4 bons motivos para optar por brinquedos de madeira

Outubro 12, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Texto do site http://uptokids.pt/ de 27 de setembro de 2017.

Com frequência, os brinquedos de madeira são associados a alguma nostalgia por despertarem recordações de infância. E também é frequente encontramos quem pense que é esse regresso ao passado que a pretendemos com a actividade que desenvolvemos.

Na verdade, não é assim. Embora consideremos que, de uma forma geral, todos os brinquedos têm o seu papel e importância, consideramos que aqueles que são os fabricados em madeira apresentam enormes vantagens para as crianças.

1. Os brinquedos de madeira são de maior duração

O nosso filho de 6 anos (é o nosso director de qualidade) brinca com um comboio que tem quase 40 anos de existência! Ao longo do tempo algumas peças foram substituídas (o que faz dele, de resto, um excelente objecto de colecção), é certo, mas por se perderem e não por se danificarem. Os brinquedos de madeira são, efectivamente, menos susceptíveis de se partirem do que os seus equivalentes em plástico, sendo mais resistentes a quedas, pisadelas ou “testes de resistência”. Mesmo quando se partem, são normalmente mais fáceis de reparar. Além disso, não são tão susceptíveis à “obsolescência programada”, ou seja, não são fabricados de forma a rapidamente se tornarem tecnologicamente obsoletos.

É por isso que muitos se tornam objectos de brincadeira que passam de geração em geração, agregando valor sentimental mesmo junto dos adultos.

2. Os brinquedos de madeira são mais seguros

Sendo mais duráveis, o risco de ferimento com pequenas peças partidas é muito mais reduzido do que os equivalentes em plástico. E também não existe risco de engolir bactérias, uma vez que, normalmente, não as têm.

3. Os brinquedos de madeira são mais ecológicos

Como os brinquedos de madeira tendem a durar mais do que os de plástico, o lixo que com eles é produzido é muito menor. Acresce o facto de que o plástico demora muito mais tempo a degradar-se.

Por outro lado, os brinquedos de madeira têm uma menor toxicidade química, uma vez que são produzidos com recurso a materiais essencialmente naturais. É claro que teremos de fazer uma análise crítica quando os escolhemos: há outros factores envolvidos que deverão ser tidos conta, como as tintas e vernizes, por exemplo. Esse aspecto é especialmente importante quando sabemos que o plástico é derivado do petróleo, recurso ambientalmente nocivo e não renovável. Se tivermos o cuidado de procurar brinquedos cuja madeira provenha de plantações sustentáveis, a vantagem é evidente.

Já referimos a vantagem de não funcionarem com baterias (nós costumamos dizer que funcionam a energia humana). Para além da questão da segurança, a sua não utilização reduz o impacto ambiental do fabrico e utilização.

4. Os brinquedos de madeira potenciam mais o desenvolvimento infantil

Normalmente, os brinquedos de madeira não têm um botão onde a criança carrega e se limita a ver o que o brinquedo faz. Ela tem de se envolver com ele, criando cenários e diferentes formas de interacção, desenvolvendo a imaginação e criatividade. Além disso, o único sítio onde uma criança deveria ouvir “amo-te” ou “gosto muito de ti” deveria ser no seio da sua família e não de um objecto de plástico.

São também brinquedos que têm, por norma, associado o desenvolvimento de diversas capacidades. Por exemplo, um puzzle ou um jogo de construção contribui para o reforço das competências lógicas, de percepção de espaço ou agilidade motora.

Os brinquedos de madeira tendem ainda a criar um ambiente mais calmo do que que os seus barulhentos e automáticos brinquedos de plástico.

Por tudo isto, não temos dúvidas: os brinquedos de madeira são melhores!

*imagem fornecida pelo autor

Vilma van Harten

Vilma van Harten, engenheira agrícola de formação, responsável por projectos relacionados com a diversão infantil por vocação e coração, artesã…

Ver mais

 

 

 

 

Anúncios

Jogos da nossa infância

Setembro 26, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto do site https://pumpkin.pt/

Jogo do Mata.

O nome é pouco amigável, mas prometemos horas de diversão. Só precisam de uma bola e de fazer duas equipas com o mesmo número de jogadores. Se for preciso, convidem os amiguinhos, os primos ou desafiem mais adultos a participar. Vão adorar voltar à infância e ainda fazem exercício.

