Sete passos para evitar a COVID-19: Organização Mundial de Saúde

Março 27, 2020 às 12:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

“São Valentim que nos perdoe”: violência no namoro está em exposição

Fevereiro 14, 2020 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Galeria da exposição

Notícia do Público de 7 de fevereiro de 2020.

São lenços dos ex-namorados e querem alertar para o problema da violência no namoro. Ainda que visibilidade deste problema tenha aumentado, Daniel Cotrim considera que continua a haver por parte das vítimas “uma desvalorização”.

Inês Duarte de Freitas

Esta é uma notícia sobre namoro, mas de amor tem pouco. “Onde há violência, não há romance” diz o cartaz da exposição “São Valentim que nos perdoe”, que quer chamar a atenção para a violência no namoro. Até 16 de Fevereiro, os lenços dos ex-namorados podem ser vistos na loja Fnac do Centro Comercial Colombo, em Lisboa.

Um estudo da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) publicado em 2019 conclui que 58% dos jovens que estiveram numa relação de intimidade reportaram situação de violência. Há ainda outro número alarmante: 67% aceita como natural pelo menos uma forma de violência na intimidade.

Para assinalar a inauguração da exposição, a Fox Life convidou um painel de oradores para debater a violência no namoro. Nas paredes da sala, os lenços dos ex-namorados captam a atenção de todos. “Se para ti amor rima com dor, andor”, pode ler-se num dos quadros. As 20 peças, inspiradas nos lenços dos namorados típicos do Minho, foram bordados pelo projecto de inclusão social “A Avó veio trabalhar”.

O jornalista Paulo Farinha modera o debate. Ao seu lado estão o psicólogo Daniel Cotrim, responsável pela violência doméstica e de género na APAV; o humorista Diogo Faro, fundador do movimento #nãoénormal; a apresentadora Inês Lopes Gonçalves, a ilustradora Clara Silva (autora de um dos lenços dos ex-namorados) e o psicólogo Eduardo Sá, especialista em família.

“Um atentado à vida de forma tentada”

Daniel Cotrim começa por alertar que o namoro “é bom e recomenda-se”. No entanto, desde 2013, as queixas de violência no namoro aumentaram 25%. “Não se trata de um aumento de criminalidade, mas da visibilidade”, explica o psicólogo da APAV.

Ainda que a visibilidade tenha aumentado, Daniel Cotrim considera que continua a haver, por parte das vítimas, “uma desvalorização”. Clara Silva, ilustradora que assina como Clara Não, confidencia que viveu uma relação abusiva e garante que as vítimas “desculpam o próprio agressor”. Em Agosto de 2019, publicou o seu primeiro livro Miga, esquece lá isso com ilustrações sobre o amor-próprio.

O problema está também no que os jovens entendem por violência: “Controlo de redes sociais, das amizades, da forma de vestir, não é entendido como violência”, sublinha Daniel Cotrim. A apresentadora Inês Lopes Gonçalves aponta que “a comunicação social não trata a violência no namoro” e sugere os espaços de opinião como uma ferramenta importante para dizer que estes comportamentos “não são normais”.

“Quem violenta faz um atentado à vida de forma tentada”, analisa Eduardo Sá. O professor da Universidade de Coimbra alerta que “todas as pessoas que não sabem o que fazer à agressividade são muito mais doentes do que podem parecer e precisam de ajuda”.

Os pais e as escolas

A educação das crianças pode ter um papel fundamental na prevenção da violência no namoro. “A agressividade é um património da humanidade, tão natural como a sede. As crianças precisam de andar à bulha”, defende Eduardo Sá.

Inês Lopes Gonçalves tem dois gémeos com quatro anos e acredita que “mais do que possa dizer, o melhor é dar o exemplo”. Eduardo Sá acredita que a educação dada às crianças hoje “cria panelas de pressão” e incita os pais a deixarem as crianças brincarem na rua e “andarem à bulha”. “A agressividade é património da humanidade, ‘é tão natural como a sede’”, diz.

Na violência no namoro, os pais desempenham um papel fundamental. “Os pais andam mais distraídos do que deviam”, alerta Eduardo Sá, acrescentando que “quando os pais percebem que há uma mudança no comportamento, devem tornar esse assunto urgente”.

O psicólogo da APAV, Daniel Cotrim, lamenta que não existam “procedimentos claros de como tratar a violência na escola”. Diogo Faro, que fundou movimento #nãoénormal, relata que recebe muitas mensagens de raparigas, nas redes sociais, que são vítimas de violência dentro da escola, e relatam que os professores não acreditam nelas. “Há um julgamento constante da vítima”, lamenta o humorista.

“A escola é um espaço de aprendizagem da violência” quando devia “ser um espaço seguro”, sublinha Daniel Cotrim. O psicólogo da APAV conta que “ninguém quer ter a responsabilidade” pela violência no namoro.

O jornalista Paulo Farinha assinala que se as mensagens dos lenços dos ex-namorados “influenciarem alguém, já terá valido a pena”. Com o Dia dos Namorados à porta, já na próxima sexta-feira dia 14, a exposição “São Valentim que nos perdoe” quer deixar bem claro que “o amor não pode rimar com dor”.

Texto editado por Bárbara Wong

Unicef: pneumonia matou uma criança a cada 39 segundos no ano passado

Fevereiro 4, 2020 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia da ONU News de 29 de janeiro de 2020.

Desnutrição, poluição do ar e falta de acesso a vacinas e antibióticos estão entre as principais causas de mortes evitáveis ​​por pneumonia; nova análise mostra que foco em medidas de combate à doença pode evitar a morte de quase 9 milhões de crianças.

O aumento dos esforços no combate a pneumonia pode evitar a morte de quase 9 milhões de crianças por causa da doença e outras enfermidades.

De acordo com uma análise da Universidade Johns Hopkins, a ampliação dos serviços de tratamento e prevenção de pneumonia pode salvar a vida de 3,2 milhões de crianças com menos de cinco anos.

Fórum

Isso também criaria ‘um efeito cascata’ que impediria 5,7 milhões de mortes infantis adicionais por outras doenças comuns na infância, ressaltando a necessidade de serviços de saúde integrados.

A partir desta quarta-feira, nove organizações incluindo Unicef, Save the Children e a Fundação Bill & Melinda Gates realizam em Barcelona o primeiro Fórum Internacional sobre Pneumonia Infantil.

Entre os anúncios estão uma vacina PCV mais acessível do Instituto de Soro da Índia e compromissos políticos de governos para desenvolver estratégias nacionais e reduzir as mortes por pneumonia.

