Os jogos de vídeo podem ajudar as crianças a perder peso

Agosto 13, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Público de 1 de agosto de 2018.

As crianças foram encorajadas a jogar em casa com um amigo ou membro da família.

Agência Reuters

É uma ajuda que faz os pais torcer o nariz, mas um estudo publicado na Pediatric Obesity diz que as crianças obesas podem ser capazes de perder peso com a ajuda dos jogos de vídeo.

Os jogos que exigem fazer exercício ajudam as crianças com excesso de peso a perdê-lo, assim como ajudam a melhorar o colesterol e a pressão sanguínea, ao mesmo tempo que se divertem. “As crianças estão muito interessadas em jogar e passam horas, todas as semanas, a fazê-lo”, declara Amanda Staiano, do Centro de Pesquisa Biomédica de Pennington, na Louisiana State University. Assim sendo, “em vez de culpar os jogos e a tecnologia, faz sentido perceber de que forma podem ajudar”, continua.

No Louisiana, mais de uma em cada três crianças (35,3%) entre as idades de 10 e 17 anos têm excesso de peso; e mais de uma em cada cinco (21,1%) são obesas. Os jogos podem ajudar as crianças quando estas usam o seu próprio corpo quando jogam, reforça a investigadora.

Para o estudo, 46 crianças, entre os 10 e os 12 anos, foram convidadas a jogar durante 24 semanas, uma hora três vezes por semana, e tinham conversas semanais com um treinador, que lhes dava conselhos sobre as metas que pretendiam ultrapassar em termos de actividade física. “Isso ajudou-os a manterem-se responsáveis”, justifica Staiano.

Metade dos miúdos foi posto no “grupo dos jogos” e a outra metade em “lista de espera”. As famílias do “grupo dos jogos” foram incentivadas a cumprir as recomendações de fazer 60 minutos diários de actividade física. Receberam uma Xbox, um dispositivo de detecção de movimento e quatro jogos de exercícios (Your Shape: Fitness Evoluído 2012, Just Dance 3, Disneyland Adventures e Kinect Sports Season 2). Receberam ainda um Fitbit para rastrear os passos diariamente.

As crianças foram encorajadas a jogar em casa com um amigo ou membro da família. “Estudos mostram que as crianças gastam mais energia quando brincam com outra pessoa”, justifica Staiano. No final do estudo, os membros do grupo de controlo também receberam uma consola de jogos e os jogos que promovem o exercício.

Mais populares

A maioria das famílias – 22 de 23 – no “grupo dos jogos” completou o programa de seis meses. No final, as crianças tonham reduzido o seu índice de massa corporal (IMC) em cerca de 3%, enquanto as crianças do grupo de controlo aumentaram seu IMC em 1%. Da mesma forma, os níveis de colesterol caíram no “grupo dos jogos”, enquanto subiram no grupo de controlo.

E, embora os membros da família não tenham sido monitorados como parte do estudo, “ouvimos falar de pais que também perderam peso”, conclui Staiano.

mais informações sobre o estudo na notícia:

New study shows certain video games can improve health in children with obesity

 

 

 

Bicicleta e comida saudável fazem das crianças holandesas as menos obesas entre os países ricos

Agosto 13, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Menina anda de bicicleta entre os demais ciclistas de Amsterdã sem a supervisão dos pais (Foto: Mariana Timóteo da Costa/GloboNews)

Notícia e imagem do G1 Globo de 6 de julho de 2018.

Por Mariana Timóteo da Costa, GloboNews, Amsterdã, Haia e Roterdã

Só 7% das crianças holandesas de 11, 13 e 15 anos estão acima do peso; G1 publica série de reportagens sobre como a Holanda foi parar no topo dos países com as crianças mais felizes do mundo.

O percentual de crianças obesas na Holanda é o menor entre os países pesquisados pelo Unicef. Se nos EUA cerca de 30% das crianças de 11, 13 e 15 anos estão acima do peso, na Holanda o índice é 7%. Na França, outro país reconhecido pela alimentação saudável, o índice é 10%.

Apesar de o granulado de chocolate fazer parte de um lanche típico levado para as escolas, as crianças desde cedo fazem muito exercício porque andam para todo o canto de bicicleta. Além disso, iniciativas de prefeituras como a de Amsterdã vem reduzindo o consumo de açúcar e frituras nas escolas.

“Aos 6 anos já pedalava sozinha para a escola, aqui no bairro é tão tranquilo que nem precisamos de capacete, andamos sempre na ciclovia”, conta Ina Hutchison, hoje com 11, chegando de uma tarde no parque e no supermercado. “Vou sozinha, estaciono minha bike e faço as compras que minha mãe pediu.”

