XI Conferência Crianças Desaparecidas e Exploradas Sexualmente – 29 maio no Auditório do Centro de Estudos Judiciários

Maio 11, 2018 às 4:42 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

mais informações no link:

http://www.iacrianca.pt/index.php/atualidades/noticias/item/934-x-conferencia-criancas-desaparecidas

 

Anúncios

Relatório de Atividades / Estatístico SOS Criança 2017

Abril 19, 2018 às 3:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

descarregar o relatório no link:

http://www.iacrianca.pt/index.php/setores-iac-sos/relatorio-estatistico-anual

Ao encontro do desconhecido – reportagem da TV Record sobre a fuga de menores, com a participação de Manuel Coutinho do IAC

Março 9, 2018 às 8:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

A reportagem contém declarações do Dr. Manuel Coutinho (Secretário–Geral do Instituto de Apoio à Criança e Coordenador do Sector SOS-Criança do Instituto de Apoio à Criança).

Missing Persons Short Course at the University of Portsmouth

Dezembro 14, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

In order to apply for the Missing Persons Short Course at the University of Portsmouth please read the following:

The distance learning course is worth 30 academic credits at postgraduate level. The course is run for three and a half months and includes online assessments in the form of an essay and portfolio, which will be marked.

To apply, you will need an undergraduate degree and/or demonstrate professional work experience, including volunteering, relevant to the field of missing persons, such as police work, social work, health and care practitioners, non-governmental organisations, etc.

Course Code

C9038P

Course Dates

15th January 2018 – 30th April 2018

Course Fee

£783.00

mais informações no link:

http://onlinestore.port.ac.uk/short-courses/humanities/icjs/missing-persons

O mais recente (e perigoso) desafio para jovens no Facebook consiste em estar desaparecido durante 48 horas

Outubro 25, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do http://observador.pt/ de 24 de outubro de 2017.

Tiago Palma

Quanto mais alertas de desaparecimento o “jogador” tiver no Facebook durante este período mais pontos receberá no final. Facebook garante que “está a investigar e tomará medidas”.

Os desafios que amiúde surgem no Facebook são, no mínimo, disparatados — e cada vez mais perigosos para os “competidores”: desde tentar debulhar uma maçaroca de milho (presa num berbequim a rodar) com os dentes a engolir uma colher de canela de enfiada, passando por colocar um preservativo na cabeça (e rebentá-lo apenas exalando pelo nariz) ou, sendo este o mais perigo de todos, a “Baleia Azul” — tendo resultado o desafio no suicídio de muitos adolescentes um pouco por todo o mundo.

Agora, o desafio “da moda” da rede social não é mortal mas preocupante para pais, familiares e amigos de quem o aceita. Este desafio, o “48 horas”, consiste precisamente em desaparecer de casa durante este período, desligando o telemóvel e perdendo o contacto com quem for próximo. Quanto mais alertas de desaparecimento o “jogador” tiver no Facebook durante este período mais pontos receberá no final.

É certo que o jogo poderá até não ser mortal ou tão perigoso quanto outros mas, em última análise, este “falso alarme” resulta em desnecessárias denúncias e buscas policiais, dispersando as autoridades de casos verdadeiros de pessoas desaparecidas, perdidas ou sequestradas.

Entretanto, o Facebook já reagiu em comunicado ao desafio “48 horas” e pede aos utilizadores que “denunciem” toda e qualquer página na rede social que faça a apologia do mesmo, garantido que “está a investigar e tomará medidas”. E acrescenta: “A segurança dos utilizadores jovens do Facebook é uma responsabilidade que levamos muito a sério. Esperamos reunir os links relevantes para investigar e garantir que possamos tomar medidas rápidas se for necessário”.

 

 

Truque para nunca perder a sua criança numa multidão

Setembro 18, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do site http://www.e-konomista.pt/ de 19 de junho de 2017

Júlia de Sousa

Basta um segundo a olhar para o lado para de repente se perder uma criança na multidão. Mas… o que fazer para a encontrar? Saiba aqui.

Encontrar uma criança numa multidão pode ser tão difícil como – já diz o ditado popular – encontrar uma “agulha num palheiro”.

E ainda que todo o ano seja propício a este tipo de preocupações, o verão traz muitas enchentes e com elas também muitos perigos. Seja na praia, num centro comercial, num parque público ou num evento, bastam alguns segundos para perder uma criança de vista. E se todos sabem como é fácil, em poucos segundos, perder uma criança de vista, também é bem sabido que este é, dúvida alguma, o maior receio de todos os pais.

