Crianças que veem muita televisão correm mais risco de bullying

Julho 29, 2015 às 10:00 am | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do site http://www.noticiasaominuto.com de 20 de julho de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Too Much Television? Prospective Associations Between Early Childhood Televiewing and Later Self-reports of Victimization by Sixth Grade Classmates

DR

Desde que a televisão começou a entrar nas nossas vidas e a ocupar uma boa parte da rotina que se têm feito muitos estudos para analisar os seus efeitos, especialmente nas crianças. Um estudo publicado na revista científica Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics relaciona o consumo excessivo de televisão com um dos maiores problemas educativas e sociais de hoje em dia: a violência (bullying) na escola.

Apesar de a Associação Americana de Pediatria desaconselhar que as crianças com menos de dois anos passem tempo a ver televisão, e de que as restantes não passem mais de uma ou duas horas a ver televisão, a verdade é que há muitas crianças em idade pré-escolar que passam quatro horas ou mais a ver televisão, alerta o El Mundo.

O estudo da Universidade de Montreal, no Canadá, sugere que as crianças de 29 meses que passam muito tempo a ver televisão correm mais riscos de sofrer de bullying na escola aos 12 anos.

Os investigadores consideram que o consumo excessivo de televisão pode influenciar de forma negativa as competências sociais das crianças e a forma como estas lidam com os conflitos interpessoais, o que o pode prejudicar na hora de lidar com conflitos sociais que enfrentará na escola.

Passar muito tempo em frente à televisão “deixa menos tempo para a interação com a família, que continua a ser o principal veículo de socialização da criança”, pode ler-se no estudo, citado pelo El Mundo.

Além disso, os investigadores sugerem que “a exposição precoce à televisão está associada a um défice no desenvolvimento das funções cerebrais que tratam da resolução de problemas com outras pessoas, com a regulação das emoções e as capacidades de brincar com outras crianças da mesma idade”.

 

 

 

Screen Addiction Is Taking a Toll on Children

Julho 26, 2015 às 1:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,
Paul Rogers

Paul Rogers

 

Excessive use of computer games among young people in China appears to be taking an alarming turn and may have particular relevance for American parents whose children spend many hours a day focused on electronic screens. The documentary “Web Junkie,” to be shown next Monday on PBS, highlights the tragic effects on teenagers who become hooked on video games, playing for dozens of hours at a time often without breaks to eat, sleep or even use the bathroom. Many come to view the real world as fake.

Chinese doctors consider this phenomenon a clinical disorder and have established rehabilitation centers where afflicted youngsters are confined for months of sometimes draconian therapy, completely isolated from all media, the effectiveness of which remains to be demonstrated.

While Internet addiction is not yet considered a clinical diagnosis here, there’s no question that American youths are plugged in and tuned out of “live” action for many more hours of the day than experts consider healthy for normal development. And it starts early, often with preverbal toddlers handed their parents’ cellphones and tablets to entertain themselves when they should be observing the world around them and interacting with their caregivers.

In its 2013 policy statement on “Children, Adolescents, and the Media,” the American Academy of Pediatrics cited these shocking statistics from a Kaiser Family Foundation study in 2010: “The average 8- to 10-year-old spends nearly eight hours a day with a variety of different media, and older children and teenagers spend more than 11 hours per day.” Television, long a popular “babysitter,” remains the dominant medium, but computers, tablets and cellphones are gradually taking over.

“Many parents seem to have few rules about use of media by their children and adolescents,” the academy stated, and two-thirds of those questioned in the Kaiser study said their parents had no rules about how much time the youngsters spent with media.

Parents, grateful for ways to calm disruptive children and keep them from interrupting their own screen activities, seem to be unaware of the potential harm from so much time spent in the virtual world.

“We’re throwing screens at children all day long, giving them distractions rather than teaching them how to self-soothe, to calm themselves down,” said Catherine Steiner-Adair, a Harvard-affiliated clinical psychologist and author of the best-selling book “The Big Disconnect: Protecting Childhood and Family Relationships in the Digital Age.”

