Daniel Sampaio: “Têm de ser definidas regras e implementados castigos. o que se passa é que nas famílias não há regras”

Maio 31, 2018 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Paulo Rascão – MadreMedia

 

A internet pode aproximar mais do que dividir pais e filhos. Entrar-lhes no telemóvel é invadir a sua privacidade, mas há formas de os fazer falar. Sem ser chato e sem medo de se impor. Por estranho que pareça, nem tudo são problemas psiquiátricos, (…).

Os pais queixam-se de que os filhos passam a vida ao telemóvel. Os filhos revidam e respondem que os pais estão sempre no Facebook. O psiquiatra Daniel Sampaio vem agora dizer uma coisa aparentemente simples: se não podes vencê-los, junta-te a eles. No seu livro “Do Telemóvel para o Mundo”, o médico especializado em adolescência defende que o telemóvel e as novas tecnologias, já não tão novas como isso, podem e devem ser utilizadas como ponte entre pais e filhos e não como fonte de conflitos.

(…)

Afinal, o que mudou nos últimos 20 anos na maneira de ser e de estar de jovens e pais? O que é feito do famoso generation gap? Foi isso que fomos descobrir.

Ouvi-o dizer que considera o telemóvel, em termos de privacidade, uma extensão do cérebro e, por isso, os pais não devem invadi-lo.

Exactamente, penso que é território privado. Defendo que os pais não devem invadir esse território e devem antes estabelecer uma relação de confiança com os filhos para que estes possam falar sobre aquilo que fazem no telemóvel. Como psiquiatra especializado em adolescentes, aquilo a que tenho assistido é que as consultas de psiquiatria são marcadas justamente por questões de comunicação. Ou seja, a utilização do telemóvel tornou-se um ponto de conflito. Nalgumas famílias mais disfuncionais tornou-se uma questão de ruptura: tira-se o telemóvel, há gritos, procura-se o telemóvel onde os pais o escondem, depois passa-se para o computador, utiliza-se a bateria até ao fim e os pais chegam a desligar a electricidade para não se poder recarregar os aparelhos. É um palco de conflito entre gerações. A proposta do livro é que seja exactamente o contrário, uma aproximação entre gerações. Porque a internet, particularmente no telemóvel, permite uma comunicação instantânea entre pais e filhos, entre avós e netos. Se podemos ter isso como uma coisa positiva, é nessa direcção que temos de caminhar.

 

“Provavelmente pela primeira vez na história das famílias há um território em que os mais novos sabem mais do que os mais velhos”

 

E por que motivo se tornou fonte de conflito?

Porque provavelmente pela primeira vez na história das famílias há um território em que os mais novos sabem mais do que os mais velhos. As crianças e jovens são muito mais ágeis e sabedoras das tecnologias a que nós chamamos novas, mas que já não são assim tão novas, e o que acontece é que a autoridade familiar se sente questionada. Os pais têm experiência de vida e em muitas circunstâncias sentem-se por isso capacitados para exercer a sua autoridade: tu fazes assim porque eu sei que isso é mau ou bom. Quando entramos no território da internet, há muito desconhecimento das pessoas mais velhas e isso vem alterar a relação de poder na família. Os mais novos dizem aos mais velhos: “És um totó”, “És um cota”, “Não percebes nada disso”, “Eu é que sei”. Isto veio alterar a hierarquia familiar, digamos assim. O que o livro vem dizer é: tenhamos atenção aos riscos, mas aproveitemos as coisas boas, que são muito mais do que os riscos. Porque a internet veio para ficar. Há quem compare a internet com a revolução da imprensa, iniciada por Gutenberg no século XV. Temos de aproveitar este período para nos aproximar mais dos filhos, dos netos – quem tem netos, como é o meu caso – para fazer com que a internet seja uma ponte entre gerações.

 

“Temos de aproveitar este período para nos aproximar mais dos filhos, dos netos. Para fazer com que a internet seja uma ponte entre gerações”

 

Os pais tiram o telemóvel às crianças para as castigar. E porque é que o dão?

Porque sofrem uma grande pressão por parte dos filhos para que eles tenham um telemóvel. Quase todos os miúdos de dez ou de oito anos têm telemóvel, um smartphone.

Muito menos do que isso: dois, quatro, cinco anos.