Pneumonia

A pneumonia é causada por bactérias, vírus ou fungos e deixa as crianças lutando para respirar enquanto os pulmões se enchem de pus e líquidos. O Unicef destaca que a doença é a maior causa de mortes de crianças.

No ano passado, a pneumonia matou 800 mil menores, ou uma a cada 39 segundos.

O Unicef alerta que embora alguns tipos da doença possam ser evitados com vacinas e facilmente tratados com antibióticos de baixo custo, se diagnosticados corretamente, dezenas de milhões de crianças ainda não foram vacinadas. Uma em cada três menores com sintomas não recebe cuidados médicos básicos.

Mortes

As mortes infantis por pneumonia estão concentradas nos países mais pobres do mundo e são as crianças mais carentes e marginalizadas as que mais sofrem. A agência da ONU destaca estimativas que mostram que 6,3 milhões de menores de cinco anos podem morrer por causa da doença entre 2020 e 2030, segundo as tendências atuais.

Na próxima década, as mortes devem ser mais altas na Nigéria, com 1,4 milhão de vítimas infantis, na Índia, com 880 mil, na República Democrática do Congo, com 350 mil e na Etiópia, com 280 mil.

Doenças

Segundo a análise, intervenções de saúde destinadas a melhorar a nutrição, fornecer antibióticos, aumentar a imunização e taxas de aleitamento materno são fundamentais para a redução do risco de mortes.

Essas medidas também impediriam a perda de vidas de milhões de crianças por outras doenças. Entre elas, a morte de 2,1 milhões de menores por causa da diarreia, 1,3 milhões por sepsia e 280 mil pelo sarampo.

Combate

A diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore, enfatizou que é preciso “levar a sério o combate à pneumonia”. Ela disse que “como o atual surto de coronavírus mostra, isso significa melhorar a detecção e prevenção oportunas.”

Fore acrescentou que isso “significa fazer o diagnóstico correto e prescrever o tratamento correto” e que também significa “abordar as principais causas de mortes por pneumonia, como desnutrição, falta de acesso a vacinas e antibióticos e enfrentar o desafio mais difícil da poluição do ar.”

Poluição

De acordo com um estudo do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde, Ihme, a poluição do ar externo contribui para 17,5% das mortes por pneumonia entre crianças menores de cinco anos em todo o mundo. A poluição de casas familiares pelo uso interno de combustíveis sólidos para cozinhar contribui para 195 mil mortes adicionais.

Noventa e um por cento da população do mundo está respirando ar externo que excede os padrões da Organização Mundial da Saúde, OMS. A escala do desafio da poluição do ar pode potencialmente minar o impacto da ampliação de intervenções relacionadas à pneumonia.

Mais informações na notícia da Unicef:

Childhood pneumonia: Everything you need to know

Microsoft lança ferramenta para identificar abusadores sexuais de crianças online

Janeiro 25, 2020 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do PPLWare de 14 de janeiro de 2020.

Os predadores sexuais viram na Internet uma mina de oportunidades, pois há mais facilidade de contacto com as vítimas e a possibilidade de usar o anonimato. Mas a Microsoft pretende fazer frente a esse flagelo.

Para ajudar no combate a este crime horrendo, a gigante tecnológica lançou uma ferramenta gratuita capaz de identificar os abusadores sexuais de crianças online.

O abuso de crianças é um crime extremamente repugnante ao qual todos temos que dar atenção. Devemos também contribuir da melhor forma para ajudar na prevenção e denúncia ao mínimo de alerta.

Assim, e com o objetivo de proteger os mais pequenos, a Microsoft lançou uma ferramenta gratuita capaz de identificar abusadores sexuais de crianças.

Project Artemis – A ferramenta que identifica os abusadores online

A Microsoft reconhece que tem uma responsabilidade social no desenvolvimento de software, equipamentos e serviços que promovam a segurança dos utilizadores.

Desta forma, lançou este mês o Project Artemis, uma ferramenta capacitada com técnicas de deteção de aliciamento sexual.

Através desta funcionalidade, a tecnologia conseguirá analisar e detetar determinados conteúdos utilizados tipicamente por abusadores sexuais, na sua tentativa de aliciar crianças online. Esta deteção será feita sobretudo em conversas de chat, redes sociais, texto online, etc.

As conversas são avaliadas e classificadas com a probabilidade de terem algum conteúdo ou risco de haver teor de aliciamento e abuso sexual.

De seguida as conversas são sinalizadas e enviadas a moderadores, ou seja, a pessoas que irão rever os conteúdos detetados. Se for considerado um potencial risco ou abuso, os moderadores encaminham para as autoridades. Se se tratar de exploração sexual infantil, a denúncia será entregue também ao National Center for Missing and Exploited Children.

Assim, um potencial abuso de crianças online, poderá ser detetado, interrompido e denunciado precocemente, evitando consequências mais graves e, por vezes, fatais.

A ferramenta foi desenvolvida com a colaboração da rede social The Meet Group, do jogo Roblox, do serviço de mensagens Kik e da Thorn, uma organização sem fins lucrativos que desenvolve tecnologias para proteger crianças de possíveis abusos sexuais.

O Project Artemis será patenteado e ficará disponível gratuitamente via Thorn para que todas as empresas de serviços online que dispõem de chat sejam dotadas com a técnica de deteção de abusadores sexuais.

Esta nova tecnologia começou a ser desenvolvida em 2018, no evento “360 Cross-Industry Hackathon” da Microsoft, co-patrocinado pela WePROTECT Global Alliance e pela Child Dignity Alliance.

É, de facto, de louvar esta preocupação e iniciativa da Microsoft, pois é cada vez mais urgente haver ferramentas inteligentes capazes de fazer frente a este gravíssimo e hediondo crime.

Pode saber mais informações sobre o Project Artemis no blog da Microsoft.

Mutilação genital feminina: esta escola-abrigo protege as meninas das suas famílias

Janeiro 1, 2020 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Público de 26 de dezembro de 2019.

Ana Marques Maia

Lasoi tinha 10 anos quando o pai a informou que se iria casar dentro de dias. Apesar de nunca ter sequer visto o futuro marido, a notícia não a surpreendeu. Afinal, tinham passado apenas 11 dias desde o corte. A excisão. O procedimento que é também conhecido por mutilação genital feminina. É de senso comum, na tribo maasai, que nenhuma mulher – neste caso, menina – se casa “intacta”. Todas passam pelo mesmo, apesar de o governo do Quénia ter proibido a prática em 2011. Por imposição familiar, Lasoi acabou mesmo por se casar. Na manhã que se seguiu à noite de núpcias, fugiu de casa do marido em direcção à casa dos pais, onde foi recebida com violência e, em seguida, devolvida. Uma semana depois, a menina repetiria a proeza; e os pais repetiriam a sova e a devolução. A insurreição de Lasoi levou a que os seus pais a renegassem, permanentemente, e a que a relação com a nova família azedasse ao ponto de ser vítima diária de agressões.

