Bullying – Há 616 crimes por mês nas escolas portuguesas

Março 10, 2017 às 1:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia do http://www.dn.pt/ de 6 de março de 2017.

Rute Coelho

Bullying e as agressões em ambiente escolar têm vindo a aumentar. No último ano letivo, PSP e GNR registaram 4757 crimes

“Tens piolhos, és foleira, olha as tuas roupas.” Os insultos repetiram-se durante meses, criando um clima de medo e de revolta numa aluna do 7.º ano de uma escola secundária na zona de Sacavém, Loures. O caso desta adolescente, de 14 anos, que chegou ao Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família (GAAF), do Instituto de Apoio à Criança, na passada quarta-feira, é um dos 4757 atos de agressões, ameaças ou injúrias registados em ambiente escolar.

Uma realidade que tem aumentado nos últimos quatro anos, segundo os dados do Programa Escola Segura da PSP, a que o DN teve acesso. No ano letivo de 2015-2016 houve 4102 crimes registados nas escolas portuguesas pela PSP, aos quais se juntaram 657 reportados pelo programa equivalente da GNR, num total de 4757 situações. A maioria dos casos acontece no interior do espaço escolar, sobretudo no recreio.

Um dos casos que vão entrar na estatística é o de um menor agredido por vários adolescentes em Almada, num episódio de violência acontecido em novembro, filmado com um telemóvel e conhecido ontem (ver texto secundário).

Feitas as contas aos 167 dias úteis de aulas no último ano letivo (de 15 de setembro de 2015 a 9 de junho de 2016), chegou-se à média de 616 crimes por mês nas escolas portuguesas cobertas pelos programas Escola Segura da PSP e da GNR. E têm sido mais de 200 as vítimas que, por ano, são conduzidas ao hospital, segundo os registos do programa da PSP (ver caixa).

As agressões estão em maioria no total de crimes, numa média estabilizada de 1350 por ano, nas 3366 escolas asseguradas pelo programa da PSP. Na área da GNR houve mais 91 casos de alunos agredidos no ano letivo passado – 349 situações contra 258 de 2014-15. A maioria dos agressores e vítimas têm menos de 16 anos.

Mas o coordenador do Programa Escola Segura da PSP acredita que a subida de casos nas estatísticas não significa maior quantidade de crimes. “Há um aumento das denúncias dos miúdos em relação ao bullying devido às ações de sensibilização que temos feito nas escolas. As queixas que têm aumentado referem-se sobretudo a crimes ocorridos no interior do espaço escolar”, comentou o subintendente Hugo Guinote.

Vítima de bullying quer desistir

Regressando à escola na zona de Sacavém – considerado território de risco – na quarta-feira à tarde, a técnica de serviço foi surpreendida pelo relato de uma rapariga de 14 anos, aluna do 7.º ano, que se queixou de ser vítima de bullying. A técnica falou com o DN mas pediu para que nem ela nem a escola fossem identificadas de forma a proteger a jovem. A rapariga começou a faltar às aulas antes do final do 1.º período. Depois de três semanas de ausência, a diretora contactou os pais e sinalizou o caso ao GAAF. Na quarta-feira, a aluna voltou então à escola, acompanhada pela mãe. Em casa já tinha contado o que se passava: há meses que era vítima de bullying por parte de duas colegas de turma que a humilhavam com ofensas, dia após dia. “Tens piolhos, és foleira, olha as tuas roupas”, eram alguns dos insultos constantes.

Os pais querem que a filha seja transferida de escola. A técnica do GAAF vai mediar o conflito da criança com o estabelecimento de ensino, ouvindo também o diretor de turma, as duas agressoras e os pais, e a comunidade escolar.

Na turma desta adolescente ninguém sabia, aparentemente, o que se passava. “Também já sinalizámos a situação ao Programa Escola Segura da PSP. A PSP pode encaminhar o caso de agressão verbal e psicológica para o tribunal mas é difícil fazer a prova”, referiu a técnica. “A menor e os seus pais querem a transferência da escola mas ela não vai resolver o seu problema assim. É quase uma fuga. Quantas transferências escolares poderão existir motivadas pelo bullying?”, questiona. A técnica vai querer “trabalhar com as agressoras e com os seus pais, perceber o que se passa. Geralmente, o agressor já foi vítima de alguma situação”.

Nos 137 agrupamentos de escolas que se localizam em zonas de risco, os GAAF não têm mãos a medir. Ali promove-se a mediação escolar em territórios de guerra pouco habituados ao diálogo.

Apoiar a vítima e chegar a quem agride é um dos objetivos deste ano do Programa Escola Segura, da PSP. “A causa do problema reside na criança que é agressora e que muitas vezes é vítima de violência no seu espaço doméstico ou social. Poderão ser os criminosos de amanhã. Por isso, temos de fazer uma intervenção o mais precoce possível”, salienta o subintendente Hugo Guinote. A PSP já iniciou, há um ano, ações de sensibilização sobre o que significa agredir os outros física e verbalmente, junto das crianças do pré-escolar e primeiro ciclo.

O cenário nas escolas é cada vez mais duro e a violência está a ser banalizada pelas gravações de telemóvel que se colocam nas redes sociais. No ano letivo passado, a PSP deteve 90 alunos, 74 deles no interior da escola, por alegada participação em crimes. Uma subida de assinalar, pois no ano letivo de 2014-15 foram 58 os detidos, a maioria deles no exterior (47). Nos últimos quatro anos, as armas apreendidas pela PSP nas escolas superaram a média de cem por ano.

A socióloga Margarida Gaspar de Matos, que coordenou parte dos dados do relatório da UNICEF – “As crianças no mundo desenvolvido” – divulgado em abril, diz não ser possível associar a pobreza às vítimas de bullying e a riqueza aos agressores. “Um estudo recente num outro sentido associa o desafogo económico e o sucesso escolar a algum egocentrismo. Por isso, mais do que “diabolizar” a pobreza ou a riqueza, era importante providenciar aos jovens alternativas (competências, motivação e oportunidades) de optarem por modos de convívio mais pacíficos”, conclui Margarida Gaspar.

