PRESS RELEASE II Colóquio “Brincar e Modos de Ser Criança”

Maio 23, 2019 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

 

 

 

PRESS  RELEASE

II Colóquio “Brincar e Modos de Ser Criança”

 

25 de maio de 2019

Auditório – E.S.E de Coimbra

 

O Instituto de Apoio à Criança (IAC) leva a efeito no dia 25 de Maio, no Auditório da Escola Superior de Educação de Coimbra, o II Colóquio “Brincar e Modos de Ser Criança”.

Este Colóquio pretende refletir sobre o BRINCAR como direito das crianças, como expressão do seu modo de ser e estar e como estratégia cientificamente fundamentada de educação e de integração social; dar a conhecer e divulgar boas práticas de políticas públicas em torno da atividade lúdica infanto-juvenil; divulgar projetos e práticas pedagógicas baseadas nas potencialidades educativas da atividade lúdica e ainda, fomentar o conhecimento mútuo e o diálogo profícuo entre pessoas, grupos e instituições que promovam a salvaguarda e a dinamização do património lúdico. Pretende-se ainda refletir sobre a importância do brincar na natureza e em espaços públicos, na família e na escola.

O Instituto de Apoio à Criança que tem como objetivo fundamental o desenvolvimento integral da Criança e a Defesa dos seus Direitos, tem procurado ajudar a cumprir o “Direito de Brincar” consagrado no artigo 31º da Convenção sobre os Direitos da Criança. É convicção do IAC que a promoção desde Direito conduz a um crescimento equilibrado e feliz, já que, através do Brincar, a Criança atribui significados, comunica, compreende os outros, aprende a respeitar regras, inventa, constrói vezes sem fim, numa reconstrução permanente.

 

A Direção

Lisboa, 22 de maio de 2019

A importância de brincar na terra, segundo Kate

Maio 22, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Lusa / Kensington Palace Handout

Notícia do Público de 21 de maio de 2019.

A duquesa de Cambridge desenhou um jardim e divulgou fotografias dos filhos a brincar.

Kate projectou um jardim com dois paisagistas para o evento Chelsea Flower e divulgou fotografias dos filhos a brincar na terra. Co-criado com Andree Davies e Adam White, o “Back to Nature Garden” da duquesa de Cambridge inclui um balouço de corda, uma casa na árvore e um riacho com cascatas.

Segundo o Palácio de Kensington, Kate é uma grande defensora dos benefícios mentais e físicos que a natureza e o ar livre exercem sobre as crianças e os adultos. “É um espaço natural, um espaço realmente empolgante para crianças e adultos compartilharem e explorarem”, declarou durante a abertura do jardim, na segunda-feira. “Sinto que a natureza tem enormes benefícios no bem-estar físico e mental, especialmente para as crianças”, reforçou.

Num vídeo publicado na sua conta no Instagram, os três filhos do casal, George, Charlotte e Louis, podem ser vistos a brincando na corda, na casa de madeira, e descalços num riacho. O mais pequeno, Louis, que comemorou seu primeiro aniversário no mês passado, pode ser visto a andar pela primeira vez, acenando com um pau.

“Acredito que passar o tempo ao ar livre, quando somos mais pequenos, pode desempenhar um papel importante no estabelecimento das bases para que as crianças se tornem adultos saudáveis e felizes”, acrescentou ainda a duquesa.

O Chelsea Flower Show, que abre ao público esta terça-feira e encerra no sábado, é o evento de maior prestígio no calendário de jardinagem da Grã-Bretanha.

 

 

Semana da Criança e do Brincar – 25 de maio a 2 de junho em Seia

Maio 22, 2019 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

mais informações no link:

https://www.cm-seia.pt/index.php?option=com_k2&view=item&id=2009:semana-da-crianca-e-do-brincar&Itemid=349

Ludi’Cidade 2019 – 24, 25 e 26 maio no Porto

Maio 21, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Mais informações no link:

https://www.facebook.com/events/456543315081214/

 

Dia Mundial do Brincar – 1 de junho nos Jardins do Palácio de Belém

Maio 18, 2019 às 6:19 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Dia Mundial do Brincar

O Dia Mundial do Brincar assinala-se a 28 de Maio, mas este ano o Instituto de Apoio à Criança, com a colaboração do Museu da Presidência e da Guarda Nacional Republicana – GNR, marcou as comemorações para o dia 1 de Junho. A festa irá decorrer nos jardins do Palácio de Belém.

