APSI organiza o Dia Nacional da Segurança Infantil no dia 23 de Maio

Maio 22, 2017 às 12:01 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

 

No próximo dia 23 de Maio, a APSI vai organizar pela primeira vez em Portugal o Dia Nacional da Segurança Infantil.

Cascais foi o concelho escolhido para assinalar esta iniciativa que conta com a co-organização da Câmara Municipal de Cascais. Esperam-se cerca de 500 crianças do 1º e 2º ciclo e a presença de mais de 15 parceiros.

Durante o dia, as crianças irão participar e estar envolvidas em diversas atividades relacionadas com a segurança e hábitos de vida saudáveis.

O momento “alto” do evento reunirá todas as crianças e parceiros em torno da junção (simbólica) dos fatores essenciais para a segurança, que para além de ser um direito da criança, é uma condição fulcral para a sua saúde e bem estar.

A iniciativa decorrerá no Parque Marechal Carmona, em Cascais, das 10h00 às 17h00.

Consulte aqui o Programa.

Crianças menores de 14 anos não deveriam atravessar uma estrada movimentada sozinhas, diz a ciência

Maio 10, 2017 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do site http://lifestyle.sapo.pt/ de 24 de abril de 2017.

Pixabay

Um novo estudo revela que as crianças com menos de 14 anos nem sempre conseguem identificar corretamente os espaços entre os carros que lhes permitam atravessar uma estrada movimentada, e sem semáforos, em segurança.

Um novo estudo da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, revela que crianças menores de 14 anos não têm um julgamento percetivo e habilidade física necessárias para conseguirem atravessar uma estrada sem semáforos em segurança. “Algumas pessoas pensam que as crianças mais novas são capazes de atuar como os adultos ao atravessar uma estrada movimentada. O nosso estudo demonstra que este não é necessariamente o caso em estradas de maior tráfego, onde os carros não param”, afirma a autora do estudo Jodie Plumert.

Para chegar a esta conclusão, o estudo usou um simulador para avaliar a capacidade de crianças entre os 6 e os 14 anos de atravessar uma estrada movimentada. E observaram que as crianças de 6 anos foram atingidas por veículos 8% das vezes; as de 8 anos, 6%; as de 10 foram atingidas 5% e as de 12 anos, 2%. Apenas as de 14 anos, ou maiores, não registaram acidentes ao atravessar a estrada.

As crianças tinham em conta duas variáveis quando decidiam se era seguro ou não atravessar, de acordo com a pesquisa. A primeira envolvia a sua capacidade de perceção, ou seja, como elas julgavam a diferença entre a distância de um carro e outro, tendo em consideração a velocidade do mesmo e a distância da travessia. As crianças mais novas tinham mais dificuldade em tomar decisões percetivas e consistentemente precisas. A segunda variável tinha a ver com as suas capacidades motoras. Com que rapidez as crianças passam entre um carro e outro? As mais novas eram incapazes de cronometrar o primeiro passo da mesma forma precisa do que um adulto, o que na realidade lhes dava menos tempo para atravessar a rua antes do próximo carro chegar.

Os investigadores recomendam que os pais ensinem os seus filhos a serem pacientes e que incentivem os mais jovens a escolher espaços ainda maiores do que aqueles que os adultos escolheriam se fossem eles a atravessar.

Nos Estados Unidos as estatísticas indicam que, em 2014, 8.000 acidentes resultaram em 207 fatalidades, envolvendo veículos motorizados e crianças com 14 anos e mais novas.

De acordo com a APSI, Associação para a Promoção da Segurança Infantil, em Portugal, os acidentes rodoviários são a maior causa de morte na infância e adolescência, apesar de, nos últimos 20 anos, o país ter conseguido reduzir de forma significativa o número de crianças e jovens que morreram na sequência de um acidente rodoviário (enquanto passageiros de um automóvel, peões ou mesmo condutores de bicicletas e motas).

artigo do parceiro: Susana Krauss

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Changes in Perception–Action Tuning Over Long Time Scales: How Children and Adults Perceive and Act on Dynamic Affordances When Crossing Roads.

 

 

Segurança das crianças analisada pelo Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia

Abril 27, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 23 de março de 2017.

mais informações na notícia do Joint Research Centre (JRC):

Connected dolls and tell-tale teddy bears: why we need to manage the Internet of Toys

A privacidade e segurança das crianças e famílias podem estar em causa com a proliferação de brinquedos ligados à internet, alerta um relatório do Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia, divulgado nesta quinta-feira.

No documento, o centro defende a necessidade de monitorizar e controlar a emergente “Internet dos brinquedos” e destaca como principais áreas de preocupação a segurança e a privacidade, tendo em conta que há novos brinquedos que podem gravar, armazenar e partilhar informações sobre as crianças.

