Trabalho por turnos: casais contam como se guarda tempo para os filhos

Fevereiro 7, 2020 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Texto do Notícias Magazine de 28 de junho de 2020.

Vivem momentos únicos quando apenas um dos pais está presente, são poucas as vezes que estão todos reunidos, passam dias sem ver um dos progenitores, dão uma notícia por mensagem e recebem um aconchego num telefonema. Vivências de uma realidade com rotinas muito próprias e organizadas ao pormenor.

Sofia Filipe

Liliana Morais tem 35 anos e é enfermeira no Hospital de Chaves. Situada nessa cidade transmontana, a creche de Carolina, de dois anos, abre as portas às oito da manhã. A hora a que Liliana já tem de estar no Bloco Operatório. Deixa a filha em casa dos pais do marido, Tiago Morais, três anos mais novo. A pré-escola do filho mais velho, Afonso, de cinco anos, permite entrar mais cedo, mas há um acréscimo na mensalidade. Fica também em casa dos avós. “Os meus sogros levam os miúdos às diferentes escolas.”

Se o turno desta mãe terminar às 15.15 horas, vai buscar o primogénito às 16 e a mais nova meia hora depois. Se for às 17, vão os avós ou o pai, que também é enfermeiro, mas no Serviço de Urgência Geral do Hospital de Vila Real. “Certos dias, somos quatro pessoas a levar e buscar os meninos”, comenta Liliana. A organização familiar é alterada se estiver no turno da tarde (15 às 22.15) ou no da noite (22 às 8.15).

Tiago tem os mesmos horários e a planificação é feita a cada mês. Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, no final de setembro de 2019 eram 835 mil as pessoas a trabalhar por turnos em Portugal. Mais de 423 mil mulheres tinham horários variáveis, contra 409 mil homens. No entanto, a população masculina ganhava à feminina, uma vez que há 226 mil homens a trabalhar mais serões, noites, sábados e domingos do que as mulheres.

Este casal de Chaves faz séries de turnos. Ou seja, num dia estão de tarde; no noutro, de manhã ou de tarde. Um horário que faz com que não vejam os filhos praticamente dois dias. “De manhã estão na escola. Saio de casa às 14 horas e regresso pelas 23.30, quando já estão a dormir. No dia seguinte, saio pelas 6.50. Ainda estão a dormir. Quando regresso, pelas 16.30, estou pouco tempo com eles, porque volto a sair às 20.50 para iniciar o turno da noite”, exemplifica Tiago.

Das datas especiais, refere o Natal como das mais difíceis. “Ter a família sentada à mesa, chegar aquela hora e ter de sair. Fica sempre um gosto amargo. Por muito que expliquemos, os nossos filhos ainda não conseguem perceber por que razão o pai não pode estar ali para abrir os presentes com eles.” No dia a dia, “é duro” quando Afonso lhe diz ao telefone que tem saudades.

“O trabalho por turnos gera inseguranças e frustrações que muitas vezes se refletem no bem-estar e na própria relação do casal” Marta Marques
Psicóloga educacional”

Para a família Morais, conseguir desfrutar de tempo de qualidade em conjunto “é uma tarefa árdua”. Requer, por exemplo, uma organização pormenorizada, de forma a conseguirem gozar algumas folgas no mesmo dia. Em novembro, coincidiram apenas dois dias. À logística familiar acresce uma profissão “desgastante, física e psicologicamente”. “É muito difícil sair da porta do hospital e esquecer tudo o que vimos e fizemos lá dentro. Quando folgamos, a energia está muito próxima do zero. O esforço é levantar a cabeça e aproveitar os momentos que não acontecem com muita frequência”, diz Liliana. Apesar de sentirem que deveriam estar mais presentes, têm noção de que conseguem “dar o apoio necessário aos filhos”.

