Apresentação da Plataforma PAJE – 11 de outubro em Coimbra

Setembro 27, 2016 às 1:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , ,

coimbra

Confirmação obrigatória até 10 de outubro para  iac-fcj@iacrianca.pt

mais informações sobre a plataforma:

https://www.facebook.com/PlataformadeApoioJovensExacolhidos/

http://www.paje.pt/index.html

Ação de Formação REFUGIADOS: COMO PREVENIR O TRAUMA – 6 outubro em Coimbra

Setembro 27, 2016 às 12:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , ,

refu

A participação nesta ação é gratuita, mas as inscrições são limitadas a 20 participantes. Inscrições até ao dia 30 de setembro.

mais informações no link:

http://www.caritas.pt/site/coimbra/index.php?option=com_content&view=article&id=4644%3Ainscricoes-abertas-acao-de-formacao-refugiados-como-prevenir-o-trauma-6-outubro&catid=83%3Aarquivo&Itemid=1

 

E se a sala de aula desse uma cambalhota?

Setembro 27, 2016 às 6:00 am | Na categoria A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , ,

texto do http://observador.pt/ de 13 de setembro de 2016.

getty-images

Marlene Carriço

Já ouviu falar da sala de aula invertida? Em Portugal quatro escolas já aplicaram este método de ensino. O Observador falou com o diretor de uma delas e com um dos pioneiros da “flipped classroom”.

Imagine uma sala de aula que, em vez de ter um professor a debitar a matéria durante 45 ou 90 minutos, tem um professor a esclarecer dúvidas e a promover um espaço de discussão entre os alunos. Imagine um aluno que, em vez de ir para casa fazer trabalhos de casa, vai assistir a vídeos, gravados pelo professor, com a matéria que é suposto ir aprendendo ao longo do ano. Vídeos curtos, onde o professor se grava a dar uma aula, explicando a matéria no quadro, ou simplesmente faz a locução por cima de um conjunto de slides com matéria ou explicando exercícios. Isto não é ficção. É uma realidade em muitas escolas por esse mundo fora e até já chegou a Portugal.

O conceito da flipped classroom (sala de aula invertida) foi aplicado em quatro turmas de quatro escolas portuguesas entre 2013 e 2015 — Colégio Monte Flor (Carnaxide), Escola Secundária Quinta do Marquês (Oeiras), Agrupamento de Escolas de Monte da Lua (Sintra) e Agrupamento de Escolas do Freixo (Freixo) — e semeou a mudança.

“As atividades ‘fazer’ e ‘planificar’ são normalmente executadas fora do espaço da sala de aula, enquanto as atividades ‘perguntar’ e ‘mostrar’ são na sala de aula. Estamos pois numa atividade de sala de aula invertida, onde aos alunos é dada alguma autonomia para procurar informação e planificar o seu trabalho. A aula deixa de ser expositiva, centrada no professor”, resume fonte oficial do Ministério da Educação.”

No caso do Agrupamento de Escolas do Freixo o modelo “puro” de sala de aula invertida — teoria aprendida através de vídeo em casa e dúvidas e discussão dentro da sala — caiu com o fim daquele projeto bianual, em 2015, “porque nem todos os alunos assistiam aos vídeos em casa”, apesar de a escola ter distribuído computadores a quem não tinha. “Mas aprendemos imenso e há turmas que continuam a ter aulas nessa linha, ou seja, com espaço de discussão, em que os alunos levam para a sala aquilo que aprenderam fora”, disse ao Observador Luís Fernandes, diretor do Agrupamento do Freixo. E esse “fora” pode ser na sala de apoio virtual em que professor, alunos e pais podem participar, e onde encontram vídeos explicativos, textos de apoio e sugestões e podem realizar exercícios sozinhos ou com a ajuda dos colegas em rede.

Neste ano letivo, que está a começar, um novo projeto (Co-Lab — Collaborative Educational Lab), que vai envolver em Portugal mais de 300 professores em cerca de 50 escolas, também terá uma vertente baseada neste método de ensino invertido.

“Muitos alunos disseram: ‘Finalmente alguém que ensina como nós aprendemos’”

As flipped classrooms ganharam forma em 2007, no Colorado, Estados Unidos, quando o professor de Química Jonathan Bergman e outro colega procuravam uma solução para ajudar os alunos que faltavam às aulas por estarem doentes. Jon Bergman não gosta de ser chamado de criador das flipped classrooms, diz antes ser “um dos pioneiros” e, em entrevista por escrito ao Observador, explica como funciona o modelo.

O que é uma “sala de aula invertida”? E como funciona?