Before age 2, children should not be exposed to any electronic media, the pediatrics academy maintains, because “a child’s brain develops rapidly during these first years, and young children learn best by interacting with people, not screens.” Older children and teenagers should spend no more than one or two hours a day with entertainment media, preferably with high-quality content, and spend more free time playing outdoors, reading, doing hobbies and “using their imaginations in free play,” the academy recommends.

Heavy use of electronic media can have significant negative effects on children’s behavior, health and school performance. Those who watch a lot of simulated violence, common in many popular video games, can become immune to it, more inclined to act violently themselves and less likely to behave empathetically, said Dimitri A. Christakis of the Seattle Children’s Research Institute.

In preparing an honors thesis at the University of Rhode Island, Kristina E. Hatch asked children about their favorite video games. A fourth-grader cited “Call of Duty: Black Ops,” because “there’s zombies in it, and you get to kill them with guns and there’s violence … I like blood and violence.”

Teenagers who spend a lot of time playing violent video games or watching violent shows on television have been found to be more aggressive and more likely to fight with their peers and argue with their teachers, according to a study in the Journal of Youth and Adolescence.

Schoolwork can suffer when media time infringes on reading and studying. And the sedentary nature of most electronic involvement — along with televised ads for high-calorie fare — can foster the unhealthy weights already epidemic among the nation’s youth.

Two of my grandsons, ages 10 and 13, seem destined to suffer some of the negative effects of video-game overuse. The 10-year-old gets up half an hour earlier on school days to play computer games, and he and his brother stay plugged into their hand-held devices on the ride to and from school. “There’s no conversation anymore,” said their grandfather, who often picks them up. When the family dines out, the boys use their devices before the meal arrives and as soon as they finish eating.

“If kids are allowed to play ‘Candy Crush’ on the way to school, the car ride will be quiet, but that’s not what kids need,” Dr. Steiner-Adair said in an interview. “They need time to daydream, deal with anxieties, process their thoughts and share them with parents, who can provide reassurance.”

Technology is a poor substitute for personal interaction.

Out in public, Dr. Steiner-Adair added, “children have to know that life is fine off the screen. It’s interesting and good to be curious about other people, to learn how to listen. It teaches them social and emotional intelligence, which is critical for success in life.”

Children who are heavy users of electronics may become adept at multitasking, but they can lose the ability to focus on what is most important, a trait critical to the deep thought and problem solving needed for many jobs and other endeavors later in life.

Texting looms as the next national epidemic, with half of teenagers sending 50 or more text messages a day and those aged 13 through 17 averaging 3,364 texts a month, Amanda Lenhart of the Pew Research Center found in a 2012 study. An earlier Pew study found that teenagers send an average of 34 texts a night after they get into bed, adding to the sleep deprivation so common and harmful to them. And as Ms. Hatch pointed out, “as children have more of their communication through electronic media, and less of it face to face, they begin to feel more lonely and depressed.”

There can be physical consequences, too. Children can develop pain in their fingers and wrists, narrowed blood vessels in their eyes (the long-term consequences of which are unknown), and neck and back pain from being slumped over their phones, tablets and computers.

Jane E. Brody, 6 de julho de 2015

Ver a Rua Sésamo era tão educativo quanto o ensino pré-escolar

Junho 16, 2015 às 9:14 am | Na categoria A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança, Vídeos | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do Observador de 8 de junho de 2015.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Early Childhood Education by MOOC: Lessons from Sesame Street

STAN HONDA AFP Getty Images

Um estudo americano afirma que ver a série ajudou as crianças no percurso académico. As conclusões abrem portas ao desenvolvimento de programas educativos em outros meios de comunicação eletrónicos.

Sara Otto Coelho

Milhões de crianças em todo o mundo – portuguesas incluídas – de diversas gerações riram com o Popas, o Egas e o Becas, de Rua Sésamo. Mas não só. De acordo com um estudo que vai ser publicado esta segunda-feira, a vertente pedagógica do programa infantil era forte ao ponto de perdurar além dos ensinamentos da escola.

