Migrantes e refugiados apelam à denúncia de casos de bullying

Janeiro 10, 2020 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Jornal de Notícias de 30 de dezembro de 2019.

Estudo conclui que animação sociocultural nas escolas reduz violência entre alunos

Dezembro 26, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Sapo24 de 19 de dezembro de 2019.

A existência de animação sociocultural dentro dos estabelecimentos de ensino contribui para a diminuição da violência escolar (‘bullying’) e potencia outro tipo de competências aos alunos, revela um estudo divulgado hoje.

Da autoria do animador e investigador Bruno Trindade, de Castelo Branco, o estudo “Importância da Animação Sociocultural em Contexto Escolar” foi apresentado no início do mês, na Universidade de Salamanca, em Espanha, como tese de doutoramento.

“O índice de violência foi uma das áreas em que nos debruçámos mais. Até nós ficámos impressionados com as respostas, não só dos alunos como dos professores, pois 80% considerou que [a animação sociocultural] ajudou a combater a indisciplina na escola”, disse o autor à agência Lusa.

O estudo decorreu no Agrupamento de Escolas Nuno Álvares de Castelo Branco, envolvendo 439 alunos e 36 professores (incluindo do 1.º ciclo do ensino básico), através do questionário de Adaptação da Escala de Avaliação de Implementação de Programas.

Segundo Bruno Trindade, os alunos e professores “demonstram uma satisfação elevada com a animação sociocultural na oferta educativa, sendo esta atividade promotora de sucesso escolar, de maior motivação escolar e de redução dos comportamentos desviantes”.

Os alunos “sentem-se muito mais empenhados e motivados para a escola e consegue-se melhorar também em termos comportamentais, com a diminuição da violência no espaço escolar”, reitera o investigador albicastrense.

“[A Animação sociocultural] também nos permite que os alunos estejam muito mais motivados e consegue levá-los a gostarem de uma escola diferente, com uma perspetiva diferente no espaço escolar também ao nível de aprendizagens lúdico-pedagógicas”, acrescentou.

De acordo com Bruno Trindade, a existência de animação sociocultural nas escolas portuguesas é muito residual, motivo pelo qual este estudo “foi bastante inovador”.

“Em termos de estudo, propusemos alargar a animação a todas as escolas nacionais, desde o jardim de infância ao primeiro ciclo, porque ajuda a melhorar a componente educativa, mas também a ter uma perspetiva diferente ao nível das suas metodologias e da educação não formal”, revelou.

Para o investigador, o aspeto da flexibilização curricular permite trabalhar a componente artística, cultural e social de uma forma diferente dos contextos educativos.

Bruno Trindade defende a introdução da animação sociocultural como uma oferta educativa e curricular dentro da componente escolar, com a reformulação, por exemplo, das Atividades de Enriquecimento Curriculares, para se dar “mais importância às questões da socialização, do brincar, ao desenvolvimento da competência, da criatividade e também a algo mais pertinente, que é da fomentação das regras e valores, cada vez mais importantes nas escolas”.

“Neste momento, estamos com algumas falhas nesse aspeto [regras e valores] devido à tecnologia e ausência de família, mas cada vez mais a animação sociocultural permite esse trabalho e envolvimento”, sublinhou.

Para o especialista, a animação sociocultural “é uma área com grandes potencialidades para a sociedade e foi uma das questões que me levou a pensar neste estudo, porque ainda não é muito desenvolvida nas escolas e cada vez mais tem potencialidade no desenvolvimento de competências e também na componente educativa e na fomentação de metodologias diferentes a nível da aprendizagem”.

Escola sem Bullying Escola sem Violência – Site para alunos, pais e escolas

Dezembro 16, 2019 às 12:00 pm | Publicado em Site ou blogue recomendado | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Mais informações no link:

Homepage

Bullying e Ciberbullying: Prevenir & Agir (II) – curso online 14 janeiro

Dezembro 16, 2019 às 6:00 am | Publicado em Divulgação, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

A Direção-Geral da Educação (DGE) promove o curso de formação online “Bullying e Ciberbullying: Prevenir & Agir (II)”, em formato MOOC (Massive Open Online Course), no âmbito do Centro de Sensibilização SeguraNet e da Equipa de Educação para a Saúde.

Este curso está enquadrado nas propostas de formação do plano Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência.