A aprendizagem invertida é, na sua essência, uma ideia bastante simples. Os alunos interagem com o material introdutório em casa antes de virem para a aula. Normalmente, fazem-no através da visualização de um vídeo criado pelo professor. Esse vídeo visto em casa substitui a instrução direta, que é muitas vezes referida como uma palestra, na aula. E o tempo em aula é adaptado e aproveitado para uma variedade de tarefas, tais como projetos, investigação, debate ou simplesmente para trabalhar em aula tarefas que eram enviadas para casa no velho paradigma.

Quanto tempo têm essas lições em vídeo?

Eu recomendo aos professores que façam vídeos curtos. Entre dois a 15 minutos, dependendo da idade dos alunos. E, de acordo com o último inquérito que fiz a 2.400 estudantes para escrever um novo livro (Trabalhos para Casa e Aprendizagem Invertida), percebi que a maioria dos professores faz vídeos com uma duração até 15 minutos.

Como é que esta ideia foi recebida pelos alunos?

Os estudantes adaptaram-se ao modelo muito bem, como nativos digitais que são. Muitos disseram: “Finalmente alguém que ensina como nós aprendemos”.

Como pode ter certeza que os estudantes assistem às aulas em casa?

Tivemos alguns alunos que não assistiam aos vídeos em casa e depois chegavam às aulas e tinham de ver os vídeos enquanto os colegas trabalhavam com os professores. Esses alunos depois levavam os trabalhos da sala de aula para casa e não podiam contar com a nossa ajuda. Rapidamente perceberam que seria melhor e mais fácil para eles fazerem o trabalho de casa, ou seja, assistir aos vídeos. Mas esse problema não é assim tão grande quanto se possa pensar. E olhe que eu vi este modelo funcionar em todo o mundo.

Que resultados notou quando implementou este novo modelo de aprendizagem? Os alunos aprendiam mais e melhor?

Os resultados melhoraram, mas, mais do que os resultados nos testes, nós percebemos que eles começaram a perceber ciência. E estes resultados têm sido replicados milhares de vezes em todo o Mundo. Tenho visto a sala de aula invertida a funcionar em todo o tipo de disciplinas (matemática, ciências, inglês, literatura, línguas, história, educação física, arte, entre outras) e em todos os níveis de ensino (primário, básico, secundário e universitário).

Mas este modelo de aulas pode aumentar as desigualdades, não? O que acontece aos estudantes que não têm computadores ou internet em casa?

Em 2007, 30% dos nossos estudantes não tinham internet. Nós gravámos os vídeos em DVD e os estudantes viam-nos na televisão. Alguns compraram iPod e nós fazíamos o download dos vídeos para esses alunos. A falta de tecnologia acabou por se revelar uma não-questão. Mesmo as escolas mais pobres têm sido criativas e têm inventado maneiras de garantir o acesso aos seus alunos.

Este modelo implica que os professores trabalhem mais horas, certo? É fácil convencer os professores a aderirem?

O meu papel aqui é quase o de evangelizador das aulas invertidas. Os professores precisam de ser convencidos de que vale a pena o tempo investido na transformação. Dá muito trabalho, mas eu dou força aos professores para olharem para os benefícios da inversão da aprendizagem e milhares em todo o mundo aceitaram o desafio.

Quantas escolas praticam o modelo da sala de aula invertida? E em que países?

O modelo está a ser aplicado um pouco por todo o mundo — Tailândia, Singapura, Suécia, Noruega, Espanha, Itália.

 

 

Bullying em alunos com NEE (necessidades educativas especiais)

Setembro 26, 2016 às 8:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

texto do site http://uptokids.pt/ de 13 de setembro de 2016.

bullying

O bullying é um fenómeno preocupante, cada vez mais frequente no meio escolar. O bullying define-se como todos os comportamentos agressivos (físicos e/ou verbais) de intimidação, aplicados de forma regular e frequente, traduzindo-se em práticas violentas exercidas por um indivíduo ou por pequenos grupos (Costa, 1995).

Sabe-se que, os alunos com deficiência e/ou NEE, são menos aceites que os seus colegas, e são mais suscetíveis de sofrer de bullying, devido às suas limitações tanto físicas como mentais.

Habitualmente, os alunos com NEE que sofrem de bullying não o partilham com os adultos, contudo existem alguns sintomas presentes nas vítimas de bullying aos quais se poderá estar atento: enurese noturna, alterações do sono, cefaleia, desmaios, vómitos, paralisias, hiperventilação, queixas visuais, síndrome do cólon irritável, anorexia, bulimia, isolamento, tentativas de suicídio, irritabilidade, agressividade, ansiedade, perda de memória, depressão, pânico, relatos de medo, resistência em ir à escola, insegurança por estar na escola, mau rendimento escolar e autoagressão.

O conceito de Escola Inclusiva, tem como objetivo perspetivar a criança/adolescente como um tudo, ou seja, tendo em conta o seu ritmo de aprendizagem escolar, desenvolvimento pessoal, social e emocional, de forma a que também tenha acesso ao ensino, de acordo com a suas competências e capacidades (Correia, 2008).