Phillip Levine, economista na Universidade de Wellesley, e Melissa Kearney, economista na Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, quiseram ver até que ponto A Rua Sésamo cumpriu a função de preparar as crianças do ensino pré-escolar para a entrada no ensino básico. De acordo com o estudo, que o Washington Post considera ser o de “maior autoridade” no que toca ao impacto do programa, este foi especialmente benéfico para rapazes, para a comunidade não hispânica, negros e crianças inseridas em meios com problemas económicos.

As conclusões mostraram que assistir às aventuras do Monstro das Bolachas e restantes personagens foi tão proveitosa para estas crianças quanto frequentar o ensino pré-escolar. Os dois investigadores não sugerem, contudo, a substituição da pré-primária pela série, mas sim a complementaridade entre ambas.

A partir das conclusões do estudo, Phillip Levine e Melissa Kearney querem olhar para o futuro. “Se conseguimos isto com a Rua Sésamo na televisão, podemos potencialmente conseguir o mesmo com todo o tipo de meios de comunicação eletrónicos”, disse Kearney, citada pelo Washington Post. “É encorajador porque significa que podemos fazer progressos reais” de forma acessível.

A série televisiva estreou nos Estados Unidos em 1969, numa altura em que os estímulos eram muito diferentes daqueles a que as crianças têm acesso hoje em dia, pelo que comparar os efeitos nas crianças de agora pode dar resultados diferentes. É por isso que Diane Whitmore Schanzenbach, uma economista que teve acesso ao estudo antes da publicação e que foi dando feedback aos autores, prefere destacar a importância da educação pré-escolar no percurso académico das crianças.

Afinal, as horas passadas a ver o Conde de Contar não foram só diversão.

 

 

Estamos demasiado ligados aos telemóveis e à Internet?

Março 18, 2015 às 10:10 am | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

texto do Observador de 10 de março de 2015.

Pulman capta a relação das pessoas com os seus telemóveis no dia-a-dia  Josh Pulman

Pulman capta a relação das pessoas com os seus telemóveis no dia-a-dia Josh Pulman

 

Os portugueses já passam mais tempo na internet do que a ver televisão e 48% tem acesso à rede. Uma série de fotografias questiona se o tempo dedicado ao telemóvel está a ultrapassar os limites.

Catarina Falcão

Quase metade dos portugueses acede diariamente à internet e 38% fazem-nos através dos telemóveis. Aceder à internet no telemóvel é uma realidade não só em Portugal, mas em todo o mundo. Uma mudança de hábitos que se generalizou e que o fotógrafo britânico Josh Pulman captou numa série de fotografias dedicadas à ligação que as pessoas mantêm hoje em dia com os telemóveis.

Viajando por várias cidades do mundo, como Nova Iorque e Londres, o fotógrafo registou uma série de imagens a que chamou Somewhere Else, ou “noutro sítio” em português, que pretendem mostrar as várias atitudes e emoções das pessoas para com os telemóveis e a importância que cada indivíduo parece atribuir ao facto de estar sempre ligado.

Em Portugal, segundo um estudo divulgado em fevereiro deste ano pelo Eurobarómetro, 48% das pessoas acedem à internet e apenas 10% diz não ter acesso à rede. Embora a média europeia de pessoas ligadas à internet seja mais alta – cerca de 63% dos europeus afirmam usar a internet -, os portugueses já passam mais tempo online do que a ver televisão, segundo um estudo da Nova Expressão, e 38% acede à rede através dos seus telemóveis.

Esta utilização dos telemóveis está, também, a ter repercussão nos hábitos de compras dos portugueses, já que mais de 70% das pessoas que acedem à internet afirmam fazer compras online. Os portugueses estão à frente da média europeia no que diz respeito à consulta das suas redes sociais: 76% dos portugueses afirmam que uma das razões para irem à internet é verificar as suas redes sociais, a média dos 28 países é de 60%.

fotogaleria

 

 

Crianças vêem TV mais tempo do que o recomendado

Fevereiro 4, 2015 às 12:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do site  http://www.infosalus.com  de 22 de janeiro de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Virtually impossible: limiting Australian children and adolescents daily screen based media use

Getty Fuse

Los niños ven la tele más tiempo del recomendado

Los niños que ven más de dos horas al día la televisión son más propensos al sobrepeso, realizan menos actividad física y podrían tener un mayor riesgo de dificultades de atención y aprendizaje durante sus años de adolescencia y el inicio de su vida adulta, según diferentes estudios publicados en el último año.