O curso que é ministrado em língua portuguesa e é gratuito. Não é acreditado pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua, sendo que a sua conclusão permite a obtenção de um Certificado de Conclusão do Curso.

Mais informações no link:

https://lms.nau.edu.pt/courses/course-v1:DGE+SEGBC+II/about?fbclid=IwAR2YkM7s3_Ni7jHjc1nTp3198Zo2bsu9piy4YSN4JREClVgd_Epdzozt3AM

Ação de Formação com Bruno Barros do IAC “O que é o Bullying? Quem está envolvido? Como detetar e agir?” 14 dezembro no Barreiro

Dezembro 10, 2019 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

mais informações no link:

https://www.cm-barreiro.pt/pages/694?event_id=2354

“Há escolas que são autênticas fábricas de bullying”

Dezembro 2, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia da TVI24 de 26 de novembro de 2019.

Espaço de investigação da TVI incidiu sobre a violência nas escolas. Após a exibição da reportagem, cinco convidados debateram o tema na TVI24.

O bullying nas escolas foi o tema da grande reportagem do espaço de investigação Alexandra Borges. Após a exibição da peça jornalística, cinco convidados estiveram em debate na TVI24.

Segundo o representante da Associação Anti-Bullying com crianças e jovens, Paulo Costa, os conflitos entre jovens são bastante comuns. O convidado, que também é professor, explicou que já teve alguns casos em algumas das suas aulas.

Visualizar os vídeos no link:

https://tvi24.iol.pt/sociedade/30-11-2019/alexandra-borges-ha-escolas-que-sao-autenticas-fabricas-de-bullying?fbclid=IwAR1MrPesEUyojEQQfmubQ20qpO4B4Yx3qVG7rwsYG35wdhDiwpqbt7KL8Dk

 

 

 

Robôs querem ajudar a prevenir o bullying de forma divertida

Novembro 12, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Público de 30 de outubro de 2019.

O projecto do italiano Stefano Cobello vai ser implementado em dez países da União Europeia já a partir de Janeiro de 2020. Portugal incluído.

Inês Duarte de Freitas

Os robôs podem contar histórias, ajudar a fazer contas e até experiências científicas. Os pequenos seres prometem ajudar as crianças a encarar a escola como algo divertido e, acima de tudo, a melhorar o ritmo de aprendizagem. A novidade é que agora os robôs também podem ser os aliados na prevenção contra o bullying. Stefano Cobello observa curioso as máquinas espalhadas pelo átrio do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa. É ele o orador principal da conferência “STEM e Robótica em Educação”, promovido pela Clementoni e que junta educadores para conhecer o projecto “Robótica contra o Bullying”.

A partir do próximo mês de Janeiro, a prevenção do bullying nas escolas pode ser feita com robôs. O projecto “Robótica contra o Bullying”, com o apoio da União Europeia, foi desenvolvido ao longo dos últimos três anos e conta já com mais de quatro mil escolas em Itália. Portugal está incluído na lista dos dez países que vão acolher este projecto nos próximos três anos. Ainda não se sabe quais são as escolas, reconhece Stefano Cobello ao PÚBLICO.

Mais do que condenar o bullying, o projecto quer desenvolver uma nova estratégia para o prevenir. São utilizados materiais produzidos “do ponto de vista das crianças”, explica o pedagogo italiano na conferência que ocorreu na tarde de quinta-feira. São as crianças que criam as lições para os robôs e que ditam o que querem que o brinquedo faça.

O que é o bullying, quem é vítima, ou que é o cyberbullying, são alguns dos temas que os robôs abordam de forma didáctica. “O objectivo é fazer as crianças sentirem-se bem no ambiente escolar”, assegura Stefano Cobello, acrescentando que os robôs podem “abrir a mente das crianças, numa atmosfera de aprendizagem mútua”. O projecto, nascido em Itália, utiliza apenas robôs didácticos de fácil utilização. Os brinquedos são ajustáveis, consoante a idade da criança, já que o projecto abrange o pré-escolar e o ensino básico.

Robótica na Educação em Portugal

Desde 2014 que 238 agrupamentos de escolas integraram a robótica e a programação nos seus currículos. “Mais do que motivar é envolver, criar um espaço dentro da escola para a aprendizagem informal”, explica António Manuel Silva, coordenador de Recursos e Tecnologias Educativas da Direcção-Geral da Educação, do Ministério da Educação.