Grande número de brinquedos conectados foram postos à venda nos últimos anos, devendo o volume de negócios deste novo segmento de mercado chegar aos 10 mil milhões de euros até 2020, contra 2,6 mil milhões em 2015.

A “Internet dos brinquedos” surge sob diferentes formas, desde relógios inteligentes a ursos de peluche que interagem com as crianças. Estão ligados à Internet e, em conjunto com outros aparelhos formam a “Internet das coisas”, levando a tecnologia para a casa das pessoas como nunca antes.

Uma equipa de cientistas do centro e especialistas internacionais analisaram as questões de segurança e privacidade e ligadas à socialização decorrentes da ascensão da “Internet dos brinquedos”. E convida, no relatório, os decisores políticos, a indústria, os pais e os professores a estudar a questão em profundidade, para proporcionar uma estrutura que garanta que esses brinquedos são seguros e benéficos para as crianças.

Na área da robótica, diz-se no documento, são cada vez mais os brinquedos robóticos ou com inteligência artificial, embora ainda se saiba pouco sobre as consequências da interacção dos mais jovens com os brinquedos robóticos, sendo possível que representem uma oportunidade, mas também um risco para o desenvolvimento cognitivo, socio-emocional e desenvolvimento moral e comportamental.

Alerta aos pais

Parecendo certo que podem por exemplo ajudar na aprendizagem de línguas estrangeiras, ou em casos como o autismo, também podem aumentar o risco de “bolhas educacionais”, onde as crianças só recebem informação que se ajustam aos seus interesses pré-existentes, como acontece na interacção dos adultos nas redes sociais.

Outra questão levantada pelo relatório diz respeito à forma como os dados recolhidos pelos brinquedos são analisados, manipulados e armazenados. O documento diz que esta não é transparente e representa uma ameaça emergente para a privacidade das crianças.

Lembra o relatório que os dados fornecidos pelas crianças enquanto brincam, como sons, imagens e movimentos registados pelos brinquedos online são dados pessoais, protegidos pela lei.

Outra preocupação registada, esta de mais longo prazo, relaciona-se com o crescimento numa cultura em que seguir, registar e analisar as escolhas diárias das crianças é considerado normal mas pode moldar o comportamento e o desenvolvimento dos jovens.

No relatório apela-se à indústria e aos decisores políticos para criarem uma estrutura que actue como um guia de utilização da tecnologia, forma de ajudar também os fabricantes a enfrentarem os desafios do novo Regulamento Europeu de Protecção de Dados, que entra em vigor em maio de 2018 e que aumenta o controlo dos cidadãos sobre os seus dados pessoais.

O documento apela ainda aos pais que entendam como as crianças interagem com os brinquedos em rede e quais os riscos e oportunidades para o desenvolvimento, além de se informarem sobre as capacidades, funções, medidas de segurança e configurações de privacidade dos brinquedos.

 

 

Os brinquedos e a segurança das crianças

Fevereiro 10, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto de José Morgado publicado a 29 de janeiro na http://visao.sapo.pt/

Sendo os brinquedos um produto claramente dirigido às crianças fica quase estranho como podem ser perigosos

Os acidentes com crianças não sendo uma matéria simpática para se abordar exigem uma atenção séria dada a frequência com que ocorrem e a gravidade potencial das consequências.

Deve dizer-se que continuamos a ser um dos países europeus em que acontece maior número de acidentes domésticos com crianças.

Em muitas circunstâncias verificar-se-á alguma negligência ou excesso de confiança na supervisão dos miúdos a que se junta a inexperiência e o à vontade próprios dos mais pequenos.

São excessivamente frequentes as quedas em escadas mas sobretudo preocupantes as quedas em varandas. Neste caso é inaceitável a quantidade de varandas que se continuam a ver com gradeamentos construídos na horizontal, uma escada convidativa para a escalada de crianças pequenas como acontece em qualquer aparelho de um parque infantil. Mesmo em edifícios recentes ou em construção ainda se observa esta opção o que não poderia acontecer. O povo afirma com ingenuidade que “ao menino e ao borracho põe Deus a mão por baixo” mas a verdade é que são recorrentes os episódios de quedas com consequências trágicas.

Uma outra área de cuidado e fonte de inúmeros acidentes são as piscinas sobretudo as piscinas domésticas pois a rapidez e o silêncio em que decorre a tragédia mais exigem uma atenção permanente aos comportamentos das crianças.

O acondicionamento de matérias tóxicas em recipientes e locais resguardados é uma outra imposição bem como a protecção de tomadas de corrente ou o cuidado com equipamentos cujo simples funcionamento possa ter alguma perigosidade.

