Analysing Child Poverty and Deprivation in sub-Saharan Africa – novo estudo da Unicef

Fevereiro 22, 2015 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

B8XjMWOCUAA6JmR

Analysing Child Poverty and Deprivation in sub-Saharan Africa

Child poverty is defined as non-fulfilment of children’s rights to survival, development, protection and participation, anchored in the Convention on the Rights of the Child. DHS and MICS household survey data is used, taking the child as unit of analysis and applying a life-cycle approach when selecting dimensions and indicators to capture the different deprivations children experience at different stages of their life. The paper goes beyond mere deprivation rates and identifies the depth of child poverty by analysing the extent to which the different deprivations are experienced simultaneously. The analysis is done across thirty countries in sub-Saharan Africa that together represent 78% of the region’s total population. The findings show that 67% of all the children in the thirty countries suffer from two to five deprivations crucial to their survival and development, corresponding to 247 million out of a total of 368 million children below the age of 18 living in these thirty countries.

Geração posta de lado – Jovens que não estão nem a trabalhar, nem a estudar, nem a receber formação (NEET)

Novembro 7, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

The Great Recession hit adolescents and young people extremely hard. The rate of young people not in education, employment or training (NEET) has increased dramatically in most EU/OECD countries. Read the UNICEF Innocenti Report Card 12 Children of the Recession: The impact of the economic crisis on child well-being in rich countries at http://www.unicef-irc.org

 

Child Poverty and Material Deprivation in the European Union during the Great Recession

Agosto 26, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

child

descarregar o documento aqui

The 2008 financial crisis triggered the first contraction of the world economy in the post-war era. This paper investigates the effect of the economic crisis on child poverty and material deprivation across the EU-28 plus Iceland, Norway and Switzerland. First, it examines if children were affected by the crisis to a greater extent than the population as a whole. Second, it analyses inequities among households with children and the degree to which those in workless households, migrant households, lone parent families and large families were at a greater risk of poverty and deprivation. Finally, it studies the extent to which social safety nets may have softened the negative impact of the economic crisis.

The Consequences of the Recent Economic Crisis and Government Reactions for Children – novo documento da Unicef

Junho 30, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

unicef

descarregar o documento aqui

The aim of this paper is to analyse the impact of the different policy reactions of European governments to the recent economic crisis on income distribution and poverty, giving special attention to children. Almost all the governments introduced fiscal stimulus packages in the first phase of the crisis. Nonetheless, the persistence of bad economic conditions led to a drop in the countries’ revenues with a deterioration of their fiscal conditions. In addition, the pressure coming from the financial markets and the resurgence of an orthodox policy approach pushed many governments to introduce austerity measures since 2010. In particular, there was a growing consensus about the necessity of fiscal consolidation despite awareness of the possible negative impact on economic performance and social outcomes. Some governments preferred to increase taxes while others preferred to reduce public expenditure, also cutting benefits and services for children and their families.

Alternative forms of care for children without adequate family support: sharing good practices and positive experience

Maio 21, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

alternative

descarregar o documento aqui

The focus of this presentation is the potential preventive role of the Guidelines for the alternative care of children: seeing how we can find solutions for children who are without parental care – or are at risk of being so – without having recourse to alternative care assuch. Although these Guidelines logically deal more especially with questions of the quality of care, the emphasis first of all is on prevention. Indeed, as the drafting process advanced, not only NGOs but also governments involved were increasingly adamant that preventive efforts at all levels – primary, secondary and tertiary – be highlighted, in other words: tackling general conditions that enhance the risk of family breakdown, working with individual families to avoid that outcome, and securing a child’s return to parental care underappropriate conditions wherever possible. It is important to bear three things in mind. First, the Guidelines are precisely that: they create neither new rights nor binding obligations, but are intended as suggestions for policy orientation agreed on the basis of current knowledge and grounded in the Convention on the Rights of the Child. They are a key document, but they are not necessarily definitive, any more than the Convention itself is the “final” document for all time. Second, the Guidelines are by no means directed solely at governments but to all services, organizationsand professionals involved with alternative care issues, including in an indirect manner suchas those who deal with the broader context of social policy. The third point is that the Guidelines seek above all to promote individualised responses tailored to the situation andneeds of each child who has been, or risks being, placed in out-of-home care, and that areconsonant with his/her human rights. Respect for two fundamental principles underlies the approach: 1) the ‘necessity principle’, to ensure that placement in an alternative care setting is limited to cases where itis genuinely warranted, and 2) the ‘suitability principle’ whereby, if such alternative care is indeed deemed to be necessary, the solution is constructive and appropriate for each child concerned.