Um dia, poucas semanas após o casamento, Lasoi foi encontrada inconsciente num descampado próximo da sua nova casa. Contou à Nashipai Maasai Community Project que o marido a tinha seguido e lhe tinha batido até perder os sentidos. A organização não-governamental, que dá apoio a vítimas de mutilação genital feminina e de casamento infantil, direccionou-a para a Escola de Raparigas Naning’0i, onde é apenas uma de 320 meninas que foram vítimas dos mesmos crimes. Não é uma coincidência. Nas zonas de Kajiado e Narok, predominantemente maasai, a estrutura social é profundamente patriarcal e conservadora.

Foi em Março de 2019 que Natalia Jidovanu ficou a conhecer de perto esta realidade. “Fui lá, primeiro, como fotojornalista”, contou ao P3, via Skype. “Estava a trabalhar numa história para a Al Jazeera sobre a mutilação genital feminina e outros desafios das meninas maasai.” À medida que foi conhecendo as histórias das meninas dessa tribo, Natalia foi-se interessando pela Escola de Raparigas Naning’0i e compreendendo a importância do seu papel naquele contexto de pobreza. “Dentro da comunidade maasai existe a ideia de que só os rapazes devem ir à escola, e não as raparigas”, explica Natalia ao P3. “O papel da mulher é estar em casa, ser mãe, tratar dos filhos, da família do marido, das vacas. Convencer os pais que as meninas têm de ir à escola é difícil. Parece-lhes um desperdício de tempo. Se uma rapariga for casada, a família vai receber vacas e a menina vai ser útil à família do marido. Se estiver na escola, a seu ver não vai servir para nada.” A educação é, por isso, na opinião da luso-moldava de 33 anos, “a única forma de interromper este ciclo” de subjugação.

A história da escola, que se situa em Mosiro, tem contornos particulares. “É uma escola primária só para raparigas; tem 320 alunas e capacidade para receber mais duzentas.” Foi fundada em 1999 por uma organização não-governamental e transferida para o sector público de educação queniano em 2014, “altura em que começaram a surgir os primeiros problemas de financiamento”. “No ano passado a escola esteve quase a fechar, mal havia fundos para comida”, lamenta a fotógrafa. A instituição funciona em regime de internato. “Para funcionar em pleno, a escola tem de garantir que as crianças têm acesso a comida, uniformes, camas, materiais escolares. Gratuitamente. Durante todo o ano.” E não apenas durante o ano lectivo. “Tendo em conta o contexto em que vivem, muitas meninas acabam por permanecer na escola também durante as férias. É arriscado voltarem para casa das famílias que, a qualquer momento, as podem submeter a mutilação genital ou forçá-las a casar.”

A escola é importante para as meninas maasai e não apenas porque as protege da mutilação genital feminina e do casamento infantil. “Esta é a única escola para raparigas num raio de 500 quilómetros”, explica Natalia. “Num contexto em que existe tão pouca oferta educativa para raparigas, a excisão feminina acaba por ser um problema quase secundário, embora muito relevante, claro.”

Além de psicóloga e fotojornalista, Natalia é também fundadora da ArtKids Foundation, uma organização não-governamental sediada em Nairobi que promove o uso da arte e cultura para o desenvolvimento pessoal de crianças e jovens quenianos. Perante este cenário de dificuldades e diante da urgência de uma solução, Natalia decidiu “tentar fazer algo através da fundação” para ajudar a escola e as meninas maasai. “Acabámos de oferecer, esta semana, a primeira bolsa de estudo a uma menina que terminou o ensino primário, a Maria, para ela poder continuar os estudos numa escola secundária”, referiu. “A Maria tem 14 anos e fugiu de casa em 2017 para escapar à cerimónia de mutilação genital que o pai estava a preparar para ela.”

Tu.alinhas – Informação nas áreas dos comportamentos aditivos e dependências

Outubro 3, 2019 às 6:00 am | Publicado em Site ou blogue recomendado | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

http://www.sicad.pt/PT/Cidadao/Tu-alinhas/Paginas/default.aspx

Projeto piloto já permitiu detetar 54 casos de mutilação genital feminina

Setembro 6, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

© Reuters

Notícia e imagem do site noticiasaominuto de 14 de agosto de 2019.

O projeto arrancou em novembro de 2018 e está previsto durar dois anos, estando a ser dinamizado a nível local pelas Unidades de Saúde Pública nos cinco Agrupamentos de Centros de Saúde (ACS) que abrangem as áreas com maior prevalência do fenómeno: Almada-Seixal, Amadora, Arco Ribeirinho (concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo), Loures-Odivelas e Sintra.

Vinte e nove profissionais de saúde destes cinco ACS frequentaram a pós-graduação em Saúde Sexual e Reprodutiva: Mutilação Genital Feminina, na Escola Superior de Saúde, do Instituto Politécnico de Setúbal, entre dezembro do ano passado e junho deste ano, e o objetivo é garantir que cada vez mais médicos e enfermeiros sabem identificar não só casos de mulheres já mutiladas e prestar-lhes os devidos cuidados, como também prevenir novos casos.

A secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade disse à Lusa que graças a este projeto foi já possível identificar quase tantos casos de mutilação genital feminina como em todo o ano de 2018.

“Nós tínhamos uma média de sinalizações no portal ‘Dados em Saúde’ de 60 por ano. Neste momento temos já, em início de julho, 54 sinalizados, que foram identificados como sendo de mutilação genital feminina”, disse Rosa Monteiro.

A secretária de Estado sublinhou que as 54 sinalizações feitas não são necessariamente de práticas de mutilação recentes, significando sim que há “uma maior capacidade do sistema de saúde de identificar, sinalizar e diagnosticar estes casos”.

“São mulheres de todos os grupos etários, na esmagadora maioria, como se tem vindo a registar, a identificação ou a prática foi realizada fora do país”, apontou Rosa Monteiro.

Apontou que o enfoque na prevenção é fundamental porque o objetivo é efetivamente erradicar a prática, mas sublinhou que não pode ser negligenciado o facto de as mulheres excisadas precisarem de acompanhamento, apoio e terem necessidades específicas ao nível da saúde sexual e reprodutiva.

De acordo com Rosa Monteiro, houve já alguns “casos curiosos” de profissionais de saúde que antes da formação admitiram ter dificuldades em identificar os efeitos físicos da mutilação.