Uma referência ainda a uma outra fonte de preocupação que ainda não há muito tempo foi objecto de notícia, o perigo que advém de alguns brinquedos.

Sendo os brinquedos um produto claramente dirigido às crianças fica quase estranho como podem ser perigosos.

Recordo que segundo dados relativos à actuação da ASAE foram apreendidos nos últimos dois anos mais de 10 000 brinquedos perigosos. Foi proibida ainda a comercialização de mais 10 brinquedos sendo que a fiscalização é sempre reforçada na época de Natal, o tempo da compra de brinquedos.

Em cerca de 400 brinquedos avaliados mais de metade revelaram-se “maus” ou “medíocres” no que toca a critérios de segurança. Dados divulgados pela DECO apontam para que no espaço europeu os brinquedos estarão na origem de cerca de 52 mil acidentes por ano.

Os riscos e a necessidade de atenção às características dos brinquedos colocados ao dispor das crianças têm sido recorrentemente objecto de avisos de alerta.

A DECO refere mesmo que a existência do símbolo CE colocado nos brinquedos não é garantia da sua segurança pelo que mais se exige a atenção e escrutínio dos adultos. É também necessária uma particular atenção a brinquedos adquiridos através da net.

No entanto e face a este cenário, mais do que o trabalho da ASAE, os alertas da DECO ou da Associação para a Promoção da Segurança Infantil, importa sublinhar o papel dos pais e dos outros adultos próximos que deverão ser os verdadeiros “inspectores” da segurança dos brinquedos e “salva-vidas” durante as actividades das crianças. No entanto e como sempre, parece-me que devemos usar de algum bom senso e evitar excessos de zelo que também não são positivos, ainda que em matéria de segurança infantil o excesso seja melhor que o defeito.

Esta matéria é verdadeiramente séria, reforço o facto de continuarmos a ser um dos países da Europa com taxa mais alta de acidentes domésticos envolvendo crianças, de que as quedas de janelas ou varandas, os afogamentos ou o contacto com materiais perigosos não devidamente acondicionados, são apenas exemplos tragicamente frequentes.

Parece também de sublinhar que num tempo em que os discursos sobre a protecção da criança estão sempre presentes, em que é recorrente a referência aos perigos dos brinquedos, também se verifica um número altíssimo de acidentes o que parece paradoxal.

Por um lado, protegemos as crianças de forma que, do meu ponto de vista, me parece excessiva face às suas necessidades de autonomia e desenvolvimento e em muitas circunstâncias, adoptamos atitudes e comportamentos altamente negligentes e facilitadores de acidentes que, frequentemente, têm consequências trágicas.

E não adianta pensar que só acontece aos outros.

Uma nota final para realçar que a dor e a culpa que alguém pode carregar depois de episódios desta natureza serão, creio, suficientemente fortes para que deixemos de lado o discurso da culpabilização que muitas vezes é uma tentação mas que nada acrescenta ou resolve.

(Texto escrito de acordo com a antiga ortografia)

 

Com os brinquedos… não se brinca! Entrevista de Marta Rosa do IAC

Janeiro 11, 2017 às 1:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Entrevista de Marta Rosa do Sector da Actividade Lúdica do Instituto de Apoio à Criança à Maria no dia 18 de dezembro de 2017.

clicar na imagem

marta-rosa-1

 

Crianças de bicicleta sem capacete, adultos multados

Janeiro 2, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia da http://www.tsf.pt/ de 23 de dezembro de 2016.

pedro-velez

Em França, uma nova lei vai obrigar os menores de 12 anos a usarem capacete sempre que andam de bicicleta, sejam condutores ou passageiros.

Em caso de incumprimento, o adulto que acompanha ou que conduz a criança sem capacete arrisca-se a pagar uma multa de 135 euros.

Esta iniciativa das autoridades francesas responsáveis pela segurança rodoviária deve entrar em vigor em março de 2017.

A legislação tem, no entanto, alguns contestatários. Não questionam que as crianças devem usar capacete, mas sim o facto de ser obrigatório, sujeito a multa e aplicar-se tanto nas cidades como nos meios rurais, onde o número de acidentes é mais reduzido.

Segundo o jornal Le Monde, a França será o primeiro país europeu e o quarto em todo o mundo a impor o uso de capacete pelas crianças. Até agora isso só acontece na Austrália, na Nova Zelândia e nalgumas províncias do Canadá.

mais informações no link:

http://www.lemonde.fr/securite-routiere/article/2016/12/22/le-casque-de-velo-sera-obligatoire-pour-les-enfants-de-moins-de-12-ans-a-partir-de-mars-2017_5052930_1655513.html

Serão os nossos brinquedos seguros?

