Inscrições para a Escola de Mães – Ano Lectivo 2018/2018

Setembro 17, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Encontram-se abertas as inscrições para o próximo ano lectivo 2018/2019.

Poderá fazê-lo através do e-mail: escola@ajudademae.pt.

http://www.ajudademae.pt/

Guia Prático para as Famílias – Pré-escolar, Infância e Adolescência: Estratégias de Prevenção do Consumo de Substâncias Psicoativas Lícitas e Ilícitas

Agosto 28, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

descarregar o guia no link:

http://www.iasaude.pt/ucad/attachments/article/382/GUIA%202.pdf

Esta mulher já salvou perto de 15 mil meninas da mutilação genital feminina

Agosto 22, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Notícias Magazine de 8 de agosto de 2018.

Nice Nailantei Leng’ete foi considerada, pela revista Time, uma das 100 pessoas mais influentes do mundo em 2018.

Texto de Ana Tulha

Nice Nailantei Leng’ete ainda mal tinha recuperado da morte dos pais quando, no horizonte, se desenhou um novo revés: apesar de ter apenas oito anos, a jovem queniana preparava-se para se submeter à mutilação genital feminina (remoção ritualista de parte ou de todos os órgãos sexuais externos femininos).

Tanto que, no dia do ritual, ela e a irmã até acordaram às quatro da manhã, para se prepararem. Sim, prepararem, uma vez que, antes da prática, é suposto as meninas tomarem um banho de água gelada. A ideia é que a água fria sirva como anestésica para o ritual.

Mas, depois do banho, Nice começou a fintar o destino. Para isso, escondeu-se numa grande árvore, ao pé da casa do tio. A irmã foi atrás. E ali ficaram, até escurecer.

Depois, fizeram-se à estrada, até à casa de uma tia, que ficava a 70 quilómetros. À estrada, como quem diz. O medo de serem encontradas era tanto que fizeram o caminho pelo meio dos arbustos.

Mas o plano de fuga não correu bem à primeira. “Passado uma semana, descobriram que estávamos lá e o meu tio veio com um grupo de homens bater-nos e ameaçar-nos”, contou Nice Nailantei Leng’ete.

Não desistiu, ainda assim. Quando o dia chegou, voltou a fazer o mesmo. Mesmo que, desta vez, a irmã, receosa de voltar a ser espancada, tenha cedido à obrigatoriedade do ritual.

Nice não. Correu para o padrinho e só de lá saiu com a garantia de que não a iam forçar a ser mutilada durante um tempo, para que pudesse continuar a escola – regra geral, quando as meninas são circuncidadas, casam e deixam a escola.

“Eu vi a dor. Eu vi a morte. Desde os sete anos que assistia àquelas cerimónias na minha comunidade, com as meninas a serem submetidas à mutilação. Eu vi as minhas amigas saírem da escola e casarem-se. Eu queria continuar a minha educação”, contou.

Começava, assim, um trajeto que haveria de fazer da jovem queniana um símbolo na luta contra a mutilação genital feminina. Quase 20 anos volvidos, estima-se que Nice Nailantei Leng’ete já terá ajudado a salvar perto de 15 mil meninas.

Primeiro, porque a ousadia dela serviu de inspiração para outras meninas fazerem o mesmo. Depois, porque abraçou a causa como ninguém: começou por esconder as meninas que recorriam a ela em busca de ajuda; depressa passou a correr a aldeia para partilhar informações sobre saúde sexual e bem-estar.

A primeira prova incontornável do sucesso chegou em 2014, quando conseguiu convencer a comunidade em que vivia a renunciar oficialmente à prática da mutilação genital feminina.

Mas o trabalho ainda anda longe de estar terminado. “Ser capaz de proteger essas meninas mais jovens dessas práticas prejudiciais é o que eu quero fazer. É um trabalho importante. Quando vejo as meninas na escola, essa é a minha felicidade”, contou.

mais informações no link:

 

INEM atendeu 1270 menores em coma alcoólico no ano passado

Julho 20, 2018 às 3:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do Público de 20 de julho de 2018.

“O álcool em excesso só te dá excesso de confiança” é a frase forte da campanha de sensibilização para os jovens que o Governo lança esta sexta-feira. Segue-se a fiscalização à venda de álcool a menores. Secretária de Estado diz que tem que haver “censura social”.

Margarida David Cardoso

É uma receita simples: “uma grande farra” com os amigos, uns “copos a mais” e um “não és capaz” atirado do outro lado da mesa. O jovem levanta-se, sai do bar e parte o vidro de um carro como tinha sido desafiado. Quando se volta a sentar já está numa esquadra a desenrolar o filme de “uma brincadeira que acabou mal”. O enredo da campanha que o Governo lança esta sexta-feira termina com uma conclusão: “O álcool em excesso só te dá excesso de confiança. Nada mais.”

Só no ano passado 1270 menores foram atendidos pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) em coma alcoólico, segundo dados da tutela. “E isto é a ponta do iceberg”, sublinha a Secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto.

O vídeo, que começa a circular esta sexta-feira, faz parte de uma campanha de sensibilização que, para além dos adolescentes e jovens, tem acções dirigidas aos comerciantes. Aos primeiros, serve para “pôr o dedo na ferida” e chamar a atenção para o facto de o excesso de álcool os tornar “mais susceptíveis para a prática de crimes e mais vulneráveis para serem vítimas”, diz Isabel Oneto.

É algo que as forças de segurança vêem com frequência. “Há grupos que se deslocam para vários pontos de diversão nocturna, porque sabem que é mais fácil furtar. Porque as pessoas estão mais desatentas, mais vulneráveis. Muitas vezes nem se apercebem que são vítimas de crime”, retrata. Por outro lado, “há jovens que acabam a noite na esquadra, por causa do excesso de confiança que o álcool lhes deu”. É o risco de virem a enfrentar consequências mais sérias do que uma ressaca: “A bebedeira passa. O resto não”, diz o slogan da campanha.

“O resto fica e pode-lhes marcar a vida”, sublinha a secretária de Estado.

Quem não pode ser alheio a esta questão são os comerciantes e responsáveis de estabelecimentos de diversão nocturna, entende o Governo. “Isto tem que ser levado a sério. Muitos [comerciantes] pensam que se não vendem eles, o jovem vai comprar no estabelecimento ao lado. Não, ninguém pode vender. Temos que conseguir instalar a censura social à venda de álcool a menores”, sublinha Isabel Oneto.

Fiscalização no Porto, Lisboa e Albufeira

É com esse intuito que depois de duas semanas de sensibilização – em que as forças de segurança e autoridades da Saúde vão distribuir 15 mil flyers por jovens, três mil pelos comerciantes – arranca “uma forte fiscalização”. GNR, PSP e ASAE terão como principais alvos bares e discotecas no Porto, Lisboa e Albufeira e as suas proximidades, onde é comum que os jovens se juntem para beber nas primeiras horas da noite. Já depois do fecho dos estabelecimentos as atenções viram-se para as roulottes destas zonas de movida, especialmente em Lisboa.

Os estabelecimentos que facultem, vendam ou coloquem bebidas alcoólicas à disposição de menores arriscam uma coima até 30 mil euros. E, se apanhados em flagrante delito e as autoridades acharem que há risco de este se repetir, os comerciantes podem ver o seu espaço fechado até 12 horas.

Já quando os menores são apanhados num estado de intoxicação alcoólica, as autoridades notificam os pais ou representantes legais. No ano passado, a ASAE conseguiu identificar apenas 12 menores por mês.

A lei mudou em 2015, alargando a proibição de venda a menores de todas as bebidas alcoólicas (antes eram apenas “as brancas”). Em breve também será assim nos Açores, única região onde até agora isso não acontecia, que esta semana aprovou o aumento da idade mínima para o consumo de álcool de 16 para os 18 anos.

Esta campanha de sensibilização é apresenta nesta sexta-feira, no Largo de Camões, em Lisboa, com os ministros da Saúde, da Administração Interna e a secretária de Estado, o presidente da Câmara de Lisboa e o humorista Rui Unas, que dá voz ao vídeo.

 

“Olá, eu sou o judeu» Antissemitismo nas escolas

Julho 4, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Texto do site Swissinfo de 26 de junho de 2018.

Por Sibilla Bondolfi

Jovens judeus visitam classes da rede pública suíça para responder a perguntas sobre o judaísmo para evitar a desinformação que gera o anti-semitismo. Intitulado “Likrat”, esse projeto de diálogo é tão bem-sucedido que os países vizinhos, como Alemanha e Áustria, estão também adotando-o.

Hinwil, na região de Zurique Oberland: a maioria dos jovens daqui nunca viu um judeu, muito menos falou com um. Há muitos anos que não existe mais uma comunidade judaica nessa região rural.

Os jovens se dirigem para uma sala de aula onde as cadeiras foram organizadas em círculo. Duas moças, vestidas de maneira moderna, com longos cabelos castanhos, sentam-se no meio. Uma delas rapidamente retoca sua maquiagem.

Nesse momento, pode acontecer que um aluno exclame: “Mas onde está o judeu?” E Liora, uma das duas belas moças do projeto, responde: “Eu sou o judeu”.

Superando os preconceitos que precedem o anti-semitismo

Cenas como essa em um encontro do Likrat podem ser vistas no documentário de Britta Wauer, ganhadora do Prêmio Grimme, um dos grandes prêmios da televisão pública alemã (no link abaixo, em suíço-alemão, com legendas em francês):

O Likrat é um projeto de diálogo da Federação Suíça de Comunidades Judaicas (FSCI), realizado desde 2002 na Suíça de língua alemã e desde 2015 na Romandie (Suíça francófona). Em cada encontro, dois jovens judeus visitam uma escola e respondem perguntas sobre o judaísmo, em uma média de cem reuniões por ano em todo o país.

A ideia é quebrar os preconceitos antes que o anti-semitismo possa se firmar. “Há vinte anos, a comunidade judaica da Suíça confrontou-se com diferentes acontecimentos que tornaram os velhos preconceitos parcialmente aceitáveis ​​novamente na sociedade”, diz Jonathan Kreutner, secretário geral do FSCI, referindo-se ao nascimento do projeto.

Nenhum tema é tabu

Com sua colega, Liora responde a perguntas sobre sua vida como judia. Pode-se perguntar sobre qualquer coisa. “Sem tabus”, confirma Liora. E as perguntas afloram: “Seu pai tem cachos nas têmporas?”

“Em geral, as crianças e os jovens fazem perguntas sobre o dia a dia, roupas, amor ou necessidades alimentares”, observa Jonathan Kreutner. “Dependendo das circunstâncias, pode ser um pouco mais controverso, quando se trata dos clichês sobre a aparência típica dos judeus, por exemplo. Mas essas questões são perfeitamente normais, e não têm nada a ver com ódio.

Um modelo de sucesso – também para outros países

Na Suíça, o Likrat é um sucesso total, e o modelo já foi exportado para a Alemanha, a Áustria e a Moldávia. E de acordo com Jonathan Kreutner, outros países seguirão. “Um projeto de diálogo” feito na Suíça “se tornará global. Isso obviamente nos deixa contentes”.

Na Alemanha, em particular, o anti-semitismo e o assédio religioso nas escolas tomaram as manchetes nos últimos meses. O fato de os agressores serem frequentemente filhos de pais turcos ou árabes reviveu o debate sobre o anti-semitismo muçulmano e a política de migração.

Existe também na Suíça anti-semitismo de parte de crianças muçulmanas ou de origem imigrante?” Até agora, não sabemos muito dos jovens ou de seus pais”, diz Jonathan Kreutner. “Mas a maioria das crianças e jovens judeus já vivenciou provocações, até mesmo insultos por causa de sua religião, mesmo na Suíça”. E é aí que entra o projeto Likrat.

