Prémio Junceda Ibèria para André Letria pelas ilustrações do livro “Se eu fosse um livro”

Julho 31, 2012 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

A Associació Professional d’Il·lustradors de Catalunya (APIC), atribui o Prémio Junceda Ibèria  a André Letria pelas ilustrações que efectuou no Livro  “Se eu fosse um livro” editado pela Pato Lógico Edições .

Maioria dos estabelecimentos vende tabaco a menores de 18 anos

Julho 31, 2012 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do Público de 25 de Julho de 2012.

Por Lusa

A Associação de Defesa do Consumidor (Deco) visitou 105 estabelecimentos distribuídos por cinco cidades do país, para verificar se vendiam tabaco a menores de 18 anos e constatou que 72 não cumpriam a lei.

O estudo, que vai ser publicado na edição de Agosto da revista Teste Saúde, decorreu em Março e Abril, e contou com a colaboração de jovens entre os 13 e os 16 anos que visitaram lojas em Coimbra, Évora, Faro, Lisboa e Porto, para verificar se é cumprida a lei que proíbe a dispensa de tabaco a menores.

Os jovens verificavam se os estabelecimentos tinham o aviso de “venda proibida a menores” e pediam um maço de cigarros, nunca se identificando como colaboradores de Deco. Sempre que foram questionados sobre a idade, os jovens disseram a idade verdadeira e mostraram o cartão de identidade, quando lhes foi pedido. Após cada visita, registaram os acontecimentos num questionário.

Segundo o estudo, a que a agência Lusa teve acesso, Évora, Lisboa e Porto foram as cidades “com maior proporção de estabelecimentos a vender cigarros a menores de 18 anos”.

A Deco revela alguns comentários feitos por funcionários de algumas lojas. “Sabem que a venda de tabaco a menores é proibida?”, comentou o funcionário de uma papelaria em Lisboa ao entregar um maço de tabaco aos jovens de 14 e 15 anos, acrescentando: “15 + 15 = 30 [referência à idade dos jovens]: posso vender, mas tenham cuidado, escondam-no”. “Vendo, mas contra a minha vontade”, “Tens de ter cuidado com isso”, “É para o pai, não é? [com um piscar de olho]” foram outros comentários ouvidos pelos jovens durante o estudo, enquanto lhes punham os cigarros na mão ou accionavam a máquina de dispensa automática.

O vendedor deve pedir, em caso de dúvida quanto à idade do cliente, um documento de identificação. Em 32 estabelecimentos, os funcionários fizeram-no ou perguntaram a idade. Porém, a resposta não impediu a concretização do negócio em seis casos, adianta a Deco. Os jovens conseguiram comprar cigarros em todas as cidades, mas em Coimbra e Faro tiveram mais dificuldade. Nestas cidades, apenas metade das lojas satisfez o pedido, enquanto em Lisboa e Porto foram quase três quartos a fazê-lo e em Évora 87%.

O sistema de bloqueio da máquina automática tornou-se obrigatório para barrar o acesso directo a menores, mas em 38 locais com máquinas 23 quebraram as regras e accionaram o sistema de dispensa a pedido dos menores. “A maioria dos comerciantes ficou mal nesta fotografia, embora com mais uns euros no bolso”, comenta a Deco.

Para a associação, as atitudes registadas durante o estudo contribuem para “o alastrar do tabagismo entre os jovens, cujo organismo, ainda em desenvolvimento, é particularmente sensível aos efeitos nefastos do fumo”. “Em cada cinco que experimentam, três tornam-se fumadores regulares”, estimando-se que metade destes venha a morrer por doenças relacionadas com o tabaco. A curiosidade e a influência dos amigos podem ser factores decisivos para a iniciação, mas o acesso fácil aos produtos também assume um papel importante, alerta a Deco, defendendo que a prevenção é “melhor estratégia”.

 

Rede Juvenil Crescer Juntos – Encontros Regionais

Julho 31, 2012 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

BRAGA

No âmbito do Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações, os jovens do GER”@ções 3D, valência do Centro Cultural e Social de Santo Adrião, dinamizaram um convívio inter-gerações. O objetivo foi chamar a atenção para a importância do contributo dos idosos para a sociedade e incentivar os responsáveis políticos e todas as partes interessadas a tomarem medidas para criar as condições necessárias ao envelhecimento ativo e à solidariedade entre gerações.