Dezembro 25, 2016 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia da http://www.rtp.pt/ de 20 dezembro de 2016.

capturar

 Em época natalícia, os brinquedos são escolhas prioritárias para oferecer às crianças. Mas serão estes os presentes mais adequados? Será que os brinquedos cumprem as normas que salvaguardam asegurança dos mais novos? Dúvidas que procurámos esclarecer junto das entidades nacionais que asseguram o controlo destes produtos.

O Natal é a altura do ano em que o consumo é tradição e os brinquedos são  normalmente a primeira opção de compra para oferecer e agradar os mais novos da família.

No entanto, é importante ter consciência para os perigos que alguns brinquedos podem representar para a saúde e segurança das crianças.

A falta de atenção na escolha de um brinquedo pode ser a causa de um acidente. Como tal, torna-se necessário que os adultos saibam identificar um conjunto de características presentes nos brinquedos que salvaguardem a segurança das crianças e que sejam os mais adequados à sua idade.
O brinquedo que vai comprar é seguro?

É certo que ninguém tenciona comprar um brinquedo que coloque em risco a saúde ou a segurança da criança o que, infelizmente, é uma possibilidade nos dias de hoje. Como tal, a DECO reuniu um conjunto de 10 dicas que
facilitarão a sua escolha:

1. Escolha brinquedos adequados à idade e desenvolvimento da criança a
que se destina.
2. Leia os avisos de segurança e as instruções de utilização. Se não
existirem ou não estiverem em português opte por outro brinquedo.
3. Passe a mão pelas arestas, pontas e bordos e certifique-se de que
não existe o risco de magoarem a criança.
4. Verifique se tem peças pequenas que possam ser arrancadas com
facilidade (por exemplo: rodas, olhos ou pelos) e que caibam dentro
de um rolo vazio de papel higiénico. Em caso afirmativo, opte por
outro produto.
5. Certifique-se de que as pilhas estão num compartimento fechado com
parafuso e que se abre com ferramentas.
6. Máximo cuidado para brinquedos com fios compridos: estes não devem
exceder os 22 cm, para que a criança não consiga enrolá-lo à volta
do pescoço.
7. Brinquedos com pés dobráveis, como quadros escolares ou tábuas de
engomar, devem ter um sistema nas pernas de suporte que os impeça de
fechar completamente, para evitar entalar dedos.
8. Retire o brinquedo da embalagem, sobretudo se esta for de plástico,
antes de o oferecer à criança. Guarde a identificação e morada do
fabricante ou importador: é necessária, se ocorrer algum acidente.
9. Evite que as crianças mais novas utilizem os brinquedos das mais
velhas, quando possam constituir um risco.
10. Faça uma revisão periódica aos brinquedos e deite fora os que
estiverem danificados.

Certificado de garantia “CE”
A utilização do certificado “CE” é a garantia dada pelo fabricante de que o produto em questão está de acordo com as normas europeias estabelecidas.

No entanto, este símbolo colocado nos brinquedos nem sempre representa segurança para a criança.

Há fabricantes e distribuidores a venderem com frequência brinquedos com o símbolo “CE” que não contêm os padrões de fabrico exigidos que salvaguardam a segurança dos mais novos.
DECO alerta, ASAE fiscaliza

Tentámos perceber como é que as entidades DECO e ASAE atuam nestes casos e que medidas devem ser tomadas em torno deste grande comércio.

À RTP, o jurista da DECO Diogo Santos Nunes afirmou que a marca CE “deveria dar confiança ao consumidor”. O que nem sempre acontece. “Não dá confiança ao consumidor na medida em que aquilo que se verifica é que
as empresas colocam essa marca distintiva CE sem que haja uma clara comprovação da segurança do brinquedo”.

Ou seja, por vezes não há controlo por parte de uma identidade pública que proceda à análise do abusivo uso da mesma.

“Mesmo que haja uma aposição dessa marca CE no brinquedo sem que haja comprovação de segurança, não há qualquer tipo de consequência jurídica”, diz este jurista.

Compete à Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) o controlo do cumprimento das normas. Um situação que levanta algumas reticências à DECO.

O Inspetor-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar, confirma que existem alguns casos de irregularidade mas que a ASAE, sempre que tem conhecimento destes, atua em conformidade: “Quando elas têm uma gravidade significativa são determinadas as retiradas do mercado, ou seja, a proibição de comercialização de um brinquedo”. “Só este ano foram declaradas 10 retiradas de mercado” refere.

Relativamente ao ano de 2016 foram retirados do mercado cerca de sete mil brinquedos.