O projeto foi também estendido a adultos. Com o Likrat Public, os jovens ajudam empresas ou hotéis a entender melhor seus clientes judeus. Que esses workshops são necessários, não há dúvidas, graças a casos como o “erro” de um hotel em Graubünden que havia postado um lembrete para seus hóspedes judeus pedindo-lhes para tomar um banho antes e depois de usarem a piscina.

Você pode entrar em contato com a autora desta matéria @SibillaBondolfi no FacebookLink externo ou no TwitterLink externo.

 

“Em Portugal há líderes islâmicos a recomendar a mutilação genital feminina”

Junho 30, 2018 às 1:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Pedro A. Pina

Notícia da RTP de 21 de junho de 2018.

Catarina Marques Rodrigues, Pedro A. Pina (imagem) – RTP

O assunto “ainda é tabu” em Portugal, mas o projeto com a Guiné-Bissau serve para os dois países erradicarem a excisão. A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

Ela versus tradições de séculos. É uma batalha difícil, mas Fatumata tem conquistado algumas vitórias. A presidente do Comité Nacional para o Abandono das Práticas Nefastas, Saúde da Mulher e Criança (CNAPN) da Guiné-Bissau dedica-se a tentar destruir práticas e rituais como o casamento infantil, os casamentos forçados e a Mutilação Genital Feminina. Tudo práticas que atentam contra as mulheres “pelo simples facto de elas serem mulheres”. Uma das raízes está, pois, na desigualdade de género, garante: “Só elas é que são submetidas aos casamentos infantis, só as mulheres é que são dadas em casamento forçado, às vezes não conhecendo os maridos nem gostando deles. A violência doméstica, a violência sexual, os sistemas tradicionais de herança. São sempre as mulheres as vítimas”.

A mutilação genital feminina (MGF) é uma das práticas mais violentas. Consiste no corte parcial ou total dos órgãos genitais externos da mulher, como o clitóris e/ou os lábios vaginais, a sangue frio, com uma navalha, uma lâmina ou com um pedaço de vidro. O nome mais comum é “fanado”, ato executado pelas “fanatecas”, mulheres imcumbidas de excisar as meninas e raparigas. De 2010 a 2014 houve uma diminuição do número de mulheres submetidas à prática na Guiné-Bissau na ordem dos 5%, mas ainda há 44,9% das mulheres guineenses entre os 15 e os 49 anos que são vítimas de MGF.

A prática também acontece em Portugal e há líderes de mesquitas a defender que a excisão é uma “recomendação islâmica”, inscrita no Corão, em nome da “pureza” das raparigas. São revelações de Fatumata Djau Baldé à RTP. A responsável do CNAPN esteve em Portugal no âmbito do projeto que liga os dois países e que, em Portugal, é implementado pela P&D Factor – Associação para a Cooperação sobre População e Desenvolvimento. Há também uma campanha nos aeroportos portugueses para evitar que as meninas sejam levadas nas férias aos países de origem para serem excisadas.

Fatumata foi submetida à MGF em criança e, em adulta, transformou a sua história em força para mudar o destino das mulheres no seu país. A mulher que já foi secretária de Estado da Solidariedade Social e do Emprego e ministra dos Negócios Estrangeiros não tem vergonha de andar de porta a porta, de reunir com os mais altos representantes políticos nem tem medo de partilhar os seus objetivos: quer ser a primeira mulher primeira-ministra ou presidente da República da Guiné-Bissau.

Em 2011 a Mutilação Genital Feminina passou a ser crime na Guiné-Bissau. Ainda assim, segundo um estudo divulgado este ano pela Liga Guineense dos Direitos Humanos, 44,9% das mulheres guineenses são vítimas de MGF, das quais 29,6% são meninas com menos de 14 anos. As coisas mudaram com a lei ou a lei foi uma operação de charme do Governo?

A Guiné-Bissau não tem problema de leis. Temos muitas leis e até fazemos parte de várias convenções regionais e internacionais. Temos é um problema de implementação dessas leis. A lei que criminaliza a MGF está a ser aplicada mas precisamos de mais tribunais na Guiné-Bissau. Nos sítios em que há tribunais, se o crime for cometido, as pessoas são julgadas. Já tivemos casos de pessoas que foram a tribunal, que tiveram sentenças e que foram presas. Hoje toda a gente na Guiné-Bissau sabe que a MGF é proibida e, por isso, quem descobrir que a sobrinha, a filha ou a neta foi submetida à prática, pode entrar em contacto com o CNAPN, com a Polícia Judiciária ou com a Polícia de Ordem Pública. A polícia vai ter com aquela família e a criança é levada ao hospital para ser observada. Se os médicos confirmarem, os pais são levados.

E incorrem numa pena de entre 1 e 5 anos de prisão.

Os pais, sim. A fanateca (mulher que fez a excisão) incorre numa pena de entre um a oito anos. Se a criança morrer, a pena é de um a dez anos. A decisão é do juíz e o parecer médico é tido em conta. Ninguém é condenado a menos de um ano de prisão. O máximo que vimos a ser aplicado foi uma pena de 3 anos.

Há casos de fanatecas que tenham deixado de o ser?

Muitas…

Pessoas com 40 anos, 50 anos…

Ui, com 70 anos… As fanatecas tradicionais são mulheres adultas que já estão na menopausa. Algumas fanatecas vivem daquele trabalho, então é preciso dar-lhes algum apoio financeiro para poderem abandonar a prática.

Como é que se muda a mentalidade de uma pessoa com uma idade tão avançada?

Tem a ver com a forma como falamos com a pessoa. É preciso escolher bem quem é que vai conversar com ela.

O trabalho do CNAPN é informar, sensibilizar e educar para o abandono da prática. Como é que isto se faz?

No início fizemos muito trabalho porta a porta, uma a uma. Passa sempre por mostrar os perigos que a MGF tem para a saúde. Vamos às comunidades praticantes da MGF, vamos ter com as fanatecas e mostramos-lhes fotografias para elas verem as consequências físicas da prática. Antes de apresentarmos as imagens avisamos logo: ‘O que vamos ver é o nosso corpo, tal como ele está’. É o que é. Há quem queira muito ver mas depois fecha logo os olhos quando as imagens começam, porque não aguentam. Muitas das fanatecas ficam surpreendidas, porque não têm noção de como é que a rapariga fica.

Os dirigentes do CNAPN são pessoas originárias das comunidades praticantes de mutilação genital feminina. São islamizados e sabem como chegar às fanatecas. Essa proximidade ajuda muito. Eu, por exemplo, que sou submetida à prática, quando chego à frente de uma mulher que faz a prática, eu sei como cumprimentá-la, sei como falar com ela. Há uma música que elas dançam e eu sei que, se eu chegar lá, tenho de me ajoelhar primeiro para pedir autorização para entrar. Elas dão um sinal e só depois é que eu me posso misturar com elas. Mas quem não conhece aquele rito de dança, chega e entra.

A diminuição dos números deixa-a orgulhosa?

Eu vou orgulhar-me quando a prática acabar. Mas sim, segundo o inquérito oficial, em 2014, 29,6 por cento as crianças entre os zero e os 14 anos tinham sido submetidas à prática, enquanto quatro anos antes eram 39 por cento. Acredito que em 2018 ainda temos menos. Temos sempre de nos focar nos números das crianças, porque as mulheres, uma vez submetidas à prática, ficam sempre submetidas à prática.

O trabalho de prevenção é em crianças que vão nascer agora. É fundamental investir na camada juvenil, na escola, fazer com que os professores introduzam esse tema no currículo escolar, falar desses aspetos aos jovens que serão homens de amanhã. Em 2010, 36 por cento de mulheres das comunidades praticantes ainda queriam que a prática continuasse. Em 2014, só 13 por cento dessas mulheres é que queriam que a prática continuasse. Isso já demonstra o impacto da mudança de mentalidades. O que não significa que a prática tenha diminuido só por isso, porque a mulher não toma a decisão sozinha.

Quem é que tem mais responsabilidade? A mulher ou o homem?

Continua a ser o homem, porque é ele que manda. Ele é o chefe da família e a mulher faz o que ele disser. Se ele disser “não”, é “não”, mas se a mulher for autónoma também pode decidir por ela. Se bem que é difícil definir onde está a autonomia, porque temos exemplos de mulheres que até são escolarizadas, estão a trabalhar, mas ainda dependem muito da decisão do marido. A minha mãe submeteu-me à prática, mas eu não submeti as minhas filhas. Sou escolarizada, tive oportunidade de decidir por mim mesma e também tenho um marido com quem me entendo muito bem.

Portugal tem uma comunidade de imigrantes guineenses. Quando as comunidades praticantes imigram, levam consigo as tradições e os rituais. 

Sim. Apesar de estarem a viver num país europeu, muitas mulheres destas comunidades comportam-se como se estivessem nos países de origem. Elas foram educadas para passarem aquelas práticas de séculos à geração seguinte. Quando lhes dizemos que a MGF tem de parar elas ficam: “Então e agora como é que fazemos? Temos a responsabilidade de passar tudo o que é dos nossos antepassados para os nossos filhos. As nossas mães passaram-nos aquela tradição, nós também temos obrigação de passá-la para os nossos filhos”. Ainda mais nesta prática, em que são as mulheres as responsáveis por preparar as suas filhas, as suas sobrinhas, as suas netas, para serem aceites dentro das suas comunidades.

O que é que esteve a fazer em Portugal?

Fizemos intervenções no terreno com as comunidades guineenses cá em Portugal. Em Odivelas ouvimos homens a dizer que a prática acontece aqui. Não sabemos exatamente onde, mas se dizem que acontece é porque acontece. Também reunimos com vários organismos que são parte do projeto, como a secretaria de Estado para a Cidadania e Igualdade, a Comissão para a Igualdade de Género, as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens, a Assembleia da República e o Alto Comissariado para as Migrações (ACM). Precisamos que o ACM trabalhe connosco, junto dos imigrantes africanos.

Quais as principais dificuldades que encontraram em Portugal?

Muitas pesssoas não querem falar. Quando estivemos em Odivelas não havia nenhuma mulher no nosso encontro. São os homens que dão autorização às mulheres para poderem comparecer nos encontros, então elas não aparecem. Na Guiné é igual: quando vamos intervir num terreno novo, primeiro temos de ir ter com os homens, porque se eles não autorizarem, elas simplesmente não aparecem. Na Guiné já falamos abertamente sobre a excisão, mas aqui ainda é tabu. Em Portugal estamos a ter dificuldade em ter pessoas a falar sobre o assunto, por isso é que queremos mais envolvimento sobretudo do ACM para trabalharmos com as lideranças islâmicas

Porque os líderes islâmicos têm poder sobre os muçulmanos e ainda se diz que a prática é recomendada no Corão.

Em Portugal encontrámos líderes islâmicos de alguns locais de culto (como mesquitas) a dizer que a mutilação genital feminina é uma recomendação do Islão. Isto acontece. Por isso é que temos de começar pelas lideranças islâmicas e, através delas, chegar às mulheres. Poder-se-á, à semelhança do que está a acontecer na Guiné, introduzir estes temas nos conselhos que os líderes dão à sexta-feira antes da reza desse dia. Há conselhos que os imãs passam, por exemplo sobre a importância da vacinação, de ir à consulta pré-natal, de se cuidar da higiene pessoal, e nesse pacote o tema da MGF já é introduzido. É o que também queremos que se faça cá, com as lideranças islâmicas cá.

