Unicef diz que Portugal lidera em “saúde de qualidade” e “bem-estar” das crianças

Junho 16, 2017 às 7:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 15 de junho de 2017.

No critério “erradicar a fome” entre as crianças o país sai-se mal. Mas aparece em primeiro lugar em matéria de saúde e “bem-estar”, segundo estudo divulgado nesta quinta-feira.

Lusa

Portugal é o país que apresenta melhores índices de saúde de qualidade e bem-estar das crianças entre os Estados mais desenvolvidos, embora na classificação geral sobre situação das crianças apareça na 18.ª posição.

Os números fazem parte do último relatório da Unicef sobre a situação das crianças nos 41 países considerados mais ricos, incluindo os da União Europeia e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Construir o Futuro: As crianças e os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável nos países ricos é o tema do relatório, o primeiro que avalia a situação das crianças nesses 41 países relativamente aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável identificados como os mais importantes para o bem-estar das crianças.

Na posição 18 em termos gerais, Portugal aparece quase sempre em posições de pouco destaque, sendo a posição 32 a mais baixa, no critério “erradicar a fome”. Já nos critérios “saúde de qualidade” e “bem-estar”, e ainda no critério “consumo e produção responsáveis” o país está em 1.º.

A posição cimeira é justificada por uma taxa de mortalidade neonatal baixa, uma taxa de suicídio de adolescentes também baixa e poucos casos de crianças entre 11 e 15 anos com problemas psicológicos.

E depois tem também das taxas mais baixas (a segunda mais baixa) de crianças que consomem álcool e uma taxa a baixar acentuadamente de casos de gravidez na adolescência.

Excesso de obesidade

De acordo com o documento, a 32.ª posição no critério “erradicar a fome e garantir uma alimentação de qualidade” indica que no país 18,2% das crianças menores de 15 anos vivem com um adulto que enfrenta insegurança alimentar. Portugal tem também a quinta taxa de obesidade infantil mais elevada.

No critério “erradicar a pobreza” o país aparece também baixo na tabela, com uma em cada quatro crianças a viver em pobreza de rendimentos relativa, diz-se no documento.

Na “produção e consumo sustentáveis” Portugal é também país de topo, sendo aquele entre os 41 em que há maior proporção de jovens de 15 anos familiarizados com pelo menos cinco ou mais problemas ambientais.

Sem liderar, o país tem também boa prestação em matérias como “igualdade do género” (6.ª percentagem mais baixa de mulheres jovens que dizem ter sofrido violência sexual), ou “cidades seguras e sustentáveis” (7.ª posição quanto à qualidade do ar).

Nem estudam, nem trabalham

Mas Portugal cai depois para meio da tabela no critério “educação”, avaliadas as competências em leitura, matemática e ciências, e na promoção de um “trabalho digno e crescimento económico” (26.º lugar), com 6,1% dos jovens entre 15-19 anos que não estudam nem trabalham.

Na “redução das desigualdades” o 27.º lugar indica grandes diferenças entre os salários mais altos e mais baixos do país, e na “promoção da paz, justiça e instituições eficazes” o mesmo lugar deve-se muito a actos de violência física ou psicológica.

Portugal tem uma boa classificação (12.º lugar) quanto à taxa de suicídio de crianças (das mais baixas, 0,25 por cada 100.000 habitantes), mas a taxa dos que dizem ser alvo de bullying é a oitava mais elevada.

Em termos gerais, e sempre sobre os países mais ricos, o relatório da Unicef mostra por exemplo que uma em cada cinco crianças vive em pobreza relativa e que uma em cada oito enfrenta insegurança alimentar. Ou que mesmo em países como Japão e Finlândia cerca de um quinto dos adolescentes com 15 anos não tem níveis mínimos de competências em leitura, matemática e ciências.

A tabela é positiva para os países nórdicos, a Alemanha e a Suíça, e menos positivos para os países mais pobres do grupo, como a Roménia, a Bulgária e o Chile.

Na lista dos 41 países os Estados Unidos ocupam o lugar 37.

mais informações no comunicado de imprensa da Unicef Portugal:

Nos países ricos, 1 cada 5 crianças vive em pobreza de rendimento relativa, 1 em cada 8 enfrenta insegurança alimentar – UNICEF

 

 

 

Portugal já é berço de 22 bebés refugiados

Junho 15, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia do Jornal de Notícias de 12 de junho de 2017.

clicar na imagem

 

 

Jovens consomem muitas bebidas energéticas, apesar dos efeitos adversos

Junho 7, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 5 de junho de 2017.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Bebidas Energéticas: Qual a Realidade na Adolescência? / Liliana Branco… [et al].- Acta Pediátrica Portuguesa, v. 48, n. 2 (2017), p. 109-117

A obtenção de mais energia e de diversão por toda a noite foram os principais objectivos mencionados para o consumo de bebidas energéticas.

Lusa

Um estudo que envolveu centenas de adolescentes portugueses detectou uma elevada ingestão de bebidas energéticas, isolada ou associada ao álcool, apesar de este consumo não ser recomendado para esta idade devido aos seus potenciais efeitos adversos.

Publicado na edição de Abril/Junho da Acta Pediátrica Portuguesa, a revista oficial da Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), o estudo Bebidas Energéticas: Qual a realidade na adolescência? foi elaborado por pediatras do Hospital da Senhora da Oliveira (Guimarães) e do Centro Hospitalar de São João (Porto).

Com base em respostas de 704 adolescentes, com idades compreendidas entre os 14 e os 19 anos, o estudo apurou que 76% já tinham experimentado bebidas energéticas, tendo a primeira ingestão ocorrido entre os 12 e os 15 anos em 85% dos casos.

Estas bebidas pertencem a um grupo de bebidas não alcoólicas com um elevado teor de cafeína e às quais são adicionadas outras substâncias, nomeadamente hidratos de carbono (glucoronolactona, dextrose, sacarose), aminoácidos (taurina), vitaminas (B riboflavina, piridoxina, L-carnitina) e extractos de plantas (ginseng, guaraná).

Entre os vários efeitos adversos destas bebidas estão a taquicardia, agitação, cefaleia, insónia, desidratação, tonturas, ansiedade, irritabilidade, tremores, aumento da tensão arterial e distúrbios gastrointestinais.

Alerta da OMS

Com o aumento da dose, os sintomas podem ter maior gravidade: convulsões, hemorragias, arritmias ou alucinações, “podendo mesmo levar à morte”, lê-se no artigo que cita vários artigos científicos já publicados sobre esta matéria. A crescente popularidade destas bebidas entre os adolescentes levou mesmo algumas organizações, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) a alertar para os seus efeitos prejudiciais e a recomendar que estas não sejam consumidas por crianças e adolescentes.

Em Portugal, existem poucos estudos relativos a esta temática que evidenciem a verdadeira realidade do consumo de bebidas energéticas na população dos adolescentes, pelo que este trabalho pretende caracterizar o seu padrão de consumo.

As respostas obtidas neste inquérito permitiram apurar que 63% dos adolescentes inquiridos ingeriram pelo menos uma bebida energética no último ano e que 74% as ingeriram durante as noites de fim-de-semana, com um consumo foi mais elevado por parte do género masculino.

A obtenção de mais energia (44%) e de diversão por toda a noite (34%) foram os principais objectivos mencionados para o consumo de bebidas energéticas, os quais mudam consoante o género. Os rapazes pretendem obter mais energia e melhorar o desempenho físico e as raparigas são movidas pela curiosidade.

A maioria (53%) não referiu qualquer efeito após o consumo de bebidas energéticas e, dos que referiram efeitos, os mais frequentes foram a obtenção de mais energia (21%) e o aumento da concentração (9%) no género masculino e a sensação de alegria (11%) no género feminino. Nenhum adolescente teve necessidade de recorrer a cuidados médicos. Em 59% dos consumidores foi observado o consumo associado de bebidas energéticas com álcool. A maioria (85%) associou esta bebida a vodka.

“Os objectivos predominantes para este tipo de consumo foram melhorar o sabor das bebidas alcoólicas (76%) e prolongar a diversão (37%), não se tendo verificado diferenças entre os géneros em nenhum dos objectivos”, lê-se no artigo.

Os autores do estudo apontam o grande marketing imposto pelas diversas empresas em áreas atractivas para os adolescentes, que tem como principal público-alvo os jovens do género masculino como “uma das prováveis razões para esta maior ingestão” de bebidas energéticas. Por outro lado, prosseguem, “a falta de regulamentação relativamente à comercialização das bebidas energéticas torna-as de fácil acesso, sem restrições legais à sua venda, tal como foi observado neste estudo, em que a maioria dos consumidores referiu já ter alguma vez comprado uma bebida energética”.

Perante “a elevada ingestão de bebidas energéticas detectada nos adolescentes deste estudo”, os autores consideram essencial “aumentar a consciencialização das crianças, adolescentes, encarregados de educação, professores e sociedade no geral para este tipo de consumo e os seus riscos”.

 

 

 

Até hoje, ninguém sabe o que é feito destas crianças

Maio 25, 2017 às 7:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Notícia da http://www.tvi24.iol.pt/ de 25 de maio de 2017.

Esta quinta-feira, assinala-se o Dia Internacional da Criança Desaparecida. Em Portugal, há pelo menos nove casos misteriosos que continuam por resolver. Rui Pedro e Maddie são apenas os mais misteriosos

Manuela Micael

Alguns desapareceram há mais de 20 anos. Misteriosamente. Outros desapareceram mais recentemente. Para as famílias de qualquer uma destas crianças é tempo demais sem saber notícias.

Maddie e Rui Pedro são, talvez, os casos mais mediáticos. Mas, além deles, há outras sete crianças de que nada se sabe e sobre as quais muito se especula. A Polícia Judiciária até pode ter encerrado formalmente as investigações, mas não desistiu de as procurar e mantém os apelos por informações sobre eles na sua página da Internet.

Esta quinta-feira, assinala-se o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas.

Carina Macedo de Carvalho

Data de desaparecimento: Entre 1 de setembro de 2013 e 30 de setembro de 2013

Idade atual: 18 anos

Carina tinha 15 anos quando desapareceu. Não se sabe muito bem o dia em que o desaparecimento aconteceu, mas sabe-se que está prestes a completar quatro anos.

Até setembro do ano passado, Carina era procurada pelo Tribunal de Família e Menores da Comarca de Lisboa Oeste – Sintra. Esse interesse da Justiça, no âmbito de um processo de promoção e proteção de menores, só se mantinha até a jovem completar a maioridade, o que aconteceu a 17 de setembro de 2016.

Contudo, apesar de já ter completado 18 anos, a sua fotografia continua a fazer parte da lista de desaparecidos da Polícia Judiciária.

Madeleine Beth McCan

Data de desaparecimento: 3 de maio de 2007

Idade atual: 14 anos

É um dos casos mais mediáticos de crianças desaparecidas em Portugal e que nunca chegaram a ser encontradas. Até hoje, 10 anos depois, a fotografia de Maddie faz parte da página de pessoas desaparecidas da Polícia Judiciária e a sua história já fez correr muita tinta, envolvendo autoridades portuguesas e britânicas.

Maddie desapareceu do Ocean Club, na Praia da Luz, em Lagos, onde estava de férias com os pais. Estaria no quarto a dormir com os dois irmãos gémeos mais novos, quando desapareceu. Os pais jantavam num restaurante do empreendimento turístico e foi quando a mãe vou verificar as crianças ao quarto que deu pela falta dela.