LER TAMBÉM Receber um aluno com deficiencia na sala de aula não significa inclusão

Apesar da redefinição do conceito de NEE com a Declaração de Salamanca e de se terem verificado benefícios para estes alunos, como a melhoria do seu comportamento pró-social, auto-estima, autoconceito e também o sucesso académico, têm-se verificado igualmente algumas barreiras na aplicação de uma Escola Inclusiva. Nomeadamente, a falta de competência dos professores em relação aos alunos com NEE, falta de tempo, valorização excessiva nos resultados académicos, falta de iniciativas de interações sociais e o bullying.

De acordo com a minha experiência profissional enquanto Psicóloga Clínica numa Equipa CRI, tenho vindo a constatar a frequência de fenómenos de bullying junto de alunos com NEE, e a sua influência nas relações interpessoais e aproveitamento/motivação escolares. São alunos com poucos recursos ao nível das competências sociais, pessoais e emocionais, tornando-se urgente o acompanhamento e/ou uma atuação preventiva, de forma a estimular o treino destas competências e torná-los mais autónomos e integrados socialmente. Tal poderá ser trabalhado através da aplicação de projetos de desenvolvimento de competências sociais, pessoais e emocional, ao nível individual e/ou grupal.

É importante que o meio escolar não tenha apenas como foco principal o aproveitamento escolar do aluno, mas também estar atento à sua conduta social e relacionamentos interpessoais, uma vez que o estabelecimento de amizades nos alunos com NEE, contribuem para o desenvolvimento interpessoal e emocional (auto-estima e auto-conceito).

O Bullying tem implicações não só em toda a comunidade escolar, como também nos alunos e seus familiares, neste sentido, torna-se essencial uma abordagem multidisciplinar, mobilizando todos os agentes educativos para uma resolução mais eficaz.

Os profissionais de saúde são agentes fundamentais, estes devem clarificar o impacto do bullying nas crianças/adolescentes e escolas, promovendo ambientes de amizade, respeito face à diversidade e de solidariedade.

Também os auxiliares de ação educativa e alunos, devem ser sensibilizados a supervisionar e intervir nas situações de bullying. Sendo conhecido os benefícios da amizade nos alunos NEE, é importante sensibilizar/estimular o aluno a estabelecer relações com um colega ou colegas com quem se sinta bem e aceite.

Para prevenção de futuros incidentes, podem ser trabalhadas junto dos alunos algumas estratégias como forma de proteção; Ignorar os apelidos; fazer amizades com colegas não agressivos; evitar locais de maior risco; informar professores ou funcionários sobre o bullying sofrido.

Por último, podem ser aplicadas técnicas de dramatização e ou grupos de apoio, para os alunos adquiram estratégias para lidar com as diferentes situações.

A Escola Inclusiva não deve apenas ser visto como um conceito ou utopia, é importante que seja trabalhada continuamente e concretizada. O bullying apresenta-se como uma das suas principais barreiras pelo que deverão ser tomadas medidas urgentes de forma a prevenir, eliminar ou diminuir a sua frequência. Tornemos a escola um espaço saudável e seguro, que aceite e se adapte a todas as diferenças contribuindo para o desenvolvimento de futuros cidadãos, responsáveis e autónomos.

Por Telma Santos, Psicóloga Clínica, para Up To Kids®

 

 

Obsessão em medicar crianças para estarem mais atentas e sossegadas preocupa CNE

Setembro 26, 2016 às 12:00 pm | Na categoria Relatório | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia da http://sicnoticias.sapo.pt/ de 24 de setembro de 2016.

O relatório citado na notícia é o seguinte:

Estado da Educação 2015

A obsessão em ter as crianças mais atentas e sossegadas, com recurso a substâncias químicas, poderá representar um condicionamento irreversível do seu desenvolvimento cognitivo e social que nenhum medicamento poderá recuperar, alerta o Conselho Nacional de Educação (CNE).

No relatório “Estado da Educação 2015”, hoje divulgado, o presidente do CNE, David Justino, escreve que se tornou preocupante o consumo de substâncias estimulantes do sistema nervoso central, especialmente as orientadas para a superação de “supostos problemas” de hiperatividade e défice de atenção.

“O recurso cada vez mais generalizado ao metilfenidato (princípio ativo da designação comercial de Ritalina) reflete um problema que não deverá ser menosprezado”, adverte o ex-ministro da Educação na apresentação do documento.

O investigador refere a venda de quase 300.000 embalagens deste medicamento, em 2014 (dados do Infarmed), para defender uma reflexão por parte dos pais, dos professores, dos profissionais de saúde e dos decisores políticos sobre as razões de “tão rápido crescimento do consumo” e sobre os efeitos que o abuso destas substâncias pode ter no desenvolvimento geral das crianças.

