Onde estarão as fotos dos seus filhos que partilhou na Internet?

Março 23, 2015 às 12:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

texto do site http://kids.pplware.sapo.pt/   de 6 de março de 2015.

kids_internet-600x400

Criado por Maria Inês Coelho

A resposta a esta pergunta é mais do que óbvia: não faz ideia! Mas, no mínimo, podem estar impressas em canecas em qualquer lugar do mundo…

A partir do momento em que coloca as fotos dos seus filhos (ou quaisquer outras) nas redes sociais, em blogues ou em qualquer outro sítio da Internet, que não seja nos, quase seguros, serviços de cloud, deixa de saber onde é que elas poderão estar.

As redes sociais vieram alterar muito o conceito de privacidade, se hoje em dia partilhamos um pouco (ou muito) das nossas vidas por lá.

Já aqui no Pplware Kids abordámos várias vezes este tema e até já lhe demos a conhecer os 10 tipos de fotos que nunca deve partilhar na Internet, com a devida explicação, e hoje mostramos um caso prático do porquê de insistirmos nesta temática.

A partilha de uma foto de uma criança numa rede social é normalmente sinónimo de muitos “Gostos”, de muitos comentários e até de partilhas. E são estas interacções que fazem com que o “rasto” da fotografia que partilhou no seu perfil, que até pode ter as definições de privacidade configuradas convenientemente, se perca por completo.

Gostava de ver a cara do seu filho numa caneca à venda na Internet?

É isso mesmo, a fotografia que partilhou numa das suas redes sociais, além de poder estar em qualquer outro sítio recôndito da Internet, pode agora estar impressa numa caneca em casa de qualquer pessoa em qualquer parte do mundo.

NL WTF

Someone’s kid on your favourite mug. Este é o slogan que se pode ler no site holandês Koppie Koppie que se dedica à venda de canecas com a cara de “miúdos de alguém”, são as caras de centenas de crianças que foram outrora colocadas na Internet pelos próprios pais, educadores ou familiares.

“Se já coloca as fotos de seus filhos online, agora tem a hipótese de as adquirir numa das nossas canecas de café. Basta rolar para ver se seus filhos estão na nossa colecção […]” é o próprio site Koppie Koppie que o explica.

Segundo explica Dimitri Tokmetzis, um dos impulsionadores do projecto, o Koppie Koppie é um alerta para todos aqueles que teimam em partilhar as fotografias das crianças na Internet.

Este projecto pode parecer imoral, mas é totalmente legal, e são as próprias pessoas que fazem as partilhas que o autorizam, quando aceitaram as Políticas de Privacidade de sites como o Facebook, o Instagram ou o Google Plus.

O Koppie Koppie é mais do que um negócio para o qual o seu filho pode contribuir, ele é um alerta para aquilo que as fotos que partilha na Internet podem ser utilizadas.

Se a Internet é frequentada por muita gente boa, por muitos amigos, por muitos conhecidos, ela é também frequentada por gente sem escrúpulos e com más intenções. Não facilite!

 

 

 

 

Google lança aplicação do YouTube para crianças

Março 14, 2015 às 1:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 20 de fevereiro de 2015.

© Dado Ruvic  Reuters

YouTube Kids, uma aplicação gratuita e exclusiva para Android, será lançada na próxima segunda-feira, dia 23

A aplicação YouTube Kids conta com um conjunto de vídeos previamente classificados como próprios para crianças. As crianças poderão navegar através de quatro categorias: séries, música, aprender e explorar.

Outra forma de navegação será através de pesquisas singulares. Para esse efeito, o YouTube Kids, exclusivo para Android, terá um filtro que evita que as crianças possam procurar vídeos pouco apropriados para as idades em questão.

Sexo, por exemplo, é uma palavra que remeterá imediatamente para uma nova pesquisa, tal como acontecerá com outras palavras, dava conta esta sexta-feira o jornal espanhol ABC. Os pais podem ainda programar um limite temporal de utilização, a partir do qual a aplicação será automaticamente encerrada.