COIMBRA

No dia 13 de junho, o pólo de Coimbra da Rede Construir Juntos organizou uma atividade intergeracional dinamizada por crianças/jovens que integram a Rede Juvenil Construir juntos.

Com estas atividades pretendeu-se sensibilizar as crianças e jovens para a importância do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações.

A atividade decorreu no Centro de Acolhimento Temporário do Loreto e contou com a participação dos idosos da Associação de Samuel, Soure.

A tarde iniciou-se com o acolhimento aos idosos por parte dos jovens que, cheios de entusiasmo, mostraram a sua casa aos seniores. De seguida, os jovens colocaram algumas questões com o objetivo de perceberem como era ser jovem antigamente.

Após uma conversa animada entre os jovens e os idosos, estes fizeram uma demonstração de vários jogos tradicionais, o que muito entusiasmou os jovens.

A tarde terminou com um animado “bailarico”, ao ritmo das músicas de antigamente,tocadas pelos utentes da Associação de Samuel. Por fim, foi servido um lanche que ajudou todos a recuperar as forças.

O próximo encontro irá decorrer em Samuel onde os jovens irão presentear os idosos com jogos e outras atividades dos dias de hoje.

ÉVORA

No dia 30 de maio, decorreu em Alcáçovas, concelho de Viana do Alentejo, uma atividade intergeracional dinamizada por crianças/jovens que integram a rede Juvenil Construir juntos.

Esta atividade teve como principal objetivo o desenvolvimento de algumas competências sociais no sentido de sensibilizar as crianças/jovens para a importância do envelhecimento ativo e solidariedade entre gerações. Após as várias sessões de trabalho da Rede Juvenil, os jovens de Alcáçovas (Associação Terra Mãe) ficaram com a RESPONSABILIDADE de organizar um dia com atividades intergeracionais, através da dinamização de jogos tradicionais.

Para tal, contámos com a colaboração da Associação para o Desenvolvimento Integrado – Terras Dentro (membro da Rede Construir Juntos) que disponibilizou uma MALETA DE JOGOS TRADICIONAIS que fez a delícia de todos.

As crianças/jovens fizeram o “trabalho de casa” e estudaram: os jogos da tração da corda em linha, da malha, do pião, do arco, do berlinde, das andas e o jogo da corda.

Quando os idosos da Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas chegaram ao jardim foram os primeiros a dar “grandes lições” do jogo do pião, não deixaram de saltar à corda, e sim, saltaram à corda!!!

Faro

Durante o ano civil atual, as várias respostas sociais do CASLAS, em articulação com a Autarquia e outras entidades de Lagos, têm desenvolvido atividades que promovem a relação entre diferentes gerações, não sendo estas, única e exclusivamente entre idosos e crianças/jovens, mas também entre jovens de gerações diferentes: jovens/adultos, crianças/jovens.

Algumas dessas atividades já foram realizadas, nomeadamente o arraial/marchas populares, o dia do vizinho, a formação sobre drogas e álcool, etc. Outras atividades, ainda por realizar são a visita/dinamização ao lar da Misericórdia por um grupo de jovens, a semana desportiva e sessões de esclarecimento sobre diferentes profissões que os nossos jovens do 9º e 12º ano têm curiosidade em conhecer.

Oficinas (des)aborrecidas Entregue os seus filhos aos Bichos

Julho 30, 2012 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Oficinas de escrita, desenho e pintura, para desafiar os talentos que teimam em esconder-se durante as férias de Verão por detrás do sol, debaixo da areia, no fundo do mar. Vamos dar volta ao descanso, acordar o pensamento, remexer os dedos, despertar o corpo e desvendar como as diferentes artes se ligam.

Horário: 15h00 às 17h00 nos dias 1, 2, 3, 8, 9 e 10 de Agosto
Público-alvo: Crianças dos 6 aos 12 anos
Lotação: 12 pessoas
Preços:
15€ – 1 dia
25€ – 2 dias
30€ – 3 dias
50€ – 6 dias

Mais informações aqui.