O CNE recorreu também a dados da Direção-Geral de Saúde para mostrar que o consumo destes medicamentos passou de 2.937.039 doses diárias em 2009 para 6.515.293 em 2013 (considerando os fármacos comparticipados e dispensados à população em regime de ambulatório).

De acordo com o relatório Saúde Mental em Números 2015, as crianças portuguesas até aos 14 anos estão a consumir mais de cinco milhões de doses diárias de metilfenidato.

O investigador nota, por outro lado, uma “assinalável tendência” para a diminuição do consumo de substâncias aditivas: “Há uma clara redução dos que reconhecem ter experimentado o consumo de tabaco e cannabis e uma tendência positiva dos que afirmam não consumir”.

Os resultados apurados por este estudo relativamente às bebidas alcoólicas referem uma situação menos favorável, “ainda que a tendência seja para diminuir”.

No que diz respeito ao ensino superior, o presidente do CNE assinala que há alunos e oportunidades a menos e que um dos problemas que se coloca na internacionalização das instituições é “a escassa especialização”.

“As ofertas generalistas de caráter tradicional tendem a dominar, face ao desejável desenvolvimento de núcleos de ensino e investigação especializados em domínios onde as instituições portuguesas possam ser reconhecidas e com capacidade para competir com as suas congéneres estrangeiras”, observa.

David Justino refere também que os indicadores de produção científica “continuam a ser moderados” quando comparados com os de países de idêntico nível de desenvolvimento económico e social.

“O facto de possuirmos alguns centros de excelência, não consegue esconder que a maioria não ultrapassa a mediania, bem como a irremediável tendência para paroquialização e enquistamento das equipas e das instituições de investigação científica”, critica o presidente do CNE.

O documento, de 300 páginas, é editado anualmente pelo CNE.

Lusa

 

 

2º Congresso Intermunicipal sobre Proteção de Crianças e Jovens – 6 e 7 de outubro de 2016 em Vila Nova de Famalicão

Setembro 26, 2016 às 10:00 am | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , ,

artes

mais informações no link:

http://2cipcj.wixsite.com/2016

Corrida Pirilampo Mágico – 5 de outubro de 2016 em Belém

Setembro 26, 2016 às 6:00 am | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

13886365_643619562453600_3750109483354207918_n

mais informações:

http://www.fenacerci.pt/web/

E quando um aluno te cospe na cara?

Setembro 25, 2016 às 1:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

Crónica de João André Costa publicada no http://p3.publico.pt/ de 12 de setembro de 2016.

Quando o aluno nos chama um nome ou ameaça, por alguma razão há-de ser. E não, ninguém pode mudar o mundo sozinho

Texto de João André Costa

“Ai filho, e lá em Inglaterra, conta-me lá, não dás aulas numa daquelas escolas de malucos, onde os alunos são todos mal-educados, pois não?“ e eu, sem querer preocupar a minha tia, a dizer que não, não há problema nenhum e, claro, todos nós temos os nossos dias, rapidamente procurando dar um tiro na conversa enquanto, sobre os bicos dos pés, esticava os braços e todo o corpo na direcção de um outro assunto qualquer na prateleira de uma tarde demasiado longa, como são todas as tardes quando se vai visitar um familiar distante sem já se saber muito bem porquê.

Mas sim, lá em Inglaterra eu dou aulas “numa daquelas escolas de malucos“. Aliás, se hoje aqui escrevo é, precisamente, por de há nove anos para cá outra coisa não fazer para além de trabalhar em “escolas de malucos“ um pouco por toda a cidade de Londres. E não, tia, não são os alunos quem são malucos, mas os pais, e as crianças outra culpa não têm senão a de serem crianças num mundo cada vez mais desigual, monoparental, desestruturado, onde o apoio social é retirado ano após ano sem que por isso venha a promessa de um emprego, assim deixando famílias e crianças cada vez mais entregues a si mesmas, sendo a minha “escola de malucos“ o último reduto onde os professores ainda têm tempo para as ouvir, vestir e alimentar.

Infelizmente, como conseguirei eu explicar isto à minha tia quando, pela manhã, ao invés de um cordial “Good morning“ sou prontamente saudado por um glorioso “Fuck off“ a cada aluno que passa pelo portão, sinal de que está tudo bem, o aluno veio à escola ao invés de ficar em casa a levar porrada dos pais ou a fumar umas ervas maradas, e se calhar o “maluco“ sou eu enquanto sacudo os insultos dos ombros e, cordialmente, respondo “Good morning“, obrigado por vires (traduzido do inglês), já sabes onde é a tua aula?, e amanhã, achas que consegues vir mais cedo?

