LEMA: plataforma online auxilia crianças com autismo

Julho 10, 2018 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Photo by Bence ▲ Boros on Unsplash

Chama-se LEMA e é o primeiro site português nascido para ajudar na Matemática as crianças com perturbação do espectro do autismo (PEA). Criado por Isabel Santos durante o Doutoramento em Multimédia em Educação na Universidade de Aveiro (UA), o LEMA, para além do desenvolvimento do raciocínio matemático destas crianças, quer ainda auxiliá-las nas áreas da linguagem, da leitura, do planeamento ou da gestão de emoções.

“Os resultados obtidos nas sessões de aferição com crianças e com professores e educadores da Educação Especial permitem assumir o LEMA [das iniciais em inglês de Learning Environment on Mathematics for Autistic children] como um importante instrumento de apoio à promoção do desenvolvimento do raciocínio matemático em crianças com PEA”, congratula-se Isabel Santos a autora da plataforma facilmente acessível a partir do link http://lema.cidma-ua.org.

Para além da Matemática, “o LEMA é também um auxiliar aos desenvolvimentos da linguagem e leitura, do planeamento, da memorização, da gestão de emoções, da atenção e concentração e da interação entre pares”. Assim, aponta Isabel Santos, o ambiente digital “poderá constituir-se como um instrumento pedagógico relevante para a premissa de uma escola inclusiva, garantindo o acesso e equidade de crianças com PEA ao processo de ensino e de aprendizagem, preparando a sua transição para uma vida ativa em sociedade”.

Destinado a crianças entre os 6 e os 12 anos diagnosticadas com PEA, o LEMA contém dois perfis de utilizadores – um para o educador e outro para a criança – e integra 32 classes de atividades de matemática, cada uma delas subdividida em cinco subclasses, de acordo com níveis de dificuldade.

A plataforma permite não só a seleção personalizada de uma até dez classes e subclasses de atividades tendo em conta o perfil funcional do utilizador-aluno, como ainda a visualização do registo de desempenho de cada aluno na realização das atividades propostas por parte do utilizador-educador.

 

Crianças com PEA em crescimento

“O layout das atividades/desafios satisfaz os requisitos identificados por vários investigadores da área das tecnologias digitais para crianças com PEA, nomeadamente a presença de poucos itens no ecrã, a utilização de linguagem visual e textual simples e direta e a integração de informações em múltiplas representações, como texto, vídeo, áudio e imagem, fornecendo instruções e orientações claras”, explica Isabel Santos.

O número de alunos diagnosticados com PEA tem aumentado nas últimas décadas em Portugal. O estudo mais recente realizado em Portugal pela Federação Portuguesa de Autismo, referente a 2011 e 2012, apontou uma prevalência de 15,3 crianças/jovens diagnosticadas com PEA em cada 10 mil.

“Apesar das tecnologias digitais terem sido identificadas, pela comunidade científica, como um recurso de grande interesse para indivíduos com esta perturbação”, aponta Isabel Santos, “são escassas as pesquisas que exploram a sua efetiva utilização no sentido do desenvolvimento de capacidades matemáticas” de crianças com autismo. Por isso, o LEMA de Isabel Santos quer também chamar a atenção para a necessidade de se desenvolverem mais ambientes digitais promotores do desenvolvimento de capacidades em crianças com PEA.

Preparado para ser utilizado pelos mais variados dispositivos tecnológicos (computador, tablet, smartphone, etc) e nos mais variados contextos (sala de aula, casa, gabinetes psicoeducativos, etc), o trabalho de Isabel Santos foi orientado pelas professoras Ana Breda, do Departamento de Matemática, e Ana Margarida Almeida, do Departamento de Comunicação e Arte.

O LEMA foi desenvolvido pela Linha Temática Geometrix, do Centro de Investigação e Desenvolvimento em Matemática e Aplicações (CIDMA), emergindo de uma colaboração frutífera entre esta unidade de investigação e a Digital Media and Interaction (DigiMedia) da UA.

 

Fonte: ua online | jornal da Universidade de Aveiro, em 4 de julho de 2018

Anúncios

Daniel Sampaio: “Têm de ser definidas regras e implementados castigos. o que se passa é que nas famílias não há regras”

Maio 31, 2018 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Paulo Rascão – MadreMedia

 

A internet pode aproximar mais do que dividir pais e filhos. Entrar-lhes no telemóvel é invadir a sua privacidade, mas há formas de os fazer falar. Sem ser chato e sem medo de se impor. Por estranho que pareça, nem tudo são problemas psiquiátricos, (…).

Os pais queixam-se de que os filhos passam a vida ao telemóvel. Os filhos revidam e respondem que os pais estão sempre no Facebook. O psiquiatra Daniel Sampaio vem agora dizer uma coisa aparentemente simples: se não podes vencê-los, junta-te a eles. No seu livro “Do Telemóvel para o Mundo”, o médico especializado em adolescência defende que o telemóvel e as novas tecnologias, já não tão novas como isso, podem e devem ser utilizadas como ponte entre pais e filhos e não como fonte de conflitos.