 

 

Agressões entre alunos aumentam dentro e fora das escolas – Notícia do Educare com declarações de Ana Perdigão do IAC

Fevereiro 2, 2017 às 12:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do site http://www.educare.pt/ de 20 de janeiro de 2017.

A notícia contém declarações da Drª Ana Perdigão – Coordenadora do Serviço Jurídico do instituto de Apoio à Criança.

educare

Ajustes de contas, brigas, zangas, insultos e ameaças. Os comportamentos de risco estão a aumentar, dentro e fora das escolas. Esta é a realidade de muitas crianças e jovens. Que, por inúmeras vezes, é tornada pública através da Internet.

Andreia Lobo

O mais recente caso de violência juvenil filmado e posto a circular em redes sociais aconteceu em Almada, em novembro de 2016. Quatro jovens, três deles menores, agrediam um outro de 15 anos. Um desentendimento por causa de uma namorada terá sido o motivo da agressão. No ano letivo de 2015/2016, o Programa Escola Segura da PSP registava 4102 casos de agressões físicas, ameaças e injúrias, em estabelecimentos de ensino. Mais 700 casos do que três anos antes. Nessas ocorrências, 277 vítimas de agressões, na sua maioria alunos, precisaram de ser assistidas no hospital.

Dados recolhidos pela PSP mostram o número total de agressões a aumentar: 3486 em 2012/2013; 3888 em 2013/2014; 3939 em 2014/2015 e 4102 em 2015/2016. No entanto, estes números podem refletir um aumento das denúncias. Sem que isso signifique um maior número de casos de violência. Apresentam-se mais queixas de crimes ocorridos dentro e fora das escolas, garante a PSP. Talvez fruto das ações de sensibilização que a polícia de segurança pública tem realizado nas escolas.

O EDUCARE.PT mostra como a legislação atua em casos de agressões protagonizadas por crianças e jovens. Ouvimos as explicações de Ana Perdigão, jurista do Instituto de Apoio à Criança, uma instituição de defesa dos direitos das crianças e jovens [ver caixa]. Entrevistámos também, Joana Alves Ferreira, psicóloga clínica especializada na área do comportamento adolescente. Para perceber o que diz a Psicologia sobre comportamentos agressivos na adolescência.

Olhar “mais profundo” sobre as causas

“A violência entre os jovens é uma realidade atual e complexa, que nos impõe um olhar mais profundo sobre as suas causas, e uma análise mais detalhada sobre a forma de evitar o fenómeno”, diz a jurista Ana Perdigão.

Do ponto de vista legal, quando o jovem tem mais de 12 anos e menos de 16 anos pode ser alvo de uma medida tutelar educativa. O tribunal pode aplicar uma medida menos grave, a admoestação, ou a mais grave, a privativa de liberdade. Ou seja: o internamento do jovem em centro educativo, em regime aberto, semiaberto ou fechado. Quando se atinge esse patamar, admite a jurista, é como se o sistema já chegasse “demasiado tarde à vida da criança e do jovem”.

Antes, deveria ter funcionado todo um sistema de proteção. Que aposta na prevenção. E na adoção de estratégias para diminuir certos fatores de risco, envolvendo as crianças, os jovens e as suas famílias. Nem sempre acontece. “Por vezes, quando nos cruzamos com jovens que já estão em contacto com o sistema tutelar educativo, apercebemo-nos que o sistema de proteção não atuou de forma eficaz, ou não o fez atempadamente”, lamenta Ana Perdigão.

Em muitas situações, diz Ana Perdigão, os jovens trazem de casa um modelo de violência familiar que depois repetem no contexto escolar. “Crescem em circunstâncias que em nada promoveram o seu bem-estar, trazem as mochilas ‘cheias de nadas’ e encontram na droga, no álcool ou nos furtos os amigos em quem confiam.” Por várias vezes, a jurista nota que durante o seu processo de desenvolvimento faltou a estes jovens, simplesmente, o acesso a um acompanhamento de saúde mental “quando dele careciam”.

Da sua experiência, Ana Perdigão retira a certeza de que a Lei Tutelar Educativa, por si só, não consegue alterar percursos de vida ou solucionar situações de violência escolar: “A intervenção tem de ser interdisciplinar consistente e de acordo com as necessidades de cada jovem.”

“É a falta desta autoridade necessária que fabrica a delinquência”

Joana Alves Ferreira psicóloga clínica especializada na área do comportamento adolescente, garante que a violência entre alunos está relacionada com o “enfraquecimento gradual do papel da autoridade”.

Joana Alves Ferreira, admite a existência de uma “conjuntura facilitadora” para que episódios de violência escolar possam surgir. “Temos vindo a caminhar para um enfraquecimento gradual do papel da autoridade e das hierarquias – seja ela representada pelos pais, pelos professores, pelas próprias instituições que a simbolizam.”

EDUCARE:PT: Há alguma explicação deste tipo de comportamentos agressivos entre os 12 e os 16 anos?

Joana Alves Ferreira (JAF): A adolescência é uma fase marcada por uma instabilidade extensiva a todos os aspetos do indivíduo. E todas as exigências vivenciadas nesta etapa são propícias a uma certa vulnerabilidade psíquica que pode, no limite, levar à concretização dos chamados “riscos de desenvolvimento”.

O comportamento agressivo é um destes riscos que têm, habitualmente, origem na própria organização do mundo interno do adolescente, mas podem também ser estimulados pelo seu contexto sociocultural. A agressividade, quando não é regulada, devido a uma baixa capacidade de autocontrolo, ou seja, fragilidade intrapsíquica, pode dar origem a comportamentos de risco psicossocial. Sobretudo com manifestações de violência, como o bullying.