Regras.

O objetivo do jogo é “matar” todos os jogadores da equipa adversária (e tentar não morrer!). Só se pode jogar com as mãos.

O jogo não tem duração definida: quando uma equipa eliminar todos os jogadores adversários, podem recomeçar.

Só precisam de uma bola, preferencialmente mais pequena do que as típicas bolas de futebol.

Delimitem o espaço de jogo em quatro áreas: dois meios-campos e duas áreas mais pequenas no fim de cada lado (área do piolho).

Cada equipa ocupa o seu meio-campo, com excepção do jogador que será o piolho e que ocupará essa área na zona do piolho instalada no meio-campo da equipa contrária.

Os jogadores que estão no meio-campo têm que trocar passes com o piolho. Quando atingirem os 10, e se a bola não cair no chão, podem tentar “matar” um adversário.

Um jogador “morre” quando a bola lhe acerta.

O primeiro jogador de cada equipa a “morrer” substitui o piolho inicial. À medida que outros jogadores vão morrendo, ocupam também a área do piolho, mas já não podem regressar ao meio-campo nem agarrar a bola.

Bota Botilde/Limão.

Quem é que não se lembra da Bota Botilde, a famosa mascote do programa de televisão “1, 2, 3”? Este fenómeno de audiências transversal a todas as idades teve tal impacto que nos anos 80 todas as crianças andavam com a bota botilde no pé… mas não era calçada!

A Bota Botilde era um brinquedo que não só promovia a agilidade e a condição física, como potenciava a vontade de ultrapassar desafios e estabelecer recordes. A mecânica é muito simples: uma corda tem na extremidade uma argola (que se coloca no tornozelo) e na outra tem uma, no caso, bota. A criança só tem que fazer rodar o brinquedo, saltando por cima da corda sem pisar a outra extremidade.

Infelizmente a Bota Botilde já não existe, mas pode encontrar no mercado alternativas mais modernas e igualmente divertidas: Skip It e Argola de Pé para saltar.

Acha que consegue dar mais saltos do que eles?

Jogo do Prego.

Regras.

Vão precisar de um prego com entre 15 a 20 cm de diâmetro, e de um espaço com areia solta onde possam jogar. Podem comprar o prego em qualquer loja de ferragens (o nosso custou 20 centimos).

O objectivo é espetar o prego na areia pelo bico, atirando-o como mandam os desafios:

O prego, depois de atirado à areia, tinha que ficar espetado, e contava como válido, desde que tivesse o topo fora da areia – ou seja, desde que o topo não estivesse em contacto com a areia, o que implicava que não estivesse caído, na horizontal. Se o jogador não fosse bem sucedido, e o prego tivesse caído, passava o “jogo” para o seguinte, iniciando uma nova série com as várias posições indicadas.

Para os jogadores mais avançados há o nível à espanhola, em que a série acima é feita pegando no prego ao contrário, pela cabeça, o que implica uma pirueta no ar antes da aterragem do prego.

Berlinde.

Para jogar ao berlinde não existem leis universais. Os jogos variam de país para país, de cidade para cidade, de rua para rua. Conta a criatividade das crianças e a memória dos pais.

No entanto, os mais comuns são talvez o jogo “dos buraquinhos” ou “dos círculos”: podem cavar vários buraquinhos ou desenhar círculos no chão. Os jogadores devem, com um impulso do polegar, acertar no alvo.  Os jogadores seguintes devem tentar acertar no berlinde dos companheiros, e se conseguirem retirá-los do círculo/buraco, podem ficar com eles.  Vence aquele que ficar com mais berlindes no fim.

Jogo do Fio.

Um fio de lã ou um cordel pesca e temos diversão assegurada durante horas. A sequência de movimentos parece infinita e é muito desafiante tentar ter uma nova ideia para passar o fio para as nossas mãos sem destruir as formas anteriores.

Os miúdos rapidamente aprendem e adoram!

Talvez seja difícil entender com as palavras, mas o vídeo dá algumas pistas. Conseguem reproduzir?

Macaquinho do chinês.

Um jogo divertido para fazer em qualquer lugar (até numa piscina!)

Junto e de frente para uma parede está um jogador, de costas voltadas para os outros participantes. Este jogador vai dizer “um, dois, três, macaquinho do chinês”

Enquanto esta frase é dita os jogadores deslocam-se o mais depressa possível para a parede.

