III Encontro do Núcleo Hospitalar de Apoio à Criança e Jovem em Risco do CHEDV, 5 de abril, na Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira

Março 14, 2019 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

As inscrições são gratuitas e obrigatórias para o email: pediatria@chedv.min-saude.pt

Mais informações no link:

https://www.justnews.pt/agenda/compreender-a-familia-no-seculo-xxi#.XHUe3Trgrcc

Sono, boa alimentação e exercício físico. O que exige a saúde mental das crianças?

Janeiro 31, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia da TSF de 14 de janeiro de 2019.

Rita Costa

A psicóloga Inês Afonso Marques aponta os três fatores essenciais para a saúde mental dos mais novos.

É preciso dar importância à saúde mental e é essencial que não nos centremos apenas na saúde mental dos adultos. A psicóloga clínica e psicoterapeuta infanto juvenil Inês Afonso Marques afirma que há três pilares fundamentais aos quais devemos dar atenção: o sono, a alimentação e o exercício físico.

É essencial garantir que as crianças descansam, que “têm um sono reparador e dormem o número de horas suficiente”. Inês Afonso Marques lembra que o sono é fundamental para que as crianças cresçam saudáveis, consigam regular as suas emoções, consigam estar atentas na escola e tenham vontade de aprender.

“O outro pilar ter a ver com a alimentação, garantirmos que as nossas crianças têm uma alimentação tendencialmente equilibrada, que não saltam refeições, que tomam um bom pequeno-almoço antes de irem para a escola”, sublinha a psicóloga.

A atividade física é o terceiro pilar. “É fundamental que todas as crianças possam mexer-se e praticar algum tipo de atividade física”, concluiu.

Declarações de Inês Afonso Marques no link:

https://www.tsf.pt/sociedade/saude/interior/sono-boa-alimentacao-e-exercicio-fisico-o-que-exige-a-saude-mental-das-criancas-10433424.html?fbclid=IwAR2juDO0E_nuAl_nQjKSb4g0s75UX31FH3DcGPEc-gzwGegiM1ZledInt_g

Investimento na saúde mental das crianças reduz custos sociais no futuro

Dezembro 25, 2018 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Notícia do Público de 5 de dezembro de 2018.

O que não é investido na promoção da saúde das crianças e dos jovens vai reflectir-se mais tarde na maior prevalência de doenças crónicas, avisa Isabel Loureiro, vice-presidente do Conselho Nacional de Saúde.

Alexandra Campos

“As doenças começam mais cedo e a esperança de vida vai até mais tarde. Em termos de gastos para a sociedade, isto é brutal”, diz Isabel Loureiro, vice-presidente do Conselho Nacional de Saúde que esta quarta-feira apresenta o segundo estudo deste órgão consultivo do Governo em Lisboa.

Numa altura em que temos cada vez mais idosos e menos crianças, por que motivo é que optaram por estudar as políticas públicas para o grupo etário dos 0 aos 18 anos?

Quisemos chamar a atenção para áreas que têm sido descuradas. Sabemos que a sociedade está a envelhecer e que os idosos e o envelhecimento activo têm sido o foco, mas não podemos descurar aquilo que acontece no início de vida. Mesmo em termos económicos, o que não é investido na promoção da saúde das crianças e dos jovens vai reflectir-se mais tarde na maior prevalência de doenças crónicas não transmissíveis. Sabemos hoje, por exemplo, que a obesidade infantil é um dos factores determinantes da diabetes e da hipertensão. Se temos uma esperança de vida mais longa e doenças crónicas como a diabetes e a hipertensão a iniciarem-se mais cedo, o tempo que existe em termos de dependência dos serviços de saúde é muito maior. As doenças começam mais cedo e a esperança de vida vai até mais tarde. Em termos de gastos para a sociedade, isto é brutal.

 

No relatório, começam por olhar para os dados da demografia e destacam a importância das políticas e dos apoios antes e depois da gravidez e nas idades precoces. 

Se não valorizamos o nascer, se não assegurarmos que vale a pena ter crianças, porque há condições para as podermos educar, não há dúvida de que estamos condenados a uma sociedade de idosos. Se queremos reverter este cenário, temos de investir neste período do ciclo de vida [antes do nascimento e durante a gravidez], até porque os bebés de baixo peso ou prematuros têm maior risco de desenvolver determinadas patologias. Mas temos de ter depois boas condições para receber as crianças e apoiar as famílias.

