Sabe porque chora o seu bebé? Arranjámos-lhe uma tradutora

Fevereiro 21, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Entrevista do http://observador.pt/ de 4 de fevereiro de 2017 a Joana Rombert.

joana-rombert01_1280x640_acf_cropped

Ana Cristina Marques

Fome, cólicas ou sono. Interpretar o choro de um bebé consegue ser um quebra-cabeças, mas é também um desafio à altura de Joana Rombert, terapeuta da fala e autora de “A Linguagem Mágica dos Bebés”.

Talvez seja fome. Talvez a fralda esteja suja ou, então, o sono atacou de vez. Às vezes parece impossível adivinhar o que causa aquele choro desenfreado, aflitivo, que deixa um pai e uma mãe de cabelos em pé e com os nervos em franja. Saber interpretar um bebé não é tarefa fácil, mas é precisamente o trabalho de Joana Rombert, terapeuta da fala e autora do livro “A Linguagem Mágica dos Bebés” (Esfera dos Livros) que chegou às livrarias nacionais no final de janeiro.

No livro, a especialista que também já foi apelidada de tradutora dos bebés descreve as várias etapas de comunicação e linguagem de uma criança, desde o primeiro dia de vida até aos três anos. Entre explicações mais e menos técnicas há ilustrações divertidas e ainda muitas estratégias para ajudar a melhorar a comunicação entre pais e filhos — porque esta relação, que inclui diversos sons, gestos, expressões corporais e faciais, faz-se sempre entre mãe/pai e filho.

No livro descreve várias etapas comunicativas e linguísticas da criança, desde os zero meses até aos três anos. Há algum período fundamental para este desenvolvimento?

No livro tenho em conta o modelo Touchpoints, que diz que o desenvolvimento das crianças não é uma linha diagonal mas sim feito por etapas, por pontos de viragem em que acontecem regressões no desenvolvimento para haver evoluções. Por exemplo, os quatro meses são um touchpoint em que o bebé está mais virado para fora, olha mais para o mundo exterior, em que só quer comunicar e interagir com os outros. Então o que é que acontece à sua alimentação e ao sono? O bebé dorme menos porque mal acorda quer ir brincar. E quando está a mamar pára muitas vezes e olha para a mãe, como que a dizer: “Eu sei que estás aí, quero é brincar contigo”. Portanto, nos três primeiros meses ele está mais virado para dentro e aos quatro meses vira-se para fora — nessa altura há uma disrupção ou uma desorganização familiar, em que os pais começam a dizer: “Então, o meu bebé sempre comeu e dormiu tão bem e agora não… O que é que eu fiz?”. Isto faz parte do desenvolvimento normal. A regressão no sono e na alimentação dura semanas. Naturalmente isto vai acontecer porque o bebé está a aprender coisas novas, pelo que há outras áreas que ficam para trás, nomeadamente a do sono e da alimentação. Estes momentos são ponto-chave, são janelas de oportunidade durante o desenvolvimento, às quais nós, pais e profissionais, nos podemos aliar — é uma altura em que podemos promover ainda mais o desenvolvimento da criança.

Nesses momentos-chave, como nos quatro meses, o que é que os pais devem fazer? Como é que se devem comportar?

Primeiro, os pais não estimulam a comunicação nem a linguagem, porque a linguagem não se estimula. É antes promovida, facilitada, uma vez que todos nós nascemos com esta capacidade inata para desenvolver a linguagem e a comunicação de maneira a relacionarmos-nos com o mundo. O que acontece é que durante este tempo há vários ingredientes para os pais darem mais espaço à criança para comunicar. Um aspeto que acho muito importante é em relação ao tempo de espera e ao tempo de escuta — os pais devem observar e estar atentos às várias etapas da criança, estar atentos à sua comunicação e responder àquilo que ela manifesta, mesmo que às vezes não entendam o que ela quer. O mais importante são todas estas tentativas que eles, pais, fazem para comunicar com o seu bebé.

Diz que todo o comportamento é uma forma de comunicação. Como por exemplo?

Os pais devem estar atentos a todo o comportamento do bebé. Se o bebé se aperta muito e dá um grito é porque há uma dor. Ou se, por exemplo, estamos a falar com o bebé e ele está com vontade de dormir, então a indicação que ele está a dar é que agora não está disponível para brincar assim. Ou quando o bebé leva as mãos à boca e começa a chupar os dedos, dando o sinal que está com fome. Há vários sinais que ele nos pode dar e, de facto, ele manifesta muito através do sono e da alimentação que são, no início, as necessidades básicas dele.

A ideia passa pelos pais estarem simplesmente atentos às mensagens do bebé?

Exatamente, para perceber o seu significado, para saber porque é que ele está a manifestar aquilo e qual é a sua necessidade. O mais importante são estas tais tentativas de comunicação [entre pais e filho]. Há muitos pais que não sabem interpretar os choros do bebé — e não têm de o saber, isso não é obrigatório, não há regras nem padrões em termos de desenvolvimento. Há padrões normativos mas estes têm espaços de abertura muito grandes, nem tudo é sinal de alarme e nada é estanque. Tudo é flexível e tudo é evolutivo. Todas as dúvidas, inquietações e inseguranças fazem parte da maternidade e da paternidade e é um processo de tentativa-erro. O melhor que eles [pais] podem fazer é ir ter com o bebé e tentar tudo aquilo que conseguirem. É isso que faz com que o bebé sinta “olha, este é o meu pai, ele está aqui para mim”. Ao fazer isto está-se a dar significado ao que o bebé quer transmitir, mesmo que não haja sintonia entre pai e filho. Isso faz parte do desenvolvimento e ajuda os pais a tornarem-se mais confiantes.

Nesse sentido, o livro funciona apenas como uma orientação?

O livro dá-nos algumas pistas de sinais fisiológicos e naturais, como as expressões faciais e a história do “neh”. Porque é que um bebé diz “neh”? No choro da fome, o bebé faz o que parece ser um “neh” porque ele tem a língua lá em cima, que é quando faz sucção — no movimento da sucção, a língua está lá em cima e bate no céu da boca. Mas há bebés que fazem isto de forma muito competente e outros nem por isso. Há bebés em que é mais difícil diferenciar o tipo de choro e é preciso ter um ouvido bastante treinado — também não é obrigatório tê-lo. A mesma coisa acontece do bebé para os pais, porque a comunicação não é só dos pais para o bebé. Achamos que o bebé é mais passivo, mas o bebé comunica de uma forma muito forte. Ele chora e isso é o máximo da comunicação, de tal maneira que as pessoas até ficam com desconforto. O choro é, nesta fase, a única forma de linguagem do bebé, ele não conhece outra.

No livro escreve que eles, os bebés, conseguem perceber o que nós dizemos e que quando ainda estão na barriga da mãe conseguem memorizar a voz desta. Será que subestimamos os bebés?

