O treino do sono em bebés e crianças ou a panaceia dos tempos modernos: o que precisa de saber?

Junho 17, 2020 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Artigo de Joana Martins publicado no Sapo Lifestyle de 15 de junho de 2020.

A maioria dos métodos de treino de sono assenta na extinção súbita ou gradual do efeito do choro e nenhum método deveria ser utilizado antes dos 4 a 6 meses de idade.

Neste artigo a pediatra Joana Martins explica que o problema do sono dos bebés e crianças tem um limiar muito variável e dependente de cada contexto familiar.

Quem assiste às preocupações das famílias atuais, percebe que existe uma preocupação crescente com o sono. E se há tema controverso, é este. Mas quando é que começam habitualmente as preocupações com o sono dos bebés? Sabemos que os bebés pequeninos, pela necessidade de se alimentarem em ritmo contínuo, independentemente de ser dia ou noite, têm um sono entrecortado. Claro que desencadeiam uma forte privação de sono nos pais, no entanto, tudo isto é percecionado com uma certa naturalidade.

No entanto, a partir das 8 semanas de vida começa a expectativa de que os bebés durmam toda a noite seguida. O impacto desta expectativa parece aumentar à medida que o bebé cresce, atingindo o seu apogeu em torno dos 6 meses de idade. É justamente o momento de transição para o sono autónomo num quarto independente dos pais. A maioria dos livros de puericultura e saúde infantil salienta a importância do condicionamento da aprendizagem, de se ser firme durante esta etapa.

Os pediatras, neste momento, têm igualmente a sua palavra, ao sugerir que uma falência de transição nesta etapa desencadeará uma hecatombe aos 9 meses de idade. Os livros sobre métodos de treino de sono existem, proliferam como cogumelos e têm um incrível sucesso. Na mesma medida, a existência crescente de terapeutas do sono (cujas credenciais são difíceis, se não impossíveis, de validar) sublinha exatamente esta necessidade: queremos os nossos bebés a adormecer autonomamente, no seu quarto e queremos que este comportamento seja adquirido rápida e eficazmente, idealmente em torno dos 6 meses de idade. Para que fique claro, não sou apologista dos métodos de treino do sono. Cada vez mais a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda plasticidade na idade de saída do quarto dos pais, estendendo esta recomendação até aos 12 meses de idade. Por isso, não há formalmente pressa nenhuma em pôr uma criança a dormir sozinha e mal, quando dorme acompanhada e bem.

A maioria dos métodos de treino de sono assenta na extinção súbita ou gradual do efeito do choro e nenhum método deveria ser utilizado antes dos 4 a 6 meses de idade. O que devemos compreender é que as crianças choram porque procuram efetivamente uma resposta. Esta resposta poderá ser manipulativa, exigente e difícil para os pais. Claro que compreendemos isto. Mas será que os pais estarão preparados para deixar chorar? Estarão preparados para o peso desta decisão?

Lá porque a criança é pequena e não tem memória para o evento, não quer dizer que o treino de sono não deixe a sua marca. E sobretudo, tenhamos algum bom senso, ninguém, nem mesmo um adulto, deveria adormecer a chorar (esta frase é de uma autora que admiro muito, Constança Cordeiro Ferreira).

Há muita coisa que se pode e deve tentar fazer para ajudar uma criança e a sua família a procurar as suas soluções, sem necessariamente passar pelo condicionamento. Há rotinas de família que podem e devem ajustar-se, há estratégias para impedir que os pais tenham que tomar decisões drásticas às 3 da madrugada. Se ainda assim estiver disposto a iniciar um processo de treino formal do sono, gostaria de explicar os diferentes grupos de métodos existentes, qual o seu fundamento e o que é que, na prática, acontece.

Vamos deixar chorar?

Se o método contempla apenas e só deixar a criança no berço e sair do quarto, deixando-a chorar pelo tempo necessário para que ela se acalme sozinha e adormeça, então estamos a falar de um método de condicionamento por extinção. A criança não tornará a chorar porque desistiu na vinda de alguém. Este método de condicionamento por extinção não é recomendado. Nunca.

Se o método permite ir periodicamente junto da criança para confirmar se está tudo bem e tentar acalmá-la pela presença do adulto, sendo que os intervalos entre as visitas e os tempos das visitas vão sendo respetivamente maiores e mais pequenos, falamos de um método de extinção gradual, que caracteriza os métodos de Ferber e Estivill.

Os relatos de utilização dos métodos de extinção gradual apontam para cerca de dois ou três dias até a criança se habituar a adormecer sozinha e deixar de chorar, no entanto, o que vem descrito do ponto de vista da eficácia destes métodos é que levam entre 3 a 4 semanas até ter resultados.

O método da cadeira ou “camping out” é outra possibilidade: o bebé é colocado no berço e o cuidador fica na proximidade, presencialmente, sentado numa cadeira. Quando o bebé chora, pode consolá-lo com a voz, com uma cantiga, até com o toque, mas não deve retirá-lo do berço. À medida que o tempo passa, a criança acaba por se habituar à presença simples do cuidador, tornando possível o afastamento progressivo da cadeira onde o cuidador se encontra, até conseguir sair do quarto. Este método é considerado bastante difícil, já que o cuidador tem que presenciar o choro da criança, o tempo todo, sem ser possível recuar. Porque cada vez que ceder ao choro da criança, só vai reforçar a ansiedade de separação.