Inscrições, Reservas e Informações:
Tel: +351 262 958 610
info@obichinhodeconto.pt

Intercâmbio Nacional da Rede Crescer Juntos

Julho 30, 2012 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

No âmbito do plano de ação da Rede Construir Juntos, decorreu nos dias 6,7 e 8 de Julho, em Viana do Alentejo, o Intercâmbio de jovens da Rede Juvenil “Crescer Juntos”.

Nesta atividade estiveram presentes 35 jovens e 15 técnicos, provenientes de diferentes instituições parceiras da Rede “Construir Juntos”, nomeadamente dos pólos de Coimbra, Lisboa, Évora e Algarve.

Este intercâmbio, para além do objetivo mais formal que foi o de definir e estruturar a Rede Juvenil “Crescer Juntos”, proporcionou, a todos os jovens participantes, momentos de convívio saudável e de boa disposição, nomeadamente no espaço do Festival Abanaviana.

Foi um fim de semana cheio de animação e de trabalho, onde o ambiente de boa disposição entre os jovens e o seu sentido de responsabilidade foram uma constante.

O espírito da Rede Construir Juntos pressupõe um forte trabalho em parceria, neste sentido é de salientar o envolvimento de todos os pólos que participaram nesta iniciativa em especial do pólo de Évora, na organização logística desta atividade, nomeadamente “Chão de Meninos” de Évora e “Terra Mãe” de Viana do Alentejo, que muito contribuíram para o sucesso deste intercâmbio.

Seminário Nacional Programa Aves – Qual o Valor Acrescentado das Nossas Escolas?

Julho 30, 2012 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Mais informações Aqui

Acção de Formação – Intervenção com famílias pobres: desenvolver uma abordagem centrada nas competências

Julho 29, 2012 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

DIAS 18, 19, 25 e 26 de setembro, 2012

HORARIO 09h30-12h30 / 14h00-17h00

DURACAO 24 Horas

LOCAL Instituto Politécnico de Portalegre – Serviços Centrais

INSCRICAO Associados da EAPN: 60€ / Não Associados: 100€

PUBLICO-ALVO Coordenadores/as e Técnicos/as de Intervenção Social: Assistentes Sociais, Psicólogos/as, Educadores Sociais, Sociólogos/as.

As inscrições são limitadas a 20 participantes e devem ser realizadas até ao dia 10 de setembro para:

Núcleo Distrital de Portalegre da EAPN Portugal

Rua Nuno Alvares Pereira n.o 61, 2.o Dto. | 7300-200 Portalegre

Telefone: 245 202 407 | Fax: 202 408| E-Mail: portalegre@eapn.pt

Mais informações Aqui

Superprotecção das crianças pode favorecer obesidade

Julho 28, 2012 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do i de 23 de Julho de 2012.

Notícia original da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) Aqui

Por Agência Lusa,

Uma atitude de superproteção com as crianças pode conduzir a ansiedade e, consequentemente, à obesidade pelo consumo de alimentos como procura de segurança, avançou hoje um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP).

Os resultados preliminares de um estudo desenvolvido por investigadores da FMUP indicam que as crianças, “sobretudo as meninas”, que sejam educadas por pais superprotetores e “demasiado zelosos, podem ser mais propensas ao desenvolvimento da obesidade”.

De acordo com os investigadores, a atitude superprotetora dos pais leva a que as crianças tenham a imagem de um “mundo ameaçador”, sentindo ansiedade e tendo, consequentemente, “um aumento de cortisol, a hormona do stresse”.

Os casos, classificados como “vinculação insegura” pelos especialistas, poderão ter “efeitos menos positivos” no desenvolvimento das crianças, levando-as a uma procura de segurança através de “conforto em atos básicos”, como a comida ou o bem-estar emocional junto de alguém.

“Os dados sugerem que, quando existe vinculação insegura, os rapazes tendem a exteriorizar o comportamento, tornando-se agressivos, por exemplo, mas as meninas parecem internalizar as emoções, comendo”, explicou Inês Pinto, estudante do programa Doutoral em Metabolismo da FMUP e investigadora principal do estudo.