Neste dia podemos contar com inúmeras atividades para toda a família: parede de escalada e slide, batismo de mergulho, cavalos e charretes, veículos militares, diversos espetáculos, bicicletas, pinturas faciais, insuflável gigante, robótica, emissão de rádio, jogos de tabuleiro, entre muitos outros.

Onde: Jardins do Palácio Nacional de Belém

Acesso pelo Museu da Presidência da República – Praça Afonso de Albuquerque

Quando: 1 de junho de 2019 | 10h00-18h00 (última entrada às 17h00)

Entrada livre

Consulte o programa do evento e siga a página de facebook do Dia Mundial do Brincar para mais informações.

Falta tempo às crianças para brincar e brincam pouco com os pais

Maio 11, 2019 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Foto: Ashton Bingham/Unsplash

Notícia da Rádio Renascença de 30 de abril de 2019.

Marta Grosso

A maior parte dos mais novos brinca na escola e só 2% brincam na rua, revela estudo do Instituto Politécnico de Coimbra. Académicos mostram-se preocupados com tempo dedicado às atividades motoras na infância.

A maioria dos pais acredita que brincar é importante para as crianças, mas dedica pouco tempo a essa atividade e condiciona o tempo de brincadeira dos seus filhos.

De acordo com um estudo elaborado pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra, em parceria com o Instituto da Criança e a publicação “Estrelas e Ouriços”, mais de metade dos pais inquiridos (69,7%) considera que o tempo é o principal ingrediente para que a brincadeira possa acontecer.

Mas, quando se lhes pergunta porque é que brincar é importante, é fraca a percentagem que aponta a diversão, o desenvolvimento motor e físico, a socialização ou o desenvolvimento de “habilidades úteis para a sua futura vida profissional”.

“Brincar é uma atividade muito séria do ponto de vista do desenvolvimento humano e especificamente do desenvolvimento infantil” e este “estudo reflete como nós condicionamos o tempo e o espaço em que as crianças brincam”, afirma à Renascença o professor Rui Mendes, porta-voz e coordenador do estudo, “o primeiro realizado em Portugal com uma amostra significativa”.

“O que constatamos é que a maior parte das crianças brinca, fundamentalmente, na escola, brincam muito pouco com os seus próprios pais e brincam muito pouco com os seus avós”. A maioria dos pais diz que o tempo é fundamental para as crianças brincarem. E é o que elas não têm. Nem os pais.

“Se fizermos as contas, uma criança de 8 anos que tenha sete horas de escola, uma higiene de dormida adequada, que é de oito horas, já lhe resta muito pouco tempo. Se este tempo tiver o jantar com os pais, se lhe acrescentar uma atividade de educação religiosa ou motora, como nadar, ou aprender uma língua ou estudar música, a criança fica com pouco tempo livre. Deste tempo que tem, se não for convidada a vir para a rua, estamos confrontados com uma situação em que o número de pessoas que visita museus é menor e mais gente a considerar que a visita aos centros comerciais ao fim-de-semana faz parte da rotina familiar”, realça Rui Mendes.

E, mesmo na escola, onde as crianças passam, no mínimo, seis horas, “o tempo que ela tem livre é reduzido, porque um intervalo de meia hora é para as crianças lancharem, fazerem as suas necessidades básicas, restando-lhes qualquer coisa como 10 ou 15 minutos para brincar”.

Subir às árvores “passou a ser quase uma atividade radical”

O estudo reflete como os adultos condicionam o tempo e o espaço em que as crianças brincam.

A maior parte dos pais, quando estão num parque infantil a acompanhar os seus filhos, “não consegue estar calada, porque quer condicionar o tipo de brincadeira que a criança faz”, afirma o coordenador do estudo.

