousá-lo sobre o peito da mãe. Daí a não muito tempo estão a mamar. O leite materno é fundamental nos momentos iniciais de vida pela sua riqueza nutricional. “É o leite da espécie e agora que andamos com a moda dos produtos biológicos, mais biológico que isto não pode existir”, aponta ao Expresso o pediatra Lino Rosado. E depois há o outro lado, o de um momento que é mais do que só alimentar o bebé: a relação entre mãe e filho.

“Não tenho notícias muito românticas”, começa logo por dizer a psicóloga Margarida Gaspar de Matos assim que arranca a conversa com o Expresso. “É evidente que do ponto de vista biológico há várias vantagens. Do ponto de vista psicológico, essa ideia de que as mães se vinculam aos filhos através da amamentação e que é um laço especial e único que dura toda a vida é muito romântica mas é de outros tempos, quando a psicologia era mais arte que ciência. A teoria, explica, era defendida sobretudo por autores de uma corrente mais psicanalista. “Depois deles já muitos investigadores provaram que a essência da relação estabelecida da mãe para a criança não tem de ser pela questão alimentar. Tem que ver com o conforto e a interação afetiva. As boas notícias para as mães é que, se não puderem ou quiserem amamentar, podem estabelecer na mesma uma relação fantástica com os seus bebés.”

Para a psicóloga há que ter em consideração que a amamentação nem sempre surge num contexto de “família cor de rosa” em que aquele momento é uma troca de afetos entre todos os envolvidos. “Às vezes os pais separam-se, alguém morre, a criança é produto de uma violação… Nem sempre as crianças nascem num contexto ideal.” E depois há as mulheres que não o fazem por problemas de saúde ou porque tomam determinada medicação. “Temos de libertar as mães deste peso de que se não amamentam não são boas mães.”

Há um contexto histórico e cultural não muito distante que durante mundo tempo forçava as mulheres a ficar em casa a cuidar dos filhos e, se não o fizessem, a sociedade culpabilizava-as. Tempos esses que Margarida Gaspar de Matos considera como “castrantes para as mães”, que se viam obrigadas até a deixarem os empregos porque se não amamentasse “eram más e o filho teria problemas no futuro”.

“Todas estas ideias tiveram o seu percurso histórico e neste momento não se confirmam com a ciência empírica do nosso tempo. Antigamente, dizia-se que se a criança se vinculasse com muita gente ficava perturbada, que deveria ser apenas à mãe. Hoje sabe-se que é precisamente o contrário: com quantas mais pessoas se relacionar, mais vantagens há – seja o irmão, o pai, o avô ou a avó.”, diz. “Neste caso, não se trata do ato de alimentar. É também o conforto do contacto e a troca afetiva e as brincadeiras. Se uma mãe amamentar o filho e estiver a olhar para o telemóvel ou se for brusca a pegar na criança ou não lhe ligar alguma, a amamentação perde completamente esse lado afectivo. Portanto, o inverso também é verdade: se a mãe por acaso não pode amamentar há outros modos de estabelecer relação com os filhos”, acrescenta.

E os sentimentos de culpa nunca devem surgir porque a criança vai senti-los e isso é que realmente prejudica a criação da relação, pois a criança sente a ansiedade e a pressão materna.

“Claro que acontece a tal relação especial entre filho e mãe mas para tal é preciso a conjugação perfeita de tudo. O meu conselho para todas as mães que não podem amamentar é que tentem tudo o que conseguirem para ser felizes com os seus bebés e estimulem os pais a fazer o mesmo porque a criança só lucra se tiver uma relação de amor com a mãe e o pai.”

A amamentação deve ser uma escolha da mãe. E a escolha de não o fazer “deve ser perfeitamente aceitável”, apontam tanto a psicóloga como o pediatra. “A mãe é o melhor que um bebé tem porque é ela que o compreende. Só precisa de estar bem informada e a intuição funciona. Desde que o médico informe, a mãe resolve”, diz Lino Rosado. “A história dos benefícios é generalizada. Muito poucas põem em dúvida os benefícios da amamentação.”

