Pais preparados podem evitar que os filhos fiquem dependentes da internet

Julho 27, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Patricia Prudente

Notícia do Atlântico Expresso de 16 de julho de 2018.

Psicólogo deixa dicas para que os jovens tenham uma melhor saúde

Pais preparados podem evitar que os filhos fiquem dependentes da internet

A dependência da internet começa cada vez mais cedo, alerta João Lemos, psicólogo. O especialista defende que o treino das competências parentais pode aliviar o problema. tíOspais não devem ter medo de impor limites aos seus filhos. Muitos permitem que os seus filhos gastem uma, duas, três horas por dia na internet e isto é completamente errado. O que eu defendo é que de Segunda-feira a Sexta-feira, a internet seja utilizada apenas para trabalhos para a escola e ao fim-de-semana ter acesso durante um curto espaço de tempo, se o comportamento do filho o justificar.

O que os pais têm de promover são actividades ao ar livre, a interacção, a comunicação, os jogos de mesa, convívio saudáveis”.

A Organização Mundial da Saúde considerou que a dependência dos videojogos é uma doença. É um problema com que se depara nos Açores?

É um problema que existe quase em todo o mundo, principalmente nos países ditos desenvolvidos e que aderiram ao uso da internet e não só. Já venho a falar sobre esta problemática há muitos, muitos anos e alertar as famílias para o perigo da ciberdependência.

De facto, o uso de videojogos insere-se neste diagnóstico de ciberdependência, ou seja, dependência do mundo virtual, dependência da internet. É um problema gravíssimo porque afecta o desenvolvimento dos jovens e adultos – porque o problema não é só de jovens, é também de adultos, embora o perigo maior tenha a ver com os jovens, porque estão numa fase de formação, de preparação para a vida, que passa pela área académica e, depois, pela área profissional e, transversalmente a tudo isto, às áreas social e familiar, uma vez que este quadro clínico se caracteriza, essencialmente, por uma alienação da realidade nestas áreas todas, com implicações muito negativas no funcionamento dos próprios jovens e adultos, no relacionamento interpessoal dentro das famílias e, também, na sociedade e no mundo do trabalho.

Tudo isto tem como consequência final os disfuncionamentos comportamentais, disfuncionamentos familiares, disfuncionamentos profissionais, acabando na clínica. Pode começar numa fase inicial, para apoio psicológico nas consultas, o que é muito reduzido. Normalmente, estes casos só chegam à clínica quando há situações judiciais graves de conflitos entre pais e filhos, que depois acabam por cair na Comissão de Protecção de Menores ou no tribunal. No final, pode resultar em internamentos em clínicas, que já começaram a ser criadas no continente para esse efeito, daí a gravidade da situação.

É um problema que começa cedo?

Cada vez mais. Já vemos crianças, na segunda infância, a fazer o treino do esfincter no bacio com um tablet à frente a fazer jogos. Evidentemente, que esta questão é complexa. Existem colegas, da área da psicologia que promovem, incentivam e valorizam a utilização dos jogos pedagógicos, mas a existirem jogos pedagógicos virtuais têm de ser muito bem utilizados, com limites e com objectivos muito bem definidos. Não pode ser, como acontece actualmente, em que há um acesso indiscriminado das crianças e jovens aos videojogos, à internet, sem qualquer controlo parental.

Tudo isso termina neste processo de desajustamento social por uma alienação relativamente às obrigações e aos deveres académicos e, depois, numa separação e isolamento dentro da própria família, ao ponto de não existir um grupo de pessoas a viverem em conjunto, mas sim um grupo de pessoas a viverem separadas umas das outras, cada um no seu espaço, ligado ao seu computador ou ao seu instrumento de acesso à rede virtual inclusivamente os pais, pela via do Facebook, que pode permitir a aproximação entre as pessoas, mas que também acaba por contribuir para o afastamento.

Daí ser uma questão muito problemática. Nós temos de pensar nisto a sério e talvez fosse altura de os nossos governantes, os nossos políticos, pegarem nessa informação da OMS e verem qual é a ligação entre isto a proposta do treino das competências parentais.

Ou ajudamos os jovens pais a serem pais competentes ou o problema vai ser um ciclo vicioso e em espiral, que nunca mais vai acabar. 0 sistema tenderá sempre para um reequilíbrio. Agora, eu acho que é desnecessário passarmos uma crise de disfunção social, familiar e individual para depois irmos resolver o problema, seguindo aquela máxima latina de ‘casa roubada, trancas à porta’.

Estamos a agir tarde demais, na sua opinião?

Corremos o risco de estar a criar gerações diferentes, com comportamentos sociais e de sociabilização diferentes?

Gosto de usar o provérbio e dizer que nunca é tarde demais, mais vale tarde do que nunca. Nós temos de actuar já e actuar já é na área parental, porque são os pais que têm a responsabilidade na educação dos filhos.

De certo modo, houve aqui uma inversão do paradigma educativo, por razões várias: o consumismo, a pressão social para o consumismo e, também, a falta de conhecimentos dos pais sobre esta realidade. Tudo isso levou a que os pais condescendessem com a situação sem que percebessem o mal que estavam a criar aos seus filhos.