(…)

Afinal, o que mudou nos últimos 20 anos na maneira de ser e de estar de jovens e pais? O que é feito do famoso generation gap? Foi isso que fomos descobrir.

Ouvi-o dizer que considera o telemóvel, em termos de privacidade, uma extensão do cérebro e, por isso, os pais não devem invadi-lo.

Exactamente, penso que é território privado. Defendo que os pais não devem invadir esse território e devem antes estabelecer uma relação de confiança com os filhos para que estes possam falar sobre aquilo que fazem no telemóvel. Como psiquiatra especializado em adolescentes, aquilo a que tenho assistido é que as consultas de psiquiatria são marcadas justamente por questões de comunicação. Ou seja, a utilização do telemóvel tornou-se um ponto de conflito. Nalgumas famílias mais disfuncionais tornou-se uma questão de ruptura: tira-se o telemóvel, há gritos, procura-se o telemóvel onde os pais o escondem, depois passa-se para o computador, utiliza-se a bateria até ao fim e os pais chegam a desligar a electricidade para não se poder recarregar os aparelhos. É um palco de conflito entre gerações. A proposta do livro é que seja exactamente o contrário, uma aproximação entre gerações. Porque a internet, particularmente no telemóvel, permite uma comunicação instantânea entre pais e filhos, entre avós e netos. Se podemos ter isso como uma coisa positiva, é nessa direcção que temos de caminhar.

 

“Provavelmente pela primeira vez na história das famílias há um território em que os mais novos sabem mais do que os mais velhos”

 

E por que motivo se tornou fonte de conflito?

Porque provavelmente pela primeira vez na história das famílias há um território em que os mais novos sabem mais do que os mais velhos. As crianças e jovens são muito mais ágeis e sabedoras das tecnologias a que nós chamamos novas, mas que já não são assim tão novas, e o que acontece é que a autoridade familiar se sente questionada. Os pais têm experiência de vida e em muitas circunstâncias sentem-se por isso capacitados para exercer a sua autoridade: tu fazes assim porque eu sei que isso é mau ou bom. Quando entramos no território da internet, há muito desconhecimento das pessoas mais velhas e isso vem alterar a relação de poder na família. Os mais novos dizem aos mais velhos: “És um totó”, “És um cota”, “Não percebes nada disso”, “Eu é que sei”. Isto veio alterar a hierarquia familiar, digamos assim. O que o livro vem dizer é: tenhamos atenção aos riscos, mas aproveitemos as coisas boas, que são muito mais do que os riscos. Porque a internet veio para ficar. Há quem compare a internet com a revolução da imprensa, iniciada por Gutenberg no século XV. Temos de aproveitar este período para nos aproximar mais dos filhos, dos netos – quem tem netos, como é o meu caso – para fazer com que a internet seja uma ponte entre gerações.

 

“Temos de aproveitar este período para nos aproximar mais dos filhos, dos netos. Para fazer com que a internet seja uma ponte entre gerações”

 

Os pais tiram o telemóvel às crianças para as castigar. E porque é que o dão?

Porque sofrem uma grande pressão por parte dos filhos para que eles tenham um telemóvel. Quase todos os miúdos de dez ou de oito anos têm telemóvel, um smartphone.

Muito menos do que isso: dois, quatro, cinco anos.

Mas isso é completamente errado. Isso é aquilo a que se chama a ama electrónica, a babysitter electrónica: dá-se um tablet ou um telemóvel à criança, ela fica fascinada e fica quieta. O que digo é que é preciso definir regras de utilização desde muito cedo. Aos cinco anos pode jogar um jogo no telemóvel do pai ou do irmão mais velho, mas tem de perceber que há regras, a mais importante de todas é o tempo de utilização. Isso tem de ser interiorizado pela criança, que se não faz isso na altura certa dificilmente poderá aceitar as regras mais tarde. Na família, como na escola.

 

“Têm de ser definidas regras e implementados castigos. O que se passa é que nas famílias não há regras”

 

Também tem falado sobre o assunto em escolas?

Estive ontem numa escola, a Escola Secundária de Carcavelos, onde o telemóvel é utilizado na sala de aula. Tudo porque verificaram que era um inferno proibir o telemóvel quando os alunos estavam sistematicamente a desobedecer, a enviar mensagens, etc. Então optaram por trabalhar as regras de utilização durante um ano e no ano seguinte implementaram o uso segundo os critérios definidos com o acordo da associação de estudantes. Hoje é utilizado como instrumento de trabalho durante uma parte da aula, depois é desligado. Os prevaricadores, aqueles que utilizam o telemóvel de uma forma diferente, são imediatamente punidos com a aceitação dos alunos. Na família deve ser da mesma maneira: têm de ser definidas regras e implementados castigos. O que se passa é que nas famílias não há regras. E tudo se torna anárquico. Quando se torna anárquico, o poder que as crianças e jovens têm por dominarem as tecnologias leva a que a hierarquia se inverta e tenhamos filhos a mandar nos pais, como acontece nalgumas famílias.