Quando o jogador terminar a frase volta-se para os participantes do jogo.

Os jogadores que forem apanhados em movimento regressam ao ponto de partida.

Ganha o primeiro que conseguir tocar na parede ou no jogador da frente sem ser visto.

 

 

O seu filho tem amigos imaginários? É normal

Setembro 11, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto do http://www.noticiasmagazine.pt/ de 19 de agosto de 2017.

Mergulham no reino da fantasia, criam amigos no seu próprio mundo, e, por vezes, não gostam de os partilhar com os pais – e, por isso, há pais que sentem ciúmes. Os amigos imaginários das crianças dos três aos seis anos são sinal de desenvolvimento saudável. A menos que se isolem.

Os amigos imaginários são sinal de desenvolvimento cognitivo e emocional das crianças entre os três e os seis anos. Os pais não devem ter ciúmes, devem superar esses sentimentos de se sentirem à margem, e perceberem que a imaginação é fundamental na vida dos mais pequenos.

Texto de Sara Dias Oliveira | Fotografia de Shutterstock

Pode parecer estranho, mas é normal. Habitualmente as crianças entre os três e os seis anos têm amigos imaginários. Não existem na vida real, existem nas suas cabeças. Podem ser bonecos, animais, objetos, ou nem sequer ter existência física. É uma forma de os mais pequenos descobrirem gradualmente a sua identidade, experimentarem todas as facetas da sua personalidade, serem quem quiserem, comandarem o seu mundo.

É um sinal de desenvolvimento emocional e cognitivo saudável e que a imaginação está a fazer o seu caminho. A menos que se fechem demasiado nesse mundo e não queiram brincar com outras crianças. Nesse caso, há motivos para preocupações.

«A capacidade de construir um mundo imaginário e pessoas imaginárias, de dar vida a um boneco querido, é um indício de que ela está a desenvolver rapidamente a capacidade de testar os limites do seu mundo. Isto torna-se uma maneira de afastar os demónios que a cercam – o ódio, a inveja, a mentira, o egoísmo e a falta de seriedade», escreveu o norte-americano T. Berry Brazelton, pediatra durante mais de 40 anos, no seu mítico livro O Grande Livro da Criança.

Os amigos imaginários devem ser respeitados. Há, no entanto, pais que podem sentir ciúmes ao perceberem que há mais gente na vida do seu filho. Há pais que se assustam por não haver fronteiras entre a realidade e a fantasia. Há irmãos mais velhos que podem fazer troça dessa imaginação e destruir a liberdade de explorar esse mundo de fantasia do irmão mais novo.

Mas essa fase da vida das crianças, que lhe proporcionam momentos de descoberta, é normal e deve ser digerida como uma etapa do crescimento dos mais pequenos. Os amigos imaginários podem ser um ensaio para amizades futuras.

Mas nem tudo é normal. Se a criança se isola, há razões para preocupação. Se não consegue largar os amigos imaginários para brincar com os amigos de carne e osso, é preciso conversar. A socialização com colegas da sua idade é muito importante.

«Se não conseguir pôr de lado os seus amigos imaginários para estar com os verdadeiros, isso é motivo para preocupação. Se se alhear de uma participação ativa na escola e nas brincadeiras, os amigos imaginários podem representar um sintoma de demasiado isolamento e de uma criança muito solitária», alertou Brazelton no seu livro.

Por isso, convém estar atento. Os pais não devem ter ciúmes dos amigos que não existem, devem perceber o papel que os imaginários têm no reino da fantasia, e estimular as brincadeiras com os amigos reais.

E outra coisa: desligar a televisão ou as tecnologias durante a maior parte do dia. Se uma criança passa o tempo colada ao ecrã não terá tempo para explorar as suas próprias fantasias. E isso não é aconselhável. A televisão ou o tablet pode impor «um mundo artificial de violência e de bem e mal inatingíveis» e entorpecer as aventuras imaginárias dos mais novos.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

 

 

 

 

 

Sabe de que forma os brinquedos do seu filho influenciam o seu futuro?

Agosto 28, 2017 às 6:00 am | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do https://ionline.sapo.pt/ de 16 de agosto de 2017.

Shutterstock

Até a forma como brincamos com a criança assenta em estereótipos.