Acho que sim, claro. Acho que subestimamos completamente, porque mal o bebé nasce é altamente competente. Não é que ele perceba as palavras, até porque ainda não tem esse entendimento, mas ele consegue discriminar diferenças de línguas. É uma coisa de facto altamente competente, em termos de discriminação auditiva: um bebé com muito poucos dias consegue diferenciar. Sabemos que quando o bebé está dentro da barriga, na vida intrauterina, ele vai ouvindo os sons de quando o pai ou a mãe falam com ele, os sons que ouviu durante nove meses. Quando nasce, se o pai ou a mãe falarem, ele vai imediatamente virar a cara para eles. Se eu falar, ele não vai virar a cara para mim. Ele sabe que aqueles são os seus pais, que estiveram sempre com ele.

O bebé também responde de forma diferente a sons mais agudos ou mais graves. Uma vez que o bebé esteve dentro da barriga e ouviu durante mais tempo a mãe, ele prefere as vozes semelhantes à dela. Portanto, ele está mais habituado a discriminar esses sons. O mesmo acontece com a entoação. Imaginemos uma mãe que durante toda a gravidez fala baixinho: se quando o bebé nasce falamos com muita entoação, ele vai responder menos. Ele também é capaz de discriminar diferentes línguas porque discrimina as partes da prosódia, da entoação, da melodia… Hoje em dia sabe-se isto através dos movimentos da chucha — quando o som é diferente eles alteram o movimento da chucha e vice-versa. Há muitos estudos neste sentido. Uma coisa engraçada é que os pais, homens, quando falam com os bebés falam em falsete — é este a tipo de fala que o bebé está mais atento.

Se a fase dentro da barriga é tão importante para a comunicação posterior, o que é que as mães não devem ou não podem fazer durante a gestação?

Não sei o que é se deve ou não fazer. Agora, de facto, isso vai ter impacto na vida do bebé. Se for uma mãe com vários tipos de emoções, o bebé também vai estar preparado para diferentes tipos de emoções. Acho que não há um padrão para isso. O importante é a mãe comunicar de volta quando o bebé dá um pontapé — de certa forma o bebé está a dizer alguma coisa à mãe. É tudo um processo muito natural. Quando um bebé nasce os pais passaram horas a admirá-lo. Os pais estabelecem uma relação com o bebé através do seu comportamento e comunicação (a forma como tocam no bebé, como olham para ele…). O nosso comportamento também é comunicação. Este livro não é para ensinar pais e mães, é para nos ajudar a descobrir melhor quem é o nosso bebé e como é que podemos interagir com ele.

Também é necessário que o bebé esteja inserido num ambiente comunicativo. O que se entende por isso?

Um ambiente comunicativo é um ambiente em que há linguagem, em que o bebé desenvolve a comunicação e a linguagem de duas formas diferentes. Primeiro, todos nós temos um dispositivo que é inato, temos alguma coisa cá dentro que nos permite desenvolver. É como aprender a andar: o bebé quando começa a andar precisa de um espaço para o fazer, ele pratica, cai e levanta-se, e há uma altura em que começa a andar. Ninguém ensina o bebé a andar, porque isso vem de dentro de nós. A mesma coisa acontece com a comunicação e a linguagem: assim que eles nascem a primeira coisa que precisam é de ter um interlocutor, alguém que comunique com eles e que dê significado àquilo que eles estão a transmitir (quando o bebé chora e o pai responde, começa a comunicação). Esse dispositivo está lá. Mais à frente, quando pensamos em linguagem, o que a criança tem de ter é alguém que fale com ela, que a oiça falar de uma forma ativa e passiva. Ou seja, que converse com o bebé, comunique, interaja, faça frases, mas também que o oiça falar. Um ambiente comunicativo é isto, não é estar sempre a dizer “diz lá o que é isto!”. As coisas acontecem de forma natural e não é obrigatório estar numa creche. Numa avó também se desenvolve a linguagem. Mas há muitas vezes a ideia de que o bebé vai começar a falar assim que entra na creche — isto é um mito que eu gosto de esclarecer porque a linguagem é inata e, se alguma coisa não acontece, é porque há qualquer coisa ali que não está a correr bem e precisa de ser avaliada.

Ainda na lógica do ambiente comunicativo, qual é o risco da televisão nesta fase? E quais as suas vantagens?

Há o perigo de o bebé ficar entregue à televisão, aos iPads ou aos iPhones — este é o único perigo. Entregue é estar lá o dia inteiro. Isto é um risco, de facto, porque aí apenas temos uma aprendizagem passiva. O ser humano desenvolve-se muito mais através de uma aprendizagem ativa. Atualmente é só carregar num botão, é muito fácil: desde muito pequenos que os bebés são competentes e, com o dedo, viram páginas. Estes aparelhos têm muitas coisas atrativas para eles, inclusive a luz. Acho que não podemos eliminar estas coisas porque fazem parte da nossa vida, podemos é arranjar alternativas: o pai, por exemplo, pode ver televisão com o filho e ir falando com ele sobre isso. Há aliás alguns programas muito interessantes e muito interativos, mas se não houver alguém para os traduzir… muitas vezes podem haver programas que são desadequados ou que não são para a idade do bebé. Temos de aproveitar o que de bom temos.

Ao ler o livro fica-se com a ideia de que há diferenças de género no desenvolvimento da linguagem. É verdade?

Não digo que há diferenças, digo que é diferente a forma como os pais — mãe e pai — falam com as raparigas ou com os rapazes. Nós não falamos da mesma forma com os rapazes do que com as raparigas. Costumo dar este exemplo: quando um filho rapaz cai, ele começa a chorar e muitas vezes oiço os pais dizer: “Vá, está bem, já passou”. Quando é a menina e ela chora, perguntam: “Estás bem? Dói muito? Queres mimos?”. Claro que não há padrões, há pais que fazem isto e outros que não fazem, mas naturalmente quando conversamos com um homem ou quando conversamos com uma mulher, o nosso discurso modifica-se. Por esse motivo, também vai ser diferente a forma como eles [rapazes e raparigas] falam e comunicam. O que acontece é que ambos passam pelas mesmas etapas, só que fazem-no de forma diferente. Muitas vezes ouvimos dizer — e isso agora já está um pouco de parte — que as raparigas falam mais cedo do que os rapazes. Durante muito tempo se disse isso e agora já se sabe que não é bem assim. Ambos passam pelas mesmas etapas e alguns permanecem mais tempo numas do que noutras, não é propriamente um atraso. Nós naturalmente explicamos mais as coisas às raparigas e desenvolvemos mais a nossa conversação, pelo que elas são capazes de fazer frases mais cedo, enquanto os rapazes podem demorar mais tempo a dizer, por exemplo, palavras soltas.

Então, um conselho passaria por falar da mesma forma com ambos os sexos?

Acho que o importante é respeitar as diferenças: nós somos diferentes e temos uma forma diferente de dialogar. Se pensarmos em termos de atividade, os rapazes são mais motores, gostam mais de jogar à bola e com carrinhos, enquanto as raparigas brincam com as bonecas a dar a papa — aí têm mais linguagem. Isto tem que ver com as nossas diferenças de género.

Diz que existe uma relação entre a alimentação e fala. Como assim?