Agora, chega-se a uma situação em que os pais já não sabem o que fazer, já não têm capacidade, já não têm autoridade educativa para poder monitorizar o comportamento dos seus filhos para os poder ajudar à mudança. No entanto, seguindo esta linha de que nunca é tarde demais para actuar e que mais vale tarde do que nunca, podemos aconselhar esses pais a receber apoio especializado na área comportamental – e, nesta área, estamos a falar essencialmente de apoio dos psicólogos e das psicólogas, que os podem ajudar a tomar medidas adequadas, tendo em conta o desenvolvimento da criança, a promoção de estilos comportamentais saudáveis, não só ao nível da ciberdependência, mas também nas outras dependências todas. De uma forma construtiva e eficaz. Ou, de facto, os nossos governantes apostam a sério na resolução deste problema agora, investindo, rapidamente, como eu já defendi anteriormente, ou então vão gastar o triplo ou o quádruplo no tratamento destes problemas. Não se trata só de ajudar as pessoas dependentes, mas sim lidar com os custos indirectos que advêm de investimentos na área do ensino sem obter resultados, ao nível do trabalho, ao nível das problemáticas familiares que, depois, levam também as famílias a receber apoio psicológico e psiquiátrico.

Digamos que há, aqui, um efeito de bola de neve. Nós não podemos pensar só nos cuidados secundários, temos, essencialmente, de pensar nos cuidados primários, em cooperação com as escolas e, também, como disse anteriormente, com o treino das competências parentais.

Já há directivas sobre como lidar com estes casos?

Não tenho conhecimento de nenhuma directiva ao nível da Ordem dos Psicólogos relacionada com esta temática. O que nós temos são as competências profissionais para lidar com as dependências, porque o mecanismo cognitivo, afectivo e comportamental é o mesmo. Ao nível biológico há uma grande diferença: aqui não há uma dependência química, há exclusivamente uma dependência cognitiva – que, do meu ponto de vista, é a pior das dependências e já o digo há mais de 20 anos. Enquanto o alcoolismo, o tabagismo, o consumo de drogas ilícitas tem uma componente de dependência química, neste caso é exclusivamente psicológico, cognitivo, com a agravante de ter de se utilizar medidas, também cognitivas e comportamentais, de gestão do tempo e do comportamento, para ajudar com dependência de videojogos. Mas não é só de videojogos: é a dependência da realidade virtual, a chamada ciberdependência, nomeadamente das redes sociais. No fundo, há que fazer uma reaprendizagem de um estilo de vida saudável. Aqui temos de actuar muito a sério, muito rapidamente, de uma forma transversal, desde o início da constituição da família – estamos a falar do treino das competências parentais – e actuar nos diferentes níveis de desenvolvimento das crianças e dos adultos, para que assim seja possível minimizar os custos desta problemática clínica e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Efectivamente, esta perspectiva que estou a apresentar não vai ser compreendida pela maior parte das pessoas, eu tenho consciência disso. A maior parte das pessoas não tem conhecimento da gravidade do problema, não sabe do que é que estamos a falar e, inclusivamente, dentro da classe clínica poderá haver, também, algumas objecções ao que estou a dizer.

Há mais de 20 anos que venho a tocar na ferida; agora, passado este tempo, vem a OMS levantar a questão de uma forma relevante, considerando como uma doença mental. Talvez, a partir de agora, com estas orientações da OMS, os nossos clínicos em diferentes áreas possam encarar este problema de uma forma mais séria – inclusivamente os nossos governantes, os nossos parlamentares, quem tem o poder de decisão política, para que se compreenda que numa sociedade que se quer saudável, é preciso fazer prevenção primária e não só apostar na prevenção secundária.

Quais são os sinais de alarme sobre este tipo de problemática?

O isolamento social e familiar, faltar sistematicamente às aulas e ao trabalho. Os pais estão tão ocupados e com as suas obrigações, envolvidos em actividades e sobrecarregados que, muitas vezes, não se apercebem da gravidade do problema. Mas há o absentismo escolar, há o dormir na sala de aula, há comportamentos marginais e de violência que, muitas vezes, ocorrem quando estes jovens são chamados à atenção na sala de aula… Tudo o que seja comportamentos que saiam da norma ou daquilo que é adequado no relacionamento interpessoal são sinais de alerta. Os pais têm de aprender a fazer o controlo do uso da internet, de forma criteriosa e construtiva. Os pais não devem ter medo de impor limites aos seus filhos. Muitos permitem que os seus filhos gastem uma, duas, três horas por dia na internet e isto é completamente errado. O que eu defendo é que de segunda-feira a sexta-feira a internet seja utilizada apenas para trabalhos para a escola e ao fim-desemana ter acesso durante um curto espaço de tempo se o comportamento do filho o justificar. O que os pais têm de promover são actividades ao ar livre, a interacção, a comunicação, os jogos de mesa, convívio saudáveis.

 

Anúncios

Agarrados à Internet – como se a decisão não fosse nossa

Julho 4, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Texto do Público de 24 de junho de 2018.

Os especialistas da saúde acreditam que é possível ter uma relação saudável com as novas tecnologias. Mas há regras que devem ser impostas para que haja um uso controlado.

Lisa Freitas

Os ecrãs sempre ligados apoderaram-se do quotidiano das sociedades contemporâneas. E com eles a dificuldade em desligar do mundo online. As consequências dessa dependência originam patologias que os agentes da saúde tentam compreender e controlar. Apesar de ser uma adicção sem substância, os efeitos da dependência da Internet podem ser tão ou mais avassaladores quanto o consumo de drogas e álcool, de acordo com os especialistas da área que têm dado especial atenção a esta problemática.

Em Portugal, mudanças comportamentais ligadas ao uso das novas tecnologias começam a revelar uma tendência e há várias instituições a prestar apoio a pessoas com esta dependência, como o Centro de Tratamento Villa Ramadas, em Alcobaça. “O primeiro caso foi em 2004. Durante os anos seguintes foram surgindo pontualmente outros, mas houve um crescimento marcante na procura de tratamento nos últimos três a quatro anos”, revela Eduardo Ramadas da Silva, o director terapêutico do centro, num e-mail enviado ao P2.