Uma das áreas que destacam é a da saúde mental. Há uma grande falta de respostas para as crianças e jovens em Portugal?

Sim. Há problemas que se podem detectar precocemente e que têm de ter uma resposta imediata. Se perdemos essa oportunidade, vamos pagar isso no resto da vida. Quando falamos na necessidade de mais psicólogos nas escolas, por exemplo, não podemos olhar para esta aposta como uma questão de aumento de gastos. Trata-se, fundamentalmente, de um investimento que vai diminuir os custos em termos sociais no futuro.

Aceder ao estudo:

Gerações Mais Saudáveis – Políticas Públicas de Promoção da Saúde das Crianças e Jovens em Portugal

IV Encontro da CPCJ de Aljustrel – “Vamos refletir sobre a saúde mental na infância e adolescência?” 17 Outubro

Outubro 13, 2018 às 9:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

IV Encontro da CPCJ de Aljustrel – “Vamos refletir sobre a saúde mental na infância e adolescência?”

Realiza-se no dia 17 outubro de 2018, pelas 9h00, no Auditório da Biblioteca Municipal de Aljustrel.

Inscrições até ao dia 14 de outubro, através dos seguintes contactos:
cpcj@mun-aljustrel.pt / mila.antonio@mun-aljustrel.pt
284 602 985 / 939 979 176

Pressão desmedida dos pais afeta saúde mental dos alunos

Abril 10, 2018 às 6:00 am | Publicado em Campanhas em Defesa dos Direitos da Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Noticia do site https://www.swissinfo.ch/por/ de 26 de março de 2018.

Os pais, e não as escolas, são os culpados por um aparente aumento nos níveis de estresse entre os alunos da escola primária, de acordo com a associação suíça de bem-estar da juventude.

Um estudo de 2014 da Organização Mundial da Saúde (OMS) constatou que 27% das crianças de onze anos na Suíça sofrem de distúrbios de sono, enquanto 15% se queixam de depressão constante. Além disso, 12% sofrem regularmente de dores de cabeça, informa a televisão pública suíça.

No entanto, a presidente da Fundação Pro Juventute, Katja Wiesendanger, ela masma professora do ensino fundamental há mais de 30 anos na cidade de Basileia, disse que essas doenças não estão sendo induzidas por conta de uma pressão indevida das escolas sobre os alunos. Ela reconheceu que as escolas estão se conscientizando dos sintomas de estresse entre algumas crianças, mas questionou a origem desses problemas.

“Eu escuto cada vez mais que a pressão sobre a desempenho das crianças escola primária aumentou”, disse ela. “Mas você precisa se perguntar exatamente de onde vem essa pressão. A escola é citada como a causa mais comum de estresse. Mas será que a escola realmente se tornou mais estressante?”

Em vez disso, ela culpa os pais que atribuem importância crescente à educação, que acaba sendo inoculada nos filhos. “Há um certo medo de rebaixamento entre os pais. Eles passam isso para seus filhos.”

Em outubro, a Pro Juventute lançou uma campanha chamada “Menos pressão, mais criança” visando promover mais tempo livre para as crianças seguirem seus próprios interesses.

A organização disse que a percentagem de chamadas para o telefone de apoio 147 pedindo “conselhos para problemas pessoais graves” aumentou para uma parcela de 29,5% de todas as chamadas para o primeiro semestre de 2017. Em 2012, essa cifra foi de 17,5%.

swissinfo.ch/ets

Campanha:

https://stress.projuventute.ch/fr/

 

Pós Graduações em Saúde Mental – Promoção da Saúde Mental e do Bem Estar em Contexto Escolar e Educação Sexual – Intervir na Promoção e Bem estar da Saúde Sexual e Reprodutiva na FMH

Fevereiro 1, 2018 às 9:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

mais informações:

http://posgrad.fmh.ulisboa.pt/saude-mental/

mais informações:

http://posgrad.fmh.ulisboa.pt/educacao-sexual/

“Se calhar já existiram mais casos do Baleia Azul que não foram identificados como tal”

Maio 16, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Entrevista do https://www.publico.pt/ a Ivone Patrão no dia 7 de maio de 2017.