A preocupação em possibilitar que as crianças brinquem mais tempo na rua, em contacto com os elementos naturais, tem vindo a crescer, uma vez que estas brincadeiras já não fazem parte do quotidiano, comparativamente com o que acontecia no passado.

E os pais parecem estar cada vez mais conscientes desta mudança: 41,2% afirmam que gostariam de mudar esta realidade.

Há hoje vários estudos que indicam que muitas crianças têm um “nível de iliteracia em relação a certas atividades motoras muito simples”, refere Rui Mendes.

“Não deixa de ser complicado termos crianças com 10 anos que não sabem andar de bicicleta ou com 9 anos com dificuldade em apertar os atacadores ou que têm 10 anos e têm dificuldade em descer uma árvore que tem um metro de altura. Ou seja, aquilo que era algo perfeitamente básico do ponto de vista motor, passou a ser quase uma atividade radical”, sublinha.

Já em 2013, as Nações Unidas alertavam para o facto de o valor do brincar no bem-estar, saúde e desenvolvimento da criança ser subestimado e desvalorizado – uma opinião também manifestada pelo Conselho da Europa e a própria National Geographic, que insiste no lema de que brincar é coisa séria.

Por outro lado, é dada primazia ao desporto e a atividades estruturadas que muitas vezes são impostas às crianças nos seus tempos livres, a que se junta a pressão para o sucesso académico, que leva as crianças a passarem pouco espaço para brincar em casa com os pais e outros pares – e assim comprometendo oportunidades para desenvolver a criatividade, a exploração e as competências sociais.

Por tudo isto isso, Rui Mendes deixa um conselho às famílias: criem “estratégias para aumentar as rotinas de brincadeira familiar” e “oportunidades para que as crianças possam aprender, no seu tempo e no seu espaço, sem interferência adulta significativa relevante”.

O estudo chama-se “Portugal a Brincar” e é apresentado nesta terça-feira pelo seu porta-voz e coordenador em Cascais.

Segundo os dados apurados, só 2% das crianças brincam na rua, mais de metade das crianças dedica uma hora a brincar com tecnologias, enquanto 1% dedicam três horas a esta forma de lazer.

 

 

Três horas para brincar e pelo menos 10 horas para dormir. As recomendações da OMS para crianças com menos de 5 anos

Maio 7, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia e imagem do Observador de 24 de abril de 2019.

Vera Novais

A Organização Mundial de Saúde divulgou esta quarta-feira um conjunto de recomendações sobre atividade física e momentos de repouso para crianças com menos de cinco anos. Muita corrida e poucos ecrãs.

Quanto tempo por dia deve uma criança praticar atividades físicas? Três horas a partir do primeiro ano, mas “quanto mais melhor”, recomenda a Organização Mundial de Saúde (OMS). Quando ao tempo em frente a um ecrã, “quanto menos melhor” e nunca mais de uma hora.

A atividade física deve começar logo no primeiro ano de vida. Se o bebé ainda não for capaz de se sentar, deve passar pelo menos meia hora por dia de barriga para baixo, e nunca mais de uma hora preso numa cadeira ou nos transportadores usados pelos pais. As recomendações também têm em conta as horas de sono, que vão diminuindo à medida que a criança cresce, mas nunca menos de 10 horas.

A OMS esclarece a atividade física pode, muitas vezes, dizer respeito aos jogos e brincadeiras das crianças em que há movimentos moderados ou até intensos — e não necessariamente uma aula de ginástica ou natação. E que os momentos sedentários também são necessários, mas não aqueles que são passados em frente a um ecrã de televisão ou telemóvel. Como exemplos atividades nos momentos sedentários, estão os jogos menos exigentes fisicamente — como montar um puzzle ou até ler um livro.

As recomendações constam no documento “Diretrizes para a Atividade Física, Comportamento Sedentário e Sono — para crianças com menos de cinco anos”, publicado esta quarta-feira. O objetivo é fornecer recomendações sobre os períodos de atividade ou repouso para crianças menores de cinco anos, tendo em conta a sua saúde e bem-estar, porque a atividade física (e o sono) antes dos cinco anos está relacionada com alguns indicadores de saúde, como acumulação de gordura, saúde óssea e cardíaca, desenvolvimento cognitivo e motor. E têm uma vantagem adicional, os hábitos e estilo de vida adotados na primeira fase da vida podem influenciar os hábitos no futuro.