Mara Granadas, 34 anos, e Nuno Rafael, de 43, não identificam qualquer vantagem numa vida por turnos. “Só desvantagens.” Moram na Quinta do Anjo, em Palmela, e em 15 minutos chegam ao Parque Industrial da Autoeuropa, onde trabalham como operadores de linha, mas em fábricas diferentes. Ela na Faurecia, desde 2013, e ele na Benteler, desde 2011. Mara está a fazer dois turnos (7 às 15.30 e 15.30 à meia-noite). Em fevereiro, passa a cumprir também o terceiro (meia-noite às 7), que já é feito pelo companheiro de há 13 anos. “Estaremos em turnos diferentes. Vai facilitar a vida com a nossa filha, mas sairemos prejudicados enquanto casal. Apenas vamos estar juntos nas férias de verão e no Natal”, desabafa esta mãe, ela própria “filha dos turnos”.

Francisca tem dez anos e dificilmente terá irmãos. “Sentimos que deveríamos estar mais presentes no crescimento. Por isso, não queremos mais filhos”, assume Mara, que gostaria de ter presenciado certos momentos. “O primeiro dente que caiu ou a primeira leitura podiam ser hoje memórias.” Prefere o turno da manhã, pois, dessa forma, consegue estar com a filha em casa ao fim do dia. “Como uma família normal.” Já Nuno dá preferência ao turno da noite. “Descanso muito pouco, mas consigo levar e buscar a Francisca à escola e participar em atividades extracurriculares, como atletismo, explicação e aulas de canto.”

Quando cumprem o turno da tarde, só veem a menina cerca de uma hora por dia, antes de a deixarem na escola. Ao regressarem da jornada, já dorme. Uma semana por mês estão no mesmo horário e recorrem aos avós. Se estes não puderem, porque ainda trabalham, têm de “pedir a amigos e vizinhos”. Nas férias, a Francisca tem de ir para um ATL. “O nosso subsídio de férias é para comportar essa despesa”, realça a operadora de linha, classificando a época de testes escolares como a mais complicada. “Pede apoio e dificilmente alguém está com disponibilidade para a ajudar a estudar. Nem sempre é fácil explicar a uma criança que temos mesmo de trabalhar por turnos e que não podemos estar com ela sempre que precisa.”

A presença regular e emocionalmente significativa das figuras parentais é fundamental para o processo de desenvolvimento dos mais novos, frisa Marta Marques, psicóloga educacional e investigadora do projeto IDEA (Investigação de Dificuldades para a Evolução na Aprendizagem) na Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa. “O trabalho por turnos é muitas vezes acrescido de maior stresse, com noites pouco regeneradoras do funcionamento emocional e sintomas de burnout. Estas situações podem levar os pais a sentir que estão sozinhos na prestação de cuidados à criança e poderá fazer crescer a perceção de não corresponderem de forma adequada às necessidades, gerando inseguranças e frustrações que muitas vezes se refletem no bem-estar e na própria relação do casal”, sustenta.

“[filhos de casais que trabalham por turnos] Tornam-se mais desatentos e, por vezes, menos interessados em aprender novos conteúdos”
Maria João Senos Educadora de infância

Na opinião de Maria João Senos, educadora de infância na Santa Casa da Misericórdia de Ílhavo, a presença menos frequente dos progenitores em simultâneo poderá afetar os filhos em idade pré-escolar. “Pode não ser logo evidente, mas no decorrer do dia a dia vamos notando algumas alterações, principalmente no comportamento.” Mais tarde, sublinha, surgem outras consequências. “Tornam-se mais desatentos e, por vezes, menos interessados em aprender novos conteúdos”, observa, destacando que, em idade escolar, “o ambiente familiar tem de ser bom e estável para não haver implicações negativas”.

“Só queria estar presente para a abraçar”

Para Marisa Matias, professora auxiliar e investigadora na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, a consequência mais óbvia da dessincronização entre o horário de trabalho e os tempos sociais “é a não participação nas atividades rotineiras da família e o menor envolvimento nas tarefas domésticas e de cuidado aos filhos”. Segundo a docente, as famílias cujos pais trabalham por turnos procuram criar rotinas diferentes das habitualmente adotadas pelos casais com empregos tradicionais. “Não podem jantar, mas, por exemplo, tomam o pequeno-almoço juntos.”