Os momentos em que são introduzidos alimentos diferentes, são momentos em termos de salto na linguagem. Vou dar um exemplo: até aos três meses o choro é essencialmente a forma de o bebé comunicar, o que vai diminuindo ao longo do tempo. Entre os quatro e os seis meses, o bebé começa a comer as papas porque já tem mais espaço dentro da boca e, se tem mais espaço, já pode fazer mais sons. Isso é a fase do balbuciar. Entre os seis e os nove meses deve ser introduzido um sólido na boca da criança — isto é que é muito importante. Se entre os seis e os nove meses não introduzirmos qualquer tipo de sólido, por exemplo pão ou bolacha, mais tarde pode ser mais difícil o bebé aceitar os sólidos. Esta é precisamente a altura em que o bebé faz um balbucio não repetitivo ou este jargon [de jargão], em que parece que está a conversar. Com um ano de idade, na primeira palavra, a criança já mastiga. Ou seja, estas etapas de desenvolvimento e de viragem na linguagem e na comunicação têm que ver também com estas etapas na alimentação. Porque a nossa boca tem várias funções e isto é tudo muscular. Os pontos de desenvolvimento da linguagem têm que ver com isso. Se uma criança, por exemplo, fala à sopinha de massa é porque pode engolir com a língua para a frente. São dois subsistemas que se interligam mas que não dependem um do outro.

Muito resumidamente, qual é a evolução da comunicação da criança entre os zero e os três anos?

Há duas grandes etapas, que é a etapa pré-linguística e a etapa linguística. Até ao primeiro ano, até à primeira palavra, é a etapa pré-linguística. A partir do momento em que diz uma palavra, a criança entra na fase da linguística ou da linguagem e isso já é considerado comunicação, apesar de já existir alguma compreensão da linguagem. Todas as etapas são universais, todos passamos por etapas comuns ao longo do desenvolvimento. Começamos por comunicar através do choro para depois, mais à frente, irmos para esta linguagem mais concreta. Primeiro é choro, depois a expressão facial, a mímica, o gesto, o sorriso, o tomar a vez, o palrar, em que a criança diz vogais, o balbucio (sílabas repetidas e não repetidas) e o tal jargon, que parece uma conversa de verdade, na qual não se percebe nada. A partir daí, entre os nove meses e os 18 meses, pode surgir a primeira palavra, sendo que a média é aos 12 meses. Mas há crianças que dizem aos nove meses, outras que dizem aos 15. Mas a partir dos 18 meses já é considerado um sinal de alarme.

No meio disto tudo, quais são os principais sinais de alarme?

Há sinais de alarme em todas as etapas do desenvolvimento. O que é importante é pensar em sinal de alarme em termos de intensidade — ou seja, se a criança faz alguma coisa que é muito exuberante; se com 18 meses não emite uma palavra, se não balbucia, isso é uma coisa muito exuberante — e caso a situação perdure no tempo. Nessas circunstâncias o ideal será falar com o pediatra da criança.

Já foi apelidada de tradutora de bebés. Pode também ser uma encantadora de bebés?

Eu é que fico encantada com os bebés, eles é que me encantam. Apesar de ser terapeuta da fala trabalho com recém-nascidos. É uma coisa que ninguém imagina, mas nós, seres humanos, começamos a falar e a comunicar desde pequeninos. É apaixonante trabalhar com bebés.

visualizar o vídeo no link:

http://observador.pt/especiais/sabe-porque-chora-o-seu-bebe-arranjamos-lhe-uma-tradutora/

 

 

Calmas a los niños con un celular o Tablet? Entérate del daño que les estás haciendo

Fevereiro 11, 2017 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Texto do site http://centralinformativa.tv/

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Use of Mobile Technology to Calm Upset ChildrenAssociations With Social-Emotional Development

Por Antonio Sánchez Melo

Quienes tienen la fortuna de ser padres, seguramente saben lo complicado y también desesperante que puede llegar a ser el tener que calmar a un niño cuando éste se encuentra enojado, llorando o haciendo berrinche. La mayoría no está seguro de lo que en realidad desean o simplemente no se toman el tiempo de averiguarlo y lo que más fácil se les hace es darles algo para que se entretengan y dejen ese comportamiento desquiciante.

Una golosina e incluso un juguete parecen ser buenas opciones, sin embargo, ¿qué pasa con aquellos padres que optan por prestarles el celular o la Tablet? Para aquellos padres que piensan que el darles un aparato electrónico es la solución, les tengo una simple sugerencia: ¡dejen de hacerlo inmediatamente!

Un grupo de investigadores han hecho un estudio sobre esta acción y han determinado que sin darse cuenta los padres están afectando gravemente el desarrollo de personalidad de sus hijos.

Ser padres nunca será fácil pero sería bueno practicar más la paternidad y estrechar lazos con ellos, no alejarlos con esas acciones que a la larga con su práctica podría causar un daño irreversible en ellos.

Desafortunadamente, cada vez son más los padres que recurren a esta ¨solución¨ cuando ya no saben qué hacer con la actitud de sus hijos. Fácilmente se rinden y no optan por la opción de tratar de tranquilizarlos, hablar con ellos o consolarlos, simplemente se inclinan por la ¨salida fácil¨. Sin embargo ignoran que este acto de rendición sólo traerá consecuencias que no están visualizando hoy.

JAMA Pediatrics reveló un estudio en donde se centraban en este tema, relata que lo más habitual para los papás es relajar/calmar a los pequeños usando el televisor, un celular, computadoras o tablets y todo se deduce a que en realidad tienen muy poco control sobre ellos y no saben de qué manera lidiar con el temperamento energético de éstos.

La doctora de la Universidad de Boston y autora de dicho estudio Jenny Radesky, reveló haber advertido muchas veces a los padres que esta acción está mal, porque además de truncar el desarrollo de la personalidad, también están afectando el desarrollo del lenguaje, ya que el niño pasa más tiempo jugando con aparatos que interactuando con personas.

Hay personas que contrastan esta versión diciendo que el uso de smartphones y tablets ayuda a los niños a hablar y mejorar su vocabulario, sin embargo, Radesky contratacó argumentando lo siguiente: ¨si estos dispositivos se convierten en un método habitual para calmar y distraer a los niños, ¿ellos serán capaces de desarrollar sus propios mecanismos de autorregulación?¨ definitivamente el querer ¨distraer¨ a los niños que se aburren o lloran con un aparato, les impide poder generar su propia forma personal de entretenimiento.

No obstante y pese a contradicciones, la doctora Radesky señaló que el abuso de estos dispositivos durante la infancia, podrían interferir con su desarrollo de la empatía, sus habilidades sociales y de resolver los problemas, que generalmente se obtienen de la exploración, los juegos no estructurados y la interacción con amigos.

Así podemos determinar que el dar un aparato electrónico a nuestros hijos para tranquilizarlos, definitivamente no es la mejor opción, el que se tranquilicen depende de ti y de sus capacidades. La mejor opción es tratar de calmarlos a través de las palabras, escucharlos y atenderlos, ya que estos a su vez mejorarán sus ansiedades y aprenderán a controlarse poco a poco. Tal vez tomará tiempo, pero ningún camino es fácil cuando realmente vale la pena.

Y tú, cómo calmas a tus hijos?

 

As Vacinas funcionam : aqui estão os factos

Janeiro 30, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação, Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Papas e sopas? Há bebés que só comem sólidos e com a mão

Janeiro 16, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do http://www.dn.pt/ de 6 de janeiro de 2017.