E: Devemos procurar as razões para estes casos na história de vida dos seus protagonistas, sejam eles as vítimas ou os agressores, ou na sociedade?

JAF: A agressividade, a violência e os maus tratos estão entre as principais preocupações públicas na atualidade. Os comportamentos violentos em contexto escolar são, frequentemente, o espelho do contexto social e familiar. Mas também da violência presente em programas televisivos, videojogos, Internet, etc. Por isso, há uma conjuntura que potencia estes aspetos, que, aliados a determinados perfis psicológicos, funcionam como uma espécie de combustão para que estes episódios surjam numa escala que parece cada vez mais alargada.

Temos vindo a caminhar para um enfraquecimento gradual do papel da autoridade e das hierarquias, sejam elas representadas pelos pais, pelos professores ou pelas próprias instituições que a simbolizam. A autoridade enfrenta uma séria crise na sociedade contemporânea. Há uma espécie de propaganda do estilo “é proibido proibir”. Contudo, sabemos que é a falta desta autoridade necessária – diferente de autoritarismo – seja ela familiar, social, escolar que fabrica a delinquência.

E: Como vê esta tendência para, além de haver uma assistência à agressão que nada faz para a evitar, haver esta atração por difundir vídeos da agressão nas redes sociais?

JAF: É uma questão complexa, porque envolve várias frentes do mesmo problema. Por um lado, o sentimento de impotência de alguns. Até mesmo aterrorizados pela falta de limites dos agressores e com receio de que também eles próprios se tornem vítimas. Acontece aqui a “identificação à vítima”. Para outros, as motivações serão de outra ordem. Quando se identificam mais com o agressor, leva-os o prazer de assistir a estes episódios numa perspetiva mais sádica, encorajando-os, se necessário.

Relativamente à divulgação nas redes sociais, talvez se verifique a mesma dicotomia. Para uns, a tentativa de denunciar e alertar, na procura de uma entidade capaz de colocar limites ao fenómeno. Para outros, o desejo de vangloriar o “ato heroico”, na procura da sua validação.

Responsabilização e consequências

E: Os jovens agressores terão ou não consciência do ato criminoso que perpetraram?

JAF: Perante as consequências do ato que infligiram, terão, certamente, consciência do que provocaram no outro. Se existe um sentimento de responsabilização [em relação ao caso de Almada ou outros mais específicos] só me poderia pronunciar se conhecesse os envolvidos. Mas o importante será colocar a tónica na necessidade de a sociedade criar recursos para prevenir e responsabilizar adequadamente cada situação. Uma sociedade sem regras é uma selva.

E: Quais devem ser as consequências para a resolução destes conflitos? Até que ponto a Lei Tutelar Educativa responde com eficácia a casos como o registado em Almada. Qual a sua opinião nesta matéria?

JAF: Na situação específica de Almada ou de outras do mesmo género, torna-se necessário que exista uma responsabilização destes atos e uma intervenção eficaz. Porque estes atos enquadram-se em comportamentos delinquentes. Em situações extremadas poderá ser aplicada a Lei Tutelar Educativa, desde que à mesma esteja associada uma resposta terapêutica. A resposta judicial poderá ser necessária, sim, mas exige-se um outro tipo de comprometimento na resolução destas situações.

O agressor é, sem dúvida, alguém que precisa muito de ajuda. Aliás, a experiência clínica e a escuta de adolescentes em conflito com a lei permitem-nos verificar que, para muitos adolescentes, este tipo de violência representa uma tentativa de procurar ajuda. É uma espécie de pedido de socorro para que o meio envolvente – os pais, a escola, uma instituição – se preocupe com ele. É, no fundo, a procura de limites que não estão definidos, muitas vezes, dentro do próprio, na família e na própria sociedade, com repercussões graves e a longo prazo para os seus intervenientes.

Ana Perdigão, jurista do Instituto de Apoio à Criança, traça o enquadramento legal da violência escolar.

“As agressões entre crianças e jovens surgem enquadradas do ponto de vista legal por dois diplomas na área do Direito das Crianças, que entraram em vigor simultaneamente em 2001:

– A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Risco – Lei nº 147/99 de 1 de setembro, alterada pela Lei nº142/2015 de 8 de Setembro.

– Lei Tutelar Educativa, Lei nº166/99 de 14 de Setembro, alterada pela Lei nº1/2015 de 15 de janeiro.

Distinguem-se pelos fins que visam, pelos motivos porque se aplicam, e pelas medidas que consagram. A primeira tem como objetivo principal a defesa e promoção dos direitos da criança, e assegurar a sua efetiva proteção quando está em risco. A segunda lei, destina-se a crianças e jovens com idades entre os 12 e os 16 anos que cometam factos considerados crimes pela lei penal. Entende o nosso sistema, que no caso de alguma criança com idade até aos 12 anos cometer um facto qualificado pela lei penal como crime, deve ainda atuar a proteção, e caso tal o justifique, ser aplicada uma medida de proteção a seu favor. No caso de ter já mais de 12 anos e menos de 16 (idade esta em que cessa a inimputabilidade) o jovem já pode ser alvo de uma medida tutelar educativa.

Ora, este tipo de medidas previstas no artigo 4 da referida lei têm como objetivo educar o menor para o Direito, levando-o a agir em conformidade com os valores da sociedade, onde deve estar inserido e colaborar com as normas que regem a comunidade, interiorizando as consequências do seu comportamento desviante.

Assim, cada caso concreto impõe que se avalie tanto a gravidade do facto, como a necessidade de corrigir a personalidade do menor, havendo situações em que o inquérito tutelar educativo pode ser arquivado, ou até suspenso durante algum tempo, se for reconhecida a desnecessidade de se intervir.

O tribunal pode aplicar, quer a medida menos grave, – a admoestação, – quer a mais grave (privativa de liberdade) o seu internamento em centro educativo, (em regime aberto, semiaberto ou fechado).