“Esta maior capacidade de identificação é fundamental porque quando não se sabe identificar não se vê o problema e por vezes associa-se, e era o que acontecia, a malformações genéticas”, destacou.

Médico especialista em saúde pública e responsável pelo projeto Práticas Saudáveis no ACS da Amadora, António Carlos explicou à Lusa que esta é uma área na qual trabalha já há alguns anos, mas graças ao projeto conseguiu que a equipa, composta por dois médicos e duas enfermeiras, tivesse formação e houvesse uma ligação entre a saúde e a educação.

“Estamos a produzir um suporte informático, que será um jogo para a Escola Gustavo Eiffel [no concelho da Amadora], que tem como objetivo intervir junto da população base, os jovens”, adiantou, acrescentando que está também a ser feito um levantamento junto dos profissionais de saúde para perceber o que sabem sobre o assunto e, com base nisso, preparar formações adaptadas à realidade.

Na opinião de António Carlos, a importância do projeto reflete-se não só pela parte preventiva, já que é “importante saber qual é a população” para a qual devem estar mais despertos, mas também pela vertente proativa, ou seja, de detetar uma mutilação e saber o que fazer, que cuidados prestar.

O médico lembrou que, em casos extremos, a mutilação genital feminina pode provocar a morte da mulher, mas tem também o efeito de deixar sequelas para toda a vida, tanto físicas como psíquicas, ressalvando que há mesmo casos de mulheres que nem sabem exatamente a que tipo de mutilação foram sujeitas.

“Recentemente fizemos uma intervenção numa escola e no fim houve uma jovem que veio ter connosco e disse: ‘Eu penso que tenho esse problema’. Muitas vezes, elas não sabem que têm esse problema, sabem apenas que lhes aconteceu alguma coisa”, apontou.

Revelou, por outro lado, que há já mulheres a pedir ajuda, “o que é muito positivo”.

“Os serviços têm de se preparar para responder porque ainda não estão [preparados], não só na parte da medicina geral e familiar, como também na parte de especialidade e também na parte da psicologia e da psiquiatria”, defendeu.

Os pedidos de ajuda também têm chegado junto de organizações não governamentais, como é o caso da Associação Mulheres sem Fronteiras, uma das oito que ganharam uma subvenção estatal para desenvolver um projeto nesta área, em articulação com as equipas dos ACS.

A Mulheres sem Fronteiras trabalha sobretudo com jovens raparigas em contexto escolar ou em contexto associativo, em locais onde há comunidades que podem ser afetadas por este fenómeno, como é o caso da Escola Secundária da Baixa da Banheira, no Vale da Amoreira.

À Lusa, Alexandra Alves Luís contou como já foi abordada por várias alunas: “Há um primeiro contacto que muitas vezes se resume a chorar, a um abraço, [a perguntar] porque me fizeram isto, e o próximo passa sempre pela saúde”.

De acordo com a responsável, são sobretudo raparigas migrantes, que chegaram a Portugal há pouco tempo, que nos seus países de origem também não tiveram acesso a cuidados de saúde formais e que encontram na escola um ambiente seguro e confidencial para falar.

“Existem alguns casos em que o facto de termos intervindo e de estarmos na escola fizeram uma diferença significativa na vida dessas raparigas porque estamos a falar de raparigas que nunca tinham tido acesso à saúde e tinham complicações graves”, revelou Alexandra Luís.

Já a professora de História Noémia Braz adiantou que na sala de aula começam por falar de direitos humanos, igualdade de género ou práticas nefastas para levarem os próprios alunos a procurar informação, a questionar e a querer saber mais sobre o assunto.

Noémia Braz tem noção não é possível chegar a todas as raparigas vítimas de mutilação genital feminina porque é um assunto tabu, que não é para ser falado com estranhos “porque a família e a cultura assim o exigem”.

“Mas se formos abordando, se formos tornando este assunto também objeto de conversa e tratamento na sala de aula, nós podemos fazer uma intervenção maior e no futuro mudar práticas e primeiro mudar mentalidades”, concluiu.

Portugal é pioneiro em rede para casos graves de abandono escolar

Agosto 27, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Paulo Pimenta

Notícia do Público de 6 de agosto de 2019.

Samuel Silva

O nosso país será o primeiro da UE a dar enquadramento legal às escolas de segunda oportunidade, que trabalham com estudantes que, por falta de qualificações, estão em risco de exclusão social

Estas escolas destinam-se a jovens com mais de 15 anos sem qualificação profissional e que tenham abandonado a escola há pelo menos um ano.

As escolas de segunda oportunidade, que trabalham com adolescentes e jovens adultos que abandonaram a escola sem concluir a sua formação, vão ser formalmente reconhecidas pelo Governo. O Ministério da Educação publica hoje um despacho que cria um enquadramento legal para esta oferta. Portugal é o primeiro país a fazê-lo.

Estas escolas destinam-se a jovens com mais de 15 anos que não tenham qualificação profissional e que tenham abandonado a escola há pelo menos um ano. São pessoas que se encontram muitas vezes em risco de exclusão social, dada a falta de qualificações. Em Portugal, o modelo já existe há 11 anos, com a criação da Escola de Segunda Oportunidade de Matosinhos, e tem crescido nos últimos anos.

O despacho que é publicado hoje vai permitir “institucionalizar um modelo que até agora não tinha enquadramento legal”, explica ao PÚBLICO o secretário de Estado da Educação, João Costa, que assina o diploma. Portugal será o primeiro país a reconhecer formalmente as Escolas de Segunda Oportunidade, que começaram a surgir na Europa na segunda metade dos anos 90. A rede europeia de segunda oportunidade tem cerca de 40 estabelecimentos de ensino e associações que prosseguem este modelo de ensino. Foi criada em 1999, na sequência do reconhecimento da educação de segunda oportunidade pela Comissão Europeia. Quatro anos antes, o Livro Branco da Educação na União Europeia de 1995 pôs esta resposta em cima da mesa para dar saída ao problema de abandono escolar precoce que foi identificado um pouco por toda a Europa.

A solução agora encontrada é uma forma de “reconhecer o trabalho que estas instituições já fazem”, prossegue João Costa. O secretário de Estado também acredita que o novo enquadramento legal vai abrir espaço para um alargamento da oferta neste tipo de formação, especialmente em zonas onde existem “focos grandes de exclusão social” e não existem ofertas deste tipo, como é o caso da Área Metropolitana de Lisboa.

A escola de segunda oportunidade mais próxima da capital fica em Samora Correia, no concelho de Benavente. A maior parte destas escolas está no Grande Porto. Além da escola de Matosinhos, existem outros projectos como o Arco Maior e também na Maia e em Valongo.