O objectivo é preparar para o futuro, “em que ninguém será nada sem perceber de tecnologia”, continua António Manuel Silva. Ajudar a ganhar tempo ao próprio professor é outras das utilizações da robótica a explorar no ensino, através de tecnologias com feedback imediato, que possam auxiliar na avaliação, por exemplo.

O Kids Media Lab, um projecto que nasceu com a investigadora Maribel Miranda-Pinto, da Universidade do Minho, conta com uma rede de professores a ensinar com recurso a robôs. A Clementoni, produtor destas máquinas, está desde 2017 a trabalhar em parceria com este projecto. A educadora de infância Marlene Fernandes, do agrupamento de escolas de Oliveira dos Frades, começou a utilizar esta tecnologia em 2016 e considera que é “uma ferramenta que se adapta a todos os ritmos de aprendizagem”. “Este trabalho mudou a minha prática e fez-me ir mais além”, confessa a profissional.

Desenvolver o raciocínio espacial da criança é uma das principais ferramentas dos robôs viajantes, que se movimentam para frente, para trás e para os lados. “Quando fazem isto criam percursos mentalmente, com recurso à linguagem da programação”, esclarece Marlene Fernandes.

Já para a professora bibliotecária, Helena Vilas Boas, os robôs são uma forma de ensinar a contar histórias. Cada robô vem com um tapete quadriculado, no qual a professora coloca imagens. Com recurso ao robô, as crianças recontam e organizam cronologicamente a história. “Os robôs proporcionam momentos de brincar a aprender”, explica a professora do Agrupamento de Escolas Rosa Ramalho, em Barcelos.

O pedagogo Renato Paiva explica que os robôs são uma ferramenta crucial na função de ensinar as crianças a pensar, porque “alimenta a curiosidade”. “Vivemos numa sociedade dependente da felicidade imediata, também graças à tecnologia. Não trabalhamos a capacidade de resiliência e frustração. O jogo (com os robôs) dá isto: erram até acertar”, defende, durante o encontro.

No evento foi ainda apresentado do livro de actividades Aprender com Robôs, de Maribel Mirando-Pinto e Ricardo Pinto, com ideias sobre como utilizar estes brinquedos para aprender quer na escola, quer em casa. “O livro é um ponto de partida para tirarmos ideias, mas não são actividades fechadas”, garante Ricardo Pinto.

Texto editado por Bárbara Wong

Empatia contra o ‘bullying’, um método “rápido e eficaz”

Outubro 30, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Expresso de 22 de outubro de 2019.

Fundada em 2016, a No Bully propõe formação às escolas, recorrendo a uma metodologia norte-americana que escolhe a empatia em vez de apontar um dedo acusador ao culpado. Três sessões chegam para unir vítimas e agressores, contando com a ajuda de colegas ‘positivos’ e ‘coaches’ empenhados, garante Inês Freire de Andrade, co-fundadora da associação .

O ponto de partida é tentador: resolver o bullying em poucas sessões (três são muitas vezes quanto basta), envolvendo a vítima e o ‘bullie’, seguindo uma metodologia que assenta na empatia e colaboração. Por mais que a proposta da associação No Bully pareça magia, escolas que já receberam formação e aplicam o método garantem que este não só funciona, como os resultados são extraordinariamente rápidos.

“Há casos em que após a intervenção o agressor se torna o maior protetor da vítima”, diz Inês Freire de Andrade, da No Bully Portugal. Pressente-se um sorriso do outro lado da linha telefónica, o que a vice-presidente da associação explica por antecipar uma reação de surpresa. “As pessoas ficam espantadas, mas é mesmo assim”, insiste. Daí a confiança da No Bully, que no seu site se apresenta com o ambicioso objetivo de “criar um país sem bullying, onde todas as crianças e jovens se possam sentir felizes e seguros”.

O método nasceu em São Francisco, nos Estados Unidos, país onde é aplicado há pelo menos 12 anos. O mais surpreendente é, talvez, desenvolver-se sem o foco na culpa ou nos castigos, explica Inês Freire de Andrade. “No fundo, trata-se de pegar na motivação por trás dos comportamentos dos bullies – o quererem mostrar-se líderes e quererem ser os mais fortes – mostrando-lhes que o poderão ser se assumirem esses comportamentos pela positiva”.