A ASAE utiliza uma rede de controlo europeu chamada RAPEX que, de acordo com o Inspetor-geral, “tem uma filosofia de notificação e de troca de informação entre os países membros da União Europeia que cria alertas
rápidos detetados por determinado país”.

Quando um alerta é emitido, por exemplo em Portugal, automaticamente é enviado pela rede RAPEX aos outros países e passa a ser proibida a comercialização do brinquedo perigoso em todo o espaço comunitário.

Relativamente à escolha do consumidor e ao controlo de compras pela internet afirma este responsável: “A escolha do consumidor hoje já não é exclusiva pelo estabelecimento físico mas cada vez mais pelo
estabelecimento virtual”.

Deste modo, alega que a inspeção não deve limitar-se aos espaços físicos mas sim alargar-se aos estabelecimentos virtuais.

visualizar os vídeos da reportagem no link:

http://www.rtp.pt/noticias/pais/serao-os-nossos-brinquedos-segurost_es969925

Bonecos eletrónicos com microfones emissores expõem crianças ao mundo

Dezembro 14, 2016 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Reportagem da http://www.rtp.pt/noticias/  de 6 de dezembro de 2016.

My Friend Cayla, I-Que e Hello Barbie são os brinquedos testados pelo Conselho de Consumidores Noruegueses que apresentam falhas de segurança

My Friend Cayla, I-Que e Hello Barbie são os brinquedos testados pelo Conselho de Consumidores Noruegueses que apresentam falhas de segurança

Imagine que a boneca ou o robô que comprou para os seus filhos está a transmitir, via áudio, tudo o que se passa lá em casa. E se pensa que é esse o maior perigo desengane-se, porque os brinquedos My friend Cayla Hello Barbie e I-Que estão ligados à Internet. O que significa que qualquer pessoa pode entrar no sistema eletrónico dos bonecos e falar com as crianças, como se de um amigo se tratasse.

Nuno Patrício – RTP

O assunto despertou a atenção do Conselho de Consumidores Norueguês, que analisou as características técnicas de brinquedos ligados à internet, bem como os termos e condições das suas aplicações.

Os resultados provam infrações graves aos direitos das crianças, nomeadamente no que respeita à privacidade dos dados pessoais.

Os bonecos falam através de um sistema de áudio incorporado e ouvem tudo o que se passa à sua volta.

Tudo funciona através dos sistemas Wi-fi ou Bluetooth dos bonecos, que, ligados à Internet ou a um telemóvel de nova geração, se tornam uma espécie de aparelho emissor-recetor vocal, devido a um microfone incorporado no seu interior.

O perigo advém de não sabermos quem poderá controlar as ligações. Ou seja, se houver um hacker ou outro tipo de pessoas mal-intencionadas que tenham acesso ao sistema, podem controlar o que o boneco diz, ludibriar a mente e influenciar a atuação das crianças.

As crianças, ao interagirem com os brinquedos, poderão partilhar informações pessoais.

Daí o Conselho de Consumidores Norueguês – ao qual se associa a Deco – Associação para a Defesa do Consumidor – avisar que os brinquedos My Friend Cayla, I-Que e Hello Barbie falham na proteção, privacidade e direitos dos consumidores mais jovens.

Os brinquedos My Friends Cayla e I-Que são fabricados pela Genesis Toys, com sede em Hong Kong, que se apresenta como a empresa número um do mundo na construção de brinquedos eletrónicos.

A questão é tão delicada que o Conselho de Consumidores Norueguês mandou fazer um vídeo de demonstração dos perigos deste tipo de brinquedos.

Diogo Santos Nunes, jurista da Deco, afirma mesmo que “qualquer pessoa munida de um smartphone, um telemóvel com acesso à internet ou Bluetooth, pode aceder aos próprios brinquedos, que estão a interagir com as crianças”.

O jurista da Defesa do Consumidor refere ainda que as empresas que comercializam este tipo de brinquedos eletrónicos podem utilizar para vários propósitos a informação e a conversa que a criança tem com o equipamento. Por exemplo, para efeitos de marketing. Pode ainda transmiti-los a terceiros, sem que exista qualquer tipo de proibição.

Estes brinquedos, que funcionam através de ligação à internet, possuem microfones incorporados e tecnologias de reconhecimento de fala, permitindo-lhes “conversar” com as crianças que os manipulam.

Partindo do estudo do ForbrukerRadet – Conselho de Consumidores Norueguês – as organizações europeias e norte-americanas de consumidores, alertam para este tipo de produto e manifestam agora as suas preocupações às autoridades competentes.