Shimrit Ben-Yair, responsável pelo produto, justificava assim a iniciativa: “[Todos os anos] temos registado um crescimento de 50% em tempo passado no YouTube, mas nos canais de entretenimento familiar é mais de 200%.”

O jornal The Wall Street Journal havia já avançado que a aplicação deveria ser lançada na próxima segunda-feira durante uma conferência de indústria de entretenimento infantil. Informação já confirmada por um porta-voz do YouTube, segundo a Reuters.

Inicialmente, a aplicação estará disponível apenas nos Estados Unidos, segunda avança a estação britânica BBC.

 

 

 

O Bom Uso da Internet – Debate 16 de março Auditório do IPO de Lisboa

Março 11, 2015 às 2:33 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , ,

debate

mais informações:

http://www.acreditar.org.pt/

 

Seminário ” Internet com segurança para os nossos filhos”

Fevereiro 16, 2015 às 3:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

seminario

Seminário ” Internet com segurança para os nossos filhos”
Orador: cabo Jorge Fonseca – GNR Alenquer Escola Segura
Data: 20 fevereiro | Hora. 21h15
Local: Escola Básica Integrada do Carregado
Mais informação:
Apeeaec – Associação de Pais do Agrupamento de Escolas do Carregado
Email: (contato preferencial)  geral@apeeaec.pt

Telefone: 961 414 504

 

Campanha da NSPCC sensibiliza para a segurança infantil na internet

Fevereiro 13, 2015 às 8:00 pm | Na categoria Recursos educativos | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , ,

nspcc-i-saw-your-willy

NSPCC (National Society for the Prevention of Cruelty to Children) in the UK is running “Share Aware”, an online safety campaign giving parents a range of practical and engaging information and tools to help their children to enjoy the web safely. The campaign launches with two short animated films, “I Saw Your Willy”, and “Lucy and The Boy”, each dramatising how quickly things can go wrong when you share things you shouldn’t online. “I Saw Your Willy” shows a young boy innocently mucking around with his mate and their smartphones. But a split second decision to share something he shouldn’t creates a snowball effect that follows him wherever he goes. “Lucy and the Boy” demonstrates that online chatting with what one assumes to be peers is not always what it seems.

 

 

 

The NSPCC Share Aware campaign includes ‘Net Aware’, no-nonsense online guide to the social networks, sites and apps that children use, featuring ratings from both children and parents and produced in partnership with Mumsnet. A downloadable guide provides tips for parents on keeping children safe online.

nspcc-share-aware-cover

Saiba mais AQUI.

Cyber Security – Special Eurobarometer – fevereiro de 2015

Fevereiro 11, 2015 às 12:00 pm | Na categoria Relatório | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

cyber

descarregar o relatório no link:

ver pág. 79-82 dados relacionados com as crianças e jovens

http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_423_en.pdf

Resultados para Portugal

http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_423_fact_pt_pt.pdf

 

 

Internet. Sabe o que enfrentam os seus filhos?

Fevereiro 11, 2015 às 10:37 am | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do site  http://www.dinheirovivo.pt  de 10 de fevereiro de 2015.

DR

O Dia Europeu da Internet Mais Segura celebra-se esta terça-feira, numa altura em que pais e educadores têm de dobrar atenções para com assuntos como a violação de dados pessoais, roubo de identidade ou ciberbullying. Vânia Neto, diretora para a área de educação, cidadania e responsabilidade social da Microsoft Portugal, explica quais os perigos que as crianças e jovens enfrentam na internet e como podem ser evitados.

Quais os perigos mais comuns que as crianças e jovens enfrentam online?

A cada vez maior exposição das crianças e jovens no mundo online abre espaço para inúmeros riscos e vulnerabilidades, como a violação dos dados pessoais, o roubo de identidade e ligações fraudulentas, que acontecem de forma cada vez mais sofisticada e engenhosa. A isto soma-se a transição dos riscos online na área técnica para a área social, nomeadamente através das redes sociais, onde se regista também uma presença e interação cada vez maiores por parte destas crianças e jovens.