Esta tendência de crescimento de pessoas viciadas na Internet a pedir apoio também é assinalada pela psiquiatra Rita Barandas, do Núcleo de Utilização Problemática de Internet (NUPI), do Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Em conversa com o P2, esta especialista fala num “problema crescente” nos últimos anos e reconhece que, em 2014, quando o NUPI foi criado, “não se sabia muito bem que tipo de respostas dar”.

Em Portugal, uma em cada cinco crianças até aos oito anos tem telemóvel para uso pessoal. Cerca de 38% acedem à Internet, sendo o tablet o dispositivo mais usado para este fim. Mas o acesso cresce significativamente com a idade — 22% das crianças dos três aos cinco para 62% das crianças dos cinco aos oito anos acedem à internet —, segundo dados de um estudo realizado pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC). Intitulado Crescendo entre Ecrãs. Uso de Meios Electrónicos por Crianças (3-8 anos), o estudo teve o contributo científico de uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, coordenada pela socióloga Cristina Ponte.

Apesar de ser um problema em crescendo, vários especialistas contactados pelo P2 afirmam que nos casos de dependência da Internet não há uma causalidade linear com a maior parte das doenças psíquicas. Existem muitos outros factores que perpetuam, por exemplo, a condição de isolamento. Para Eduardo Ramadas da Silva “o isolamento extremo é um comportamento que pode ter na sua origem diferentes quadros clínicos, nomeadamente, depressão e perturbações de ansiedade”. “É muito comum a dependência à Internet surgir associada a outro tipo de queixas que podem anteceder ou ser consequência desta”, explicou.

Rita Barandas é da mesma opinião: “Não há uma situação única que esteja na origem. Muitas vezes não há nada de particular, as pessoas começam a jogar por simplesmente gostarem de jogar, mas, por vezes, instala-se um padrão repetitivo e compulsivo”. A psiquiatra revela que ao NUPI já chegaram casos de isolamento de pessoas que ficaram em casa dias, semanas e até meses. “Mas, regra geral, são pessoas que têm outras patologias psiquiátricas, não são só utilizadores compulsivos de jogos. São doentes que, por exemplo, sofrem de depressões ou que têm outra perturbação qualquer que faz com que se isolem e não queiram sair de casa.”

Por seu lado, o director terapêutico do centro Villa Ramadas diz que “a origem destes comportamentos é idiossincrática, variando de paciente para paciente”. “A dependência pode surgir do uso abusivo, principalmente se existirem vulnerabilidades que aumentem o risco do desenvolvimento de um quadro de dependência. Estas vulnerabilidades podem ser genéticas (presença de quadros de dependência na família) ou ambientais. Nestas últimas, os traços de personalidade, a pré-existência de perturbações de ansiedade ou de humor, são factores importantes”, frisou Eduardo Ramadas da Silva, afirmando ainda que no centro que dirige a média de idades para os pacientes é de cerca de 30 anos, sendo que o paciente mais novo tinha 15 anos, e o mais velho 41 anos.

Proibir ou bloquear não resolve

No estudo coordenado pela socióloga Cristina Ponte, 68% dos pais usa frequentemente a Internet e para a maioria (75%) a rede traz vantagens para o desenvolvimento das crianças. “Os comportamentos de isolamento extremo, independentemente de estarem ou não associados a um uso abusivo da Internet e das redes socias, podem ser sempre sinais importantes de que algo está errado. É especialmente importante, no caso das crianças e dos adolescentes, que os pais e outros adultos próximos estejam atentos a este tipo de comportamentos”, disse Ramadas da Silva. “A proibição de dispositivos tecnológicos, ou o corte da Internet, apenas seriam possíveis nos casos de menores sobre o controlo dos pais e, mesmo nestes casos, não resolveria o problema”, frisou o director do centro.

Certo é que hoje passamos muito tempo online. Para Rita Barandas “é impressionante a forma passiva como ficamos agarrados à Internet – é como se a decisão não fosse nossa”. “A ubiquidade e o facto de estar tão próximo é bom, mas a desvantagem é que ficamos vulneráveis e acaba por ser tão fácil e gratificante que é difícil pararmos.” A psiquiatra rejeita a ideia de vício associada a este comportamento. “Tudo o que é comportamental, apesar de ter muitas semelhanças em algumas coisas, é diferente dos chamados vícios de substâncias. É difícil traçarmos uma linha a partir da qual é considerado patológico ou negativo”. O foco do NUPI passa por perceber “quando há disrupção de alguma área da vida” desses indivíduos e a partir daí fazer o acompanhamento necessário, um tratamento complexo e que não funciona como um botão on e off. “É uma solução de compromisso, até porque jogar videojogos e estar na Internet não é uma coisa errada em si, não tem mal nenhum. Não podemos proibir as pessoas de aceder ao computador e de aceder às consolas”.

Por outro lado, “não há uma solução no sentido de que antes havia um problema ou uma doença e limpamos a doença e a pessoa nunca mais vê o computador à frente”, frisa Rita Barandas. “Estamos perante situações em que as pessoas vão continuar a usar o computador para trabalhar, ou para estudar, ainda mais numa altura em que se fala de literacia digital.”

A solução passa, de acordo com as opiniões dos vários profissionais, por usar as novas tecnologias a favor e não contra os utilizadores e tentar modificar padrões de dependência.