O nosso sistema de proteção aposta na prevenção, quer primária quer secundária, apelando à criação de projetos de ação local para a infância e juventude; a parcerias que integram a rede social, e promove estratégias necessárias e adequadas à diminuição dos fatores de risco, que possam envolver as crianças, os jovens e as suas famílias.

Nesta missão, as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens têm um relevante papel na sua modalidade alargada.”

 

Quando a violência vai à escola

Janeiro 23, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Reportagem da http://www.rtp.pt/noticias/ de 11 de janeiro de 2017.

dr

Ouvir a reportagem no link:

http://www.rtp.pt/noticias/grande-reportagem/quando-a-violencia-vai-a-escola_a975200

Sérgio Freitas Teixeira – Antena 1

10% das crianças e jovens da Madeira são vítimas de bullying. É o dado principal do único estudo sobre violência nas escolas, realizado pela Universidade da Madeira. Entre Janeiro e Novembro do ano passado, 38 queixas de ofensas e ameaças à integridade física, envolvendo menores, deram entrada na Polícia. O repórter Sérgio Freitas Teixeira percorreu estes caminhos, no concelho da Ponta do Sol, para nos dar a conhecer a violência escolar e os comportamentos de risco nos jovens.

«Quando a violência vai à escola» grande reportagem de Sérgio Freitas Teixeira, com pós produção áudio de Paulo Reis e João Carrasco.

 

Vídeos publicados na Internet incentivam jovens a ser violentos?

Janeiro 23, 2017 às 6:00 am | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Texto do http://ionline.sapo.pt/ de 16 de janeiro de 2017.

563644

Joana Marques Alves

Investigadora Margarida Gaspar de Matos e pedopsiquiatra Ana Vasconcelos comentam os últimos casos de imagens virais de violência entre jovens. Teme-se um “concurso de mau caráter”. Adolescentes vivem uma fase da vida particularmente vulnerável. Despistar sinais de risco, até familiares, é crucial para que a moda não pegue.

Primeiro houve mensagens ameaçadoras. Depois, a ex-namorada marcou um encontro para falarem sobre o relacionamento. Quando chegou ao local combinado, no Feijó, o jovem de 15 anos foi esfaqueado, espancado e apedrejado. Teve de ser hospitalizado, depois de uma das facadas lhe ter atingido um pulmão. O caso foi divulgado no mesmo dia em que foi difundido na internet o vídeo de um jovem da mesma idade a ser espancado por outros junto a duas escolas em Almada. Repete-se a cena. Cenas que, no passado, muitas vezes podiam ficar escondidas nos recantos das escolas, são filmadas e colocadas a circular na internet. O número de casos de violência entre adolescentes tem vindo a preocupar pais, educadores e psicólogos, e as autoridades estão a ser cada vez mais requisitadas nos estabelecimentos de ensino. A violência juvenil está a aumentar? E as imagens com milhares de partilhas e reproduzidas na televisão a qualquer hora do dia serão um combustível perigoso?

Segundo dados da PSP e da GNR citados pela imprensa, no ano letivo de 2015/2016 foram registados 5051 episódios criminais nas escolas ou imediações. Só a PSP registou 4102 ocorrências, um número que representa um aumento significativo face aos anos anteriores. No ano letivo de 2014/2015 houve 3930 ocorrências, em 2013/2014, 3888, e em 2012/2013 foram contabilizadas 3486, ou seja, menos 700 casos do que no último ano letivo. Também a GNR tem vindo a registar mais casos.

O último Relatório Anual de Segurança Interna – que apresenta dados relativos ao ano escolar 2014/2015 – dá mais pistas sobre o fenómeno da violência nas escolas. A maioria das ocorrências que levaram as autoridades a deslocar-se aos estabelecimentos de ensino estava relacionada com casos de ofensa à integridade física. Depois surgem os episódios relacionados com furtos e injúrias ou ameaças. O mesmo relatório mostra que a maioria dos casos ocorre no distrito de Lisboa, seguido de Porto e Aveiro. Os distritos onde foram registadas menos ocorrências foram Évora, Guarda e Castelo Branco.

A necessidade de ser viral

Entre os especialistas contactados pelo i, a opinião é unânime: a divulgação de imagens estimula comportamentos violentos, mas isso não quer dizer que as agressões tenham aumentado. A sociedade também pode estar mais atenta, declarando mais casos que, no passado, eram calados nos corredores das escolas. “Antes não se falava tanto disso porque, de algum modo, a violência interpessoal era mais tolerada: os pais agrediam os filhos, de chicote por vezes, os professores agrediam os alunos, os maridos agrediam as mulheres, os amigos agrediam-se uns aos outros, a polícia agredia os cidadãos… A regulação social era feita com base na pancadaria”, sublinha a investigadora Margarida Gaspar de Matos, membro do Centro de Investigação do ISPA – William James Center for Research.

A especialista defende que, com as mudanças sociais, é necessário filtrar bem os casos e estabelecer uma diferença entre atos de delinquência, doença mental e meras formas “menos conviviais” de relação interpessoal. “Vídeos como o acima referido [o caso revelado nos primeiros dias de janeiro] mostram uma agressão gratuita que aparenta ter como fim único ‘postar’ na internet um vídeo ‘viral’. Esta é uma nova forma de exibicionismo e de ‘desafeto’ que, a pegar, nos vai dar enormes dissabores nas relações interpessoais”, alerta a especialista.

Margarida Gaspar de Matos usa mesmo uma ideia forte: para os jovens, este fenómeno pode desencadear uma espécie de “concurso de mau caráter”, um despique em torno da violência. E que já não é o conceito de bullying, que começou a ser discutido no final do século passado. “A diminuição do bullying teve muito a ver com a identificação do fenómeno e a tolerância zero em relação a este. Foi retirado ao bullier o estatuto de valentão e passou a ter o estatuto de parvalhão, do cobarde que, não sabendo dialogar para resolver diferendos, agride os mais fracos”, diz a investigadora. “Este vandalismo exibicionista representa outra coisa diferente e temo que este fenómeno aumente se não for identificado e desmistificado como algo estúpido, selvagem e intolerável, e se não houver propostas consistentes e continuadas de soluções que passam, claro, pela responsabilização e punição, mas também, em alguns casos, pelo tratamento.”