A causa da indisciplina é social e ninguém nasce mau, antes pelo contrário, a nossa fragilidade à nascença não é senão um mecanismo inato para suscitar nos outros, os nossos semelhantes, o acto de cuidar e proteger. Portanto, quando o aluno nos chama um nome ou ameaça, por alguma razão há-de ser. E não, ninguém pode mudar o mundo sozinho, e muito menos o mundo destas crianças no qual a falta crónica de auto estima é, tantas vezes, a raiz de todos os seus problemas, cabendo-nos a titânica tarefa de abrir uma janela, por mais pequena que seja, num planeta onde as portas se fecharam há já muito tempo.

Por isso a importância do trabalho interdisciplinar, onde elementos da Segurança Social, Polícia, organizações de apoio social e de combate à toxicodependência, entre tantos outros, unem esforços e coordenam estratégias para, todos juntos, salvarem o mundo, uma criança de cada vez. Um estudo recente, de seu nome “As preocupações e as motivações dos professores”, conduzido pela Fundação Manuel Leão, conclui como a indisciplina na sala de aula é o maior problema para os professores em Portugal.

Se a isto juntarmos menos autonomia e poder de decisão, mais trabalho, menos prestígio e a não valorização do trabalho dos professores da parte do Ministério da Educação, então estamos perante uma classe cuja crónica falta de auto estima é, também, a raiz de todos os seus problemas. Ora, em Portugal eu nunca ouvi um “obrigado“ ou um “por favor“. Em vez disso fui sempre recebido com um “Olha, faz isto“, “Dá-me aquilo“ ou “Vai ali“, sendo o sorriso dos alunos muitas vezes o único farol no meio da tempestade de ideias de quem apenas procura fazer um trabalho bem. Em Inglaterra, ao contrário, por tudo e por nada há sempre um “Please“ prontamente seguido de um “Thank you“. Em Inglaterra, nos cafés e restaurantes, nos transportes ou nas ruas, é corriqueiro ouvirmos grupos de professores a discutirem calorosamente a mesma paixão de uma profissão que ainda prende os professores em Portugal.

Em Inglaterra, da última vez que o Governo tentou mexer nos direitos dos professores fomos 500000 na rua. Para o bem e para o mal, com ou sem indisciplina, insultos, ameaças e agressões, sinto-me apoiado, gosto do que faço e não tenho intenções de mudar. Porque quando um aluno nos cospe na cara ou nos bate no estômago existe toda uma rede de apoio ao redor do professor, mas também da criança.

A indisciplina é, de facto, um problema social desde a nascente do berro de um pai ou do desemprego de uma mãe até à foz de um professor dramaticamente só. E em Portugal os professores não têm um problema, têm muitos, e enquanto não forem devidamente apoiados e valorizados a indisciplina continuará a morar em todas as salas de aula do país. Entretanto já tenho feito o convite a muitos colegas de profissão para virem leccionar em Inglaterra, ainda para mais agora que o Brexit se arrisca a fechar todas as portas. Resposta: “O quê, e trabalhar com o horário completo e sem redução até à reforma? Ó colega, não obrigado!“

 

 

40% do alunos que terminam o ensino secundário não prosseguem estudos

Setembro 24, 2016 às 5:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do http://observador.pt/ de 11 de setembro de 2016.

afp-getty-images

Marlene Carriço

São os alunos que concluem o 12.º pela via profissional que mais ficam pelo caminho. Governo está a estudar maneiras de “evoluir no ingresso no ensino superior”. Cursos técnicos superiores são aposta.

Mais de 25 mil estudantes que terminaram o ensino secundário no ano 2013/14, não prosseguiram com os estudos. Feitas as contas, isso representa 40% dos 62.923 que concluíram o 12.º ano, de acordo com o estudo “Transição entre o secundário e o superior”, divulgado este domingo pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC).

Os números preocupam a equipa de Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, que, num encontro com jornalistas, na passada sexta-feira, afirmou que “o pior que pode acontecer é não estarmos a educar mais jovens com 18 anos”.

Cerca de 20 mil jovens que terminam o ensino secundário não estão a ingressar no ensino superior. No público adulto, entre os 25 e os 30 anos, de acordo com a DGEEC, há 200.000 pessoas com o 12.º ano que nunca tiveram oportunidade de ingressar no ensino superior”, declarou.

E olhando mais a fundo, percebe-se que o grande problema está nos alunos que concluem o ensino secundário pela via profissional. É neste segmento que se observa uma maior taxa de jovens que pararam de estudar: 82% dos 22.845 jovens que concluíram o 12.º ano em 2013/14 não foram encontrados a estudar em nenhuma via de ensino no ano seguinte. Esta taxa compara com os apenas 16% de estudantes da via científico-humanística que terminaram o seu percurso de estudos no 12.º ano, como pode observar no gráfico que se segue. Passando o ponteiro por cima da imagem poderá verificar quais as percentagens de alunos que prosseguiram uma ou outra via.