Joana Capucho

Chama-se autoalimentação. É uma nova prática que está a ser adotada por muitos pais. Deixar bebés de 6 meses comerem sozinhos

Em vez de papas e sopas, aos 6 meses, Tomás já comia alimentos sólidos com a mão. A mãe, Mafalda Fernandes, de 29 anos, adotou o baby led weaning (BLW), uma prática de autoalimentação que, segundo os pediatras, tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos em Portugal. À frente de Tomás, agora com 13 meses, a mãe põe os mesmo alimentos que os pais comem – embora sem sal – e o bebé come os que quer, na quantidade que quer. “Só lhe dou o iogurte, porque suja-se mesmo muito.” Como está sempre com a mãe, tem a vantagem de mamar quando quer. “Sempre teve percentil 50. Nunca baixou”, assegura Mafalda.

O método BLW consiste em dar ao bebé os alimentos sólidos a partir dos 6 meses, deixando que ele explore os sabores e as texturas. Começa com frutas e legumes cozidos e depois é alargado a outros alimentos, como carne e peixe. Tem vantagens, dizem os pediatras, mas também pode ter riscos. Por isso, é importante que os pais estejam informados e conheçam as regras.

“É algo relativamente novo em Portugal e que vai conquistando adeptos aos poucos”, diz ao DN o pediatra Hugo Rodrigues. Entre os principais benefícios, o médico destaca o desenvolvimento da motricidade fina e da mastigação em fases mais precoces. Já no que diz respeito aos problemas que podem surgir, o pediatra fala no perigo de engasgamento e de as crianças não comerem a quantidade necessária de alimentos. “Deve ser uma escolha dos pais e nós, enquanto pediatras, devemos orientar. Mas uma opção mista, que envolva também sopas, parece-me mais sensata.” E claro, sempre com a amamentação como base. Esse é, aliás, um dos princípios do BLW.

Filipa dos Santos, conselheira de aleitamento materno, optou pelo método misto com os dois filhos – Leonor, de 5 anos, e Miguel, de 2 anos e meio – a partir dos 6 meses. Dava-lhes os alimentos inteiros, mas, sempre que comia sopa, os bebés também comiam. “Acho que a alimentação não tem de ser rígida: tudo sólido ou tudo passado. Tem de ser adaptada a cada família”, explica ao DN a também criadora da Rede Amamenta.

Há sinais de que a criança quer começar a comer. “Notei que a Leonor estava preparada, porque já se sentava sozinha, esticava a mão para tentar pegar na nossa comida e imitava a mastigação.” Para quem quer uma refeição rápida e sem comida pelo chão, pode não ser a melhor escolha. “Não somos nós que controlamos, pelo que os bebés sujam-se mais”, recorda Filipa. Como continuam a mamar, “comem mais ou menos consoante aquilo que precisam”.

Ao DN, a pediatra Graça Gonçalves diz que “muitos pais encaram este método como uma forma de eles próprios fazerem uma alimentação mais saudável, porque dão aos filhos o que vão comer”. Além das vantagens na motricidade e mastigação, a consultora internacional de lactação destaca que estes bebés desenvolvem “a destreza mais cedo” e conhecem “os sabores e os cheiros de todos os alimentos de forma individual”.

Quantos aos argumentos contra, a pediatra diz que “os bebés engasgam-se principalmente com os líquidos. “Mas é importante conhecer as regras”, ressalva. Uma delas é não dar pedaços muitos pequenos, redondos e duros. Já no que diz respeito à quantidade de comida que ingerem, “as crianças crescem a um ritmo adequado, desde que tenham à frente todos os alimentos e em quantidades adequadas”. No início “o bebé vai fazendo experiências com a comida e aprendendo a comer, e só aos 8 ou 9 meses fará uma refeição de substituição”. Daí a importância da amamentação.

 

 

Nascidos para ler

Janeiro 10, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Texto da http://www.paisefilhos.pt/ de 2 de janeiro de 2017.

pais-filhos

Escrito por Ana Sofia Rodrigues

Quando, em junho de 2014, a Academia Americana de Pediatria recomendou a leitura para bebés desde o nascimento, não foram poucos os que ficaram surpreendidos. A pediatra Pamela C. High, autora da nova conduta, revelava que “fortes evidências mostram que o facto de o pediatra, durante a consulta, recomendar a leitura em casa, pode fazer a diferença na vida das crianças e das suas famílias”. Uma confirmação científica que se baseou em inúmeros estudos que comprovam que ler para um bebé, desde o nascimento, estimula o cérebro de uma forma única e reforça o vínculo entre pais e filhos. Os efeitos desta “terapêutica” são unânimes: desenvolve a atenção, a concentração, o vocabulário, a memória e o raciocínio; estimula a curiosidade, a imaginação e a criatividade; ajuda a criança a perceber e a lidar com os sentimentos e as emoções; possibilita conhecer mais sobre o mundo e as pessoas; auxilia no desenvolvimento da capacidade de empatia; estimula o desenvolvimento da linguagem oral… além de criarem-se as fundações de um prazer incomparável para a vida.

Leituras intrauterinas
Antes desta recomendação, as práticas de promoção da leitura junto de pré-leitores (crianças entre os zero e os seis anos) eram já uma realidade consolidada em diversos países, integrando mesmo políticas oficiais. Desde os anos 90 do século passado, a escritora brasileira Alessanda Roscoe desenvolve inclusivamente programas de leitura ainda em útero, com grupos de grávidas que convocam a sua família para ler para o bebé, ainda na barriga da mãe. “Aletramento Fraterno” é a sua proposta mais recente, defendendo que os livros são o leite da alma e que estimular o hábito da leitura numa criança é uma tarefa que pode envolver toda a família. De facto, estudos mostram que o bebé, ainda em útero, já é capaz de captar as vibrações emitidas pela voz da mãe e consegue identificar a emoção das suas palavras. Após o nascimento, a missão é continuar. E apesar de a criança ainda não compreender o significado das palavras, elas servem como estímulo para o seu desenvolvimento.

Rimas de encantar
Infelizmente, ainda é comum a ideia de que se o bebé não percebe o que lhe estamos a ler, então não vale a pena fazê-lo. Muitos pais não compreendem a utilidade de um hábito tão precoce e também não sabem como pô-lo em prática. Dora Batalim, doutoranda de Literatura Infantil na Universidade Autónoma de Barcelona e coordenadora da Pós-Graduação em Livro Infantil da Universidade Católica, surpreende ao defender que “a primeira grande literatura, importantíssima para os bebés, são as lengalengas, as canções de embalar, as rimas infantis, os jogos de mãos e de corpo. É um mundo genial. Se não tivéssemos livros para bebés, este universo chegaria”. Tão balalão, cabeça de cão, orelhas de gato, não tem coração… Janela, janelinha, porta, campainha. Trrrimmm… Mão morta, mão morta, vai bater àquela porta… “Antigamente, as avós não tinham cursos de contadores de histórias, nem de mediação de leitura, nem liam blogues a explicar como se deve fazer… e faziam tudo”, reforça com graça. Estes textos que se repetem ao longo do dia, ditos por caras conhecidas, dão uma segurança e um vínculo ao bebé que ele adora. “Eles gostam e acalmam-se porque a maioria destas toadas está relacionada com os ritmos do bater do coração e da circulação sanguínea, que eles escutavam na barriga da mãe”, explica Dora Batalim. No entanto, muitos pais atuais já não as ouviram e não dominam esse reportório. Para eles, pedimos a esta especialista que indicasse algumas obras a que pudessem recorrer. “Já há bons livros que reúnem canções e rimas tradicionais, inclusivamente musicadas com CD a acompanhar. Por exemplo: ‘Rimas e Jogos Infantis’ (Raiz Editora/Lisboa Editora), ‘Cantar Juntos 1’ (Estúdio Didático/A PAR) e ‘Sementes de Música’ (Caminho)”. Ficam as sugestões.