 

“O poder que as crianças e jovens têm por dominarem as tecnologias leva a que a hierarquia se inverta e tenhamos filhos a mandar nos pais”

 

Se não fosse o telemóvel ou a internet essas famílias estariam unidas ou, de facto, estaria cada um para seu lado?

Antes essas famílias estavam em frente da televisão. Em 1996, já lá vão 22 anos, escrevi “Voltei à Escola”, e o que os pais me diziam era: “Passam a vida a ver televisão”. E eu respondia: “Há um botão para desligar a televisão”. Nessa altura, as famílias também não falavam. E em 1994 escrevi sobre a síndrome das bandejas, em que cada um pegava no seu tabuleiro e sentava-se em frente da televisão a ver o seu programa, em vez de jantar em família. Portanto, este é um problema que vem de trás. Agora foi empolado porque o telemóvel abre-se para o mundo, não sabemos o que pode acontecer, não controlamos o que estão a ver, com quem estão a falar.

Sempre existiu o generation gap. Esse fosso entre pais e filhos é muito diferente do que era há 20 anos?

Hoje os pais estão mais próximo. Desde o final do século XX, com a Convenção sobre os Direitos da Criança, os pais passaram a debruçar-se muito mais sobre os filhos. De uma forma geral, são mais afectuosos. A maioria dos pais aproximou-se dos filhos, mas perdeu autoridade por causa da camaradagem. Depois veio a fase, no início do século XXI, do “é preciso dizer não”. Ora, só é possível dizer não em determinadas circunstâncias: se os pais forem muito distantes, os filhos não aceitam um não. Se forem muito permissivos – e há pais que o são – evidentemente não conseguem manter o não. Precisamos, e a internet pode ser um contributo para isso, de nos envolver com os mais novos, de estar próximo deles, para daí emergir uma autoridade natural. Se eu estiver distante e quiser impor a autoridade de repente ou, ao contrário, se for muito permissivo e quiser impor-me, não consigo. A autoridade é um tema muito importante.

 

“Devia haver uma série de apoios intermédios, os médicos de família ou o enfermeiro do centro de saúde deviam ter formação e ajudar os pais nestas questões, que não são de psiquiatria na maioria dos casos, são de comunicação”

 

Os pais são muito sujeitos a interferências externas – legislação, escolas, psicólogos, psiquiatras, comissões de protecção – e isso traz medo e indefinição que se reflecte na educação dos filhos…

Os pais estão muito sozinhos. Em Portugal, infelizmente, não há a cultura de os pais conversarem uns com os outros, de haver grupos de pais onde se podem trocar experiências. Os pais estão sozinhos e quando precisam de ajuda vão ao psicólogo ou ao psiquiatra. Devia haver uma série de apoios intermédios; os médicos de família ou o enfermeiro do centro de saúde, por exemplo, deviam ter formação e ajudar os pais nestas questões, que não são de psiquiatria. Evidentemente que há jovens com questões psiquiátricas, mas a maioria das vezes que recorrem ao psicólogo ou ao psiquiatra fazem-no por problemas de comunicação que a internet e o telemóvel vieram tornar mais nítidos, mas que já existiam. Quando há 20 anos os jovens passavam o dia em frente da televisão, o problema era exactamente o mesmo, o exterior é que era diferente. Os pais podem estar inseguros, mas são sempre a principal influência dos filhos, está mais do que provado. E se não sabem como agir, têm de reflectir. Os miúdos não vêm com livro de instruções, mas podem, por exemplo, falar com outros pais, isso é muito interessante. Porque alguns pais são bons a orientar os filhos nos estudos e péssimos guiá-los nas saídas à noite, há pais competentes numas áreas e menos competentes noutras. E é bom trocar experiências, saber como outros fazem.

 

“O nagging persistente: não vale a pena dizer mais do que duas vezes. As coisas têm de ser ditas com voz calma e se houver uma resposta agressiva é preciso chamar a atenção sem confronto, sem tensão, o que não significa falta de firmeza”

 

No livro fala muito no nagging, o chatear constante dos pais – que, quem tem filhos adolescentes sabe, é difícil evitar. Pode explicar a sua teoria?

O nagging, o ralhar persistente. Os adolescentes são contestatários, não aceitam as coisas muito facilmente porque têm dentro deles a ideia de que têm de ser diferentes dos pais. Mas o nagging não é eficaz. O que eu digo é: diga no máximo duas vezes. Não vale a pena dizer mais do que isso, porque se diz mais do que duas vezes vai ter uma retroacção: “A mãe é chata”. E isso também é interessante acerca do telemóvel, a necessidade que os adolescentes têm de descansar agarrando-se às ditas novas tecnologias; mal chegam da escola e a primeira coisa que fazem é precipitarem-se sobre os telemóveis, faz parte da maneira de ser actual. E temos de saber esperar um bocadinho por essa descompressão antes de desatarmos a falar. As coisas têm de ser ditas sem ser de forma persistente e com voz calma e se houver uma resposta agressiva é preciso chamar a atenção sem confronto, sem tensão. Criar pontes de diálogo não significa falta de firmeza, não ser persistentes não significa não ser firme.