Mas isso é completamente errado. Isso é aquilo a que se chama a ama electrónica, a babysitter electrónica: dá-se um tablet ou um telemóvel à criança, ela fica fascinada e fica quieta. O que digo é que é preciso definir regras de utilização desde muito cedo. Aos cinco anos pode jogar um jogo no telemóvel do pai ou do irmão mais velho, mas tem de perceber que há regras, a mais importante de todas é o tempo de utilização. Isso tem de ser interiorizado pela criança, que se não faz isso na altura certa dificilmente poderá aceitar as regras mais tarde. Na família, como na escola.

 

“Têm de ser definidas regras e implementados castigos. O que se passa é que nas famílias não há regras”

 

Também tem falado sobre o assunto em escolas?

Estive ontem numa escola, a Escola Secundária de Carcavelos, onde o telemóvel é utilizado na sala de aula. Tudo porque verificaram que era um inferno proibir o telemóvel quando os alunos estavam sistematicamente a desobedecer, a enviar mensagens, etc. Então optaram por trabalhar as regras de utilização durante um ano e no ano seguinte implementaram o uso segundo os critérios definidos com o acordo da associação de estudantes. Hoje é utilizado como instrumento de trabalho durante uma parte da aula, depois é desligado. Os prevaricadores, aqueles que utilizam o telemóvel de uma forma diferente, são imediatamente punidos com a aceitação dos alunos. Na família deve ser da mesma maneira: têm de ser definidas regras e implementados castigos. O que se passa é que nas famílias não há regras. E tudo se torna anárquico. Quando se torna anárquico, o poder que as crianças e jovens têm por dominarem as tecnologias leva a que a hierarquia se inverta e tenhamos filhos a mandar nos pais, como acontece nalgumas famílias.

 

“O poder que as crianças e jovens têm por dominarem as tecnologias leva a que a hierarquia se inverta e tenhamos filhos a mandar nos pais”

 

Se não fosse o telemóvel ou a internet essas famílias estariam unidas ou, de facto, estaria cada um para seu lado?

Antes essas famílias estavam em frente da televisão. Em 1996, já lá vão 22 anos, escrevi “Voltei à Escola”, e o que os pais me diziam era: “Passam a vida a ver televisão”. E eu respondia: “Há um botão para desligar a televisão”. Nessa altura, as famílias também não falavam. E em 1994 escrevi sobre a síndrome das bandejas, em que cada um pegava no seu tabuleiro e sentava-se em frente da televisão a ver o seu programa, em vez de jantar em família. Portanto, este é um problema que vem de trás. Agora foi empolado porque o telemóvel abre-se para o mundo, não sabemos o que pode acontecer, não controlamos o que estão a ver, com quem estão a falar.

Sempre existiu o generation gap. Esse fosso entre pais e filhos é muito diferente do que era há 20 anos?

Hoje os pais estão mais próximo. Desde o final do século XX, com a Convenção sobre os Direitos da Criança, os pais passaram a debruçar-se muito mais sobre os filhos. De uma forma geral, são mais afectuosos. A maioria dos pais aproximou-se dos filhos, mas perdeu autoridade por causa da camaradagem. Depois veio a fase, no início do século XXI, do “é preciso dizer não”. Ora, só é possível dizer não em determinadas circunstâncias: se os pais forem muito distantes, os filhos não aceitam um não. Se forem muito permissivos – e há pais que o são – evidentemente não conseguem manter o não. Precisamos, e a internet pode ser um contributo para isso, de nos envolver com os mais novos, de estar próximo deles, para daí emergir uma autoridade natural. Se eu estiver distante e quiser impor a autoridade de repente ou, ao contrário, se for muito permissivo e quiser impor-me, não consigo. A autoridade é um tema muito importante.

 

“Devia haver uma série de apoios intermédios, os médicos de família ou o enfermeiro do centro de saúde deviam ter formação e ajudar os pais nestas questões, que não são de psiquiatria na maioria dos casos, são de comunicação”

 

Os pais são muito sujeitos a interferências externas – legislação, escolas, psicólogos, psiquiatras, comissões de protecção – e isso traz medo e indefinição que se reflecte na educação dos filhos…