Tatiana Paula Mesquita Mendes

Data de desaparecimento: Entre 1 de maio de 2005 e 31 de maio de 2005

Idade atual: 18 anos

Também se pode chamar Odete Araújo Freman ou Odete Araújo Freman Frima. Foi considerada como desaparecida em Maio de 2005. Nasceu na Guiné Bissau e, tal como consta do site da Polícia Judiciária, foi “adoptada” por um casal com a concordância da mãe. Viajou para Portugal em maio de 2004 com o casal.

Porém, cerca de um ano depois, em maio de 2005, a mãe adotiva passou a informação que a menor tinha por si sido entregue a uma outra pessoa, ainda em 2004, e que a menina tinha falecido depois algures na zona de Badajoz/Espanha, em acidente de viação.

A sua fotografia, porém, continua a fazer parte da lista de desaparecidos da PJ.

Sofia Catarina Andrade de Oliveira

Data de desaparecimento: 22 de fevereiro de 2004

Idade atual: 15 anos

O caso de Sofia será um dos casos em que se suspeita de sequestro parental. A criança terá sido subtraída à mãe pelo pai, cerca das 20:45, no centro de Câmara de Lobos.

De acordo com informação que consta do site da PJ, na fuga com a menor de dois anos, o suspeito apanhou um táxi e, posteriormente, boleia de um familiar, tendo sido deixado a pé, com a filha, pelas 21:30, no Caniço de Baixo. Por volta das 23:30m, o pai da criança deslocou-se à Esquadra da PSP de Câmara de Lobos, onde se encontrava a mãe a participar o desaparecimento da menor, altura em que aquele já não trazia a filha consigo.

Até hoje é um mistério o que realmente lhe aconteceu.

Jorge Manuel Sepúlveda

Data de desaparecimento: 15 de agosto de 1991

Idade atual: 40 anos

É um dos casos de desaparecimentos de crianças mais antigos em Portugal. Jorge, natural de Massarelos, no Porto, tinha 14 anos quando desapareceu. Na página da PJ dedicada aos casos de pessoas desaparecidas nada se diz sobre as circunstâncias do desaparecimento.

Rui Manuel Correia Pereira

Data de desaparecimento: 2 de março de 1999

Idade atual: 31 anos

O caso do Rui Manuel é outro dos mais antigos. Natural de Vila Nova de Famalicão, Braga, desapareceu há 18 anos, sem deixar rasto.

A PJ mantém a fotografia do jovem na lista de desaparecidos e alerta para algumas características especificas: uma pequena cicatriz junto do olho esquerdo, outra entre o lábio superior e a narina direita e um grande sinal de nascença nas costas.

João José Gomes Teles

Data de desaparecimento: 6 de outubro de 1998

Idade atual: 35 anos

Natural de Câmara de Lobos, na Ilha da Madeira, João frequentava o 9º ano, quando desapareceu. Tinha 16 anos. Desapareceu do Largo do Machiqueiro, em Câmara de Lobos. Até hoje, não há pistas sobre o seu paradeiro.

Rui Pedro Teixeira Mendonça

Data de desaparecimento: 4 de março de 1998

Idade atual: 30 anos

Tinha 11 anos quando desapareceu. Foi andar de bicicleta, perto da escola de condução propriedade da família e nunca mais se soube nada dele. Têm sido várias as notícias de supostos avistamentos, mas que não deram em nada e até isso se foi esvaindo ao longo do tempo.

Pelo seu desaparecimento, já foi condenado Afonso Dias. Cumpriu dois terços da pena e saiu em liberdade em março deste ano. Dezanove anos depois do seu desaparecimento. Mas ainda hoje Afonso Dias se declara inocente e o que aconteceu exatamente a Rui Pedro permanece um mistério.

A luta da mãe de Rui Pedro, Filomena Teixeira, que nunca desistiu de saber do paradeiro do filho, tem comovido o país ao longo de todos estes anos.

Cláudia Alexandra Silva e Sousa

Data de desaparecimento: 13 de maio de 1994

Idade atual: 30 anos

Filha de uma família pobre e numerosa do lugar de Lamela, freguesia de Oleiros, concelho de Vila Verde, desapareceu, a caminho da escola, num 13 de maio.

As versões sobre o seu desaparecimento são mais que muitas e os pormenores tornam o caso ainda mais misterioso. Correu o boato de que os pais a venderam, “por 400 contos”, de que foi levada por uma tia para Espanha, de que estaria em Odivelas, onde seria vítima de maus tratos, ou de que teria sido levada para Espanha. Nenhuma destas pistas se revelou proveitosa.

É o segundo desaparecimento de crianças mais antigo, ainda sem solução, registado na página da Polícia Judiciária.

 

O Instituto de Apoio à Criança dispõe da Linha 116 000 SOS-Criança Desaparecida (grátis)

Mais informações:

http://www.iacrianca.pt/index.php/setores-iac-sos/sos-crianca-desaparecida

 

Portugal é um dos cinco países com mais adolescentes obesos

Maio 17, 2017 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 17 de maio de 2017.

Relatório da OMS analisa 27 países e regiões. É apresentado nesta quarta-feira no Porto. Mostra que entre 2002 e 2014 o país estagnou no combate a esta doença. Consumo de vegetais é insuficiente e o de fruta é positivo, mas caiu muito nos últimos 12 anos.

Romana Borja-Santos

A luta contra a obesidade em Portugal não está a ter resultados significativos entre os mais novos. Em 2002 os dados não eram animadores e 12 anos depois o cenário continuava bastante preocupante: os adolescentes portugueses estão entre os mais obesos da Europa. Só a Grécia, a Macedónia, a Eslovénia e a Croácia apresentam valores mais negativos, revela um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), que será apresentado nesta quarta-feira no Congresso Europeu de Obesidade, no Porto, e que compara 27 países e regiões.

O documento Adolescent obesity and related behaviours: trends and inequalities in the WHO European Region, 2002-2014, aponta para que a prevalência da obesidade em Portugal, nos adolescentes aos 11, aos 13 e aos 15 anos, seja de 5%. Este número representa uma subida de 0,3 pontos percentuais desde 2002, quando o objectivo era travar esta doença. O valor mais elevado na região europeia é registado na Grécia, com 6,5% de adolescentes obesos. No caso de Portugal, a contribuir para este resultado estão sobretudo os rapazes, com 6,9%. Já as raparigas registam um valor de 3%.

“Os níveis de obesidade nos adolescentes são preocupantes, associados a uma má alimentação, pouca actividade física e comportamentos sedentários”, sintetiza ao PÚBLICO a investigadora Margarida Gaspar de Matos, que coordena a parte portuguesa do trabalho da OMS.

A psicóloga da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa lembra que “a obesidade está associada a problemas de saúde no futuro”, dando como exemplo a diabetes, mas também problemas cardiovasculares, respiratórios ou até de sono e mentais. “Quanto mais cedo a obesidade se instala mais difícil é combatê-la e mais se acumulam os efeitos prejudiciais para a saúde física, mental e social”, reitera.

“É necessária uma acção política ambiciosa para atingir o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável de travar o aumento da obesidade infantil. Os governos devem direccionar esforços e quebrar este ciclo prejudicial da infância para a adolescência e para o futuro”, reforça a directora regional da OMS para a Europa, Zsuzsanna Jakab, em comunicado.

Também João Breda, coordenador do Programa de Nutrição, Actividade Física e Obesidade da OMS/Europa realça que “a maioria dos jovens não superará a obesidade: cerca de quatro em cada cinco adolescentes que se tornam obesos continuarão a ter problemas de peso na idade adulta”.

Menos fruta

O trabalho da OMS olha também para outros indicadores que podem ajudar a explicar estes resultados, como alguns hábitos alimentares, mas também comportamentos sedentários e pouca actividade física regular. Por exemplo: Portugal não chega a ser dos países onde os adolescentes comem mais fruta diariamente, mas não está longe. O país com melhores resultados é a Bélgica (zona francesa), onde 49,1% dos adolescentes comem fruta todos os dias. Nos portugueses o valor é de 40,9%, mas há uma nuance: o país está entre aqueles onde o consumo de fruta mais caiu entre 2002 e 2014, com uma descida de 6,8 pontos percentuais neste período.

Concretamente sobre a fruta, Margarida Gaspar de Matos lembra que o relatório da OMS não apresenta explicações para estas mudanças, mas a investigadora avança com alguns argumentos. Com a crise económica, diz, comer fruta ficou mais “caro do que um hambúrguer” e são reportados mais casos de crianças que se deitam sem comer por dificuldades económicas em casa. Ainda assim, a psicóloga diz que as escolas têm conseguido ter alguns programas de distribuição de fruta que talvez tenham travado uma descida ainda maior.

A OMS analisa, no documento, a relação entre a obesidade e o contexto socioeconómico em que os adolescentes vivem, percebendo-se que a má alimentação anda de mãos dadas com as dificuldades financeiras. No caso de Portugal, o relatório apenas consegue estabelecer uma relação entre o excesso de peso e o baixo estatuto socioeconómico nos rapazes de 11 anos. Ainda assim, Margarida Gaspar de Matos salienta que é precisamente nesta idade que o país tem o maior pico de obesidade nos adolescentes.

Poucos vegetais

Ainda nos hábitos alimentares, quanto aos vegetais, só 28% dos adolescentes portugueses comem estes produtos diariamente. Os valores mais elevados encontram-se na Bélgica e Ucrânia, onde ultrapassam os 50%. Mesmo assim o valor subiu dois pontos percentuais em Portugal desde 2002. O que é positivo.

Outra boa notícia é que nestes 12 anos registou-se uma queda significativa em Portugal no consumo de produtos como refrigerantes e doces, tanto em rapazes como em raparigas e em todas as faixas etárias.

Margarida Gaspar de Matos lembra que já outro estudo da OMS, Health Behaviour in School-aged Children, publicado no ano passado, e que serve de ponto de partida à avaliação que será divulgada nesta quarta-feira, indicava que os jovens portugueses teciam críticas à qualidade da alimentação das cantinas escolares. A psicóloga sublinha: uma alimentação saudável não implica servir refeições com pouco sabor.

De resto, ainda de acordo com o estudo, os hábitos alimentares e a actividade física vão piorando com a idade, mas é entre os rapazes de 11 anos que se verifica uma maior prevalência de obesidade. Factores relacionados com o crescimento contribuirão também para esse facto, diz.

Entre os 11 e os 15 anos aumentam também alguns comportamentos sedentários, como utilizar a televisão ou o computador mais de duas horas por dia, ainda que se tenha registado uma queda nos últimos anos. O relatório não explica, mas a psicóloga lembra que estes hábitos podem estar a ser substituídos por outros, como o uso de tablets e smartphones– até porque nem por isso a actividade física tem aumentado entre os adolescentes portugueses. Aliás, as raparigas até estão mais sedentárias.

Os dados da OMS levam Margarida Gaspar de Matos a deixar algumas recomendações ao Governo. Mais do que políticas novas, a investigadora apela à continuidade nas medidas e pede uma avaliação dos resultados do que já foi feito – criticando, no entanto, opções como as tomadas pelo então ministro da Educação, Nuno Crato, que desvalorizaram a importância de disciplinas como a Educação Física.

descarregar o documento citado na notícia em baixo:

Adolescent obesity and related behaviours: trends and inequalities in the WHO European Region, 2002–2014

Geração Z, os jovens que nasceram na era da internet, da crise e do terrorismo

Maio 11, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Texto do http://observador.pt/ de 1 de maio de 2017.

Rita Porto

Depois dos Millennials, chega agora a Geração Z. Jovens que nasceram na era da internet e que não sabem o que é o mundo sem a crise e sem o terrorismo. O que esperam eles do futuro?