Não é proibido continuar amamentar mas a dado momento só resta “um líquido açucarado”

Entre mães e pais há a ideia generalizada que dar de mamar é sempre a melhor solução para o bebé – embora nem sempre possível. É essa a perceção de Margarida Gaspar de Matos e também a do pediatra Lino Rosado, sobretudo no que toca aos benefícios nutricionais e para a saúde física de mãe e filho.

“É um leite que tem tudo, é adaptado à criança: tem a quantidade de proteínas, vitaminas e hidratos de carbono necessários. O leite de vaca é adaptado para vacas, uma espécie diferente e muito maior e, por isso, mesmo o leite tem uma quantidade muito maior de proteínas, por exemplo. O leite materno é perfeitamente adaptado para um bebé da nossa espécie”, diz Lino Rosado. “Os anticorpos que a mãe tem contra todas as doenças protegem o bebé de infeções, as alergias. Já para a mãe a amamentação evita e diminui o risco de cancro da mama.”

Para o pediatra, idealmente, uma criança deve ser amamentada em exclusividade até aos seis meses. Só depois, aos poucos, introduzidos novos alimentos. Manter o leite materno como a única alimentação após esse meio ano de vida não é suficiente devido ao rápido crescimento da criança e à necessidade de novos nutrientes (sobretudo de ferro). No entanto, isto não significa parar de dar de mama.

“Após um ano de idade pode continuar a dar de mamar mas tem de haver algum bom senso devido ao excesso de leite. Não sendo ‘proibido continuar’, o ideal seria aí por volta dessa altura parar com a amamentação. A riqueza do leite diminui e o bebé anda a beber um líquido açucarado que já não acrescenta muito. Depois é só o hábito de chuchar, de mamar. Passa a servir apenas para acalmar e há uma dependência muito grande da mama”, considera o pediatra.

Esta quarta-feira termina a semana internacional da amamentação, uma data assinalada pelas Nações Unidas com objetivo de alertar para os benefícios do leite materno para a saúde e desenvolvimento das crianças: “aumentar os níveis mundiais de amamentação pode salvar todos os anos mais de 800 mil vidas”.

Repelentes. “Se são seguros para os adultos, são seguros para as crianças”

Agosto 26, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Ben White Unsplash

Texto e imagem do site MAGG de 1 de agosto de 2019.

por Catarina da Eira Ballestero

O pediatra Fernando Chaves não acredita na eficácia de repelentes mais ligeiros, formulados especificamente para crianças.

A época quente tem muitas coisas boas, mas também traz umas quantas más. E se os dias de férias e os mergulhos são recebidos com alegria, o mesmo não se pode dizer das filas constantes para atravessar a ponte 25 de Abril, da rapidez com que os gelados se derretem e dos ataques das melgas, mosquitos e afins, que são um dos maiores flagelos do verão.

É verdade que os adultos são tão suscetíveis de sofrerem picadas destes insetos como as crianças e os bebés mais pequenos, mas também não é mentira que esta população requer mais cuidados, de uma forma geral. E os pais ficam mais nervosos com uma borbulha na perna dos filhos do que com uma gigantesca baba em si próprios.

Felizmente, hoje em dia existem várias soluções no mercado para afastar estes insetos, desde os repelentes aos difusores, e até às pulseiras anti mosquitos, uma gama de produtos muito recente. E muitos destes produtos têm sub gamas especificas para bebés e crianças.

Mas será que esta divisão entre a população faz sentido? Fernando Chaves, pediatra do Hospital Lusíadas Lisboa, acha que não: “Acho graça a essa ideia de colocar as crianças à parte dos adolescentes e dos adultos. Se esse tipo de produtos fosse tão tóxico para as crianças, também o seria para o resto da população”.

As crianças podem usar os mesmos repelentes do que os adultos?

Se entrar numa farmácia em busca de um repelente, vai encontrar várias opções indicadas para bebés, outras para crianças mais velhas e por aí em diante. O mesmo acontece num supermercado, com os eletrodifusores para afastar mosquitos e melgas: existem alguns específicos para os mais jovens.