A investigadora adiantou que os níveis elevados de stresse sentidos pelas meninas levam a que não consigam ter sucesso quando sujeitas a dietas, visto que a comida é “a forma de obterem uma sensação de conforto e segurança”, sendo que a tentativa de abdicarem dos alimentos as deixa “frustradas”, podendo “empurrá-las para outros comportamentos, como a bulimia”.

“São casos de alimentação emocional”, afirmou Inês Pinto, indicando que a solução para este tipo de problemas requer uma alteração de emoções e uma aprendizagem de como lidar com o stresse, “através de intervenções psicoterapêuticas que corrijam a relação criança/cuidador”.

De acordo com a investigadora, os pais devem procurar ajuda para as meninas que tenham excesso de peso e uma personalidade introvertida, especialmente nos casos em que a alteração da dieta não surte qualquer efeito, mencionando ainda que os profissionais envolvidos terão que estar alerta para um possível “sofrimento não visível, que tem de ser observado por um especialista em saúde mental”.

“Reencaminhar uma criança ou adolescente para um psiquiatra tem de fazer parte das boas práticas da Pediatria e da Nutrição, quando as abordagens tradicionais falham”, concluiu Inês Pinto.

O estudo foi orientado pelo diretor do Departamento de Neurociências Clínicas e Saúde Mental da FMUP, Rui Coelho, e por Conceição Calhau, professora e investigadora na área do Metabolismo.

 

Estudo conclui que alunos do particular têm sido beneficiados

Julho 27, 2012 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 23 de Julho de 2012.

O artigo citado na notícia é o seguinte:

Neves, Tiago, Pereira, Maria João, & Nata, Gil (2012). One-dimensional school rankings: A non-neutral device that conceals and naturalises inequalities. The International Journal on School Disaffection, 9(1), 7-22.

Por Clara Viana

Uma equipa de investigadores da Universidade do Porto esteve a analisar as bases de dados dos exames nacionais do ensino secundário, que são a matéria-prima para a elaboração dos rankings das escolas, e concluiu que os alunos das escolas particulares têm sido favorecidos por comparação com os que frequentam o ensino público.

Esta conclusão tem por base a diferença entre a média que os alunos obtêm nas provas nacionais (classificação externa) e aquela que lhes é atribuída nas suas escolas de origem (classificação interna), dados que também estão disponíveis nas bases de dados dos exames. Depois de compararem os dados existentes entre 2002 e 2010, os investigadores Tiago Neves, João Pereira e Gil Nata verificaram que estes mostram “que de forma sistemática existe um padrão de diferença entre a classificação interna e a classificação externa que tem favorecido os estudantes das escolas privadas”, explicaram ao PÚBLICO. “Este facto é particularmente acentuado nas classificações onde mais se joga o acesso ao ensino superior”, sublinham.

Para chegarem a esta conclusão, os investigadores analisaram intervalos de notas na escala numérica de 0 a 20 utilizada para classificar os alunos do secundário. O exercício foi feito num artigo publicado este ano no International Journal on School Disaffection, onde os investigadores defendem que os rankings das escolas, como são elaborados em Portugal, não só não dão conta da real qualidade das escolas por se basearem apenas nos resultados dos exames, como até falham naquela que os seus defensores apresentam como sendo a sua principal vantagem: a objectividade.

Através da desagregação e comparação das notas torna-se evidente que a diferença entre a classificação interna, geralmente mais alta, e a média obtida no exame é maior entre aqueles que obtêm piores resultados nos exames nacionais, sem que aqui se registem diferenças entre os que vieram do ensino público e os que frequentaram o privado. Mas o mesmo já não se aplica aos alunos que obtiveram entre 13 e 19 nos exames nacionais. Apesar de terem as mesmas notas nos exames, os estudantes do público ficam a perder: em média, “a diferença entre as classificações internas e as dos exames é sempre, neste intervalo, superior a 0,5 pontos a favor dos alunos do particular”, especificam.