Venda em Portugal e proteção de dados

Embora este tipo de brinquedos não esteja ainda a ser vendido em Portugal, há sempre a possibilidade de ser adquirido através da venda online, pelos canais comerciais.

Esta facilidade de acesso traz um problema associado, visto a Comissão Nacional de Proteção de Dados, em Portugal, não ter jurisdição sobre este tipo de produtos e não poder atuar em conformidade.

Um problema que o jurista da Deco Diogo Santos Nunes diz ser grave, aproveitando estas empresas o vazio legal dos vários países para onde podem exportar, sem terem de se restringir às leis nacionais.

Em Portugal os brinquedos My friend Cayla e I-Que não se encontram à venda em lojas físicas, mas estão acessíveis aos consumidores através de plataformas online como a Amazon ou Ebay, facto que levou a Deco a alertar a ASAE.

A boneca Hello Barbie ainda não está, por agora, acessível ao mercado europeu.

Bonecos podem recolher preferências

O estudo do Conselho de Consumidores Norueguês demonstra que estes brinquedos eletrónicos com ligação à Internet podem ser veículos publicitários disfarçados.

O jurista da Deco ouvido pelo site da RTP refere que, por exemplo, a boneca, quando estabelece diálogo com a criança, manifesta alguns gostos, através de frases pré-programadas, e dá exemplos, como os filmes da Disney.

“É um marketing completamente escondido e aquilo que se verificou e consta no estudo e nos testes que foram realizados é que a boneca, quando estabelece um diálogo com a criança, vai no fundo manifestando alguns gostos através de frases que foram programadas e estão pré-formatadas na própria boneca, que vai induzindo a criança para gostos, por exemplo para filmes da Disney. Isso é claramente indicador de que existe um acordo comercial entre o fabricante da boneca e a Disney”.

Avaliar antes de comprar

Diogo Santos Nunes é perentório no aconselhamento sobre estes produtos. “De acordo com o estudo que foi feito a estes três bonecos, aquilo que a Deco aconselha é não comprar estes três brinquedos, porque de facto pode colocar em causa a própria segurança da criança. Não só a segurança física mas também a segurança da vida privada. Identificados estes três brinquedos e depois de ter sido realizada esta análise, o melhor é não comprar”, refere o jurista.

Produtos potencialmente perigosos na Internet

Tudo ou quase tudo se pode adquirir através da Internet e os brinquedos testados e considerados perigosos pelas estruturas de proteção dos consumidores também lá estão. Comprar algo, hoje em dia, é tão simples como entrar num site de venda eletrónica e realizar a transação. A RTP foi à procura destes brinquedos e verificou que estão à venda em sites como Argos, Ebay, Tesco e Amazon, com preços atrativos. Mas a última escolha é sempre do consumidor. E antes de comprar o melhor é conhecer o produto a fundo.

ver o vídeo da reportagem no link:

http://www.rtp.pt/noticias/mundo/bonecos-eletronicos-com-microfones-emissores-expoem-criancas-ao-mundo_es967396

 

Proteja seu filho da principal causa de morte de crianças em Portugal

Dezembro 3, 2016 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do site http://uptokids.pt/ de 21 de novembro de 2016.

up

As lesões e traumatismos na sequência de acidentes continuam a ser primeira causa de morte nas crianças e jovens em Portugal, o que preocupa a Sociedade Portuguesa de Pediatria.

Há pequenos pormenores que podem salvar a vida a uma criança. É estritamente necessário que todos estejamos atentos e  cientes dos perigos que nos rodeiam para que possamos proteger os nossos filhos, e ensiná-los a tornarem-se autosuficientes nos que se refere à sua segurança.

Ficam algumas dicas de como proteger o seu filho organizadas por faixas etárias.

Até 1 ano de idade

Os bebés com menos de uma ano, estão a aprender a controlar os seus movimentos e respiração, sendo que a principal causa de mortes nessa faixa etária por acidente é engasgamento, asfixia, aspiração de corpos estranhos, intoxicações e queimaduras.

Como evitar estes acidentes?

  • Os Bebés devem dormir em berços certificados e com colchão firme, virados de barriga para cima, tapados até a altura do peito e com os braços para fora.
  • Não deixe brinquedos dentro da cama
  • Corte e/ou esmague os alimentos em pedaços pequenos quando der refeições.
  • Mantenha fora do alcance das crianças objetos pequenos como botões, peças de brinquedos, berlindes, moedas, pilhas e pionaises. (Especialmente tudo o que é metálico, pilhas e baterias)
  • Retire todos os restos de plástico de balões rebentados do chão.
  • Use cancelas de proteção nas escadas e redes de proteção nas janelas.
  • Não deixe móveis perto de janelas – podem servir de apoio para a criança subir e ter acesso ao perigo.
  • Não deixe o bebé sozinho, em instante nenhum, em cima de um sofá, fraldário ou mesa.
  • Tranque todos os armários de acesso a detergentes e produtos químicos
  • Mantenha os sacos de plástico fora do alcance das crianças
  • Para se aperceber dos perigos mais eminentes na idade certa do seu filho, faça um tour pela sua casa colocando-se à altura dos seus olhos. Gatinhe, deite-se no chão, ande de joelhos e perceberá a quantidade de perigos apelativos que  tentam diariamente o seu filhos.