Quer os métodos de extinção gradual, quer o método da cadeira, são frequentemente citados e estudados de forma a perceber se terão, ou não, algum impacto no desenvolvimento da criança no futuro.

Os estudos realizados (que são poucos e com metodologias pouco sérias) parecem não mostrar nenhuma alteração cognitiva, emocional ou de vinculação passados seis anos da ocorrência do treino do sono (levantando a questão: e depois dos seis anos?).

O maior benefício destas abordagens parece ser a melhoria imediata do bem-estar dos cuidadores, com redução da privação de sono e melhoria dos sintomas depressivos. Este efeito benéfico nos cuidadores parece manter-se até dois anos depois da ocorrência do treino de sono (o que permite ter uma ideia do peso da privação de sono na função familiar). A Academia Americana de Pediatria não emitiu nenhum parecer desfavorável à utilização destes métodos para o treino de sono dos bebés.

Tendo em conta o atual conhecimento científico sobre o assunto, o problema do sono dos bebés e crianças tem um limiar muito variável e dependente de cada contexto familiar. Não podemos ignorar nem a pressão social para ter as crianças a dormirem sozinhas no quarto, nem o impacto da privação de sono nos pais e como tal, a ansiedade que este assunto desencadeia. Talvez a forma mais ponderada seja desaconselhar formalmente o treino de sono abaixo dos 4-6 meses de idade, tentar implementar no seio familiar as medidas comportamentais de reajustamento de rotinas e reservar a utilização de um método formal de treino de sono após discussão com o médico assistente.

Um artigo da médica Joana Martins, pediatra na Unidade de Cuidados Intensivos de Pediatria no Hospital D. Estefânia, Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central.

Crianças espelham os medos dos pais – Entrevista de Manuel Coutinho do IAC ao JN

Maio 29, 2020 às 2:50 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do Jornal de Notícias de 29 de maio de 2020 e entrevista do Dr. Manuel Coutinho (Secretário–Geral do Instituto de Apoio à Criança e Coordenador do Sector SOS-Criança do Instituto de Apoio à Criança).

IV Congresso Internacional CADIn “Tecnologia e Inclusão: e-moção, e-ducação, e-volução” 19-21 março em Lisboa

Fevereiro 1, 2020 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Mais informações no link:

https://www.congressointernacional2020.cadin.net/pt

“Os maiores inimigos do sono da criança são a ausência de rotina e a instabilidade nas regras”

Janeiro 22, 2020 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Texto do DN Life de 15 de janeiro de 2020.

Por Catarina Pires

Dormir bem é fundamental para todos, mas sobretudo para crianças e adolescentes, que estão em pleno desenvolvimento. É nas idades mais precoces que o sono pode e deve ser educado. A pediatra Nádia Pereira, do Centro da Criança e do Adolescente do Hospital CUF Descobertas, que integra a equipa multidisciplinar da consulta do sono pediátrica, explica o que é importante para uma correta “higiene de sono”.

Texto de Catarina Pires

Qual a prevalência de perturbações de sono das crianças e adolescentes e quais os distúrbios mais comuns?

Dados recentes de publicações internacionais apontam para uma prevalência significativa de perturbações do sono na infância, nalgumas séries atingindo os 50% na idade pré-escolar e 40% na adolescência.

De acordo com o grupo etário o tipo de perturbação de sono varia. Na idade pré-escolar e escolar a insónia de causa comportamental assume maior relevância. São as crianças que os pais referem que nunca conseguiram adormecer sozinhas, resistem a dormir, e mantêm vários despertares noturnos necessitando dos pais para readormecer.

Na adolescência, são mais comuns as perturbações do ritmo circadiano, nomeadamente a perturbação por atraso de fase, em que o adolescente parece que só tem sono por volta das 3 – 4h da madrugada e, se for possível, dorme até às 12 – 13h, acordando bem-disposto e descansado. Nessa impossibilidade, pelo cumprimento dos horários escolares, são comuns os sintomas de privação de sono.

Algumas mudanças simples na rotina familiar podem trazer de volta as noites bem dormidas.

Os pais devem estar preparados para noites mal dormidas nos primeiros meses do bebé, porque faz parte da tarefa de ser pai e mãe?

Nos primeiros meses de vida, o bebé ainda não tem um ritmo de sono-vigília bem estabelecido, necessita ser alimentado frequentemente, mesmo no período noturno, o que vai dificultar o descanso dos pais.

Com o crescimento, essencialmente a partir dos 6 meses de vida, o bebé tem a capacidade de estabelecer um ritmo de sono-vigília mais semelhante ao do adulto, fazendo um período mais longo de sono noturno, e sestas diurnas de menor duração.

No entanto, muitas vezes, apesar de terem as ferramentas biológicas para fazerem um período mais longo de sono noturno, as crianças mantêm dificuldade em adormecer associada ou não a despertares noturnos frequentes, o que condiciona uma má qualidade de sono dos pais, que aceitam este facto como parte da normalidade.

Mas não precisa de ser assim! Algumas mudanças simples na rotina familiar podem trazer de volta as noites bem dormidas.

