Regresso a que aulas?

Outubro 9, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Expresso

Texto de opinião de Nuno Lobo Antunes publicado no Expresso de 16 de setembro de 2018.

Em tempo de regresso às aulas, o neuropediatra Nuno Lobo Antunes discorre sobre as mudanças ocorridas na sociedade e questiona se o tempo da educação, a velocidade com que se mudam prioridades e programas, reflete as alterações na forma de viver e pensar das comunidades.

A sociedade mudou. E o ensino?

Pertenço a uma geração que aprendeu com o modelo educativo francês. Na verdade, do final dos anos 50 até à primeira metade dos anos 60, a cultura era francesa. As senhoras liam o “Paris-Match” em vez da “Hola”. As revistas para jovens eram francesas (“Salut les copains”), tal como a música que se ouvia, ou o cinema de autor. A banda desenhada chegava da Bélgica. O segundo idioma era o francês, de ensino obrigatório durante cinco anos. A minha geração e a dos meus pais falava essa língua bastante melhor do que o inglês.

As aulas do Liceu (Lycée), baseavam-se no decorar de informação em séries consecutivas de “abre chavetas”. A memória era o instrumento de aprendizagem do Ensino Primário à Universidade. Começava por se cantarolar a tabuada e acabava-se a “empinar a sebenta”. Francesa a moda e a educação.

Nos finais dos anos 60, início dos anos 70, surge um movimento de juventude muito forte. A luta pelos direitos civis nos EUA, a revolução estudantil de Maio de 68, a luta pela autonomia universitária e democracia em Portugal. As universidades americanas manifestam-se contra a Guerra do Vietname e há mortes nos campus universitários. Os ventos de mudança atravessam o Atlântico e faz-se a transição do “Il est interdit d´interdire” para “make love not war”.

Com o 25 de Abril, a democratização do ensino, a igualdade de género e a revolução sexual viraram os costumes de pernas para o ar. A relação entre os educadores e os alunos transforma-se. Métodos e matérias perdem fixidez. Para muitos professores o processo é traumático: não tinham sido educados assim.

A questão é se a educação acompanha as mudanças da sociedade. É banal dizer-se que o tempo da justiça é diferente do tempo mediático. A pergunta é se o tempo da educação, a velocidade com que se mudam prioridades e programas, reflete as alterações na forma de viver e pensar das comunidades.

A resposta não é difícil. Quem detém o poder não pertence à geração que transforma, antes à que transformou, e passada a fase de mudança torna-se conservadora, isto é, envelhece e defende-se do que não domina.

Quando era um médico jovem, ficava espantado pelas recomendações dos livros de texto para as situações de urgência. Muitas vezes sugeriam medicamentos em desuso há décadas. Um dia percebi porque era assim: os autores dos livros de referência tinham mais de 40 anos, e nos EUA, há muito tempo tinham deixado de fazer urgências. Dizia Bernard Shaw: “Quem sabe faz. Quem não sabe ensina”. A ironia, por vezes, é um retrato.

Durante o último centénio os professores ensinavam, isto é, forneciam conhecimento, na maior parte das vezes sinónimo de informação: rios de Portugal, capitais da Europa, datas, teoremas, reis das diferentes dinastias, preposições simples, etc. Fazia sentido: a informação estava em livros, os livros eram caros, as famílias no geral culturalmente pobres. Hoje, o Google faz esse papel com maior rapidez a custo (quase), zero. A maior biblioteca do mundo cabe no bolso de trás dos jeans.

A velocidade com que os filhos encontram a novidade num smartphone é bem superior à dos pais. Pela primeira vez na história da humanidade, os alunos são mais eficientes do que os professores a manipular os instrumentos de acesso à informação.

Pais e professores defrontam-se com problemas inteiramente novos: a pornografia é universal e grátis. Rapazes e raparigas desde o início da adolescência são espectadores de imagens para além do explícito. No entanto, como utilizar essa informação para educar é um assunto adiado.

Se antes as questões da educação sexual já eram difíceis para uma geração dividida entre os valores da liberdade individual, e uma espécie de bússola moral herdada dos seus pais, hoje mais complexo se torna para o adulto gerir o que não é possível proibir. Não se pode afastar o olhar do omnipresente. Já não basta saber usar o power-point, é necessário ensinar a utilizar a tecnologia que, paradoxalmente, as crianças manipulam com maior proficiência do que os professores.