Strengthening Child Protection Systems for Unaccompanied Migrant Children in Mozambique

Novembro 18, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

moçambique

Descarregar o documento Aqui

This research sets out to understand the why, how and with whom of rural-urban internal migration of children to the Mozambique border town of Ressano Garcia. In doing so, it aims to address the overarching research question of how to strengthen child protection systems for unaccompanied migrant children. Research took place at the border town of Ressano Garcia and in the Mozambican capital city of Maputo, between July and September 2012. Following a thorough analysis of the qualitative data, engaging with the current debate on migration and child protection issues, this paper critically assesses the current interconnected ‘protective actors’ and protection mechanisms and provides recommendations. Under a qualitative child participatory approach, children and their views are placed at the centre of the research. Research participants also include protective actors that are the cornerstone of child protection mechanisms, including: civil society organizations (CSOs) in both Ressano Garcia and Maputo, and government officials at local, district, provincial and central level, thus allowing for a triangulation of sources.

Child well-being in rich countries : a comparative overview Innocenti Report Card 11 Unicef

Abril 11, 2013 às 10:00 am | Publicado em Divulgação, Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

child

Descarregar o relatório Aqui

State of children in rich countries

Report Card 11: Child well-being in rich countries, from UNICEF’s Office of Research, examines the state of children across the ‘rich’ world. As debates continue to generate strongly opposed views on the pros and cons of austerity measures and social spending cuts, Report Card 11 charts the achievements of 29 of the world’s advanced economies in ensuring the well-being of their children during the first decade of this century.

This international comparison, says the report, proves that child poverty in these countries is not inevitable, but policy susceptible – and that some countries are doing much better than others at protecting their most vulnerable children.

The Structural Determinants of Child Well-being

Fevereiro 1, 2013 às 6:00 am | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

unicef

Descarregar a publicação Aqui

This paper describes the outcomes of an expert consultation on The  Structural Determinants of Child Well-being hosted by the UNICEF Office  of Research. The two-day meeting brought together twelve participants to discuss the underlying causes of child well-being and develop an  initial framework to consider the impact of structural factors on  children’s lives and the inequalities that too often shape (and limit)  their futures.
There is a large and still to be exploited  potential for structural interventions to improve the lives of children  in low and middle-income countries. Some sectors, notably health, have  moved ahead in defining a structural determinants approach to  programming and have a growing evidence base to draw upon. Other sectors have begun to follow but still have to make their case with the policy
community. Until now, there has been very little work that brings  together insights from analysing structural determinants of child
wellbeing across all its dimensions in a consistent and rigorous way.
Measurement challenges also need to be overcome to build a strong data base for action.

Measurig child poverty : New league tables of child poverty in the world’s rich countries

Junho 4, 2012 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Descarregar o relatório Aqui 

Press Release da Unicef de 29 de Maio de 2012.

Dezenas de milhões de crianças vivem na pobreza nos países ricos

Bruxelas, 29 de Maio de 2012 – Num momento em que as medidas de austeridade e de redução de gastos sociais estão no centro dos debates, um novo relatório revela a extensão da pobreza infantil e das privações sentidas pelas crianças nas economias mais avançadas. Cerca de 13 milhões de crianças que vivem na União Europeia (e também na Noruega e Islândia ) não têm acesso a elementos básicos necessários para o seu desenvolvimento. Paralelamente, 30 milhões de crianças vivem na pobreza em 35 países economicamente desenvolvidos.