“No caso da dependência à Internet, não é realista esperar que os pacientes se comprometam com uma vida sem contacto com a mesma”, diz Eduardo Ramadas da Silva. “Procura-se promover um maior equilíbrio e desenvolver nos pacientes, estratégias que lhes permita lidar não apenas com a dependência, mas também com qualquer situação menos positiva que possam encontrar.”

 

 

 

OMS classifica distúrbio de videojogos como doença mental

Junho 19, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Público de 18 de junho de 2018.

O problema é definido como uma “falta de controlo crescente” que impede a realização de actividades normais num período superior a um ano.

Karla Pequenino

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou os “distúrbios com videojogos” como um problema de saúde mental na nova edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças, publicada online esta segunda-feira. A condição é definida como uma “falta de controlo crescente” ao longo de um período superior a 12 meses, em que se dá cada vez mais importância aos videojogos, mesmo com consequências negativas (falta de sono, irritabilidade, exclusão de outras actividades do dia-a-dia).

“Ter um distúrbio [no manual] é algo que os países tomam em consideração quando planeiam estratégias de saúde pública e monitorizam tendências com distúrbios”, lê-se no comunicado da OMS sobre a mudança que tinha sido anunciada no começo do ano. A nova edição da classificação de doenças – que chega mais de uma década depois da última revisão – entra em vigor no dia 1 de Janeiro de 2022. Até lá, os vários países devem preparar traduções e treinar profissionais de saúde para trabalhar com as mudanças. O manual é considerado a base para identificar tendências e estatísticas sobre doenças em todo o mundo por definir um código universal.

“Até 2022 ainda há coisas que podem mudar no manual, e há certamente muito interesse do lado das empresas dos videojogos. É uma indústria em crescimento”, diz ao PÚBLICO o psicólogo Pedro Hubert, coordenador do Instituto de Apoio ao Jogador (IAJ) que se foca no tratamento de dependências associadas aos jogos em Portugal, incluindo os jogos da sorte. Actualmente, cerca de 20% dos pacientes que chegam ao IAJ queixam-se de problemas específicos com videojogos. “Há provas científicas de que o estímulo para jogar pode ser tão forte como a nicotina e outras drogas. Por cá, há cada vez mais pais preocupados por não saber como ajudar os filhos que se isolam, começam a falhar na escola e vivem para os videojogos”, diz Hubert. “A partir do momento em que a OMS aceita isto, os critérios são iguais em todo o lado e os Estados são obrigados a reconhecer o problema.”

Há investigadores, no entanto, que recomendam cautela com o diagnóstico da OMS. A psicóloga Maria João Andrade, que gere a Grinding Mind, uma associação portuguesa para promover uma relação saudável com videojogos, relembra que os casos problemáticos são uma minoria. É algo que a própria OMS reconhece. “Estudos sugerem que o distúrbio apenas afecta uma pequena proporção de pessoas que se dedicam a actividades de jogos digitais ou videojogos”, lê-se no guia da OMS sobre as mudanças quanto aos videojogos. “Porém, as pessoas que se dedicam a esta actividade devem estar alerta sobre o tempo que passam com videojogos, especialmente quando leva a ignorar outras actividades diárias.”

6C51 Gaming Disorder

https://icd.who.int/browse11/l-m/en#/http%3a%2f%2fid.who.int%2ficd%2fentity%2f1448597234

 

Adição digital: estudo comprova ligação entre uso excessivo de dispositivos digitais e depressão

Junho 2, 2018 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

moodsapo

Notícia e fotografia do moodsapo de 22 de maio de 2018.

As ligações entre uso excessivo da tecnologia e o desenvolvimento de problemas de saúde mental são cada vez mais faladas. Uma nova pesquisa realizada nos EUA veio comprovar esta ligação e ainda estabelecer uma relação causal entre o posicionamento do corpo, a energia e o humor da população que usa excessivamente os dispositivos digitais.

Já se sabe que os tablets, smartphones e outros gadgets digitais tomaram conta do dia-a-dia da população. E também já se sabe que essa ‘normalidade’ não traz benefícios à saúde, muito pelo contrário. Mas um novo estudo levado a cabo pela Universidade de São Francisco, nos EUA, veio agora comprovar que realmente «existe uma forte ligação entre a adição digital, especialmente no uso compulsivo do telemóvel, e a ansiedade e depressão».

A recente investigação contou com a participação de dois grupos de estudantes universitários, na qual se observou que vários indivíduos dos dois grupos, dentro e fora das aulas, estavam constantemente com a cabeça inclinada para baixo a fazer scroll nos seus telemóveis, em vez de estarem a conviver com as pessoas que os rodeavam. Este facto levou os investigadores a uma conclusão: o grupo que mais utilizou o telemóvel reportou um maior nível de solidão, ansiedade e depressão do que o grupo que menos o usou. «Para a preservação da saúde mental, é necessária a comunicação humana, porque é assim que aprendemos a modular os nossos estados de humor», esclarece Erik Pepper, investigador e professor no Instituto de Estudos de Saúde Holística da Universidade de São Francisco.

O investigador explica que as mensagens de texto e emails são formas de comunicação digital assíncronas, ou seja, são comunicações transmitidas de forma intermitente. Através desse tipo de comunicação, as pessoas não veem com quem estão a falar, logo não podem aperceber-se de sinais não-verbais, como a linguagem corporal ou vocal, entoação, etc., «razão pela qual não é possível medir o impacto emocional do seu discurso», elucida Erik Peper, o que pode originar uma errada interpretação da mensagem enviada. Além disso, o nível de profundidade dessas comunicações tende a ser mais superficial.