No entanto, segundo o pediatra Fernando Chaves, estas gamas de produtos podem não ser eficazes. “Na minha opinião, estes produtos representam um nicho de mercado que não serve para nada. São teoricamente mais leves, logo é bem provável que não afugentem os insetos”, explica o especialista à MAGG.

De acordo com o pediatra, existem repelentes de farmácia com a indicação que não podem ser usados antes dos 6 meses de idade.

“Logo, eu pergunto-me: um bebé de 5 meses não os pode usar? O que digo aos meus pacientes em relação a um repelente de farmácia, por exemplo, é que se usam uma determinada quantidade num adolescente, usem metade numa criança mais nova”, salienta Fernando Chaves.

No entanto, há cuidados a ter. Segundo o especialista, os pais devem evitar colocar repelente “nas mãos dos bebés e das crianças, dado que estas as podem levar à boca, e também nos pés, uma vez que alguns bebés, ali por volta dos 6 meses, também os põem na boca”.

Da mesma forma, Fernando Chaves alerta que este tipo de produtos de farmácia devem ser “aplicados de forma segura no corpo dos mais pequenos, evitando as superfícies que possam entrar em contacto com a boca e os olhos”.

Em relação aos eletrodifusores clássicos contra os insetos, que colocamos nas tomadas das paredes, o pediatra também os considera seguros, mas recomenda que faça limitações ao seu uso. “Pode optar por deixá-los ligados durante o dia e, à noite, fechar as janelas e desligá-los”, diz Fernando Chaves.

E as discretas e práticas pulseiras anti mosquitos, são eficazes? O especialista explica que “é tudo muito novo e não sei se resultam, se são eficazes. Se me perguntar daqui a dez anos, já consigo ter uma opinião sobre as pulseiras”.

“Mais do que tratar as picadas, é importante evitá-las”

Para Fernando Chaves, médico pediatra, “mais do que tratar as picadas, é importante evitá-las”. Assim, o especialista recomenda a que se usem barreiras físicas, como os mosquiteiros nas janelas e nos berços, bem como o uso de repelentes tópicos e eletrodifusores contra insetos.

No entanto, os insetos podem sempre levar a melhor e picar as crianças, sendo que existem algumas mais sensíveis do que outras, e que exigem maiores cuidados.

“Há crianças que fazem picadas exuberantes, que ficam com aquelas babas enormes. Nestes casos, e mediante aconselhamento do pediatra, acho eficaz que os pais recorram a anti-histamínicos orais de imediato, logo a seguir à criança ser picada, para impedir o processo de inflamação e alergia local, que também dá muita comichão”, salienta o especialista.

Para além disso, deve também ter em conta o seu destino de férias. “As melgas e os mosquitos não são iguais em todos os países. Sempre que quiser comprar repelentes, aconselho a que o façam já no destino e com a recomendação dos profissionais de saúde e farmacêuticos locais”, conclui o pediatra.

Cerca de 14% das crianças até aos 9 anos são expostas ao fumo do tabaco em casa

Agosto 26, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia da TVI24 de 1 de agosto de 2019.

Um novo estudo revela que as crianças cujos pais são fumadores e com menor nível de escolaridade estão mais expostas ao fumo ambiental do tabaco em casa.

Cerca de 14% das crianças portuguesas até aos 9 anos são expostas diariamente ou ocasionalmente ao fumo do tabaco em casa, percentagem que sobe para os 32,6% nos alunos do quarto ano de escolaridade.

O estudo sobre a “Prevalência de crianças portuguesas expostas ao fumo ambiental do tabaco em casa e no carro” revela que as crianças cujos pais são fumadores e com menor nível de escolaridade estão mais expostas ao fumo ambiental do tabaco em casa.

A investigação, que decorreu entre janeiro e setembro de 2016, é um estudo transversal descritivo que envolveu uma amostra representativa de 2.396 crianças portuguesas dos zero aos 9 anos, estratificada por idade e por região administrativa NUTS II.