A proximidade emocional é fundamental para o sucesso das relações familiares. No entanto, Marisa Matias lembra que isso não acontece por acaso. Requer “tempo passado em conjunto, disponibilidade e investimento afetivo”. E é essa proximidade que Susanna Lee Carvalho e Carlos Rafael tentam manter, mesmo quando o cansaço dá cartas ou perante sintomas de burnout. Susanna e Carlos são técnicos de tráfego de assistência em escala na placa no Aeroporto de Lisboa há mais de duas décadas.

Desde que, há 11 anos, nasceu Amy, não se cruzam no local de trabalho. “Se nos colocarem no mesmo horário, pedimos para mudar. Dentro das possibilidades operacionais, a gestão do planeamento é flexível”, esclarece Susanna, de 43 anos, que há quatro anos voltou a ser mãe, de Scarlett. “Está sempre um de nós em casa para levar as meninas às respetivas escolas ou para as receber”, completa Carlos, 46 anos.

A “maior alegria” desta família de Cascais é quando estão os quatro juntos. Não deixam as filhas nos avós maternos para uma “escapadela a dois”, preferem declinar convites para casamentos ou batizados se apenas um estiver disponível e optam por ter uma vida social “menos agitada”. “Normalmente, temos um fim de semana juntos de seis em seis semanas”, aponta a mãe de Amy e Scarlett. Carlos explica que mesmo alguns desses fins de semana em família são de horário reduzido.

“Se sair à meia-noite de uma sexta-feira e na segunda entrar às quatro da manhã…” Quanto a férias, embora não seja na época que preferem, podem tirar 15 dias no mesmo período do ano, devido ao acordo de empresa referente a casais. Os turnos de Carlos abrangem as 24 horas, os de Susanna nunca ultrapassam a uma da manhã, mas podem começar às quatro da madrugada. Nesses dias, acorda às 2.50 horas. “É o meu horário preferido, pois permite-me ter mais tempo para as meninas e realizar diversas tarefas.”

Quando as filhas eram pequenas, Susanna e Carlos optaram por não usufruir da creche do Aeroporto de Lisboa. “As meninas teriam de fazer turnos, interromper o sono. Se a nós custa, imagino a elas.” Trabalhar com horários complexos acaba por deixar marcas. Como daquela vez em que estava num turno noturno e a filha mais velha lhe telefonou. “A Amy teve uma desavença com uma amiga e ligou-me a desabafar. Eu só queria estar presente para a abraçar. As minhas filhas são filhas dos turnos e aprenderam cedo que há beijinhos dados num telefonema.”

“Os momentos em que um abraço é substituído por palavras confortantes podem ter implicações se a família representar isso como um problema”, defende Marta Marques. “As crianças não nascem com uma ideia pré-formatada de família. Adquirem-na pela forma como os adultos a ajudam a viver”, assinala a psicóloga educacional, que considera importante transmitir segurança e tranquilidade. “A ausência física não representa abandono. E se a criança se sentir segura vai viver com maior tranquilidade essa saudade.”

Estranhava ver pai e mãe presentes em simultâneo

Tal como as irmãs Amy e Scarlett, também Beatriz Leal, de 11 anos, (con)vive bem com os horários atípicos dos pais e, inclusivamente, quando era mais nova chegou a estranhar ter os dois presentes em simultâneo. Ana Torrão, 43 anos, e João Leal, 46, são funcionários da Tabaqueira há 18 e 20 anos, respetivamente. Ambos trabalharam quatro anos num regime de turnos específico. Eram quatro dias seguidos com 12 horas de trabalho e outros tantos de folga. Ou seja, foram quatro anos desencontrados.

Quando muito, cruzavam-se na cancela da fábrica quando um saía e o outro entrava. Atualmente, a técnica de qualidade só faz dois horários (7 às 15.30 e 15.30 à meia-noite). O técnico de manutenção ainda cumpre o turno da meia-noite às sete da manhã. Os horários mudam semanalmente, mas, para garantirem o apoio à filha, Ana Torrão faz duas semanas de manhã e uma de tarde. “As chefias são flexíveis. É menor e, assim, não fica sozinha”, afirma Ana.