O que significa higiene de sono e o que fazer para uma correta higiene de sono?

Entendemos com higiene do sono um conjunto de medidas que quando aplicadas facilitam um sono de qualidade. Destaco como medidas de higiene do sono:

  • Manter horários regulares de refeições e sestas durante o dia
  • Não efectuar atividades físicas estimulantes nas 2 horas que antecedem o sono
  • Não usar ecrãs cerca de 2 horas antes de ir para a cama.
  • Evitar refeições pesadas ao jantar
  • Criar um ritual no período prévio ao deitar, que deverá repetir-se diariamente
  • Repetir horários de forma diária e consistente no adormecer e acordar
  • Adaptar o ambiente do quarto: conforto, luz, temperatura, etc.
  • Ensinar a criança a ser autónoma no momento de adormecer: usar elementos de conforto externos (chucha, fralda, boneco, etc.), independentes dos pais.
  • Não associar os momentos de alimentação com o sono, incentivando que a criança não adormeça a comer.

Há crianças com um número de horas de sono diárias inferior ao recomendado que não apresentam sintomas de privação e outras que necessitam mais horas de sono para se sentirem descansadas.

Quantas horas por dia (noite) deve uma criança dormir e que benefícios tem uma boa higiene de sono para a saúde física e desenvolvimento?

Recentemente a Academia Americana de Medicina do Sono publicou uma recomendação relativamente ao número de horas de sono na população pediátrica.

Grupo Etário | Horas de sono por dia
4-12 meses 12-16h (inclui sestas)
1-2 anos 11-14h (inclui sestas)
3-5 anos 10-13h (inclui sestas)
6-12 anos 9-12h
13-18 anos 8-10h

Estas variam naturalmente com a idade da criança e devemos ter em atenção que poderá haver alguma variabilidade interindividual. Apesar da recomendação, existem crianças com um número de horas de sono diárias inferior ao recomendado que não apresentam quaisquer sintomas de privação, e outras que necessitam mais horas de sono para se sentirem descansadas.

O sono reparador é essencial para uma vida saudável. Não se pode viver sem dormir, sendo que o sono não é de todo um processo passivo, constituindo um momento de reorganização de funções e de recuperação física e psíquica. Nas crianças, o sono desempenha um papel fundamental no desenvolvimento cerebral, na aprendizagem e consolidação da memória, tendo também um papel significativo no crescimento corporal.

Existem diversas perturbações de sono que justificam uma avaliação médica. Quando surgem sinais de privação de sono nas crianças ou nos cuidadores, é importante obter aconselhamento médico.

E que problemas trazem as insónias infantis?

Na criança, dependendo do seu grupo etário e grau de desenvolvimento as consequências de sono insuficiente vão ser distintas:

no lactente e criança em idade pré-escolar: irritabilidade, choro frequente, maior dependência do cuidador

na criança em idade escolar: sonolência diurna, cansaço, dificuldade de concentração e problemas na aprendizagem

no adolescente: sonolência diurna, diminuição da capacidade de atenção e concentração, baixa do rendimento escolar, problemas de auto-estima.

Quando é que há razão para preocupação e recurso a aconselhamento médico?

Existem diversas perturbações de sono que justificam uma avaliação médica. Dentro das insónias comportamentais, quando surgem sinais de privação de sono nas crianças ou nos cuidadores, é importante obter aconselhamento médico.

Importa desmistificar que só se recorre ao médico quando há doença e que o não dormir faz parte dos primeiros anos de vida. Dormir é fundamental, pais e crianças necessitam de dormir, e quando isso não acontece uma avaliação em Consulta de Sono pode ajudar.

Outras perturbações de sono mais frequentemente avaliadas em Consulta de Sono são as parassónias (terrores noturnos, sonambulismo…), o síndrome de apneia obstrutiva do sono e as perturbações do ritmo circadiano.

Porque é que há bebés que dormem a noite toda e outros que estão sempre a acordar?

De facto, não se sabe bem porquê, mas existem bebés que dormem toda a noite sem qualquer ajuda e outros que repetidamente solicitam os pais para conseguir adormecer.

Sabemos no entanto, que os bebés em que desde cedo é estimulada a autonomia no momento do adormecer, dormem melhor em idades mais precoces.

E sabemos também que os bebés que necessitam dos pais para adormecer, seja no colo, enquanto mamam ou bebem biberão, têm maior probabilidade de despertar várias vezes durante a noite para pedir ajuda para readormecer.

O método de chorar até adormecer, que tem como objetivo que a criança adquira a capacidade de adormecer sozinha, apresenta bons resultados, mas pode ser causador de grande ansiedade familiar.

Mas não é normal que as crianças acordem durante a noite?

Como já referido é normal que até aos 6 meses os bebés possam necessitar de ser alimentados no período noturno, por razões nutricionais e de imaturidade dos ciclos de sono.

A partir dos 6 meses a maioria das crianças tem as ferramentas biológicas para dormir por um maior período noturno. O que não significa que seja “anormal” se mantiverem alguns despertares noturnos. Mas se estes forem muitos frequentes e com interferência na vida familiar seria útil uma avaliação médica.

O método, defendido por alguns, de deixar chorar até adormecer, é uma tortura para os pais e para as crianças. Tem algum mérito?