A professora teme que os casos de adolescentes que chegam ao hospital por causa da Baleia Azul possam ser mais do que os já conhecidos e apela aos pais para que estabeleçam regras.

Bárbara Wong

Nas últimas semanas, o país foi surpreendido com um jogo que pode levar os que aderem ao suicídio, é a última etapa do jogo, antes disso as propostas passam pela automutilação. É o jogo Baleia Azul e tem tido aderentes que vão parar ao hospital. Paralelamente há uma série para jovens e adolescentes, com produção executiva da ex-estrela da Disney Selena Gómez, que também gira em torno do suicídio de uma adolescente e que já levou escolas nos EUA a boicotar a série; na Nova Zelândia e no Canadá, os departamentos responsáveis pela classificação dos filmes considerou a série Por 13 Razões não adequada a jovens com menos de 18 anos e no Brasil a visualização levou a que centenas de jovens pedissem ajuda. A série que é uma adaptação do livro de Jay Asher aborda ainda a violação, o bullying, a depressão e a falta de acesso a cuidados de saúde mental.

A psicóloga Ivone Patrão, que trabalha na primeira consulta de dependência de Internet no país, que funciona no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, escreveu recentemente o livro #geração-cordão sobre as gerações que estão dependentes das novas tecnologias. A também professora no ISPA- Instituto Universitário teme que os casos de adolescentes que chegam ao hospital por causa do Baleia Azul possam ser mais do que os já conhecidos e apela aos pais para que estabeleçam regras.

Temos o jogo Baleia Azul e temos a série Por 13 Razões onde o suicídio está permanentemente presente. Até que ponto estes não servem para despoletar nos jovens o desejo do suicídio?

Claro. Confrontamo-nos com jovens que estão em sofrimento e se estas tarefas do Baleia Azul não existissem eles estariam a automutilar-se e a instituir um plano suicida. O jogo ou a série só vêm dar o mote. Há um sofrimento físico que ajuda a anular o sofrimento psicológico. O jovem pensa: “Eu sinto-me tão deprimido, tão vulnerável, tão mal que ao cortar-me sinto-me aliviado” e este jogo, para um jovem isolado, surge como alguém que não faz juízos de valor e o incita.

Até que ponto esta geração está mais perdida do que as anteriores porque têm menos perspectivas de vida?

Não diria que é uma geração perdida, mas que tem um risco que as anteriores não tinham, por causa do acesso fácil a tudo, por não ter de saber as coisas mas só o sítio onde elas estão. Com as tecnologias eles não fazem time-out, não fazem refresh uns dos outros e não param para reflectir, para pensar, para ajustar a forma de pensar sobre algo que se passou durante o dia. Estão sempre ligados e isso ajuda a que os jovens que estão mais vulneráveis facilmente entrem no jogo. Sobretudo se têm ideias de morte, é como juntar o útil ao agradável. O jogo é uma coisa prazerosa onde se ganha. Aqui é completamente ao contrário.

O suicídio entre os jovens é a segunda causa de morte, diz a OMS.

Primeiro são os acidentes de viação e depois o suicídio. Eu diria que poderá haver muitas situações de suicídio que são considerados acidente e podem não ser. Em termos de número podemos ter dados superiores e não temos valores concretos das tentativas. Tenho situações de jovens que já tentaram suicidar-se três vezes, quer dizer que estão em sofrimento e que quem está à volta não se apercebe. Entrar neste jogo é muito fácil para estes jovens.

Mas o jogo não é também o testar os limites? Ou seja, não pode ser jogado por jovens que não têm esse quadro que descreve?

É comum e típico dos jovens querer testar os limites, mas só até um certo nível, percebem quando há uma zona de perigo. Portanto, se não estiverem em sofrimento ou vulneráveis recuam e não jogam.

As notícias sobre este jogo podem levar mais jovens a entrar no Baleia Azul?

Haverá muitos que terão curiosidade porque querem saber o que é, até que ponto os tentam manipular, mas só jogarão se estiverem em grande sofrimento.