Na Guiné-Bissau conseguimos juntar mais de 200 líderes islâmicos da Guiné Bissau a dizerem “não” à prática. Aqueles líderes são pessoas que toda a gente conhece, que têm o domínio do Corão, são grandes conhecedores da sabedoria islâmica. Apresentarem-se publicamente contra a MGF foi muito forte. Permitiu desmistificar aquela ligação que se fazia entre a prática e o Islão. Mas, claro, há alguns que continuam a dizer que é recomendação islâmica porque toda a vida ouviram isso e hoje sentem-se constrangidos a voltar atrás. Alguns nem sabem ler. A geração nova, que tem mais domínio do Al Corão, que sabe ler e interpretar árabe, já está a trazer uma nova visão.

Às vezes é cansativo tantas reuniões, tanta conversa, que depois nem sempre resulta em mudança efetiva?

Às vezes sim. É preciso estar-se preparada. É o que escolhemos fazer. Temos de bater, bater, até perfurar. Só o facto de conseguir abertura para falar, eu já considero uma vitória. Hoje já falei com duas pessoas, amanhã peço a essas duas pessoas: ‘Cada um de vocês pode trazer mais duas pessoas?’ Então eles trazem mais duas pessoas e já somos seis. Peço àqueles seis: ‘Cada um pode trazer mais duas pessoas?’ Então já passámos de seis para doze. E assim, a pouco e pouco, vamos lá chegar.

Acha que foi esse perfil que a faz chegar a secretária de Estado e a ministra?

Não sei (sorri). Eu comecei muito cedo a trabalhar, tornei-me militante do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde muito cedo, sempre me envolvi em causas sociais. Ajudei a fundar o Sindicato dos Professores, era muitas vezes porta-voz nos dias das greves e nas negociações com o patronato e depois comecei a aparecer mais publicamente quando me tornei membro da Liga Guineense pelos Direitos Humanos. Trabalhámos muito a igualdade de homens e mulheres, organizámos marchas. Depois fui a primeira presidente do Instituto da Mulher e da Criança e depois fui nomeada secretária de Estado. Se me tivessem perguntado, eu tinha preferido ficar no Instituto da Mulher e da Criança porque estava mais próxima das pessoas, mas aconteceu assim. Fui subindo e cheguei a ministra.

Havia muitas mulheres quando começou?

Não havia muitas, mas hoje já somos mais. Mesmo nas comunidades mais longíquas, hoje encontra-se muitas mulheres ativistas. Temos que lutar para conquistar. Se ficarmos caladas os homens não nos vão libertar. Por exemplo, já houve várias mulheres ministras.

Mas há direitos básicos que a mulher não tem, como a questão da herança. 

A mulher ainda não tem a terra. Ela trabalha a terra, mas a terra pertence sempre ao homem. Imaginemos: um casal compra uma terra em conjunto. Os dois contribuíram para comprar aquela terra mas, se a mulher morrer, a família da mulher não vai reclamar a terra. Parte-se sempre do princípio que a terra é do marido. Mas se é o marido que morre, a família do marido vem cobrar. Se a mulher não aceita que um dos irmãos ou um dos familiares do marido herde a terra, corre o risco de ser expulsa de casa com os filhos e tudo. Segundo a lei do sistema de herança, isto não é permitido. Mas, como disse, uma coisa é o que está na lei e outra é a prática do dia a dia. Muitas mulheres ainda não vêm que têm a lei do seu lado e acabam mesmo por abandonar a terra.

Qual é a sua maior ambição?

Ver a mulher independente, livre e autónoma. Vê-la ao lado do homem. Acredito que a mulher faz diferença quando tem poder, porque as mulheres não se preocupam só com elas mas preocupam-se com os outros também. Eu costumo dizer que eu não vivo por mim mesma, eu vivo por mim, pela minha família, pelos meus amigos. Temos de pôr os seres humanos à frente de tudo. Quero um dia ver uma mulher primeira-ministra na Guiné-Bissau, quero ver a mulher presidente da República. Se calhar eu poderei fazer parte de uma dessas mulheres no meu país. É o que mais almejo nesse momento.

Entre 2014 e 2017, foram detetados em Portugal 237 casos de mutilação genital feminina

vídeos da entrevista no link:

https://www.rtp.pt/noticias/pais/em-portugal-ha-lideres-islamicos-a-recomendar-a-mutilacao-genital-feminina_es1081185

 

 

José Caldas de Almeida: “Um dos fatores mais devastadores na saúde mental é o abuso sexual”

Junho 5, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Entrevista do Observador a José Caldas de Almeida no dia 19 de maio de 2018.

Vera Novais

A violência sexual e a pobreza são os fatores que melhor permitem prever o aparecimento de doenças mentais. Perda e abandono na infância também têm um impacto importante na saúde mental das crianças.

Todos nós, em algum momento da vida, teremos de enfrentar uma situação que nos fará sentir “em baixo”, que nos deixará ansiosos ou que nos deixará sem dormir. A maior parte das vezes conseguiremos ultrapassar estas situações sem precisar de recorrer aos serviços de saúde, mas se tivermos de o fazer não precisamos de ter vergonha disso.

As doenças mentais podem ser incapacitantes, mas também podem ser tratadas e as pessoas podem voltar a ter uma vida normal, diz José Caldas de Almeida. O psiquiatra defende que as pessoas devem procurar os serviços de saúde assim que se apercebam que algo não está bem e devem iniciar os tratamentos o quanto antes. A recuperação será melhor e mais rápida.

E desengane-se se pensa que as doenças mentais só se tratam em asilos. Atualmente, a maior parte da recuperação é feita em casa e só se recorre a internamento em casos específicos e por pouco tempo, esclarece o professor de Psiquiatria e Saúde Mental da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. A presença de familiares e amigos e a sensação de pertença à comunidade, não só podem ajudar na recuperação, como desempenham um papel importante na prevenção das doenças mentais.

“Dependendo do tipo de sociedade e de cultura em que se vive, vários são os interlocutores que podem auxiliar as pessoas nestas situações – família, amigos, vizinhos, membros da comunidade em quem se confia, grupos de autoajuda, etc”, escreve no livro ‘A saúde mental dos portugueses’, publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. “Estudos realizados pela OMS [Organização Mundial de Saúde] mostraram que, por exemplo, entidades como os líderes religiosos e as cabeleireiras podem ter em alguns países um papel relevante no suporte psicológico a pessoas com depressão e na referenciação dos casos mais graves para os serviços de saúde.”

Como principais grupos de risco para as doenças mentais, Caldas de Almeida aponta os pobres e as mulheres, ambos sujeitos a maiores fatores de stress que podem condicionar o aparecimento de depressão ou estados de ansiedade. As mulheres são ainda o grupo mais sujeito a um dos mais importantes fatores de trauma que levam ao aparecimento de doenças mentais, segundo o psiquiatra: a violência sexual.

Ao Observador, José Caldas de Almeida contou como está a saúde mental dos portugueses e o que podemos fazer para diminuir a taxa de doença mental no país: mais prevenção e melhor qualidade nos serviços.

Devíamos preocupar-nos mais com a saúde mental em Portugal?
Sim, devíamos preocupar-nos e dedicar mais atenção aos problemas da saúde mental. Quando digo devíamos, não estou a pensar só nos decisores políticos, mas estou a pensar nos responsáveis a outros níveis, porque as coisas não se resolvem só com leis e com políticas, ou até com investimentos. Sobretudo em áreas como esta, em que há um desconhecimento muito grande disseminado na população portuguesa, na opinião pública, nos media.

Há muitas pessoas que ainda encaram uma ida ao psicólogo como um capricho ou uma ida ao psiquiatra como um atestado de loucura. Isto condiciona o acesso aos cuidados de saúde mental?
Isso é uma das questões complicadas: a associação que existe entre a doença mental e a ideia de que não são verdadeiras doenças ou de que não há nada a fazer para as tratar, no fundo, que não são um problema sério de saúde pública. E essa é uma questão importante, que leva a que uma proporção significativa de pessoas que têm problemas de saúde mental, e que deviam ser tratadas, acabam por não procurar cuidados, ou porque têm vergonha ou porque não têm ideia de que aquilo é um problema de saúde que pode ser tratado.

Mas o problema é mais vasto. Estudos em muitos países, entre os quais Portugal, trouxeram uma visão bastante diferente daquela que era a visão tradicional. Por um lado, há a prevalência das doenças mentais que é muito superior àquilo que se julgava e a associação entre essas doenças e as doenças chamadas físicas — uma associação que tem grandes implicações a vários níveis. Por outro lado, o conhecimento muito maior que existe quanto aos impactos, às consequências negativas da doença mental, e não só em termos de mortalidade. Não é das doenças que está associada a uma mortalidade mais elevada, mas tem impactos sobretudo em termos das incapacidades a que está associada. O que hoje se sabe é as doenças mentais são uma parte importante, em Portugal à volta de vinte, vinte e tal por cento, de toda a carga DALY [Disability Adjusted Life Years], que mede o tempo de vida boa que se perde, ou porque se morre prematuramente ou porque se fica seriamente incapacitado.

Quando se fala em incapacidade, associa-se muitas vezes à incapacidade física.
Pois, mas há incapacidades que são tão ou mais negativas do que as físicas: a incapacidade para trabalhar ou para se ser produtivo tem implicações muito grandes para a pessoa, para a família e para a sociedade; a incapacidade para se relacionar com os outros, para ter relações satisfatórias com os outros, tem implicações enormes, algumas que não são mensuráveis.

As pessoas estão despertas para este problema? É fácil perceber que uma pessoa que tenha uma lesão física possa não estar capaz de desempenhar determinadas tarefas, mas será que as pessoas estão preparadas para identificar as incapacidades causadas por problemas na saúde mental?
Cada vez há mais sensibilidade para isso. Os responsáveis das grandes empresas, que empregam muita gente, sabem perfeitamente que têm um número enorme de faltas ao trabalho — chamado absentismo — e sabem que têm presentaísmo (as pessoas que vão ao trabalho, mas produzem menos do que habitualmente). Hoje em dia, muitas grandes empresas levam isto muito a sério. Tão a sério que são cada vez mais aquelas que desenvolvem programas para identificarem estes casos e para ajudarem as pessoas. Há poucos dias, o Guardian publicou um artigo de [António] Horta Osório que falava dos programas que o banco que dirige tem — quem diz esse banco, diz muitas outras empresas. Isto para lhe dizer que há cada vez mais pessoas e entidades que se dão conta da importância disto.

Às vezes, para a própria pessoa que tem um problema de saúde mental, é difícil identificá-lo e assumir que pode ter um problema. As empresas, os colegas de trabalho, a família, os amigos destas pessoas têm um papel importante para encaminhar as pessoas para o médico?
Claro que facilita muito se a pessoa que sofre desse problema tiver familiares ou amigos ou colegas ou responsáveis no trabalho que lhe possam dizer, de uma forma apoiante — não de uma forma a que se sintam excluídas. Mas infelizmente isto [falar de forma negativa] é o que acontece muitas vezes, daí que muitas pessoas tenham medo de dizer no emprego que têm esse problema. Diria que, embora continuemos a ter um estigma muito grande associado à doença mental, embora continue a haver uma ignorância muito grande em relação ao que são as doenças mentais, quais são as suas implicações, o que se pode fazer para as prevenir e o que se pode fazer para as tratar, tem havido progressos muito grandes nestes últimos anos.

A pergunta é mesmo essa: o que são as doenças mentais? E se são a mesma coisa que problemas neurológicos?
Não, uma coisa são doenças neurológicas [acidentes vasculares cerebrais, doença de Parkinson, epilepsia], outras coisas são as doenças mentais [ou psiquiátricas]. Às vezes podem coexistir ou pode haver doenças que têm uma componente neurológica e uma componente psiquiátrica, como as demências. As doenças psiquiátricas manifestam-se por sintomas associados às funções psíquicas básicas, alterações do pensamento, alterações do afeto ou alterações do comportamento, assim como uma série de sintomas que podem ser mais físicos, como as alterações do sono, alterações do apetite, alterações da sexualidade, alterações da capacidade para desenvolver atividades.