Durante as últimas três décadas, o investigador e professor da Universidade de São Francisco Erik Pepper afirma notar uma grande diferença comportamental nos estudantes. Antes do boom tecnológico, a maioria dos jovens estabelecia «contacto visual, falando entre si à medida que desciam os corredores nas pausas entre as aulas. Hoje em dia, é mais provável vê-los encostados a uma parede enquanto mexem nos seus smartphones ou tablets», conta. «Estão na sua própria bolha digital», frisa, acrescentando que se não se criar intimidade através da comunicação com os outros, irá criar-se um clima de isolamento e, consequentemente, o início de uma depressão. Além disso, a comunicação não-satisfatória não é a única forma pela qual os aparelhos eletrónicos afetam a saúde mental.

Os autores do estudo Erik Pepper e Richard Harvey foram mais longe, tentando estabelecer uma relação causal entre o posicionamento do corpo, a energia e o humor da população objeto de estudo. «Quando uma pessoa está deprimida e sem esperança, tende a adotar uma postura mais curvada», explicam. Se esse indivíduo «já tiver histórico de depressão, estados de pessimismo, ansiedade ou medo, ao colocar o corpo nesta posição está a evocar esses mesmos estados de espírito», prosseguem. Mas, assim que corrigem a postura, irão sentir-se menos deprimidos, mesmo que nenhum outro fator seja alterado.

Para além de serem parte integrante no aparecimento de sintomas de doenças do foro mental, os dispositivos móveis também dificultam o ato de adormecer devido à luz azul emitida pelos ecrãs, fator este que também «contribui para um maior desenvolvimento de doenças», sejam estas de foro psíquico ou físico, acrescenta Erik Pepper.

Também a estimulação dos conteúdos visualizados pode privar os cidadãos de um sono tranquilo e regenerador. «Nas redes socais, as pessoas tendem a ficar emocionalmente mais ativas, ao responder em várias frentes, mantendo-se assim mais acordados e com uma maior perda de sono», explica, acrescentando que não é por acaso que muitos dos alunos alvos de estudo se encontrem numa situação crónica de privação de sono. Quanto mais tempo gastar a consumir media, digital ou não, menos tempo gasta para se manter ativo, sendo por isso «o melhor tratamento para o combate à depressão, o movimento e o exercício», diz.
Assim sendo, como sabe se está dependente do seu smatphone? «Coloque o telemóvel longe do seu alcance e tente, durante alguns dias, não o usar», sugere o especialista. De acordo com os investigadores, se ficar agitado e começar a sentir que é impossível não ir verificar as redes sociais e emails, então poderá estar com um problema de dependência digital. Veja na galeria, no início do artigo, seis formas de controlar a obsessão pelo mundo digital, segundo estes especialistas.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Digital Addiction: Increased Loneliness, Anxiety, and Depression

 

Dar um smartphone ao seu filho, equivale a dar-lhe um grama de cocaína

Maio 25, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do site Notícias ao Minuto de 14 de maio de 2018.

Liliana Lopes Monteiro

Dar ao seu filho um smartphone equivale a “dar-lhe um grama de cocaína”, avisa a terapeuta especializada em comportamentos aditivos.

Saligari, explicou à publicação britânica The Independent que enviar mensagens no Snapchat ou no Instagram pode ser tão perigosamente viciante para os adolescentes como consumir drogas ou álcool, e que deve ser tratado como tal.

A especialista avisou que o tempo passado em frente ao ecrã é geralmente subestimado como um potencial veículo para a adição nos mais jovens.

“Digo sempre às pessoas, que quando dão um tablet ou um telemóvel a uma criança, estão realmente a dar-lhe uma garrafa de vinho ou um grama de cocaína. Vão mesmo deixá-los ‘ingerir’ tudo aquilo sozinhos, isolados e fechados nos seus quartos?” disse.

“Porque prestamos tão pouca atenção a estas coisas, comparativamente por exemplo ao consumo de drogas e de álcool, quando de facto envolvem os mesmos impulsos cerebrais?”, acrescentou a diretora clínica.

“Quando pensamos em adição, tendemos a pensar em substâncias ou num objeto específico – mas o vicio, consiste num padrão comportamental que se pode manifestar de inúmeras formas, desde droga, comida, a auto mutilação, a jogo ou ‘sexting’, só para nomear alguns exemplos”, concluiu.

Nos últimos anos tem-se registado um aumento na preocupação relativamente ao número de crianças e de adolescentes que enviam ou recebem imagens pornográficas, ou que acedem a conteúdos online inapropriados para a sua idade através dos seus telefones.

Saligari referiu que cerca de dois terços dos seus pacientes que procuram tratamento para a adição têm entre 16 a 20 anos – “um aumento dramático”, comparativamente há 10 anos – , mas que muitos dos seus pacientes são ainda mais jovens.

Num inquérito recentemente conduzido no Reino Unido, mais de 1,500 professores admitiram estar a par que muitos dos seus alunos partilhavam mensagens de caráter sexual, e que um em seis dos pupilos estaria envolvido nessa atividade desde a escola primária.

Mais de duas mil crianças terão sido, nos últimos três anos, reportadas à polícia por divulgarem imagens consideradas indecentes.

“Tantas das minhas pacientes que têm 13 ou 14 anos e que fazem ‘sexting’, descrevem esta atitude como sendo ‘completamente normal’”, disse Saligari.

Muitas jovens acreditam de facto que enviar uma fotografia delas próprias, através do telemóvel, sem roupa para alguém é “normal”, e que só se torna “errado” quando um dos pais ou um adulto descobre, alertou.