 

“Eu digo sempre que a família não é uma democracia. E é muito importante passar essa ideia, a certa altura é preciso decidir”

 

Falou nos direitos da criança e do jovem. Hoje podem justificar tudo, têm sempre uma palavra. Isto, com os filhos, tem de ser uma democracia?

Isso faz parte da cultura actual, os jovens têm muito poder nas famílias, têm muito poder na sala de aula. Mas eu digo sempre que a família não é uma democracia. E é muito importante passar essa ideia, a certa altura é preciso decidir. Há famílias que ficam num impasse: os filhos a justificarem-se, os pais a justificarem-se, todos numa discussão sem fim. Que normalmente termina numa zanga ou com um choro ou qualquer coisa do género. Nestas situações, é preciso dizer que não há condições para continuar a discutir, é preciso decidir. O que não significa que três dias depois não se volte ao assunto para conversar sobre a decisão. Mas os pais são normalmente muito oscilantes e deixam muitas vezes que sejam os mais novos a tomar as decisões, como se tivessem capacidade para o fazer.

 

“Uma adolescência normal é pedir tudo e ficar com aquilo que os pais dão. Cabe aos pais perceberem que os filhos estão sempre a pedir, mas que não têm de dar. E isso começa na infância.”

 

A verdade é que eles estão à espera que os pais decidam, mesmo quando parece que não…

Aconteceu com um jovem de 16 anos uma coisa que achei muito interessante… Quando há um patologia psiquiátrica é normal nas consultas os pais perguntarem-me: “Mas isso é da anorexia ou é da adolescência?” ou “Mas isso é da depressão ou é da adolescência?”, é uma pergunta que fazem muitas vezes, para saber se é daquele problema específico ou da adolescência em geral. E eu interrogo-me muito sobre o que é uma adolescência normal. E perguntei a este rapaz o que é uma adolescência normal. E ele respondeu: “É muito simples: uma adolescência normal é pedir tudo e ficar com aquilo que os pais dão”. Ou seja, quer sair à noite todos os dias, quer comprar o telemóvel topo de gama, quer carta e carro, quer dormir até tarde… Mas depois contenta-se com o que os pais lhe dão. Cabe aos pais perceberem que os filhos estão sempre a pedir, mas que não têm de dar. E isso começa na infância. Há muitos pais que dizem: “Não deu problemas nenhuns até aos 13 anos, mas entrou na adolescência e foi um drama”. Quando vemos isso, verificamos que os pais foram muito permissivos e começaram a ceder às solicitações dos miúdos muito novos. Quando fala com adolescente mais velhos, como fiz com este rapaz, percebe que é muito importante que os pais estejam numa espécie de fundo de palco, de bastidores. Os pais têm de estar ali, embora eles precisem de liberdade.

Voltando ao telemóvel como extensão do cérebro, ou seja, à privacidade. Como se controla, então, a pornografia, as conversas, as amizades? Haverá sempre segredos, mas agora estão também mais expostos.

Pode-se controlar no sentido da confiança, de questionar o que estão a fazer. Até porque vai perceber que, a certa altura, ficam embaraçados se não estiverem a fazer a coisa certa. Isto acontece mais com os rapazes, a propósito de pornografia. Os rapazes vêem muita pornografia – no meu tempo era nas revistas. Não podemos impedir isso, faz parte do desenvolvimento, de uma época. O que podemos fazer é escolher entre ignorar ou perguntar o que andam a ver e explicar. E a segunda hipótese é a atitude correcta, caso contrário deixamos na mão dos outros a explicação e o entendimento daquilo que estão a ver, que pode não ser o melhor e o mais certo. Se controlarmos em casa, eles vão para casa dos amigos. Se controlarmos os amigos, eles vão escolher outros amigos. A perspectiva é a de monitorizar, de acompanhar e não de fazer guerra, de censurar. Assim, eles falam com os pais.

Qual é, para si, o principal problema de os pais terem acesso à informação dos filhos?