Os pais estão muito sozinhos. Em Portugal, infelizmente, não há a cultura de os pais conversarem uns com os outros, de haver grupos de pais onde se podem trocar experiências. Os pais estão sozinhos e quando precisam de ajuda vão ao psicólogo ou ao psiquiatra. Devia haver uma série de apoios intermédios; os médicos de família ou o enfermeiro do centro de saúde, por exemplo, deviam ter formação e ajudar os pais nestas questões, que não são de psiquiatria. Evidentemente que há jovens com questões psiquiátricas, mas a maioria das vezes que recorrem ao psicólogo ou ao psiquiatra fazem-no por problemas de comunicação que a internet e o telemóvel vieram tornar mais nítidos, mas que já existiam. Quando há 20 anos os jovens passavam o dia em frente da televisão, o problema era exactamente o mesmo, o exterior é que era diferente. Os pais podem estar inseguros, mas são sempre a principal influência dos filhos, está mais do que provado. E se não sabem como agir, têm de reflectir. Os miúdos não vêm com livro de instruções, mas podem, por exemplo, falar com outros pais, isso é muito interessante. Porque alguns pais são bons a orientar os filhos nos estudos e péssimos guiá-los nas saídas à noite, há pais competentes numas áreas e menos competentes noutras. E é bom trocar experiências, saber como outros fazem.

 

“O nagging persistente: não vale a pena dizer mais do que duas vezes. As coisas têm de ser ditas com voz calma e se houver uma resposta agressiva é preciso chamar a atenção sem confronto, sem tensão, o que não significa falta de firmeza”

 

No livro fala muito no nagging, o chatear constante dos pais – que, quem tem filhos adolescentes sabe, é difícil evitar. Pode explicar a sua teoria?

O nagging, o ralhar persistente. Os adolescentes são contestatários, não aceitam as coisas muito facilmente porque têm dentro deles a ideia de que têm de ser diferentes dos pais. Mas o nagging não é eficaz. O que eu digo é: diga no máximo duas vezes. Não vale a pena dizer mais do que isso, porque se diz mais do que duas vezes vai ter uma retroacção: “A mãe é chata”. E isso também é interessante acerca do telemóvel, a necessidade que os adolescentes têm de descansar agarrando-se às ditas novas tecnologias; mal chegam da escola e a primeira coisa que fazem é precipitarem-se sobre os telemóveis, faz parte da maneira de ser actual. E temos de saber esperar um bocadinho por essa descompressão antes de desatarmos a falar. As coisas têm de ser ditas sem ser de forma persistente e com voz calma e se houver uma resposta agressiva é preciso chamar a atenção sem confronto, sem tensão. Criar pontes de diálogo não significa falta de firmeza, não ser persistentes não significa não ser firme.

 

“Eu digo sempre que a família não é uma democracia. E é muito importante passar essa ideia, a certa altura é preciso decidir”

 

Falou nos direitos da criança e do jovem. Hoje podem justificar tudo, têm sempre uma palavra. Isto, com os filhos, tem de ser uma democracia?

Isso faz parte da cultura actual, os jovens têm muito poder nas famílias, têm muito poder na sala de aula. Mas eu digo sempre que a família não é uma democracia. E é muito importante passar essa ideia, a certa altura é preciso decidir. Há famílias que ficam num impasse: os filhos a justificarem-se, os pais a justificarem-se, todos numa discussão sem fim. Que normalmente termina numa zanga ou com um choro ou qualquer coisa do género. Nestas situações, é preciso dizer que não há condições para continuar a discutir, é preciso decidir. O que não significa que três dias depois não se volte ao assunto para conversar sobre a decisão. Mas os pais são normalmente muito oscilantes e deixam muitas vezes que sejam os mais novos a tomar as decisões, como se tivessem capacidade para o fazer.

 

“Uma adolescência normal é pedir tudo e ficar com aquilo que os pais dão. Cabe aos pais perceberem que os filhos estão sempre a pedir, mas que não têm de dar. E isso começa na infância.”

 

A verdade é que eles estão à espera que os pais decidam, mesmo quando parece que não…

Aconteceu com um jovem de 16 anos uma coisa que achei muito interessante… Quando há um patologia psiquiátrica é normal nas consultas os pais perguntarem-me: “Mas isso é da anorexia ou é da adolescência?” ou “Mas isso é da depressão ou é da adolescência?”, é uma pergunta que fazem muitas vezes, para saber se é daquele problema específico ou da adolescência em geral. E eu interrogo-me muito sobre o que é uma adolescência normal. E perguntei a este rapaz o que é uma adolescência normal. E ele respondeu: “É muito simples: uma adolescência normal é pedir tudo e ficar com aquilo que os pais dão”. Ou seja, quer sair à noite todos os dias, quer comprar o telemóvel topo de gama, quer carta e carro, quer dormir até tarde… Mas depois contenta-se com o que os pais lhe dão. Cabe aos pais perceberem que os filhos estão sempre a pedir, mas que não têm de dar. E isso começa na infância. Há muitos pais que dizem: “Não deu problemas nenhuns até aos 13 anos, mas entrou na adolescência e foi um drama”. Quando vemos isso, verificamos que os pais foram muito permissivos e começaram a ceder às solicitações dos miúdos muito novos. Quando fala com adolescente mais velhos, como fiz com este rapaz, percebe que é muito importante que os pais estejam numa espécie de fundo de palco, de bastidores. Os pais têm de estar ali, embora eles precisem de liberdade.