O documento visa também colmatar uma lacuna, já que as recomendações da OMS em relação à atividade física, divulgadas em 2010, não contemplam esta faixa etária. Os autores acautelam, no entanto, que as recomendações para crianças com deficiências ou doenças crónicas devem ser adaptadas pelos médicos que as acompanham.

Depois dos cinco anos e até aos 17, a atividade física é recomendada com o objetivo de melhorar a função cardiorrespiratória (coração, sistema circulatório e pulmões) e desempenho muscular, melhorar a saúde óssea e reduzir sintomas de ansiedade e depressão. O ideal é que as crianças e jovens pratiquem atividades físicas moderadas ou intensas durante 60 minutos por dia, sejam jogos, desportos ou caminhadas para a escola. Além disso, o exercício físico intenso deve ser realizado três vezes por semana.

As recomendações destinam-se a decisores políticos, sejam eles nos ministérios da Saúde, Educação ou Segurança Social, a trabalhadores de organizações não-governamentais, dos serviços de apoio ao desenvolvimento infantil, mas também a pediatras, médicos, enfermeiros e terapeutas ocupacionais. Claro que os pais, enquanto primeiros cuidadores são quem mais facilmente as poderá colocar em prática.

 

 

Escola é onde as crianças mais brincam Rua é o sítio onde menos brincam – Entrevista de Ana Lourenço do IAC na TVI

Maio 2, 2019 às 12:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

A Drª Ana Lourenço do Sector da Actividade Lúdica do Instituto de Apoio à Criança, foi entrevistada hoje na TVI – Diário da Manhã.

A importância do brincar no desenvolvimento da criança – 30 abril em Coimbra com Paula Duarte e Pedro Rodrigues do IAC

Abril 30, 2019 às 3:25 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

 

OMS: para crescerem saudáveis, crianças devem sentar menos e brincar mais

Abril 29, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia da ONU News de 25 de abril de 2019.

Novas diretrizes da agência destacam atividades físicas, comportamento sedentário e sono para crianças com menos de cinco anos; mais de 23% dos adultos e 80% dos adolescentes não são suficientemente ativos fisicamente.

Crianças com menos de cinco anos devem passar menos tempo sentadas em frente às telas ou dentro de carrinhos de bebê. De acordo com novas diretrizes divulgadas pela Organização Mundial de Saúde, OMS, elas também precisam dormir melhor e ter mais tempo para brincar ativamente para que cresçam saudáveis.

Segundo o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, “alcançar a saúde para todos significa fazer o que é melhor para a saúde desde o início da vida das pessoas”.

Diretrizes

O representante destaca que “a primeira infância é um período de rápido desenvolvimento e uma época em que os padrões de estilo de vida da família podem ser adaptados para aumentar os ganhos em saúde”.As novas diretrizes sobre atividades físicas, comportamento sedentário e sono para crianças com menos de cinco anos foram desenvolvidas por um painel de especialistas da OMS. O grupo avaliou os efeitos em crianças pequenas do sono inadequado e do tempo que elas passam sentadas assistindo telas ou em cadeiras e carrinhos de bebê.

A equipe também revisou evidências sobre os benefícios do aumento dos níveis de atividade.

Para a gerente de programas de vigilância e prevenção baseada na população de doenças não transmissíveis, Fiona Bull, “melhorar a atividade física, reduzir o tempo de sedentarismo e garantir o sono de qualidade em crianças pequenas melhora sua saúde física, mental e de bem-estar e ajuda a prevenir a obesidade infantil e doenças associadas que surgem mais tarde na vida”.

Atividades Físicas

A OMS aponta que a falha em seguir as recomendações atuais de atividade física é responsável por mais de 5 milhões de mortes em todo o mundo, a cada ano, em todas as faixas etárias. Atualmente, mais de 23% dos adultos e 80% dos adolescentes não são suficientemente ativos fisicamente.