Há tentativas de suicídio online, os jovens entram em directo, mostram aos outros o que vão fazer e que acabam por ser salvos porque alguém que está a ver telefona para a polícia, jovens que nem sequer estão em Portugal (que estão em França, em Espanha, nos EUA) e que alertam as autoridades. Tenho relatos de pais que tiveram a polícia e os bombeiros em casa, de repente, sem saber porquê, quando tinham o filho ou a filha, noutra divisão da casa, a fazer essa tentativa em directo.

Mas o jogo ou a série não podem servir de alerta para não cometer o suicídio?

Pode funcionar não para os que estão em sofrimento, mas para os que vão ouvir as notícias com mais cuidado sobre outros que ficaram hospitalizados ou morreram. Vai funcionar para pais e professores para estarem atentos. Se estas situações não surgissem como é que a população em geral sabia?

Pode servir para jovens falarem com um professor ou com os pais de um amigo que esteja nessa situação. É preciso conhecer os sinais de alerta – alterações de comportamento, baixo rendimento escolar, distanciamento na relação com os colegas.

Se calhar já existiram mais casos do Baleia Azul que os profissionais das urgências não identificaram como tal e definiram como automutilação porque o jogo era desconhecido. Haverá mais casos que poderão ser associados ao jogo.

Faz sentido para os jovens jogarem o Baleia Rosa ou vão achar que é uma parvoíce?

É positivo e estará adaptado aos que gostam da lógica dos desafios e de conseguir fazer bem e depressa as tarefas que, neste caso, são adequadas. É preferível que joguem e é de recomendar sempre que peçam ajuda especializada quando se sentem num beco sem saída.

O que é a “geração-cordão” que dá título ao seu livro?

É uma metáfora que tem a ver com a questão de ser uma geração que está sempre ligada às tecnologias e que não tem competências de autonomia e de desenvolvimento do seu projecto de vida, que não corta o cordão umbilical, não se autonomiza, não faz as tarefas da adolescência e está em contacto com o mundo mas só virtualmente. Defendo que é importante cortar o cordão umbilical à nascença e criar laços, deixar as crianças crescer de forma saudável.

Como é que devemos gerir as tecnologias nas nossas vidas?

Ainda estamos a anos-luz. Em inquéritos é muito engraçado os pais responderem: “não deixo estar muito tempo” ou “deixo o tempo que baste” [a usar o computador]. O que é isso? É ausência de clareza e traz muitos conflitos. Muitos jovens chegam à consulta porque os pais não sabem o que fazer. Desde crianças que lhes damos tablets e smartphones sem estabelecer regras e quando chegam à adolescência já é tarde.

Até que ponto os pais também dão um mau exemplo do uso das tecnologias?

Os pais são um exemplo presencial e virtual. E ainda não parámos para pensar nisso. Temos muitos pais com adolescentes que têm Facebook e outras redes e querem instituir regras em casa, mas depois fazem posts à uma da manhã. Costumo dizer que à hora de jantar, a família pode fazer um “encontro da tecnologia” onde se juntam os telefones todos. A tecnologia encontra-se num sítio e a família noutro para conversar e conviver. Dificilmente as pessoas o fazem.

Alguns pais estão conscientes que são um modelo presencial, mas não acredito que tenham a ideia que também são um exemplo virtual. Mesmo com crianças pequenas, estas observam a relação do adulto com a tecnologia e fazem uma aquisição do que vêem. Estamos no princípio da consciencialização e é preciso afinar práticas educativas. É importante que se comece cedo, não a evitar as tecnologias, mas a enquadrá-las, introduzindo-as com regras e limites.

Haverá mais situações de jovens e crianças em risco e mais a experimentar o Baleia Azul. Tenho acompanhado jovens com automutilação. Lembro-me de uma jovem que não conseguia verbalizar e escrevia sobre a sensação que tinha quando se cortava, era um alívio, tudo ficava mais simples e mais fácil de lidar.

Como é que se resolve?

Há uma componente de intervenção com a família. É importante que os objectos cortantes não estejam disponíveis, que a família não faça juízos de valor, mas que compreenda o que se passa. Geralmente está escondido, nota-se nos comportamentos: baixo rendimento escolar, depressão, isolamento, jovens que chegam à consulta muito vestidos… Começo logo a suspeitar. Há uma componente de intervenção de psicoterapia que perdura

Cura-se?