Residem na Malveira, no concelho de Mafra, e não contam com o apoio dos avós maternos, porque vivem no Cartaxo, nem dos paternos, que estão em Benavente. “Um dia, tive de deixar um trabalho a meio para dar assistência à Beatriz”, lembra João. O casal usufruiu das vantagens de ter a menina na creche da Tabaqueira e a mãe recorda como lhe custou o primeiro dia. “Se eu fazia 12 horas de trabalho, a Beatriz tinha de lá estar todo esse tempo.”

De acordo com o Relatório da Carta Social 2018 do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, no ano letivo de 2018/19, o Instituto de Segurança Social assegurou o financiamento da comparticipação complementar a 1 186 creches pela prática de horário de funcionamento superior a 11 horas diárias. “O período de permanência numa creche ou jardim de infância deveria ser o menor possível. Hoje em dia, é quase impossível e é muito triste”, lamenta Maria João Senos, que recebe algumas crianças às 7.30 horas e, por vezes, só saem às 19.30 horas.

Voltando ao casal que trabalha na Tabaqueira, atualmente, quem está no turno da manhã deixa a Beatriz na escola, perto do trabalho, às 7 horas. O cônjuge vai buscar a menina às 17 horas. “É difícil termos disponibilidade para dar apoio nos estudos, daí a importância do ATL. Tem tido boas notas”, salienta João Leal. Para estes pais, a filha está em primeiro lugar e por ela vencem a saturação psicológica, a falta de paciência e o cansaço físico inerentes ao trabalho por turnos. Dos direitos, não abdicam. Ana recorda que “bateu o pé” quando a chefia não pretendia facilitar horários durante a gravidez e ao regressar da licença de maternidade. “Não sofri represálias. Mas algumas pessoas têm medo. Se existem leis que protegem os trabalhadores, são para ser usadas.”

Diane Cristóvão Augusto, advogada-estagiária, lembra que o Código do Trabalho prevê matéria dedicada à parentalidade. “Estas normas são uma projeção do princípio da proteção do trabalhador, sendo cada vez mais alvo de atenção e de alterações.” No entanto, não há nenhuma norma que regule os profissionais que trabalham por turnos. São de aplicação geral. O direito ao trabalho flexível previsto no artigo 56.º do Código do Trabalho, por exemplo, é aplicado a todos os trabalhadores com filhos menores de 12 anos. “É intenção do legislador harmonizar o direito do trabalhador à conciliação da atividade profissional com a vida familiar”, diz a jurista. “Uma pessoa que concilie as duas áreas é mais realizada, mais produtiva, com ganhos para todos. Pessoas felizes garantem melhores resultados.”

Carla Mota vive na Costa da Caparica, tem 36 anos, é mãe de Ethan Gabriel Gonçalves, de três, e conhece o direito ao horário flexível. “Ainda não precisei. Se houver necessidade, não hesito em solicitar”, assume esta funcionária da Europ Assistance na área da assistência em viagem. Na empresa, o plano de turnos é feito mês a mês. De momento, apresenta-se ao trabalho às oito ou às dez da manhã, mas tem outros horários possíveis, como o das 18 às duas da madrugada. É casada com Byron Gonçalves, de 34 anos, cujos turnos cobrem as 24 horas. É técnico de telecomunicações e manutenção de redes na Oni há dez anos e também costuma estar de prevenção, que implica deslocação ao local de trabalho, se for necessário.

Trabalham em Lisboa. Saem, por isso, de casa com alguma antecedência. Se acontecer estarem no mesmo horário, recorrem aos avós paternos ou maternos, que moram a poucos quilómetros. “Se não tivéssemos esta rede de apoio, seria muito complicado. Quando entro às oito da manhã, levanto-me às cinco da madrugada. Para o Ethan não acordar a essa hora, por norma, dorme em casa da mãe do Byron”, explica Carla, que já esteve uma semana sem ver o marido, devido aos horários opostos. Quando estão juntos, tentam ter “tempo de qualidade, com muitas atividades”. Quando o pai está a fazer madrugadas, preparam um pequeno vídeo e enviam. “Assim, a noite não custa tanto a passar.”

