Mãe cria batalha naval com tabela periódica para ensinar química aos filhos

Setembro 19, 2019 às 6:00 am | Publicado em Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do blog Educação e Transformação de 3 de junho de 2019.

Karyn Tripp é adepta do homeschooling e desenvolveu um modo mais divertido de estudar o assunto com os filhos em casa

Uma ideia simples e genial veio à cabeça de uma mãe que pensava em uma maneira de ensinar química aos seus filhos – uma versão com tabela periódica do jogo batalha naval.

“Eu cheguei com a ideia porque a gente joga muito batalha naval em casa”, contou Karyn Tripp ao Huffington Post. Ela pratica homeschooling com seus quatro filhos há sete anos, ou seja, eles não frequentam uma escola, mas cumprem o currículo escolar estudando em casa. “Eu estava estudando química com eles e estamos tentando pensar em uma maneira divertida de memorizar os elementos químicos. Foi então que veio a ideia!”

Transformar um jogo sobre afundar navios de guerra em um momento de aprendizado encantou os garotos. Seus filhos adoraram brincar com o jogo e o mais velho, de 11 anos, é agora um grande fã de química. “Ele colocou um pôster da tabela no seu quarto”, diz Karyn. O garoto definiu até um elemento preferido, o einstênio. “Ele acha que o nome é legal”, conta a mãe, orgulhosa do interesse do menino.

Para fazer o jogo, ela imprimiu quatro cópias da tabela periódica. Como já há números que percorrem horizontalmente a tabela, foi só então dispor as letras na vertical. Karyn então plastificou as tabelas para torná-las reutilizáveis. Duas delas são coladas dentro de cada pasta. Na hora do jogo, um clipe une as duas pastas para criar uma barreira.

As regras são tão simples, que até mesmo os filhos de Karyn que ainda não aprenderam nada de química conseguem brincar.

“As crianças podem marcar onde querem localizar os seus navios circulando áreas de 2, 3, 4 ou 5 elementos na tabela de baixo”, explica ela. “Eles jogam apontando as coordenadas. Se eles erram a localização do navio inimigo, marcam um X no lugar que escolheram na tabela de cima. Se acertam, circulam o local.”

O conceito pode até não ser novo, mas Karyn afirma que a diversão é garantida.

Mais informações na notícia do Huffington Post:

Mom Creates Periodic Table Battleship Game To Teach Her Kids Chemistry

Exposição “Desenhar contra o esquecimento” vítimas do Holocausto menores de idade – até 8 de março na Assembleia da República

Março 1, 2019 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Mais informações no link:

https://www.parlamento.pt/Paginas/2019/fevereiro/Exposicao-Desenhar-contra-o-esquecimento.aspx

 

O Jogo dos Direitos

Outubro 4, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Texto da EAPN Portugal

O Jogo dos Direitos destina-se às crianças a partir dos 6 anos e pode ser utilizado em diversos contextos sociais e educativos. Tem como principal objetivo informar e ensinar os mais novos sobre os seus direitos e deveres, de forma lúdica e divertida.

Este jogo resulta de um trabalho desenvolvido no âmbito do grupo de trabalho interconcelhio Infância e Juventude promovido pela EAPN Portugal/ Núcleo Distrital de Braga e envolveu na sua construção a participação de cerca de 50 crianças, através da intervenção das entidades parceiras/Associados da EAPN Portugal. Integra-se na iniciativa nacional “Escolas contra a Pobreza e Exclusão Social” da EAPN Portugal.

A sua elaboração baseou-se principalmente na Convenção sobre os Direitos da Criança, mas também na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Atendendo aos seus conteúdos, além de possibilitar um maior conhecimento sobre os direitos, este jogo também contribui para o pensamento reflexivo, aliado a padrões de ética e de justiça social, sobre questões prementes na sociedade. Deste modo, favorece o desenvolvimento de competências no domínio dos valores e dos comportamentos associados à cidadania.

Este jogo foi previamente experimentado em contextos socioeducativos.

Os materiais encontram-se disponíveis (em anexo)

Materiais no link:

https://www.eapn.pt/documento/605/o-jogo-dos-direitos

Preparar os exames nacionais com o Ensina

Junho 22, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação, Recursos educativos, Site ou blogue recomendado, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Texto do blogue http://blogue.rbe.mec.pt/ de 20 de junho de 2017.

O Ensina oferece um conjunto de recursos que podem ajudar o estudante a compreender melhor a matéria. Biografias de autores, documentários históricos, infografias ou comentários de especialistas são uma mais-valia para quem se prepara para um dos momentos mais importantes do ano letivo.

No RTP Ensina encontra recursos para diversas disciplinas que podem ser úteis durante todo o ano e numa altura de exames ainda mais.

Não esquecer que para além de ser relevante conhecer as matérias é importante descansar e saber estudar para tirar o máximo rendimento desse trabalho… Depois é aproveitar os recursos que estão disponíveis, entre outras, nas seguintes disciplinas:

História

Português

Geografia

Ciência

Artes

Filosofia

Texto replicado da fonte com pequenas alterações.