 

De 2 a 4 anos

A Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI) lança anualmente uma campanha de prevenção contra a morte por afogamento – “A Morte por Afogamento é Rápida e Silenciosa”. Ao longo dos últimos quatro anos, o afogamento a par com as quedas, asfixia, engasgamento, afogamento, intoxicações, choques elétricos e traumatismos tem sido a principal causa de morte em acidentes doméstico, nas crianças entre 2 a 4 anos Nesta idade as crianças estão mais autónomas e aventuram-se a experimentar o espaço que as rodeia livremente. É obrigatório a supervisão de um adulto, pois as crianças ainda não têm consciência do perigo. Estas são as dicas para evitar acidentes nesta idade. Não devem ser descartadas ainda as soluções de segurança aplicadas até um ano de idade.

 

  • Nunca deixe crianças sozinhas quando estiverem dentro ou próximas da água. As crianças mais pequenas podem afogar-se tanto na praias, piscina, rios, lagos e barragens, como em qualquer recipiente com muito pouca água ou outros líquidos, quer seja uma banheira, pia, alguidar, balde, etc
  • Para evitar afogamentos, o colete salva-vidas adaptado à idade é o equipamento mais seguro. Braçadeiras e outros equipamentos insufláveis dão-nos uma falsa noção de segurança – se a criança ainda não souber dominá-las podem virar a qualquer momento, tornando o retorno à tona da água muito difícil.
  • Nunca guardar detergentes, lixívia, inseticidas, pesticidas ou desinfetantes dentro de garrafas de água ou refrigerantes de plástico já usadas.
  • Os brinquedos devem ser suficientemente grandes para que não caibam na boca, e suficientemente resistentes para que não possam ser mordidos (lascas)
  • Mantenha objetos afiados como facas, tesouras e chaves de fendas, entre outros, fora do alcance das crianças.
  • Proteja os cantos das mesas e arestas vivas, especialmente aquelas que vão estar exatamente ao nível dos olhos do seu filho quando começar a aquisição de marcha

 

 

Dos 5 aos 9 anos

Nesta idade, a criança ainda não têm suas competências motoras totalmente desenvolvidas e a principal causa de acidentes nesse caso são os atropelamentos de trânsito, quedas, queimaduras, afogamentos, choques elétricos, intoxicações, traumatismos.

Estas são as dicas para evitar acidentes nesta idade. Não devem ser descartadas todas as soluções de segurança aplicadas nas faixas etárias anteriores.

 

  • Dê o exemplo. Ensine as crianças a olhar para um lado e para o outro antes de atravessar a rua. Respeite os sinais de trânsito e passadeiras.
  • Crianças com menos de 10 anos não devem andar sozinhas na rua. A supervisão de um adulto é vital até que a criança demonstre habilidades e capacidade de julgamento do trânsito. Dê sempre a mão aos seus filhos quando estiverem a andar na rua
  • Crianças com menos de 8 anos não devem manusear, sem supervisão de um adulto brinquedos que requeiram carregamentos e que estejam sujeitos a atingir temperaturas elevadas. Os brinquedos elétricos podem causar queimaduras.
  • Crianças com menos de 10 anos não devem andar sozinhas de elevador.
  • Não deixe bebidas alcoólicas e medicamentos ao alcance das crianças.
  • Ensine a criança a não aceitar bebidas ou alimentos que lhe sejam oferecidas por estranhos.
  • Se se ausentar de uma tarefa que está a realizar, garanta que deixa tudo em segurança: bicos do fogão desligados e pegas das frigideiras viradas para dentro, ferro de engomar desligado, com o fio enrolado, não deixar facas afiadas em cima das bancadas, etc
  • Guardar isqueiros e fósforos fora do alcance das crianças.
  • Não tome medicamentos à frente das crianças para evitar comportamentos por imitação. Não administre medicamentos aos seus filhos se prescrição médica.
  • Ensine os seus filhos a verificarem os prazos de validade dos alimentos que ingerem
  • Ensine os seus filhos a usar o micro-ondas. Se a vêem a usar, rapidamente vão experimentar fazê-lo. Evite acidentes explicando que não podem colocar pratas, nem loucas com filamentos de prata dentro do mesmo.