Existem diversos métodos de “sleep training” aplicáveis as insónias comportamentais e que devem ser adequados ao grupo etário e ao contexto familiar. Todos estes métodos se baseiam no princípio da autonomia no momento do adormecer.

O método de chorar até adormecer, é um método de extinção simples, e que tem como objetivo que a criança adquira a capacidade de adormecer sozinha, sem ajuda dos pais. Quando aplicado apresenta bons resultados, mas pode ser causador de grande ansiedade familiar.

Não se poderá dizer que é prejudicial os pais adormecerem os seus filhos, mas é um hábito que mantido ao longo do tempo, aumenta a probabilidade de uma perturbação de sono.

Até que idade as crianças devem fazer a sesta?

A sesta é um assunto que tem levantado algumas questões, essencialmente porque o fazer ou não a sesta é atualmente decidido pelas regras dos estabelecimentos de ensino que a criança frequenta.

O princípio será sempre que a sesta complete a necessidade de horas de sono diárias. Mais uma vez aqui a questão deverá ser analisada com família e com cada criança individualmente.

Regra geral até aos 3 – 4 anos a criança ainda deverá apresentar um ciclo de sono bifásico, com um maior período de sono noturno, e um período curto de sono diurno. A partir dos 4 – 5 anos, algumas crianças começam a dar alguns sinais que não precisam de fazer a sesta. Por exemplo pode ser muito difícil adormecer na sesta, ou se quando faz sesta não tem sono para adormecer à hora habitual, ou consegue, não fazendo sesta, ficar desperta para as atividades habituais. Nesta altura pode ser ponderado suspender a sesta.

A decisão neste grupo etário dos 4 – 5 anos, de fazer ou não sesta, deve ser tomada entra família e estabelecimento de ensino, de acordo com as necessidades da criança.

A partir dos 6 anos, com a entrada no ensino básico, a sesta é naturalmente eliminada.

É prejudicial os pais adormecerem as suas crianças nos primeiros anos de vida?

Não se poderá dizer que é prejudicial os pais adormecerem os seus filhos, mas é um hábito que mantido ao longo do tempo, aumenta a probabilidade de uma perturbação de sono no futuro, nomeadamente de insónia comportamental.

Quais são os maiores inimigos do sono para uma criança?

Diria que os maiores inimigos do sono para uma criança será a ausência de rotina e a instabilidade nas regras.

A necessidade de horas de sono vai diminuindo com a idade? Qual diferença entre uma criança e um adolescente?

No primeiro ano de vida o desenvolvimento cerebral e as imensas aquisições cognitivas e motoras, exigem que o número de horas de sono diárias seja maior do que na criança em idade escolar ou adolescente.

As recomendações em relação ao número de horas de sono diárias variam com a idade, mas a título de exemplo um bebé pode precisar de 14 a 15h de sono diárias, uma criança de 5 anos será normal dormir 10 a 12h e um adolescente a partir dos 13 anos deverá dormir pelo menos 8h por dia.

Mais importante que o horário em si, é a regularidade do mesmo. O nosso sono é melhor se dormimos e acordamos a mesma hora.

Dormir de mais também pode ter consequências negativas ou dormir nunca é de mais?

Biologicamente o nosso corpo está preparado para dormir o número de horas que necessita. A questão que se põe atualmente é que geralmente dormimos menos do que precisamos e tentamos compensar esporadicamente quando podemos. Mas esta não é uma compensação real. A regularidade nos horários é fundamental para um sono de qualidade.

Importa só a quantidade de horas de sono ou também são importantes a hora a que se deita e acorda?

Mais importante que o horário em si, é a regularidade do mesmo. O nosso sono é melhor se dormimos e acordamos a mesma hora. No caso dos adolescentes, que biologicamente têm sono mais tarde e dormiriam também até mais tarde, há uma colisão entre o horário que lhes seria natural dormir e a atividade escolar. Neste caso, a regularidade dos horários é ainda mais importante, para permitir um bom desempenho escolar.

A importância das rotinas na promoção de um sono saudável

Outubro 21, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Texto e imagem do site Up to Kids

By Ser Mais®

Tem insónias? Dificuldade em adormecer? Não consegue dormir horas suficientes? Pois bem, tudo isto são sinais que poderá não ter um sono saudável.

Enquanto adultos sabemos bem as dificuldades que podemos ter devido à privação de uma noite de sono bem dormida. Contudo, quando falamos de crianças, é tudo ainda mais preocupante.

Assim, de forma a garantir que o seu filho tem um sono saudável, nada mais importante que caucionar que ele tem rotinas diárias. Continue a ler que vamos explicar-lhe melhor como tudo funciona.

Sono saudável: O que é e como promover?

Um sono saudável é tão somente o conjunto de diversos pontos, nomeadamente:

  • Duração adequada
  • Boa qualidade
  • Regularidade dos hábitos de sono

Os mesmos, são por norma facilitados devido a uma rotina, que engloba aquilo que chamamos de higiene do sono.

Ou seja, um conjunto de hábitos que têm como principal intuito a promoção de um padrão de sono saudável (resumidamente o muito comum: lavar os dentes, xixi e cama).

E porque é que esta rotina de higiene é tão importante? Porque a mesma vai preparar os jovens para a noite que se avizinha.