O principal problema é que muitas vezes os pais não sabem o que fazer com a informação que descobrem, ficam prisioneiros. Vou dar-lhe alguns exemplos: recentemente – e isto foi exactamente assim – um pai chegou à consulta com o filho de 14 anos, a mãe caladinha, e a primeira coisa que diz é: “Vim aqui porque sou engenheiro informático e tenho um device com o qual entrei no telemóvel do meu filho e vi coisas muito estranhas”. O filho começou a ficar em pânico. “Então e aqui à frente do médico é que dizes isso?” “Sim, vi que entraste em sites pornográficos e ainda por cima homossexuais”. Foi uma coisa terrível. O pai ficou completamente embaraçado com o que viu e a solução que encontrou foi marcar uma consulta no psiquiatra. Quando, no limite, até devia ter sido em casa que devia ter dito: “Olha, entrei no teu telemóvel, vi isto e estou muito preocupado”. Mas ficou de tal maneira preso que não teve outra acção. Outro caso também interessante e que estou a seguir, um rapaz que tem uma depressão, os pais começaram controlar os encontros dele e pediram para falar comigo. E eu cometi o erro de falar com os pais sem ser na presença do miúdo. O que aconteceu foi: ele anda com encontros com raparigas fáceis e isto está a fazer-lhe muito mal, o que vamos fazer? Obtiveram esta informação no telemóvel, ficaram muito chocados e agora? Tive de reunir todos, falar dos encontros dele, etc. Mas isso era uma conversa que podiam ter tido em casa, uma conversa banal entre um rapaz de 16 anos e os pais: com quem é que tu andas, quem são os teus amigos, com quem sais? Voltamos ao ponto de partida, o telemóvel pode ser um elemento para criar proximidade em vez de criar distância.

E se os pais não conseguem falar com os filhos, como fazer?

Têm de promover a conversa. Pode ser um avô, pode ser um tio, um mediador entre pais e filhos. Até um técnico, o tal de que falava, o enfermeiro. Não é preciso que seja logo um psiquiatra, porque isso dá logo a conotação da patologia mental que, em muitos casos, não existe.

Fez parte do grupo inicial que estudou a implementação da educação sexual nas escolas…

Sabe há quantos anos?

Em 2009, não foi?

Sim.

Mas não correu muito bem, correu? Hoje mal se fala no assunto.

Entre 2005 e 2009 correu muito bem. Trabalhámos com as escolas, formámos muitos grupos de professores e a educação sexual ficou integrada na educação para a saúde. Na altura fomos contra uma disciplina única, quando podíamos aproveitar a oportunidade para falar de outros temas muito importantes, como a alimentação e a actividade física, porque havia (e há) muitos alunos com excesso de peso, e portanto uma das alíneas passava pela exercício físico, a segunda era as drogas, a terceira era a educação sexual e a quarta era a violência no namoro. Ao mesmo tempo que se fez este trabalho, formaram-se centenas de professores que trabalhavam a educação para a saúde e que podiam ser os mediadores dessas áreas temáticas nas escolas. Representou um esforço grande e que correu muito bem, a lei foi aprovada na Assembleia da República. O que aconteceu depois é que houve um desinvestimento, deixou de haver um carácter obrigatório e passou a ser opcional. Algumas escolas continuam a trabalhar o tema, mas a nível geral este movimento perdeu força. Seria preciso vir dizer: ficam consagradas por ano tantas horas para a educação sexual, tantas horas para o álcool e drogas, tantas horas para a violência no namoro. Uma formação obrigatória. Agora existe a educação para a cidadania, mas o programa for dizer que devem ser bons cidadãos…

Hoje rapazes e raparigas parecem não se entender. Falo já do final da adolescência e idade adulta: elas dizem que eles só pensam no ginásio e no corpo, eles dizem que elas querem super-homens é só pensam na carreira. Há uma explicação?

Guerra de sexos. Isso tem de ser conquistado na adolescência. É uma questão de educação, tudo isso tem de ser trabalhado na adolescência, no início da adolescência. É quando conhecem o seu próprio corpo e começam a interagir com o sexo oposto – ou com o mesmo sexo se forem homossexuais. É uma fase importantíssima. Para, por exemplo, introduzir o tema do respeito, da ética relacional. Até que ponto é que eu posso pôr mensagens no telemóvel contra uma menina gorda da escola? Um grupo de WhatsApp a dizer mal de uma menina gorda? Evidente que ela ficou em silêncio, até que um deles disse que queria sair do grupo. Isso gerou uma discussão. É sobre estas coisas que os pais e a escola se devem pronunciar. Como é que tu vais respeitar as pessoas que convivem contigo. Ok, é gorda. E então? O rapaz é homossexual? É tudo muito natural, mas os homossexuais sofrem horrores na escola, muitas vezes através de cyberbullying. Se não for assim logo na infância, chegam à idade adulta disfuncionais, não reflectiram sobre isso.

Essa é outra questão. Vivemos na era do politicamente correcto, uma certa carneirada. Queremos que os miúdos aceitem conceitos à força, a diferença só porque sim, sem reflectir, sem debater, sem deixar sentir…

O respeito é importante… Eu faço terapia de casal e, de facto, é sempre o mesmo problema: a disputa do casal em que no frigorífico devia haver uma prateleira para ela e uma prateleira para ele. Simbólico, isto. A apropriação do espaço. O espaço masculino, para os iogurtes dele, as coisas que ele gosta. Quando havia uma mudança, havia uma guerra. Isto é a igualdade levada ao extremo. As pessoas são diferentes. Os homens gostam de sair com os seus amigos e as mulheres gostam de sair com as suas amigas. Há casais que têm extrema dificuldade em aceitar isto. É levada a coisa ao extremo, têm de fazer tudo em conjunto. Não é assim.