Y lo cierto es que la cantidad de tiempo que los niños pasan al día usando pantallas, como las de televisores y ordenadores, excede las pautas recomendadas por los expertos, según concluye un estudio publicado en la revista ‘BMC Public Health’. Estas directrices se elaboraron en un momento en el que las tabletas, los teléfonos móviles y otros dispositivos móviles no estaban tan presentes en la vida cotidiana, lo que sugiere que deben reescribirse.

El uso prolongado de las pantallas por parte de los niños está asociado con resultados de salud físicos y mentales adversos, como un mayor riesgo de depresión y ansiedad en las adolescentes. Aunque en el presente estudio no se ven directamente los efectos sobre la salud de los niños, este trabajo parte de una investigación longitudinal que lo hará.

En 2001, la Academia Americana de Pediatría publicó recomendaciones sobre que los niños menores de 2 años no deben estar expuestos a las pantallas y se debe limitar la exposición en los mayores de 2 años a menos de dos horas al día. Estas directrices y la mayoría de los análisis de seguimiento se han basado en preguntar a los niños acerca de su consumo de televisión y videojuegos sin preguntar acerca de otros tipos de medios de pantalla.

Para hacer frente a esto, investigadores de la Universidad de Australia Occidental encuestaron 2.620 niños de entre 8 y 16 años de 25 escuelas primarias y secundarias en Australia. Se mostró a los escolares diferentes tipos de pantalla: iPad, iPod Touch, ordenador portátil, PlayStation Portable (PSP), ordenador portátil y Xbox, y ejemplos de los diferentes tipos de actividades que se pueden hacer con estas pantallas: ver la televisión, el uso de mensajería instantánea, jugar a juegos de ordenador y hacer los deberes.

Luego, se les preguntó acerca de la cantidad de horas que utilizan estos dispositivos, desde que se despiertan hasta que se van a la cama, incluyendo antes, durante y después de la escuela. Encontraron que un promedio del 63 por ciento de los encuestados superó las directrices recomendadas de menos de dos horas.

Los niños ven la tele más tiempo del recomendado El más popular entre todos los participantes fue la televisión, con un 90 por ciento que la vio durante la última semana, seguida por el ordenador portátil (59 por ciento), iPad/tableta (58 por ciento) y teléfono móvil (57 por ciento). Hubo variación en el uso dentro de los grupos individuales de edad: el 45 por ciento de los participantes más jóvenes (a partir de 8 años), superó las directrices, y el 80 por ciento de las personas de 14 a 15 años.

DIFERENCIA POR SEXOS

También hubo una diferencia en el uso de la pantalla por sexos, como señala la investigadora principal, Stephen Houghton: “Como se preveía, los niños eran más propensos que las niñas a superar la recomendación de menos de dos horas jugando con el ordenador, pero no se esperaba que las niñas fueran más propensas que los niños a superar la recomendación de menos de dos horas en las redes sociales, el uso de Internet, y viendo películas en la televisión o DVD”.

“De particular interés es la tasa a la que tienen más probabilidades de superar la recomendación de menos de dos horas para las redes sociales a medida que crecían las niñas. En concreto, a los 15 años de edad de las niñas tenían 15 veces más de probabilidades de exceder la recomendación de un consumo de menos de dos horas en comparación con sus compañeras de 8 años y casi siete veces más que los chicos”.

Este estudio se basa en la información aportada por los participantes sobre la utilización de diferentes tipos de pantallas, pero no investigó su efecto directo en la salud de los niños.”La aparición de dispositivos móviles sugiere que las menos de dos horas al día recomendadas pueden ser ya insostenibles dado el aumento de la participación de los medios de comunicación social y el uso de la pantalla derivado de la escuela. Las directrices para el uso apropiado de pantallas también deben tener en cuenta cómo difiere el uso de pantalla según la forma, la actividad, el sexo y la edad”, concluye Houghton.

 

 

 

Uso de “pequenos ecrãs” impede as crianças de dormir, diz estudo

Janeiro 6, 2015 às 12:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 5 de janeiro de 2014.