Falta de consciência moral

Gaspar de Matos acredita que, podendo ser uma intolerável moda de mau gosto, alguns casos poderão indiciar perturbações mentais ou de personalidade dos jovens que requerem acompanhamento. A pedo- psiquiatra Ana Vasconcelos assinala que não há, ainda assim, muitos casos semelhantes aos de Almada e Feijó. Mas também teme que esta tendência incite a mais violência e defende, por isso, um maior acompanhamento dos jovens.

“Uma das coisas de que se falava há uns tempos era o facto de não ser aconselhável divulgar muitos casos de pedofilia porque isso podia excitar as tendências dos pedófilos. Aqui pode acontecer um fenómeno semelhante”, diz a especialista.

A natureza do adolescente, em fase de descobertas, faz deste um terreno arriscado. “Houve uma altura em que havia a moda de os miúdos se asfixiarem com sacos de plástico. Isso, na verdade, é um truque erógeno [que causa satisfação ou prazer sexual]. No início da puberdade, os adolescentes podem entrar em esquemas como este nos quais confundem a excitação com a violência, acabando por ter esses impulsos muito desajustados.”

A pedopsiquiatra explica que a falta de consciência moral e de autocrítica têm papéis preponderantes nestas alturas, bem como a necessidade de mostrar aos outros aquilo de que se é capaz e de copiar os comportamentos exemplificados em situações prévias. Além disso, o ambiente precário e as inseguranças vividas no seio familiar podem condicionar bastante a vida do jovem na escola, suscitando potenciais comportamentos violentos: “A falta de uma base familiar e de uma perspetiva para as famílias condiciona os adolescentes. Ainda hoje um rapaz me dizia: ‘Estou preocupado porque acho que o meu pai vai para a Suíça.’ Os jovens ouvem coisas que lhes trazem uma insegurança familiar. Todos estes aspetos também não ajudam.” O problema pode começar nas redes sociais, mas vai, como sempre, muito para além disso.

 

 

 

Jovens estão mais tolerantes face à violência

Janeiro 19, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do http://lifestyle.publico.pt/ de janeiro de 2017.

kiyoshi-ota

Por Clara Viana e Bárbara Wong

Em todo o mundo dois em cada dez alunos são vítima de bullying

Há uma maior tolerância à violência por parte dos jovens, o que faz também que sejam mais os que a validam como resposta. Esta é uma das conclusões a que a psicóloga clínica Tânia Paias, responsável pelo PortalBullying, chegou com base num inquérito a 1100 jovens portugueses de 11, 13 e 18 anos.

Um estudo revelado nesta segunda-feira pela Unesco, o organismo das Nações Unidas vocacionado para a educação e cultura, dá conta de que, no planeta, dois em cada dez alunos são vítimas de bullying, ou seja cerca de 246 milhões de crianças e adolescentes, no mundo inteiro.

“No ambiente escolar qualquer crianças está sujeita a ser vítima, agressora ou espectadora” desta forma de violência continuada que dá pelo nome de bullying, refere Tânia Paias.

Mas há crianças que estão mais em risco do que outras, revela também um inquérito da Unicef, realizado em 2016 em 18 países, abrangendo 100.000 jovens, que é citado no estudo da Unesco. Portugal não participou, mas estas são conclusões que podem também ser aplicadas a nível nacional, constatam Tânia Pais e a também psicóloga Sónia Seixas, investigadora na área do bullying.

Entre os jovens que assumiram ter sido vítimas desta forma de violência, 25% disseram que tal aconteceu por causa do seu aspecto físico, 25% por causa do género ou da orientação sexual e outros tantos devido às suas características étnicas. Para além destes aspectos, também as crianças e jovens com deficiência ou oriundas de meios sociais desfavorecidos estão em maior risco do que outras, conclui-se no estudo.

“Tudo que aquilo que possa fazer com que a criança sobressaia em relação ao grupo pode constituir um factor de risco”, especifica Sónia Seixas, embora acrescente que esta não é sempre a regra, já que há jovens que são encarados positivamente pelos outros porque se destacam nas suas competências sociais, por serem “mais autoconfiantes, mais assertivos”.

O inquérito da Unesco destaca que um terço dos inquiridos já foi vítima, acha o bullying normal e, por isso, não o denunciou, embora seja certo que muitos desconhecem como e a quem denunciar. Um dos grupos mais afectados é o dos gays, lésbicas e transsexuais.

Segundo este estudo, 24% dos adolescentes entre os 11 e os 13 anos diz ter sido vítima de bullying nos últimos 30 dias e 8% diz que tal lhe acontece diariamente. Em Portugal, aos 11 anos, entre 11% (raparigas) e 17% (rapazes) disseram que foram alvo de bullying na escola, “duas ou três vezes por mês nos últimos dois meses”. A média é 13%. O país tem, assim, a 16.ª taxa mais alta de alunos de 11 anos que se dizem vítimas de bullying. Foi o que revelou o grande estudo da Organização Mundial de Saúde sobre a adolescência, que se realiza de quatro em quatro anos. A última edição foi em 2016.

O cyberbullying é outro tipo de violência que preocupa a Unesco. Porque feita através das redes sociais para os smartphones e computadores passa, muitas vezes, despercebido aos adultos. “Nos últimos três anos, as denúncias aumentaram 87% em todo o mundo”, refere o relatório. Só na Europa, onde mais de 80% das crianças e adolescentes entre os 5 e os 14 anos tem telemóvel, o cyberbullying aumentou de 8% em 2010 para 12% em 2014, entre as crianças dos 9 aos 12 anos.