Por isso o responsável pelas situações de bullying é convidado a participar nas reuniões de solução, mas nunca é apontado como culpado ou acusado do que quer que seja. “É retirada a carga negativa”, que se substitui pelo foco na procura ativa de formas para ultrapassar o conflito, conclui Inês Freire de Andrade.

Na prática como funciona? Carla Marques, psicóloga na Escola Secundária Gama Barros, no Cacém, detalha as várias rondas de formação recebida pelos professores em 2018, até ser criada uma equipa com seis ‘coaches’, que ficam habilitados a intervir como mediadores nos casos detetados de bullying. Inês Andrade explica que esta equipa é geralmente multidisciplinar e que, nas escolas, fica com a missão de trabalhar as denúncias recebidas.

Carla Marques sublinha que “são os alunos que atuam”. Na Gama Barros, o passo seguinte foi o de divulgar a existência desta estrutura e incentivar os alunos a identificar situações que sofressem ou em que vissem os colegas ser alvo. “Fizeram-se cartazes com as mensagens de que ‘quebrar o silêncio é ajudar quem precisa’ ou que ‘denunciar é ajudar, não fazer queixinhas’, para os encorajar”, diz a psicóloga, acrescentando que foi também criada uma caixa de correio para receber as exposições dos alunos.

A estratégia funcionou. “Neste momento estamos a acompanhar dois casos”. O procedimento é começar por analisar as queixas, depois falar com o aluno em causa e com os diretores de turma, para identificar quer o autor ou autores do bullying, quer os colegas ‘positivos’ que possam funcionar como ajudantes, convidando-os a sugerir soluções. A vítima não está presente nas sessões que se promovem, mas a intervenção só avançará com a concordância das partes envolvidas, esclarece a psicóloga.

Na experiência de Carla Marques, o método funciona. “Numa das situações, três sessões chegaram para acabarem abraçados”, afirma. “É normal que o agressor assuma no início uma atitude receosa, talvez por estar sempre à espera de ser denunciado e poder ser castigado”, explica, “mas depois adere e colabora ativamente”. Nem sempre se assume publicamente como culpado, diz a psicóloga, mas nas descrições da No Bully há também casos de jovens que acabaram por pedir desculpa em privado.

Carla Marques recorda que já aconteceu o mais difícil ser ultrapassar “a intervenção inopinada das mães, fora da escola, o que implicou chamá-las para lhes explicar que era preciso dar autonomia aos filhos para que resolvessem eles a situação”.

Experiência pessoal

Inês Freire de Andrade conhece bem os terrenos que pisa e em diferentes papeis. Ao olhar para trás, e durante o ensino básico, identifica-se “mais como agressora”. Sem consciência do impacto que tinham no colega aquilo que via como brincadeiras, “gozava com ele, por ser diferente”. Mas “até o considerava um amigo”, recorda. Ao mudar de escola as coisas mudaram. Inês não tinha colegas conhecidos, não se integrou bem na turma, “ficou a sensação de estar sempre a mais”.

“Não correu bem”, relata “Sofri o que se chama bullying relacional, sendo frequente ouvir expressões do género ‘Não vamos com ela, que é uma chata…” Se parece pouco, nada como experimentar colocar-se nos pés de uma jovem do 5º ano.

As coisas pioraram. No 9º ano, ao transitar para uma turma onde existia um colega já com problemas disciplinares, Inês acabou por vê-lo chamar a si a iniciativa de influenciar todos os outros companheiros criando uma espécie de batalha “dos cool contra os cromos”. Quando arriscou tomar a defesa de outros colegas, Inês tornou-se o alvo favorito, o que a levou a receber desde ofensas a chamadas anónimas, passando por provocações várias.

Inês falou com os pais, sem nunca pedir para mudar de escola, partilhou a situação com quem tinha por amigas, “mas que não quiseram tomar partido” e falou também com alguns professores. Recorda a ausência de respostas e a dúvida permanente sobre como deveria atuar. “Enfrentar esse colega? Ignorar? Ninguém me ensinou”. Acabou por perceber que a melhor estratégia foi levá-lo a pensar que não a conseguia afetar, mas percebeu também que “é importante responsabilizar os adultos: pais, escolas, ministérios”.