Leonor esteve indecisa sobre que objeto haveria de trazer quando lhe pedimos para escolher algo que a caracterizasse. Acabou por optar pelo violino em vez do telemóvel. Esta adolescente de 16 anos — feitos agora em abril — toca desde os oito anos e ainda hoje tem aulas e concertos: “Nem sei bem por que escolhi o violino. Acho que sempre gostei do som do instrumento”.

A irmã Carlota foi mais rápida na escolha: um azulejo com um barco à vela em tons de azul. “Fi-lo quando estava no 11° ano. Inspirei-me em todas as viagens que costumávamos fazer com os pais no Alcâncio, o barco do pai. Está sempre exposto na sala de estar”, conta a estudante de Cerâmica da Escola Artística António Arroio. O cuidado com que o manuseia, bem como o modo como o transporta — envolto em várias camadas de papel de cozinha para não se partir dentro da mala — denota a importância que ele tem para a adolescente de 18 anos, cuja carreira que quer seguir ainda é uma incógnita. “Gostava de um dia ter um atelier, mas não sei bem”.

Já Duarte anda com o seu objeto ao pescoço: um colar com duas estrelas azuis e uma roxa, feito pelo seu irmão mais novo. E não é o único assessório que costuma ter consigo: ao pulso tem um elástico e no dedo anelar da mão direita um anel, oferecido pelo melhor amigo, para o ajudar a ultrapassar “um mau momento”. “Gosto de usar acessórios. Ajudam-me a tirar o stress da escola e distraem-me um pouco”, conta o estudante de ciências.

André não andará sempre com o seu skate atrás, mas é sem dúvida uma parte essencial da sua vida. “Comecei a andar de skate há quatro anos, quando tinha 12. Na altura, um amigo comprou um skate numa ‘loja do chinês’ e depois toda a gente comprou um, e eu pensei ‘Porque não?’. Era só na brincadeira. À medida que as pessoas foram deixando de andar de skate, eu começava a interessar-me cada vez mais”, recorda o jovem de 16 anos.

Os treinos na rua com o melhor amigo — que entretanto também deixou o skate — passaram para o Skatepark. Foi o pai quem o levou lá pela primeira vez e, nem dois anos depois de ter começado, já estava a participar no primeiro torneio. “A primeira vez que ouvi falar num campeonato nem fui, por vergonha. Da segunda vez fiquei todo nervoso, mas participei. Fiquei em sexto lugar. Fiquei super feliz, mas também estava bué nervoso”. Foi apenas o início: hoje em dia participa em vários campeonatos, tanto nacionais como internacionais, muitos deles através da loja que o patrocina — Twin Tail.

A escolha de Leonor M. foi a mais tecnológica. “Sou uma pessoa que vive no seu próprio mundo e muitas vezes ponho os phones para estar só comigo, sem ninguém me chatear”. É algo que esta adolescente de 15 anos não dispensa, seja nos transportes públicos, em casa para ouvir música ou até na escola — “Este ano, como não me dou muito bem com a minha turma, acabo por estar muitas vezes de phones“. Um objeto essencial para a jovem baterista quando está a ensaiar em casa. “Tenho uma bateria elétrica em casa. Posso pôr os phones no amplificador e só se ouve como se estivesse a bater em qualquer coisa, mas eu gosto mesmo é de ter som no amplificador. A minha mãe sofre um bocado [risos].”

O que é a Geração Z?

Estes jovens têm histórias e gostos totalmente diferentes uns dos outros, mas partilham algo em comum: todos fazem parte da Geração Z. Depois dos baby boomers, da Geração X e dos Millennials, chegou-se à última letra do alfabeto para caracterizar as pessoas nascidas entre meados dos anos 90 até meados de 2010.

De acordo com dados do INE, são cerca de 2.566.327 as pessoas com menos de 24 anos a viver em Portugal. Dados da Pordata mostram que se trata de uma geração que nasceu numa população cada vez mais envelhecida, cujas mães são mais ativas e com mais escolaridade, mas cada vez menos jovens. Nascem no seio de famílias menos convencionais — têm cada vez menos irmãos biológicos, mas cada vez mais meios-irmãos — e estão rodeados de tecnologia.

Madalena Lupi, diretora do Departamento de Estudos Qualitativos da Netsonda/ConsumerChannel, analisou esta camada de jovens a propósito do 8º Seminário de Marketing Kids & Teens, promovida pela Brandkey, e ressalva que os anos limites para esta geração não são consensuais. “Partimos do princípio que são pessoas que nasceram por volta de 1995 e até 2016 — é uma geração que está em formação”, diz ao Observador.

A investigadora explica ainda que se trata de uma geração com “características próprias” graças ao contexto pessoal, social e económico em que nasceram e estão a crescer, ainda que algumas possam ser semelhantes às gerações anteriores.

Diana Dias Carvalho, socióloga e investigadora nas áreas da sociologia da família, da infância e da juventude, considera mesmo limitativo falar-se de gerações. “O risco de se falar em gerações é que tendemos a reduzi-las a certas características e consequências, e depois quando vamos ver, muitas vezes essas representações não colam com as realidades que encontramos, porque vai depender sempre dos contextos sociais — que são muito diversificados”.

Internet e novas tecnologias

Carlota — 18 anos: “Lembro-me que recebi o meu primeiro telemóvel no quinto ano — nem sequer tinha câmara! Foi-me dado quando começámos a vir sozinhas para casa e para se precisássemos de ligar para os pais. Mas não sinto que seja dependente do telemóvel e da internet. Há umas semanas estive de férias no Algarve com os meus avós e praticamente não mexi no telemóvel. Levei computador para fazer uns trabalhos para a escola e, apesar de ter internet, quase não a usei. Mesmo no dia a dia, só uso o telemóvel nos intervalos das aulas ou para ocupar o tempo, com alguma pesquisa que foi pedida pelos professores, por exemplo. Em termos de redes sociais, o que mais uso é o Instagram — não é tanto pelos vídeos, mas pelas fotografias (gosto muito de editá-las). O Snapchat já não uso tanto porque foram sendo criadas outras aplicações que fazem o mesmo. Uso bastante o Messenger de Facebook, mas só vou mesmo ao Facebook se os meus amigos me disserem que publicaram qualquer coisa.”

Leonor — 16 anos: “O meu primeiro telemóvel era um antigo telefone da minha mãe — deram-me aquele porque se o perdesse não havia problema. Não acho que seja viciada no telemóvel, mas dá sempre jeito. Por exemplo, eu nunca ando com relógio, portanto estou habituada a ver as horas no telemóvel e faz-me falta se não o tiver comigo. Costumo utilizá-lo para estar em contacto com os meus amigos e com os meus pais. Utilizo muito o Instagram, onde partilho fotografias e vídeos, e o WhatsApp para falar com os meus amigos, para combinar coisas ou quando preciso de alguma coisa para a escola e não tenho paciência para lhes ligar. Não uso muito o Messenger do Facebook, nem sei bem porquê.”

André — 16 anos: “Não me lembro de não haver internet — é mesmo estranho! Não sou dependente de tecnologia, mas uso o telemóvel diariamente, especialmente para as redes sociais. Utilizo o Instagram, o Snapchat, mas o Facebook não tanto e o YouTube um bocadinho. Também uso o WhatsApp para falar com os meus amigos e combinar coisas com eles, mas com mensagens áudio gravadas, que escrever dá muito trabalho [risos] . Publico vídeos no Instagram e no YouTube. Quando vou a um parque peço sempre a alguém para filmar, e vou pondo fotografias e vídeos. Sempre que faço alguma coisa nova tenho necessidade de mostrar. Não é para me orgulhar, simplesmente gosto que vejam. As pessoas dão apoio e isso é gratificante.”

Duarte — 16 anos:“Se me esquecer do telemóvel é um stress, porque não tenho maneira de comunicar com as pessoas. Antigamente estava muito preso às redes sociais. Atualmente gosto mais de usar o Instagram, para descobrir coisas novas ligadas à arte e à genética, e o Twitter, para me manter atualizado e ver as notícias — é fácil e rápido, porque sigo as páginas dos jornais e também há os trends. Falo com os meus amigos pelo WhatsApp e só tenho Facebook por causa do Messenger. Não me consigo imaginar sem internet. A internet ajudou-me a criar certas amizades que ainda hoje tenho. Agora sou capaz de comunicar mais, mas antigamente era mais difícil, era muito tímido. Acho que graças às redes sociais estou mais confortável ao pé das pessoas novas e consigo falar melhor com elas. Os nossos pais acham que, com a internet, não estamos tão atentos ao que se passa à nossa volta, mas no meu caso ajudou-me a perceber que o mundo não são só coisas boas. Comunicamos [entre amigos] de maneira diferente, conseguimos falar de vários tópicos porque estamos mais informados.”

Leonor M. — 15 anos: “Eu sou muito dependente do telemóvel — mais do que do computador. Dá para fazer tudo com ele, mas se me esquecer também não tem mal. Uso-o para falar com os meus amigos do grupo de jovens e da minha escola antiga, porque não estou com eles todos os dias. Utilizo muito o Messenger do Facebook e o WhatsApp. A rede social que uso mais é o Twitter, onde sigo pessoas famosas, como atores, músicos, chefs, e amigos meus, mas também gosto muito do Instagram porque gosto de tirar fotografias. Acho que as pessoas da minha idade partilham muitas coisas e acabam por não pensar quem vai ver aquilo. Por exemplo, a minha conta é privada, mas a de muita gente não é e nem sequer veem quem as segue.”

O universo digital é um dos aspetos mais característicos desta geração, como explica Madalena Lupi. “Hoje em dia, todos temos muitas companhias tecnológicas, todos utilizamos muito a internet, mas esta geração nasceu com ela. Se pensarmos que o Google apareceu em 1996, é uma geração que não conhece o mundo sem Google. Ou seja, o mundo para eles já foi definido de acordo com estes parâmetros e isso afeta em muito a maneira como eles o encaram e a maneira como reagem perante muitas coisas”.

Não são, contudo, jovens dependentes de tecnologia, sublinha a investigadora. Ainda assim, a facilidade com que chegam à informação de que precisam , graças “à internet no bolso” (o telemóvel), é determinante para o seu dia a dia: “Qualquer dúvida que um jovem desta geração tenha, tem a internet e toda uma rede enorme de pessoas que lhes explica o que é, como se faz, tudo o que houver a saber sobre o assunto.”, afirma Madalena Lupi.

Algo que pode parecer um caos para muitos, mas não para eles. “A capacidade de discriminar estímulos e de os encontrar será sempre superior à de gerações anteriores, porque cresceram com isto. Não acho que este excesso de informação seja uma coisa caótica e que desorganize. Eles próprios vão encontrando formas de selecionar esses estímulos.”, explica a psicóloga Patrícia Câmara ao Observador.

Uma realidade que faz deles pessoas mais “independentes” e “fazedores”, que utilizam a internet a seu favor para “concretizar as suas iniciativas”: “Na geração anterior, alguém que tivesse jeito para trabalhos manuais ou que até quisesse vender algumas coisas que fazia, tinha de ir a feiras e a lojas. Esta geração põe na internet e vende”.

Para a socióloga Diana Dias Carvalho — atualmente a tirar o doutoramento no ISCSP-UL sobre os jovens e a sua transição para o trabalho e para a vida adulta –, não se pode afirmar “com certeza” que há um uso excessivo da internet, especialmente porque se trata de uma geração com agendas “muito preenchidas e compartimentadas”, integrando o uso das novas tecnologias no seu dia a dia. “O que as crianças fazem online tem muito a ver com o que fazem offline: os jogos online têm a ver, por exemplo, com o gosto pelo futebol; as pessoas com quem falam online são aquelas com quem convivem offline“.

