Apenas 13% dos portugueses fala correctamente pelo menos duas línguas

Julho 6, 2012 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 21 de Junho de 2012.

Os documentos mencionados na notícia são os seguintes:

 Eurobarómetro: 98 % dos inquiridos opinam que aprender línguas é bom para os filhos, mas testes realçam défice de competências             

Special Eurobarometer 386 Europeans and their Languages / Especial Eurobarómetro 386 «Os Europeus e as línguas»

Final Report of the European Survey on Language Competences 2012

O Eurobarómetro, divulgado esta quinta-feira, revela que os portugueses são os que apresentam das maiores taxas de probabilidade de não falar qualquer língua estrangeira (61%), só os húngaros e os italianos apresentam piores resultados, 65% e 62% respectivamente.
Portugal fica assim a 12% da média europeia e cai dez pontos percentuais face ao anterior relatório.
A sondagem, efectuada em 14 países da zona Euro, revela ainda que 98% dos pais acha importante que os seus filhos falem outras línguas, mas um estudo complementar da Comunidade Europeia (CE) diz que apenas 42% dos adolescentes são competentes a falar outra língua que não a materna.
Cerca de metade dos europeus (54%) tem capacidade para manter uma conversação em pelo menos uma língua adicional, um quarto (25%) consegue falar pelo menos duas línguas adicionais e apenas 10% sabe conversar em pelo menos três línguas.
Perante os resultados Androulla Vassiliou, comissária europeia responsável pela Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude, alerta que o domínio de outras línguas é crucial pois “expande os horizontes e abre portas, aumenta a empregabilidade e, no caso das empresas, pode criar mais oportunidades no mercado único”.
Luxemburgo, Letónia, Países Baixos, Malta, Eslovénia e Lituania foram os países que apresentaram melhores resultados, ao nível das competências linguísticas.
O inquérito salienta que existe um fosso entre as aspirações e a realidade no que toca às competências em línguas estrangeiras na prática: testes efectuados entre alunos adolescentes em 14 países europeus mostram que apenas 42% são competentes na sua primeira língua estrangeira e 25% na segunda. Um número significativo, 14%, no caso da primeira língua estrangeira, e 20%, na segunda, não atingem nem o nível de “utilizador de base”.
Para os dados do inquérito, realizado na Primavera de 2011, foram inquiridos cerca de 54 mil alunos de 14 países da União Europeia

31% dos jovens não sabe o que se comemora a 5 de Outubro em Portugal

Outubro 5, 2010 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Em sondagem exclusiva para o Grupo Marktest em Notícias, 31% dos jovens entre os 18 e os 24 anos revelaram não saber responder à questão que pretendia conhecer o que se comemora no próximo dia 5 de Outubro em Portugal.

No ano em que a implantação da república em Portugal comemora o seu centenário em Portugal, o Grupo Marktest em Notícias realizou uma sondagem exclusiva, através do Fonebus da Marktest, para conhecer a opinião dos portugueses sobre a República.

À primeira questão (O que se comemora no próximo dia 5 de Outubro?), a maioria dos inquiridos, 54.0%, respondeu tratar-se da Implantação da República, havendo ainda 8.3% que referiu O dia da República, 1.2% Os 100 anos da República e 0.9% o Aniversário da República, o que, em conjunto, perfaz 64.4% de respostas.

Houve ainda uma série de referências erradas, como O dia da Independência, O dia de Portugal, A Restauração, A Revolução ou O dia da Liberdade, que em conjunto totalizaram 10.5% das respostas. A esta pergunta, não souberam responder 24.1% dos entrevistados nesta sondagem.

Mas as respostas variaram, sobretudo de acordo com a classe social e a idade dos entrevistados. Entre os jovens dos 18 aos 24 anos, 31.4% não soube ou não quis responder à questão, enquanto 49.5% referiu correctamente tratar-se do dia da Implantação da República.

As maiores referências correctas a esta questão foram encontradas junto dos indivíduos dos 55 aos 64 anos (62.5%) e dos indivíduos das classes alta e média alta (72.6%).

Numa segunda pergunta, tentou avaliar-se o grau de conhecimento do sistema político vigente. 48.9% das respostas apontou a nossa como uma democracia parlamentarista, 11.3% referiu tratar-se de uma democracia Semi-Presidencialista, 6.9% considerou tratar-se de uma democracia Presidencialista e 32.9% não soube ou não quis responder à questão.

Inquiridos quanto aos poderes do Presidente da República, 48.6% dos entrevistados considerou que o Presidente deveria ter mais poderes do que os actuais, 37.5% referiu que o Presidente deveria ter os mesmos poderes, enquanto 5.1% foi de opinião que o Presidente deveria ter menos poderes. 8.8% não soube responder à questão.

Finalmente, a maioria dos entrevistados considerou que hoje estaríamos pior se Portugal tivesse continuado como sendo uma Monarquia, uma resposta dada por 37% dos entrevistados. Pelo contrário, para 19.7% dos inquiridos estaríamos hoje melhor como monarquia e para 14.0% estaríamos igual. 29.3% não soube ou não respondeu à questão.

Esta sondagem foi realizada entre os dias 14 e 17 de Setembro de 2010, de acordo com a seguinte Ficha Técnica. Contacte-nos se pretende mais informações sobre este assunto.


Entries e comentários feeds.