Para Marisa Matias, uma vantagem do trabalho por turnos reside “na compensação financeira que certos horários atípicos acarretam”. Carla e Byron confirmam. “O meu subsídio de turno não compensa tanto como o do meu marido”, comenta Carla, que deseja um dia poder trabalhar a partir de casa, para estar mais tempo com Ethan. Todavia, o trabalho em horário atípico “associa-se a maior stresse, problemas com o sono, conflitos conjugais e menos tempo para o casal”, frisa a investigadora. Ana Torrão e João Leal não escondem que “o casamento esteve ameaçado”. “Estávamos habituados a estar quase sempre sozinhos”, diz Ana. “Tivemos de reaprender a viver juntos”, completa João. Conseguiram ultrapassar essa fase e assistem, juntos, ao crescimento da Beatriz.

No próximo ano letivo, Francisca vai para o Ensino Preparatório. Na perspetiva de Mara Granadas e Nuno Rafael, a conjugação de todos os horários “não será fácil, mas não vale a pena sofrer por antecipação”. Susanna Lee Carvalho e Carlos Rafael não se imaginam a trabalhar com horários fixos. “Não temos de pedir para faltar porque vamos a uma consulta médica e podemos tratar de assuntos pessoais”. Também Liliana e Tiago Morais preferem manter os turnos. Em termos profissionais, “é menos rotineiro”. Nas questões familiares, existe “a grande vantagem” de poderem estar presentes na vida dos filhos “em diferentes alturas do dia e nos dias úteis”.

Para a psicóloga educacional Marta Marques, os filhos de pais trabalhadores por turnos podem criar representações da rotina familiar diferentes. Mas essas vivências não têm que representar um problema, “se os pais mantiverem uma comunicação e colaboração positiva e se a criança sentir uma vinculação de segurança”. A educadora de infância Maria João Senos sublinha a importância de um bom ambiente familiar. “Se todos se compreenderem e conseguirem conversar, sem telemóveis, será um bom caminho.”

Dentro das creches da ‘geração Autoeuropa’

Março 21, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Flexibilidade. As creches com horário alargado são um alívio para os pais que trabalham por turnos Nuno Botelho

Texto do http://expresso.sapo.pt/ de 27 de fevereiro de 2018.

Liliana Coelho Texto

Nuno Botelho Fotos

Quem tem horários menos convencionais e filhos é obrigado a encontrar soluções, caso dos trabalhadores da Autoeuropa, que para trabalhar aos fins de semana exigem ter onde deixar os filhos. Em todo o país há apenas uma nessas condições. Mas há outras onde as crianças podem passar mais de 11 horas, podendo chegar ou sair de madrugada. Fizemos uma reportagem em duas delas.

Os dias estão maiores, mas já anoitece. Passa pouco das 18h30. Apressado e sorridente, Danilo Esteban chega ao Colégio Rik & Rok, na Amadora. Operador de logística de uma loja de materiais de construção, Danilo vem buscar as duas filhas gémeas, Emma e Isabella, de quatro anos. Hoje estão com sorte, vão mais cedo para casa, mas muitas vezes têm que ficar até mais tarde na creche, devido aos turnos no trabalho dos pais. Foi por essa razão que Danilo e a mulher, María – que saíram da Venezuela há dois anos –, decidiram inscrever as gémeas neste infantário. “Esta flexibilidade facilitou a adaptação de toda a família. Emma e Isabella têm-se desenvolvido bastante ao longo destes 24 meses. Hoje são mais independentes”, conta o pai.

Criado em 2010 pela Fundação Pão de Açúcar, o Colégio Rik & Rok teve como objetivo inicial responder às necessidades dos funcionários do grupo Auchan que são pais e que trabalham por turnos. Entretanto, o espaço foi também aberto à comunidade, embora dê prioridade aos filhos de trabalhadores do grupo, de lojas do Dolce Vita Tejo ou de espaços comerciais próximos. O infantário – que recebe de bebés com poucos meses até crianças de 5 anos – está aberto sete dias por semana e num horário alargado, das 7h até à meia-noite e meia.