E, contrariamente ao que possa pensar, ter bons hábitos de sono na infância é a base para a obtenção de um sono de qualidade na idade adulta.

Claro que a partir de determinada idade torna-se mais complicada a regulação dos sonos e da rotina noturna. Principalmente devido a jogos de computador (como o Fortnite) ou smartphones.

Mas, de forma a protelar ao máximo essa quebra na rotina, existem alguns conselhos que pode ter em mente:

  • Promover um horário de sono regular (com a mesma hora de ir para a cama e acordar diariamente)
  • Estabelecer rotinas de higiene antes de ele se deitar (ou seja, criar uma sequência de ações)
  • Criar um ambiente adequado ao sono
  • O quarto não deve ser utilizado para ver televisão, jogar ou comer
  • Desligar os equipamentos eletrónicos pelo menos uma hora antes de ir para a cama, e nunca os levar para o quarto
  • Promover atividades extracurriculares (preferencialmente aquelas que imputam esforço físico)
  • Fazer refeições ligeiras de noite, mas nunca deixar o seu filho ir para a cama com fome
  • Não ingerir líquidos em excesso antes de ir para a cama
  • Evitar alimentos ou bebidas estimulantes nas horas que antecedem a ida para a cama

1 – Especificidades a considerar em crianças

A par dos conselhos que lhe demos anteriormente, existem algumas especificidades que deve adotar. Ao falarmos de crianças, deve considerar que:

  • É de extrema importância estar com os pais no final do dia e terem uma rotina acompanhada antes de se deitarem
  • A criança deve ser deitada ainda acordada (ou seja, não deve esperar que adormeça no sofá para a colocar na cama)
  • Deve ser estimulada a dormir na sua própria cama (e não na cama dos pais)
  • A sesta deve ser facilitada (principalmente para crianças até aos 6 anos)

Estes são 4 pontos importantes que deve ter em conta quando quer promover um sono saudável em crianças pequenas.

2 – Especificidades de adolescentes

Quando falamos de adolescentes, bem sabemos que nem sempre é simples fazê-los seguir as regras (principalmente em determinadas idades).

No entanto, tentar promover ao máximo um sono saudável nesta idade é também muito importante.

Assim, a par das dicas que lhe demos anteriormente, facilitamos-lhe mais três:

  • Todo o material eletrónico deve ser mantido ao máximo fora do quarto
  • Evitar e controlar ao máximo a ingestão de álcool e tabaco não só por questões associadas ao sono em si, mas essencialmente devido a problemas de saúde que daí possam surgir
  • O horário de sono dos adolescentes pode ser variável e deve sempre acompanhar o seu horário escolar. Contudo, as horas de sono corrido devem ser mantidas (idealmente entre 8 a 10 horas para adolescentes dos 14 aos 17 anos)

Como vê, uma rotina diária é essencial para que crianças e adolescentes tenham um sono saudável. Acredite que ao facilitar isso ao seu filho, irá estar a promover uma rotina de sono muito mais benéfica no futuro.

Estudo. Facebook e Instagram estão a prejudicar a saúde mental das crianças

Setembro 9, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia e imagem do MAGG de 14 de agosto de 2019.

por Mariana Leão Costa

O estudo conclui que 51% das raparigas e 43% dos rapazes afirmam ligar-se às redes sociais mais de três vezes por dia.

No imediato, as redes sociais servem propósitos nobres como manter as pessoas ligadas e em permanente contacto. Mas nem sempre estes propósitos são assim tão altruístas. Os exemplos são muitos mas recordamos, por exemplo, o caso da mulher espanhola que, em maio deste ano, se suicidou por ver um vídeo seu de cariz sexual a ser partilhado nas redes sociais.

Agora, um novo estudo britânico publicado a 13 de agosto vem lembrar quais os impactos que as redes sociais podem ter na saúde mental das crianças. Segundo a investigação, estas plataformas expõem os adolescentes ao cyberbullying, retira-lhes horas de sono e ainda os leva a não fazer exercício físico.

O estudo foi realizado com uma amostra de mais de 12 mil crianças com idades entre os 13 e os 16 anos. Foi-lhes perguntado quantas vezes abriam as redes sociais por dia, mas não quanto tempo ficavam em cada uma delas. 51% das raparigas e 43% dos rapazes afirmaram ligar-se às redes sociais três vezes por dia.

Os investigadores concluíram que abrir o Facebook, o Whatsapp ou o Instagram semanalmente, aumenta o risco em 20% de as crianças sofrerem de distúrbios psicológicos. Aqueles que se ligavam mais de três vezes por dia tinham uma saúde mental mais pobre do que os outros que registavam valores mais baixos.

O estudo sugere ainda que as raparigas estão mais sujeitas a estes problemas do que os rapazes. “Os danos da saúde mental relacionados com a frequente exposição às redes sociais nas raparigas podem relacionar-se com a exposição ao cyberbullying e à falta de sono e exercício físico”, pode ler-se no estudo.

“As intervenções que promovam a saúde mental devem incluir esforços para prevenir ou aumentar a resiliência ao cyberbullying e assegurar um sono e exercício físico adequado nos jovens”, aconselham os investigadores

O seu filho tem problemas em adormecer? Saiba como ajudá-lo

Setembro 3, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Shutterstock

Texto e imagem do Notícias Magazine de 10 de agosto de 2019.