Voltando ao telemóvel como extensão do cérebro, ou seja, à privacidade. Como se controla, então, a pornografia, as conversas, as amizades? Haverá sempre segredos, mas agora estão também mais expostos.

Pode-se controlar no sentido da confiança, de questionar o que estão a fazer. Até porque vai perceber que, a certa altura, ficam embaraçados se não estiverem a fazer a coisa certa. Isto acontece mais com os rapazes, a propósito de pornografia. Os rapazes vêem muita pornografia – no meu tempo era nas revistas. Não podemos impedir isso, faz parte do desenvolvimento, de uma época. O que podemos fazer é escolher entre ignorar ou perguntar o que andam a ver e explicar. E a segunda hipótese é a atitude correcta, caso contrário deixamos na mão dos outros a explicação e o entendimento daquilo que estão a ver, que pode não ser o melhor e o mais certo. Se controlarmos em casa, eles vão para casa dos amigos. Se controlarmos os amigos, eles vão escolher outros amigos. A perspectiva é a de monitorizar, de acompanhar e não de fazer guerra, de censurar. Assim, eles falam com os pais.

Qual é, para si, o principal problema de os pais terem acesso à informação dos filhos?

O principal problema é que muitas vezes os pais não sabem o que fazer com a informação que descobrem, ficam prisioneiros. Vou dar-lhe alguns exemplos: recentemente – e isto foi exactamente assim – um pai chegou à consulta com o filho de 14 anos, a mãe caladinha, e a primeira coisa que diz é: “Vim aqui porque sou engenheiro informático e tenho um device com o qual entrei no telemóvel do meu filho e vi coisas muito estranhas”. O filho começou a ficar em pânico. “Então e aqui à frente do médico é que dizes isso?” “Sim, vi que entraste em sites pornográficos e ainda por cima homossexuais”. Foi uma coisa terrível. O pai ficou completamente embaraçado com o que viu e a solução que encontrou foi marcar uma consulta no psiquiatra. Quando, no limite, até devia ter sido em casa que devia ter dito: “Olha, entrei no teu telemóvel, vi isto e estou muito preocupado”. Mas ficou de tal maneira preso que não teve outra acção. Outro caso também interessante e que estou a seguir, um rapaz que tem uma depressão, os pais começaram controlar os encontros dele e pediram para falar comigo. E eu cometi o erro de falar com os pais sem ser na presença do miúdo. O que aconteceu foi: ele anda com encontros com raparigas fáceis e isto está a fazer-lhe muito mal, o que vamos fazer? Obtiveram esta informação no telemóvel, ficaram muito chocados e agora? Tive de reunir todos, falar dos encontros dele, etc. Mas isso era uma conversa que podiam ter tido em casa, uma conversa banal entre um rapaz de 16 anos e os pais: com quem é que tu andas, quem são os teus amigos, com quem sais? Voltamos ao ponto de partida, o telemóvel pode ser um elemento para criar proximidade em vez de criar distância.

E se os pais não conseguem falar com os filhos, como fazer?

Têm de promover a conversa. Pode ser um avô, pode ser um tio, um mediador entre pais e filhos. Até um técnico, o tal de que falava, o enfermeiro. Não é preciso que seja logo um psiquiatra, porque isso dá logo a conotação da patologia mental que, em muitos casos, não existe.

Fez parte do grupo inicial que estudou a implementação da educação sexual nas escolas…

Sabe há quantos anos?

Em 2009, não foi?

Sim.

Mas não correu muito bem, correu? Hoje mal se fala no assunto.