 

 

O Bernardo já é hipertenso

Outubro 18, 2016 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto publico no http://p3.publico.pt/ de 3 de outubro de 2016.

jenn-richardson

Hoje, as crianças já não podem sair à rua e estão entre as mais sedentárias da Europa. Porquê? Porque é perigoso, porque em cada adulto, um pedófilo, e hoje já não se pode confiar em ninguém, nem nos amigos, nem nos vizinhos

Texto de João André Costa

Eu, quando era catraio e frequentava a preparatória, era na “aldeia dos macacos”, espaço de recreio recheado a pinheiros, caruma, areia e baloiços, que encontrava toda a brincadeira, todas as aventuras no topo das árvores, os joelhos esfolados na areia mais as calças rasgadas de todos os dias, sem que por isso viessem aí as nossas mães de mãos ao ar e credo na boca porque no dito recreio não morava uma caixa de primeiros socorros, um adulto sempre de plantão que nos dissesse o que era permitido, ou não, fazer, e como, um seguro contra todos e uma resma de papel em folha de 25 linhas com todas as medidas a tomar em caso de acidente.

E, se calhar, por não termos a tal resma é que o Francisco partiu a cabeça no 6.º ano quando o Tó lhe mandou uma pedrada à pinha. O Francisco não morreu nem contraiu uma septicemia, foi para os bombeiros e levou três pontos a sangue frio com uma dessas agulhas da caixa de costura, no regresso ainda deu umas lambadas ao Tó e hoje são grandes amigos.

Hoje, a “aldeia dos macacos” foi substituída por um pavimento infantil com placas de borracha, já não há areia nem árvores “derivado ao perigo para as crianças“, ou assim nos disse o presidente da junta, as áreas de recreio foram delineadas a régua e esquadro e no lugar dos baloiços de madeira, cujas farpas insistiam em cravar-se nas mãos e nas pernas, para gáudio do sistema imunitário, temos agora escorregas esterilizados no fim dos quais não há quaisquer hipóteses de nos matarmos e/ou partirmos os dentes, nem que nos atiremos de cabeça, assim logrando todas e quaisquer hipóteses de impressionar as ”garinas“ lá da escola.

Isto, se deixarem as crianças sair à rua. Hoje, as crianças já não podem sair à rua e estão entre as mais sedentárias da Europa. Porquê? Porque é perigoso, porque em cada adulto, um pedófilo, e hoje já não se pode confiar em ninguém, nem nos amigos, nem nos vizinhos, e noutro dia o Paulo teve de dar explicações à polícia por andar de mão dada com o filho num parque.

Não, hoje em dia temos telemóveis com ”touche“, ”tablets“, ecrãs led com ligação à net e computadores, todos ligados ao mesmo tempo para que os catraios não nos chateiem quando chegamos a casa cansados do trabalho, ou da falta dele. Para que, passiva e “ruminantemente”, cresçam e engordem, felizes para todo o sempre. Pelo menos até chegarem à escola onde não existem nem audiovisuais nem quadros interactivos e onde os professores ainda pagam os paus de giz do próprio bolso à senhora contínua, sempre muito incomodada quando a interrompem a meio da leitura da ”Maria“.

E porque hoje as crianças já não podem sair à rua temos ginásios, onde as crianças que ontem corriam na ”aldeia dos macacos“ podem agora aprender a brincar com toda a segurança e conforto. Porque os Bernados deste mundo ainda só têm oito anos mas já são hipertensos e 40 quilos de peso falam sempre mais alto. Mas não só, pois ir ao ginásio também é fino e fica sempre bem dizê-lo em conversa com os amigos ou através daquela ”selfie no “Facebook”. Quando aprendi a andar de bicicleta malhei não sei quantas vezes a saltar por cima das tampas de esgoto. O Miguel, a pedalar freneticamente logo atrás de mim para dar um salto anda maior, ficou com os dentes da frente perdidos entre as gengivas e o volante da “bêémexis”.

De caminho, não deixámos de percorrer em duas rodas todas estas estradas que ainda nos correm no sangue. O teu sobrinho, no entanto, nunca vai poder andar de bicicleta. Da última vez que fomos a casa deixámos-lhe uma bicicleta novinha em folha encostada a um canto para pasto da ferrugem. Entretanto, já ficámos a saber que lá no ginásio tem uma bicicleta de ginástica só para ele. Só nos resta saber quem vai pagar a conta, se tu, se a tua mãe, e eu nunca me lembro de ter pago o que quer que seja para correr na “aldeia dos macacos” ou em cima da bicicleta.

 

 

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.