Quando chega a hora de dormir, nem sempre o sono aparece. Sete conselhos para ter uma boa noite.

Texto de Ana Sofia Reis

Depois de um dia de trabalho, nem sempre os pais têm energia suficiente para ajudar os filhos na batalha de adormecer. Mas há segredos que os podem ajudar nessa missão.

Acabar com os medos

Se o medo é do escuro, devem deixar uma “luz de presença” ou a porta entreaberta para fazer com que o quarto fique ligeiramente iluminado. No entanto, o medo também pode vir de “fantasmas” ou “monstros” criados pela imaginação fértil dos miúdos. A melhor opção é brincar com a situação sem dar muita importância. Lutar com uma espada imaginária contra o terrível monstro que a criança fantasia pode funcionar como uma boa solução.

Estar mais presente

Devido ao pouco tempo que passam com os pais, as crianças sentem a falta deles. Seja para desenhar, contar-lhes histórias ou até lhes dizer o amor que sentem por eles. O importante é que o façam diariamente.

Evitar muitos estímulos

O ideal é que o ambiente fique calmo e tranquilo duas horas antes de dormir. Optar por desligar o televisor e ligar a rádio com músicas calmas e relaxantes é uma alternativa. Ajuda e facilita com que o sono chegue mais rapidamente.

Não deitar de barriga cheia

O ideal é que o jantar seja cerca de duas horas antes de a criança ir dormir. Estando ela muito cheia ou com fome faz com que fique inquieta e isso influencia, diretamente, a chegada do sono.

Ensinar a dormir

É comum uma criança acordar durante a noite e aparecer no quarto dos pais com dificuldades em retornar o sono. Uma boa tática é fazê-la regressar ao quarto e acompanhá-la até adormecer. Quando perceber que a sua presença já não é quase notada, despeça-se. Um beijo de boa noite ou um “até amanhã” podem tranquilizá-la.

Cantar antes de adormecer

Uma música calma que ajude a criança a perceber que está na hora de dormir e fazer disso rotina é uma boa opção. O ideal é mesmo personalizar uma canção, usando a imaginação.

Sempre à mesma hora e no mesmo local

A rotina é imprescindível na vida de uma criança. O facto de dormir sempre no mesmo local e à mesma hora faz com que fique mais tranquila, segura e a faça adormecer mais rapidamente.

Problemas de sono nos adolescentes podem ser resolvidos com menos ecrãs à noite

Junho 3, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Observador de 20 de maio de 2019.

Os problemas de sono nos adolescentes podem ser revertidos em apenas uma semana limitando a utilização à noite de ecrãs emissores de luz como os dos telemóveis, ‘tablets’ e computadores.

Os problemas de sono nos adolescentes podem ser revertidos em apenas uma semana limitando a utilização à noite de ecrãs emissores de luz como os dos telemóveis, ‘tablets’ e computadores, defendeu esta segunda-feira a Sociedade Europeia de Endocrinologia.

A relação entre o uso destes equipamentos à noite e o sono dos adolescentes foi alvo de um estudo, que será divulgado em Lyon durante o encontro anual da Sociedade Europeia de Endocrinologia, e que conclui que demasiada exposição noturna à luz, especialmente a luz azul emitida pelos ecrãs de ‘smartphones’, ‘tablets’ e computadores pode afetar o relógio biológico do cérebro e a produção da hormona do sono, melatonina, resultando numa disrupção no tempo e qualidade do sono.

“A falta de sono não só causa sintomas imediatos de cansaço e perda de concentração, como pode aumentar o risco de problemas de saúde mais sérios a longo prazo, tais como diabetes, obesidade e doença cardíaca”, sustentou a instituição em comunicado.

Outros estudos sugeriram que a privação do sono relacionada com o tempo de exposição a ecrãs pode afetar mais as crianças e os adolescentes do que os adultos, mas não investigaram a fundo como a exposição na vida real está a afetar o sono dos adolescentes em casa e como pode ser revertido.

O estudo resulta de uma parceria entre o Instituto Holandês de Neurociência, a Universidade Médica de Amesterdão e o Instituto Alemão de Saúde Pública e Ambiente.

Os investigadores estudaram os efeitos da exposição dos adolescentes à luz azul dos ecrãs em casa. Aqueles que ficaram mais de quatro horas por dia à frente do ecrã adormeceram, em média, 30 minutos mais tarde e acordaram mais vezes do que os jovens que permaneceram menos de uma hora expostos àquela fonte de luz, além de outros sintomas de falta de sono.

Dirk Jan Stenvers, do Departamento de Endocrinologia e Metabolismo da universidade de Amesterdão, afirmou que os adolescentes passam cada vez mais tempo ocupados com os ecrãs e que as queixas relacionadas com o sono são frequentes nesta faixa etária.

“Aqui demonstramos muito simplesmente como essas queixas de sono podem ser facilmente resolvidas, minimizando o uso noturno de ecrãs emissores de luz azul”, conclui o investigador.

mais informações na notícia:

Sleep problems in teenagers reversed in just one week by limiting screen use

Resumo da investigação:

Restoring the sleep disruption by blue light emitting screen use in adolescents: a randomized controlled trial

 

Quando é que os bebés de um ano de idade podem ver vídeos no telemóvel? Nunca, diz a OMS

Maio 8, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia da Visão de 25 de abril de 2019.