As redes sociais são das ferramentas mais utilizadas no telemóvel por esta geração, mas independentemente do domínio da internet nas suas vidas, continuam a privilegiar a comunicação cara a cara. “A tecnologia faz parte da vida deles, não foi algo que apareceu para substituir alguma coisa. Esta geração cresceu com as tecnologias e, portanto, mais do que os outros, sabe utilizá-las e não as utiliza para tudo. Eles cresceram com todo este digital e a criar relações em simultâneo”, adianta Madalena Lupi. Diana Dias Carvalho refere-se às redes sociais como “uma extensão do mundo offline e da interação face a face”.

Patrícia Câmara vai mais longe e defende que a comunicação online pode não só fazer com que os jovens que se sintam diferentes, cresçam tão menos “isolados”, como também pode servir como preparação para as relações na vida real. “Há jovens mais tímidos para quem a internet pode ser um refúgio — criando uma espécie de second life –, mas também pode ser até uma forma de se aproximarem dos outros, que de outra maneira não seriam capazes. Pode ser um passaporte para experimentar primeiro aquilo que ainda não se teve coragem de fazer na realidade, e não um impedimento do relacionamento em si”.

Pais e internet: controlo vs intimidade

A psicóloga destaca ainda a importância de haver uma “educação mais construtiva” no que toca a estas ferramentas digitais. “Acho que há sítios e horas em que as pessoas se devem desligar. Deve-se privilegiar os momentos de interação, como por exemplo os jantares de família. É importante fomentar estes espaços para que a alienação não exista efetivamente”.

Os pais muitas vezes tentam promover esta “educação”, nem que seja para tentar proteger os filhos daquilo que acham que são os perigos da internet, e muitas vezes não sabem como lidar com a quantidade de ferramentas a que os filhos têm acesso. “Estamos a assistir a uma mudança de paradigma com esta geração e os pais ficam mais aflitos porque a quantidade de coisas a que os filhos têm acesso e que eles não controlam é imensa. O que me parece é que, às vezes, por causa disso, há uma invasão da intimidade que não havia antes”, diz Patrícia Câmara, dando como exemplo determinadas aplicações que permitem aos pais localizarem os filhos e vice-versa. “No lugar onde devia estar a intimidade, o respeito e o espaço do outro passa a estar o controlo”.

A psicóloga considera que os pais deviam optar antes por um discurso “de responsabilização”, de explicação de que “há coisas que se tem realmente de saber, como a pesquisa na internet”, mas pautado “pela dignidade e pelo respeito”. “A história do Pinóquio — que foi seduzido na rua — é antiga. Há sempre predadores à espreita em todas as gerações. Cabe a todos nós, pais e profissionais, sermos instigadores de confiança, alertando para os perigos, mas sem personificarmos o ‘Velho do Restelo’ que teme em aceitar a evolução”.

A maneira como os pais olham para os perigos e benefícios do uso da internet varia consoante se trata de uma família favorecida ou desfavorecida, refere Diana Dias Carvalho. Nas famílias mais desfavorecidas, são muitas vezes as crianças que ensinam aos pais como funcionam as novas tecnologias, fazendo com que os adultos fiquem “mais distantes” e não facultem “ferramentas” aos filhos para eles se “orientarem”. Nas famílias mais favorecidas, por sua vez, são os progenitores que promovem a utilização da internet, estando por isso mais “vigilantes” e transmitindo uma série de “cuidados”.

Carlota — 18 anos e Leonor – 16 anos: “O Facebook foi a nossa primeira rede social, cada uma criou uma conta em 2012. O nosso pai não achava boa ideia que tivéssemos acesso mais cedo porque dizia que podia haver perigos e podíamos não ter bem noção do que estava a acontecer. Por exemplo, alguém fazer-se passar por uma pessoa da nossa idade, combinarmos um encontro e sermos raptadas. Nós sempre encarámos isso com muita seriedade — tivemos amigos que criaram uma conta às escondidas e nós não achávamos isso bem. Nessa altura, o nosso pai pediu-nos as passwords só para, se acontecesse alguma coisa, conseguir chegar até nós, mas nunca usou. Foi mais por uma questão de segurança e nós compreendemos. Nunca percebi muito bem porquê, mas lembro-me que os pais nos pediam para estarmos sentadas num sítio específico — à mesa por exemplo — para quando passassem pudessem dar uma vista de olhos e ver o que estávamos a fazer.”

André — 16 anos: “Tenho Facebook há sete anos e acho que nem disse nada ao meus pais quando criei a conta. Eu sei que eles ficam preocupados, mas nunca foram de me controlar. Eles sabem que eu sei tomar conta de mim. É como sair à noite: uma vez tive de levar um amigo a casa porque ele não estava muito bem. O meu pai ficou preocupado e eu disse-lhe: ”Pai, no dia em que eu chegar a casa assim, proíbe-me de sair à noite. Pode ser?”

Duarte — 16 anos: “Quando criei o meu Facebook tinha 12 anos. Acho que era a idade mínima para se criar uma conta e os meus pais não queriam que tivesse antes. Assim que tive Facebook, eles foram os meus primeiros amigos e tinham a minha password, mas acho que nunca a utilizaram. O meu pai sempre me avisou para ter cuidado com quem adicionava — dizia-me para ter a certeza de quem eram e se não tivesse, para não adicionar –, mas sempre teve muita confiança em mim. A minha mãe sempre foi mais insegura em relação a isso, não queria que me acontecesse nada.”

Leonor M. — 15 anos: “Os meus pais sempre me direcionaram para o que achavam que eu podia ou não fazer, mas nunca viram o meu Facebook. A verdade é que eu também sempre fui muito consciente. Eles não tinham a minha password, mas sabiam que se quisessem ver eu deixava sem qualquer problema. Acho que foi essa confiança que também nunca criou problemas”.

Relação com pais e irmãos

Será que estamos a falar de uma geração mais próxima dos pais? Madalena Lupi acha que sim, defendendo que o fosso geracional entre estes jovens e os seus pais é mais pequeno quando comparado com gerações anteriores, muito graças a valores que ultrapassam as fronteiras geracionais. “Os jovens sentem-se confortáveis com a geração anterior porque os valores são os mesmos. Temos pais e filhos a ouvirem as mesmas músicas e a irem aos mesmos concertos”.

Patrícia Câmara afirma que há efetivamente uma relação mais “aberta” e “flexível” entre pais e filhos, mas sublinha que existe um fosso geracional, especialmente do ponto de vista da tecnologia, o que leva depois a uma tentativa de maior controlo da vida dos filhos — “como se os miúdos soubessem mais do que os pais e os pais têm de espreitar pelo buraco da fechadura”.

Esta distância entre pais e filhos, acrescenta ainda a psicóloga, não é necessariamente negativa. Pelo contrário, serve precisamente para apoiar estas crianças ao longo do crescimento. “Crescer sem ter a sensação que há alguém que está lá pode ser a experiência mais desamparante possível. A relação entre pais e filhos deve poder jogar-se numa dinâmica de afastamentos e aproximações, de encontros e desencontros, amparados pela certeza de que sempre que faz frio se pode voltar ao ninho”.

Carlota — 18 anos: “Ter colegas com os pais separados era uma coisa comum — eu própria tenho pais separados. Lembro-me que quando estava no primeiro ano tinha bastantes colegas que já tinham os pais separados. Conheço muitas pessoas que não se dão bem com os pais ou têm relações más com eles. Todos os dias tenho colegas a queixarem-se que discutiram com a mãe porque ela não lhes deixa fazer qualquer coisa, ou porque falou-lhe mal, etc. Eu tenho uma relação muito próxima com os meus pais e, de vez em quando, até ouvimos as mesmas músicas. Às vezes o meu pai põe a rádio na M80 e se passa uma música antiga que eu começo a cantar, ele até pergunta: ”Mas tu conheces isto?’. A minha irmã e eu damo-nos relativamente bem, quando não nos damos mal [risos], mas até nos damos muito bem. Temos algumas discussões e partilhar não é coisa da Nonô. Ela gosta muito de usar a minha roupa, mas normalmente eu não posso usar a dela. Os nossos gostos são relativamente parecidos, apesar de haver muita coisa que eu gosto e ela não, e vice-versa, mas conhecemo-nos muito bem.”

Leonor — 16 anos: “Tenho uma relação próxima com os meus pais e com a minha irmã — roupa é coisa que não partilho [risos] –, mas tenho colegas com más relações com os pais, ou porque se divorciaram, ou porque nunca se deram bem. Sempre tive colegas com pais divorciados, mas de há uns tempos para cá parece que há mais. Há outros que são muito cúmplices, mas tem um bocadinho a ver com os pais. Há pais que, pelo trabalho, ou porque não têm paciência, estão mais ausentes na vida dos filhos e isso ressente-se na relação entre eles.”

André — 16 anos: “Não partilho muitos gostos com os meus pais. Não gostamos das mesmas séries nem das mesmas músicas. Quando uso a aparelhagem do meu pai, para pôr a minha música, ele costuma dizer: ‘Quando é que pões música a sério?’ [risos]. Às vezes sento-me com a minha mãe a ver a telenovela. Com o meu pai, às vezes ele vai ter comigo ao quarto e conversamos sobre futebol e ficamos a ver vídeos de skate. Temos uma relação aberta e próxima. Conto-lhes o que for preciso, falamos da nossa semana e sobre o skate, mas também temos as nossas discussões — depende do humor de cada um. Tenho muitos amigos com os pais separados e eles têm imensos problemas com isso. Queixam-se que estão sempre a mudar de sítio e que não conseguem estar com os dois ao mesmo tempo. Tenho cada vez mais amigos a passarem por isso.”

Duarte — 16 anos: “Eu tenho três irmãos, um com 21 anos — é filho do meu padrasto — e dois [meios-irmãos] com seis e quatro anos, e damo-nos todos bem. Claro que temos as nossas discussões, mas gostamos muito uns dos outros e preocupamo-nos uns com os outros. Com os meus pais, tinha uma relação mais próxima quando era mais novo. Acho que a maior parte do problema é falta de comunicação. Já não conto tudo o que se passa como antigamente. Tenho amigos que também não se sentem à vontade para falar com os pais sobre determinados assuntos, mas tenho amigas que partilham tudo com os pais e são capazes de falar de todos os problemas. Mas partilho muitos gostos com os meus pais, em termos de músicas, filmes e séries. Lembro-me de estar no sofá a ver o CSI com a minha mãe e tenho memórias de estar no carro com eles a ouvir música — o meu pai gosta de ouvir Blur e Beach Party e eu gosto muito do gosto musical dele. Antigamente se calhar era mais fácil os meus pais falarem com os pais deles sobre certas coisas, porque não tinham a quem recorrer sem ser a eles. Hoje em dia não só temos a internet, como temos outros adultos com quem falar, como professores, e falamos com os amigos.”

Leonor M — 15 anos: “Eu tenho uma relação muito próxima com os meus pais. Até tenho atividades que faço só com o meu pai, ou só com a minha mãe, ou com os dois, e se fizer com algum amigo, é muito estranho. Por exemplo, adoro ver séries com a minha mãe – agora estamos a ver o House. Com o meu pai costumo ouvir música. Gostamos muito de ouvir a Rádio Cascais porque dá muita música antiga, do tempo do meu pai, e acabamos por estar no carro a ouvir e a cantar. Acho que a minha geração tem uma relação mais aberta com os pais, falamos de todos os assuntos. Tenho ainda duas irmãs, uma com 28 anos e outra com 20. Já não estou tanto tempo com minha irmã mais velha porque ela agora está a trabalhar, mas sempre me dei bem com ela. Acabo por ter uma relação mais próxima com a minha irmã do meio porque divido o quarto com ela. Com ela falo muito do nosso dia a dia, mas se tiver algum problema, vou falar com a minha irmã mais velha, exatamente por ela ser mais velha.”