Há, contudo, algo que um motor de busca não faz: ensinar a pensar, a selecionar a informação, a distinguir o trigo do joio. Navegar perante os escolhos da mentira, da desinformação e marketing, para selecionar o que é relevante. As redes sociais reforçam os enviesamentos em vez de estimular a interrogação sobre as nossas próprias convicções. As pessoas agrupam-se por certezas partilhadas que desencorajam a experiência de pensar diferente

Creio que um dos papéis fundamentais da escola do novo tempo é esse mesmo: ensinar a perguntar mais do que a responder, assim os professores o compreendam e se libertem eles mesmos dos pecados enunciados. É preciso demonstrar que ter opinião dá muito trabalho, e o Google é ponto de partida e não de chegada.

 

 

O que significa ser a última geração que viveu o mundo analógico

Setembro 4, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto do site https://www.nexojornal.com.br/ de 5 de setembro de 2016.

Ana Freitas 05 Set 2016 (atualizado 18/Jul 12h37)

Você se lembra de quando se via sem nada para fazer e contemplava o ócio, sem sacar o celular do bolso? Essa é uma reflexão que tende a acabar junto com aqueles que vivenciaram o mundo off-line.

Quando foi a última vez que você se viu sem absolutamente nada para fazer e contemplou o ócio? Momentos como esse têm se tornado cada vez mais raros no cotidiano. O motivo é que, mesmo naqueles minutos de espera do ônibus ou da chegada de um amigo no bar, sua atenção é desviada para o celular.

Muito em breve, esse tipo de reflexão sequer existirá. A última geração que viveu o mundo completamente analógico —e portanto pode comparar a espera off-line e a on-line—, não terá mais representantes em cerca de 40 ou 50 anos. E as experiências pessoais sobre como a vida era antes e depois do digital desaparecerão com ela.

Essa é a provocação do jornalista canadense Michael Harris. Autor do livro “O Fim da Ausência”, lançado em 2014, Harris fala sobre a última geração “bilingue” — capaz de traduzir o mundo analógico para o digital, e vice-versa — e como essa será a última geração a conhecer o que chamamos de “não fazer nada”.

 A geração em transição

Harris defende que qualquer pessoa que tenha nascido antes de 1985 faz parte da última leva de seres humanos que sabe o que é a vida sem internet — “estão fazendo a peregrinação do antes para o depois”, escreve Harris.

O “antes” é um mundo em que a comunicação era mais lenta e acontecia de maneiras completamente diferentes, no qual havia menos tipos de entretenimento e os pensamentos e opiniões pessoais das pessoas recebiam menos atenção pública.

Para Harris, os indivíduos que conheceram o mundo analógico têm uma habilidade única — a capacidade de notar como a introdução da tecnologia no mundo mudou a maneira como as pessoas se relacionam. E esse é o público alvo do livro, de acordo com ele.

O maior prejuízo que a ubiquidade da tecnologia vai causar às gerações futuras, de acordo com o autor, é a ausência da sensação de ausência. O estado de conexão permanente, com o celular ligado no bolso, nos impede de estar definitivamente sozinhos.

Ainda assim, Harris fala disso mais como observador e menos como crítico. O autor assume uma postura sobre o “antes” e o “depois” que não tenta classificar um ou outro como melhor ou pior, mas só como “como as coisas são”.

Harris não foi o primeiro a falar sobre como a tecnologia nos afasta do ócio. O comediante norte-americano Louis C.K., em uma entrevista em 2013, refletiu sobre a ausência de momentos solitários nos tempos modernos — e, de maneira tragicômica, sobre como nos ocupamos com a tecnologia para afastar reflexões existenciais que podem trazer frustração.

 “Você precisa cultivar a habilidade de ser você mesmo e não estar fazendo nada. É isso que os celulares estão tirando, a habilidade de só ficar sentado [fazendo nada]. Isso que é ser uma pessoa. Porque por baixo de tudo na sua vida tem aquela coisa, aquele vazio — eterno. O conhecimento de que nada vale a pena e que você está sozinho. Está lá, no fundo. E às vezes quando tudo sai da frente, você não está assistindo nada, no seu carro, sozinho, você pensa ‘Ah, não, lá vem. Estou sozinho’. Começa a vir. Só aquela tristeza. A vida é triste demais, só estar nela…”

 Louis C.K.