Dieta variada
Depois deste “banho” de tradição oral, por que livros se pode então começar? Lamentavelmente, a publicação de autoria portuguesa dirigida a bebés é praticamente inexistente, mas algumas editoras já incluem nos seus catálogos várias traduções muito interessantes. Dora Batalim fica encantada com as potencialidades dos livros para a faixa etária dos zero aos dois anos. “A literatura para bebés é como se fosse um microcosmo: o que funciona ali é verdade para o resto”. Ao contrário do que se poderia pensar, a escolha do que comprar para os mais novos deveria ser muito exigente. “Normalmente, as pessoas reduzem a equação livros para bebés a livros muitíssimo básicos, mais ligados a jogo do que a fruição estética. E os pais esperam que sejam livros que ensinem coisas. Precocemente, há uma grande necessidade de injetar logo conhecimento científico! São as cores, as formas, os opostos…”, descreve Dora Batalim. Além disso, “há uma perseguição muito grande do texto verbal, pois o adulto não tem uma relação muito clara com a imagem. Não sabe lê-la, não está habituado e acha que as imagens estão ali ou para enfeitar ou para explicar melhor as palavras”. Pelo contrário, nos livros infantis mais atuais, as imagens formam textos autónomos, complementares, até divergentes do texto verbal e isso é uma riqueza a explorar.

A escolha dos livros para bebés deveria ser “uma dieta muito variada, ao nível das tipologias e das funções que desempenham, mas também ao nível das representações”. No início, Dora sugere começar com ofertas muito tranquilas, com uma progressão na intensidade das emoções. Com representações gráficas “muito limpas”, mas não necessariamente “abebezadas”. Com funções diversas: uns que ajudem o bebé a entender o mundo e a si próprio, outros puramente estéticos, uns com narrativas para cultivar as emoções, outros ainda para explorarem sozinhos com todos os sentidos. “Para que os livros sirvam de mapa seguro de começo no mundo”.
Não é difícil identificá-los. São livros com poucas páginas, pois o tempo de concentração dos bebés é muito curto, muitos são cartonados com pontas arredondadas, as imagens apresentam-se em grandes dimensões, as temáticas são familiares ao universo do bebé (alimentação, meios de transporte, animais, vestuário…), apelam ao contacto físico, o discurso verbal é simples, muitas vezes rimado e interpelativo e os textos recorrem a repetições, refrões, onomatopeias, jogos de sons e palavras.

Pontes literárias
Não há dúvida que os pais devem funcionar como exemplos e modelos de leitores e a leitura deve surgir habitualmente em casa, associada a momentos de prazer, encontro e afetividade. E quando os pais não são leitores? “Um filho é uma desculpa para fazermos o que nunca fizemos. Em nome dele, transformamo-nos”, defende Dora Batalim. Mas, sem prática, essa iniciação pode ser difícil. É precisamente na criação de pontes entre as famílias e os livros, que as bibliotecas representam um papel muito importante. Como? Criando programas, espaços e contextos específicos para a promoção precoce da leitura. Joaquim Mestre foi um dos impulsionadores do novo conceito de biblioteca, no início dos anos 90, em Beja. Referindo-se às “bebetecas”, costumava defini-las de uma forma inspiradora: “A bebeteca funciona como um imenso útero materno, com vários cordões umbilicais ligados ao bebé, aos pais e aos livros, como se fossem um complexo sistema de vasos comunicantes”. Susana Silvestre, atual responsável pelas bibliotecas municipais da Câmara de Lisboa, dedica-se à importância de partilhar livros com bebés há cerca de 16 anos. Primeiro, na Biblioteca de Odivelas e, agora, em Lisboa, promove programas continuados de promoção de literacia emergente. Ao longo de seis meses, de 15 em 15 dias, “tentamos fazer pais leitores, que consigam dominar as ferramentas para eles próprios serem mediadores de leitura em casa. E não fazemos em mais locais, pois os promotores de leitura ainda não se sentem à vontade com estas idades”, reconhece. As listas de espera são imensas, mostrando a necessidade de formação que muitos adultos sentem nesta área. “Verificámos, por exemplo, que os pais não se sentem à vontade com os álbuns de imagens ou com livros com poucas palavras”, destaca Susana Silvestre. Com um trabalho personalizado, são dadas ferramentas aos pais, apostando no prazer da leitura partilhada. “Os pais não devem ler para os bebés só porque é bom para eles aprenderem a ler mais depressa. Sou contra aos pais estarem a contar uma história sem prazer. Têm que se criar momentos de alta qualidade, mesmo que sejam menos do que a ‘literatura’ manda…” Para tal, a escolha dos livros pode representar um papel muito importante. “Os livros escolhidos devem ser objetos de prazer para pais e filhos”. Para tal, Susana Silvestre aconselha a que os adultos “não fiquem presos à indicação etária habitualmente presente na contracapa” e experimentem livros inusitados.
Também no caminho da leitura, os pais são chamados a um papel fundamental, transformando-a num hábito relevante. Leva tempo e exige afeto, dedicação, partilha, prazer, encanto e cumplicidade. Mas vale muito a pena.

São poucas, mas as lojas de literatura infantil são pequenos oásis, para pais e filhos.

Essenciais, segundo Dora Batalim

– “Eu Vejo”, “Eu Ouço”, “Já Sei” e “Eu Sinto”, de Helen Oxenbury (Gatafunho)
– “Primeiros Livros”
(Coleção de mini-livros),
de Stella Baggot (Edicare)
– “A Primeira Biblioteca do Bebé”,
de Madeleine Deny e Marianne Dubuc (Edicare)
– “As Roupinhas do Martim”,
de Xavier Deneux (Edicare)
– “Será… Um Caracol?”, “Será… Um Rato?”, “Será… Um Gato?”, “Será… Uma Rã?”, de Guido Van Genechten (Gatafunho)
– “Aí Vou Eu” e “Pequeno
Ou Grande”, de Hervé Tullet (Gatafunho)
– “Miffy” (vários títulos), de Dick Bruna (ASA)
– “As Estações”  e “O Balãozinho Vermelho”, de Iela Mari (Kalandraka)
– “Todos no Sofá”, de Luísa Ducla Soares e Pedro Leitão (Livros Horizonte)
– “Boa viagem bebé!”, de Beatrice Alemagna (Orfeu Mini)
– “A Lagartinha Muito Comilona”,
de Eric Carle (Kalandraka)
– “Tanto, Tanto!”, de Trish Cooke (Gatafunho)

Casas de livros

Aqui há Gato
Rua Dr. Mendes Pedroso, 21 – Santarém

Cabeçudos
Rua António Lopes Ribeiro, 7A – Lisboa

Gigões & Anantes
Rua Dr Nascimento Leitão, 30 – Aveiro
http://www.facebook.com/gigoeseanantes

Hipopótamos na Lua
Rua Gomes de Amorim, 12-14 – Sintra

Livro Voador

Av. Menéres, 536 – Matosinhos

Mercado Azul

Rua Calouste Gulbenkian, 419, R/C – Guimarães

O Bichinho do Conto

Estrada dos Casais Brancos, 60 – Óbidos

Salta Folhinhas

Rua António Patrício, 50 – Porto

 

 

 

Com novo plano de vacinas, aos 12 meses bebés ficam protegidos contra 11 doenças

Janeiro 7, 2017 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Entrevista de Graça Freitas ao https://www.publico.pt/ no dia 26 de dezembro de 2016.