A agência acrescenta que se a atividade física saudável, o comportamento sedentário e os hábitos de sono forem estabelecidos no início da vida, isso ajuda a moldar os hábitos desde a infância, adolescência e até a idade adulta.

Brincadeiras

A especialista em obesidade infantil e atividade física da OMS, Juana Willumsen, enfatiza que o que se precisa realmente fazer “é trazer de volta a brincadeira para as crianças.” Ela acrescenta que “trata-se de fazer a mudança do tempo de sedentarismo para o tempo de brincadeira, e ao mesmo tempo, protegendo o sono.”

A OMS aponta também que o tempo sedentário de qualidade passado em atividades interativas não baseadas em tela com um cuidador, como leitura, narração de histórias, canto e quebra-cabeças, é muito importante para o desenvolvimento infantil.

Segundo a agência, o uso dessas diretrizes durante os primeiros cinco anos de vida pode contribuir para o desenvolvimento motor e cognitivo das crianças e a saúde ao longo da vida.

Recomendações para crianças com menos de um ano: 

  • Ser fisicamente ativo várias vezes ao dia de várias maneiras, particularmente por meio de brincadeiras no chão – quanto mais melhor. Para aqueles que ainda não são caminham, isso inclui ficar pelo menos 30 minutos em posição de bruços em diferentes períodos do dia enquanto estão acordados.
  • A criança não deve ser restringida por mais de uma hora de cada vez. Por exemplo: em carrinhos de bebê ou carrinhos, cadeiras altas ou amarradas nas costas de um cuidador. Não é recomendado passar tempo em frente à tela. Quando esta estiver parada, é recomendado que ela se envolve em leituras e ouça histórias de um cuidador.
  • Entre o zero e os três meses, os bebês devem ter de 14 a 17 horas de sono de boa qualidade, incluindo momentos de repouso. Já entre os quatro e 11 meses, o recomendado é ter entre 12 a 16 horas.

Crianças com entre um e dois anos devem:  

  • Gastar pelo menos 180 minutos em diversos tipos de atividades físicas em qualquer intensidade, incluindo atividade física de intensidade moderada a vigorosa, distribuídas ao longo do dia. Quanto mais, melhor.
  • A criança não deve estar inativa por mais de uma hora de cada vez. Por exemplo: em carrinhos de bebê ou carrinhos, cadeiras altas ou amarradas nas costas do cuidador, ou sentar-se por longos períodos de tempo. Para os menores de um ano, não é recomendado passar tempo sedentário em frente à tela, como assistir TV, vídeos ou brincar com jogos de computador. Para as que tenham dois anos de idade, o tempo sedentário diante da tela não deve ser superior a 1 hora – quanto menos melhor. Quando a criança estivar parada, é recomendado que se envolva em leituras e narração de histórias com um cuidador.
  • Entre o zero e os três meses, os bebês devem ter de 14 a 17 horas de sono de boa qualidade, incluindo momentos de repouso. Já entre os quatro e 11 meses, o recomendado é ter entre 12 a 16 horas.

Crianças de três a quatro anos devem:  

  • Passar pelo menos 180 minutos em várias atividades físicas em qualquer intensidade. Pelo menos 60 minutos dessas atividades devem ser físicas de intensidade moderada a vigorosa, espalhadas ao longo do dia. Quanto mais, melhor.
  • Não devem ser mantidas por mais de uma hora de cada vez, como em carrinhos de bebê, ou sentar por longos períodos. O tempo sedentário em frene à tela não deve exceder uma hora – quanto menos melhor. Quando inativa, é recomendado que a criança se envolva em leituras e narração de histórias com um cuidador.
  • Entre o zero e os três meses, os bebês devem ter de 14 a 17 horas de sono de boa qualidade, incluindo momentos de repouso. Ter de 10 a 13 horas de sono de boa qualidade, que podem incluir um cochilo, com horários regulares para dormir e acordar.

Descarregar o documento WHO guidelines on physical activity, sedentary behaviour and sleep for children under 5 years of age no link:

https://www.who.int/news-room/detail/24-04-2019-to-grow-up-healthy-children-need-to-sit-less-and-play-more

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.