A pensar nisso, e de forma a proteger as crianças, o Departamento da Polícia de Clovis, na Califórnia (Estados Unidos da América) partilhou, nas redes sociais, um truque muitos simples mas eficaz, que pode ajudar todos os pais em desespero neste tipo de situações. E a solução é (espante-se!) muito simples: pensos rápidos líquidos. Uma dica de segurança muito prática que todos os pais vão querer conhecer.

Por Portugal tem à sua disposição e dos seus filhos o programa “Estou Aqui!” da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Encontrar uma criança na multidão com o programa “Estou Aqui!”

Destinado a crianças com idades compreendidas entre os 2 e os 10 anos de idade, o programa da PSP “Estou Aqui!” consiste de uma pulseira com uma medalha onde está gravado um número de série e o número de emergência europeu 112.

A quem encontrar a criança perdida é pedido que entre em contacto de imediato com o 112 e forneça o número gravado na medalha da pulseira, de forma a que o responsável pela criança, cujo número está na base de dados da PSP, seja contactado de imediato.

Este programa decorre entre o dia 01 de junho de 2017 e o dia 31 de maio de 2018. É válido em Portugal e na Europa, uma vez que o número de emergência é o mesmo – 112 – e a PSP está em contacto constante com as suas congéneres europeias, podendo o programa “Estou Aqui!” ser ativado em caso de necessidade.

Se está interessado em adquirir a pulseira da PSP para os seus filhos, basta que preencha o formulário online no site dedicado ao programa, escolha a esquadra da PSP onde pretende levantar a pulseira e dirigir-se ao mesmo na data indicada.

É também importante salientar que a PSP alargou o programa “Estou Aqui!” a adultos, tendo um site dedicado.

Encontrar uma criança numa multidão é possível… graças a um penso rápido líquido

Não, não vai ser o penso rápido líquido que vai guiar as crianças perdidas de volta até aos pais, mas pode muito bem ser a solução para ajudar a encontrar uma criança numa multidão.

Segundo um post divulgado na página de Facebook da Polícia de Clovis, naquilo a que eles chamam de “tip-of-the-day” (dica do dia, em português), pode é usar este tipo de penso rápido para gravar os seus dados de contacto na própria criança.

Basta para isso que escreva o seu número de telefone no pulso da sua criança e passe o penso rápido líquido por cima dessas informações. O que vai acontecer é que, graças às propriedades deste tipo de pensos rápidos, a informação vai ficar selada. Mesmo que se tente lavar, a informação escrita não sai. Veja o post abaixo:

As dicas da Polícia de Clovis continuam a ser partilhadas e esta em particular conta já com mais de 26 mil partilhas no Facebook.

Outra das dicas deste departamento da polícia californiana para os pais é que, antes de sair de casa para locais muito populados, tirem uma fotografia dos seus filhos, de forma a possuírem sempre uma foto atualizada. Nestas situações todas as informações são essenciais.

Detalhes como o penteado ou as roupas exatas que a criança tinha vestidas podem ser fulcrais para encontrar uma criança perdida numa multidão.

É claro que nunca ninguém quer pensar no pior cenário e nunca se espera perder uma criança numa multidão, mas não há como negar que, tal como diz, novamente, o ditado, “mais vale prevenir do que remediar”.

O programa “Estou aqui” 2017 da PSP, tem como parceiros o Instituto de Apoio à Criança e a Missing Children Europe.

Looking forward to your upcoming family holiday? Dicas da Missing Children Europe para umas férias em segurança

Agosto 8, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Texto da Missing Children Europe

Looking forward to your upcoming family holiday?

It’s summer time, the kids are on holiday and it’s finally time to pack your bags for a well deserved break with the family. But holidays with children, especially in a foreign country can quickly become a stressful situation amid the chaos of holidaygoers and your kids chanelling Dora-the-Explorer. Luckily, we have some simple steps you can take to make sure your holidays are less stressful for both yourselves and the kids. About 1,000 children get lost at the Belgian seaside alone, every year. Most of these children are found within a matter of hours but the panic before they are found is something no one wants to experience. Have a look at some of our tips below and have a great summer!