A pensar no bem-estar da criança foi definido um período máximo de 11 horas por dia e cinco dias por semana para cada uma poder estar no colégio. Mas há exceções. “Hoje, por exemplo, temos um menino cujo pai entra às 4h da manhã no trabalho, a mãe sai à mesma hora do seu turno e ninguém o consegue vir buscar antes, razão pela qual, excecionalmente, será ultrapassado esse limite. Não tínhamos como dizer não. Tentamos sempre dar resposta às necessidades dos pais e à conciliação da vida profissional e familiar”, explica Luís Costa, diretor pedagógico do colégio Rik & Rok.

Às 19h30, o refeitório está quase vazio. E o silêncio impera. Esta noite jantam apenas quatro crianças no colégio, incluindo um bebé, mas por vezes rondam as 15. Enquanto os outros estão em casa nas suas rotinas com as suas famílias, estas crianças jantam com as educadoras e auxiliares do turno da noite. Despem as roupas e os bibes tricolores e vestem os pijamas, para dormirem até os pais chegarem.

O relógio avança. Mal o Salvador vê a mãe, corre para os braços dela. Desde os dois anos e meio que frequenta o colégio Rik & Rok, já lá vai mais de um ano. A mãe, Tânia Mendes, trabalha numa loja no Dolce Vita Tejo. Quando soube da existência desta creche – através de amigos – não hesitou em inscrever o filho. “A proximidade e os horários alargados foram os fatores chave. E tivemos sorte em conseguir logo vaga, porque a procura aqui é enorme, tal como no outro colégio Rik & Rok, em Alfragide”, comenta Tânia Mendes, sublinhando ainda que, como qualquer outra IPSS, o custo é acessível. “O valor que pago já inclui atividades extra, como natação e Ative Kids. Não pagamos mais nada, o que é ótimo”, acrescenta.

953 CRECHES COM COMPLEMENTO DE HORÁRIO

O colégio da Fundação Pão de Açúcar é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) com horário alargado − a única que está a funcionar ao fim de semana − , onde os pais pagam os valores normais de acordo com os rendimentos do agregado. Das 1862 creches com acordo de cooperação com a Segurança Social, 953 asseguravam horário superior a 11 horas diárias em dezembro, ou seja recebiam da Segurança Social o apoio Complemento de Horário de Creche, segundo os dados enviados ao Expresso pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. A maioria dessas creches insere-se nos distritos de Lisboa (176), Aveiro (165) e Porto (143).

Só no ano passado foram garantidos 111 novos Complementos de Horário em Creche face à assinatura do Compromisso de Cooperação com o Sector Social e Solidário. Depois de a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa ter exigido uma solução para as famílias que trabalham por turnos ou ao sábado, na sequência dos novos horários de trabalho, o ministério de Vieira da Silva esclareceu que o complemento de horário em creche é um apoio que está disponível a todos os trabalhadores. Basta efetuar o pedido junto da IPSS, que deverá requerer à Segurança Social a sua análise.

No ensino privado a procura por creches com horário alargado também tem aumentado nos últimos anos. Segundo Marta Sobral, presidente da Associação de Creches e Pequenos Estabelecimentos do Ensino Particular (ACEPEEP), desde 2012 vários colégios têm alargado os horários de funcionamento. “Antes considerávamos prolongamento a partir das 17h30, agora é a partir das 18h30. Há cada vez mais pais à procura desta flexibilidade, por terem empregos exigentes”, diz a presidente da ACEPEEP.

BENEFÍCIO PARA OS FUNCIONÁRIOS

Mas há também empresas que oferecem creche gratuita com horário alargado aos filhos dos funcionários. É o caso da Jerónimo Martins, que tem dois infantários para os trabalhadores da logística, nos Centros de Distribuição da Azambuja e de Alfena-Valongo, suportados a 100% pelo grupo. Aberta de segunda à sábado e feriados, a creche da Azambuja funciona entre as 5h30 e as 18h e é frequentada por cerca de 80 crianças até aos cinco anos.