A vacina da meningite B, que fica cara aos pais, vai ser dada apenas aos grupos de risco

A vacina da meningite B, que fica cara aos pais, vai ser dada apenas aos grupos de risco

Já há 300 mil adolescentes vacinadas contra o vírus do papiloma humano em Portugal, calcula a subdirectora-geral da Saúde, Graça Freitas. E a nova vacina incluída no Programa Nacional de Vacinação — que arranca em Janeiro — protege contra mais de 90% dos cancros de colo do útero.

Alexandra Campos

A grande mensagem do novo Programa Nacional de Vacinação (PNV), que entra em vigor em 2 de Janeiro, é que a vacinação é para a vida.  As crianças começam a ser imunizadas contra a tosse convulsa ainda na barriga das mães. Depois, com menos picadas do que actualmente, aos seis meses já ficam protegidas contra sete doenças e, com apenas um ano, ficam livres de 11 patologias, enfatiza a subdirectora-geral da Saúde, Graça Freitas.

A médica calcula que já são 300 mil as raparigas imunizadas contra o vírus do papiloma humano e frisa que a nova vacina protege contra mais de 90% dos cancros do colo do útero. Já a vacina da meningite B, que fica cara aos pais, vai ser dada apenas aos grupos de risco, mas o alargamento a todas as crianças continua em estudo.

O novo PNV vai arrancar com algum atraso nos centros de saúde porque o concurso de uma das vacinas não está concluído, avisa Graça Freitas, que confia que tudo esteja normalizado em duas semanas.

O novo Programa Nacional de Vacinação tem muitas alterações. Uma das novidades é a vacinação universal das grávidas para a tosse convulsa. Mas, habitualmente, as grávidas são avessas a vacinar-se. Acha que vão conseguir convencê-las desta necessidade?

Estamos convencidos de que vamos ter uma boa adesão.  Em cada momento, desde 1965 (o PNV já tem 51 anos),  foi-se fazendo o melhor programa possível para a saúde pública e para a população naquele momento. Há aqui uma relação de confiança entre quem promove a vacinação e quem se vacina. Num mundo tão conturbado, é importante realçar a confiança da população.

A taxa de vacinação em Portugal é muito elevada?

Sim, é à volta de 95% ou mais. Há outros países com bons resultados, mas não há muitos que mantenham esta cadência. A grande mensagem deste PNV, em termos generalistas, é que a vacinação é para o longo da vida, não é só pediátrica. Começamos pela vacinação das grávidas contra a tosse convulsa, a primeira vacina que estamos a introduzir é in utero. Vacina-se a mãe para que possa passar a imunidade, os anticorpos que desenvolve, através da placenta, de forma a proteger o seu filho, que só se pode vacinar contra tosse convulsa aos dois meses. Aquelas primeiras semanas de vida são as de maior vulnerabilidade para a doença.

Mas este ano há um pico de casos de tosse convulsa em Portugal e as vacinas para as grávidas que se vendem nas farmácias chegaram a esgotar-se…

Sim, houve um pico de casos, mas agora abrandou. Esta doença é sazonal, há mais casos nos meses quentes mas, mesmo com os picos, os casos são poucos. O problema é que [esta patologia], nas primeiras semanas de vida pode ser grave. As grávidas devem fazer a vacina da tosse convulsa entre a 20.ª e a 36.ª semana, idealmente até à 32.ª semana. A vacina é segura, para a mãe não tem consequências, e é um acto de generosidade e de amor porque protege o filho. Esta é uma mudança crucial.

Outra novidade é que os bebés vão ser sujeitos a menos picadas?

Exactamente. Aos dois meses e aos seis meses, para manter a aceitação, para aumentar o conforto e minimizar a dor, tomamos a decisão de introduzir duas doses de vacina hexavalente (a mesma ampola contém seis vacinas).  Assim, aos dois e aos seis meses poupamos uma injecção.

Havia recomendações de especialistas, nomeadamente da Sociedade Portuguesa de Pediatria, para incluírem também outras vacinas, como a do rotavírus, da varicela e hepatite A, algumas das quais custam muito dinheiro aos pais. Por que é que isso não aconteceu?

Ponderamos sempre a inclusão em função do interesse público, do benefício para a sociedade, mais do que o benefício individual. Nenhum programa em nenhuma parte do mundo tem todas as vacinas. Portugal, por exemplo, durante anos teve a BCG quando a maior parte dos países já não tinham.

calendario-vacinas

Mas a vacinação contra o rotavírus e a varicela faz ou não faz sentido?

Do ponto de vista da saúde pública não faz sentido. A doença por rotavírus é uma gastroenterite, não é grave, basta que as crianças estejam hidratadas. Agora, do ponto de vista individual, não temos nada com isso, a decisão é dos pais e dos médicos.

Por que motivo é que a vacina da meningite B fica reservada apenas para grupos de risco?

É para grupos de risco, mas o alargamento ainda está em estudo.

É uma vacina cara para os pais…

Sim, mas temos que ter a certeza que é benéfica para todos, se vai diminuir a circulação ou não. É um processo de decisão muito complexo. Isto depende sempre da evidência científica, dos estudos.

Nos últimos anos têm-se sucedido também as falhas no fornecimento da vacina BCG. Foi por isso que decidiram deixar de a dar a todas as crianças e passaram a dar só às de grupos de risco?

Não, já estávamos a estudar esta mudança havia muitos anos. Esta é outra novidade, mas já era assim desde o ano passado. Só que agora passa a ser oficialmente assim. [No entanto], os grupos de risco, as pessoas imunodeprimidas, as que vão fazer uma viagem especial, os profissionais de alguma área que os põe em risco, podem continuar a beneficiar de vacinação gratuita.

No caso das adolescentes, o que é que muda na vacina contra o papiloma vírus humano (HPV)?

Mudámos de uma vacina que tinha quatro grupos do HPV e protegia contra 75% dos cancros do colo do útero para outra contra nove genótipos do HPV que protege contra 90% a 95% dos cancros do colo do útero. É um ganho muito grande.

Já há muitas adolescentes vacinadas em Portugal?

Há mais ou menos 300 mil adolescentes vacinadas, é a minha estimativa. É muita menina, estou muito feliz com isto.