O Report Card 10, produzido pelo Gabinete de Investigação da UNICEF, debruça-se sobre a pobreza e privação infantis no mundo industrializado, comparando e alinhando os países de acordo com o seu desempenho.

Esta comparação internacional mostra que a pobreza infantil nestes países não é inevitável, mas antes susceptível a políticas postas em prática – e que alguns países estão a conseguir melhores resultados do que outros na protecção das suas crianças mais vulneráveis.

“Os dados disponíveis provam que um número demasiado elevado de crianças continua a não ter acesso a variáveis de base em países que têm meios para as proporcionar, “ declarou Gordon Alexander, Director do Gabinete de Investigação da UNICEF. ”O relatório mostra igualmente, segundo dados recolhidos maioritariamente antes da crise actual, que alguns países registaram bons resultados graças a sistemas de protecção social que estavam a funcionar. O risco é que no contexto da actual crise sejam tomadas decisões erradas, cujas consequências só serão visíveis muito mais tarde.”

O Report Card 10 analisa a pobreza e privação infantis sob dois ângulos diferentes. Examinando estes dois tipos de pobreza, o Report Card 10 reúne os últimos dados disponíveis relativos a esta matéria no conjunto dos países industrialmente mais avançados.

A primeira avaliação utiliza o Índice de Privação Infantil, que se baseia em dados das Estatísticas da União Europeia sobre Rendimento e Condições de Vida (Eurpean Union’s Statistics on Income and Living conditions) de 29 países europeus, que incluem pela primeira vez uma secção consagrada às crianças.

O Report Card 10 designa como “carenciada” uma criança que não tem acesso a duas ou mais das 14 variáveis de base, tais como três refeições por dia, um local tranquilo para fazer trabalhos de casa, livros educativos em casa, ou uma ligação à internet. A Roménia, A Bulgária são os países que apresentam as taxas de privação mais elevadas (70%, 50% respectivamente) seguidos por Portugal com uma taxa de 27%. No entanto, mesmo alguns países mais ricos como a França e a Itália tenham taxas de privação superiores a 10%. Os países nórdicos são os que apresentam níveis de privação mais baixos, todos eles inferiores a 3%.

A segunda medida analisada no Report Card 10 diz respeito à pobreza relativa e calcula a percentagem de crianças que vivem abaixo do “limiar de pobreza” – definido como 50% do da mediana do rendimento disponível por família.

Assim, o Gabinete de Pesquisa da UNICEF procura determinar a percentagem de crianças que se encontram significativamente abaixo do que pode ser considerado normal para as respectivas sociedades.

Os países nórdicos e a Holanda têm as mais baixas taxas de pobreza infantil relativa – próximas dos 7%. A Austrália, o Canadá a Nova Zelândia e o Reino Unido têm taxas entre os 10% e os 15%, enquanto que mais de 20% das crianças na Roménia e nos Estados Unidos vivem em situação de pobreza relativa.

A comparação entre países economicamente semelhantes é particularmente notória no Report Card 10, o que revela até que ponto as medidas adoptadas pelos governos podem mudar a vida das crianças. Por exemplo, a Dinamarca e a Suécia registam taxas de privação nas crianças bem mais baixas do que a Bélgica ou a Alemanha, ainda que estes quatro países tenham níveis de desenvolvimento económico e rendimentos per capita

“O relatório torna claro que alguns governos conseguem muito melhores resultados do que outros no combate ao problema da privação das crianças”, afirmou Gordon Alexander. “Estes países mostram que a pobreza não é inelutável apesar do contexto económico actual. Em contrapartida, não proteger as crianças dos efeitos da crise económica e financeira dos dias de hoje é um dos erros mais caros que uma sociedade pode cometer.”

Crianças portuguesas são das mais carenciadas da OCDE

Junho 4, 2012 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Público de 29 de Maio de 2012.