Publicado na revista científica da Ordem dos Médicos “Ata Médica”, o estudo revela que 5,4% das crianças estão duplamente expostas ao fumo ambiental do tabaco em casa e no carro.

Segundo a investigação, 5,8% das crianças estão expostas ao fumo em casa diariamente e 8,5% ocasionalmente.

O estudo verificou que 6,1% das mães e 11,2% dos pais fumam no domicílio. Constatou também que 4,5% das mães e 8,3% dos pais fumam no carro.

A exposição das crianças ao fumo ambiental do tabaco tem diminuído em Portugal. Ainda assim, o consumo de tabaco dos pais e um baixo nível de escolaridade são fatores de risco para a exposição das crianças em casa”, sublinha.

De acordo com o estudo, a exposição ao fumo é maior nas crianças cujos pais têm um menor nível de escolaridade (19,6%) do que naquelas em que os pais têm mais estudos (6,2%).

Essas diferenças foram estatisticamente significativas na amostra total e na maioria das regiões avaliadas (Norte, Centro, Área Metropolitana de Lisboa, Algarve, Região autónoma dos Açores).

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Prevalência de Crianças Portuguesas Expostas ao Fumo Ambiental do Tabaco em Casa e no Carro

Os cuidados a ter com os bebés antes de os levar para a praia

Agosto 21, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

thumbs.web.sapo.io

Texto e imagem do site Sapo Lifestyle

Cerca de 22% das crianças com menos de 24 meses tem uma pele muito sensível, apresentando mesmo 8% uma pele atópica. Para proteger os mais pequenos nos meses de maior calor, siga os conselhos do dermatologista David Serra.

Suave, macia, delicada mas… frágil! A estrutura da pele do bebé é muito semelhante à de um adulto, mas a camada córnea é mais fina e as células da epiderme são menos aderentes entre elas. A pele do bebé tem também menos gordura. Por isso, a diminuição de produção de sebo limita a resistência contra o quente ou frio. Mas as diferenças não se ficam por aqui. A pele do bebé tem uma capacidade muito elevada de absorção.

O peso da área da superfície da pele é três a cinco vezes maior em recém-nascidos do que em adultos. Esta diferença significativa implica que o organismo de um recém-nascido absorva concentrações muito mais elevadas do que um produto para adultos para a mesma zona de aplicação. Qualquer produto que entre em contacto com a pele do recém-nascido será, assim, facilmente absorvido, o que não é benéfico.

Desta forma, o risco de toxicidade nesta fase da vida da criança, é elevado e requer o máximo de cuidado na escolha de um cuidado adaptado.

O pH da pele do bebé é diferente do pH da pele do adulto.

Os recém-nascidos têm um pH próximo de 7, neutro, enquanto o pH do adulto é ácido (oscila entre 5,5 e 6,5) proporcionando uma boa proteção da pele contra as bactérias. Esta é a razão pela qual a pele do bebé fica sujeita a infeções, e é mais frágil e delicada.

A pele do bebé é mais suscetível a alergias do que a pele dos adultos. A epiderme do recém-nascido absorve substâncias com mais facilidade. Por isso, os produtos que utilizar, nesta ou em qualquer outra altura do ano, devem ser hipoalergénicos e adaptados à pele sensível do bebé, como recomendam os especialistas. No mercado, são muitas as marcas que investiram em fórmulas que garantem essa segurança.

Guia prático para proteger a pele dos mais pequenos na praia

Para preparar a pele para a praia, David Serra, dermatologista, sugere quais os hábitos que os pais devem abraçar para protegerem a pele dos seus filhos e ainda identifica o tipo de produtos de proteção solar que é mais indicado para a pele infantil. Até aos 12 meses, “é desaconselhada a exposição solar direta prolongada”, começa por referir o especialista. Entre as 11h00 e as 16h00, os mais pequenos não devem apanhar sol.