Mais informações na notícia do The Independent:

Giving your child a smartphone is like giving them a gram of cocaine, says top addiction expert

 

Redes sociais imitam estratégias de casas de jogos para criar dependência psicológica

Maio 22, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia da Visão de 9 de maio de 2018.

As técnicas utilizadas pelos casinos e outras empresas de jogos de azar estão a ser copiadas pelas redes sociais. O objetivo é criar dependência psicológica nos utilizadores.

As redes sociais podem ser tão viciantes como os jogos dos casinos, e ativam no cérebro dos utilizadores mecanismos parecidos aos que são provocados pelo efeito da cocaína. Quem o diz são especialistas de várias áreas, que afirmam que os utilizadores podem chegar a ouvir sons relacionados com os smartphones que, muitas vezes, não são reais. “Essas ‘chamadas fantasma’ e notificações estão ligadas ao nosso desejo psicológico de recebermos esses sinais”, explica, ao The Guardian, Daniel Kruger, especialista em comportamento humano e professor na Universidade de Michigan, EUA.

“Empresas como o Facebook usam métodos parecidos aos da indústria do jogo para manter os utilizadores nas suas plataformas”, afirma Natasha Schüll, autora do livro Addiction by Design: Machine Gambling in Las Vegas, publicado em 2012, onde explica, por exemplo, como as máquinas automáticas dos casinos, as conhecidas slot machines, são pensadas de forma detalhada para viciar os jogadores.

Segundo a escritora, no mundo online, o objetivo é manter a “atenção contínua do utilizador”, através de cliques e do tempo passado nas plataformas: se a pessoa começa a perder o interesse, por exemplo, pelo que se passa no Facebook, vai ser, automaticamente, bombardeada por mensagens subtis ou ofertas para que o seu foco volte a ser a rede social.

O mecanismo cerebral das pessoas quando atualizam o feed do Facebook ou do Instagram é, na opinião de Tristan Harris, ex-especialista em Ética da Google, “irritantemente” semelhante àquele que é desencadeado pelas slot machines: quando puxam a alavanca da máquina, as pessoas podem ter direito a mais uma partida, receber um prémio monetário, ou nada. A verdade é que nunca se sabe o que vai acontecer, se vai haver alguma recompensa ou não, da mesma forma que, nas redes sociais não se sabe se se vai encontrar algum conteúdo interessante. “Mas isso é, precisamente, aquilo que nos faz voltar a atualizar os nossos feeds”, refere Tristan Harris.

Também Mark Griffiths, diretor da Unidade Internacional de Pesquisa de Jogos da Universidade de Nottingham Trent, diz que a recompensa é a chave que prende os utilizadores às redes sociais. “As redes sociais estão repletas de recompensas imprevisíveis, para chamar a atenção dos utilizadores e fazer com que eles criem a rotina de irem constantemente ver os seus perfis”. afirma.

Tal como o gambling, que afeta a estrutura do cérebro e que, por isso, torna as pessoas mais suscetíveis a sofrerem de ansiedade e depressão, as redes sociais também têm sido relacionadas com comportamentos depressivos e, por isso, o seu potencial para provocar um impacto psicológico negativo nos utilizadores não deve ser desvalorizado. “Temos de começar a perceber os custos que o tempo passado nas redes sociais acarreta, porque afeta-nos financeiramente, fisicamente e emocionalmente”, defende Natasha Schüll.

Mas, apesar de toda a polémica em torno das violações da privacidade no Facebook durante o início deste ano, a verdade é que o número de utilizadores desta rede social aumentou 14% em relação ao ano passado e o lucro aumentou 49%, quando comparado com o do mesmo trimestre de 2017.

 

OCDE: 80% dos jovens portugueses dizem “sentir-se mal” quando não estão na Internet

Maio 20, 2018 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

thumbs web sapo io

Notícia do Sapo24 de 7 de maio de 2018.

Oito em cada dez adolescentes portugueses dizem “sentir-se mal” se não estiverem ligados à internet, uma percentagem só superada pelos franceses e suecos, segundo dados da OCDE sobre 31 países.

“Entre os países da OCDE tem havido um aumento do tempo que os estudantes passam online depois de um dia típico de aulas”, sublinha o estudo agora divulgado que aponta Portugal como tendo um “elevado número de jovens de 15 anos que reportam sentir-se mal se não estiverem ligados à Internet”.

Entre os rapazes a percentagem é de 79,4% e entre as raparigas é de 79,2%, segundo os dados relativos a 2015, que revelam que as adolescentes portuguesas são as que mais se ressentem, já que a percentagem de francesas e suecas é um pouco menor.

Entre os rapazes, mais de 80% dos suecos e dos franceses ressentem-se quando não estão online. No final da lista dos 31 países, surgem os jovens alemães, estónios e eslovacos, que rondam os 40%.

A média dos países da OCDE analisados ronda os 55%, com as raparigas a queixarem-se um pouco mais, segundo os dados do relatório que analisa a aplicação do Programa de Autonomia e Flexibilidade e Curricular (PAFC), que começou a ser aplicado em Portugal este ano letivo.

O relatório mostra também que os jovens passam cada vez mais tempo ligados, quando se comparam os dados de 2012 e 2015: Os jovens portugueses estavam ligados cerca de 100 minutos e passaram a estar cerca de 140 minutos, ficando abaixo da média da OCDE e em 9.º lugar dos que menos tempo passam ligados.

O relatório aponta ainda o aumento de alunos estrangeiros e lembra a importância da criação do “Perfil do Aluno”, que define o perfil que os estudantes devem alcançar até ao final da escolaridade obrigatória (12.º ano).