Temas como o ciberbullying ganham também terreno, aproveitando o potencial da internet para disseminar informação facilmente disponível para fins difamatórios, dando lugar a comportamentos de perseguição e humilhação entre os pares. Um estudo recente revela que 45% dos jovens conhecem vítimas de ciberbullying.

Acresce ainda a falta de consciência de que a informação que é publicada pode ser visualizada também por predadores que atuam no mundo online. Por exemplo, as estatísticas revelam que em 82% dos crimes sexuais online contra menores, o infrator utiliza as redes sociais para obter informações sobre os gostos da vítima.

A isto soma-se também o elevado tempo despendido atualmente por jovens entre os 15 e os 19 anos nas redes sociais, cerca de 3 horas por dia. Porém, esta presença online nem sempre é consciente das consequências de uma exposição pública online e, por este motivo, já cerca de 10% dos jovens adultos foram rejeitados em contextos de recrutamento, devido ao seu perfil online.

Outro risco, quando não devidamente acompanhado, são os jogos online, que podem tornar-se um “vício”. A maioria dos utilizadores são jovens e o que poderá começar como uma brincadeira pode terminar em jogos reais que envolvem dinheiro, e que podem traduzir-se em situações bastante problemáticas para si e para as respetivas famílias.

Que medidas é que os pais e educadores podem tomar para controlar as atividades online dos filhos?

Muitos dos pais não têm consciência ou não têm ainda conhecimentos dos riscos a que os seus filhos estão sujeitos quando navegam na internet, nem dos mecanismos que têm atualmente ao seu dispor para melhor controlarem e acompanharem esta presença. Através da configuração da Segurança Familiar em dispositivos Microsoft – portáteis, tablets, smartphones com Windows e consola de jogos Xbox – é possível controlar as atividades online dos filhos. Tomando como exemplo o Windows Phone, é possível ativar e gerir as transferências de aplicações e jogos no smartphone, podendo escolher-se os tipos de transparências (aplicações gratuitas, pagas, nível de classificação dos jogos, etc.).

Ao nível das consolas de jogos é igualmente possível configurar o tipo de conteúdos a que cada membro da família pode aceder, controlando o acesso a jogos, filmes, programas de TV. É inclusive possível desligar o acesso a conteúdos a menores de 8 anos, por exemplo, nas definições base da consola. A isto soma-se a possibilidade de definir limites de tempo de utilização (identificando horários restritos de utilização), limitar websites a que o menor acede, definir restrições nos jogos e aplicações, e fazer a gestão dos pedidos dos menores. Como forma de monitorizar a utilização do dispositivo perante as definições estabelecidas pelos pais e educadores, é possível inclusive gerar relatórios de atividades.

Naturalmente que determinante será também um acompanhamento da utilização destes equipamentos e uma sensibilização constante para as situações de risco.

A que é os pais e educadores devem estar atentos? O que é que deve ser considerado “suspeito” na internet?

Devem estar atentos, sobretudo, aos comportamentos dos filhos, acompanhar as suas atividades online e evitar deixá-los sem monitorização. Acima de tudo, educar para a segurança e estar atentos aos sinais. Ao nível das redes sociais, é importante relembrar-lhes que não devem adicionar amigos que não conhecem, nem fornecer demasiados dados pessoais ou partilhar fotografias que identifiquem onde estudam e o que costumam fazer.

O isolamento, por várias horas, das crianças e jovens com os equipamentos deverá ser sempre um sinal de alerta para que os pais fiquem atentos. Em situações de bullying ou cyberbullying, os pais poderão também notar um isolamento dos restantes colegas, nervosismo, insegurança, baixa autoestima, e a não vontade de ir à escola.