 

Artigo de Isabel Tavares para SAPO24, em 21 de maio de 2018.

Estudo relaciona atrasos na linguagem a brinquedos eletrónicos

Abril 5, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

 

Os impactos do contato com a tecnologia na primeira infância são diversos e variam de criança para criança e, principalmente, de contexto para contexto. A recomendação da Sociedade Brasileira é que nenhum contato seja permitido até os dois anos, principalmente durante as refeições ou antes de dormir.

Um novo estudo, realizado pela pesquisa Anna V. Sosa e publicado em 2016 no periódico JAMA Pediatrics, associa a relação direta entre a hiperexposição aos brinquedos eletrônicos, como tablets, jogos de celular e computadores, a atrasos de aprendizado e linguagem.

A partir da observação das formas de brincar da criança e dos níveis de interação com os pais, a pesquisa investiga como a relação entre esses dois elementos influenciam a aquisição de linguagem da criança. O estudo aponta que o ambiente de linguagem em que a criança está inserida na Primeira Infância pode influenciar a aquisição da sua fala, além de afetar a leitura e o futuro sucesso acadêmico.

A pesquisa foi realizada em 2016, com 26 famílias e bebês de 10 a 18 meses. Os pesquisadores concluem que a interação com brinquedos eletrônicos esteve associada a redução na qualidade e quantidade de linguagem recebida pela criança, quando comparados com livros e brinquedos tradicionais. Por esse motivo, o estudo conclui que não recomendável incentivar o contato com jogos eletrônicos no momento em que a criança está desenvolvendo a linguagem.

O texto ressalta também a importância do incentivo à leitura nesta fase do desenvolvimento da criança. “Os pais devem ser encorajados a ler para seus filhos e engajá-los em atividades que proporcionem interações reais entre pais e filhos”. A pesquisa chama a atenção ainda para o bombardeio excessivo de publicidade dirigida não só às crianças mas também aos pais, que podem ser facilmente iludidos por brinquedos autointitulados educativos que prometem incrementar o desenvolvimento”.

Confira um resumo dos principais resultados alcançados:

  • Para promover o desenvolvimento da linguagem, os pais podem investir tempo para ler para os filhos e brincar junto, olho no olho.
  • Brincar com livros ou brinquedos tradicionais é melhor do que brincar com eletrônicos, no sentido de promover um nível qualitativo de comunicação entre pais e filhos.
  • Quando estão brincado com brinquedos eletrônicos, as crianças vocalizam menos, quando comparado ao modo que elas verbalizam e interagem quando estão em contato com brinquedos tradicionais.

Intitulado “Association of the Type of Toy Used During Play With the Quantity and Quality of Parent-Infant Communication” (Em uma tradução livre, “Associação entre o tipo de brinquedo utilizado durante a brincadeira com a quantidade e qualidade da comunicação entre pais e filhos”), o estudo está disponível online e em inglês, para quem quiser se aprofundar na discussão, clique aqui para ler.

 

Catraquinha, de 13 de fevereiro de 2017

Ciclo de Conferências “A voz das crianças nos olhares sobre a infância” no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa de 14 de março a 18 de maio

Março 10, 2016 às 9:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

a voz

CICLO DE CONFERÊNCIAS
“A voz das crianças nos olhares sobre a infância”

O interesse pela infância tem suscitado, desde os anos 80/90 do século XX, um conjunto crescente de pesquisas cujo denomina-dor comum assenta no pressuposto de que as crianças “são sujeitos competentes de produção da vida social”, “actores de corpo inteiro da sua socialização”, indivíduos com direito “à palavra”. Rejeitando uma visão adultocêntrica, estas pesquisas procuram entender a concepção que as crianças têm do mundo que as rodeia e estudar as relações sociais por elas produzidas, a partir do seu próprio ponto de vista. As investigações que dão corpo ao ciclo de conferências inserem-se justamente neste paradigma socio-lógico, tendo subjacente a mesma opção metodológica: dar voz às crianças.

1.ª Conferência: 14 de março | 11h00 | Sala 7 do IE
“Quem habita os alunos? A socialização de crianças de origem africana”, por Irene Santos (IE-ULisboa)

Outras conferências:
11 de abril | 20 de abril | 27 de abril | 4 de maio | 18 de maio

mais informações:

http://www.ie.ulisboa.pt/portal/page?_pageid=406%2C1898837&_dad=portal&_schema=PORTAL

 

6 razões porque as crianças não devem ter smartphones e tablets antes dos 12 anos

Janeiro 19, 2016 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

a

Artigo de Renan Hamann publicado em 30 jun 2014.