As meninas costumam brincar com peluches cor-de-rosa e os meninos com carrinhos. Poderão estes hábitos ter impacto no futuro? Estudos dizem que sim: os bebés que brincam com brinquedos que ajudama  desenvolver para uma maior sensação espacial ou que estimulam a confiança física – como carros, robôs, pequenos puzzles, etc – costumam dominar profissões onde estas características são imprescendíveis. Características essas que estão mais associadas ao sexo masculino do que feminino.

Assim, este tipo de empregos costuma ter muito mais homens do que mulheres. Mas será que os pais ou os educadores têm influência nesta situação?

A BBC fez um teste e colocou um bebé do sexo masculino com roupas de menina e vice-versa. Edward passou a ser Sophie e Marnie ‘transformou-se’ em Oliver. Os adultos que interagiram com eles posteriormente não sabiam os seus verdadeiros nomes de julgaram que Sophie era,d e facto, uma menina, e Oliver um menino.

Na experiência é possível ver que os educadores oferecem a Oliver brinquedos como robots, peças para montar, e dão –lhe ainda um triciclo e um pequeno pónei para montar. Já Sophie temd e interagir com fantoches e peluches, brinquedos que não estimulam tanto o desenvolvimento cerebral.

Quando se aperceberam da mudança de roupas e de nome, entenderam que a forma como brincam com as crianças baseia-se também em estereótipos e pode ter uma grande influência no seu desenvolvimento.

 

 

Os seus filhos ainda sabem brincar?

Agosto 1, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto do http://www.noticiasmagazine.pt/ de 5 de julho de 2017.

Combine um dia por semana ou um número de horas sem acesso a dispositivos eletrónicos e use esse tempo para fazerem atividades em família

«E agora, mãe, a que é que eu brinco?» A pergunta é frequente e surge quando não há uma atividade planeada para os mais pequenos ou brinquedos à disposição – seja na sala de espera do consultório, na casa da prima que não tem filhos ou no jardim público onde não há um parque infantil. Mas… Desde quando é que as crianças precisam de orientação para brincar?

Texto Leonor Ribeiro /CADIn* Ilustração Filipa Viana/WHO

A investigação tem revelado que o número de horas que as crianças passam em atividades desportivas organizadas duplicou nos últimos anos e que o número de minutos dedicados a atividades de lazer passivas quintuplicou. Resultado: nas últimas duas décadas, as crianças perderam cerca de 12 horas de brincadeira livre por semana.

Quando o brincar existia em todas as ruas, pracetas, jardins e pátios de escola, não era tema de conversa… era natural, acontecia… Mas agora que todos os tempos das crianças estão ocupados com atividades enriquecedoras e jogos (jogos, não brincadeira livre ativa e espontânea), surge o alerta!

Seja nos jornais ou em conferências de profissionais da área da saúde e da educação, brincar é um tema na ordem do dia. David Elkind, um investigador norte-americano desta temática, alerta que eliminar a brincadeira livre ou programar a vida das crianças com atividades organizadas leva a elevados riscos futuros para a sua saúde, sucesso e felicidade.

Pensemos no Gaspar, um menino de olhos que brilham de vida, ele fervilha de energia quando sai da escola. Chega a casa, toma um lanche rápido e salta para a rua para brincar, correr, andar de bicicleta e ter aventuras com os amigos do bairro. Muitas vezes não leva os trabalhos de casa feitos para a escola, não é o melhor aluno, mas a sua alegria, destreza motora e autonomia são evidentes.

Já o Tiago, que sabemos ter um olhar cheio de energia também, embora nem sempre o consigamos ver, quando sai da escola vai para a explicação e aos fins de semana tem algum reforço para se preparar para os testes. A seguir tem de continuar a estudar mais um pouco, para praticar e compensar as dificuldades que sente. Às vezes também não leva os trabalhos de casa feitos para a escola, porque os esconde. Não é o melhor aluno e diz que o que mais desejava era poder passar os dias a correr e a brincar.

As famílias, quando tomam a decisão de deixar os filhos agir mais de uma maneira ou de outra, estão claramente a pensar no melhor para os seus filhos. No entanto, qualquer das posições pode ser alvo fácil de crítica, pela pressão social entre pais. Nos últimos anos, a sociedade passou a prescrever que atividades organizadas, como o desporto, são essenciais para a criança aprender competências sociais e motoras, e que as atividades mais ligadas às artes são fundamentais para o desenvolvimento da criatividade e da expressão pessoal.