Esse cuidado deve ser mantido, sempre, “com crianças de pele muito clara, cabelos louros, ruivos ou castanhos-claros, olhos azuis ou verdes e com história familiar de cancro de pele ou com pais com muitos sinais”, acrescenta o especialista. Até aos dois anos, “o protetor solar deve conter apenas filtros físicos”, sublinha ainda David Serra. Filtros que não reagem quimicamente com a pele para proteger a criança.

Antes, formam uma barreira que reflete tanto as radiações UVA, como as UVB, protegendo a pele da criança. No momento de sair de casa, há uma lista de objetos fundamentais a não esquecer antes de ir para a praia, que deve conferir. Deve incluir, além do chapéu, óculos de sol e um guarda-sol. “O vestuário é a forma mais eficaz de proteger a pele do sol”, justifica o dermatologista David Serra

“O protetor solar deve ser aplicado antes de sair de casa e renovado regularmente, em função da atividade da criança e se toma banho. A aplicação deve ser uniforme e abranger toda a pele exposta”, recomenda ainda o especialista. No momento de escolher, prefira leites ou loções aos protetores em spray, visto que “obrigam à utilização de maior quantidade de produto e hidratam mais”, refere ainda.

Escolha sempre produtos com fator de proteção “SPF 50+ e o símbolo UVA também deve estar presente”, aconselha David Serra. Depois de saírem da praia ou se os seus filhos estiveram a chapinhar numa piscina com água salgada, lave sempre a pele com água doce. “A exposição ao sol deve ser gradual e não súbita. Deve ser de pouco tempo nos primeiros dias de exposição”, alerta ainda o dermatologista.

Texto: Filipa Basílio da Silva

O meu filho apanhou um escaldão. O que fazer? Como prevenir?

Agosto 20, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Texto publicado no site Up to Kids

Publicado por Hugo Rodrigues

O meu filho apanhou um escaldão (queimadura solar). O que fazer? Como prevenir?

O primeiro aspeto a reforçar é que todos as queimaduras solares devem ser evitadas. Isso pode conseguir-se através de uma série de medidas de proteção.

Assim, aqui ficam alguns princípios a seguir para ajudar o seu filho a aproveitar o Sol de uma forma mais saudável:

  • Evite as horas de maior intensidade de radiação (11:00 – 16:00)
  • Coloque-lhe sempre um chapéu, de preferência com abas que lhe protejam as orelhas
  • Vista-lhe uma t-shirt para estar mais protegido
  • Experimente colocar-lhe uns óculos de Sol
  • Use um protetor solar com factor de proteção 50+ (se o seu filho tiver menos de 2 anos, esse protetor deve ser com filtros 100% físicos ou minerais) e aplique-o antes da exposição ao Sol
  • Dê-lhe muita água, para repor os líquidos que ele perde com a transpiração
  • Reponha o protetor solar sempre que saia da água

No entanto, se mesmo assim o seu filho apanhar um escaldão, deve tomar as seguintes precauções:

  • Aplicar um creme pós-solar, que geralmente tem um efeito calmante e reparador
  • Passadas algumas horas pode começar a aplicar um creme restaurador hidratante, de preferência com bastante vitamina A e E (e também zinco); deve aplicá-lo, pelo menos, 2-3 vezes por dia
  • Dar medicação para as dores e/ou comichão, se necessário
  • Usar roupas leves e de algodão (de preferência brancas), para não “irritarem” a pele
  • Dar banhos mais curtos e com água mais tépida (pouco quente)

Mesmo depois de passar a queimadura deve continuar a a hidratar bem a pele, para ajudar na sua regeneração. Lembre-se que um escaldão pode ser bastante doloroso (acho que já todos passamos por isso) por isso seja compreensivo com o seu filho quando este se queixar.

Pediatra na Unidade Local de Saúde do Alto Minho, em Viana do Castelo.

Hugo Rodrigues

Em 2018, 20 milhões de crianças não foram vacinadas contra o sarampo, a difteria e o tétano

Agosto 17, 2019 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia e imagem da Rádio Renascença de 15 de julho de 2019.