O artigo citado na notícia é o seguinte:

Sleep Duration, Restfulness, and Screens in the Sleep Environment

Enrique Calvo Reuters

As crianças que têm acesso a tablets ou smartphones nos seus quartos dormem menos do que as crianças que não têm acesso a estes dispositivos à noite, conclui um estudo norte-americano divulgado nesta segunda-feira.

As conclusões da investigação publicadas na revista Pediatrics mostram que ter um chamado “pequeno ecrã” à mão é pior do que ver televisão, no que toca à falta de sono, de acordo com a observação de 2000 crianças em idade escolar.

No geral, aqueles que têm acesso a tablets ou smartphones dormem menos 21 minutos por noite em comparação com os que não usam essa tecnologia e têm mais probabilidade de acusar falta de sono.

Já as crianças com televisão no quarto dormem menos 18 minutos do que as que não têm esses aparelhos na mesma divisão em que dormem.

“A presença de pequenos ecrãs, mas não de televisão, no ambiente de sono, está associada com a percepção de descanso ou sono insuficiente”, indica o estudo de Jennifer Falbe, da Universidade da Califórnia.

 

 

Crianças vão a concurso com música sobre bullying

Junho 18, 2014 às 6:00 am | Na categoria Vídeos | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , ,

Horas passadas frente ao ecrã influenciam bem-estar das crianças

Abril 5, 2014 às 1:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Jornal de Notícias de 2 de abril de 2014.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Protective Effects of Parental Monitoring of Children’s Media UseA Prospective Study

Uma equipa de investigadores norte-americanos concluiu que os pais que limitam o tempo que os filhos passam frente ao ecrã do computador ou da televisão ajudam-nas a obter melhor rendimento escolar, ser menos agressivas, dormir melhor e não ter problemas de peso.

O estudo, publicado na revista “Jama Pediatrics”, foi organizado por um grupo de investigadores liderados por Douglas Gentil, psicólogo da Universidade Estatal de Iowa, nos EUA. Envolveu 1323 estudantes de escolas dos estados norte-americanos de Iowa e Minnesota.

O objetivo era saber de que forma o acompanhamento dos pais em relação ao tempo que os filhos passam em frente ao ecrã dos computadores e televisores influencia os resultados demonstrados pelas crianças em termos físicos, sociais e académicos.

Os investigadores sabiam, com base em estudos já elaborados, que as crianças que passam muito tempo frente ao ecrã têm fraco rendimento escolar, dormem mal e ganham peso.

O estudo concluiu que, ao limitar o tempo frente ao ecrã até cerca de duas horas diárias, os pais conseguem que os filhos revelem, a médio prazo, melhores resultados escolares, além de terem um sono mais compensador e não estejam tão sujeitos à obesidade.

Também concluiu que cabe aos pediatras, psicólogos e médicos de família fazerem recomendações aos pais com base científica no sentido de controlarem as atividades dos filhos.

 

Crianças devem manter-se longe dos tablets e smartphones

Março 25, 2014 às 1:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do site crescer.sapo.pt de 17 de março de 2014.

A notícia citada na notícia é a seguinte (contém links para os estudos):

10 Reasons Why Handheld Devices Should Be Banned for Children Under the Age of 12

sapo

Pediatras norte-americanos dão 10 razões para crianças e jovens, até aos 18 anos, adiarem ao máximo o uso intensivo destes aparelhos.

A Academia de pediatras norte-americana Kaiser Foundation, e a sociedade de pediatria canadiana Active Healthy Kids Canada, foram citadas este mês pela terapeuta ocupacional de pediatria Cris Rowan, num artigo publicado no Huffington Post. Neste artigo, podia ler-se que as crianças até aos 2 anos não devem ser expostas a equipamentos eletrónicos; que as crianças entre os 3 e os 5 anos já o podem fazer, mas apenas uma hora por dia; e que as crianças entre os 6 e os 18 anos devem restringir o uso de telemóveis, tablets ou jogos eletrónicos, a apenas duas horas por dia.