Existem ainda as explicações, terapias, etc. Pior: se não dermos aos nossos filhos a oportunidade de praticar pelo menos um deste tipo de atividades, sentimos que não estamos a investir no seu futuro. Quando ainda resta algum tempo para a brincadeira, pode surgir a preocupação com o bem-estar físico, levando a uma supervisão constante e alertas para o risco das brincadeiras, das pessoas e espaços.

Transpomos o nosso medo para os nossos filhos de tal forma que lhes privamos a oportunidade de inovarem, arriscarem, experimentarem e aprenderem por si. É raro vermos crianças, como o Gaspar, com oportunidade de viverem as suas aventuras. Por outro lado, esta ansiedade pelo bem-estar físico contrasta com o fácil acesso a conteúdos que podem afetar a inocência psicológica das crianças, seja através da televisão, internet ou jogos, consumidos sem qualquer controlo.

Não se deve compreender o brincar como um luxo, mas sim como uma atividade dinâmica crucial para a saúde física, intelectual, social e emocional em todas as idades. A nível socioemocional, promove a capacidade de saber lidar e interagir com os outros e com o mundo, a lidar com sentimentos, a comunicar, a tornarem-se crianças mais resilientes e com maior capacidade de autorregulação.

A nível cognitivo, brincar cria diversas oportunidades para potenciar a capacidade de resolução de problemas, de tomada de decisões, de planeamento, organização e flexibilidade. Ao nível físico, além dos óbvios benefícios para a saúde, também promove o desenvolvimento de competências motoras.

Tentem recordar-se dos melhores momentos que viveram na infância, das experiências mais relevantes e positivas. Quais são? É provável que tenham sido ao ar livre, com amigos e sem adultos por perto, certo?

Não há soluções perfeitas, mas talvez esteja na hora de tornar a brincadeira uma rotina! Pode-se brincar nas situações quotidianas, com palavras, com contos e histórias, com pedrinhas e paus, connosco, com música. Pode-se brincar sozinho ou acompanhado.

Pode-se brincar por brincar ou brincar para aprender… o brincar tem um poder extraordinário e adapta-se a todas as situações, todas elas de extrema importância para o desenvolvimento harmonioso.

* Parceria com o CADIn (Centro de Apoio ao Desenvolvimento Infantil), onde Leonor Ribeiro é técnica superior de educação especial e reabilitação.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

 

 

“Deixem as crianças ser crianças!!

Julho 25, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Texto da http://www.paisefilhos.pt/ de 5 de julho de 2017.

As crianças têm cada vez menos tempo para brincar. E passam menos tempo ao ar livre que os reclusos. Isto pode ter consequências sérias no  seu desenvolvimento. É urgente refletir. “Precisamos de deixar as crianças ser crianças”. A brincadeira, fundamental no desenvolvimento da criança aos mais variados níveis, está “ameaçada” e exige uma atenção especial (e uma mudança radical) por parte de pais e educadores. Caso contrário, e a continuarmos assim, a (falta) de brincadeira vai ter consequências desastrosas no futuro das nossas crianças. O alerta foi lançado no seminário “Revisitar o valor do Brincar”, uma iniciativa organizada pela Câmara Municipal de Esposende, em colaboração com a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens e com o Centro de Intervenção Psicológica e Terapêutica, que pretendeu promover a reflexão sobre a importância do Brincar no desenvolvimento infantil. “Para a criança se desenvolver precisa de brincar”, começou por lembrar o pediatra Hugo Rodrigues, citando estudos que comprovam como “brincar é fundamental para construir o bem-estar cognitivo, físico, social e emocional”, sendo evidentes as vantagens ao nível da criatividade, do desenvolvimento motor, do equilíbrio emocional e da capacidade de resiliência. Vantagens que, como notou, se acabam por estender aos cuidadores, seja no “reforço das relações” ou porque, ao brincar, “conseguem ver o mundo pelo olhar das crianças” e “entender muito melhor os filhos”. A este propósito, o pediatra defendeu que a brincadeira deve envolver os adultos, seja participando ou, simplesmente, “estar presente”, ou seja, por vezes “estar lá, basta ver, observar…”. Mas atenção, alertou, nesses momentos há que dar-lhes “uma atenção genuína”: “Quando estiverem com as crianças, desliguem do mundo!”