Entre 2005 e 2009 correu muito bem. Trabalhámos com as escolas, formámos muitos grupos de professores e a educação sexual ficou integrada na educação para a saúde. Na altura fomos contra uma disciplina única, quando podíamos aproveitar a oportunidade para falar de outros temas muito importantes, como a alimentação e a actividade física, porque havia (e há) muitos alunos com excesso de peso, e portanto uma das alíneas passava pela exercício físico, a segunda era as drogas, a terceira era a educação sexual e a quarta era a violência no namoro. Ao mesmo tempo que se fez este trabalho, formaram-se centenas de professores que trabalhavam a educação para a saúde e que podiam ser os mediadores dessas áreas temáticas nas escolas. Representou um esforço grande e que correu muito bem, a lei foi aprovada na Assembleia da República. O que aconteceu depois é que houve um desinvestimento, deixou de haver um carácter obrigatório e passou a ser opcional. Algumas escolas continuam a trabalhar o tema, mas a nível geral este movimento perdeu força. Seria preciso vir dizer: ficam consagradas por ano tantas horas para a educação sexual, tantas horas para o álcool e drogas, tantas horas para a violência no namoro. Uma formação obrigatória. Agora existe a educação para a cidadania, mas o programa for dizer que devem ser bons cidadãos…

Hoje rapazes e raparigas parecem não se entender. Falo já do final da adolescência e idade adulta: elas dizem que eles só pensam no ginásio e no corpo, eles dizem que elas querem super-homens é só pensam na carreira. Há uma explicação?

Guerra de sexos. Isso tem de ser conquistado na adolescência. É uma questão de educação, tudo isso tem de ser trabalhado na adolescência, no início da adolescência. É quando conhecem o seu próprio corpo e começam a interagir com o sexo oposto – ou com o mesmo sexo se forem homossexuais. É uma fase importantíssima. Para, por exemplo, introduzir o tema do respeito, da ética relacional. Até que ponto é que eu posso pôr mensagens no telemóvel contra uma menina gorda da escola? Um grupo de WhatsApp a dizer mal de uma menina gorda? Evidente que ela ficou em silêncio, até que um deles disse que queria sair do grupo. Isso gerou uma discussão. É sobre estas coisas que os pais e a escola se devem pronunciar. Como é que tu vais respeitar as pessoas que convivem contigo. Ok, é gorda. E então? O rapaz é homossexual? É tudo muito natural, mas os homossexuais sofrem horrores na escola, muitas vezes através de cyberbullying. Se não for assim logo na infância, chegam à idade adulta disfuncionais, não reflectiram sobre isso.

Essa é outra questão. Vivemos na era do politicamente correcto, uma certa carneirada. Queremos que os miúdos aceitem conceitos à força, a diferença só porque sim, sem reflectir, sem debater, sem deixar sentir…

O respeito é importante… Eu faço terapia de casal e, de facto, é sempre o mesmo problema: a disputa do casal em que no frigorífico devia haver uma prateleira para ela e uma prateleira para ele. Simbólico, isto. A apropriação do espaço. O espaço masculino, para os iogurtes dele, as coisas que ele gosta. Quando havia uma mudança, havia uma guerra. Isto é a igualdade levada ao extremo. As pessoas são diferentes. Os homens gostam de sair com os seus amigos e as mulheres gostam de sair com as suas amigas. Há casais que têm extrema dificuldade em aceitar isto. É levada a coisa ao extremo, têm de fazer tudo em conjunto. Não é assim.

 

Artigo de Isabel Tavares para SAPO24, em 21 de maio de 2018.

Anúncios

Bebeteca | Espectáculo “O Mundo ao Colo” 2 junho na Biblioteca Municipal Eng. Jorge Bento (Condeixa-a-Nova)

Maio 31, 2018 às 6:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mais informações no link:

https://www.facebook.com/events/1668042409981906/

Crianças e Jovens protagonistas da sua Saúde – 1 de Junho no Teatro Thalia, em Lisboa com a participação de Ana Perdigão do IAC

Maio 31, 2018 às 5:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

A Drª Ana Perdigão – Coordenadora do Serviço Jurídico do instituto de Apoio à Criança, irá participar no evento com a comunicação “A Voz da Criança no Sistema de Saúde (Enquadramento legal)”.

mais informações no link:

http://www.aenfermagemeasleis.pt/2018/05/11/criancas-e-jovens-protagonistas-da-sua-saude-1-de-junho-dgs/#more-53326

 

Concerto Coro Infantil Regina Coeli – 2 junho na Biblioteca Nacional

Maio 31, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

mais informações no link:

http://www.bnportugal.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1347%3Aconcerto-coro-infantil-regina-coeli-2-jun-18-15h30&catid=169%3A2018&Itemid=1355&lang=pt

Curso e-learning “Bullying”, 8 junho a 30 junho

Maio 31, 2018 às 9:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Inscrição até 4 de junho

mais informações no link:

http://formacaoapav.pt/index.php/cursos-em-destaque/352-curso-bullying-8-de-junho-a-30-de-junho-de-2018

 

Workshop sobre Hipnose Pediátrica em Setembro, organizado pelo Núcleo Contra a Dor do Departamento de Pediatria do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca

Maio 31, 2018 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Workshop nível 1

 

O Núcleo Contra a Dor do Departamento de Pediatria do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, EPE mais uma vez está a organizar o 3º Workshop de Hipnose Pediátrica para Controlo da Dor e Ansiedade – nível I, que se realizará dias 17 e 18 de Setembro 2018 em Coimbra; e um nível II, nos dias 21 e 22 de Setembro 2016, em Lisboa.