Comediante norte-americano, em entrevista ao programa Late Night With Conan O’Brien

Apesar do tom bem humorado, a provocação de C.K. se conecta com as reflexões de Harris no livro. “Logo, ninguém vai se lembrar da vida antes da internet. […] Os silêncios provenientes de ‘sonhar acordado’ nas nossas vidas foram preenchidos: as solidões sufocantes foram extintas. Não há ‘tempo livre’ verdadeiro quando você está com seu celular”, diz o livro.

 “Na medida em que adotamos os dons da tecnologia, normalmente falhamos em considerar o que a tecnologia pede de nós em troca — os pagamentos sutis, que dificilmente notamos e que fazemos em troca de seu maravilhoso serviço. […] Por que nos importaríamos em notar o fim da solidão, da ignorância, da ‘falta’? Por que deveríamos nos importar que a ausência desapareceu?”

 Michael Harris

No livro “The End of Absence”, de 2014

O autor argumenta que vai faltar, no futuro, a capacidade de deixar a mente correr livremente, de se sentir entediado e a importância das descobertas feitas nesses momentos. Mas que só essa geração “híbrida” vai sentir falta dessas coisas como parte da experiência humana.

Valor próprio definido por curtidas

Outra mudança, escreve, está na maneira como avaliamos nosso valor como pessoas — que, nos nossos tempos, frequentemente está conectado com números em redes sociais. A capacidade de observar isso, diz, também é exclusiva dessa geração que está passando pela transição entre dois mundos.

“Acho que tem a ver com a noção de prestação de contas [de si mesmo] online. Então [há a ideia de que] se um tweet ganha centenas de reweets, deve significar que meus pensamentos valem [alguma coisa]. Se minha foto é muito curtida, deve significar que sou bonito. Uma das coisas que me preocupa na conexão permanente é que perdemos a habilidade de decidir, por nós mesmos, o que pensamos sobre quem somos”, disse Harris, em entrevista ao site Quartz.

O livro de Harris, como muitos do tipo que analisam as mudanças sociológicas impulsionadas pela revolução digital, foi escrito depois que o autor decidiu tirar uma folga de um mês de qualquer aparelho digital.

Seu período sabático, no entanto, não despertou nenhuma habilidade adormecida ou desencadeou um momento de epifania: ele concluiu que uma pausa ocasional pode ser útil, embora quase inviável para a maioria das pessoas. “Acho que o que você consegue [de um período de abstinência do digital] é uma luz interior mais rica e a habilidade de se enxergar de uma perspectiva mais crítica. Porque, se você está no meio de algo, nunca dá para ver propriamente”, disse, sobre a experiência.

 

 

 

Escolaridade dos pais ainda é determinante no percurso dos filhos

Outubro 31, 2015 às 8:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 21 de outubro de 29015.

adriano miranda

 

Romana Borja-Santos

Estudo acompanhou jovens nascidos na década de 1990 e entrevistou-os em vários momentos. Percurso escolar ainda é muito influenciado pelos anos de escolaridade que os próprios pais conseguiram e pelo rendimento das famílias.

É jovem, tem 21 anos e 15 ou mais anos de escolaridade. Quem serão os seus pais? A pergunta, aparentemente, pode não fazer sentido. Mas a resposta mais comum, encontrada por um estudo que será apresentado nesta sexta-feira, ainda aponta para que este rapaz ou rapariga seja filho de um casal com um nível de escolaridade idêntico. Caso os pais tenham menos habilitações, então o mais provável é que este jovem tenha conseguido contrariar esse determinante social com mais leitura, estudo e desporto durante a adolescência. É também mais verosímil que seja uma rapariga.

“A classe social de origem e a educação dos pais ainda têm muito peso no percurso escolar dos filhos. A origem social ainda pesa muito, apesar de os filhos com ensino superior terem triplicado em relação aos pais que tinham chegado a esse nível”, resume ao PÚBLICO a socióloga Anália Torres, coordenadora do estudo Reproduzir ou Contrariar o Destino Social?. O trabalho será apresentado nesta sexta-feira na Fundação Champalimaud, em Lisboa, e faz parte do projecto Epiteen24 (Epidemiological Health Investigation of Teenagers in Porto).