Por isso, a Unesco exige uma resposta global centrada na prevenção e no combate ao bullying. Este é uma “violação grave do direito à educação e um problema real do qual as escolas devem estar conscientes e fazer com que sejam lugares seguros para todos”, defende Irina Bokova, directora-geral da Unesco, que refere não só a violência entre pares, mas também entre alunos e professores.

Além da prevenção é preciso que a escola e a comunidade se centre no combate deste tipo de violência. Ajudar as crianças a identificar o que é o bullying e sensibilizá-las para a sua denúncia é o primeiro passo.

A Unesco recorda que o bullying tem repercussões directas na saúde física e mental da vítima e que, em casos mais graves, pode provocar a morte da mesma.

Texto actualizado às 17h18

 

 

 

School Violence and Bullying: Global Status Report

Janeiro 17, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

unesco

descarregar o relatório no link:

http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002469/246970e.pdf

mais informações na notícia da Unesco:

New UNESCO Report on School Violence and Bullying to be released at International Symposium on issue affecting millions worldwide

Dois em cada 10 alunos do mundo sofreu violência escolar

Janeiro 17, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do http://www.jn.pt/ de 17 de janeiro de 2017.

O relatório citado na notícia é o seguinte:

School Violence and Bullying: Global Status Report

Dois em cada dez alunos do mundo sofreu perseguições e violência escolar, indicou hoje a UNESCO, num estudo, advertindo que o assédio verbal é o mais típico e que é o mais exercido nas redes sociais.

No estudo, o Fundo da ONU para a Educação, Ciência e Cultura calcula que em cada ano há 246 milhões de crianças e adolescentes submetidos a uma forma de violência no ambiente escolar.

No documento, apresentado segunda-feira me Seul, num colóquio internacional dedicado ao tema, a UNESCO refere que 34% das crianças com idades entre os 11 e os 13 anos dizem ter sido perseguidos nos últimos meses e que 8% referem que aquela perseguição é diária.

A diretora-geral da UNESCO, Irina Bakova, advertiu que se trata de uma “violação grave do direito à educação” e que as escolas devem ser lugares seguros para todos.

O relatório demonstra que a violência na escola, por vezes exercida pelos professores, é provocada por “relações de força desiguais muitas vezes reforçadas por estereótipos ligados ao género, à orientação sexual e outros fatores que contribuem para a marginalização, incluindo a pobreza, a identidade étnica e o idioma”.

Uma sondagem realizada pela UNESCO em 2016 junto de 100.000 jovens em 19 países concluiu que 25% das perseguições se devem à aparência física, 25% devido ao género ou orientação sexual e 25% devido à sua origem ou nacionalidade.

Um dos grupos mais afetados é o da comunidade LGTB (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero), onde a prevalência de violência é entre três a sete vezes superior que entre o resto dos alunos.

Em relação à perseguição nas redes sociais, a UNESCO considera que aumentou devido a um maior acesso à Internet e a outras tecnologias de informação.

Segundo a UNESCO, a maior parte das vítimas não denuncia a situação e a violência e as perseguições são invisíveis, na maior parte dos casos, aos olhos dos professores e dos pais, que tendem a minimizá-los.

 

 

 

 

Autoridades registam mais crimes em ambiente escolar

Janeiro 6, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 6 de janeiro de 2017.

1100513

Furtos, insultos e ofensas à integridade física, dentro da escola ou perto, estão entre as ocorrências contabilizadas NFACTOS/FERNANDO VELUDO

O mais recente relatório sobre segurança escolar publicado pelo Ministério da Educação reporta a 2012/2013. Nos últimos quatro anos, segundo as polícias, a situação agravou-se. PSP e GNR registaram no ano lectivo passado 5000 ocorrências.

Ana Dias Cordeiro

Nos últimos quatro anos, os núcleos da Escola Segura da Polícia de Segurança Pública (PSP) ou da Guarda Nacional Republicana (GNR) foram mais vezes chamados às escolas. Principalmente por furtos, insultos, ameaças ou ofensas à integridade física. As vítimas das agressões são na grande maioria alunos, mas também podem ser, em situações pontuais, funcionários, ex-alunos ou professores, de acordo com a PSP.

Para as polícias são crimes, como aquele que está a ser investigado pela PSP relativo ao vídeo divulgado nesta quinta-feira pelo Correio da Manhã, e filmado em Novembro passado, no qual se vê um rapaz de 15 anos a ser brutalmente agredido na via pública. Pelo menos três adolescentes foram identificados, pela PSP, como autores das agressões. Frequentam uma escola próximo do local das mesmas. Outros jovens assistiram.

São raros os casos desta gravidade, afirma o subintendente Hugo Guinote, da Divisão de Prevenção Pública e Proximidade da PSP. Menos de um quarto das agressões físicas em ambiente escolar resultam numa situação em que a vítima é levada ao hospital.

Mesmo assim, houve 277 casos desses no ano lectivo 2015/2016, depois de no ano anterior terem sido 242 e em 2013/2014 terem sido levados ao hospital 280 pessoas agredidas, na escola, ou perto, “na grande maioria alunos”. Em Setembro de 2015, por exemplo, um aluno de 12 anos foi agredido na Escola das Olaias, dentro do estabelecimento enquanto jogava nos campos. Sofreu um traumatismo craniano e teve de ser submetido a uma cirurgia de urgência ao cérebro.

agressoes-escolasA maior parte das queixas vem de dentro das escolas, e são feitas por funcionários a quem os alunos contam o que se passou. Há mais consciência e solidariedade entre colegas para denunciar situações violentas, diz o subintendente Hugo Guinote. As acções de sensibilização das próprias polícias encorajam a queixa e, “localmente, a PSP continua a articular muito bem com as escolas”.