Estas doenças estão, muitas vezes, associadas a outra doenças, é frequente a comorbilidade entre doenças psiquiátricas e não psiquiátricas. Durante muito tempo, o estigma das doenças mentais baseava-se em ideias distorcidas, ideias erradas, quanto à natureza destas doenças: sobretudo as mais graves, as que envolviam alterações do pensamento, ideias delirantes, alucinações, as chamadas psicoses. As psicoses, pela estranheza das suas manifestações, causam alguma apreensão, as pessoas tendem a ter mais receio do que de outras manifestações patológicas. Isso levou a este medo da loucura, a não querer pensar nisso, a querer se afastar.

Quanto custam as doenças mentais?

Também por isso é que as pessoas eram internadas e afastadas da sociedade.
Havia a tendência para tentar tirar essas pessoas de circulação. Na Europa, e noutras partes do mundo, foram criados asilos para onde iam estas pessoas, como iam pessoas indesejáveis. E muitas tentativas que foram feitas, a partir de certa altura, para substituir essas instituições isoladas, com funções sobretudo asilares foi muito difícil e ainda hoje é difícil.

Em Portugal, houve uma lei de saúde mental muito avançada em 1963. Criaram-se centros de saúde mental em todos os distritos, o que permitiu descentralizar e dar muito mais acesso aos serviços de saúde mental.

Numa altura em que a saúde mental não tinha muita importância.
Nenhuma. Foi na altura que entrei para a faculdade. Havia meia dúzia de tipos maduros que queria ir para psiquiatria. Mas o que aconteceu é que passado pouco tempo de terem sido criados, o Governo incorporou nestes centros de saúde mental — criados para serem coisas não-asilares e para serem uma alternativa — os albergues de mendicidade. Os albergues de mendicidade eram os caixotes do lixo sociais que existiam, onde se metiam os tipos que se queriam tirar de circulação, que não tinham capacidade para ter uma vida. Foi uma coisa terrível. Uma das razões do estigma, e para não se dedicar grande atenção às doenças mentais, é que durante muito tempo houve a ideia que não havia nada a fazer, de que eram pessoas que tinham uma doença para a qual não havia tratamento, e que portanto estavam condenadas. Quando comecei a trabalhar em psiquiatria, nos hospitais psiquiátricos, encontrei muitos doentes que estavam lá há 30, 40, 50 anos, uma vida inteira. E alguns não precisavam. Foram pessoas das quais se desistiu e ficaram ali.

Uma vez internados, essas pessoas conseguiam sair ou ficavam catalogados de loucos?
Não é que todas as pessoas que eram internadas não saíssem, mas para algumas pessoas que tinham situações mais graves ou que perdiam contacto com a família, era mais difícil dar-lhes alternativa, e ficavam. Hoje em dia nada tem de ser assim. Agora, a maior parte das situações, mesmo as mais graves, e mesmo as que em algum momento precisem de um internamento curto, podem ser tratadas em casa e as pessoas manterem a sua vida. Mesmo nos casos muito graves, em que há perda de capacidades, as pessoas podem ser reabilitadas e reinseridas na sua profissão. Em casos em que não têm residência, porque tiveram muito tempo no hospital, há vários dispositivos residenciais.

Queria perguntar-lhe exatamente isso: as pessoas que não têm apoio familiar, podem voltar a casa e retomar a sua vida?
Sim, desde que existam os serviços. O que acontece é que temos dois grandes grupos de patologia psiquiátrica (estou a simplificar). Um deles, são as chamadas doenças mentais comuns, sobretudo os casos de depressão e ansiedade. São muito frequentes, mas a maior parte das vezes não são muito graves, logo podem ser tratadas em consulta. Mas é um problema, e um problema grave, porque são muitos casos e porque têm impacto enormes: em termos de incapacidade, porque interferem imenso na vida das pessoas, porque lhes causam muito sofrimento, porque complicam imenso a vida das famílias e porque têm implicações sociais várias. Esse é um tipo, bastante diferente do outro grupo: as doenças mentais graves, que são doenças que interferem de uma forma muito significativa com o funcionamento das pessoas e engloba sobretudo as psicoses — esquizofrenia e doença bipolar. São doenças que exigem cuidados diferentes. Durante muito tempo as pessoas que tinham essas doenças eram internadas nos hospitais psiquiátricos, completamente separadas dos outros doentes, o que lhes dava logo uma etiqueta terrível. A pessoa que estivesse internada no hospital psiquiátrico entrava logo no clube dos loucos e isso causava muitos problemas na sua vida a todos os níveis. Algumas acabavam por ficar muito tempo internadas porque não havia meios de reabilitação.

O que aconteceu foi que, graças aos progressos científicos, novos medicamentos, novas intervenções psicológicas e psicossociais, novos modelos de organização dos serviços, hoje podemos ter serviços para tratar essas pessoas que conseguem uma taxa de sucesso bastante grande, mesmo em casos em que não consigam curar a doença — o que aliás acontece em imensas doenças não-psiquiátricas, mas tendemos a esquecer-nos disso. Hoje em dia o mundo está cheio de pessoas com doenças crónicas, às vezes com várias doenças crónicas. E isto é cada vez mais frequente, porque cada vez as pessoas vivem mais tempo e cada vez vamos tendo mais sucesso terapêutico. Mas tal como as restantes doenças crónicas, as doenças mentais graves são doenças para as quais se consegue controlar os sintomas, consegue ter remissões durante muito tempo, consegue evitar novos surtos e consegue que as pessoas tenham uma qualidade de vida aceitável (vida familiar, emprego). Para isso tem de ter serviços organizados, com princípios que ainda não estão generalizados em todo o lado e com recursos e capacidades que também não existem em todo o lado.

As coisas mudaram, mas as pessoas ainda associam que se forem ao psiquiatra vão tomar comprimidos e ficar prostradas e não gostam desta condição.
O que acabou é que, para estas doenças, não é nem o psiquiatra, nem o psicólogo sozinho que tratam estas coisas. As pessoas têm de ser tratadas por uma equipa. Têm um programa, têm alguém que se encarrega de orientar a pessoa e que se encarrega de evitar uma coisa que é específica deste caso: muitas vezes as pessoas não têm consciência patológica, não se apercebem que têm de ir à consulta, acham que aquilo não é suficientemente grave. Outro problema que não é só da psiquiatria é que passámos de um mundo em que tratávamos episódios agudos para um mundo em que tratamos pessoas com doenças crónicas. Isto implica serviços completamente diferentes, em que tem de ter um programa, tem de seguir o caso — a continuidade é muito importante, a pessoa não pode andar a saltar de médico para médico —, e, neste caso, se o doente não vai à consulta, a equipa deve telefonar, se for preciso ir a casa e convencê-lo. Em vez de ser uma atitude reativa é uma atitude proativa, é uma atitude de continuidade e é uma atitude em que a preocupação não é só diminuir sintomas, é ajudar a pessoa a reabilitar-se a integra-se socialmente. A exclusão social aqui é uma coisa terrível e se se entra no ciclo da exclusão social, estas pessoas têm riscos enormes.

Quais são os grupos mais vulneráveis?
Esse é outro progresso muito grande. Sabemos muito mais sobre quais são os fatores de risco para ter doenças mentais, o que nos permite prevenir, e sabemos também muito mais quais os impactos da doença mental a vários níveis [ver caixa]. Sabemos que o risco de ter doenças mentais, no caso das mais comuns (depressão e ansiedade), é muito maior nas mulheres do que nos homens. Nos homens é mais comum o alcoolismo e o consumo de outras drogas. Mas quem tem maior risco, em geral, são as mulheres. Outra coisa que se sabe é que os fatores sociais têm uma importância enorme, a pobreza está altamente associada ao risco. Havia uma ideia, há 20 ou 30 anos, que as doenças mentais eram um capricho de gente rica e ansiosa, que se podia dar ou luxo. É fantasia. Os pobres têm muito mais problemas mentais do que os ricos. A razão principal é muito simples: as pessoas mais pobres têm muito mais situações de stress do que têm as que são mais ricas. Têm mais privações financeiras, que levam a conflitos entre as pessoas, que levam à utilização de drogas. E cria-se aqui um ciclo vicioso, porque a doença mental leva a uma maior pobreza. São ciclos que são muito difíceis de quebrar depois.

E nas mulheres porque é que acontece mais do que nos homens?
Por várias razões. Por um lado, porque há variabilidades endócrinas [produção de hormonas]: por exemplo, sabemos que a seguir ao parto pode haver um quadro patológico de depressão pós-parto. Mas têm a ver com outras coisas, é que as mulheres, na maior parte das sociedades de hoje em dia, tem uma carga adicional de stress. Há uma fase da vida das mulheres que têm uma sobrecarga grande, que têm problemas muito grandes no dia a dia: levantar cedo todos os dias, tomar conta da comida e dos filhos, andar a correr de um lado para o outro, isto pode ser um stress muito grande. Esta sobrecarga leva a mulher a estarem em desvantagem em termos de apoios sociais.

Também sabemos que um dos fatores que tem um efeito devastador na saúde mental das pessoas é o abuso sexual. A violência sexual na infância é uma coisa terrível, paga-se caríssimo mais tarde. E também sabemos que a violência sexual continua a ser muito elevada. Uma das coisas que estudámos foram os fatores associados ao stress pós-traumático e havia esta ideia que a guerra é que era o grande fator. Fizemos um estudo, que vai ser publicado em breve, sobre quais os fatores a que as pessoas são expostas e que são sentidos como um trauma e que depois vão criar stress pós-traumático. Portugal, além de ter um fator que existe em todo o lado, que é a perda (de um marido, de um filho, etc), durante muito tempo teve um fator muito importante que eram os acidentes de viação, porque tínhamos uma taxa elevadíssima de acidentes. Claro que também tivemos, em valor absoluto, a guerra, embora a guerra tenha sido há muitos anos. Agora, o que nós descobrimos neste estudo é que a situação que tem valor preditivo mais forte é a violência sexual, embora a violência sexual possa ser exercida sobre homens e mulheres é mais sobre as mulheres.

Para as doenças graves, e talvez para as mais comuns, existe um fator genético associado?
As doenças mentais estão associadas, como a maior parte das outras doenças, a vários fatores. As doenças mentais talvez se distingam por estarem associadas a muitos mais fatores. É raro ter uma doença em que diga é só este fator. Vamos pensar no caso da depressão. Há casos de depressão em que a influência genética é muito forte, há vários casos na família. Há outros casos que o que conta fundamentalmente são os acontecimentos da vida das pessoas, condições sociais, etc. Diria que na maior parte, tem os ingredientes, que podem variar na proporção, mas pode ter uma certa vulnerabilidade genética, mas depois tem de haver outros fatores.

Estava a pensar sobretudo na esquizofrenia e na doença bipolar.
Nesses há. Nestes casos a componente genética é mais forte, embora sejam os outros fatores, como os eventos, que as podem desencadear.

Como é que se previnem as doenças mentais?
Há uns anos não se sabia quase nada sobre isso, podia prevenir-se duas ou três coisas. Hoje já conseguimos prevenir muita coisa. Na prevenção temos a prevenção primária, quando se consegue que não apareçam novos casos, e a prevenção secundária, que é atuarmos de tal maneira que os casos que aparecem são rapidamente tratados e que não se deixam prolongar no tempo nem agravar. Para algumas doenças, como a esquizofrenia, não sabemos muito sobre como prevenir, mas temos intervenções altamente eficazes, comprovadas cientificamente, de prevenção do suicídio, prevenção do consumo do álcool.