O relatório considera que o PAFC “realiza muitos objetivos práticos que estão ligados aos objetivos estabelecidos pelo perfil do aluno”, dando como exemplo o facto de o PAFC dar autonomia pedagógica às escolas que assim “podem projetar experiências de aprendizagem que estejam alinhadas com os objetivos do perfil do aluno”.

“Por exemplo, as escolas podem direcionar lições e práticas para falantes de português não nativos ou para estudantes em risco de abandono. Assim, o projeto aborda os principais objetivos da política, como equidade e retenção. Por se tratar de uma reforma ampla que está aberta a todas as escolas, também se empenha em apoiar a aprendizagem de alta qualidade para todos – não apenas as elites”, sublinha o relatório, que lembra que uma equipa da OCDE visitou as escolas envolvidas neste projeto.

O estudo recorda algumas das medidas que têm sido aplicadas pelo Ministério da Educação, como o programa nacional de promoção do sucesso escolar, a estratégia nacional para a cidadania ou o fim dos exames nacionais do 4.º e 6.º anos.

 

 

 

Os efeitos negativos da exposição precoce aos ecrãs nas crianças

Maio 19, 2018 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Kelly Sikkema on Unsplash

Notícia do Lifestylesapo de 8 de maio de 2018.

Ver televisão é um passatempo muito comum nas crianças mais pequenas. A excessiva exposição pode influenciar negativamente a saúde física e mental, revela um estudo.

As principais conclusões de um estudo da Universidade de Montreal, no Canadá, indicam que ver muita televisão precocemente (aos 2 anos de idade) está associado a riscos subsequentes na adolescência, como vir a ser obesa no futuro, ter hábitos alimentares pouco saudáveis e risco de “saltar” o pequeno-almoço, assim como ter problemas de socialização na escola.

O estudo da Universidade de Montreal foi realizado a cerca de duas mil crianças, nascidas entre 1997 e 1998. Os investigadores seguiram estas crianças desde os 5 meses de idade até completarem 13 anos. Quando fizeram 2 anos, os pais também foram revelando a quantidade de horas que passavam em frente à televisão.

As conclusões do estudo referem que a cada 1h13m que era adicionada ao tempo diário de ver televisão quando as crianças eram pequenas, estava associado a um aumento de 8% no risco de hábitos alimentares não saudáveis, 10% de deixar de tomar o pequeno-almoço aos fins de semana e uma diminuição de 4,7% na socialização na escola, já na adolescência.

As crianças que foram objeto deste estudo tornaram-se adolescentes com hábitos pouco saudáveis, como consumirem mais comida designada de “junk food” e registaram um maior índice de massa corporal.

Os hábitos de vida não afetam apenas o risco metabólico, mas também podem influenciar os resultados pessoais de sucesso, alerta ainda o estudo.

A ACADEMIA AMERICANA DE PEDIATRIA RECOMENDA:

– Para crianças dos 2 aos 5 anos, a recomendação dita uma hora por dia para programas televisivos com conteúdos de qualidade e adequados à idade da criança, e sempre com supervisão dos pais.

– Os pais de crianças de 6 anos devem impor limites sobre o tipo de conteúdos aos quais podem ter acesso e por quanto tempo, e garantir ainda que a tecnologia não interfe com as atividades físicas e qualidade do sono.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Prospective associations between toddler televiewing and subsequent lifestyle habits in adolescence

 

Aumentam as multas por venda de álcool a menores

Maio 15, 2018 às 9:00 am | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Gerardo Santos / Global Imagens

Notícia do Jornal de Notícias de 10 de maio de 2018.

Aumentam as multas por venda de álcool a menores

ASAE cobrou 1,3 milhões de euros em coimas desde 2016

Dependência Contraordenações em 2017 são quase o dobro do ano anterior. Sinalização de jovens diminuiu

Helena Teixeira da Silva

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) cobrou mais de um milhão de euros nos últimos dois anos e meio a estabelecimentos que violaram a lei de venda de bebidas alcoólicas a menores de idade.

Este valor, que tem registado um aumento progressivo, resulta de 1737 processos instaurados por contraordenação desde 2016. “Tendo em consideração os processos concluídos e as decisões proferidas, foi determinada a aplicação de coimas num valor que corresponde a 390 mil euros em 2016, 637 mil euros em 2017 e 291 mil euros relativos a processos decididos já em 2018”, informou fonte da ASAE ao JN.

O valor das contraordenações oscila entre 500 euros e 3740 euros, no caso de o infrator que facilitou a venda e o consumo ser uma pessoa singular. E entre 2500 euros e 30 mil euros, no caso de o infrator ser uma pessoa coletiva. Acresce que, no caso de a infração estar ancorada na ausência de aviso visível dando conta da proibição da venda, a contraordenação pode variar entre 500 e 1500 euros (pessoa singular) ou 1500 e 5500 euros (pessoa coletiva). Desse montante, 60% reverte para o Estado, 25% para a própria ASAE e 15% para a entidade fiscalizadora.

A legislação foi alterada em abril de 2015 (Decreto-Lei nº 106/2015), uniformizando a proibição da venda de todas as bebidas alcoólicas para jovens menores de 18 anos. No âmbito das competências de fiscalização relativamente a essa restrição ao consumo, a ASAE instaurou 167 processos de contraordenação em 2016, número de processos que aumentou em 2017 para 211. Já este ano, foram instaurados 27 processos.

As principais infrações detetadas foram “facultar, vender ou colocar à disposição bebidas alcoólicas em locais públicos, a menores e a falta de afixação de aviso de forma visível com a menção de proibição”.