Por outro lado, alertou, “temos que dar-lhes tempo livre” e deixar as crianças brincar de forma criativa, genuína” e “sem regras”, deixando-as inventar as suas próprias brincadeiras. “O brincar não deve castrar a criatividade e a imaginação”. Uma ideia que seria mais tarde reforçada por Carlos Neto, professor e investigador da Faculdade de Motricidade Humana (FMH), para quem as crianças “precisam de brincar na rua, de correr riscos e viver situações ousadas”. No fundo, “têm que se tornar mais selvagens”. E como? Tirando-as de casa, deixando-as inventar as suas próprias brincadeiras, ouvindo-as e deixando-as ter voz ativa. Uma tarefa aparentemente simples mas, nos tempos que correm, cada vez mais desafiante. Na verdade, “é mais difícil brincar que educar”, reconheceu, em jeito de crítica, o pediatra Hugo Rodrigues, deixando um alerta a pais e educadores: “Não se constroem super-crianças!”. Além de que, avisou, “as crianças têm muitos anos para ser adultos e poucos para ser crianças…” Sem tempo para crescer

As críticas acabariam por ser partilhadas pelo psicólogo Eduardo Sá, que não se cansou de denunciar os atropelos de que são vítimas as crianças no seu direito à brincadeira. “As crianças deviam brincar pelo menos duas horas por dia”, disse, lembrando que “nos últimos 20 anos, as crianças portuguesas perderam oito horas semanais de brincadeira”. E isto é muito grave. “Precisamos de deixar as crianças ser crianças”, disse, garantindo que “é mentira que quem cresce depressa, cresce melhor”. Acérrimo defensor da brincadeira no jardim de infância, o psicanalista não perdeu a oportunidade de, mais uma vez, criticar os estabelecimentos onde se prefere ensinar a criança a ler ou a escrever e se esquecem as vantagens de outras atividades lúdicas mais enriquecedoras nestas idades tão precoces. “Melhor educação musical significa melhor matemática”, exemplificou, lembrando também que “a educação visual significa melhores competências para o português e a matemática” ou que “quanto mais histórias, mais crianças pensantes”.

Mais. “Uma criança que não é capaz de brincar com o corpo não é saudável”, disse, para sublinhar a importância de explorar o corpo enquanto brinca ou, inclusive, de “andar à bulha”. No fundo, rematou, é a brincar que as crianças “ganham alma”, defendendo a infância como “património da humanidade “ e criticando ainda o excesso de tecnologia e os “maus exemplos” dados pelos pais. Por tudo isto, o psicólogo infantil antevê, com alguma preocupação, um futuro pouco risonho para as nossas crianças. “Estamos a criar os adolescentes mais autistas que a humanidade já viu!”. Uma preocupação que acabaria por ser partilhada por Carlos Neto, que considerou estarmos a viver uma “decadência da infância” o que, concluiu, faz com que estejamos a viver “momentos de grande preocupação”, onde “ninguém sabe muito bem o que vai acontecer” . Fica o aviso.

Refetir e experimentar

A importância do brincar no desenvolvimento da criança e do adulto, a utilização educativa e terapêutica da brincadeira e as novas formas de brincar foram alguns dos temas que estiveram em destaque no seminário “Revisitar o Valor do Brincar”. “Brincar é o melhor remédio!” foi o nome da intervenção de Hugo Rodrigues, pediatra na Unidade Local de Saúde do Alto Minho, e docente na Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho e na Escola de Tecnologias da Saúde do Instituto Politécnico do Porto, a que seguiu a palestra “Brincar como património da humanidade” por Eduardo Sá, psicólogo, psicanalista e professor na Universidade de Coimbra e no ISPA. Os “Grupos Aprender, Brincar, Crescer” foram apresentados por Joana de Freitas-Luís, Coordenadora nacional da implementação deste projeto-piloto e “Crianças carentes de Vitamina B” foi o mote da comunicação de Maria José Araújo, professora adjunta da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto e Investigadora do CIPEM-INET-md e do INED.