Mas não se pode prevenir que um familiar morra, não se podem prevenir muitas das situações traumáticas.
Os fatores genéticos ou de base biológica são difíceis de prevenir, mas pode ter intervenções preventivas que, por um lado diminuam a vulnerabilidade das pessoas ou que reforcem os fatores protetores. Um dos programas mais eficazes que foram desenvolvidos são os programas parentais, programas de apoio às mães no princípio da vida dos miúdos, porque o princípio da vida e a relação entre o bebé e mãe vai ter um papel importantíssimo na saúde mental e física da criança. O que se passar nessa fase inicial vai marcar a pessoa para a vida inteira [exemplos de eventos negativos: perda, abandono, depressão da mãe]. Dar apoio a essa relação é muito fácil de fazer. Em países com serviço nacional de saúde pública, como nós temos, é facílimo. Por exemplo, todas as grávidas, depois de terem a criança, terem uma enfermeira que faz três entrevistas nos primeiros tempos, faz educação e despista se há alguma coisa. São muito baratos e nada transcendentes, quase de senso comum. Isto tem um impacto na prevenção de problemas mais tarde, mas é um investimento a longo prazo. Há muitas intervenções na escola que também são altamente eficazes, como na prevenção do bullying, que é uma coisa que também tem efeitos devastadores, e tem outros que vão pela positiva, que são programas de desenvolvimento da resiliência.

Coisas negativas vão sempre acontecer e vão ter maior impacto numas pessoas do que noutras. Como é que nos preparamos para sermos mais fortes?
Fizemos um estudo sobre o impacto da crise económica [privação financeira, desemprego] na saúde mental. Utilizando o que tínhamos feito no início da crise fizemos outro a seguir. Ainda estamos agora a analisar os dados, mas já deu para perceber algumas coisas: houve muita gente que foi atingida a nível da saúde mental, houve um agravamento muito significativo do número de pessoas com problemas de saúde mental — ansiedade e depressão —, mais nos homens do que nas mulheres por causa da questão laboral. Outros fatores, como os fatores contextuais são mais difíceis de avaliar também são importantes: se têm serviços acessíveis ou não, de qualidade ou não. A estes somam-se os fatores financeiros, se a pessoa tinha dinheiro para comprar os medicamentos e para ir às consultas. Mas também vimos que houve fatores protetores, pelo menos dois que nós apanhámos — haverá outros. Primeiro, o chamado suporte social, que mede o número e a qualidade dos apoios sociais que as pessoas têm quando estão com problemas: família e amigos. Isto tem uma importância enorme para fortalecer as pessoas a resistir. Todas as pessoas estavam vulneráveis à perda do emprego, mas que tinham o apoio social estavam mais defendidas. O outro fator protetor é o envolvimento comunitário. As pessoas que vivem em comunidades em que participam, que estão integradas na comunidade, que têm um sentimento de pertença a um bairro, a uma comunidade, tem qualquer coisa que é muito importante. O suporte social e o envolvimento comunitário protegem de formas diferentes no caso da ansiedade e no caso da depressão. O que é curioso. Estamos agora a trabalhar esses aspetos para percebermos melhor essas nuances.

No livro referia que o sítio a que as pessoas com problemas de saúde mental mais recorrem são os centros de saúde. Os centros de saúde estão preparados?
Não, não estão. Temos uma acessibilidade muito boa. Em termos europeus, os portugueses se precisam de ir a uma consulta porque têm um problema de saúde mental estão melhor que a maior parte. Estamos sempre a dizer mal, mas é mentira. Em termos de acessibilidade somos bons. A rede dos cuidados primários foi uma coisa fantástica nesse aspeto. Agora, a qualidade dos cuidados já é outra conversa. Fomos medir os cuidados minimamente adequados. Em Portugal, 7% das pessoas tiveram uma depressão [diagnosticada pela equipa de investigação durante os inquéritos] no ano anterior. Destas, só 65% é que se deram conta de que se deviam tratar — há 35% que desaparecem logo, que não são tratadas porque não perceberam ou tiveram vergonha de se tratar. [Das que se procuram cuidados,] 88% conseguiram aceder aos cuidados de saúde primários ou secundários. Quando fomos ver os cuidados minimamente adequados, apenas 15% tinha tido. No final, da população inicial com depressão, só 9,1% teve acesso a cuidados de boa qualidade. Não é que fossem mal tratados, mas uma pessoa para ser bem tratada deve ser vista no mínimo quatro vezes por ano. É aqui que falha. Aqui e na articulação entre os cuidados primários e os serviços especializados. Perdem-se muitos doentes que deviam ir para a psiquiatria e não vão, ou vão mal mediados. Mas esse não é um problema só nosso, é um problema mundial. Esta articulação entre os serviços primários e os serviços especializados é um desafio enorme. E é uma coisa especialmente difícil de aceitar porque sabemos como é que se resolve este problema. Temos estudos que provam, sem nenhuma sombra de dúvida, que se pudéssemos fazer o que sabemos que funciona, estes 35% que se perdem ao princípio podiam diminuir para 20% ou para 15%, com campanhas de educação, etc. Os 88% podiam ir para 95%. Depois esses 15% podiam subir muito, muito, muito.

Além das campanhas o que é que se poderia fazer que não se faz?
Teria que haver organização dos serviços e organização de programas feitos de outra maneira: modelos colaborativos de cuidados. São modelos muito parecidos com os das doenças crónicas em geral, com passos: as pessoas vão a um primeiro passo, se não funciona são enviadas para outro passo, mas não se perdem, estão sempre em contacto com o serviço, há uma avaliação constante. Isso é muito difícil de implementar nos nossos serviços, nos nossos e em outros. Mas onde se implementou deu resultados fantásticos.

A dificuldade é a organização?
A organização e formação. Primeiro, teríamos de convencer muitos responsáveis que a saúde mental é importante. Teríamos de ter não só médicos, mas também enfermeiros — faltam imensos enfermeiros — e alguns psicólogos, teríamos de os convencer a haver uma colaboração e tratamento em comum. Faz-se nalguns sítios, no meu serviço há muitos anos que fazemos coisas destas.

Mas não está generalizado.
Está longe de estar generalizado. O problema é de implementação, não é de saber o que é que se tem de fazer.

Portugal tem a maior prevalência de doenças mentais do sul da Europa

Há outra questão, relacionada com as conclusões do estudo, que é: porque é que Portugal tem uma taxa de doenças mentais muito mais alta do que o resto dos países do sul da Europa?
Não lhe sei explicar, mas é um problema que me tem preocupado imenso, que me tem feito pensar muito. Pensei tanto e andei à procura de tantas coisas que descobri que a única situação que há parecida com a nossa é o Brasil [que tem uma taxa mais alta do que os restantes países da América latina], com uma prevalência ainda mais alta que a nossa. Primeiro é preciso dizer, temos de facto uma prevalência mais alta, mas não é em todas as doenças, é sobretudo nas perturbações da ansiedade, e dentro das perturbações da ansiedade, as perturbações fóbicas [medos e vergonhas]. O que pode explicar isto? Pode haver fatores genéticos, mas não sabemos. Há um fator que acho que existe de certeza: os diagnósticos das doenças mentais não são feitos por uma análise ao sangue, mas por questionários clínicos, e isto faz com que de cultura para cultura haja uma expressão mais fácil ou menos fácil do sofrimento psicológico. Há culturas em que é muito fácil as pessoas falarem que estão muito tristes ou alegres ou ansiosas e há culturas em que as pessoas não conseguem dizer disso. Na Ásia, as pessoas são incapazes de dizer que estão tristes. A cultura portuguesa, para o bem e para o mal, faz com que as pessoas não tenham dificuldade em se queixarem das suas desgraças. O que quero dizer é que uma parte desta prevalência elevada pode ter a ver com o facto de exprimirmos mais facilmente os sintomas e portanto muitos mais casos serem apanhados. Depois pode haver aspetos culturais em Portugal que acentuaram estes aspetos ansiosos, estes aspetos da vergonha, do medo do que é que os outros pensam, da exposição.

E depois — e isso nós observámos — existem menos apoios. Os pobres e as mulheres estão em desvantagem em relação aos pobres e às mulheres de outros países europeus. O que este estudo para mostrar o impacto da crise nos mostrou é que há dois Portugais — há muitos, mas há dois fundamentais. Curiosamente, quando fomos ver em relação à parte financeira, há uma parte de portugueses que não sofreu muito — e eu espantei-me. Mas há uns 30 ou 40% de todos os portugueses que são pobres a sério, que têm privações muito grandes, que estão desprotegidos — às vezes esquecemos deles porque é uma população que está escondida, mas ela existe e essa gente está muito vulnerável. Isto significa que os nossos serviços deviam estar preparados não só para dar acesso a toda a gente, mas preparados para poder apoiar de uma forma especial, para garantirmos o princípio da equidade a essas pessoas que estão numa desvantagem muito grande e que precisam de compensar isso. Claro que já se fizeram imensos progressos: quando comecei não haviam centros de saúde, os mais novos não fazem ideia o quanto isto melhorou nesse aspeto. Mas há gente que tem necessidade de apoios que ajudem a mitigar as desvantagens em que elas estão. Com o que aprendemos devíamos estar preparados para a próxima crise económica.

Vão comparar os dados de Portugal com a Grécia e outros países que também atravessaram uma crise económica?
Já fizemos a revisão de toda a literatura científica que existe, até fizemos um encontro cá em Lisboa sobre o impacto dos fatores económicos e sociais na saúde mental. Uma das coisas que trabalhamos nesse encontro foi que iniciativas e que programas é que devemos ter para mitigar, para proteger os grupos mais vulneráveis. Há estudos que compararam crises anteriores. Por exemplo, a Suécia teve uma crise muito grande já há muito anos, numa altura em que a Espanha também teve. Quando se compararam os resultados, mostraram como os suecos se saíram muito melhor, estavam preparados, ajudaram os grupos mais vulneráveis.

As doenças mentais

Perturbações mentais comuns: perturbações de ansiedade, perturbações do humor ou afetivas, perturbações do controlo dos impulsos e perturbações de uso de álcool e outras substâncias.Têm duas características em comum: encontram-se com relativa frequência na população em geral e nas populações que procuram cuidados de saúde, e não se fazem acompanhar, em regra, de alterações graves.

Perturbações mentais graves: esquizofrenia e a doença bipolar (no passado, denominada psicose maníaco-depressiva). Envolvem com frequência sintomas psicóticos (por exemplo, ideias delirantes, alucinações, afastamento da realidade, ausência de consciência patológica) e incapacidade significativa a nível das atividades diárias e profissionais.

Outras perturbações: perturbações mentais orgânicas (estados confusionais agudos e demências), perturbações do comportamento alimentar e perturbações do desenvolvimento.

“A saúde mental dos portugueses”, FFMS

The World Mental Health Survey Initiative

É um projeto que coordena a implementação e análise dos estudos epidemiológicos referentes à saúde mental, abuso de substâncias e distúrbios de comportamento na população em geral, em todas as regiões da Organização Mundial de Saúde. Os resultados serão comparados com as consequências sociais adversas e com os padrões de procura de cuidados.

Esta iniciativa conta com a participação de 27 países, incluindo Portugal, e mais de 154 mil participantes entrevistados presencialmente.