Quanto às razões concretas para justificar estes conselhos, elas são 10:

1. Rápido crescimento do cérebro: Entre os 0 e os 2 anos, o cérebro das crianças triplica de tamanho e continua a ter um rápido crescimento até aos 21 anos. Quando esse desenvolvimento é causado pela exposição excessiva à tecnologias, pode gerar défice de atenção, atrasos cognitivos, aprendizagem deficiente, aumento da impulsividade e diminuição do autocontrolo.

2. Atraso no desenvolvimento: A tecnologia restringe os movimentos, o que pode resultar num atraso de desenvolvimento físico das crianças, o que muitas vezes se reflete num desempenho escolar negativo.

3. Obesidade: A televisão e os vídeo-jogos estão associados ao aumento da obesidade. As crianças que têm um destes equipamentos no quarto, têm 30% mais hipóteses de sofrer de obesidade e todas as doenças que lhe estão associadas, como a diabetes. Por sua vez, uma pessoa obesa tem mais probabilidades de vir a sofrer de ataque cardíaco, enfarte e tem uma menor esperança de vida.

4. Privação do sono: 75% das crianças, entre os 9 e os 10 anos, que usam tecnologias nos seus quartos, sofrem de privação de sono e isso acaba por se refletir negativamente nas suas notas escolares.

5. Distúrbios mentais: O uso excessivo de tecnologia está relacionado com o aumento de casos de depressão infantil, ansiedade, dificuldades de relacionamento, défice de atenção, autismo, transtorno bipolar, psicose e problemas de comportamento.
6. Agressividade: Conteúdos violentos podem gerar crianças agressivas. As crianças estão cada vez mais expostas a conteúdos que envolvem violência física e sexual nos media. Nos E.U.A., a violência exibida nos media é já classificada como um Risco para a Saúde Pública, devido à relação que foi estabelecida entre esta realidade e a agressividade infantil.
7. Demência digital: Conteúdos rápidos podem contribuir para défice de atenção, assim como para uma diminuição da concentração e memória. As crianças que não conseguem prestar atenção a algo, não aprendem.
8. Dependência: Ao haver tanta tecnologia ao alcance das crianças, os pais acabam por lhes prestar menos atenção. Por sua vez, na ausência dos pais, as crianças ficam ainda mais “agarradas” à tecnologia e isto pode gerar dependência. Uma em cada 11 crianças, dos 8 aos18 anos, é viciada em tecnologia.
9. Emissões radioativas: Em maio de 2011, a World Health Organization classificou os telefones móveis na categoria 2B (possivelmente cancerígenos) no que diz respeito às radiações. Tendo em conta estes dados, e que o cérebro das crianças ainda está em desenvolvimento, os riscos para as crianças podem ser ainda maiores.
10. Insustentável: As crianças são o futuro, mas não há futuro se as crianças continuarem a usar excessivamente a tecnologia. Os responsáveis por este estudo consideram de extrema importância que algo seja feito para reduzir o uso das tecnologias por parte das crianças.

Fonte: Huffington Post

 

Referencial de Educação para os Media para a Educação Pré-escolar, o Ensino Básico e o Ensino Secundário – Documento para consulta e discussão pública

Fevereiro 3, 2014 às 10:05 am | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , ,

referencial

Elaborado por Manuel Pinto, Sara Pereira (ambos do CECS) e Eduardo Jorge Madureira

Referencial de Educação para os Media em consulta pública

A Direção-Geral da Educação elaborou, no contexto das Linhas Orientadoras de Educação para a Cidadania, lançadas em dezembro de 2012, uma proposta de Referencial de Educação para os Media para a Educação Pré-Escolar, o Ensino Básico e o Ensino Secundário. O documento, elaborado pelos investigadores Manuel Pinto, Sara Pereira (ambos do CECS) e Eduardo Jorge Madureira, foi colocado a consulta e discussão pública até ao dia 7 de fevereiro. Os interessados podem enviar comentários através de correio eletrónico (edu.media.consulta@dge.mec.pt).

Para aceder ao documento, clicar no link:

http://tinyurl.com/mchouu5

Página seguinte »

Blog em WordPress.com. | O tema Pool.
Entries e comentários feeds.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 908 outros seguidores