E muitos fatores podem explicar esta realidade, como o próprio estudo elenca. Desde logo, os alunos que enveredam pelo profissional no secundário têm, em regra, um histórico de notas mais baixas ou até chumbos. Depois, o concurso nacional de acesso ao ensino superior usa critérios de seleção adaptados à formação dos alunos que frequentam a via científico-humanística no ensino secundário, ou seja, as provas de ingresso coincidem com os exames nacional que avaliam conteúdos específicos destes cursos e não dos cursos profissionais. E a juntar a tudo isto, o ensino superior tem estado “muito afastado do ensino profissional”.

Precisamente para corrigir alguns destes pontos, o Governo está a estudar “alterações ao regime de acesso ao ensino superior, designadamente as que se referem às condições de ingresso dos estudantes com um curso secundário profissional ou artístico especializado nos cursos de licenciatura e integrados de mestrado”.

O ministro esclareceu, porém, que não existe “nenhum compromisso em alterar o regime geral de acesso”, até porque é “algo que só deve ser tocado com grande consenso da sociedade portuguesa”. Por isso mesmo o relatório que resultar deste grupo de trabalho, até ao final de setembro, será posto à discussão e “só depois tomaremos decisões”.

Além disso, este Ministério vai apostar nos cursos técnicos superiores, criados pelo anterior Governo, que são formações de nível superior de dois anos, que não conferem grau.

“O que sabemos é que as formações curtas podem ser uma via facilitada para estimular os jovens que optaram por vias profissionalizantes a ingressarem no ensino superior. E por isso criámos um grupo de trabalho para estudar formas de evoluir no ingresso no ensino superior. No ideal queremos um ensino superior aberto e diversificado, que estimule a mobilidade social. As formações curtas são uma vida, mas não a única para estes estudantes”, afirmou o ministro Manuel Heitor.

Neste ano letivo que agora vai iniciar vão abrir 580 cursos diferentes, com uma capacidade para receber 18.193 alunos em 98 localidades distintas. As instituições superiores públicas (institutos politécnicos e unidades de ensino politécnico dentro de universidades) estimam vir a receber 7.409 novos alunos por esta via.

Habilitações da mãe são mais determinantes do que nível de rendimentos da família

Estes dados revelam assim que a modalidade de ensino secundário que é escolhida pelos alunos influencia muito o prosseguimento de estudos e ainda mais do que o fator socioeconómico porque filhos de mães com habilitações superiores que escolham a via profissional no secundário têm menos probabilidade de aceder ao ensino superior do que filhos de mães sem habilitações que escolham cursos científico-humanísticos.

De facto, todo os grupos de alunos provenientes dos cursos científico-humanísticos (mesmo os grupos com indicadores de contexto mais desfavoráveis) têm, em média, taxas de prosseguimento de estudos acima das taxas dos grupos provenientes dos cursos profissionais (mesmo os alunos dos profissionais com indicadores de contexto mais favoráveis) “, lê-se no estudo apresentado pela Direção Geral de Estatísticas da Educação e Ciência.

Mas nem por isso o fator socioeconómico deixa de pesar nesta transição. É mais do que certo e sabido, por vários estudos que vão sendo publicados e até pelo senso comum, que alunos vindos de famílias com um contexto socioeconómico favorável têm à partida maior sucesso escolar e estudam mais anos.

Neste estudo, os investigadores desagregaram duas variáveis desse contexto — o escalão do apoio social escolar e as habilitações da mãe. E chegaram à conclusão que, “embora elas estejam correlacionadas entre si, a habilitação da mãe parece ter um efeito maior nas taxas de prosseguimento de estudos do que o escalão do apoio da ação social escolar”. É que “quando as famílias têm habilitações elevadas mais dificilmente aceitam que os seus filhos deem por terminados os estudos no final do secundário”, além de que incutem uma cultura de maior valorização do estudo e dão mais apoio escolar.

Ser público ou privado, ser rapaz ou rapariga pouco conta

Mais surpreendente pode ser o facto de não ter muita influência no prosseguimento de estudos a escola de onde se veio. Ou seja, ser ensino público ou privado pesa pouco na hora de o aluno optar por continuar a estudar no ensino superior ou não. Para os alunos diplomados em 2013/14 pela via científico-humanística, a taxa de prosseguimento de estudos em 2014/15 era de 84%, independentemente de terem frequentado colégios privados ou escolas públicas.

Assim como também tem “relativamente pouca influência” ser homem ou mulher. Isto é: olhando para os alunos que saem do ensino secundário, sem fazer distinções de vias de estudos, há mais mulheres a prosseguirem estudos superiores, mas isso é porque as mulheres estão sobre representadas nos cursos científico-humanísticos. Se isolarmos os alunos da via científico-humanística e da via profissional, “a probabilidade de prosseguimento de estudos é praticamente igual para mulheres e homens, até com ligeira vantagem para os homens no caso dos profissionais”, lê-se no estudo agora apresentado.