Desde quarta-feira (4), o G1 publica uma série de nove reportagens que investigam os fatores educacionais, econômicos e sociais por trás do sucesso holandês.

Mais bicicletas que pessoas

A Holanda tem 17 milhões de pessoas e 25 milhões de bicicletas. Ou seja, 1,3 bicicleta per capita. Na hora do rush em cidades grandes como Amsterdã, Roterdã e Haia, é comum ver mais bicicletas do que carros passando.

São mais de 35 mil quilômetros de ciclovias. Um holandês anda em média mil quilômetros por ano de bicicleta. E muitos desde cedo, como Ina Hutchison.

“A cultura da bicleta começa mesmo antes de as crianças aprenderem a andar, ou mesmo aprender a se movimentar com as pernas. Eu mesma só carrego ele aqui no bakfiet e ele adora”, diz a enóloga Agnes Demen, mãe de Jacob, de 1 ano.”

O bakfiet é uma estrutura de madeira que é colocada na bicicleta e usada para transportar crianças e compras de supermercado.

“É claro que o fato de as cidades serem planas e não termos problemas com segurança ajuda. Mas acho que é mais uma questão cultural mesmo. Aí a criança cresce e quer logo se deslocar de bicicleta”, acredita.

Agnes Demen transporta o filho Jacob na bakfiet, uma bicicleta adaptada para carregar crianças pequenas (Foto: Mariana Timóteo da Costa/GloboNews)

O granulado de chocolate levado de lanche, uma tradição holandesa, assim, não vira um vilão da alimentação.

Além do fato de as crianças fazerem muito exercício, prefeituras como a de Amsterdã iniciaram programas para estimular a alimentação saudável nas escolas. A Prefeitura parou de patrocinar eventos apoiados por marcas de fast-food e deu incentivo fiscais para escolas que, em suas lanchonetes, parassem de oferecer lanches processados ou com alto teor de açúcar.

O resultado foi uma redução de 12% do número de crianças obesas na cidade entre 2012 e 2015 – o que ocorreu especialmente no bairro de imigrantes.

“Aí foi um efeito cascata. Muitas escolas passaram a estimular apenas o consumo de água. Os pais começaram a mandar em vez de bolos para as festas de aniversário, frutas”, conta Leotien Peeters, da Fundação Bernard Van Leer, com sede na Holanda, dedicada à primeira infância, que advoca por mais saúde e bem-estar para crianças pequenas em vários países, incluindo no seu de origem.

Influência da nutrição na saúde

Uma das maiores cientistas da Holanda, Tessa Roseboom é professora de desenvolvimento infantil e saúde da Universidade de Amsterdã. Ela elogia as iniciativas da cidade ao perceber a influência da nutrição na saúde das crianças.

Autora de um estudo que provou que as doenças são influenciadas pela alimentação quando a criança ainda está no útero da mãe, ela diz que iniciativas como a de Amsterdã revertem tendências desses jovens terem doenças crônicas no futuro.

“Além disso permitirá que as crianças desenvolvam todo o seu potencial. A cidade de Amsterdã está se dando conta da importância de investir nesses primeiros anos da vida da criança”, afirma.

Outras cidades holandesas também programam atividades para promover vida saudável entre as crianças. Em Roterdã, é comum eventos como o que o G1 acompanhou, promovido pelas escolas públicas do bairro: uma caminhada de 5 km com a participação de cerca de 700 crianças e 400 pais.

“Adoro vir nessas caminhadas, faz nos sentirmos parte da comunidade e ainda fazem bem para a saúde”, diz a joalheira Diana Spierings, acompanhada do filho Jules e de um amigo.”

A empresária Nanja Totorla passeia animada com o filho Gianlucca, de 8. Logo, o menino dispara no meio da multidão.

“Já já ele volta, as crianças aqui são muito livres”, brinca.

 

 

4ª Escola Somos – Programa Municipal de Educação para os Direitos Humanos – Câmara Municipal de Lisboa

Agosto 13, 2018 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

O SOMOS – Programa Municipal de Educação para a Cidadania Democrática e Direitos Humanos, promove, a uma escala local, os compromissos e princípios assumidos na carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos.
Desde a sua criação, em 2016, este programa possibilita que qualquer entidade possa solicitar gratuitamente ações de sensibilização em temas como os Direitos Humanos, Cidadania Democrática, Bullying, Discriminação Étnica, Identidade de Género, Violência de Género, Direitos da Criança, Igualdade, entre outros.

mais informações no link:

https://www.cnpdpcj.gov.pt/4-escola-somos.aspx


Entries e comentários feeds.