The World Mental Health Survey Initiative

 

Programa vai ajudar a reforçar laços entre pais e filhos para prevenir comportamentos aditivos no futuro

Maio 30, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

 

Apostar na prevenção de comportamentos aditivos a médio prazo, em crianças dos 6 aos 14 anos, através da envolvência da família é o principal objectivo do programa “prevenir em família e comunidade” que deverá estar no terreno em 2019. Ontem, durante uma reunião entre as várias entidades parceiras do projecto que já foi aplicado nas Ilhas Baleares, em Espanha, a Directora Regional de Prevenção e Combate às Dependências, Suzete Frias, explicou que o mesmo vai ser aplicado inicialmente em territórios mais vulneráveis da ilha de São Miguel, Terceira, Pico e Graciosa. Rabo de Peixe é para já a única comunidade onde se sabe que o projecto vai avançar, uma vez que ali está já implementado o “Trajecto Seguro”, na escola Luísa Constantino, com uma metodologia semelhante de ligação da comunidade à família e da família à escola. A seguir a Rabo de Peixe, serão os resultados do estudo de comportamentos aditivos e comportamentos que está a ser feito prelo Governo Regional a indicar qual a localidade onde se justifica uma intervenção com o projecto.

Um projecto que se baseia na prevenção, através da formação para pais e para crianças onde a novidade são as sessões de interacção entre ambos. “Mais do que criar competências parentais, promove a vinculação da criança aos pais, dos pais à criança, a empatia, saber escutar, é a promoção dos factores protectores em relação a comportamentos de risco. Os estudos mostram que quanto mais vinculação, mais sentimento de pertença temos a nós próprios e ao mundo que nos rodeia, mais protegidos estamos em relação a comportamentos de risco, entre os quais os aditivos”, explica Suzete Frias.

O projecto, que ainda está em fase de organização, está a ser estruturado para famílias “que necessitam de prevenção selectiva, onde são detectados alguns sinais de que poderá haver problemas” no futuro e pretende numa fase posterior “criar um módulo mais pequeno de prevenção universal, porque é importante que tenhamos uma abordagem universal para todas as crianças e pais”.

Um trabalho em rede, tal como o que já vem sendo desenvolvido desde 2004 nas Ilhas Baleares e em 14 grandes cidades espanholas.

Luís Ballester Brage, professor da faculdade de Métodos de Investigação em Educação da Universidade das Ilhas Baleares, deu conta de alguns resultados “muito bons” em determinados parâmetros. O programa decorre em 14 sessões, durante quase 4 meses em que “com trabalho muito intenso” se trabalha com pais e filhos individualmente e posteriormente juntos para que se criem os tais laços de pertença e se melhore a comunicação. “Os resultados são muito importantes em termos de coesão familiar, resiliência familiar, coesão interna na família, controlo da dinâmica das relações familiares e noutros factores associados”, explica Luís Ballester Brage que reforça que “melhorou-se muito as atitudes positivas em respeito às drogas e aos consumos, com resultados consistentes”. O que a longo prazo, “influencia o consumo, ou seja, o consumo baixa e controla-se. A conduta de pequena delinquência e os comportamentos disruptivos também baixam”, explica.

A avaliação que o responsável pela Universidade das Ilhas Baleares faz deste projecto é bastante positiva já que o trabalho em conjunto permite que os filhos percebam “que os pais se preocupam porque durante quatro meses, os pais vêm todas as semanas para falar e comunicar com eles e isso é positivo. Temos miúdos que dizem que não sabiam que os pais se preocupavam

e que se interessavam em melhorar em família. Descobrem que há um projecto de família, que podem dizer coisas à família, confiar que a família pode ajudar”. E está dado o passo da confiança, pois “se aprendem a pedir ajuda, outros assuntos como o bullying, problemas de isolamento, depressão, como aprendem a falar sobre isso e ganham confiança com os pais e irmãos, também a ganham com os professores e com os colegas. Aprendem a comunicar melhor” e a pedir ajuda quando o caso assim o justifica.

Presente na reunião esteve também Jorge Negreiros, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, que pretende também adoptar este projecto, bem como a responsável do departamento de psicologia da Universidade dos Açores, Célia Carvalho.

 

Escrito por Carla Dias para o Correio dos Açores, em 17 de maio de 2018

28 estratégias de sala de aula para alunos com défice de atenção ou impulsivos

Março 29, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Um dos grandes desafios para os professores hoje em dia é conseguir gerir turmas de cerca de 30 alunos, em que alguns desses alunos apresentam dificuldades em manter a atenção e/ou revelam excesso de atividade motora e comportamentos impulsivos.

 O presente texto reúne algumas ideias e estratégias simples para que os professores consigam lidar com os alunos com Défice de Atenção, isto é, com crianças com dificuldades em manter a atenção durante um longo período de tempo e que estão “sempre com a cabeça na lua”, mas também com os alunos que apresentem comportamentos impulsivos e excesso de atividade motora, ou seja, crianças com dificuldade em manterem-se focados numa só tarefa e que têm “bicho-carpinteiro”.

Ideias e Estratégias na sala de aula para alunos com Défice de Atenção

  • Faça uma pequena pausa e promova a curiosidade (suspense), como por exemplo olhando ao redor antes de colocar uma questão;
  • Avise que alguém vai ter que responder a uma pergunta sobre aquilo que está a ser dito;
  • Escolha aleatoriamente os alunos para ler/responder a uma questão, de modo a que não consigam prever quando devem estar atentos;
  • Utilize o nome do aluno quando colocar uma questão;
  • Faça uma pergunta simples ao aluno (não relacionada com o assunto em questão) quando perceber que este está a começar a perder a atenção;
  • Crie uma “piada privada” entre si e o aluno, de modo a envolvê-lo novamente na aula;
  • Percorra a sala de aula e dê um toque discreto no ombro do aluno enquanto está a ensinar algo importante;
  • Percorra a sala de aula e vá tocando discretamente no sítio exato da página que está a ser lido ou discutido no momento;
  • Alterne entre atividades físicas e mentais;
  • Aumente a novidade das aulas ao usar filmes, cartões (flashcards), trabalhos de grupo;
  • Incorpore os interesses dos alunos no planeamento das aulas;
  • Dê instruções simples e concretas;
  • Ensine aos alunos estratégias de auto-monitorização;
  • Utilize uma voz suave para dar instruções.

Ideias e Estratégias para alunos com Comportamentos Impulsivos

  • Dê-lhe atenção positiva e reconhecimento tanto quanto possível;
  • Clarifique as regras da sala de aula;
  • Estabeleça um sinal entre si e o aluno;
  • Crie o hábito de esperar 10 a 15 segundos antes de responder;
  • Analise as respostas irrelevantes dadas pelo aluno e procure possíveis relações com a pergunta;
  • Peça ao aluno para repetir a pergunta antes de responder;
  • Escolha um aluno para ser o “detentor da pergunta” (para repetir a pergunta ao aluno);
  • Ao introduzir uma nova matéria, peça aos alunos para fazerem perguntas antes de ser lecionada a matéria;
  • Retire da sala de aula toda a estimulação desnecessária;
  • Certifique-se que as tarefas propostas são curtas;
  • Transmita que a precisão vale mais que a rapidez;
  • Utilizando o relógio da sala de aula, diga aos alunos quanto tempo têm para a realização de uma determinada tarefa;
  • Peça que os alunos tenham um ficheiro com todos os seus trabalhos completos;
  • Incentive o planeamento utilizando com frequência listas, o calendário, tabelas e imagens na sala de aula.

*adaptado de “Suggested Classroom Interventions For Children With ADD & Learning Disabilities”

Artigo publicado pelo Sei – Centro de Desenvolvimento e Aprendizagem.

 

A Islândia travou o consumo excessivo de álcool e drogas entre os adolescentes, mas o resto do mundo não está a prestar atenção

Março 1, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

© Dave Imms

Texto do http://observador.pt/ de 27 de janeiro de 2018.

Ao longo dos últimos 20 anos, o consumo de tabaco, álcool e drogas entre os adolescentes diminuiu drasticamente na Islândia. Emma Young foi tentar perceber como e porque razão o modelo não é copiado.

Faltam poucos minutos para as três da tarde numa sexta-feira soalheira e o Parque Laugardalur, perto do centro de Reiquejavique, está praticamente vazio. Vê-se um ou outro adulto a empurrar um carrinho de bebé, mas há prédios e casas a toda a volta do parque, e já acabaram as aulas – onde andam os miúdos?

Neste passeio pelo parque acompanham-me o islandês Gudberg Jónsson, psicólogo, e o norte-americano Harvey Milkman, professor de psicologia, que durante uma parte do ano dá aulas na Universidade de Reiquejavique. Há vinte anos, diz Gudberg, os adolescentes islandeses eram dos que mais bebiam na Europa. “Não se podia andar na baixa de Reiquejavique às sextas à noite, era perigoso”, acrescenta Milkman. “Havia hordas de adolescentes a embebedar-se, ficavam violentos.”

Estamos a chegar a um grande edifício: “E aqui é o ringue coberto de patinagem”, diz Gudberg.

Há uns minutos, tínhamos passado por dois pavilhões dedicados ao badminton e ao pingue pongue. No mesmo parque há também uma pista de atletismo, uma piscina de água aquecida por energia geotérmica e – finalmente! – avistam-se uns poucos miúdos, entretidos a jogar futebol num campo com relva artificial.

Gudberg explica que a razão pela qual não vemos miúdos cá fora é porque estão a ter aulas nestes edifícios, ou em clubes dedicados à música, à dança ou às artes visuais. Ou porque foram sair com os pais.

Atualmente, a Islândia está no topo da tabela europeia no que diz respeito à percentagem de adolescentes com hábitos saudáveis. A percentagem de miúdos entre os 15 e os 16 anos que ficaram embriagados no mês anterior desceu a pique, de 42 por cento em 1998 para 5 por cento em 2016. Os que já experimentaram canábis passaram de 17 para 7 por cento. Os que fumam tabaco todos os dias passaram de 23 para apenas 3 por cento.

O método radical através do qual esta reviravolta foi alcançada baseou-se em dados concretos, mas também depende muito daquilo a que poderíamos chamar “senso comum forçado”. “Este é o estudo mais intenso e profundo do impacto do stress nas vidas dos adolescentes que alguma vez vi”, diz Milkman. “Fico muito impressionado pela eficácia que está a ter.”

Se fosse adotado noutros países, defende Milkman, o modelo islandês poderia contribuir para o bem-estar físico e psicológico de milhões de adolescentes, reduzir as despesas com cuidados de saúde dos estados e beneficiar a sociedade como um todo. Mas é um grande “se”.

“Estive no centro do furacão durante a revolução das drogas”, explica Milkman enquanto tomamos chá no seu apartamento em Reiquejavique. No início da década de 1970, quando estagiou no Hospital Psiquiátrico da Bellevue, em Nova Iorque, “o LSD já estava na moda, e muita gente fumava marijuana. E na altura havia muita curiosidade acerca das razões pelas quais as pessoas tomavam certas drogas.”

A tese de doutoramento de Milkman concluía que as pessoas escolhiam a heroína ou as anfetaminas dependendo da maneira como preferiam lidar com o stress e a ansiedade. Quem procurava a heroína queria adormecer os sentidos; os que recorriam às anfetaminas queriam enfrentar o que os atormentava. Após a publicação deste trabalho, Milkman fez parte de um grupo de investigadores recrutados pelo Instituto Nacional da Toxicodependência dos EUA cuja função era responder a perguntas como: porque é que as pessoas começam a recorrer às drogas? O que as faz continuar? Quando é que passam o limiar da dependência? O que as faz parar? E em que circunstâncias têm recaídas?

“Qualquer estudante universitário nos saberia dizer: porque é que começam? Bem, porque as drogas estão disponíveis, porque as pessoas gostam de correr riscos, porque querem alhear-se, se calhar porque estão um bocado deprimidas”, afirma. “Mas porque é que continuam? Quando me debrucei sobre o limiar da dependência fez-se luz – foi a minha pequena epifania: é possível passar o limiar da dependência mesmo antes de se experimentar qualquer droga, porque aquilo de que as pessoas realmente abusam é da sua maneira de lidar com os problemas.”