A quem devo telefonar se o meu filho desaparecer? 116 000 – Linha de emergência da União Europeia

Julho 17, 2017 às 2:44 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto da Representação da Comissão Europeia em Portugal

A União Europeia tem uma linha de emergência comum para comunicar o desaparecimento de uma criança num Estado-Membro da UE. Para os pais de uma criança que desapareceu, para uma criança que se perdeu ou para qualquer pessoa que tenha informações sobre uma criança desaparecida, o número é o mesmo. Será de imediato posto em contacto com uma organização capaz de lhe dar apoio e assistência prática, seja de ordem psicológica, jurídica ou administrativa.

Em Portugal, o número 116 000 foi atribuído ao Instituto de Apoio à Criança, por despacho ministerial do Ministério da Administração Interna em Agosto de 2007, e veio substituir o número 1410, criado em 25 de Maio de 2004 para participar situações de Crianças Desaparecidas.

 

O caso do bebé desaparecido – comentário de Fernanda Salvaterra do IAC na SIC Notícias

Julho 6, 2017 às 2:51 pm | Publicado em O IAC na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Participação da Drª Fernanda Salvaterra do IAC, na SIC Notícias no dia 5 de julho de 2017.

ver o vídeo no link:

http://sicnoticias.sapo.pt/opiniao/2017-07-05-O-caso-do-bebe-desaparecido

Crianças Desaparecidas – Dados Estatísticos Europeus – Na União Europeia, uma criança desaparece a cada 2 minutos

Junho 1, 2017 às 3:35 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Estatísticas dos casos de Crianças Desaparecidas reportados às linhas 116 000 na Europa

O número de crianças desaparecidas referenciadas (5 742) nos casos tratados em 2016 pelas 23 linhas de apoio à Criança Desaparecida é maior do que em 2015 (5 597 crianças), reportado então por 26 linhas. Isso indica um aumento do número de casos reportados.

O número de fugas de crianças/jovens reportados aumentou 3% desde 2015, mostrando que as crianças que fogem, ou são forçadas a sair de casa, constituem consistentemente, ano após ano, a maior categoria de casos de crianças desaparecidas relatados.

Estes dados estão também de acordo com a tendência verificada na linha SOS-Criança, em que em 2016 se verificou um aumento do número de apelos relativos a crianças desaparecidas em relação a 2015. O número de fugas também aumentou e foi a tipologia mais reportada em 2016.

Em linha com o relatório da Europol de 2015 que reportou o desaparecimento de 10 000 crianças migrantes dos centros de acolhimento na Europa, os casos de crianças migrantes não acompanhadas notificadas às linhas 116000 aumentaram de 2 para 7% em 2016 (persistindo milhares de situações não comunicadas às linhas 116000 ou à polícia).

Casos transfronteiras

Em 2016, 19% dos casos notificados às linhas 116000 eram de natureza transfronteiriça, contra 18% em 2015.

Entre as categorias de crianças desaparecidas, a percentagem de raptos parentais de natureza transfronteiriça aumentou de 48 para 64% desde 2015.

Os casos transfronteiriços de fugas mantiveram-se constantes em 2,5%, contra 2,2% em 2015, enquanto os casos transfronteiriços de crianças perdidas/feridas aumentaram de 0,9 para 3,7% (reforçando assim a importância da articulação internacional entre as linhas 116000 membros da Missing Children Europe e da articulação a nível nacional entre as linhas e as forças de segurança responsáveis pela investigação).

Em Portugal são muito raros os casos transfronteiriços reportados.

É importante lembrar que os casos de crianças migrantes (não acompanhadas) desaparecidas são muitas vezes de natureza transfronteiriça, mas a cooperação transfronteiriça para estes tipos de casos continua a ser particularmente complexa devido à necessidade de identificação das vítimas, aos diferentes procedimentos legais, às limitações dos recursos humanos e logísticos e à vontade política. Isso, por sua vez, leva à falta de acompanhamento de casos e consequentemente há menos casos transfronteiriços relatados nesta categoria do que na realidade existem.

O relatório estatístico (números e tipologias) do MCE de 2016 está disponível em : http://missingchildreneurope.eu/Portals/0/Docs/Annual%20and%20Data%20reports/Missing%20Children%20Europe%20figures%20and%20trends%202016.pdf

O relatório estatístico do SOS-Criança 2016 está disponível aqui: http://www.iacrianca.pt/images/stories/noticias/SOS_Relatorio_Estatistico_2016.pdf

©Instituto de Apoio à Criança, membro efetivo da Missing Children Europe 2017

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.