É em Coimbra que mais alunos prosseguem estudos

Fazendo um raio-X ao país, esta análise permite perceber que a maior percentagem de alunos que prosseguem os estudos depois de concluir o ensino secundário, na modalidade de científico-humanísticas, regista-se no distrito de Coimbra – 93% dos alunos estava a estudar um ano depois de ter terminado o 12.º ano. No canto oposto, está Faro onde a percentagem não ia, em 2014/15, além dos 78%, muito abaixo de Coimbra e bem abaixo da média de Portugal Continental (84%).

Desviando o olhar para os alunos que concluem o 12.º pela via profissional, “as assimetrias regionais são ainda mais marcadas”. Bragança destaca-se como o distrito em que mais alunos, vindos desta via, prosseguem estudos – 34%, o triplo dos estudantes que seguem esse caminho em Beja (apenas 10%). A média nacional ronda os 18%.

 

 

Regresso às aulas: como lidar com a ansiedade das crianças?

Setembro 24, 2016 às 1:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do http://www.noticiasmagazine.pt/ de 11 de setembro de 2016.

nm

Por: Isaltina Padrão

Para algumas crianças, regressar à escola pode ser um pesadelo.

O seu filho já anda impaciente? E a dormir mal? Com a aproximação do início do ano letivo vem a ansiedade de quem passou três meses com a família, longe de colegas e professores. Se na maioria dos casos as crianças apresentam uma inquietação normal por regressarem à escola e mostrarem a roupa nova e os materiais acabados de comprar, outras chegam a ficar «doentes» só de pensarem em voltar à rotina.

Muito ativo e desorganizado, com uma forte imaginação, não foi nada fácil para Carlos, de 6 anos, ingressar no 1º ano. Todas as manhãs pedia aos pais para não o levarem à escola. Ia, tinha de ir. Mas, uma vez lá, desestabilizava a turma com constantes brincadeiras. Após várias repreensões, foi colocado na última fila para não perturbar tanto. Foi ficando sozinho e era dado como um mau exemplo de aluno. No recreio tornou-se agressivo e era permanentemente gozado. «Nunca vou ser bom em nada» passou a ser uma frase constante. E ia entristecendo.

Este é um de vários casos – felizmente, são a minoria – em que a escola não é apelativa para a criança. Professores, psicólogos e outros especialistas são de opinião de que um trabalho conjunto entre a escola e a família ajuda a superar esta aversão que, geralmente, se dissipa por si mesma com a habituação à nova realidade. «Todas as mudanças implicam ansiedade, devido ao medo do desconhecido subjacente a cada transição», diz Teresa Andrade, psicóloga e professora no Instituto Superior de Saúde Egas Moniz.

«Na transição para o 1º ciclo, são várias as mudanças e ainda mais as expetativas. Transitar de um lugar maioritariamente de brincadeira – a creche ou o convívio com os avós – para um de maior trabalho estruturado pode criar dificuldades e desafios, dependendo da personalidade, da maturidade e de caraterísticas específicas de cada criança.»

Assim, crianças mais calmas, com níveis mais elevados de atenção e concentração, obedientes e organizadas, com um desenvolvimento cognitivo e emocional saudáveis, são, na opinião dos especialistas, as que acabam por se adaptar mais facilmente a esta e a qualquer outra etapa da vida.

No entanto, Susana Algarvio, psicoterapeuta e professora no Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sublinha o facto de a ansiedade do início do ano letivo ser normal, «independentemente dos resultados escolares». «Há bons alunos que se sentem ansiosos perante um novo desafio, assim como há alunos com histórias de insucesso escolar que sentem o mesmo tipo de ansiedade.» Mas a ansiedade excessiva pode gerar «comportamentos de evitamento, que podem, em casos extremos, conduzir a fobias». E é isso que deve ser evitado a todo o custo, para o bem-estar da criança.

Conheça os sintomas da ansiedade pré-escolar.

«No meu tempo é que era.» Não diga isso ao seu filho

Irritabilidade, pesadelos, perturbações do sono e alimentares, como perda de apetite ou comer em excesso, ou ainda o medo de não se lembrar das aprendizagens escolares, são alguns dos sintomas inerentes à mudança e reações frequentes perante marcos importantes como a entrada para o 1º ciclo do ensino básico – um alicerce que poderá ser determinante no adulto em que a criança se tornará. Caso os sintomas persistam, os pais devem procurar ajuda especializada. Em primeiro lugar, o problema deve ser exposto aos professores, que deverão conduzir a família para uma consulta de psicologia de forma a identificar o problema e tentar resolvê-lo.