A Organização Mundial da Saúde publicou ontem novas recomendações sobre o tempo de exposição de crianças a aparelhos eletrónicos. Dos 2 aos 4 anos, por exemplo, não devem estar mais de uma hora por dia em frente a um ecrã. Veja aqui todas as normas .

Ligar a televisão nos desenhos animados ou pôr no telemóvel um vídeo do YouTube são truques usados por muitos pais para acalmar os filhos pequenos, sobretudo na hora da refeição. Mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que é má ideia.

A instituição publicou na quarta-feira, 24, uma série de recomendações sobre as necessidades dos mais novos, preparadas por um painel de especialistas, que incluem a resposta à pergunta que muitos fazem: quanto “tempo de ecrã” é o indicado para as crianças? Tempo nenhum, responde a OMS, se a criança tiver até um ano. Se tiver dois anos, o tempo passado em frente à televisão ou ao telemóvel não pode exceder um hora diária.

As recomendações fazem parte de um conjunto maior de normas relativas ao sedentarismo e qualidade de sono dos mais novos. “A primeira infância é um período de rápido desenvolvimento e uma altura em que as rotinas familiares podem ser adaptadas de forma a estimular uma vida mais saudável”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Os especialistas da OMS concentraram-se em analisar os comportamentos que podem afetar negativamente o desenvolvimento físico e cognitivo das crianças.”Aumentar a atividade física, reduzir o sedentarismo e garantir um sono de qualidade vai melhorar a saúde e o bem-estar físico e mental das crianças, além de prevenir a obesidade infantil e doenças que lhe estarão associadas mais tarde”, assegura a médica da OMS Fiona Bull, diretora do programa de vigilância e prevenção de doenças não transmissíveis.

Veja aqui as recomendações da organização.

Bebés com menos de 1 ano devem:

  • Ser fisicamente ativos várias vezes por dia e de diferentes maneiras, particularmente através de jogos interativos no chão; quanto mais, melhor. Os que ainda não se conseguem deslocar devem ficar pelo menos 30 minutos de barriga para baixo, em períodos espalhados ao longo do dia.
  • Não devem estar presos mais de uma hora seguida (por exemplo, carrinhos de bebé, cadeiras infantis ou nas costas dos pais). Não é recomendado qualquer tempo de ecrã. Quando o bebé estiver sedentário, reomendamos a leitura de histórias por parte dos progenitores.
  • 14 a 17 horas (dos 0 a 3 meses de idade) ou 12 a 16 horas (de 4 a 11 meses de idade) de sono de boa qualidade, incluindo sestas.

Crianças de 1 a 2 anos de idade devem:

  • Passar pelo menos 3 horas diárias numa variedade de atividades físicas de qualquer intensidade, incluindo intensidade moderada e vigorosa, distribuída ao longo do dia; quanto mais, melhor.
  • Não devem ficar presos mais de uma hora seguida (carrinhos de bebé, cadeiras infantis ou nas costas dos pais) ou sentados longos períodos de tempo. Para crianças de um ano de idade, o tempo de ecrã (TV, vídeos, videojogos) não é recomendado. Aos 2 anos de idade, o tempo de ecrã não deve ser superior a 1 hora; quanto menos, melhor. Quando a criança estiver sedentária, recomendamos a leitura de histórias.
  • 11 a 14 horas de sono de boa qualidade, incluindo sestas, com períodos regulares de sono e de despertar.

Crianças de 3 a 4 anos de idade devem:

  • Passar pelo menos 3 horas numa variedade de atividades físicas de qualquer intensidade, das quais pelo menos 60 minutos são atividades físicas de intensidade moderada a vigorosa, espalhadas ao longo do dia; quanto mais, melhor.
  • O tempo de sedentarismo não deve exceder uma hora; quanto menos, melhor. Quando a criança estiver sedentária, recomendamos a leitura de histórias.
  • 10 a 13 horas de sono de boa qualidade, que podem incluir uma sesta, com períodos regulares de sono e de despertar.

 

O documento citado na notícia é o seguinte:

Guidelines on physical activity, sedentary behaviour and sleep for children under 5 years of age

 

 

OMS: para crescerem saudáveis, crianças devem sentar menos e brincar mais

Abril 29, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia da ONU News de 25 de abril de 2019.

Novas diretrizes da agência destacam atividades físicas, comportamento sedentário e sono para crianças com menos de cinco anos; mais de 23% dos adultos e 80% dos adolescentes não são suficientemente ativos fisicamente.

Crianças com menos de cinco anos devem passar menos tempo sentadas em frente às telas ou dentro de carrinhos de bebê. De acordo com novas diretrizes divulgadas pela Organização Mundial de Saúde, OMS, elas também precisam dormir melhor e ter mais tempo para brincar ativamente para que cresçam saudáveis.

Segundo o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, “alcançar a saúde para todos significa fazer o que é melhor para a saúde desde o início da vida das pessoas”.