O convívio com os avós

Uma vez que se trata de uma geração que nasceu no seio de uma população cada vez mais envelhecida, e numa altura em que se vive cada vez até mais tarde, muitos destes adolescentes cresceram na companhia dos avós. Uma convivência que os marcou e continua a fazer parte dos seus rituais. Será provavelmente das últimas gerações a ter este privilégio, uma vez que se tem filhos cada vez mais tarde e, consequentemente, é-se avô numa idade mais avançada.

Carlota — 18 anos: “Tenho uma relação muito próxima com os meus avós [maternos] — não cheguei a conhecer os meus avós paternos. Falamos imenso com eles, nem que seja uma vez por semana. Nem sempre somos nós a ligar, sei que devíamos ligar mais. Eles estão em Lagos e sempre que estamos juntos parece que não passou tempo nenhum. Lembro-me de ser pequena, de a minha avó cortar uma manga, dar-me o caroço e eu comê-lo no degrau da cozinha.”

Leonor — 16 anos: “Tenho uma relação muito próxima com os meus avós, desde sempre. Eles foram para Lagos quando tinha cinco ou seis anos e ainda me lembro dos almoços de família que se faziam todos os fins de semana quando eles ainda moravam cá em cima.”

André — 16 anos: “Tenho dois avós da parte da minha mãe e uma avó da parte do meu pai — costumo estar com ela quando vou ao emprego do meu pai porque ela mora ali perto. Com os outros avós temos jantares de família, em que também vêm os meus tios — às vezes não dão jeito se eu tiver uma saída [com os amigos]. Costumo ir mais cedo para casa deles para ajudar a fazer o jantar e para conversar. Depois de comer, eu, o meu avô, os meus tios e o meu pai costumamos ficar a jogar às cartas ou a conversar.”

Duarte — 16 anos: “Eu dou-me extremamente bem tanto com os meus avós paternos como maternos. Todas as semanas estou com os quatro, costumo ajudá-los no que for preciso. Do lado materno, precisam mais de ajuda com as compras, para fazer recados e limpezas. A minha avó canta num coro e há umas semanas fui assistir, com o meu avô, a um espetáculo que eles deram no Olga Cadaval. Do lado paterno são mais independentes, mas faço-lhes companhia. Lembro-me de, quando era mais novo, ir ao zoo com eles e com o meu primo.“

Leonor M — 15 anos: “Eu sempre convivi muito com os meus avós maternos. Durante muito tempo eu saía da escola e ia para casa deles porque a minha avó tinha sido professora e ajudava com os trabalhos de casa. Com os avós paternos também tinha uma relação próxima, mas não os via todos os dias como os outros avós. Às vezes ligava-lhes a dizer que ia lanchar ou jantar a casa deles. Acho que a relação que eu tenho com os meus pais é diferente da que eles tinham com os pais deles na minha idade. Hoje em dia há uma maior abertura para falar com os nossos pais do que antigamente.”

Onde pára o amor?

A vontade de ter alguém com quem partilhar a intimidade continua a estar presente nesta geração, à semelhança das anteriores. Seja através de relacionamentos longos ou apenas fugazes, a base é sempre a mesma, como explica Patrícia Câmara: “Ter alguém que acompanhe as várias etapas do crescimento”, “que ajude na descoberta do corpo”, tendo como “expectativa” que o amor vem “compensar as fragilidades”.

Mas até aqui as redes sociais têm a sua influência. Não é fácil para estes jovens distinguir aquilo que pertence à esfera pública e o que deve ser mantido exclusivamente na intimidade. “É difícil com a maturidade própria destas idades gerir aquilo que é suposto ser público e o que é suposto ser íntimo. A intimidade acaba por ficar à mercê do julgamento de outros”.

Carlota — 18 anos: “Eu nunca tive um namorado nem uma grande paixão, mas vejo pelas minhas colegas e há muitas que estão em relações longas. Tenho uma amiga que está com o mesmo namorado há cerca de seis anos, mas depois também tenho outras que estão com alguém no máximo durante seis meses. Talvez por estarmos no 12.º ano acho que as pessoas da minha idade dão mais valor à escola e a terem emprego do que a divertirem-se. Ainda hoje tinha uma colega a queixar-se que não via o namorado há um mês por causa de trabalhos, etc.”.

Leonor — 16 anos: “Acho que não tem muito a ver com a geração em si, mas sim com a personalidade. Varia de pessoa para pessoa. Tenho amigos que não namoram e outros que sim; uns com relações mais longas e outros mais curtas. Talvez os mais frequentes sejam os namoros passageiros, de dois a três meses, se calhar porque se fartam uns dos outros”.

André — 16 anos: “São normalmente ‘namoricos’, não costumam ser relacionamentos muito longos — no geral as pessoas enjoam ao fim de três ou quatro meses. Nem sei bem explicar porquê, por uma pequena discussão acabam logo tudo .”

Duarte — 16 anos: “Hoje em dia, as relações são cada vez mais curtas — duram um mês ou poucos meses. É mais complicado manter uma relação, mas não sei bem porquê. Parece que é um pouco mais complicado as pessoas exprimirem-se e com isso perde-se a intimidade. Com as redes sociais também não é fácil porque já não há a privacidade que havia antes, é tudo público. As pessoas expõem-se mais e é difícil manter um relacionamento entre poucas pessoas — é uma notícia que circula facilmente. Com isso, há um receio de assumir as relações. Apesar de serem raros os relacionamentos longos, acho que os adolescentes valorizam as relações não só amorosas, mas também de amizade.”

Leonor M — 15 anos: “Eu conheço muitas pessoas da minha idade que têm namorado. Não são relacionamentos nem muito longos, nem muito curtos — de três a quatro meses –, mas acho que isso tem a ver com a nossa idade. Estamos sempre a querer coisas diferentes a cada momento e mudamos de opinião muito facilmente.”

Tolerância

Madalena Lupi não tem dúvidas de que estamos perante uma geração mais tolerante que as anteriores: “Para eles, a diferença é uma coisa natural e lutam por preservar essa diferença”. Uma tolerância que advém de um maior conhecimento da diversidade do mundo e das pessoas. “Eu não vejo uma geração fechada, pelo contrário. Acho que eles têm uma abertura e falam sobre determinados assuntos, como a sexualidade, a homossexualidade, de uma maneira que era impensável há 15 anos”, refere Patrícia Câmara.

Carlota — 18 anos: “Como ando numa escola de artes, em Lisboa, há uma maior diversidade de pessoas e há uma maior tolerância em relação ao que é diferente. Não sei como será noutros sítios.”

Leonor — 16 anos: “Não acho que haja uma grande tolerância. Sempre que há alguém que se veste de maneira diferente, as pessoas olham de lado.”

André — 16 anos: “Não acho que sejamos uma geração mais tolerante. Conheço muita gente que se vir um homossexual goza ou afasta-se. Para mim é indiferente, conheço um rapaz gay, ele é fixe e faz parte do nosso grupo. Ele não admite, mas nós também não gozamos com ele. Se ele for gay, nós apoiamos. Antigamente havia mais [preconceito] porque as pessoas tinham medo de expressarem os seus sentimentos. Hoje em dia, sinto que há cada vez mais pessoas a assumirem-se e as pessoas vão-se habituando. Mas ainda vai faltar algum tempo até se ser tolerante para com toda a gente.”

Duarte — 16 anos: “Com o passar dos anos estamos a tornar-nos mais tolerantes com a diversidade. Eu dou-me com pessoas tolerantes relativamente a questões como a homossexualidade e o racismo, mas também já conheci pessoas que não suportam homossexuais e que são bastante racistas. Acho que tem a ver com a família: se os pais forem racistas então os filhos também são um bocadinho. A homossexualidade não tanto, acho que é uma coisa mais individual.”

Leonor M. — 15 anos: “Acho que somos uma geração tolerante, mas estava à espera que fôssemos mais. Estamos no século XXI, cada vez somos mais diferentes e estava à espera de uma outra atitude. E com a internet podemos saber e falar de tanta coisa, e as pessoas acabam por não saber. Eu sou uma pessoa que gosta muito de falar sobre certos temas e saber a opinião dos outros. No grupo de jovens semi-católico onde ando juntamo-nos de quinze em quinze dias, fazemos atividades e falamos sobre questões como o racismo, a homossexualidade e assuntos do dia a dia, mas muitas vezes as pessoas isolam-se e nem sabem do que se está a passar. Há uma certa vergonha em falar de algumas questões como a homossexualidade. Há uma brincadeira que os meus amigos costumavam fazer que é dizer coisas como ‘mas que atitude gay’ ou ‘és mesmo gay’. Eu detesto isso porque, para mim, ser gay não é um insulto. Acho que não o fazem por maldade, é mais porque não pensam no que estão a dizer.”

Igualdade de género: será desta?

A igualdade de género tem sido um tema extremamente debatido e chegou aos ouvidos destes jovens. É por isso uma questão à qual estão mais atentos. “Está a fazer este movimento no sentido em que mulheres e homens o percorram de uma forma mais idêntica”, defende Patrícia Câmara.

Carlota — 18 nos: “Na escola é um bocadinho ao contrário do que as pessoas pensam. Os rapazes são pior tratados porque assume-se que eles são os que se portam pior. Na minha aula de Geometria Descritiva, houve um colega que foi expulso da aula por ter falado uma vez, enquanto uma outra colega que estava sempre a incomodar não foi. Também acontece o contrário. Ou seja, as raparigas não poderem fazer algumas coisas que os rapazes podem. No nono ano, por exemplo, tive um professor de educação física que punha os rapazes a jogarem à bola, uns contra os outros, e as raparigas só ficavam a rematar à baliza quando algumas delas até jogavam melhor que alguns rapazes — mas esse professor era um bocado machista.”

Leonor — 16 anos: “Ultimamente fala-se muito mais nesta questão, mas apesar do esforço, ainda há muito esta desigualdade. Pessoas que ainda dizem que as raparigas não se devem sentar de determinada maneira e não devem dizer certas coisas. Ainda assim, é algo que tem vindo a melhorar.”

André — 16 anos: “Não noto uma grande diferença de tratamento entre rapazes e raparigas. Há muitas raparigas que jogam futebol e outras que andam de skate. Nós tratamos toda a gente igual, mas quando se aleijam, parece que nos preocupamos mais com as raparigas. Não é por mal, é só uma questão de cuidado.”

Duarte — 16 anos: “As pessoas que me rodeiam consideram as raparigas iguais aos rapazes. Não notam diferença de tratamento na escola, por exemplo — acho que os professores têm a mesma atenção e o mesmo cuidados com todos –, mas ainda se encontram pessoas que acham que as mulheres são ‘inferiores’. Não é uma coisa que se oiça muito, mas quando alguém está mais irritado ou numa situação complicada, ainda se veem pessoas a recorrerem a esta diferença.”

Leonor M. — 15 anos: “Hoje em dia estamos mais relembrados desta questão e pensamos mais nisso. Já aconteceu, durante uma aula, um professor dizer que aquilo que estou a fazer não é trabalho para uma mulher e para pedir ajuda a um colega. Tenho também um professor que acha que trabalhar num bar não é trabalho para uma mulher. Obviamente que não gosto de ouvir, mas como são professores não posso ter grande reação. São pessoas mais velhas, acho que na minha geração já não se nota tanto.”