Porém a nível nacional os dados deixaram de ser tratados e analisados pelo Ministério da Educação há três anos. O mais recente relatório sobre violência em ambiente escolar da responsabilidade do ministério foi publicado em 2014, e é relativo ao ano lectivo de 2012/2013. O Ministério da Educação não explica se não o foi por falta de informação ou de técnicos para analisarem os dados. O relatório era até então (desde 2008) elaborado por três direcções-gerais – Educação, Estabelecimentos Escolares e Estatísticas da Educação e Ciência.

Em respostas ao PÚBLICO o gabinete de imprensa do Ministério da Educação diz apenas: “[Quando] esta equipa governativa tomou posse já o ano lectivo 2015/2016 tinha iniciado, desconhecendo os motivos pelos quais não houve relatórios nos dois anos anteriores.”

Por outro lado, o Gabinete de Segurança Escolar nunca foi extinto mas esteve sem director desde Julho de 2015. A nova directora Alexandra Martins entrou em funções em Novembro de 2016.

Violência no namoro

Nesses anos em que nenhum retrato da situação da segurança escolar foi elaborado pelo Ministério da Educação, os casos que foram chegado às forças de segurança aumentaram. O que é explicado, em parte, pelo facto de terem sido mais frequentes as participações relativas a violência no namoro que passou a ser crime – em 2015 houve mais 130 queixas do que em 2014 – refere o subintendente Hugo Guinote a propósito dos dados da PSP.

Em 2015/2016, o total de episódios criminais (que abrange vários tipos de crimes) atingiu um valor recorde de, pelo menos, quatro anos: foram registados 4102 casos dentro e fora dos estabelecimentos de ensino (embora na proximidade), ou seja, mais 700 casos do que em 2012/2013, ano em que a PSP contabilizou 3486 ocorrências. Nos anos seguintes o total fixou-se em 3888 (2013/2014) e 3930 (2014/2015).

Também os dados registados nas áreas do país da competência da GNR mostram um aumento das ocorrências (949 no ano lectivo passado), embora essa tendência de crescimento não tenha sido consistente ao longo dos últimos cinco anos.

Constante manteve-se o peso relativo dos casos de ofensas à integridade física (relativamente ao total de ocorrências), sempre superior a dois terços do total. E as participações por agressões físicas aumentaram no último ano. Houve 349 situações em 2015/2016 quando no ano anterior tinham sido de 258.

“Desinvestimento nesta área”

João Sebastião, investigador do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia – CIES do ISCTE em Lisboa e antigo coordenador do Observatório da Segurança Escolar que deixou de funcionar em 2011 por opção do Governo, lamenta o fim de disciplinas curriculares como era a Educação Cívica (durante o Executivo de Nuno Crato) que considera fundamental para uma melhor convivência nas escolas e uma diminuição dos casos de violência, insultos ou ameaças, e também de situações em que os próprios alunos levam armas brancas para a escola. Em Outubro de 2015, por exemplo, um aluno de 12 anos ameaçou uma professora e o director com uma pistola no Colégio da Imaculada Conceição em Coimbra.

Num universo de um milhão e 600 mil alunos e de 120 mil professores, considera o académico João Sebastião, a violência escolar deveria ser tratada de forma integrada, com os dados das polícias a serem validados pelos do Ministério da Educação a quem os agrupamentos escolares estão obrigados a comunicar todas as ocorrências no interior da escola. Essa regra mantém-se, confirmou o Ministério da Educação.

Mas na prática, afirma João Sebastião, os dados não são integrados para melhor se perceber a situação. “Há uma indefinição nas escolas”, diz. Haveria formas de “reduzir a violência nas escolas ao mínimo”. Mas não é o que resulta do que diz ser o “desinvestimento nesta área”, por parte deste Governo e do anterior.

 

 

277 vítimas de agressões nas escolas foram parar ao hospital em 2015/16

Janeiro 6, 2017 às 5:52 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do http://observador.pt/ de 6 de janeiro de 2017.

ant

Marlene Carriço

Em 2015/16, a PSP registou 4.102 crimes nas escolas portuguesas, um número que tem vindo a crescer nos últimos anos. 277 pessoas tiveram de ser assistidas no hospital.

No ano letivo de 2015/16, 277 pessoas vítimas de agressões dentro e nas imediações das escolas acabaram por ser conduzidas ao hospital. Os dados, noticiados pelo DN e pelo jornal Público, são da PSP, que, no âmbito do Programa Escola Segura, registou 4.102 casos de agressões — ameaças, injúrias e agressões físicas — nas escolas que vigia, mais 700 casos do que três anos antes.

O número de idas para o hospital, na sequência de agressões físicas nas escolas, tem-se mantido mais ou menos estável nos últimos anos. No ano 2014/2015 foram hospitalizadas 242 vítimas e em 2013/14 acabaram no hospital 280 pessoas agredidas, “na grande maioria alunos”, de acordo com o coordenador do Programa Escola Segura, Hugo Guinote. Esse foi o caso, divulgado esta quinta-feira, de Rómulo que, em novembro de 2016, foi vítima de uma brutal agressão por parte de um grupo de jovens, em Almada.

Já o número global de agressões registadas tem vindo a crescer: 4.102 em 2015/16; 3.939 em 2014/15; 3888 em 2013/14 e 3.486 em 2012/13. Isto não significa, porém, que haja mais episódios de violência. Pode refletir um aumento do número de denúncias.

Ao DN, Hugo Guinote afirma que “há um aumento das denúncias dos miúdos em relação ao bullying devido às ações de sensibilização que temos feito nas escolas. As queixas que têm aumentado referem-se sobretudo a crimes ocorridos no interior do espaço escolar”.