Diretrizes

O representante destaca que “a primeira infância é um período de rápido desenvolvimento e uma época em que os padrões de estilo de vida da família podem ser adaptados para aumentar os ganhos em saúde”.As novas diretrizes sobre atividades físicas, comportamento sedentário e sono para crianças com menos de cinco anos foram desenvolvidas por um painel de especialistas da OMS. O grupo avaliou os efeitos em crianças pequenas do sono inadequado e do tempo que elas passam sentadas assistindo telas ou em cadeiras e carrinhos de bebê.

A equipe também revisou evidências sobre os benefícios do aumento dos níveis de atividade.

Para a gerente de programas de vigilância e prevenção baseada na população de doenças não transmissíveis, Fiona Bull, “melhorar a atividade física, reduzir o tempo de sedentarismo e garantir o sono de qualidade em crianças pequenas melhora sua saúde física, mental e de bem-estar e ajuda a prevenir a obesidade infantil e doenças associadas que surgem mais tarde na vida”.

Atividades Físicas

A OMS aponta que a falha em seguir as recomendações atuais de atividade física é responsável por mais de 5 milhões de mortes em todo o mundo, a cada ano, em todas as faixas etárias. Atualmente, mais de 23% dos adultos e 80% dos adolescentes não são suficientemente ativos fisicamente.

A agência acrescenta que se a atividade física saudável, o comportamento sedentário e os hábitos de sono forem estabelecidos no início da vida, isso ajuda a moldar os hábitos desde a infância, adolescência e até a idade adulta.

Brincadeiras

A especialista em obesidade infantil e atividade física da OMS, Juana Willumsen, enfatiza que o que se precisa realmente fazer “é trazer de volta a brincadeira para as crianças.” Ela acrescenta que “trata-se de fazer a mudança do tempo de sedentarismo para o tempo de brincadeira, e ao mesmo tempo, protegendo o sono.”

A OMS aponta também que o tempo sedentário de qualidade passado em atividades interativas não baseadas em tela com um cuidador, como leitura, narração de histórias, canto e quebra-cabeças, é muito importante para o desenvolvimento infantil.

Segundo a agência, o uso dessas diretrizes durante os primeiros cinco anos de vida pode contribuir para o desenvolvimento motor e cognitivo das crianças e a saúde ao longo da vida.

Recomendações para crianças com menos de um ano: 

  • Ser fisicamente ativo várias vezes ao dia de várias maneiras, particularmente por meio de brincadeiras no chão – quanto mais melhor. Para aqueles que ainda não são caminham, isso inclui ficar pelo menos 30 minutos em posição de bruços em diferentes períodos do dia enquanto estão acordados.
  • A criança não deve ser restringida por mais de uma hora de cada vez. Por exemplo: em carrinhos de bebê ou carrinhos, cadeiras altas ou amarradas nas costas de um cuidador. Não é recomendado passar tempo em frente à tela. Quando esta estiver parada, é recomendado que ela se envolve em leituras e ouça histórias de um cuidador.
  • Entre o zero e os três meses, os bebês devem ter de 14 a 17 horas de sono de boa qualidade, incluindo momentos de repouso. Já entre os quatro e 11 meses, o recomendado é ter entre 12 a 16 horas.

Crianças com entre um e dois anos devem:  

  • Gastar pelo menos 180 minutos em diversos tipos de atividades físicas em qualquer intensidade, incluindo atividade física de intensidade moderada a vigorosa, distribuídas ao longo do dia. Quanto mais, melhor.
  • A criança não deve estar inativa por mais de uma hora de cada vez. Por exemplo: em carrinhos de bebê ou carrinhos, cadeiras altas ou amarradas nas costas do cuidador, ou sentar-se por longos períodos de tempo. Para os menores de um ano, não é recomendado passar tempo sedentário em frente à tela, como assistir TV, vídeos ou brincar com jogos de computador. Para as que tenham dois anos de idade, o tempo sedentário diante da tela não deve ser superior a 1 hora – quanto menos melhor. Quando a criança estivar parada, é recomendado que se envolva em leituras e narração de histórias com um cuidador.
  • Entre o zero e os três meses, os bebês devem ter de 14 a 17 horas de sono de boa qualidade, incluindo momentos de repouso. Já entre os quatro e 11 meses, o recomendado é ter entre 12 a 16 horas.

Crianças de três a quatro anos devem:  

  • Passar pelo menos 180 minutos em várias atividades físicas em qualquer intensidade. Pelo menos 60 minutos dessas atividades devem ser físicas de intensidade moderada a vigorosa, espalhadas ao longo do dia. Quanto mais, melhor.
  • Não devem ser mantidas por mais de uma hora de cada vez, como em carrinhos de bebê, ou sentar por longos períodos. O tempo sedentário em frene à tela não deve exceder uma hora – quanto menos melhor. Quando inativa, é recomendado que a criança se envolva em leituras e narração de histórias com um cuidador.
  • Entre o zero e os três meses, os bebês devem ter de 14 a 17 horas de sono de boa qualidade, incluindo momentos de repouso. Ter de 10 a 13 horas de sono de boa qualidade, que podem incluir um cochilo, com horários regulares para dormir e acordar.

Descarregar o documento WHO guidelines on physical activity, sedentary behaviour and sleep for children under 5 years of age no link:

https://www.who.int/news-room/detail/24-04-2019-to-grow-up-healthy-children-need-to-sit-less-and-play-more

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.