Esta medida entra em vigor no início do novo ano lectivo e será operacionalizada através da assinatura de protocolos entre cada uma das escolas, a Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares e entidades parceiras, que podem ser autarquias e empresas, mas também instituições de solidariedade social ou do movimento associativo de cada um dos territórios. A intenção é que a intervenção das escolas de segunda oportunidade tenha sempre uma “dimensão comunitária”.

Os estudantes das escolas de segunda oportunidade vão continuar a ter que estar formalmente inscritos num agrupamento de escolas da rede pública. Estas escolas têm que enquadrar formalmente a formação dos alunos nos instrumentos de certificação disponíveis na lei, como o Programa Integrado de Educação e Formação (PIEF), destinado aos jovens dos 15 aos 18 anos que se encontram em risco de exclusão escolar e social, ou os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA), para os alunos maiores de idade. O despacho identifica, porém, a possibilidade de ser adoptado um “modelo pedagógico personalizado” enquadrado pela lei que introduziu a flexibilidade curricular no ano passado.

O diploma estabelece ainda as linhas orientadoras para criar um plano nacional — baptizado Programa 2 O — que dê resposta aos jovens que abandonaram o sistema educativo e estão em risco de exclusão social. Apesar de a taxa de abandono escolar ter atingido, no último ano, o valor mais baixo de sempre (11,8%), a tutela “sabe que Portugal ainda apresenta um número significativo de alunos que abandona a escola sem concluir a escolaridade obrigatória”, reconhece-se no diploma.

Depressão na adolescência: quando o fundo do poço começa cedo

Maio 16, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

shutterstock

Texto e imagem do DN Life de 6 de maio de 2019.

Está associada a dificuldades nas relações interpessoais, comportamentos agressivos, quebras no desempenho académico e aumento do consumo de álcool e drogas. A depressão na adolescência é um problema grave, que provoca elevada mortalidade. Geralmente por suicídio.

Texto de Joana Capucho

Não se lembra quando surgiram os primeiros sintomas de ansiedade, mas terá sido ainda na escola primária, quando começou a ser vítima de bullying por ser considerada “betinha”. “Era muito certinha, tímida e tinha poucos amigos”. Embora não fosse “muito agressivo”, era o suficiente para lhe “causar desequilíbrios psicológicos”. Com a morte do pai, no final de 2016, Luísa (nome fictício) entrou num estado de “tristeza constante”. “Havia sempre qualquer coisa que me puxava para baixo. Faltava sempre alguma coisa. Sentia que ninguém me percebia. A ira também não ajudava. E tudo isso levou ao isolamento”, conta a adolescente de 16 anos.

Luísa tinha “ataques de ansiedade e de pânico com frequência, insónias constantes, mais baixos do que altos”. Sentia um vazio enorme, embora “a cabeça estivesse cheia de coisas”. Desenhava e escrevia, porque as folhas a “percebiam melhor do que os seres humanos”. Tornou-se mais distraída, o que se refletiu nos resultados escolares. Com o desânimo, pensava desistir de viver. “Tinha pensamentos suicidas. Sentia e pensava tudo, mas nunca cheguei a fazer nada.” Há um ano e meio, foi diagnosticada com depressão e ansiedade e está neste momento a receber acompanhamento psicológico e psiquiátrico. “Continuo bastante ansiosa. A depressão está mais fraca, mas continua aqui. Há dias em que vou mesmo ao fundo do poço e tenho pensamentos muito maus, mas já não são tão frequentes.”

Não são conhecidos dados nacionais, mas várias investigações indicam que a depressão afeta um número considerável de adolescentes e que tem vindo a aumentar nesta faixa etária. De acordo com um estudo da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, realizado no ano letivo 2017/2018, um em cada quatro alunos do 7.º ao 12.º ano apresenta sintomas de depressão. José Carlos Santos, enfermeiro especialista em saúde mental, diz que 26% dos 6.100 alunos que responderam aos questionários manifestaram sintomatologia depressiva de moderada a grave.

O estudo foi realizado no âmbito do programa +Contigo, que desde 2009 se dedica à promoção da saúde mental e à prevenção de comportamentos suicidários nas escolas de todo o país, com maior incidência na região Centro. Segundo o coordenador da investigação, a percentagem de adolescentes com sintomas depressivos situava-se entre os 15 e os 20% quando o projeto começou. Não tem uma explicação objetiva para o aumento registado nos últimos anos, mas aponta algumas hipóteses. “As equipas dizem que são sobretudo questões de índole familiar: problemas de comunicação e desorganização do sistema familiar”.

Nos últimos anos, a pedopsiquiatra Ana Vasconcelos tem vindo a aperceber-se de “um aumento dos estados depressivos na adolescência”, muitas vezes diagnosticados “erradamente como hiperatividade, pois, no início da adolescência, podem mostrar a capa de hiperatividade ou agitação psicomotora e não se manifestar com os sinais” típicos da depressão, nomeadamente “tristeza, apatia, falta de motivação, ideias pessimistas”. Segundo a especialista, as depressões juvenis “aparecem com tentativas de suicídio, jovens que se cortam, com dificuldades de aprendizagem, desmotivação para a escola”.

São também cada vez mais frequentes “os casos de adolescentes da linha depressiva”, ou seja, oriundos de famílias com baixos níveis de serotonina – o neurotransmissor responsável por regular o humor e os estados mentais.

Diana Quintas, 25 anos, sabe o que é fazer parte dessa linha. “Há um grande estigma, ainda, relativamente à depressão, à necessidade de acompanhamento psicológico. É uma doença. É um desequilíbrio de químicos no cérebro e é para tal que precisamos de medicação. E é também uma doença hereditária. O meu pai sofre de depressão e é medicado há bastante tempo. Da mesma forma que há diabéticos que precisam de tomar insulina, eu e o meu pai precisamos, por agora, de tomar antidepressivos.”

Diana teve os primeiros sintomas depressivos aos 19 anos, depois de ter trocado de área no ensino secundário, o que a obrigou a ficar mais dois anos na mesma escola. “Há um sentimento de revolta, de tristeza, de desespero. Há um buraco, uma nuvem escura e parece não haver forma de sair de lá”. Aos 20, começou a estudar Direito. Estava no curso que queria, mas começou a “adquirir comportamentos obsessivos como forma de lidar com a ansiedade e com todo o trabalho” que o curso exigia.

Com a morte do avô, tudo se agravou. Surgiram os problemas para dormir e a falta de apetite. “Tomava café e comia chocolates para me manter acordada e para ingerir calorias.” Começou a afastar-se dos que a rodeavam, ao ponto de se isolar “de tudo e de todos”. No verão do ano passado, “chorava todos os dias, estava constantemente cansada, continuava sem conseguir comer”. Quando recebeu o diagnóstico de depressão, sentiu-se aliviada. “Finalmente, há explicação” para o que a atormenta há anos.