No infantário Rik e Rok da Amadora, o ambiente hoje é de festa – é dia de desfile de Carnaval, e os pais das crianças vão poder ver os filhos mascarados, ao contrário de vários outros que trabalham longe das creches. Dora Santos já está na fila para assistir ao desfile do filho Simão, de três anos. A filha mais velha, de 16 anos, também frequentou o mesmo infantário. “Sou mãe solteira e não conto com a ajuda de familiares. Por isso, a possibilidade de ter aqui os filhos veio mesmo a calhar”, confessa Dora, rececionista do centro de distribuição, que diz tentar manter a rotina do filho mesmo nas folgas. Simão fica habitualmente na creche entre as 6h e as 15h. A adaptação foi fácil, garante a mãe.

João Agina, operador de armazém, também aguarda ansioso pelo desfile dos dois filhos, de 16 meses e cinco anos. Entretanto, chega o mais pequeno. A sala de um ano é das primeiras a desfilar. Pedro vem mascarado de índio e bem-disposto. Mas assim que vê o pai salta para o seu colo e desata a chorar. “É normal, ainda é pequeno. Por isso, apesar de trabalhar aqui ao lado não costumo vir vê-lo nos intervalos para não o importunar”, conta João Agina.

Entre a azáfama das educadoras e auxiliares que ultimam as fantasias e a excitação das crianças na zona do infantário, um bebé boceja e gatinha até à porta, enquanto outro está deitado de barriga para baixo a dormir no berçário. Como se nada se estivesse a passar. “Às 10h há ainda bebés que adormecem. O dia para eles já vai longo. Almoçam todos às 11h, porque se há um atraso de cinco minutos ficam a dormir todos”, explica Cristina Santos, diretora pedagógica. Os pais trabalham por turnos que podem começar às 5h30. Alguns aproveitam o transporte disponibilizado pelo grupo em Lisboa, o que obriga as crianças a acordar às 4h e pouco da manhã. Rotinas duras para esta idade, segundo o especialistas.

“O ideal para uma criança é não ir para a creche até aos três anos de idade, pois aumenta o risco de infeção. E depois a entrada deve ser progressiva: os mais pequenos devem ficar de início só uma manhã, porque a tarde deve servir para dormir. Em termos do desenvolvimento, essa seria a situação perfeita”, defende Paulo Coutinho, pediatra e coordenador do Atendimento Pediátrico Permanente do Centro da Criança e do Adolescente do Hospital CUF do Porto. Contudo, admite que é preciso encontrar um equilíbrio entre a vida familiar e profissional. Porque cada caso é um caso, cada família é uma família. “Idealmente uma criança não devia estar no infantário fora do seu horário fisiológico. Pelo menos isso devia ser evitado sempre que é possível”, frisa o pediatra.

COMO COMPENSAR OS FILHOS?

Opinião partilhada pela psicóloga infantil Ana Galhardo: “As crianças precisam de rotinas e de regras definidas para um crescimento saudável. Mas por vezes colocá-las numa creche com horário alargado é indispensável. Porque não há outra opção, fruto das exigências do tempo em que vivemos.”

Os pais que não contam com uma rede familiar alargada próximo de casa e que trabalham por turnos rotativos são obrigados a procurar este tipo de soluções. Apesar de não ser a situação ideal, Ana Galhardo destaca a “grande capacidade de resiliência” das crianças. “Embora existam também cada vez mais crianças com perturbações de todo o tipo, como perturbações de sono e/ou psicológicas, ansiedade ou stress infantil, que tem a ver com a pressa e as exigências do mundo em que vivemos”, observa.

Por norma, não são situações preocupantes mas, por vezes, há uma “falta de vínculo grave entre pais e filhos”. A única forma de compensar, defende Ana Galhardo, é através do investimento em tempo de qualidade. No entanto, isso é difícil por vezes, porque os “pais estão poucas horas por dia em casa” e “chegam frequentemente cansados”. É fundamental também que a família tente criar rotina dentro do caos, potenciando maior comunicação e previsibilidade. “Por exemplo, um pai que vai passar dois dias fora em trabalho deve informar com antecedência essa ausência ao filho. Uma criança possui uma grande capacidade de adaptação, mas precisa de ser informada com tempo. O planeamento é a base.”

 


Entries e comentários feeds.