A investigação da também professora do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa contou com uma amostra de 2942 pessoas nascidas na década de 1900 e que em 2003/2004 frequentavam as escolas públicas e privadas do Porto. O grupo tem sido acompanhado e inquirido aos 13 anos, 17, 21 e agora 24 anos, com os investigadores a publicarem vários trabalhos ao longo deste período. Os dados recolhidos aos 21 anos já estão totalmente fechados e a equipa está a trabalhar os resultados obtidos aos 24 anos.

As conclusões do estudo antecipado ao PÚBLICO apontam, de forma clara, para que “uma parte substancial das diferenças no desempenho educacional está associada à escolaridade dos pais, o que sugere a continuidade de mecanismos de desigualdade de oportunidades num quadro geral de democratização da educação”. Anália Torres destaca que, independentemente da escolaridade, os rendimentos do agregado familiar também pesam, com as famílias com menos habilitações mas com mais orçamento a conseguirem levar os filhos mais longe na escola.

A propósito do peso dos pais nas diferenças encontradas, a investigadora exemplifica que a taxa de chumbos alcançou os 78% entre os jovens com menos anos de escolaridade e filhos de pessoas com menos habilitações. Entre os jovens com pelo menos 15 anos de escolaridade e filhos de pais com os mesmos anos de estudos a taxa de reprovação em algum momento do percurso escolar ficou-se pelos 1,6%. De destacar que nos inquiridos que conseguiram ultrapassar os pais com menos habilitações a taxa de chumbos cai para 12,9%.

Apesar disso, Anália Torres ressalva que há situações positivas e tendências que contrariam esta realidade maioritária. “Há casos que mostram que há também hipótese de as pessoas, através da educação, poderem melhorar a sua situação. É muito mais fácil para os que têm pais com escolaridade elevada chegarem eles próprios a uma escolaridade elevada, mas a escola também pode correr bem aos jovens com pais com escolaridade mais baixa, desde que se foquem”, diz.

A investigadora dá como exemplo que os jovens que aos 13 anos tinham hábitos de leitura, de estudo e de desporto chegaram mais longe nos estudos, independentemente do percurso dos pais. “É como se o esforço da leitura, do estudo e do desporto acabasse por poder compensar o nível de educação”, afirma. Paradoxalmente, estes adolescentes viam tanta televisão e jogavam tanto computador como os que obtiveram piores resultados.

A socióloga adianta que nas entrevistas que fizeram agora aos jovens com 24 anos que estão a tentar perceber em que medida é que foram os próprios alunos a fazer este esforço ou os pais a incentivar – tentando distinguir, por exemplo, os casos em que pais e filhos estudavam juntos. Porém, avança que os resultados preliminares apontam para que a crise tenha “acentuado algumas diferenças”, com mais jovens a deixarem os estudos não por insucesso mas por “necessidade de trabalharem devido a situações de desemprego dos pais”.

Outra tendência interessante identificada está nas diferenças entre rapazes e raparigas. “No grupo de jovens com pais pouco escolarizados são as raparigas que atingem maior nível de escolaridade”, representando dois terços do total. Também “no grupo de jovens cujos pais têm licenciatura ou mais, são os rapazes que encontram maior dificuldade em atingir o mesmo nível de escolaridade”, acrescenta-se. Mas Anália Torres ressalva que na chegada ao mercado de trabalho a realidade inverte-se. “No mercado de trabalho parece que as vantagens das raparigas desaparecem. Estão mais desempregadas e com trabalho a tempo parcial. É como se pudessem vir a ser mães e isso as prejudicasse, o que é uma contradição em relação ao mérito”, lamenta a socióloga.

A este propósito, sublinha que encontraram algumas explicações numa parte em que avaliaram o chamado capital social dos jovens e em que se percebe que as redes de apoio dos rapazes são mais públicas e as das raparigas mais familiares. “Uma das interrogações que fizemos foi ‘onde é que os rapazes compensam se elas estudam mais e se apresentam mais cedo no mercado de trabalho e com mais habilitações?’”, explica, concluindo que “uma das coisas que é muito interessante verificar é que eles fazem o que se chama de mais bridging, ou seja, através do desporto e de redes de conhecimento mais públicas mobilizam contactos de emprego e compensam as falhas em termos de estudo”.

 

 

Palavra de Cidadão de Manuel Coutinho

Setembro 24, 2013 às 1:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Declarações do Dr. Manuel Coutinho (Secretário–Geral do Instituto de Apoio à Criança e Coordenador do  Sector SOS-Criança do Instituto de Apoio à Criança) no dia 18 de Setembro de 2013 à Visão Solidária.