Já da parte da tarde, João Amado, professor associado com agregação da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, falou sobre “Brincar e modos de ser criança na charneira dos séculos XIX e XX em Portugal”, seguindo-se a mensagem vídeo “Libertem as crianças: Mais autonomia, risco e participação” de Carlos Neto, professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e, por fim, a intervenção de Helena Sacadura Botte, técnica de Segurança Infantil e Secretária-Geral da APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil, sobre “A liberdade para brincar em segurança. A terminar, Ana Isabel Veloso, professora no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro e membro da Direção da Sociedade Portuguesa de Ciências dos Videojogos, mostrou como “Jogar  não tem idade”, Nuno Feixa Rodrigues, professor coordenador na Escola Superior de Tecnologia do IPCA – Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, abordou o tema “Criatividade, ensino e jogos digitais”, a que se seguiu “O brincar virtual e desenvolvimento de competências neurocognitivas e psicossociais”, por Carlos Fernandes da Silva, Professor Catedrático no Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro e Membro da CPCJ de Mira.

Organizado pela Câmara Municipal de Esposende, em colaboração com a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens e com o Centro de Intervenção Psicológica e Terapêutica, o seminário “Revisitar o Valor do Brincar” fez parte da iniciativa “Brincar é Coisa Séria!”, que integrou ainda uma Feira do Brincar do Brinquedo. Destinada a refletir sobre a importância do BRINCAR no desenvolvimento infantil e no seu futuro, a iniciativa pretendeu ainda contribuir para a promoção de formas mais saudáveis de BRINCAR, aliando o referido processo reflexivo à possibilidade de as famílias, e a comunidade em geral, experienciarem diversas atividades lúdicas que foram dinamizadas para esse efeito.

 

 

 

1 de junho 2017 – Dia Mundial da Criança

Julho 21, 2017 às 2:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

O IAC em Coimbra celebrou o Dia Mundial da Criança em dois locais emblemáticos desta cidade, o Parque Verde e o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, com um programa especial de atividades, dirigido aos mais novos.

A convite da Câmara Municipal de Coimbra, o IAC esteve mais uma vez presente no Parque Verde da cidade, na “Aldeia das Oficinas”,a dinamizar pequenos jogos, bem como a pintura de um mural. Esta iniciativa teve como destinatários cerca de 150 crianças, com idades compreendidas entre os 3 e os 10 anos.

Nos jardins do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, o dia foi repleto de muita diversão e muitas brincadeiras: saltámos à corda, fizemos bolas de sabão, jogámos ao elástico, participámos nas corridas de sacos e em todas elas, pulámos e saltámos com muita energia. Os atores principais das atividades foram as 200 crianças da Escola Básica de Casconha, Cernache e Externato João XXII, Coimbra. Esta iniciativa contou com a colaboração muito especial da turma do 1.º ano do Curso Profissional de Técnico de Animador Sociocultural da Escola Secundária D. Duarte de Coimbra.

Foi sem dúvida, um dia cheio de momentos de diversão e aprendizagem, dedicado à Criança e, designadamente ao seu direito de BRINCAR.

IAC-FCJ e o Projeto “Coimbra a Brincar” 2017

Julho 21, 2017 às 11:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

O Projeto “Coimbra a Brincar” é uma iniciativa da Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra (APCC) e pretende assinalar o Dia Internacional do Brincar, dia 28 de Maio.

O IAC-FCJ, parceiro deste projeto desde o seu início, divulgou o projeto através de um conjunto de atividades lúdicas que designámos por “Vamos todos brincar no pátio da escola”, no dia 20 de abril na Escola Escola EBI/JI Prof. Doutor Ferrer Correia, no Senhor da Serra, Miranda do Corvo e o dia 4 de maio no Agrupamento de Escolas Escalada na Pampilhosa da Serra, em parceria com as respetivas equipas GAAF. Participou ainda na Parada de divulgação pelas ruas da cidade de Coimbra no dia 16 de maio.

O IAC-FCJ tentou trazer, para os dias atuais, os jogos e brincadeiras de outros tempos. Foram muitos os risos e os sorrisos e uma enorme vontade de brincar. Momentos preciosos, que os alunos vivenciaram com entusiasmo, aderindo às várias propostas com curiosidade e alegria, porque brincar é conviver, é partilhar e deveria ser inato a todas as crianças!

 

 

“Crianças que brincam mais no recreio também aprendem mais na sala de aula” entrevista a Carlos Neto

Julho 18, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia da http://www.tvi24.iol.pt/ de 5 de julho de 2017.