Chamou a si a tarefa de fazer algo pelo problema, ao co-fundar, com a mãe e com o marido, a No Bully, em maio de 2016. Começou por se surpreender pelos números relativos ao problema situarem Portugal ao nível dos próprios Estados Unidos (cerca de 30% das crianças e adolescentes serão vítimas de bullying no nosso país, segundo o último estudo da Unicef), mas sente falta de dados mais sólidos, que permitam avaliar a gravidade dos casos. “Há muito pouca informação”, reconhece, e ainda existe “muita gente com vergonha ou medo de falar, porque às vezes os adultos também não ligam ou menosprezam as situações, de certa forma entrando em negação”. O sentimento não ajuda a passar a mensagem e a chegar a mais escolas. Por cá, há menos disponibilidade para se investir financeiramente num programa como o sugerido pela associação, desabafa.

Mas o método faz todo o sentido, na opinião de Sónia Seixas, psicóloga e docente na Escola Superior de Educação de Santarém, com uma tese desenvolvida sobre bullying. “O desenvolvimento de competências emocionais e da empatia” são armas poderosas neste domínio, essenciais em matéria de prevenção em qualquer intervenção em idade escolar”, sublinha, referindo o cyberbullying como o mais preocupante “pelo seu impacto e alcance, tornando as agressões algo permanente e constante”.

Inês Freire de Andrade sublinha também que há casos que fogem ao alcance de uma intervenção como a da No Bully. “Há situações que configuram crime” e essas devem sempre ser encaminhadas para as autoridades competentes, adverte.

Plano de Prevenção e Combate ao Bullying e ao Ciberbullying: Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência

Outubro 23, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Noticia da DGE de 14 de outubro de 2019.

Todas as formas de violência escolar violam o direito fundamental à educação e nenhum país pode atingir uma educação inclusiva e de qualidade se os alunos estiverem expostos à violência. Acresce que, a violência escolar, onde se enquadram o bullying e o ciberbullying, pode ainda afetar seriamente a saúde e o bem-estar das crianças e dos adolescentes, com consequências negativas que podem persistir até à idade adulta. Por sua vez, a Escola reúne um ambiente propício à aprendizagem e ao desenvolvimento de competências, nomeadamente no âmbito da Estratégia de Educação para a Cidadania, onde os alunos adquirem as múltiplas literacias que precisam de mobilizar para um relacionamento saudável.

Assim, preocupado e atento aos fenómenos do bullying e do ciberbullying que, de acordo com as Nações Unidas, afetam uma em cada 3 crianças/jovens, o Ministério da Educação decidiu impulsionar um “Plano de Prevenção e Combate ao Bullying e ao Ciberbullying” nas escolas. Este plano tem associada a campanha “Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência”, que se configura como um importante instrumento de sensibilização, prevenção e intervenção, destinado a toda a comunidade educativa, com vista à erradicação deste fenómeno.

O “Plano Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência”, a implementar pelas escolas, já no ano letivo 2019/2020, deverá: desenvolver-se a partir de um diagnóstico que permita identificar necessidades; incluir um plano de ação em torno de estratégias e de atividades que sensibilizem para a diversidade de comportamentos agressivos, em idade escolar; contribuir para a identificação de sinais de alerta, que indiciem o envolvimento em comportamentos de bullying e/ou de ciberbullying; constituir-se como um auxiliar de apoio às escolas, com vista à utilização de diferentes abordagens de prevenção e intervenção, face ao bullying e ao ciberbullying; e ser elaborado de modo a incentivar, reconhecer e divulgar práticas de referência.

Esta iniciativa tem os diretores, os docentes e o pessoal não docente como aliados indispensáveis. Neste âmbito, o Ministério da Educação desafia todos os diretores de Agrupamentos de Escolas e Escolas Não Agrupadas a elegerem a semana de 14 a 18 de outubro, véspera do Dia Mundial de Combate ao Bullying, como Semana “Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência”, mas na perspetiva de que o plano de prevenção seja trabalhado e executado ao longo de todo o ano letivo.

O plano de prevenção, bem como os materiais de suporte a ações a desenvolver pelas escolas, estão disponíveis no website www.sembullyingsemviolencia.edu.gov.pt. Este website será atualizado ao longo do ano letivo com novos materiais, estudos e vídeos.

Para mais informações, aceda a: www.sembullyingsemviolencia.edu.gov.pt

Conferência Prevenção e Direitos da Criança, 23 de novembro, na Fundação Calouste Gulbenkian

Outubro 18, 2019 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

mais informações no link:

https://caminhosdainfancia.wixsite.com/conferencia

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.