Terrorismo

A palavra terrorismo ganhou toda uma outra dimensão após o 11 de setembro de 2001. Nessa altura, os jovens da Geração Z ainda não eram nascidos, ou eram demasiado novos e não se lembram do que era o mundo antes da queda das Torres Gémeas, moldando por isso a maneira como olham para os ataques terroristas.

“Eles vivem num mundo em que as coisas estão em constante ameaça terrorista. Um jovem desta geração que veja uma mochila abandonada no metro, o primeiro pensamento que tem é: ‘será que alguém deixou aqui uma bomba?’, enquanto uma pessoa com a mesma idade há uns anos pensaria: ‘olha, alguém esqueceu-se da mochila’.”, explica Madalena Lupi.

Já Patrícia Câmara não acredita que estes jovens estejam assustados com estes ataques, especialmente por acharem que Portugal é um país seguro.

Carlota — 18 anos: “Não gosto muito de pensar nessa questão. Se pensarmos todos os dias nisso [nos ataques terroristas], vamos estar a criar medos que até podem ser verdade, mas que são desnecessários. Não podemos viver a vida com medo.”

Leonor — 16 anos: “Eu não ligo muito [à questão do terrorismo], talvez porque vivo em Portugal. Se calhar, se vivesse noutro país em que os atentados acontecessem com mais frequência não pensaria assim, mas não estaria tão preocupada quanto as pessoas que sempre viveram naquele país. E não, se vir uma mochila abandonada, não penso logo que pode ser uma bomba.”

André — 16 anos: “O terrorismo não me assusta, antes pelo contrário. Às vezes vejo onde aconteceram os atentados porque já sei que depois as viagens para lá vão ficar mais baratas. São também países que depois acabam por ter mais segurança. Por um lado é mais chato — tens de ser revistado e eles têm muito mais cuidado –, mas por outro não volta a acontecer um atentado tão cedo graças a essa segurança.”

Duarte — 16 anos: “Ainda me lembro do que era viver sem terrorismo. Lembro-me que era mais calmo quando queríamos sair do país. A questão do terrorismo é uma coisa de que falamos entre amigos. Se acontecesse alguma coisa em Portugal, não sei como as pessoas iriam reagir — talvez não estejamos preparados. A notícia do primeiro atentado em Paris chocou-me. Ficámos [os meus amigos e eu] todos um bocado em pânico, sem saber o que dizer e as redes sociais foram invadidas com montes de coisas.”

Leonor M. — 15 anos: “O terrorismo é uma coisa com que vivemos todos os dias. As notícias são só sobre isso, sobre a crise e sobre miséria. Não acho que sejamos uma geração mais insegura, acho exatamente o oposto. Somos muito mais calmos neste tipo de coisas, mas isso tem um lado mau: não somos responsáveis.”

Crescer com a crise

Para além do terrorismo, a crise financeira foi outro dos fenómenos que marcou o crescimento destes jovens. A grande maioria não se lembra do que é viver sem crise.”Eles têm muita noção do que foi a crise e têm consciência de que ela pode comprometer ou condicionar o seu futuro”, defende Diana Dias Carvalho.

Carlota — 18 anos: “Como vivemos quase toda a vida em crise, não temos bem noção do que é viver sem ela, então acabamos por achar isto tudo normal. Acho que a nossa geração ficou marcada por esta crise e acabou por fazer com que estejamos mais atentos aos gastos, mas não acho que sejamos uma geração poupada. Mesmo que a crise passasse iríamos ter cuidado e atenção para não gastar muito dinheiro — por exemplo, iríamos continuar a estar atentos aos produtos mais baratos ou em promoções.”

Leonor — 16 anos: “Não me lembro de viver sem crise. Há uns tempos tinha a perceção de que as pessoas estavam preocupadas em poupar e agora nem tanto. Cá em casa tentamos poupar, mas não é nada de preocupante. Tentamos não deixar as luzes todas acesas, não gastar água desnecessariamente e, quando vamos ao supermercado, estamos mais atentos aos produtos mais baratos.”

André — 16 anos: “Toda a gente fala na crise. Os meus amigos e eu tentamos sempre ir jantar ao mais barato possível, nem que seja se eu não tiver muito dinheiro, os meus amigos vêm todos jantar a minha casa e depois pagam-me a saída. Em casa senti algumas diferenças, mas nunca me faltou nada. O meu pai sempre que vai ao supermercado leva vales do Mini Preço ou do Pingo Doce, vê os descontos online, vai mais vezes às compras quando há descontos — noto essa preocupação. Normalmente mudo de skate de mês a mês, dependendo do esforço que faça, mas houve uma altura em que tive de me aguentar com o que tinha.”

Duarte — 16 anos: “Lembro-me que antes da crise as notícias eram mais calmas. Havia menos stress em termos das escolhas que fazemos, que podemos ou não fazer. Em casa, a maior diferença que notei foi nos gastos — sabemos quanto custa um litro de leite no Continente, no Lidl, no Pingo Doce e fazemos comparações para ver o que é mais barato. Antes estávamos mais à vontade e agora há mais avisos. Por exemplo, costumava deixar a televisão ligada para companhia, mesmo que não estivesse a ver nada. Agora já considero isso um desperdício. Com o passar do tempo consegui perceber que as coisas já não são o que eram e consegui habituar-me a isso. Eu até me considero poupado, mas tenho gastos que posso evitar. Não acho que a pessoas minha idade sejam muito poupadas. Se recebem dinheiro e têm algo em mente, gastam logo e não esperam para que o preço fique melhor, por exemplo.”

Leonor M. — 15 anos: “Acho que não me lembro de viver sem crise. Os telejornais passam muita coisa sobre a crise e coisas políticas e, ainda que sejam assuntos importantes, acho que se devia falar mais sobre cultura e sobre o país em si. As pessoas já vivem em stress e depois chegam a casa e na televisão só se fala nisso. Em minha casa não falamos tanto em poupança, mas o meu pai tenta explicar-me o que está a acontecer para eu ter noção do que se passa à minha volta. Eu sempre fui muito de juntar dinheiro para comprar coisas que são importantes para mim: a minha bateria, a minha máquina fotográfica, a minha primeira Nintendo.”

Madalena Lupi também sublinha o peso da crise nesta geração. “Provavelmente tiveram pais que perderam emprego, houve estilos de vida que mudaram. Eles já perceberam que nada é seguro, que as coisas podem acabar de um momento para o outro e portanto já não são tão idealistas”. Ao serem menos “idealistas” e mais “fazedores”, continua a investigadora, é também uma geração que pensa que “pode mudar o mundo no pequeno espaço que é seu e no grande espaço que é a internet”.

Futuro profissional….

Patrícia Câmara considera que se trata de uma geração que procura “alternativas” ao dito emprego clássico — as startup e a”recuperação” dos cursos profissionais são exemplo disso. “Procuram coisas mais centradas a partir de si próprios, na construção de coisas para o mundo, do que propriamente na integração de grandes instituições”.

A crise também fez com que se tornassem “menos obstinados” com as carreiras e levou-os a questionar os “padrões de sucesso”. “Não me parecem miúdos tão centrados no sucesso, até porque a maior parte sente que as carreiras não existem”, acrescenta.

E será que, à semelhança das gerações anteriores, estão de olhos postos lá fora em novas possibilidades de emprego? Patrícia Câmara acha que não. “Acho que esta ideia de ir para fora está a ficar mais pequenina. Não só pela questão do medo — dos atentados terroristas, do Brexit –, mas também pela vontade de reabilitar o próprio país. Os momentos de grande crise também obrigam a um olhar para dentro social e psicologicamente”.

Esta insegurança relativamente ao futuro faz com que alguns jovens optem por estar mais focados no aqui e agora. “Acho que esta indefinição do futuro é a grande diferença para esta geração. Além de que o presente é tão espesso que eu não acho que eles estejam propriamente a pensar no futuro”, defende Patrícia Câmara.

Carlota — 18 anos: “Eu costumo pensar mais no presente do que no futuro — penso a cinco anos no máximo –, mas tenho imensas colegas que estão preocupadas em melhorar as notas desde o nono ano para conseguirem entrar na faculdade. Acho que se devia pensar mais no agora. Este ano vou acabar o 12.º ano e, para o ano, estou a pensar fazer um Gap Year e ir para Londres aprender inglês para depois ir para a Tailândia dar aulas. Queria também passar pela Austrália para visitar uns primos que estão lá a viver e só depois voltar a Portugal. Gostava de ir para a faculdade quando voltasse, mas não sei para que curso. Tento não pensar muito nisso [de faculdade e emprego]. As oportunidades fazem-se. Temos é de estar atentas a novas oportunidades, mesmo que não seja na nossa área. Ou seja, aceitar um trabalho mesmo que não seja na nossa área e mais tarde arranjar forma de chegar aos nossos sonhos.”

Leonor — 16 anos: “Agora estou no 10.º ano em humanidades. Eu até teria ido para ciências, mas tinha físico-química e matemática e eu sabia que não iria resultar. A verdade é que nunca tive aquela coisa de saber desde pequena o que queria ser. Estou a pensar em ir para Direito — o meu pai até disse que talvez conseguiria arranjar-me um estágio –, mas ainda não sei bem. Por enquanto é só uma ideia, não sei se é mesmo isso que quero seguir. Sei que gostava de fazer Erasmus quando estivesse na faculdade e talvez até ir trabalhar para fora. Eu sempre tive familiares a viverem na Austrália portanto, para mim, é uma coisa normal ter pessoas longe e só as ver de vez em quando.”

André — 16 anos: “Estou no 10.º ano em humanidades. No ano passado estive em ciências, mas não gostei muito. A meio do ano deixei de me empenhar, quase não ia às aulas e ficava o tempo todo a andar de skate porque já sabia que ia mudar de área. Planos para o futuro não tenho nenhuns. Eu gostava de seguir skate, mas não sei. Depende das oportunidades que forem surgindo, dos patrocínios, dos campeonatos, mas o tempo irá proporcionar isso tudo. Se der para seguir skate, muito bem. Se der para seguir outra coisa, segue-se outra coisa — tem é de ser algo relacionado como fotografia ou filmagens. Para ser skater vou ter de ir para fora. Estados Unidos é o sítio em que se ganha mais nome, mais dinheiro e há mais probabilidade de ser profissional. É o meu sonho.”

Duarte — 16 anos: “Para mim, aquilo que fazemos no presente vai influenciar o nosso futuro e acho que se queremos ter um bom futuro, há que ter cuidado com o que se faz no presente. No nono ano estava um bocado indeciso entre ciências e artes. Fascina-me tudo o que tenha a ver com artes — toco trompete, adoro pintura e escultura. Só que depois achei que seria difícil escolher o que seguir no universo das artes. Outra coisa que me influenciou foi a saída [profissional], ter emprego. Então fui para ciências. Foi um escolha racional — se tivesse escolhido com o coração, teria ido para artes. Gostava de seguir Genética. É uma área que me interessa, tentar perceber como está tudo estruturado. Se conseguir ter notas, gostava de ir para uma faculdade de Genética que há nas Caldas da Rainha, mas também pondero ir estudar fora. Mais tarde, gostava de ter um bom emprego, ainda que tenha medo de não ter emprego em Portugal.”