Meio ponto a mais ou a menos pode fazer “toda a diferença” no acesso aos cursos mais disputados do ensino superior. “Isto não significa que os estudantes dessas escolas não sejam bons ou até melhores; significa apenas que alunos de igual qualidade medida através dos resultados obtidos nos exames são beneficiados relativamente aos estudantes das escolas públicas”, esclarecem em respostas por correio electrónico a perguntas do PÚBLICO. Para os investigadores, esta “é uma situação injusta e que carece de solução”. Como? “Julgamos que se deve considerar seriamente a introdução de factores de correcção na ponderação das classificações de acesso à universidade.”

Divisão “simplista”

“O argumento do acesso ao ensino superior é fraco, já que apenas uma parte dos alunos que terminam o secundário acedem ao superior”, contrapõe o director executivo da Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo, Rodrigo Queiroz e Melo. Apesar de considerar o estudo “interessante, porque levanta questões que merecem reflexão e ponderação”, Queiroz e Melo observa que este acaba por cometer “um erro semelhante ao que critica nos rankings: é unidimensional e, por isso, corre o risco de estar errado ou ser simplista”.

Segundo aquele responsável, ao escolherem uma dicotomia entre ensino estatal e ensino privado, os investigadores partiram do pressuposto que “as escolas estatais são mais iguais entre si que as escolas privadas e vice-versa”, o que Queiroz e Melo contesta.

“Parece-me que não se pode concluir, como faz o estudo, sem antes verificar se a relação relevante é a estatal/privado ou escolas cujos alunos querem maioritariamente aceder ao ensino superior e escolas cujos alunos querem maioritariamente sair do sistema de educação formal”, refere, lançando um repto: “Se fizermos os cálculos usando como grupos de comparação estes dois grupos não obteremos relações mais relevantes?”.

“Intuitivamente parece-me que as escolas estatais cujos alunos querem seguir para o superior são, ao nível da avaliação interna, mais próximas das escolas privadas do que das escolas estatais onde a generalidade dos estudantes não quer prosseguir estudos”, acrescenta.A equipa de investigadores da Universidade do Porto lembra que a diferença entre escolas públicas e privadas é a que tem sido mais valorizada nos rankings, com estas últimas a dominarem nos lugares de topo, apesar de só representarem 10% das escolas secundárias.

Garantido o acesso ao ensino superior será que os alunos oriundos do privado se mantêm entre os melhores? No artigo publicado no International Journal on School Disaffection, os autores lembram, a propósito, uma investigação recente da Universidade do Porto sobre os estudantes que ali foram admitidos no ano lectivo de 2008/09 , onde se verifica que, no final da sua formação, os que vieram das escolas públicas tinham uma presença superior no grupo dos 10% melhores do que os oriundos das privadas.

 

IAC é parceiro na 2ª edição do projeto Bebida Solidária

Julho 27, 2012 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

A partir do dia 14 de junho, a SIC Esperança em parceria com a água Vitalis lançam a segunda edição do projeto Bebida Solidária™. Este ano, a madrinha é a atriz Inês Castel-Branco que dará a cara por esta causa solidária que visa apoiar as famílias na gestão do orçamento para o novo ano escolar.
À semelhança da edição anterior, e porque a Educação e a Responsabilidade Social são temas que continuam a preocupar a SIC Esperança e a Vitalis, o projeto volta a ganhar forma, agora destinado a alunos do 1.º e 2.º ciclos.
Com o principal objetivo de facilitar o regresso às aulas, esta campanha decorre até finais de Agosto. Durante este período uma percentagem da venda das garrafas de água Vitalis com selo Bebida Solidária irá reverter a favor da SIC Esperança que criará bolsas escolares para aquisição do material necessário para o regresso às aulas.
Para tornar este projeto uma realidade, a SIC Esperança conta com uma rede de parceiros a nível nacional, sendo o Instituto de Apoio à Criança um desses parceiros. Cada distrito ou região autónoma do país tem um representante que se encarregará de identificar os potenciais beneficiários desta iniciativa. Será também possível receber candidaturas de famílias. As inscrições estão aberta entre os dias 14 de Junho e 3 de Agosto de 2012.

Para mais informações consulte AQUI.

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.