Vários especialistas recomendam também a vacinação contra o HPV para os rapazes. Por que é que isso não avançou?

Tínhamos que ser muito ricos. Se as meninas ficarem protegidas, mais tarde, quando os rapazes tiverem relações sexuais com elas, não há transmissão. Há aqui um ganho adicional para os rapazes. Agora, voltamos à história do plano individual: se uma família quiser dar esta vacina aos rapazes, não é um erro. Mas, do ponto de vista da saúde pública, consideramos que era preferível investir o dinheiro a aumentar a abrangência para as raparigas em vez de vacinar também rapazes.

Já na idade adulta, porquê toda esta insistência com a vacinação contra o tétano?

Porque o tétano nunca se vai extinguir, a bactéria sobrevive anos no ambiente e a doença não dá imunidade, o que é uma coisa estranha. E esta é uma doença muito grave. A boa notícia é que, ao longo da vida, os reforços desta vacina vão passar a ser feitos de vinte em vinte anos, em vez de dez em dez anos. Só a partir dos 65 anos, como o sistema imunitário já não é tão bom, é que as pessoas se têm que se vacinar de dez em dez anos.

Como é que vão operacionalizar o novo programa no terreno a partir de Janeiro?

Estamos a fazer todos os esforços e vamos conseguir que isto arranque como está previsto a partir de 2 de Janeiro na maior parte dos sítios para a maior parte das vacinas.  Noutras situações poderá haver um delay de dias, durante a primeira e a segunda semanas.

O gasto com o actual PNV ascende a 30 milhões de euros. Quanto é que o novo vai custar? Vai ficar um bocadinho acima, não sei dizer porque o concurso das vacinas hexavalentes ainda não está completamente encerrado. Estas são um bocadinho mais caras, a HPV9 também é mais cara e a das grávidas representa um custo adicional. [Em contrapartida], reduzimos a BCG mas esta é uma vacina barata.  O orçamento ficará acima dos 30 milhões,  mas não sei os números exactos.

O concurso não está concluído? Então como vão avançar em Janeiro?

A vacina hexavalente é a menos problemática, porque os poucos meninos que vão fazer dois meses estes dias podem fazer a pentavalente mais um. E vamos ter a hexavalente nos primeiros dias de Janeiro. Se as crianças cumprirem o esquema, quando fazem seis meses ficam protegidas contra sete doenças. É muito importante que os pais não se atrasem. Quando fazem um ano, ficam protegidas contra 11 doenças. A grande vantagem é a de que, com um ano de idade, as pessoas já estão livres de 11 doenças, algumas delas graves.

Apesar disso, há pessoas que têm medo de se vacinar.

Sim, há movimentos de hesitação em vacinar, por isso vamos fazer uma fortíssima aposta na informação e comunicação. Queremos que os pais estejam sempre informados dos benefícios e dos raros riscos da vacinação, e também dos riscos da não vacinação.

 

O Outro Lado dos Sons – espetáculo para Bebés de 3 a 18 de dezembro em Cascais

Novembro 30, 2016 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

15219972_1187867027935053_4279232619001457931_n

mais informações:

https://www.facebook.com/companhia.palco13/

O movimento anti-vacinação e a teoria da conspiração contra a Industria farmacêutica

Novembro 8, 2016 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do site http://uptokids.pt/ de 18 de outubro de 2016.

uptokids

O Serviço Nacional de Saúde é uma estrutura através do qual o Estado Português assegura o direito à saúde  (promoção, prevenção e vigilância) a todos os cidadãos de Portugal. O Programa Nacional de Vacinação é destinado a todas as pessoas presentes em Portugal e gratuito para o utilizador com financiamento do Orçamento de Estado.

Em Portugal, o movimento anti vacinação ainda tem pouca expressão no entanto tem suscitado discussões e posto em causa as recomendações médicas, a industria farmacêutica e os respectivos interesses económicos e políticos.

É importante entender que muitas vezes os movimentos surgem a partir de teorias baseadas nas leis e “políticas” de cada país, e quando são transportados e adaptados a outras realidades deixam de fazer sentido.

O movimento anti-vacinação, iniciou-se nos EUA, onde não existia nenhuma estrutura equivalente a estas (SNS e PNV). Se um individuo precisasse de cuidados médicos (básicos ou não), estes poderiam ascender a milhares de dólares. “The Affordable Health Care for America Act”, também conhecida por “Obamacare”, é a lei federal dos Estados Unidos sancionada pelo presidente Barack Obama em março de 2010, que obriga todas as pessoas que vivam nos EUA a ter um seguro de saúde. Até então, era cada um por si.

Pediatra faz comentário viral no facebook a acabar com a paranóia em torno da Industria farmacêutica

Se já acompanhou algumas discussões na internet sobre este movimento, há algumas coisas que deve saber: primeiro, os defensores do movimento anti-vacinação citam frequentemente sites não científicos e aleatórios para apoiar os seus argumentos. Segundo, os defensores deste movimento referem-se àqueles que acreditam na ciência como “Rebanho” – pessoas que andam atrás da carneirada, e são incapazes de pensar por si próprias. Terceiro, os defensores deste movimento culpam a indústria farmacêutica, e insistem que a única razão para os pediatras recomendarem a vacinação é pura e simplesmente financeira. Ou seja, segundo os aderentes do movimento anti-vacinação a Industria farmacêutica paga a médicos para serem fantoches que receitam vacinas “altamente perigosas” às crianças. Esta acusação é extremamente insultuosa para alguém que passa a vida a cuidar dos nossos filhos. Isto, simplesmente não é verdade!

Existe dinheiro envolvido. Mas não é das empresas farmacêuticas. Graças à  nova lei, “The Affordable Health Care for America Act”, os médicos recebem um bónus por manter os pacientes saudáveis e oferecer uma prestação de cuidados baseada na valorização do paciente e não no volume de trabalho.

Assim, esta grande teoria da conspiração existente em relação à indústria farmacêutica, simplesmente não faz sentido.

Recentemente, um pediatra fez um comentário num post do Facebook da página “Refutations to Anti-Vaccine Memes”, e explicou:

“Na verdade recebemos”, o comentário começa: “Eu sou pediatra: É chamado – Bónus da qualidade dos cuidados de saúde – e não é pago pela industria farmacêutica. É pago pelas companhias de seguros que nos pagam um bónus para valorizar os cuidados com os nossos pacientes. Para médicos pediatras, como eu, isso implica assegurar-me de que as crianças cumprem as vacinas de acordo com o estipulado para as idades.

Agora, porque razão iria uma companhia de seguros pagar-me para administrar vacinas caríssimas (que são as próprias companhias de seguros que pagam) às crianças, se essas vacinas fossem prejudiciais? Isso não faria qualquer sentido, pois a companhia teria de pagar pelos tratamentos extra que a criança precisaria, resultado de ter administrado a vacina.”

O pediatra explica que as companhias de seguros tomam esta medida, porque se se mantiverem os pacientes saudáveis, a longo prazo vai-se poupar muito dinheiro às próprias Seguradoras.

Este arranjo é tudo graças ao “Affordable Care Act”, que está a testar novas abordagens para a saúde, tentando evitar um sistema de saúde com Taxas, para sistema um baseado em valores e que visa manter todos os cidadãos saudáveis – e não apenas aqueles que podem pagar um seguro privado.