Você deixa que seus filhos pequenos ou outras crianças tenham acesso a smartphones ou tablets? Pois saiba que isso pode acarretar uma série de problemas no desenvolvimento deles. Dois grandes institutos da América do Norte — Sociedade Canadense de Pediatria e Academia Americana de Pediatria — foram responsáveis por uma série de estudos bem profundos sobre isso.

A conclusão a que chegaram é bem interessante. Segundo os especialistas, há diversos problemas causados pelos eletrônicos em crianças de até 12 anos. Está curioso para saber quais são eles? Então fique atento neste artigo para saber exatamente em que aspectos a utilização de smartphones e tablets podem ser prejudiciais.

 
1. Problemas de desenvolvimento cerebral

Os cérebros dos bebês crescem muito rapidamente nos primeiros anos de vida. Até completar dois anos, uma criança tem seu órgão triplicado em tamanho. Nesse período, os estímulos do ambiente — ou a falta deles — são muito importantes para determinar o quão eficiente será o desenvolvimento cerebral. Alguns estudos mostram que a superexposição a eletrônicos nesse período pode ser prejudicial e causar déficit de atenção, atrasos cognitivos, distúrbios de aprendizado, aumento de impulsividade e diminuição da habilidade de regulação própria das emoções.

 
2. Obesidade

Você já deve ter ouvido alguma afirmação similar a: “As crianças do século 21 fazem parte da primeira geração de pessoas que não vai viver mais do que os próprios pais”. Um dos grandes motivos para isso é a obesidade, que pode sim estar ligada ao uso excessivo de eletrônicos. Estima-se que crianças com aparelhos no próprio quarto têm 30% mais chance de serem obesas do que outras.

 
3. Problemas relacionados ao sono

A constante utilização dos aparelhos pode acabar gerando dependência em diversos graus diferentes. Um dos problemas relacionados a isso está no fato de que muitas crianças deixam de dormir para jogar, navegar ou conversar nos aparelhos. Além das consequências psicológicas causadas por isso, também é preciso lembrar que a falta de sono noturno pode gerar problemas de crescimento.

 
4. Problemas emocionais

Há estudos de diversas partes do mundo ligando diretamente a utilização excessiva de tecnologia a uma série de distúrbios emocionais. Entre os mais citados pelos pesquisadores estão: “Depressão infantil, ansiedade, autismo, transtorno bipolar, psicose e comportamento problemático”. Crianças tendem a repetir comportamentos dos adultos e de personagens que consideram referências. Logo, a exposição a jogos e filmes com violência excessiva pode causar problemas de agressividade também às crianças de até 12 anos.

 
5. Demência digital

Psicólogos e pediatras dos institutos já mencionados afirmam: “Conteúdos multimídia em alta velocidade podem contribuir para aumento o déficit de atenção.”. Além disso, a exposição a isso também causa problemas de concentração e memória. O motivo para isso seria a redução de faixas neuronais para o córtex frontal, que acontece pelo mesmo motivo recém-mencionado.

 
6. Emissão de radiação

A discussão sobre a relação entre o uso de celulares e o surgimento de câncer cerebral ainda é bem polêmica — e pouco conclusiva. Mas há algo em que os cientistas concordam: as crianças são mais sensíveis aos agentes radioativos do que adultos. Por causa disso, pesquisadores canadenses acreditam que a radiação dos celulares deveria ser considerada como “provavelmente cancerígena” para crianças.

 
Independente do quanto os médicos norte-americanos culpam os celulares e tablets por uma série de problemas infantis, é importante sempre ficar atento aos usos de cada aparelho. Manter os eletrônicos aliados à educação das crianças pode ser uma saída muito interessante, mas sempre evitando os excessos e a superexposição a conteúdos agressivos.

Fonte

 

I WANT MY iPAD! Are our kids getting addicted to technology?

Setembro 15, 2015 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

image-20150819-12414-1l0a0o3

 

“Are toddlers really becoming addicted to technology? There’s certainly a lot of media hype to suggest that they are. And there’s no question the footage of small children breaking down when their tablet is taken away is unsettling:

 

 

Footage such as this is often aimed at showing the evils of technology and the myriad ways digital devices engender bad behaviour among children.

Viewers are often put in a position where they naturally try to apportion blame for such behaviour. In this case, the apparent targets are the technology and even the parents.
Scare tactics

As an expert in children, technology and learning, I question the purpose and proper interpretation of content such as this, regardless of whether it’s presented on prime time TV, headlining a newspaper or a new addition to a parenting blog.

In recent years society has been inundated with scare tactics around children’s increasing use of technology. To date, media articles have blamed technology for various ills in society such as obesity, insomnia, violence, aggression and language development issues.

Unfortunately, these scare tactics often succeed because they cause a sense of guilt among adults and perpetuate a sense of loss of control.

But this type of thinking doesn’t make sense. It suggests that by removing technology from their lives, children will be fitter rather than overweight, and mental health problems such as aggression and depression will diminish. Children’s health and happiness are essential goals, but magic wand thinking is not going to get us there.

The other obvious target of blame when watching the above footage are the parents themselves, and their seeming lack of ability to control their children’s use of technology.