Leonor M. — 15 anos: “Eu estou a tirar técnicas de cozinha e pastelaria na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Depois estou a pensar ir para a faculdade também no Estoril. É um curso profissional, decidi entrar num curso específico logo porque não sabia que área haveria de escolher e para escolher algo que não iria gostar muito, não valia a pena. Espero um dia ter o meu restaurante, com comida não tanto tradicional, mas mais molecular. A cozinha depende muito do dia da pessoa que estiver a cozinhar, e tem muito por base a inspiração de cada um.”

… e pessoal?

Mas não se pode descartar o lado pessoal e Patrícia Câmara considera que o maior receio dos jovens continua a estar ligado a este aspeto: “Não encontrar alguém com quem partilhar a vida”. Para esta geração, a família voltou a ter um lugar central, defende a psicóloga. “Querem uma carreira sim, mas sem abdicar de existência”.

Carlota — 18 anos: “Eu não penso muito nisso [ter alguém]. Às vezes vezes falamos deste assunto, mas é uma coisa sem muita importância.”

Leonor — 16 anos: “Acho que toda a gente pensa em ter filhos e casar fica mais em segundo plano. Não acho que seja preciso um papel para se poder ter filhos ou para dar importância a uma relação. Acho que a maior parte das pessoas da minha geração pensa em ter filhos sem casar antes.”

André — 16 anos: “Gostava também de ser pai aos 20 e poucos para acompanhar durante mais tempo os meus filhos. Normalmente as pessoas pensam em acabar o 12.º ano, ter uma média fixe, escolher um curso, acabar a faculdade, ter emprego e vida estável e só depois casar e ter filhos. Eu sou completamente ao contrário: acho que é bom ter uma vida estável, mas isso demora muito tempo.”

Duarte — 16 anos: “Quando imagino o meu futuro, claro que me preocupo com o emprego, mas não estaria tão motivado em querer ter um bom emprego se não tivesse alguém ao meu lado. Gostava de assentar e ter filhos, ensinar aquilo que aprendi à minha descendência, mas nem todos pensam como eu. Tenho muitos colegas que nem pensam em ter filhos ou só pensam em ter muito mais tarde, quando tiverem uma vida mais estável. Eu gostava de ter dois filhos, para terem irmãos. Talvez um casal: um rapaz e uma rapariga.”

Leonor M. — 15 anos: “A nossa geração pensa cada vez menos em casar e ter filhos — não é uma coisa de que falamos muito entre amigos, é mais de passagem. Pensamos em fazer tudo muito mais tarde porque achamos que quando tivermos 28 anos, por exemplo, não vamos ter um emprego estável. Eu penso muito nos filhos que terei: como vou conseguir conciliar o tempo que eles vão estar de férias e eu não estou; as horas a que vou chegar a casa e eles já vão estar a dormir. Acho que vou ter de ter alguém ao meu lado que vai ter de ser muito tolerante comigo.”

 

vídeos e fotografias no link:

http://observador.pt/especiais/geracao-z-os-jovens-que-nasceram-na-era-da-internet-da-crise-e-do-terrorismo/

Pelo menos oito vítimas do desafio Baleia Azul identificadas em Portugal

Maio 5, 2017 às 2:30 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do http://www.dn.pt/ de 4 de maio de 2017.

Além das quatro vítimas já conhecidas, pelo menos outras quatro deram entrada ontem nas urgências de pedopsiquiatria do Porto

Já serão pelo menos oito as vítimas do desafio Baleia Azul identificadas em Portugal. Ontem, quarta-feira, uma adolescente de Matosinhos foi internada no Hospital de S. João, no Porto, com sinais de automutilação – seria o quarto caso desde que se soube que o jogo já fazia vítimas em Portugal, estando as anteriores sinalizadas em Setúbal, Portalegre e Faro – mas, segundo a RTP, pelo menos mais quatro adolescentes deram entrada também na quarta-feira nas urgências de pedopsiquiatria do Porto.

De acordo com as informações adiantadas pela estação, nenhum dos adolescentes ficou internado, mas todos foram reencaminhados para a consulta de comportamentos autolesivos do Hospital de Magalhães Lemos.

À RTP, a responsável pela consulta, Otília Queiroz, não quis falar de casos particulares, mas não escondeu preocupação com o “caráter predatório” do jogo que coloca desafios aos participantes, sendo o objetivo final levá-los ao suicídio. Os alvos são, normalmente, jovens mais fragilizados, e a forma como o jogo da Baleia Azul tem sido divulgado nas escolas poderá potenciar o número de vítimas. “Temos perfeita noção de que é um fenómeno viral”, referiu.

O Ministério Público abriu entretanto quatro inquéritos relacionados com o jogo online e a a PJ está já a investigar, em contacto com os inspetores da Unidade Nacional do Crime Informático (unc3t), para tentar seguir o rasto dos curadores do jogo e perceber se há portugueses envolvidos ou se as ordens vêm todas de fora do país – esta quinta-feira, o JN escreve que a adolescente de Matosinhos internada no Porto recebia ordens de um cidadão brasileiro, que lhe ligava para o telemóvel de madrugada.

A PJ, conforme o DN adianta na edição de hoje, está “muito preocupada” com a propagação do jogo na internet.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) esclareceu ainda o DN de que nos quatro inquéritos abertos os responsáveis que forem encontrados – curadores ou administradores do jogo – incorrem no crime de incitamento ou ajuda ao suicídio, punível até 5 anos se a vítima for menor e atentar contra a própria vida e até 3 anos se a vítima for adulta.

Adolescentes portugueses sentem-se mal quando não têm Internet por perto

Maio 5, 2017 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 19 de abril de 2017.

Mais informações na notícia da OECD:

Most teenagers happy with their lives but schoolwork anxiety and bullying an issue

A satisfação com a vida, a relação com os pais e com a escola também foram avaliadas joana bourgard

Estudo da OCDE diz que jovens que têm um uso extremo da Internet mostram-se menos satisfeitos com a vida e têm também desempenhos académicos piores.

Clara Viana

Portugal é dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) onde existe uma maior percentagem de jovens de 15 anos a afirmar que se sentem mal quando não têm disponível uma ligação à Internet. São mais de 77% os que o afirmam, quando a média na OCDE é de 54%.

Acompanham Portugal naquele pelotão a França, Grécia, Suécia e Taipé, segundo revelam os resultados dos inquéritos efectuados aos alunos que realizaram os testes PISA em 2015, divulgados nesta quarta-feira de manhã num relatório da OCDE sobre o bem-estar dos jovens.

Os testes PISA, que são promovidos pela OCDE, realizam-se de três em três anos para a aferir a literacia a leitura, matemática e ciências dos alunos com 15 anos de idade.

Apesar da aparente dependência dos alunos portugueses face à Internet, o tempo em que estes dizem estar online durante os dias da semana (140 minutos) está ligeiramente abaixo da média da OCDE (146). Ao fim de semana a situação inverte-se: os alunos portugueses passam 190 minutos na Net contra uma média de 184 minutos na OCDE.

Margarida Gaspar de Matos, coordenadora em Portugal do grande estudo sobre a adolescência promovido, de quatro em quatro anos, pela Organização Mundial de Saúde (Health Behaviour in School-Aged Children), confirma que Portugal se tem “evidenciado” no uso da Internet, desde 2010, mas alerta que não se deve confundir “o abuso do uso” com “dependência”.

“A dependência da Internet tem um critério clínico de diagnóstico que transcende as horas passadas” online, adianta. Mas o abuso tem também consequências “uma vez que traz associado problemas de saúde física, nomeadamente higiene do sono, problemas sensoriais, de alimentação, de sedentarismo e psico-sociais”, alerta.

A investigadora salienta, contudo, que não se deve esquecer que “o acesso e uso da Internet é um avanço civilizacional que inclui acesso à informação, gestão do trabalho, comunicação e recreação”.

“São três realidades diferentes e baralhá-las não ajuda a compreender a situação. Deve-se aproveitar os pontos positivos, que são muitos, e tentar limitar os problemas”, conclui.

Quase 90% dos jovens inquiridos na OCDE concordam que a Internet “é um óptimo recurso para obter informação” e 84% consideraram que as redes sociais “são muito úteis”. Na generalidade, a primeira afirmação foi mais apontada por estudantes de meios socioeconómico favorecidos do que pela dos oriundos de meios carenciados. Mas Portugal tem, também aqui, um lugar de destaque: o fosso entre os dois grupos não chega aos cinco pontos percentuais. Há poucas diferenças entre ambos. Dinamarca, Islândia e Macau alinham com Portugal neste grupo. Já no México a diferença entre os dois grupos é de 20 pontos percentuais.

No geral, o uso da Internet “pode aumentar a satisfação com a vida por propiciar entretenimento e retirar obstáculos à socialização”, mas também pode ser uma fonte de riscos ao bem-estar dos jovens, alerta-se no relatório. Por exemplo, os jovens que têm um uso extremo da Internet mostram-se menos satisfeitos com a vida e têm também desempenhos académicos piores.

Satisfeitos com a vida

Saber se os estudantes estão satisfeitos com a sua vida foi um dos objectivos do inquérito realizado. Numa escala de 0 a 10, em que 0 corresponde à pior vida possível e 10 à melhor, em média os alunos da OCDE apontaram para um valor de 7,3.

Em Portugal o lugar nesta escala é de 7,36. No valor mais alto da escala, estão 31% dos alunos portugueses, que dizem estar muito satisfeitos com a vida (34,1% na OCDE) e na posição oposto existem 8,9%, cerca de três pontos percentuais abaixo da média.

Mas a satisfação com a vida está também marcada pelo género: no conjunto dos países da OCDE, existem 39% de rapazes de 15 anos que se dizem muito satisfeitos com a vida, um valor que baixa para os 29% quando são as raparigas a falar. Em Portugal o fosso entre os dois grupos é idêntico (35,6% para os rapazes e 26,3% para as raparigas).

Uma das conclusões a que a OCDE chegou é a de que a relação entre satisfação com vida e o desempenho escolar é fraca. Já o ambiente em que os estudantes aprendem e se desenvolvem têm peso na satisfação com a vida. E aqui, frisa-se, os professores têm um “papel particularmente importante”: “Os estudantes mais felizes tendem a dar conta de uma relação positiva com os seus professores.”

Também os pais têm aqui um papel a desempenhar. Os estudantes cujos pais passam tempo a falar com eles, que comem uma refeição em conjunto ou debatem o modo como o filho se está a sair da escola têm uma probabilidade maior de terem maiores níveis de satisfação com a vida.

Portugal aparece, também aqui, em destaque com 90% dos alunos a dizerem que comem pelo menos uma refeição em conjunto com os pais contra uma média de 82% na OCDE. E 92% dos alunos portugueses também dizem que os pais têm o hábito de falar com eles depois da escola, um valor igualmente superior à média da OCDE (86,1%).

Ir mais longe

A motivação dos alunos em ir mais longe é outro factor preditor de uma maior satisfação com a vida, frisa a OCDE. Aos 15 anos, 44% dos alunos da organização dizem querer completar um curso universitário. Em Portugal são menos: 39,9%.

Em todos os países, os estudantes mais carenciados tendem a ter expectativas mais baixas do que os seus colegas de meios favorecidos no que toca à conclusão do ensino superior. Mas há países piores do que outros e Portugal sai-se mal do retrato, com um fosso de 50 pontos percentuais a separar as expectativas dos dois grupos. Na OCDE este valor ronda os 40 pontos percentuais.

Se o sentimento de pertença à escola é nestas idades um dos factores que mais conta para se estar satisfeito com a vida, e a maioria está nesta situação, também se podem viver ali experiências devastadoras. O bullying é uma delas.