Resumindo, estar atentos aos sinais, conversar e lembrar-lhes que não devem fazer no mundo virtual aquilo que não fazem no mundo “real”.

Qual a legislação existente que protege os utilizadores destes perigos?

Existe uma preocupação da União Europeia sobre estas temáticas, daí também a criação do INSAFE e do Dia da Internet Mais Segura. É da UE que emanam algumas das regras que têm sido transpostas para a legislação portuguesa. São disso exemplo a Lei do Cibercrime, a Lei de Proteção de Dados Pessoais ou a recente criação do Centro Nacional de Cibersegurança. São ainda relevantes o combate à pirataria informática e a Lei de Proteção da Propriedade Intelectual e dos Direitos de Autor.

 

 

 

App Internet Segura – Fundação para a Ciência e Tecnologia

Fevereiro 10, 2015 às 7:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do site  http://bloomidea.com

bloomidea-fct-mockup-01_0

O dia escolhido para desvendar a app Internet Segura não poderia ter sido mais adequado: 10 de Fevereiro de 2015 – Dia da Internet mais Segura. A segurança online nunca foi tão importante e a app Internet Segura que a BloomIdea desenvolveu para a Fundação para a Ciência e Tecnologia, vem dar resposta a todas as dúvidas e incertezas que navegar online pode trazer.

Através do seu a Centro Internet Segura, a Fundação para a Ciência e Tecnologia pretende contribuir proativamente para o combate às condutas e aos conteúdos online maliciosos ou ilegais, minimizando os potenciais riscos que podem advir do uso das tecnologias da informação e da comunicação. A BloomIdea deu corpo à sua principal missão – promover uma utilização segura da Internet, juntamente com a consciencialização da sociedade para os riscos associados ao uso da mesma – com a criação da app Internet Segura, disponível para download grátis em iOS e Android.

bloomidea-fct-mockup-04

Esta aplicação reúne e alerta para uma lista extensa de riscos inerentes às tecnologias da informação e da comunicação, sem esquecer a prevenção. Para além de apresentar em que consiste cada risco e o que pode correr mal, inclui ainda dicas sobre como tornar a utilização da Internet mais segura:

  • Vírus
  • Malware e spyware
  • Roubo de identidade
  • Phishing
  • Cyberbullying
  • Sexting
  • Smartphones e tablets
  • Apps
  • Wifi, NFCs e Bluetooth
  • SMS, MMS e IM
  • GPS
  • Blogues
  • Correio eletrónico
  • Jogos de vídeo
  • Jogos de apostas online
  • Fóruns e redes sociais
  • Peer to peer
  • Salas de chat

Juntamente com a sua vertente altamente informacional e utilidade contínua, a app tem ainda uma vertente lúdica com um jogo interativo para maiores e menores de 12 anos, assim como para professores, educadores e animadores – porque não há idade para estar e sentir-se seguro online.

Pronto para testar o seu conhecimento sobre a Internet e elevar o seu nível de segurança online?

bloomidea-fct-mockup-05

 

 

 

Indicações para a utilização segura dos dispositivos móveis

Fevereiro 10, 2015 às 2:31 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , ,

Imagem retirada do site http://www.seguranet.pt/  10 de fevereiro de 2015.

tablet1

 

Juntos vamos criar uma internet segura : ação de formação acerca de comportamentos seguros na internet – Torres Novas

Fevereiro 10, 2015 às 2:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

novas

No próximo dia 12, pelas 21h00, realizar-se-á uma palestra sobre Internet Segura, às 21h00, no auditório desta biblioteca.
Esta palestra, a propósito do Dia da Internet Segura, celebrado a 10 de Fevereiro, é uma iniciativa do Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares de Torres Novas, com o intuito de envolver todos os parceiros, bibliotecas municipais e escolares, e é dirigido a pais, professores, alunos e ao público em geral.
A entrada é gratuita.

Página seguinte »

Blog em WordPress.com. | The Pool Theme.
Entries e comentários feeds.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 824 outros seguidores