A perda é uma das situações que pode causar depressão na adolescência. “Pode ser de um familiar, mas também de um animal de estimação”, diz o enfermeiro José Carlos Santos, destacando que as roturas afetivas também são muito relevantes. Definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o período entre os 10 e os 19 anos de idade, a adolescência é “a fase das sensações, muito da componente afetiva e pouco da cognitiva. O desenvolvimento neuronal – no córtex transfrontal– atinge maturidade por volta dos 24 anos de idade”. Desta forma, “não podemos exigir que os adolescentes tenham um pensamento de um adulto, se não têm estrutura a nível cerebral para o poder fazer”.

Os sentimentos de tristeza fazem parte da adolescência – tal como da idade adulta. Mário Cordeiro diz que “é difícil definir o que é ‘depressão’, ou onde acaba a sensação de ‘estar na fossa’ e começa a verdadeira crise depressiva”. Provavelmente, refere o pediatra, “não há limites e uma será a continuação da outra”. Mas enquanto a tristeza é passageira, a depressão instala-se e afeta a forma como a pessoa se relaciona consigo e com os outros.

Pode ser difícil perceber quando começa a depressão, pelo que há alguns sinais aos quais os pais devem estar atentos, como “a sensação de desespero e abandono, de que o futuro só traz coisas desagradáveis, de não conseguir fazer nada com sucesso”. Não raras vezes, a doença está também associada a uma sensação “de cansaço seguido, durante dias e dias”, a problemas de sono, dores de cabeça ou abdominais sem causa aparente, perda de apetite e de peso ou o contrário.

Além da morte e da separação, Mário Cordeiro refere outros fatores que podem estar por detrás dos quadros depressivos, nomeadamente “a sensação de insegurança quanto a si próprio, separação ou divórcio dos pais, os conflitos familiares, a incapacidade de responder às solicitações do dia-a-dia, a depressão num dos pais, as doenças graves, o alcoolismo ou o consumo de drogas, os problemas com os amigos ou na escola”.

Quando ocorrem vários destes fatores ao mesmo tempo, “pode ser impossível aguentá-los: a depressão aparece e avoluma-se e o jovem debate-se, inclusivamente, com a questão de saber se vale a pena continuar a viver”. Por isso, alerta, “num adolescente, um estado depressivo franco nunca deve ser considerado uma ‘coisa natural’”.

À escala global, o suicídio é a terceira causa de morte na faixa etária entre os 15 e os 24 anos. José Carlos Santos fala numa taxa de suicídio de quatro em cada cem mil habitantes. Não existem dados sobre os comportamentos autolesivos – cortes ou toma de medicamentos sem ideação suicida ativa – mas estima-se que “por cada suicídio haja 100 a 120” ações deste tipo. “É um problema com uma dimensão grande”.

Luísa sofreu em silêncio até ao dia em que um artista que admirava se suicidou. “Os pensamentos maus que tinha triplicaram”. Quando a mãe lhe perguntou o que se passava, teve “um ataque de choro” e contou-lhe o que a atormentava há meses. E foi depois disso que procurou ajuda médica. Diana também contou com o apoio da família: “Dizem que é uma doença silenciosa. Até certo ponto, é, mas os meus pais viram, a minha irmã e o meu cunhado viram, o meu namorado viu. E foram eles que me deram a mão e me ajudaram”.

Mas nem sempre é assim. Ana Vasconcelos diz que “a depressão passa muitas vezes despercebida, sobretudo porque, neste momento, os adultos julgam mais do que tentam compreender”. Segundo a pedopsiquiatra, “muitas vezes, os sintomas da depressão incomodam os adultos, porque os adolescentes são mal educados, impulsivos, muito argumentativos e, por vezes, falta-lhes a capacidade de empatia”. Comportamentos disruptivos e desajustados que podem ser mal julgados.

Os estudos sobre a depressão revelam que quem sofre mais com a doença é o sexo feminino. De acordo com uma investigação recente da Faculdade de Medicina do Porto, a prevalência de sintomas depressivos nas raparigas aos 13 anos é duas vezes mais elevada do que nos rapazes da mesma idade. Segundo o estudo, 18,8% das raparigas sofrem de sintomas depressivos aos 13 anos, enquanto nos rapazes a percentagem é de 7,6%.

“Todos os estudos apontam para uma maior vulnerabilidade nas raparigas e para mais comportamentos de risco nos rapazes”, indica José Carlos Santos. O especialista em saúde mental diz que, perante um problema, os rapazes “tendem a uma maior externalização” e a manifestar mais consumos, nomeadamente de álcool e drogas, enquanto nas raparigas “há mais uma ruminação e uma maior internalização do problema”.

No Reino Unido, as redes sociais têm vindo a ser acusadas de instigar a depressão e o suicídio. Em janeiro, o secretário de Estado para a Saúde britânico, Matt Hancock, alertou os responsáveis por estas plataformas para a necessidade de apertar a malha aos conteúdos que induzem estes comportamentos. Uma chamada de atenção que surgiu depois o pai de uma jovem de 14 anos que se suicidou em 2017 ter afirmado publicamente que as redes sociais contribuíram para a morte da filha.

A questão é antiga e tem vindo a ser alvo de alguns estudos: será que os adolescentes que usam mais as redes sociais e os videojogos ficam mais deprimidos? “O grande risco nas investigações é o facto de as duas coisas acontecerem ao mesmo tempo, o que não quer dizer que as duas tenham que estar associadas ou que uma é causadora da outra”, diz o psicólogo clínico João Faria.

Na opinião do coordenador do Núcleo de Intervenção no Uso da Internet e das Telecomunicações do Pin [Centro de Desenvolvimento Multidisciplinar], as redes são “meios que podem potenciar” sentimentos negativos, mas não será correto relacionar “experiências menos positivas nestas plataformas ou nos videojogos com o aparecimento de sintomas depressivos”. Para o psicólogo, estes estão associados sobretudo aos “desafios que se colocam às novas gerações”, que muitas vezes “não sabem o que desejam em relação ao futuro e sentem-se perdidas”.

Em alguns casos de depressão, as redes sociais servem até para os jovens conversarem com outros, o que pode proporcionar algum alívio do sofrimento. Tal como as artes. Segundo a pedopsiquiatra Ana Vasconcelos, para muitos jovens “a criatividade é uma saída para estados depressivos”. “Há adolescentes com depressões graves que escrevem livros, poemas, pintam”.