Redação com Lusa

“As vacinas são uma das nossas ferramentas mais importantes para prevenir surtos e manter o mundo seguro”, alerta o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde.

Vinte milhões de crianças em todo o mundo não foram vacinadas em 2018 contra doenças como sarampo, difteria e tétano, segundo a UNICEF, que alerta para a “perigosa estagnação” das taxas de vacinação por causa dos conflitos e da desigualdade. Em comunicado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), citando dados também da Organização Mundial de Saúde (OMS), diz que globalmente a cobertura de vacinação com três doses de difteria, tétano e tosse convulsa e uma dose de vacina contra o sarampo estagnou por volta dos 86%.

Apesar de reconhecer que se trata de uma taxa de cobertura elevada, a UNICEF sublinha que “não é suficiente”, apontando para a necessidade de uma cobertura de 95% em todo o mundo para proteger contra surtos de doenças evitáveis por vacinação. “As vacinas são uma das nossas ferramentas mais importantes para prevenir surtos e manter o mundo seguro”, alertou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, citado no comunicado. O responsável sublinha que muitas crianças ainda não são vacinadas e recorda que, “muitas vezes, são os que estão em maior risco – os mais pobres, os mais marginalizados, os afetados por conflitos ou forçados a sair das suas casas – quem perde persistentemente”.

A maioria das crianças não vacinadas vive nos países mais pobres e “está desproporcionalmente em estados problemáticos ou afetados por conflitos”, afirma a UNICEF, lembrando que quase metade está em apenas 16 países: Afeganistão, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Haiti, Iraque, Mali, Níger, Nigéria, Paquistão, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Síria e Iémen. “Se estas crianças ficarem doentes, correm o risco de sofrer as consequências mais graves para a saúde e têm menor probabilidade de aceder a tratamentos e cuidados de saúde que salvam vidas”, frisa a organização.

A UNICEF diz ainda que os surtos de sarampo “revelam lacunas na cobertura, inúmeras vezes ao longo de muitos anos” e que as grandes disparidades no acesso a vacinas “abrangem países de todos os níveis de rendimento”. “Tal resultou em surtos devastadores de sarampo em muitas partes do mundo – incluindo em países que têm elevadas taxas de vacinação em geral”, lembra.

Em 2018, quase 350.000 casos de sarampo foram registados em todo o mundo, mais do dobro do que em 2017. “O sarampo é um indicador, em tempo real, de onde temos mais trabalho a fazer para combater doenças evitáveis”, alertou Henrietta Fore, diretora executiva da UNICEF. “Como o sarampo é muito contagioso, os surtos apontam para comunidades que não estão vacinadas devido a acesso, custos ou, em alguns locais, complacência”, acrescenta.

A Ucrânia lidera uma lista diversificada de países com a maior taxa de incidência de sarampo em 2018. Embora o país já tenha vacinado mais de 90% dos seus bebés, a cobertura foi baixa durante vários anos, deixando um grande número de crianças mais velhas e adultos em risco. Vários outros países com alta incidência e cobertura têm grupos significativos de pessoas que não foram vacinados contra o sarampo no passado, recorda a UNICEF, sublinhando que estes dados mostram “como a baixa cobertura ao longo do tempo ou comunidades distintas de pessoas não vacinadas podem desencadear surtos mortais”.

A organização chama ainda a atenção para a disponibilização, pela primeira vez, de dados de cobertura de vacinação contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV), que protege as meninas contra o cancro do colo do útero na idade adulta.

Desde de 2018, 90 países – onde vive uma em cada três meninas em todo o mundo – introduziram a vacina contra o HPV nos seus programas nacionais. Deste grupo, apenas 13 são países de baixos rendimentos. “Isto significa que os que correm maior risco de sofrer os impactos devastadores do cancro do colo do útero são os que têm menor probabilidade de ter acesso à vacina”, indica o comunicado.

Mais informações no comunicado na Unicef:

20 million children missed out on lifesaving measles, diphtheria and tetanus vaccines in 2018

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.