Na Universidade Estadual Metropolitana de Denver, Milkman foi um dos grandes impulsionadores da ideia de que as pessoas estavam a ficar viciadas nas alterações químicas do cérebro. Os miúdos que procuravam o confronto queriam emoções fortes – e conseguiam-nas ao roubar jantes de automóveis, autorrádios e, mais tarde, carros, ou através de drogas estimulantes. O álcool também provoca alterações químicas no cérebro. É um sedativo cujo efeito começa por se fazer sentir no controlo cerebral, podendo assim retrair inibições e, em doses limitadas, reduzir a ansiedade.

“As pessoas podem ficar viciadas em álcool, carros, dinheiro, sexo, calorias, cocaína – seja o que for”, diz Milkman. “A ideia de dependência comportamental tornou-se a nossa imagem de marca.”

Esta ideia deu origem a outra: “Porque não desenvolver um movimento social em torno das ‘pedradas naturais’, da ideia de que é possível atingir esse estado alterado através da química cerebral de cada um – já que me parece evidente que as pessoas querem alterar a sua consciência – sem os efeitos nefastos das drogas?”

Em 1992 a equipa de Milkman em Denver obteve uma bolsa de 1,2 milhões de dólares do governo dos EUA para desenvolver o Projeto Autodescoberta, que propunha alternativas de “pedradas naturais” aos adolescentes, que não implicavam consumir drogas nem cometer crimes. Os participantes eram-lhes indicados por professores, enfermeiros e psicólogos escolares, adolescentes a partir dos 14 anos que não sentiam precisar de tratamento, mas que tinham tido problemas com drogas ou cometido delitos de pouca gravidade.

“Não os chamávamos para virem receber tratamento. O que lhes dizíamos era, podemos ensinar-vos qualquer coisa que queiram aprender: música, dança, hip hop ou artes marciais.” A ideia era que estas aulas diferentes podiam provocar alterações na química cerebral dos miúdos, e dar-lhes aquilo de que precisavam para estar melhor no mundo: alguns podiam estar à procura de maneiras de reduzir a ansiedade, outros de emoções fortes.

Ao mesmo tempo, os participantes aprendiam ferramentas fundamentais para a vida, com o intuito de melhorar a forma como se viam a si próprios, e a sua interação com os outros. “Baseámo-nos no princípio básico de que a educação contra a droga não funciona porque ninguém lhe presta a mínima atenção. Aquilo de que os adolescentes precisam é de ferramentas para lidar com essa informação”, diz Milkman. Foi dito aos miúdos que se tratava de um programa de três meses. Alguns acabaram por ficar durante cinco anos.

Em 1991, Milkman foi convidado a ir à Islândia para falar sobre este trabalho, e sobre as suas descobertas e ideias. Tornou-se consultor do primeiro centro de tratamento residencial para adolescentes na Islândia, em Tindar. “O centro foi desenvolvido a partir da ideia de propor alternativas melhores aos miúdos”, explica. Foi aí que conheceu Gudberg, que na altura era estudante de psicologia e voluntário em Tindar. São grandes amigos desde então.

Milkman começou a vir regularmente à Islândia para dar palestras. Estas palestras, assim como o centro de Tindar, chamaram a atenção de uma jovem investigadora da Universidade da Islândia, Inga Dóra Sigfúsdóttir. Perguntava-se: e se pudéssemos usar estas alternativas saudáveis às drogas e ao álcool como parte de um programa que, em vez de ser direcionado aos miúdos com problemas, tivesse o objetivo de fazer com que os miúdos não chegassem a beber ou a experimentar drogas?

Já alguma vez bebeste álcool? Se sim, quando foi a última vez que bebeste um copo? Já alguma vez ficaste bêbado? Já fumaste tabaco? Se sim, com que frequência fumas? Quanto tempo passas com os teus pais? Tens uma boa relação com os teus pais? Em que atividades participas?

Em 1992, os adolescentes de 14, 15 e 16 anos de todas as escolas da Islândia preencheram um questionário com perguntas como estas. O processo foi repetido em 1995 e 1997.

Os resultados destes inquéritos revelaram-se preocupantes. A nível nacional, quase 25 por cento dos adolescentes fumavam todos os dias, e mais de 40 por cento tinham ficado embriagados no mês anterior. Mas ao estudar os dados ao pormenor, a equipa percebeu quais eram as escolas que tinham os problemas mais graves – e as que tinham menos. A sua análise revelou a existência de diferenças muito claras entre as vidas dos miúdos que começavam a beber, a fumar e a tomar drogas e as daqueles que não o faziam. Alguns fatores mostraram ser determinantes na proteção dos adolescentes: participarem em atividades organizadas – sobretudo desporto – três ou quatro vezes por semana, passarem um número significativo de horas com os pais durante a semana, serem bem tratados na escola e não saírem de casa durante a noite.

“À época, havia uma série de programas de prevenção da dependência, e faziam-se muitos esforços nesse sentido”, diz Inga Dóra, que trabalhou como investigadora auxiliar nos inquéritos. “Baseavam-se sobretudo na educação.” Os miúdos eram avisados acerca dos perigos do álcool e das drogas, mas, tal como Milkman tinha constatado nos EUA, estes programas não eram eficazes. “Queríamos desenvolver uma abordagem nova.”

O presidente da câmara de Reiquejavique também tinha vontade de experimentar outra abordagem, e muitos pais sentiam o mesmo, acrescenta Jón Sigfússon, colega e irmão de Inga Dóra. Jón tinha filhas adolescentes na altura e juntou-se ao novo Centro Islandês de Investigação Social a que a irmã pertencia quando foi fundado, em 1999. “A situação era preocupante”, afirma. “Era evidente que se tinha de fazer alguma coisa.”

Recorrendo aos dados obtidos através dos inquéritos e aos resultados de investigações anteriores, incluindo a de Milkman, foi implementado gradualmente um novo plano nacional. Chamava-se Juventude na Islândia.

Mudaram-se as leis. Passou a ser ilegal comprar tabaco aos menores de 18 anos e álcool aos menores de 20, e a publicidade ao tabaco e ao álcool foi proibida. A ligação entre as escolas e os pais foi reforçada através da criação obrigatória de associações de pais, assim como da inclusão de representantes dos pais nos conselhos escolares. Os pais eram incentivados a ir a palestras sobre a importância de passar uma quantidade significativa de tempo com os filhos, mais do que “tempo de qualidade” esporádico, de falar com os filhos sobre as suas vidas, de saber quem eram os amigos dos filhos e de fazer com que eles passassem as noites em casa.

Também foi promulgada uma lei que proibia as crianças entre os 13 e os 16 anos de idade de estarem fora de casa depois das dez da noite no inverno e da meia noite no verão. Ainda está em vigor.

O Casa e Escola, o programa nacional das associações de pais, propôs a criação de acordos que os pais deveriam assinar. O conteúdo dos acordos varia de acordo com a faixa etária, e cada associação pode decidir o que é contemplado. Para os miúdos com mais de 13 anos, os pais podem comprometer-se a seguir todas as recomendações assim como, por exemplo, a não permitir que os filhos façam festas sem a supervisão de adultos, a não comprar bebidas alcoólicas a menores e a estar atentos ao bem-estar das outras crianças.

Estes acordos educam os próprios pais, mas também ajudam a fortalecer a sua autoridade em casa, defende Hrefna Sigurjónsdóttir, diretora do Casa e Escola. “Assim torna-se difícil usar a desculpa mais velha do mundo: ‘Mas os outros pais deixam!’”

O estado aumentou o financiamento atribuído às atividades desportivas, às artes, à dança e a outros clubes, de forma a que os miúdos tivessem acesso a formas alternativas de pertencer a um grupo, e de se sentirem bem, sem recorrerem às drogas e ao álcool. As crianças provenientes de famílias de baixo rendimento receberam apoios para poderem participar. Em Reiquejavique, por exemplo, onde vive mais de um terço da população do país, o Cartão de Lazer atribui 35 mil coroas islandesas (280 euros) por ano às famílias para atividades recreativas.

Muito importante também é o facto de os inquéritos terem continuado a ser feitos. A cada ano, são preenchidos praticamente por todas as crianças que vivem na Islândia.

Entre 1997 e 2012, a percentagem de miúdos entre os 15 e os 16 anos que dizem passar todos ou quase todos os dias da semana com os pais duplicou – de 23 para 43 por cento – e a percentagem que participa em atividades desportivas organizadas pelo menos quatro vezes por semana aumentou de 24 para 42 por cento. Entretanto, o consumo de tabaco, bebidas alcoólicas e cannabis nesta faixa etária desceu a pique.

“Embora não possamos provar que existe uma relação de causa-efeito – o que é um bom exemplo das razões pelas quais é difícil convencer os cientistas de que estes métodos de prevenção primária são eficazes – a tendência é muito clara”, observa Álfgeir Kristjánsson, que tratou estes dados e que agora pertence à Escola de Saúde Pública da Universidade da Virgínia Ocidental, nos EUA. “Os fatores de proteção aumentaram, os fatores de risco diminuíram, e a dependência de drogas e álcool diminuiu – e de forma mais consistente na Islândia do que em qualquer outro país europeu.”

“Até a Suécia se ri de nós, chamam-lhe o recolher obrigatório infantil”

Jón Sigfússon pede desculpa por ter chegado dois minutos atrasado. “Tive de resolver uma crise por telefone!” Embora prefira não dizer ao certo com quem esteve a falar, a chamada foi para uma das cidades noutros países do mundo que adotaram, em parte, as ideias do programa Juventude na Islândia.

O programa Juventude na Europa, que Jón lidera, teve início em 2006, depois de os dados estatísticos já bastante admiráveis da Islândia terem sido apresentados numa reunião das Cidades Europeias Contra as Drogas onde, segundo se lembra, lhe perguntaram: “O que estão a fazer?”

A participação no Juventude na Europa é feita através de iniciativas municipais, e não dos governos de cada país. No primeiro ano, inscreveram-se oito municípios. Até à data, participaram 35, em 17 países, desde áreas onde existem poucas escolas até Tarragona, em Espanha, onde o programa implica 4200 estudantes de 15 anos. O método é sempre igual: Jón e a sua equipa falam com os responsáveis locais e desenvolvem um questionário baseado nas mesmas perguntas principais que são usadas na Islândia, às quais se acrescentam outras que variam conforme o local. Por exemplo, as apostas online estão a tornar-se num problema grave em determinados sítios, e os responsáveis locais querem saber até que ponto é que se relacionam com outros comportamentos de risco.

Passados apenas dois meses de os questionários serem devolvidos à Islândia, a equipa envia um relatório preliminar com os resultados, assim como uma análise comparativa baseada nas outras regiões que participam no programa. “Costumamos dizer que, tal como a fruta e os legumes, a informação tem de ser fresca”, diz Jón. “Se estas análises fossem apresentadas um ano depois, as pessoas diriam, ‘Pois, mas foi há muito tempo, e se calhar as coisas mudaram entretanto…” Para além de ser fresca, a informação tem de ser local, para que as escolas, os pais e os responsáveis políticos saibam exatamente que problemas existem numa determinada área.

A equipa analisou 99 mil questionários oriundos de locais tão diferentes como as Ilhas Faroé, Malta e a Roménia – assim como da Coreia do Sul, e, muito recentemente, de Nairobi e da Guiné-Bissau. Em termos gerais, os resultados mostram que no que diz respeito ao abuso de determinadas substâncias por parte dos adolescentes, aplicam-se os mesmo fatores de risco e de proteção. No entanto, há algumas diferenças: num dos municípios (num país “do Báltico”), a participação em atividades desportivas organizadas revelou ser um fator de risco. Ao investigar este revés, descobriu-se que tal se devia ao facto de os clubes serem orientados por jovens ex-militares com propensão para o consumo de esteroides e anabolizantes comuns entre os culturistas, assim como para fumar e beber.