Oito sinais aos quais os pais devem estar atentos:

  • Tristeza permanente e choro fácil
  • Irritabilidade e frustração
  • Isolamento social
  • Sentimentos de culpa e de incompreensão por parte dos outros
  • Não conseguir dormir bem durante muitas noites seguidas
  • Sensação de cansaço seguido, durante dias e dias
  • Dores de cabeça ou no corpo sem razões aparentes
  • Ideias ou comportamentos suicidas, bem como autolesivos

O estudo mencionado no texto é o seguinte:

Prevenção de comportamentos suicidários: contributos da investigação

 

Alexandre teve um ataque de pânico aos 8 anos. Duarte tinha apenas 6

Abril 19, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do MAGG de 8 de abril de 2019.

por Marta Gonçalves Miranda

Há cada vez mais crianças a procurar ajuda e os especialistas estão alerta. Contamos-lhe histórias impressionantes de um drama real.

Em setembro do ano passado, Alexandre estava num treino de hóquei quando começou a sentir falta de ar. O pai estava a assistir na bancada, a mãe noutra área mas também dentro do clube. Quando se aperceberam do que se estava a passar, levaram o filho imediatamente para a rua. Ajudou, mas Alexandre continuou com a estranha sensação de que não conseguia respirar bem em espaços fechados. Apesar do frio, o regresso a casa foi feito com as janelas do carro abertas. Pelo menos assim conseguia respirar.

No dia seguinte, o cenário voltou a repetir-se. Alexandre não queria entrar num restaurante, mas os pais insistiram. A incapacidade de respirar foi tão grande que saiu a correr e acabou por desmaiar na rua. Teve de ser levado para o hospital de ambulância.

Depois de muitos exames, os médicos concluíram que não havia nenhum problema físico. Aos 8 anos, Alexandre foi diagnosticado com ansiedade e ataques de pânico.

“O segundo ataque de pânico foi o pior que ele teve”, conta à MAGG a mãe, Lara Fonseca, 41 anos. “Começou a dizer que as pessoas cuspiam sangue antes de morrer — acho que deve ter visto isso num vídeo qualquer — e começou a cuspir para a mão”.

Alexandre começou a ser acompanhado por uma psiquiatra e por uma psicóloga. Os primeiros meses foram duros: a criança da Póvoa de Santa Iria não conseguia ir à escola, às vezes nem sequer sair de casa. Durante dois meses tiveram que ter as janelas sempre abertas, para ajudar Alexandre a sentir que não estava preso. Além disso, e como é habitual nos ataques de pânico, o medo de morrer ou de ficar doente eram uma constante.

“Um dia ele teve uma espécie de surto emocional em que dizia que já não tinha medo de morrer e que o que pensava mesmo era em matar-se porque não aguentava viver assim.” Aquelas palavras apanharam Lara de surpresa, mas também ao próprio Alexandre, explica a mãe, que de repente se apercebeu da gravidade do que estava a dizer.

Hoje Alexandre tem 9 anos e já vai à escola, a festas de anos e brinca com os amigos. Está a ser medicado (tinha a dopamina um bocadinho mais alta do que o normal) e continua a ser acompanhado por um psicólogo, mas as consultas já não são tão regulares e as melhoras são evidentes. Ainda só não voltou aos treinos de hóquei, contudo os especialistas asseguram que não há pressa — como foi no clube que tudo começou, um novo ataque de pânico no local pode fazer regredir tudo. Portanto, é ir com calma.

Porque é que isto aconteceu com Alexandre? Ninguém sabe explicar ao certo. “O que a psiquiatra nos disse é que ele é uma criança orquídea, como eles chamam, isto é, crianças extremamente sensíveis e que podem ser perturbadas por coisas simples”. Lara reconhece a sensibilidade do filho, bem como a fase em que tudo isto aconteceu: “É uma altura em que eles começam a ter mais consciência da morte. Às vezes ele vinha deitar-se connosco e chorava porque tinha medo que a mãe ou o pai morressem”.

“Na sua maioria, as crianças não possuem os métodos para levar a cabo a intenção de se suicidarem”

Na Clínica de Psicologia e Coaching Learn2be, os especialistas têm notado um aumento do número de famílias que procuram o serviço de psicoterapia para ajudar as suas crianças com manifestações de auto-mutilação e ideação suicida (conjunto de pensamentos recorrentes). No entanto, explica a diretora clínica Vera Ferreira, “sabe-se que, na sua maioria, as crianças não possuem os métodos para levar a cabo a intenção de se suicidarem.”

Na faixa etária de que falamos, até aos 10 anos, crianças como Alexandre que dizem que não querem viver mais estão a pedir ajuda. Estão a mostrar a sua tristeza, o seu desconforto, o seu desânimo e dificuldade em enfrentar os dias.

“É importante realçar aqui que a ideação suicida está diretamente ligada ao facto de a criança não se sentir capaz de lidar com determinada situação da sua vida e não com a vida em si. É importante desmistificar este pré-conceito e esclarecer que a criança não quer acabar com a vida, ela apenas quer acabar com o sofrimento”, continua. “Quando percebe que isso é possível, a ideação suicida desaparece.”

O facto de a criança explicar aos pais aquilo que sente, e sobretudo o desejo de acabar com o sofrimento, também é uma ajuda para os profissionais e família. “A ideação suicida é um dado conhecido pelos pais porque a própria criança verbaliza que não quer continuar a viver, o que nos dá (a nós profissionais e à família) uma margem excelente para intervir e ajudar.”

Maria Laureano, pedopsiquiatra da Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra, concorda com a ideia de que os pensamentos suicidários estão relacionados com a vontade de acabar com o sofrimento. Até porque os miúdos “não têm um entendimento completo do que esses atos encerram, nem compreendem a letalidade ou o fim real desses atos. Algumas crianças pensam que a morte é um estado transitório ou que é possível reverter.”

Ainda assim, não podemos excluir a possibilidade de um pensamento suicidário ser levado em frente por uma criança. “Ideias como ‘as crianças não pensam na morte, nem agem contra si com comportamentos suicidários’ são mitos. As crianças pequenas podem ter pensamentos de morte e atentar intencionalmente contra si próprias.”

Os pais e cuidadores devem estar atentos aos sintomas, e incentivar a criança a falar. “Devemos evitar atitudes que levem a criança ao silêncio, por exemplo devolver-lhe que ‘Isso são assuntos sérios, não é para brincar’ ou que não se fala disso”, continua a pedopsiquiatra. “É importante que as crianças mantenham a capacidade de falar com os pais e os adultos de confiança. Perceberem que o adulto âncora está disponível e quer ajudar (ainda que às vezes não saiba logo como), pode mudar todo o curso da história da criança.”