Menos sinalizados em 2017

Três anos após a alteração à lei do álcool, os dados do Relatório de Avaliação da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos das Crianças (CPCI) são, pela primeira vez, positivos. Em 2017, as situações sinalizadas de jovens em risco desceram de 185 para 164. Contudo, no grupo etário entre os 15 e os 18 anos, que é o mais representativo, houve uma ligeira subida (de 121 para 123). Entre os 11 e os 14 anos, verificou-se uma descida acentuada (de 46 para 30).

Manuel Cardoso, subdiretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD), confirma que as metas resultantes da alteração da lei estão a ser atingidas. “Os jovens que dizem que é ‘fácil’ ou ‘muito fácil’ encontrar bebidas alcoólicas reduziu. E a idade de início do consumo aumentou”. O cenário estará estabilizado mas, alerta, “continua fixado em níveis muito elevados, sobretudo entre as raparigas, que são cada vez mais um foco de preocupação”.

O responsável lamenta que a sociedade ignore os malefícios do álcool. “Há uma complacência enorme para o consumo excessivo. E um grande desconhecimento das patologias agudas que provoca, mas sobretudo das doenças crónicas.” Basta pensar, diz, “que hoje encontramos cada vez pessoas mais jovens com cirrose hepática, que não há muito tempo era uma doença diagnosticada apenas em pessoas com mais de 50 anos”.

Pais devem ser o porto de abrigo. Pediatra alerta para a dependência dos jogos electrónicos.

Maio 10, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do Jornal de Leiria de 26 de abril de 2018.

Pediatra alerta para a dependência dos jogos electrónicos.
Sem informação sobre o aparecimento de novas drogas na urgência, o director da Pediatra do Centro Hospitalar  de Leiria sublinha que profissionais de saúde, educadores e pais têm de estar preocupados com “a dependência cada vez maior das crianças” dos jogos electrónicos e redes sociais.
“Permanecem horas e horas ligados, chegam a interromper o sono nocturno para iniciar a sua ‘activid ade social’, mas cada vez mais isolados dos amigos e em solidão, com todas as consequências que daí podem advir.”
Diminuição do rendimento escolar, passarem mais tempo fechados no quarto, evitarem fazer as refeições com a família, menos comunicativos, pensamento menos estruturado e parecerem mais tristes e ansiosos são alguns dos sintomas a que os pais devem estar atentos, assim como o aparecimento, sem causa aparente, de olhos vermelhos.
Bilhota Xavier acrescenta que não se deve ignorar quando descobrem que o filho fuma uns ‘charros’. “Os pais devem tentar perceber quais as razões que levaram ao consumo, qual o grupo de amigos em que se integra e que podem estimular esses consumos. Os pais não podem nunca deixar de ser o porto de abrigo dos seus filhos. A adolescência é uma fase difícil, em que o adolescente é habitualmente confrontado com mais opções do que aquelas que pode tomar, numa idade em que é mais apetecível agir que reflectir.”
Nestas idades “não é fácil ser assertivo” e “o prazer imediato está logo ali, a sensação de poder melhorar a imagem perante os seus e a vontade de se sentir mais velho”. Por outro lado, há também a “dificuldade de enfrentar a pressão para ser o melhor, cada vez mais estimulada em idades mais precoces”.
A legalização do haxixe continua a ser controversa e não existem consensos. “Mas não pode deixar de
preocupar que para se conseguir ultrapassar os medos, a baixa auto-estima ou a necessidade de afirmação, se tenha de enveredar pelos consumos de produtos, que não sabemos onde nos vão levar. No curto prazo, diminui reflexos e capacidade cognitiva. O consumo continuado pode provocar, no longo prazo, o isolamento e a depressão”, adverte.
Cristina Cardoso, responsável pelo CRI de Leiria, alerta para a quantidade de jovens medicados para a
hiperactividade e défice de atenção, “quando alguns são apenas desatentos e a procurar lidar com situações emocionais”.?

João Goulão, director-geral do SICAD Canábis é a droga mais popular

Quais as drogas mais consumidas entre os jovens menores?

A droga mais consumida é a canábis. Com valores bastante inferiores, o ecstasy e as anfetaminas.

Qual a idade média em que se iniciam os consumos? E com quem o fazem habitualmente?

Segundo III Inquérito Nacional ao Consumo da Substâncias Psicoactivas na População Geral –  Portugal, os consumos iniciam-se, com maior incidência, aos 16 anos e normalmente com o grupo de pares.

O número de jovens que consome drogas tem aumentado?

Os estudos mais recentes indiciam uma ligeira diminuição da prevalência dos consumos nalgumas substâncias e estagnação noutras.

Em relação a outros países da Europa, os jovens portugueses con- somem mais, menos ou idêntico?

Idêntico.

Quais as drogas mais populares entre os jovens?

Canábis e, com prevalências muito mais baixas, ecstasy e anfetaminas.

O que leva os jovens a iniciar os consumos?

Curiosidade, escape, “sentir-se bem”, relaxar.

Têm aparecido novas drogas? Quais?

Em termos dos estudos efectuados não. Apenas existem algumas novas variantes das denominadas novas substâncias psicoactivas (NSP).

O que mais preocupa o SICAD?

Continuar a monitorizar os dados relativos aos comportamentos aditivos e dependências, nomeadamente no tocante aos factores inerentes ao uso/abuso de drogas ilícitas, do álcool e de novos fenómenos emergentes das também denominadas dependências sem substâncias (jogo, internet, e dispositivos móveis). Para além disso, criar condições para a existência e para a qualidade de respostas no âmbito da prevenção, dissuasão, redução de riscos e minimização de danos, tratamento e reinserção.

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.