But, as any parent knows, young children can have tantrums over many things. At this age they’re often not psychologically equipped to delay gratification, so we shouldn’t be surprised at their response to technology. In addition, just because they can’t delay gratification now doesn’t mean they won’t develop the capacity later in life.
Embracing technology

Blaming parents for indulging their children is easy, yet many parents correctly recognise that technology is an essential part of modern life. Many professions now require the use of multiple devices over the course of a working day.

In addition, much of our social lives have migrated online, requiring us to make use of technology to stay in touch with our friends and colleagues. Even government support agencies require individuals go online to make a claim or submit an enquiry.

Forbidding children to use electronic devices hampers their ability to engage with the modern world. Research shows that technology offers many educational benefits for children.

These include encouraging them to work with more complex ideas from an earlier age, promoting skills in collaboration and problem solving, accelerating learning in the first year of school, helping children with learning challenges and enhancing mathematics learning. School curricula around the word rely on technology for this very reason”.

Fonte: http://theconversation.com

A educação já não quer (só) o quadro preto, o lápis e o caderno

Junho 29, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Reportagem do Observador de 20 de junho de 2015.

Getty Images

Catarina Marques Rodrigues

Ensinar o corpo humano com vídeos do YouTube e fazer resumos das aulas com um tweet. Demorar cada aula pelo tempo que cada aluno demora a aprender. A educação já não é o que era?

Estamos a assistir a uma revolução na forma de educar os nossos alunos? Os exemplos e as opiniões de especialistas dizem que sim. A mudança não só é uma realidade, como uma necessidade. A Quartz debruça-se sobre o conceito de blended learning — um programa de educação em que o estudante aprende, pelo menos em parte, com recurso a conteúdos pela via digital e dos media. Estendendo este conceito ao máximo, temos a base da Khan Academy, que disponibiliza vídeos online sobre todas as disciplinas e para todos os anos, com explicações interativas. Dos mais de dois mil vídeos, consta, por exemplo, um sobre “o que são as células” e outro sobre “o que é a inflação”.

Em vez de se medir o tempo passado na sala de aula (duas horas de português, duas horas de matemática, duas horas de ciências da natureza), há quem esteja a propor que a educação se vá orientando pelo tempo que o aluno demora a aprender cada matéria. Ou seja, se o aluno aprender os conteúdos de português numa hora e os de matemática em três, então essa adaptação vai-se fazendo de forma personalizada, em vez de se cumprir o tempo definido a passar na sala de aula. Este é um modelo já seguido em algumas escolas de New Hampshire (EUA), conta a publicação.

A revolução do digital já está em todo o lado e motivou académicos e especialistas a escrever a “Open Letter on the Digital Economy” (Carta aberta sobre a economia digital). Os subscritores recomendam uma série de políticas públicas aos EUA para aproveitarem as vantagens das ferramentas digitais. Uma das áreas em destaque é precisamente a educação. “Temos de reinventar a educação, sobretudo nas disciplinas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Temos de nos afastar de uma aprendizagem mecânica e temos de nos basear mais nas nossas capacidades tão únicas, como a criatividade e as relações interpessoais”, lê-se no texto.

“Durante as últimas décadas o nível de educação estagnou e, ao mesmo tempo, a necessidade de competências que estão ligadas à explosão das tecnologias digitais continua a aumentar”, recomendam os subscritores, entre os quais estão professores da Universidade de Toronto, da Harvard Business School e os vencedores do Prémio Nobel de Economia de 2007 e 2013. “Temos de redesenhar a forma como educamos em todos os níveis, e usar o poder das tecnologias digitais”.

A resistência à mudança sente-se também em Portugal. Em outubro, David Rodrigues denunciava na conferência “A Inclusão nas Escolas” que os professores estão muitas vezes “pouco disponíveis para modificar a sua forma de ensinar”. Em entrevista ao Observador, o professor catedrático na Universidade Portucalense e diretor da revista “Educação Inclusiva” referia que os docentes deviam usar a internet, as redes sociais e os dispositivos móveis para ensinar, já que são ferramentas próximas dos alunos. E exemplificava. “Há professores nos Estados Unidos que pedem um resumo da aula aos alunos com um tweet.

David Rodrigues sugere que se use filmes do YouTube para explicar uma matéria ou que se use o Facebook para comentar uma fotografia e falar sobre um assunto. “Não coloquem as novas tecnologias fora da escola. Aceitem-nas para que elas possam contribuir”, pede o especialista.

Há professores a pensar: ‘como é que eu vou dar o corpo humano?’ Não é nada difícil, há cinco mil vídeos no YouTube sobre o corpo humano”, explica

“A maior parte dos professores pensa; ‘uma coisa é aula, que tem o livro, o caderno de fichas e o quadro preto, e outra coisa são os smartphones e os tablets. Errado. A escola do século XXI tem de ser diferente porque os alunos são diferentes”, remata o professor.

 

 


Entries e comentários feeds.