A formadora deste workshop, Dra. Leora Kuttner é uma psicóloga clínica internacionalmente reconhecida pelo seu trabalho sobre abordagem da dor em pediatria e particularmente na área de hipnose pediátrica / técnicas bio-comportamentais.

O 1º workshop foi realizado em 2015, e em 2016 realizaram-se 2 workshops (nivel 1 e nivel 2). Estas formações têm sido um sucesso e todos os participantes sem excepção adoraram e reconheceram o comprovado potencial que a aplicação destas técnicas têm na prática diária. Na sequência deste sucesso, a pedido dos participantes, pela vontade da Dra Leora continuar a ensinar os profissionais de saúde em Portugal, e pelo apoio mantido da Bene, conseguimos concretizar de novo esta formação pelo 3º ano.

Workshop nível 2

 

O workshop destina-se a médicos, enfermeiros, psicólogos e outros profissionais de saúde que trabalhem na área da Pediatria.

Tem inscrição limitada a 40 participantes e será realizado num espaço fora do hospital, dadas as características inerentes ao espaço necessário para esta formação teórico-prática.

O programa do workshop pode ser visualizado através do website:
http://workshophipnosepediatrica.weebly.com/

Workshop nivel 1: 17 e 18 Setembro em Coimbra
Workshop nivel 2: 21 e 22 Setembro em Lisboa

Lançamento do Prémio Municipal dos “Direitos Humanos na Criança e no Jovem” 1 junho na Escola Francisco Arruda

Maio 30, 2018 às 10:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

 

1 de Junho Dia Mundial da Criança em Coimbra com a participação do IAC – Fórum Construir Juntos

Maio 30, 2018 às 6:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

No âmbito da comemoração do Dia Mundial da Criança e, à semelhança de anos anteriores,  o IAC – Fórum  Construir Juntos irá participar na Aldeia das Oficinas, que irá ter lugar no dia 1 de junho, na margem esquerda do  Parque Verde Mondego, em Coimbra , das 10h às 15h30.

Esta iniciativa da Câmara Municipal de Coimbra irá contar com a participação de várias entidades, cada uma com o seu espaço, onde irão dinamizar com muita diversão um vasto leque de atividades dirigidas às crianças do concelho.

Dia Mundial da Criança e do Brincar nos Jardins do Palácio de Belém – 2 de junho

Maio 30, 2018 às 4:15 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do Museu da Presidência

O Museu da Presidência da República assinala, a 2 de junho de 2018, o Dia Mundial da Criança e o Dia Mundial do Brincar nos Jardins do Palácio de Belém.

Esta iniciativa, que contará com a colaboração da Casa Militar da Presidência da República e do Instituto de Apoio à Criança, promove a celebração da criança e do brincar através de atividades e experiências que revelaremos ao longo das semanas que antecedem o evento.

Comemoração do Dia Mundial da Criança e Dia Mundial do Brincar nos Jardins do Palácio de Belém
Jardins do Palácio Nacional de Belém
Acesso pelo Museu da Presidência da República – Praça Afonso de Albuquerque
Entrada livre
2 de junho de 2018 | 10h00-17h30 (última entrada às 16h30)
Mais informações: 213 614 980 | museu@presidencia.pt

Evento no Facebook

mais informações no link:

 

Vídeo da participação de Manuel Coutinho do IAC no programa “Sociedade Civil” sobre crianças desaparecidas na RTP 2

Maio 30, 2018 às 1:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Vídeo da participação do Dr. Manuel Coutinho (Secretário–Geral do Instituto de Apoio à Criança e Coordenador do Sector SOS-Criança do Instituto de Apoio à Criança) no programa “Sociedade Civil” sobre crianças desaparecidas na RTP 2 no dia 25 de maio de 2018.

Visualizar o vídeo no link:

https://www.rtp.pt/play/p4365/e348325/sociedade-civil

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.