Visão

“Todos somos claramente responsáveis pelo tipo de sociedade em que vivemos. A sociedade reflete a forma como estamos a exercer a cidadania: por um lado queixamos-nos que há interesses minoritários que não defendem o bem comum, que não há respeito pelos valores e pelo próximo.

Mas, por outro lado a sociedade está muito carente de pessoas empenhadas e participativas.  Vivemos no paradigma da democracia nos dar a possibilidade de através dos Direitos e Deveres, nos relacionarmos de uma forma participativa com a sociedade, com o objectivo ultimo de a humanizar e de todos termos um mundo melhor.

Só que, se pela nossa postura conformista, muitas vezes, demasiadas, demitimo-nos e  desresponsabilizamo-nos da nossa participação activa, ao deixarmos para amanhã tomadas de atitude que se perdem no tempo, porque deviam ter sido tomadas hoje.”

 

Mestrado em Educação e Sociedade

Agosto 31, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mestrado

Mais informações Aqui

Conferência – Famílias no Plural : alargar o conceito, largar o preconceito

Outubro 5, 2011 às 1:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

 

Mais informações Aqui

Mestrado em Família e Sociedade

Julho 2, 2011 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

O Mestrado em Família e Sociedade, em funcionamento com esta designação desde 2003, dá continuidade ao mestrado em sociologia da família que tem funcionado periodicamente desde há cerca de 20 anos. Apresenta-se como um ciclo de estudos aprofundados e especializados sobre temas da família e das políticas sociais no âmbito das questões familiares, em Portugal e na Europa. O mestrado em Família e Sociedade tem-se mostrado relevante no desenvolvimento de competências científicas e técnicas interdisciplinares, cruzando perspectivas e abordagens acerca da família, do género, das gerações e relações familiares, constituindo formação complementar e aprofundada para um universo vasto de candidatos interessados neste curso. Tratando-se de uma área com significativa procura, o presente ciclo de estudos veio preencher uma lacuna a nível da formação pós-graduada neste domínio.

Tem como destinatários licenciados provenientes de diversas ciências sociais, ciências humanas e ciências da saúde, inseridos em distintos campos profissionais que lidam com as problemáticas da família e/ou das políticas sociais com a família relacionadas, ou com interesse no aprofundamento de conhecimentos científicos e no desenvolvimento de capacidades profissionais nestas temáticas.

O mestrado tem a duração de dois anos (quatro semestres). Os dois primeiros semestres incluem um total de 10 unidades curriculares (60 créditos ECTS), obrigatórias e optativas, correspondendo cinco a cada semestre. Deste conjunto, fazem parte unidades curriculares obrigatórias no âmbito dos estudos sobre a família e as políticas sociais na área da família, de formação metodológica em desenho da pesquisa, e também optativas livres ou de formação supletiva. O terceiro semestre complementa a formação na área das questões sobre a família com uma optativa em família e sociedade e reforça a formação metodológica com uma unidade curricular de técnicas especializadas de pesquisa, com o objectivo de apoiar a elaboração da dissertação ou trabalho de projecto, o qual é desenvolvido ao longo dos terceiro e quarto semestres, e conclui o mestrado.

Área científica predominante do curso: Sociologia

Mais informações Aqui

Congresso Educação e Sociedade

Maio 17, 2011 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

O Departamento de Educação do Instituto Superior de Ciências Educativas, em parceria com o Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas, o seu Centro de Administração e Políticas Públicas e o Gabinete de Apoio à Inovação na Educação, promove o seu 1.º Congresso sobre “Educação e Sociedade”, nos dias 20 e 21 de Maio, em Lisboa.

Propõe-se dar ampla expressão à investigação que tem vindo a ser produzida com o objectivo de compreender os fenómenos da multiculturalidade, interculturalidade e empregabilidade, considerando as suas múltiplas expressões, bem como às soluções políticas e organizacionais que têm sido propostas no sentido de dar resposta aos desafios que a sociedade do conhecimento nos coloca.

Visa contribuir para a reflexão sobre as práticas educativas em contextos multiculturais e analisar a adequação dos modelos de formação de educadores e professores aos novos desafios sociais, promovendo o debate entre especialistas e professores dos diferentes níveis de ensino, numa perspectiva de relação entre pensamento e acção e entre teoria e experiência.

Mais informações Aqui


Entries e comentários feeds.