Duarte tinha 6 anos quando foi diagnosticado com ansiedade e ataques de pânico

“Começou de repente. Ele dizia que se estava a sentir mal, que estava a ver tudo à roda, que tinha o coração acelerado”. Com apenas 6 anos, Duarte (nome fictício) estava a transpirar das mãos, tremia e não tinha dúvidas de que ia morrer. “Mas o que é que sentes?”, perguntou a mãe, Matilde (nome fictício), operadora de call center. “O coração está muito acelerado, estou mal-disposto. Quero vomitar, estou zonzo, estou a ver tudo à roda”.

Aos 34 anos, Matilde não teve dúvidas de que era um ataque de pânico — sofrendo ela própria de ansiedade e de transtorno de pânico, era impossível não reconhecer os sintomas. A mãe tentou explicar-lhe que ia ficar tudo bem, mas não foi fácil. “Se até para nós adultos é difícil aceitar que vai ficar tudo bem, o que dizer de uma criança de 6 anos?”, pergunta-nos.

Os sintomas expressos por Duarte surgiam sobretudo antes de ir para a escola — a criança tinha acabado de entrar na primária, portanto a mãe ainda ponderou que pudesse estar a sofrer bullying. Não era verdade: estava tudo bem com os colegas, até mesmo com os professores. Com apenas 6 anos de idade, Duarte sofria mesmo de ansiedade à escola. Não era aos amigos ou aos professores, era à escola.

Não houve mais nenhuma situação na vida de Duarte que pudesse explicar o que se estava a passar, a não ser esta transição da pré-primária para a primária. “Aquela transição da pré para a primeira classe pode tê-lo assustado um bocadinho. Acho que foi mais por aí”. Ainda assim, explica Matilde, nem sempre há uma causa lógica para o surgimento deste transtorno — pode ser algo tão simples como um distúrbio químico no cérebro.

A situação começou a piorar. Da ansiedade à escola passou para os centros comerciais, restaurantes ou até o café. A ideia de estar rodeado por muitas pessoas deixava-o assustado, tanto que evitava ir a parques infantis que estivessem cheios de miúdos.

Explicar o que é ansiedade a uma criança de 6 anos não é fácil. Neste caso, porém, o facto de Matilde saber exatamente o que o filho estava a sentir, ajudou — fazia respirações com ele, assegurava-lhe que ia ficar tudo bem. “Dava-lhe água, molhava-lhe a nuca, os punhos… Tudo estratégias que nós utilizamos.” Duarte também começou a fazer psicoterapia. “Também esteve no psiquiatra mas não lhe quiseram dar medicação porque ainda era muito pequenino — tentámos com a psicoterapia e conseguimos.”

Hoje Duarte tem 8 anos e já tem as suas estratégias para lidar com a ansiedade. Quando começa a ficar ansioso, vai à casa de banho e molha os pulsos e a nuca. Além disso, anda sempre com um saco de papel para fazer as respirações em picos de ansiedade.

Há cada vez mais crianças a sofrer de ansiedade e ataques de pânico?

“Os quadros de ansiedade continuam a ser aqueles que mais recebemos na equipa infantojuvenil da Oficina de Psicologia, particularmente ansiedade generalizada e ansiedade social”, explica Inês Afonso Marques, psicóloga clínica e coordenadora da área infantojuvenil da Oficina de Psicologia. Para Maria Laureano, pedopsiquiatra da Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra, também não há dúvidas de que “os números aumentaram grandemente.”

Mas é preciso compreender que há também uma maior consciência de que às vezes é preciso pedir ajuda. Se há algumas décadas era impensável para alguns pais levar uma criança pequena ao psicólogo ou psiquiatra, hoje já não é assim.

“Da minha casuística posso dizer que há mais crianças e adolescentes a tomarem a iniciativa de pedirem aos pais para marcarem uma consulta no psicólogo em comparação há 7 ou 8 anos”, explica a psicóloga. No caso das crianças com 10 anos ou menos, acrescenta a pedopsiquiatra, e estando ainda tão dependentes dos cuidadores, diminuiu-se o estigma. “Não raras vezes se ouvia ‘É tão pequenino/a para ir ao psiquiatra’”.

O que é um ataque de ansiedade?

“O conceito ‘ataque de ansiedade’ não expressa um quadro nosológico. É um termo mais ou menos convencionado para descrever uma intensificação de medo e preocupação, habitualmente em resposta a um gatilho específico (uma discussão, um teste, um momento de antecipação de algo que se receia…) e que pode ser acompanhado de desconforto físico como pressão no peito, coração acelerado, dor de barriga, etc. Por comparação com um ataque de pânico é algo descrito como menos avassalador”, explica Inês Afonso Marques, da Oficina de Psicologia.

E um ataque de pânico?

“Um ataque de pânico surge ‘do nada’, sem ser uma resposta a um determinado stressor. Um ataque de pânico é um período abrupto de medo ou desconforto intensos que atinge um pico em minutos e durante e qual ocorrem vários sintomas físicos e cognitivos (palpitações, ritmo cardíaco acelerado, suores, sensação de dificuldade em respirar, desconforto ou dor no peito, náuseas sensação de tontura, cabeça vazia ou desmaio, formigueiros, medo de perder o controlo ou de “enlouquecer”, medo de morrer. Estes sintomas podem passar despercebidos aos adultos pela dificuldade das crianças em verbalizarem aquilo que pensam e sentem e pelos adolescentes poderem estar menos disponíveis para falar abertamente de algo que sentem como avassalador e assustador.”

Ansiedade e ataques de pânico. Sinais de alerta

— Incapacidade para lidar com problemas e atividades quotidianas, desinteresse em brincar, desinteresse por atividades que anteriormente estimulavam a criança positivamente;
— Ansiedade excessiva;
— Alteração do sono (insónia, pesadelos);
— Sentimentos de tristeza;
— Variação ponderal acentuada;
— Comportamentos antissociais repetidos (episódios de agressividade com os amigos ou mesmo adultos);
— Isolamento mantido;
— Comportamentos agressivos dirigidos a si próprio (bater na cabeça, arranhar-se);
— Verbalizações de querer sair de casa, de que sente que ninguém a estima, de que nunca faz nada bem (nas verbalizações o mais importante não é totalmente o conteúdo proferido, mas a tonalidade negativista da criança);
— Queixas somáticas (dores de barriga, dores de cabeça, tonturas, náuseas, etc., sem causa médica associada;
— Verbalizações fora do habitual (exemplo: não me apetece ir para a escola; ficas comigo até adormecer; podemos antes ficar em casa, sinto-me mal mas não sei porquê;
— Oscilações de apetite.

 

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.