No conjunto dos países da OCDE, cerca de 11% dos estudantes diz-se alvo de gozo, 7% afirmam que são postos à parte e 8% contam que são objecto de boatos maldosos.

A violência física repetida é reportada por 4% dos alunos. No conjunto, 18,7% dizem-se vítimas de um qualquer acto de bullying, um valor que em Portugal desce para 11,8%.

Os resultados dos inquéritos mostram que os rapazes têm maior probabilidade de serem vítimas do que as raparigas, embora estas tenham maior peso se o que está em causa é ser posto de parte ou ser objecto de boatos maldosos. Por outro lado, os estudantes com piores desempenhos estão mais expostos a agressões verbais físicas e psicológicas do que os seus colegas mais bem-sucedidos.

 

 

 

Pré-escolar até aos quatro anos ainda não chegou a todas as crianças

Maio 2, 2017 às 10:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do http://www.dn.pt/ de 17 de abril de 2017.

Pedro Sousa Tavares

A área metropolitana da capital chega ao fim do ano letivo sem soluções para 10% dos alunos desta idade. Ministério promete apenas “mitigar significativamente” o problema mas não se compromete com 100% de cobertura

O despacho de matrículas para o atual ano letivo já previa a universalização da oferta do pré-escolar aos 4 anos de idade. Mas, à entrada da reta final das aulas, o objetivo continua por cumprir, devido à escassez de soluções na Grande Lisboa. E o Ministério da Educação também não garante que o problema esteja resolvido no arranque do próximo ano letivo.

A este respeito, numa resposta enviada ao DN, o gabinete do ministro Tiago Brandão Rodrigues assume apenas que “o que o Ministério pode garantir é que está a trabalhar para que a limitação na co-bertura que neste momento existe ao nível dos 4 anos, na área da Grande Lisboa, seja significativamente mitigada”. Atualmente, de acordo com os dados da tutela, “a resposta às crianças de 5 anos está assegurada e relativamente às de 4 anos temos taxas de cobertura de perto de 100% nas regiões do Norte, Centro, Alentejo e Algarve e de cerca de 90% em Lisboa”. O Ministério lembra também que, “para responder à procura das famílias, abriram este ano mais cerca de cem salas relativamente ao anterior”. Números que, no entanto, se revelaram insuficientes para resolver o défice ao nível da capital.

Em causa – tendo em conta que, de acordo com as estatísticas do INE, em 2012 nasceram 29 313 crianças na Área Metropolitana de Lisboa, e que estas teriam 4 anos de idade no arranque do presente ano letivo – estão cerca de 3000 alunos para os quais não foi possível encontrar resposta. Isto, partindo do princípio de que a grande maioria das crianças nascidas na região ficaram a viver na mesma.

Pela mesma lógica, refira-se, a natalidade poderá ser uma forte “aliada” do ministério em 2017/18, já que, face aos 27 182 nascimentos de 2013, é de prever que existam no próximo ano letivo menos 2131 crianças de 4 anos nascidas na Grande Lisboa. Mas o impacto nunca será suficiente por si para resolver os problemas, até porque as localidades e freguesias da metrópole com menor oferta ao nível do pré–escolar não serão necessariamente as mesmas em que os nascimentos baixaram.

De resto, nas respostas enviadas ao DN, referindo-se à maior pressão demográfica nas áreas metropolitanas, o próprio Ministério refere que “a falta de cobertura tem, muitas vezes, que ver também com o encontro entre a preferência dos pais e as zonas onde existe a oferta”.

No entanto, a tutela também não esconde que pretende esperar para ver quais serão as reais necessidades antes de se comprometer com reforços de meios: “Para 2017/2018, as reuniões de preparação da rede escolar estão agora a começar e só a partir daqui poderemos ter mais informação sobre a relação entre a oferta e a procura e os compromissos que poderão ser necessários assumir para concretizar a medida de expansão do pré-escolar”, explica.

A “forte cooperação com o setor solidário e social [IPSS]”, bem como com a rede do ensino particular e cooperativo, serão para manter no próximo ano letivo. Mas para já o ministério não adianta se poderá ou não reforçá-la, tal como não assume investimentos adicionais ao nível da oferta nas escolas públicas.

Pais esperam medidas rápidas

Para os representantes das famílias é que esta incerteza não é aceitável, numa altura em que começam as matrículas, as quais, por norma, no pré-escolar começam, via internet, a 15 de abril e terminam a 15 de junho. “Nesta altura, é perfeitamente razoável pensarmos que as coisas deveriam estar garantidas”, disse ao DN Jorge Ascensão, presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais. “Se não estão, esperemos que até ao final do mês as questões estejam resolvidas”.

Jorge Ascensão lembrou que, na preparação do presente ano letivo, os pais foram informados de que “estava tudo garantido para que a oferta cobrisse as necessidades todas”, o que acabou por não acontecer. “Fomos constatando algumas falhas. Esperemos que tenha havido o tempo necessário e que tenham sido encontradas formas de resolver essas falhas e que, para o ano, efetivamente a oferta possa cobrir toda a rede e todas as necessidades”, defendeu.

Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP) contou que, nas reuniões que têm feito com as escolas, “reuniões regionais”, os responsáveis do ministério “ainda não” apontaram medidas específicas para compensar as falhas na rede. No entanto, acrescentou, “percebe-se que querem dar esse salto”.O presidente da ANDAEP defendeu também ser importante que o poder local se envolva na questão: “As câmaras municipais e autarquias têm de estar atentas em número de crianças em condições de frequentarem o pré-escolar.” O governo tem o compromisso de universalizar a oferta do pré-escolar, desde os 3 anos de idade, até ao final da legislatura, em 2019. Um compromisso recentemente reforçado por diplomas aprovados, no mês passado, na Assembleia da República.

 

 

 

Baleia Azul. O jogo que mata os mais novos e já assusta em Portugal

Abril 28, 2017 às 10:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do https://sol.sapo.pt/ de 26 de abril de 2017.

Carlos Diogo Santos

O desafio mortal que tem feito vítimas em vários países, entre os quais no Brasil e na Rússia, já pôs a PSP em alerta. O i falou com Sara, uma adolescente que garante existir já medo na sua escola e na dos amigos. No Brasil, Mariana explica como conseguiu sair: “A morte é o que eu mais queria”

Sara tem 16 anos, sente-se mais madura do que a maioria dos seus colegas, mas também vive as crises da adolescência, os medos e as desilusões. Tem medo de morrer e nem entende os adolescentes que entram num jogo como o da Baleia Azul, onde o objetivo final é o suicídio. Não sabe porque muitos procuram estes desafios fatais, mas receia ser apanhada pela teia.

Grande parte das notícias sobre o jogo da Baleia Azul vêm da Rússia e do Brasil – onde até já houve registos de mortes – , mas as mensagens do outro lado do Atlântico já circulam em escolas nacionais, públicas e privadas. Depois de entrarem no jogo, os jovens são convencidos de que já não há volta a dar e que têm de seguir todos os passos – 50 desafios diários – debaixo de uma forte pressão psicológica, inclusivamente com ameaças de que algo acontecerá às famílias se desistirem. É isso que tem levado muitos a mutilarem-se e a correr grandes perigos. O último passo, que também é determinado pelo “curador” é o do suicídio.

“A primeira vez que vi uma mensagem a dizer para não abrir o link do jogo foi no InstaSnap de uma amiga. Eu acredito nestas coisas, eles podem fazer pressão e nós podemos não ser fortes o suficiente para resistir”, diz Sara ao i, explicando que tem muitas amigas que andam assustadas. “Há colegas que têm medo de seguir as regras até ao fim, uns de certeza que iam ignorar, mas outros iam fazer tudo até ao fim e iam guardar para si, há amigas minhas que de certeza que nem iam dizer nada aos pais para se resguardarem”.

E se foi rápido a atravessar o oceano, aqui também não tem demorado a expandir-se. Sara, que anda numa escola privada na Estrela, diz que ela e os seus colegas tiveram contacto com o jogo através de mensagens enviadas por amigos que andam em outras escolas. As autoridades já estão a analisar os casos conhecidos até ao momento. Fonte oficial da PSP diz que “tem conhecimento e que se encontra a monitorizar este fenómeno, que pode afetar crianças e jovens em território nacional”.

A delegada brasileira Fernanda Fernandes, da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, não põe de parte que a estrutura montada no Brasil possa capturar vítimas portuguesas, uma vez que partilhamos a mesma língua – ainda que até ao momento não tenha conhecimento de qualquer evidência nesse sentido.

Ao i, a investigadora explica que estão a ser feitos trabalhos com vista a identificar as vítimas naquele país, enquanto que está a ser levado a cabo uma investigação sigilosa para identificar todos os “curadores”, ou seja, administradores do jogo. “Essa linha de investigação corre atualmente em sigilo para não prejudicar os trabalhos”, contou, lembrando que houve já jovens brasileiros a aceitar o último desafio – o do suicídio.

“A morte é o que eu mais procurei”

Mariana é brasileira (nome fictício) e tem menos um ano que Sara. Em entrevista ao jornal “O Globo” conta que “confiava no jogo”: “Eu acreditava que aquilo ali ia me fazer ter coragem de me suicidar”.

Uma das alterações no seu comportamento foi o de achar que a sua mãe já não gostava de si e isso fazia-a ficar ainda mais dependente do que o “curador” lhe pedia. E foi esse afastamento que mais alertou a família, que conseguiu evitar um fim trágico.

“A morte é o que eu mais procurei. É o que eu mais queria”, revelou àquele jornal brasileiro a jovem, adiantando que mesmo depois de ter estado internada e deixar o jogo já tentara o suicídio novamente. Mariana decidiu parar após um novo tratamento, quando percebeu o sofrimento em que tinha mergulhado a família.

“Se eu fosse [as pessoas], não entraria [no desafio da Baleia Azul]. Só vai causar coisas ruins. Ao invés de parar sua tristeza, só vai aumentar. E vai acumular, acumular. Quando você vir, já vai estar vazio por dentro e por fora. Eu pediria para poder apostar uma única chance numa coisa que se gosta. Talvez, sei lá, uma música boa que essas pessoas ouviram na rádio e de que gostem. Talvez possam escutar aquilo e se sentir melhor. Porque eu sei o quanto que dói, mas não vai ser um jogo que vai fazer você parar de sentir dor. Nem a morte”. Mariana sabe do que fala, sente todos os dias as consequências do caminho que escolheu, ou melhor que a induziram a escolher, para fugir a uma depressão. Em vez de fugir ainda se afundou mais.

No Brasil foram já detetados suicídios de jovens em diversos estados que podem estar relacionados com os desafios que são impostos pelos administradores. Isto porque os alvos, segundo a delegada Fernanda Fernandes, são jovens entre os 12 e os 14 anos com problemas de isolamento e ou depressão, que têm dificuldades em abandonar o jogo por medo de que as ameaças feitas pelos administradores aconteçam mesmo.

Sempre que os mais novos cedem a mais um desafio, o mesmo tem de ser enviado por vídeo ou por fotografia – o corte, no caso de ser uma mutilação – para o “curador”.

Naquele país, os crimes que estão em causa na investigação que foi aberta em 2016 são: “associação criminosa, ameaça, lesão corporal (em relação às automutilações praticadas pelos participantes) e homicídio tentado ou consumado”.

Na Rússia, onde o jogo foi notícia pela primeira vez, duas jovens com 15 e 16 anos decidiram por fim às suas vidas em fevereiro, atirando-se de um prédio com 14 andares, em Irkutsk. Uma delas partilhou no Facebook uma fotografia de uma baleia azul.

 

 

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.