(Silêncio) É importante a adesão do jovem à intervenção. Para compreender esse estado e fazer um caminho diferente com estratégias positivas. Vi algumas imagens da mutilação da baleia no braço de uma jovem, que se nota que tem uma componente artística fantástica, portanto um desenho daquela jovem deve ser belíssimo. Significa que tem interesses que foram deixados de lado e que é preciso ir buscar. Muitas vezes há acontecimentos de vida – perda de coesão na família, a dificuldade de os pais têm de lidar com o crescimento dos filhos… Não quero fazer uma relação directa com o divórcio, mas às vezes, percebemos que estes jovens andam à semana, numa casa e noutra, e ninguém se apercebe do que está a acontecer.

Estes jovens que se automutilam também podem ser vítimas de bullying?

De bullying e de ciberbullying. Eles têm os telemóveis durante todo o dia – as regras variam de casa para a escola, de escola para escola, e até há professores que têm uma cesta onde os alunos põem o telefone, mas eles têm dois, o outro fica no bolso!

Portanto, há fotografias, vídeos, criam-se grupos para gozar com o colega, criam-se situações que é difícil os adultos terem percepção das mesmas porque uma coisa é o bullying directo que se vê no recreio, outra é este que se passa na rede.

Se não vêem, o que podem fazer os pais ou os professores?

Estes jovens dão sinais, ficam mais inquietos, mais agressivos. Às vezes podem ser os pais a pedir ajudar, a ir a uma consulta de triagem. Os pais podem ver o histórico do computador; fazer uma conversa pela positiva, de interesse e não de crítica. Tudo isto é mais fácil se os pais começarem quando eles ainda são crianças porque na adolescência cheira-lhes a intrusão. Aos 16 anos não se lhes pode pedir a password do email.

O que está a dizer é que os pais precisam de criar relação com os filhos e falar com eles.

É essencial, desde muito cedo. Eles são do toque, desenvolvem essas competências sozinhos. Os pais ficam descansados porque eles são muito espertos e esquecem-se que os filhos criam uma pegada digital, criam contas de Facebook ou de email aos oito/dez anos, podem entrar em sites que não são seguros, que podem falar com pessoas mais velhas… Damos uma chucha e há uma altura para a tirar, mas a da tecnologia é para o resto da vida.

E os pais estão a dar essa chucha antes de lhes dar um livro, um brinquedo de pano ou de madeira.

É verdade. Damos e não tem mal em dar, mas não pode ser só isso. Não tem mal usar tecnologia, é preciso saber as regras e os pais não estão a fazer isso.

Que outros casos ligados a dependência da tecnologia chegam à consulta de Santa Maria?

Chegam-nos as situações mais graves. A consulta existe desde 2013. São sobretudo rapazes com número de horas exagerado [à frente de um ecrã], em absentismo escolar, sem projectos de vida, com perturbações psiquiátricas ou deprimidos e que encontraram no jogo online uma forma de ter prazer e de viver. São desinvestidos do ponto de vista físico, não comem ou comem em excesso porque estão sempre em frente ao computador.

E as raparigas?

As raparigas têm dependência das redes sociais o que implica socialização virtual e presencial, como há partilha de conteúdos, fotos e vídeos, encontram-se. Portanto recorrem menos à consulta.

Qual é a percentagem de jovens com dependência?

Os estudos indicam 25%. No Japão ou na China é mais de 45%. Associado ao número de horas temos o isolamento e a desistência de outro tipo de actividades, de lazer, desportivas e de contacto social. Efectivamente, temos muitos jovens que deixam a prática do desporto porque assim têm mais horas para jogar; que não vão ao cinema ou que aproveitam os furos nas aulas para jogar.

O ministro da Saúde japonês implementou os bootcamps obrigatórios de desenvolvimento pessoal sem tecnologia. Têm centros de internamento.

São necessários em Portugal?

Nalgumas situações que temos que são mais graves. Estes jovens estão em absentismo escolar e não trabalham. Há comunidades terapêuticas para toxicodependentes que podem dar apoio nestas situações porque do ponto de vista neurológico é uma dependência sem estar ligada a nenhuma substância, mas activa as mesmas partes do cérebro que as drogas ou o álcool.