Por Natália Faria

Mais de 27% das crianças portuguesas vivem em situação de carência económica. O retrato é traçado no relatório “Medir a Pobreza Infantil”, que é nesta terça-feira apresentado pela Unicef e que coloca Portugal em 25.º lugar numa lista de 29 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

Já longe de ser cor-de-rosa, o cenário promete piorar. As conclusões baseiam-se em dados de 2009, logo não reflectem o impacto da crise nas crianças. E, por outro lado, “o risco é que no contexto da actual crise sejam tomadas decisões erradas cujas consequências só serão visíveis muito mais tarde”, alerta o relatório.

Por carenciada a Unicef considera qualquer criança até aos 16 anos que não tenha acesso a duas ou mais de 14 variáveis consideradas “normais e necessárias” num país desenvolvido. Exemplos? Três refeições por dia, um local tranquilo para fazer trabalhos de casa, ligação à Internet, pelo menos dois pares de calçado e possibilidade de celebrar ocasiões como o aniversário. Na tabela classificativa que daí resulta, Portugal surge nos últimos lugares. Piores apenas a Letónia, Hungria, Bulgária e Roménia.

Se a amostra incluir apenas as famílias monoparentais, a percentagem dispara para cerca do dobro: 46,5% das crianças portuguesas que vivem só com o pai ou só com a mãe estão em situação de privação material. Em Espanha, por comparação, esta taxa não ultrapassa os 15,3%. Mas as crianças que estão em piores lençóis ainda são aquelas cujos pais estão desempregados: aqui o índice de carência atinge os 73,6% entre as crianças portuguesas, enquanto em Espanha não passa dos 33,5%.

“Mais com menos”

A Unicef concluiu ainda que 14,7% das crianças portuguesas até aos 16 anos vivem abaixo do limiar de pobreza, ou seja, em lares cujos rendimentos anuais por adulto estão 50% abaixo da mediana da distribuição dos rendimentos (cerca de 400 euros por mês). Aqui Portugal também não sai muito bem na fotografia. Está em 26.º lugar numa lista composta por 35 países, sendo que abaixo surgem países como a Itália, Grécia e Espanha.

Numa análise mais minuciosa a cada um dos países, a Unicef conclui que há alguns “que conseguem fazer mais com menos”. Tome-se Portugal e a República Checa como exemplos. Ambos os países apresentam rendimentos per capita de aproximadamente 25 mil euros. Porém, “a taxa de privação infantil é três vezes maior em Portugal”. Que ilação se retira aqui? “Que as medidas de apoio social em Portugal não são tão eficazes ou, pelo menos, não estão a conseguir chegar às crianças” responde Madalena Marçal Grilo, directora executiva da Unicef em Portugal, para insistir na importância de as medidas de austeridade terem em atenção o impacto da crise nas crianças. Afinal, como argumentam os autores do relatório, “ninguém pode alegar que é culpa das crianças que a economia tenha entrado em recessão ou que os pais tenham caído no desemprego”.

“O pior está para vir”

Construída a partir de indicadores de 2009 – e que remontam a dois ou mesmo três anos antes dessa data – esta tabela peca por defeito, como faz questão de sublinhar a própria Unicef. “Não há estatísticas internacionais comparáveis que permitam medir o que está a acontecer em termos de pobreza infantil na sequência da crise social e económica dos últimos três anos”. Isto também porque, apesar de sujeitas a fortes medidas de austeridade que se repercutem no corte de apoios sociais, as famílias “mesmo as de mais baixos rendimentos, dispõem de uma almofada – em forma de poupanças, bens ou ajudas de outros membros da família – que lhes tem permitido mitigar o impacto da crise. Quando esta almofada se esvaziar, “a pobreza infantil vai voltar a disparar”, avisam os autores do relatório, apontando 2013 como ano de ruptura na relativa estabilização da pobreza infantil nos últimos anos. Dito de modo mais contundente, “o pior ainda está para vir”.

As críticas da Unicef visam os governos de cada país, nomeadamente porque têm negligenciado a simples monitorização do fenómeno, mas também a própria Comissão Europeia. “Desde que a crise económica começou, a pobreza infantil parece ter-se eclipsado da agenda europeia”, rematam os autores do relatório que contam 13 milhões de crianças da União Europeia que vivem sem acesso a elementos básicos necessários para o seu desenvolvimento.

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.