Em alguns casos, a adaptação torna-se um processo mais difícil, que se prende fundamentalmente com o tipo de relação estabelecida entre cuidador e criança e que acaba por fragilizar esse mesmo processo. É aqui que, segundo Susana Algarvio, «os pais são uma peça-chave na adaptação da criança». Para esta psicoterapeuta, os sintomas são, regra geral, passageiros se os pais apresentarem a escola como uma etapa positiva na vida dos filhos. O que nem sempre acontece.

«Os pais podem reforçar negativamente a ansiedade das crianças ao apresentarem a escola como algo repressivo e castigador, dizendo coisas como “quando fores para a escola já não vais poder fazer isto ou aquilo”, esperando que a instituição e o professor os substituam na educação dos seus filhos, mostrando-se demasiado ansiosos relativamente à relação com as outras crianças, ou fazendo comparações com outros filhos ou outras crianças membros da família.»

Outro erro frequente é a comparação com outros tempos. Afinal, estes problemas de adaptação ao meio escolar são exclusivos da vida moderna? São, pelo menos, mais acentuados. E a razão é simples, defende Ana (nome fictício), professora da Escola EB1 Padre Andrade (agrupamento de escolas Frei Gonçalo de Azevedo), em São Domingos de Rana, Cascais. «Hoje os pais não têm tempo de qualidade para os filhos e estes acabam por ficar demasiado tempo na escola e pouco em casa. Sente-se que não existem relações/ligações familiares profundas e consistentes. Não há tempo de “rua” para brincar, as novas tecnologias também acabam por isolar e afastar não só as crianças entre si, mas também da própria família. Todos estes e outros fatores conjugados acabam por transformar as crianças em seres mais carentes emocional e afetivamente, o que irá ter impacto na sua forma de estar na escola.»

Pedir ajuda quando for necessário

Cada indivíduo tem caraterísticas únicas. A experiência de 21 anos com alunos do ensino básico diz a Ana que «cada educador da escola age e reage perante determinada situação em função da personalidade, da maturidade e da experiência ou criança. Mas há um esforço conjunto para entender e ajudar essas crianças, independentemente de ser ou não o professor titular do aluno.» Para facilitar a integração (dos alunos mas também dos pais) neste novo mundo que se abre, é imprescindível a interação da comunidade educativa – professores, pais, psicólogos e alunos. Todos têm uma palavra a dizer ou dão sinais daquilo que sentem. No caso das crianças, muitas vezes é necessário descodificar as suas atitudes em relação à escola. Susana Algarvio defende que «as crianças devem ser informadas sobre aquilo que as espera: um professor com quem irão aprender, a quem deverão respeitar, que esclarecerá as suas dúvidas e que as ajudará a ultrapassar as suas dificuldades ». No fundo, falar previamente sobre aquela pessoa e que é alguém em quem podem confiar.

Tão ou mais importante do que dizer «vais aprender a ler e a escrever» é explicar aos filhos que a escola é um lugar seguro, onde irá fazer desenhos e encontrar novos amigos com quem brincar. E como esta é uma fase em que os pais também estão a aprender, as suas preocupações devem ser sempre tomadas em consideração por aqueles que são mais experientes em arranques de anos letivos. As preocupações, dúvidas ou reservas dos encarregados de educação, segundo Susana Algarvio, «nunca devem ser desvalorizadas pelos professores ou por outros técnicos. Os pais devem ser sempre esclarecidos sobre as questões que põem porque a sua adaptação a esta nova etapa dos filhos condicionará a adaptação destes, sobretudo nos primeiros níveis de ensino».

Também os professores, por mais experientes que sejam, têm dúvidas e dificuldades em lidar com algumas situações. Os psicólogos em ambiente escolar (e não só) podem ajudar nessa tarefa de procurar entender os porquês de crianças e pais, no sentido de lhes fornecer ferramentas para entrar com o pé direito no novo ano letivo.

A ESCOLA TAMBÉM TEM DE SE ADAPTAR

As crianças não são todas iguais, defende Teresa Andrade. Para esta psicóloga, algumas, como Carlos (ver texto), não se encaixam no padrão de ensino vigente e há que ajudá-las na integração escolar de uma forma apelativa. Estamos perante alunos que «só a muito custo suportam as horas que lhes pedem que estejam sentados, calados e sossegados».

Infelizmente, muitos pais tendem a pensar que os seus filhos têm algo de errado «porque não conseguem ser iguais às outras crianças». Nada disso. Os meninos são todos diferentes e cada um requer uma maneira de ensinar diferente. Aqui entram os encarregados de educação, no papel de educadores. «Os pais podem complementar o ensino com outras atividades de aprendizagem que agradem mais à sua criança», diz a psicóloga, dando exemplos de como cativar a atenção dos filhos para as matérias escolares. Tal pode ser feito através «de jogos, passeios, aprender com os mais velhos a fazer coisas estimulantes, aprender matemática com a natureza ou a ler e escrever fazendo a criança inventar uma história que ela própria vai escrevendo».

 

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.