Embora Jón e a sua equipa apresentem todas as informações acerca do que mostrou ser eficaz na Islândia, cabe a cada uma das comunidades que participam decidir o que fazer face aos seus resultados. Em certas situações, decidem não fazer nada. Um país de maioria muçulmana (cuja identidade não nos revela) rejeitou os dados por considerar que revelavam um nível inaceitável de consumo de álcool. Noutras cidades – como aquela cuja crise Jón tentou resolver pelo telefone – apesar de haver abertura face aos dados e dinheiro para gastar, as equipas têm verificado que é muito mais difícil captar e manter financiamento para estratégias de prevenção de saúde do que para tratamentos.

Mais nenhum país fez mudanças à escala das que se verificam na Islândia. Quando lhe perguntamos se nalgum lugar foi copiada a lei que obriga as crianças a ficar em casa durante a noite, Jón sorri. “Até a Suécia se ri de nós, chamam-lhe o recolher obrigatório infantil.”

Em toda a Europa, as taxas de consumo de álcool e drogas por parte dos adolescentes têm vindo a reduzir-se longo dos últimos vinte anos, mas em nenhum país isso aconteceu de forma tão drástica como na Islândia. E as razões para estas melhorias não estão necessariamente ligadas a estratégias que promovem o bem-estar entre os adolescentes. No Reino Unido, por exemplo, o facto de os adolescentes passarem mais tempo em casa a comunicar online do que em pessoa é uma das principais razões que explica a descida no consumo de bebidas alcoólicas.

Mas Kaunas, na Lituânia, é um exemplo do que pode ser conseguido através de uma intervenção ativa. Desde 2006, a cidade distribuiu estes questionários cinco vezes, e as escolas, os pais, as organizações de cuidados de saúde, as igrejas, a polícia e os serviços sociais uniram-se para tentar melhorar o bem-estar das crianças e reduzir o uso de álcool e drogas. A título de exemplo, os pais têm direito a participar em oito ou nove sessões de aconselhamento parental por ano, e há um novo programa que encaminha apoios suplementares a instituições públicas e organizações não-governamentais da área da saúde mental. Em 2015, a cidade começou a oferecer atividades desportivas gratuitas às segundas, quartas e sextas, e está a ser planeado um serviço gratuito de transporte para as famílias de baixo rendimento, para que as crianças que vivem longe das instalações desportivas também possam participar.

Entre 2006 e 2014, o número de adolescentes entre os 15 e os 16 anos que referiram ter estado embriagados nos 30 dias anteriores desceu cerca de 25 por cento, e houve uma redução de mais de 30 por cento entre os que disseram fumar diariamente.

Atualmente, a participação no Juventude na Europa é bastante dispersa, e a equipa na Islândia é pequena. Jón gostaria que surgisse um organismo central com financiamento próprio dedicado à expansão do programa na Europa. “Embora estejamos a desenvolver este trabalho há dez anos, não é a nossa função principal, a tempo inteiro. Gostávamos muito que alguém copiasse este modelo e o implementasse em toda a Europa”, afirma. “E porquê nos havemos de limitar à Europa?”

Jón e Birgir, os futebolistas

Depois do passeio pelo Parque Laugardalur, Gudberg Jónsson convida-nos para irmos a sua casa. Cá fora, no jardim, os seus dois filhos mais velhos, Jón Konrád, de 21 anos, e Birgir Ísar, de 15, conversam comigo sobre beber e fumar. Jón bebe, mas Birgir diz que não conhece ninguém na escola que fume ou beba. Também falamos sobre os treinos de futebol: Birgir tem cinco ou seis treinos por semana; Jón, que está no primeiro ano da faculdade, num curso de gestão na Universidade da Islândia, treina cinco vezes por semana. Começaram ambos a treinar regularmente depois das aulas quando tinham seis anos.

“Temos imensos instrumentos musicais em casa”, tinha-me dito o pai dos rapazes. “Tentámos que se interessassem por isso. E já tivemos um cavalo. A minha mulher gosta muito de andar a cavalo. Mas não aconteceu. Acabaram por escolher o futebol.”

Alguma vez lhes pareceu demasiado? Sentiram pressão para ir aos treinos quando lhes apetecia fazer outra coisa qualquer? “Não, divertíamo-nos a jogar futebol”, diz Birgir. Jón acrescenta, “Experimentámos e habituámo-nos a jogar, por isso fomos continuando.”

E não é só isso que fazem. Embora Gudberg e a sua mulher, Thórunn, não planeiem meticulosamente passar um determinado número de horas por semana com os três filhos, acabam por levá-los muitas vezes ao cinema, ao teatro, a jantar fora, a fazer caminhadas, à pesca e até em expedições familiares de pastorícia, quando as ovelhas da Islândia são trazidas do cimo dos montes em setembro.

Jón e Birgir podem ser particularmente dedicados ao futebol, e particularmente talentosos (graças ao futebol, Jón recebeu uma bolsa de estudo da Universidade Estadual Metropolitana de Denver, e poucas semanas depois do nosso encontro, Birigir foi chamado para jogar na seleção nacional de sub-17). Mas será que o aumento significativo da percentagem de miúdos que fazem desporto quatro ou mais vezes por semana poderá conduzir a outros benefícios, para lá da saúde das crianças?

Será que, por exemplo, terá tido alguma coisa a ver com a vitória esmagadora da Islândia sobre a Inglaterra no Campeonato Europeu de Futebol de 2016? Quando lhe perguntamos isso mesmo, Inga Dóra Sigfúsdóttir sorri: “Também temos tido bastante sucesso na música, com os Of Monsters and Men [uma banda indie-folk de Reiquejavique], por exemplo. São jovens que foram incentivados a trabalhar em equipa. Já me agradeceram algumas vezes”, diz, piscando o olho.

Noutros países, as cidades que se juntaram ao Juventude na Europa têm dado conta de outros benefícios. Em Bucareste, por exemplo, a taxa de suicídios entre os adolescentes tem estado a decair, em paralelo com o consumo de álcool e drogas. Em Kaunas, o número de crianças que cometeram crimes desceu um terço entre 2014 e 2015.

Como diz Inga Dóra: “Através desta investigações, ficámos a saber que precisamos de criar as circunstâncias nas quais os miúdos possam viver de forma saudável, em que não sintam a necessidade de recorrer a substâncias como o álcool e as drogas, porque percebem que a vida é divertida e há muitas coisas para fazer – e sabem que têm o apoio dos pais, que passam bastante tempo com eles.”

Mas a Islândia é um país pequeno…

Trezentos e vinte e cinco milhões de habitantes contra trezentos e trinta mil. Trinta e três mil gangues contra praticamente nenhum. Cerca de um milhão e trezentos mil jovens sem abrigo contra meia dúzia.

Claramente, nos EUA há desafios que não existem na Islândia. Mas os dados recolhidos noutras zonas da Europa, incluindo cidades como Bucareste, onde existem problemas sociais graves e um grau considerável de pobreza, demonstram que o modelo islandês pode funcionar em culturas muito diferentes, defende Milkman. E a necessidade de um programa como este nos EUA é grande: cerca de 11 por cento do álcool a nível nacional é consumido por menores, e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas é responsável por mais de 4300 mortes por ano entre os menores de 21.

No entanto, é improvável que venha a ser implementado um programa semelhante ao islandês a nível nacional nos EUA. Um dos maiores impedimentos a uma tal iniciativa é que, ao contrário do que acontece na Islândia, onde se estabeleceu um compromisso a longo prazo face a este projeto nacional, nos Estados Unidos os programas de saúde dirigidos às comunidades são por norma apoiados por bolsas a curto prazo.

Milkman aprendeu a custo que nem os programas mais inovadores e elogiados nem sempre são alargados, ou mesmo mantidos. “Quando criámos o Projeto Autodescoberta, estávamos convencidos de que aquele era o melhor programa do mundo”, explica. “Fui convidado por duas vezes a ir à Casa Branca. O projeto ganhou prémios a nível nacional. Na altura pensei: este programa vai ser copiado e adotado em todas as cidades e aldeias. Mas não foi.”

Concluiu que isso se deve ao facto de não ser possível estabelecer um modelo genérico para todas as comunidades, uma vez que nem todas têm os mesmos recursos. Qualquer tentativa de apresentar aos miúdos nos EUA a oportunidade de participar nas atividades que se tornaram comuns na Islândia, e de os ajudar a não se iniciarem no consumo de álcool e drogas, terá de se apoiar nas estruturas que já existam. “É necessário recorrer aos recursos de cada comunidade“, explica.

Álfgeir Kristjánsson, colega de Milkman, está a apresentar as ideias islandesas no estado da Virgínia Ocidental. Estão a ser distribuídos inquéritos nalgumas escolas básicas e secundárias do estado, e há um coordenador local cujo papel é ajudar a divulgar os resultados junto dos pais e de quaisquer outras pessoas que os possam utilizar para ajudar os miúdos da zona. Mas admite que será difícil atingir os resultados que se verificam na Islândia.

Esta visão a curto prazo também impede o estabelecimento de estratégias eficazes de prevenção no Reino Unido, diz Michael O’Toole, diretor executivo da Mentor, uma instituição de caridade cujo objetivo é reduzir o uso de álcool e drogas entre as crianças e os adolescentes. Esse trabalho acaba por ficar nas mãos das autoridades locais ou das escolas, o que muitas vezes significa que os miúdos se limitam a receber informações sobre os riscos associados ao consumo de drogas e de álcool – estratégia que, reconhece, não tem dado provas de funcionar.

O’Toole está completamente rendido à política islandesa de sublinhar a importância de os pais, a escola e a comunidade trabalharem em conjunto para apoiar as crianças, e de chamar os pais e os encarregados de educação a ter um papel mais interventivo na vida dos adolescentes. Criar mais e melhores apoios para os miúdos é essencial, sublinha. Mesmo no que toca apenas ao álcool e ao tabaco, os dados indicam sem margem para dúvidas que quanto mais velha uma criança for quando fumar o primeiro cigarro ou beber a primeira bebida alcoólica, mais saudável será ao longo da vida.

Mas nem todas estas estratégias seriam aceitáveis no Reino Unido – a começar pelo recolher obrigatório das crianças, passando, muito provavelmente, pela ideia de os pais andarem pelos bairros a verificar se há crianças a quebrar as regras. E a experiência-piloto levada a cabo pela Mentor em Brighton, que implicava convidar os pais a aparecer nas escolas e participar em seminários, revelou que é muito difícil despertar o seu interesse.

A desconfiança do público em geral e a falta de vontade de participar de forma proativa no programa são os maiores desafios onde quer que se tente implementar os métodos islandeses, considera Milkman, porque dizem respeito a questões fundamentais como o equilíbrio da responsabilidade entre os cidadãos e os estados. “Até que ponto é que estão dispostos a deixar o estado controlar as atividades dos vossos filhos? Isto não será uma interferência demasiado grande do governo na vida das pessoas?“

Na Islândia, a relação que se estabeleceu entre os cidadãos e o estado tem permitido que um programa nacional eficaz reduza drasticamente a percentagem de miúdos que fumam e bebem demasiado – e, no mesmo movimento, tem aproximado as famílias e ajudado as crianças a tornar-se mais saudáveis, de todas as maneiras. Será que mais nenhum país está disposto a decidir que estes benefícios justificam os custos?

Tradução: Francisca Cortesão

Este texto foi originalmente publicado no site Mosaic Science

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.