Patrícia Pires

Esta é uma excelente notícia por parte do Ministério da Éducação”. É desta forma que Carlos Neto, investigador Faculdade de Motricidade Humana, reage à notícia de que os alunos do 1.º Ciclo vão ter menos duas horas e meia de aulas por semana, ou seja, mais tempo para brincar no recreio.

Este investigador, que há muito defende a importância de brincar para as crianças, considera que este tempo pode permitir “mais atividade física e socialização, num recreio mais desafiante, mas também para terem mais prazer de estar na escola”. Até porque, lembrou durante a entrevista que deu na TVI24, “no 1º ciclo os currículos são extensos e intensos e as crianças estão muitas horas nas salas de aulas”.

Apesar desta novidade implicar uma “reorganização do horário diário”, Carlos Neto acredita que “isso não é uma dificuldade na maior parte dos casos”.

Mas o investigador lembra agora que “é preciso saber como se vai usar esse tempo”. “Um recreio tem de ser desafiante, as crianças têm de ter coisas interessantes para fazer”.

E há coisas essenciais. Apostar no que elas gostam:

“O jogo social, a atividade física, o jogo do faz de conta”. Ou seja, “necessitamos de ter recreios com mais qualidade de estimulação.”

E é por isso que Carlos Neto defende “um modelo de requalificação de espaços de recreio” e, na sua opinião, a tarefa “podia ficar a cargo das Câmaras Municipais”.

Dar tempo para brincar, mas “um tempo de qualidade, que tenha materiais, que tenha espaços adequados, que tenha risco, autonomia suficiente… para que elas possam fazer brincadeiras que tenham a ver com o seu nível de desenvolvimento”.

E para que não fiquem dúvidas quanto ao real valor da brincadeira, Carlos Neto ressalva:

“As crianças que mais brincam no recreio e que mais socialização fazem, também aprendem mais na sala de aula. Ou seja, este tempo maior no recreio pode ter uma contribuição fundamental nas aprendizagens escolares.”

O investigador vai longe e diz que “a dicotomia sala de aula/recreio devia acabar. As escolas deviam assumir que o recreio faz parte da sala de aulas e do processo de aprendizagem”.

Mas não só. O brincar é ainda mais e pode determinar como seremos no futuro. Carlos Neto lembra que “nos últimos 20 anos desapareceram dos recreios quatro ações fundamentais para o desenvolvimento das crianças: pendurar, balançar o corpo, trepar e saltar”.

“Tiraram as árvores – normalizaram os espaços -, tiraram o material solto, não há hortas, não há areia, não há terra”, explica o investigador. “Falta o risco”, lamenta. Em seguida, lembra que este tempo extra pode ter mais aspetos positivos como, por exemplo, “combater o sedentarismo e uma certa iliteracia físico-motora”.

Considerando que estamos numa época de férias escolares, que nem sempre coincidem com as férias familiares, Carlos Neto defende que esta é “uma boa altura para fazer experiencias diferentes, coisas malucas, pouco habituais. Por exemplo, andar de bicicleta, subir montanhas, nadar no rio, ir para a praia”.

Ou seja, coisas diferentes da rotina habitual e como “o tempo de férias ficam para sempre na memória”, o investigador diz que é preciso ter isso em mente quando se escolhem Atividades de Tempos Livres para ocupar os mais novos ou colónias de férias. “O contato com a natureza é essencial”.

visualizar a entrevista a Carlos Neto no link:

http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/escola/criancas-que-brincam-mais-no-recreio-tambem-aprendem-mais-na-sala-de-aula

 

I Congresso do Brinquedo Português

Julho 5, 2017 às 7:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

“26, 27 e 28 de outubro de 2017
I CONGRESSO DE BRINQUEDO PORTUGUÊS
Mais informação em:
www.congressodebrinquedoportugues.pt

O Museu dos Biscainhos – Direção Regional de Cultura do Norte em parceria com o Centro Interpretativo do Brinquedo – ADOL organizam o Congresso de Brinquedo Português, entre 26 e 28 de outubro de 2017, no Instituto de Educação da Universidade do Minho e na Casa do Conhecimento em Vila Verde. O período de inscrição no Congresso (sem comunicação) é de 15 de Junho a 15 de Outubro.”

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.