Fazem-se planos de intervenção para a saúde, alimentação, prevenção rodoviária, parece-me que cada município devia desenvolver um plano de intervenção saudável de tecnologia – o próprio município disponibiliza wi-fi, por que não disponibilizar formação para pais, professores e jovens? Duvido que haja algum programa autárquico sobre este assunto, que é urgente.

Passaria por consultas?

Passaria primeiro por formação. Passaria por termos técnicos nos centros de saúde que possam fazer formação mais concreta para responder quando há casos de maior vulnerabilidade. Ainda estamos no início do que vai aparecer.

Vai ser pior que o Baleia Azul?

Pode haver outros jogos, estão sempre a surgir mais jogos.

 

Serviços telefónicos de ajuda e apoio ao suicídio em Portugal e na Europa

 

SOS – Serviço Nacional de Socorro 112

SOS Voz Amiga (entre as 16 e as 24h00) 21 354 45 45 91 280 26 69 96 352 46 60

SOS Telefone Amigo 239 72 10 10

Telefone da Amizade 22 832 35 35

Escutar – Voz de Apoio – Gaia  22 550 60 70

SOS Estudante (20h00 à 1h00) 808 200 204

Vozes Amigas de Esperança (20h00 às 23h00) 22 208 07 07

Centro Internet Segura 800 21 90 90  Linha Internet Segura

 

 

VI Encontro da Associação Ser Bebé “Saúde Mental e Desenvolvimento na 1ª Infância” 4 de novembro no Espaço Atmosfera M Porto

Setembro 18, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

cartaz

Envio de propostas de comunicações livres e Posters (submissão até 1 de outubro de 2016)

programa-provisorioviencontro

Ser Bebé – Associação Portuguesa para a Saúde Mental da Primeira Infância

Morada: Rua Professor Fernando da Fonseca, 21-B 1600-617 LISBOA
(Praça Central de Telheiras, Lj 8B)

Telefone: 21 757 33 17

Email: serbebe.associacao@yahoo.com

Horário de atendimento:
Dias úteis das 14h 30m às 19h 30m

Espaço Atmosfera M Porto

Rua Júlio Dinis, nº 158/160 4050-318 Porto

Contactos:

T.: 220 004270 Email: atmosferam.porto@montepio.pt

 

II Congresso de Direito da Família e das Crianças – 29 e 30 de setembro em Lisboa

Agosto 28, 2016 às 3:23 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

pt_1464873673

Mais informações no link:

http://iicdfc.admeus.net/?page=1

 

Saúde mental infantil afetada por separações

Janeiro 8, 2016 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Upset girl listening to parents quarreling in the kitchen

As crianças que crescem em famílias marcadas por divórcios ou separações dos pais têm três vezes mais riscos de apresentarem problemas de saúde mental, garante um estudo realizado pela University College de Londres. Os números obtidos por aquela instituição académica do Reino Unido indicam que cerca de 6,6 por cento dos menores que vivem com ambos os progenitores têm questões de saúde mental, contra 15 por cento dos que vivem apenas com um e 18,1 dos que residem em famílias de acolhimento ou que estão institucionalizadas.

Apesar da análise realizada não indicar razões concretas para as diferenças, os especialistas sugerem que o colapso do núcleo familiar pode levar a um maior risco de pobreza infantil ou crescimento num ambiente de grande ansiedade, o que abre caminho a problemas mentais, com destaque para os relacionados com o comportamento.

“Este estudo adiciona uma grande fatia de evidência ao conceito de que a estabilidade familiar é importante e que a destruição deste núcleo pode ter um efeito negativo na saúde mental das crianças”, considera, em declarações ao jornal “The Telegraph”, Norman Cells, responsável da fundação “Family Education Trust”, adiantando: “o facto de um número crescente de crianças serem privadas das vantagens de crescerem com ambos os pais de uma forma unida e estável é algo que não nos podemos dar ao luxo de menosprezar”.

O estudo – baseado em mais de dez mil crianças de 11 anos em todo o Reino Unido – concluiu que as que vive em famílias de acolhimento são 19,5 por cento mais atingidas por explosões de comportamento e agressividade do que as que vivem com ambos os progenitores biológicos.

Revista Pais & Filhos em 28 de Dezembro de 2015

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.