“Eu nem sei se existiria um preço que me pudessem pagar para fazer algo que considerasse prejudicial a um paciente, mas se esse preço existir, não é um número que alguma vez tenha visto. Eu não andei 4 exaustivos anos na faculdade mais três difíceis anos de internato a abdicar de tudo para tirar uma das especialidades mais mal pagas e mais difícil de exercer, só para depois poder prejudicar os miúdos.

OBRIGADO.”

Eu não consigo entender como é que há pessoas que preferem não vacinar de todo os filhos. Acreditam que as crianças irão ganhar imunidade a doenças altamente contagiosas e praticamente erradicadas, mas que podem a qualquer momento se tornar em autênticas epidemias, como foi o caso do Sarampo? (Alemanha e EUA em 2015).

Não vacinar é um acto de negligência. Não só com os seus, mas com o mundo.

Não é despropositado ter medo de injectar os nossos filhos com uma substancia qualquer. Ser um pai preocupado é perfeitamente normal. O que não é razoável é não confiarmos em alguém que escolhemos para cuidar da saúde dos nossos filhos. Negar a ciência e insinuar que os pediatras estão todos juntos a recomendar vacinas nocivas à saúde das nossas crianças, por intermédio da indústria Farmacêutica, é simplesmente insultuoso. E um absurdo.

Baseado num artigo de Maria Guido, para Scary Mommy

 

 

 

Alimentar bebés prematuros só com leite materno pouparia mil euros por criança

Outubro 23, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 7 de outubro de 2016.

daniel-rocha

Lusa

Em Portugal, poupança equivaleria a uma redução de custos na ordem dos oito milhões de euros anuais.

Alimentar os bebés prematuros exclusivamente com leite materno traria uma poupança de mil euros por criança ao longo do seu desenvolvimento, o que em Portugal equivalia a uma redução de custos na ordem dos oito milhões de euros anuais.

Segundo um estudo britânico do consórcio York Health Economics, da Universidade de York, a poupança de cerca de mil euros por cada criança foi estimada tendo em conta o período que o bebé prematuro permanece nos cuidados intensivos e também a redução de doenças a longo prazo e complicações após a alta hospitalar.

Os investigadores desenvolveram um modelo para calcular o valor económico resultante da redução da incidência, severidade e risco de ter determinadas doenças e complicações em recém-nascidos prematuros alimentados exclusivamente com leite materno, face aos que são alimentados com leite de fórmula.

De toda a poupança estimada, quase 65% (670 euros) aplica-se ao período de internamento em cuidados intensivos nenonatais e os restantes 35% estão ligados à redução de doenças a longo prazo.

O estudo, que foi promovido em conjunto com uma empresa de produtos e investigação em aleitamento materno, teve o sistema de saúde britânico como modelo, mas supôs que as poupanças seriam similares em economias comparáveis, como a portuguesa.

Vários estudos internacionais têm demonstrado que o leite materno em exclusivo aos bebés pré-termo (antes das 37 semanas de gravidez) reduz o risco de desenvolverem várias doenças.

Esta análise da Universidade de York centra-se na enterocolite necrosante, a doença digestiva mais frequente e grave no período neonatal, na sepsis, na síndrome de morte súbita do bebé, na leucemia infantil e noutras doenças crónicas e infecciosas.

Portugal assinala na primeira semana de Outubro a Semana Mundial do Aleitamento Materno.

 

 

Pense bem. O nome que escolhe para o seu filho pode traçar-lhe o destino

Outubro 20, 2016 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto da http://visao.sapo.pt/ de setembro de 2016.

philippe-huguen

A facilidade com que se pronuncia um nome, o facto de ser comum ou não, ou a proximidade do apelido ao fim do alfabeto são fatores que, acredite-se ou não, podem ter relevância na vida futura dos nossos filhos.

Uma das razões que pode lançar o seu filho para o sucesso pode residir no nome que você lhe dá. Pelo menos é o que dizem uma série de estudos sobre como o nome dado a uma criança pode influenciar o seu sucesso no futuro. Selecionamos sete.

A importância da forma como se pronuncia

Se o nome for fácil de pronunciar, pode chegar a altos cargos no futuro. Foi essa a conclusão de uma pesquisa efetuada pela Universidade de Nova Iorque. Adam Alder, um dos psicólogos participantes, explicou à revista Wired que “quando é fácil de compreender, nós tendemos a gostar mais”.

Se o nome for comum, maior é a probabilidade de ser contratado

Num estudo levado a cabo pela Universidade de Marquette, no Wisconsin, Estados Unidos, foi possível descobrir que as pessoas que têm os nomes mais comuns são aquelas que têm uma maior probabilidade de serem contratadas. As pessoas com nomes mais raros não tinham a mesma sorte.

Partilhar a inicial do nome com um colega de trabalho pode significar que trabalhem bem juntos

É o que afirma a Wisconsin School of Business. Numa pesquisa, os investigadores conseguiram descobrir que quem partilha a letra inicial do nome com outros colegas de trabalho consegue trabalhar melhor em grupo do que com aqueles com quem não partilha. Partilhar a mesma letra inicial resulta num melhor trabalho coletivo e em melhor adaptabilidade aos conflitos.

Nomes incomuns estão frequentemente associados a delinquência juvenil

Um estudo da Universidade de Shippensburg na Pensilvânia sugeriu a possibilidade de existir uma relação entre os nomes incomuns e a criminalidade juvenil. Isto deve-se à maneira como são tratados pelos seus colegas por causa do seu nome, o que torna mais difícil o estabelecer de um relacionamento. Outro dos motivos para os jovens recorrerem ao crime pode mesmo até ser o simples facto de não gostarem do seu nome.

Nomes mais próximos do final do alfabeto, pode tornar-se um comprador compulsivo

Segundo uma publicação na Social Science Research Network, pessoas com apelidos mais próximos do final do alfabeto podem vir a tornar-se no futuro ávidos compradores compulsivos, tendo uma maior suscetibilidade a estratégias promocionais por terem passado em crianças muito tempo no final das listas de chamadas. Ora, isto aplica-se sobretudo nos países onde as turmas são organizadas pelo ordem alfabética do apelido. Restaria testar se esta teoria seria válida em Portugal, onde tudo se organiza a partir do nome próprio.

Mulheres que ocupem altos cargos utilizam mais frequentemente o nome completo

Investigadores do website LinkedIn revelaram num estudo que as mulheres que se apresentam de forma mais frequente com o seu nome completo do que os homens de forma a adquirirem um ar mais sério e profissional.

Ter um primeiro nome curto pode significar um cargo executivo

No mesmo estudo levado a cabo pelo LinkedIn, foram analisados mais de 100 milhões de perfis para perceber quais eram os nomes mais comuns para diretores executivos no seio de uma empresa. Os nomes com uma ou duas silabas eram aqueles que mais se destacavam. Um cientista afirmou que por vezes os homens utilizam alcunhas de forma a parecerem pessoas mais amigáveis e receptivos.

 

 

Página seguinte »

site na WordPress.com.
Entries e comentários feeds.