 

 

Há 616 crimes por mês nas escolas portuguesas

Janeiro 6, 2017 às 1:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do http://www.dn.pt/ de 6 de janeiro de 2017.

dn

Rute Coelho

Bullying e as agressões em ambiente escolar têm vindo a aumentar. No último ano letivo, PSP e GNR registaram 4757 crimes

“Tens piolhos, és foleira, olha as tuas roupas.” Os insultos repetiram-se durante meses, criando um clima de medo e de revolta numa aluna do 7.º ano de uma escola secundária na zona de Sacavém, Loures. O caso desta adolescente, de 14 anos, que chegou ao Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família (GAAF), do Instituto de Apoio à Criança, na passada quarta-feira, é um dos 4757 atos de agressões, ameaças ou injúrias registados em ambiente escolar.

Uma realidade que tem aumentado nos últimos quatro anos, segundo os dados do Programa Escola Segura da PSP, a que o DN teve acesso. No ano letivo de 2015-2016 houve 4102 crimes registados nas escolas portuguesas pela PSP, aos quais se juntaram 657 reportados pelo programa equivalente da GNR, num total de 4757 situações. A maioria dos casos acontece no interior do espaço escolar, sobretudo no recreio.

Um dos casos que vão entrar na estatística é o de um menor agredido por vários adolescentes em Almada, num episódio de violência acontecido em novembro, filmado com um telemóvel e conhecido ontem (ver texto secundário).

Feitas as contas aos 167 dias úteis de aulas no último ano letivo (de 15 de setembro de 2015 a 9 de junho de 2016), chegou-se à média de 616 crimes por mês nas escolas portuguesas cobertas pelos programas Escola Segura da PSP e da GNR. E têm sido mais de 200 as vítimas que, por ano, são conduzidas ao hospital, segundo os registos do programa da PSP (ver caixa).

As agressões estão em maioria no total de crimes, numa média estabilizada de 1350 por ano, nas 3366 escolas asseguradas pelo programa da PSP. Na área da GNR houve mais 91 casos de alunos agredidos no ano letivo passado – 349 situações contra 258 de 2014-15. A maioria dos agressores e vítimas têm menos de 16 anos.

Mas o coordenador do Programa Escola Segura da PSP acredita que a subida de casos nas estatísticas não significa maior quantidade de crimes. “Há um aumento das denúncias dos miúdos em relação ao bullying devido às ações de sensibilização que temos feito nas escolas. As queixas que têm aumentado referem-se sobretudo a crimes ocorridos no interior do espaço escolar”, comentou o subintendente Hugo Guinote.

Vítima de bullying quer desistir

Regressando à escola na zona de Sacavém – considerado território de risco – na quarta-feira à tarde, a técnica de serviço foi surpreendida pelo relato de uma rapariga de 14 anos, aluna do 7.º ano, que se queixou de ser vítima de bullying. A técnica falou com o DN mas pediu para que nem ela nem a escola fossem identificadas de forma a proteger a jovem. A rapariga começou a faltar às aulas antes do final do 1.º período. Depois de três semanas de ausência, a diretora contactou os pais e sinalizou o caso ao GAAF. Na quarta-feira, a aluna voltou então à escola, acompanhada pela mãe. Em casa já tinha contado o que se passava: há meses que era vítima de bullying por parte de duas colegas de turma que a humilhavam com ofensas, dia após dia. “Tens piolhos, és foleira, olha as tuas roupas”, eram alguns dos insultos constantes.

Os pais querem que a filha seja transferida de escola. A técnica do GAAF vai mediar o conflito da criança com o estabelecimento de ensino, ouvindo também o diretor de turma, as duas agressoras e os pais, e a comunidade escolar.

Na turma desta adolescente ninguém sabia, aparentemente, o que se passava. “Também já sinalizámos a situação ao Programa Escola Segura da PSP. A PSP pode encaminhar o caso de agressão verbal e psicológica para o tribunal mas é difícil fazer a prova”, referiu a técnica. “A menor e os seus pais querem a transferência da escola mas ela não vai resolver o seu problema assim. É quase uma fuga. Quantas transferências escolares poderão existir motivadas pelo bullying?”, questiona. A técnica vai querer “trabalhar com as agressoras e com os seus pais, perceber o que se passa. Geralmente, o agressor já foi vítima de alguma situação”.

Nos 137 agrupamentos de escolas que se localizam em zonas de risco, os GAAF não têm mãos a medir. Ali promove-se a mediação escolar em territórios de guerra pouco habituados ao diálogo.

Apoiar a vítima e chegar a quem agride é um dos objetivos deste ano do Programa Escola Segura, da PSP. “A causa do problema reside na criança que é agressora e que muitas vezes é vítima de violência no seu espaço doméstico ou social. Poderão ser os criminosos de amanhã. Por isso, temos de fazer uma intervenção o mais precoce possível”, salienta o subintendente Hugo Guinote. A PSP já iniciou, há um ano, ações de sensibilização sobre o que significa agredir os outros física e verbalmente, junto das crianças do pré-escolar e primeiro ciclo.

O cenário nas escolas é cada vez mais duro e a violência está a ser banalizada pelas gravações de telemóvel que se colocam nas redes sociais. No ano letivo passado, a PSP deteve 90 alunos, 74 deles no interior da escola, por alegada participação em crimes. Uma subida de assinalar, pois no ano letivo de 2014-15 foram 58 os detidos, a maioria deles no exterior (47). Nos últimos quatro anos, as armas apreendidas pela PSP nas escolas superaram a média de cem por ano.

A socióloga Margarida Gaspar de Matos, que coordenou parte dos dados do relatório da UNICEF – “As crianças no mundo desenvolvido” – divulgado em abril, diz não ser possível associar a pobreza às vítimas de bullying e a riqueza aos agressores. “Um estudo recente num outro sentido associa o desafogo económico e o sucesso escolar a algum egocentrismo. Por isso, mais do que “diabolizar” a pobreza ou a riqueza, era importante providenciar aos jovens alternativas (competências, motivação e oportunidades) de optarem por modos de convívio mais pacíficos”, conclui Margarida Gaspar.

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.