 

 

PSP e Science4you lançam livro de colorir “Pinta com o Falco”, na Escola Básica do 1º Ciclo da Pena (no Largo da Escola Municipal) 14 de fevereiro 10 horas em Lisboa

Fevereiro 13, 2017 às 2:18 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

16602665_1236278869760958_3839204829701421662_n

PSP E SCIENCE4YOU LANÇAM LIVRO DE COLORIR “PINTA COM O FALCO”

A Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Science4You uniram-se numa joint venture e criaram o livro para colorir “Pinta com o Falco”. A mascote da PSP transmite conselhos aos mais novos com ilustrações aliando segurança, investigação, tecnologia e ciência.

O lançamento deste livro destinado a crianças da pré-primária e ensino básico será em Lisboa, na Escola Básica do 1º Ciclo da Pena (no Largo Da Escola Municipal) no dia 14 de fevereiro pelas 10h e contará com a presença dos autores da obra. Será também divulgado no Porto (EB 1 de Paulo da Gama na Rua Paulo da Gama, Lordelo do Ouro) no dia 16 de fevereiro às 10h e em Setúbal (Escola Primária n.º 2 – Santa Maria da Graça, na Praceta Victor Vitorino) no dia 17 de fevereiro às 10h.

A Science4You é uma empresa 100% portuguesa que se dedica à comercialização, produção, desenvolvimento e personalização de brinquedos educativos e científicos. Está em 35 países e, no último ano, conseguiu atingir 20 mil pontos de venda na Europa.

Vamos ter a presença dos atores principais: o Falco, a Science4You e as crianças.

Juntem-se a nós nesta festa!

Lisboa, Direção Nacional da PSP, 10 de fevereiro de 2017.

Aprender a ler numa simples cartada

Dezembro 26, 2016 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Texto da http://visao.sapo.pt/ de 14 de março de 2016.

mw-6801

Nova metodologia de aprendizagem junta num baralho de cartas todas as formas de comunicação. Ideal para crianças e adultos com necessidades especiais comunicarem de forma universal

Esqueça uma cartada, ao fim do dia, com os amigos. As EKUI Cards não são para jogar à sueca, à bisca ou crapô. São 26 cartas, em vez das 52 do baralho francês, e no lugar dos quatro naipes está o alfabeto convencional, o alfabeto fonético, a língua gestual portuguesa e o Braille. “É a primeira vez, em Portugal, que crianças surdas, cegas, com autismo, disléxicas ou com qualquer outra limitação física ou cognitiva podem aprender o alfabeto, ao mesmo tempo, na mesma sala de aula”, explica Celmira Macedo, inventora da primeira linha de material lúdico/didático inclusivo na Península Ibérica. “Sei que também existe algo parecido no Brasil, mas não tão completo como as EKUI.”

Desde 2004 que Celmira Macedo, 44 anos, andava com este projeto na cabeça. Na altura, a professora de educação especial foi para Salamanca fazer um doutoramento porque “queria perceber como poderia ser melhor professora”. Depois de ter tido uma cadeira de língua gestual espanhola, quando regressou a Portugal quis aprender a equivalente portuguesa. “Na altura, a maior preocupação das famílias era obter informação de como lidar com os filhos com necessidades especiais”, lembra. Sem terminar o doutoramento, Celmira Macedo criou a Escola de Pais, em 2008, e a Associação Leque, no ano seguinte, que apesar de ter sede em Alfândega da Fé e servir o distrito de Bragança, consegue também dar respostas a nível nacional. E as EKUI Cards são disso o melhor exemplo. Além da sua venda online (€13,99) também existe uma app (€3,99) disponível.

mw-680

Celmira batizou o baralho de cartas com o nome EKUI a partir das iniciais das palavras, em inglês, equidade, conhecimento, universalidade e inclusão. Cada uma das 26 cartas tem um grafema da letra, a letra manuscrita, a letra em Braille tátil e em Braille visual, a letra em datilologia (alfabeto da língua gestual portuguesa) e o alfabeto fonético. Presente em nove escolas do 1.º ciclo de Vila Nova de Gaia e em um jardim-de-infância de Delães (Vila Nova de Famalicão), as EKUI Cards são também usadas por terapeutas da fala em pacientes adultos a recuperarem, por exemplo, de um AVC. Os resultados não podiam ser mais positivos: todas as crianças dos 3 aos 6 anos aprenderam o alfabeto e a língua gestual e comparando com anos anteriores de forma mais rápida. “Está provado cientificamente que quem aprende através de línguas gráficas ou gestuais, aprende mais rápido as línguas comuns”, afirma Celmira Macedo. Muitas destas crianças, em casa, ensinam a língua gestual aos pais e já falam em ter profissões relacionadas com o tema, como intérprete de língua gestual ou terapeutas da fala.

As EKUI Cards já chegaram a 1500 crianças, mas têm capacidade para ajudar dois milhões em idade escolar, em Portugal, 20500 instituições de Educação, Saúde e Área Social, mais 18300 profissionais. Isto é só o começo, pois Celmira Macedo quer espalhar as EKUI Cards às cores (especiais para daltónicos), aos animais, aos objetos, aos meios de transporte… haja financiamento para esta jogada, diga-se de mestre.

 

 

 

Livro “Os Mochinhos da Sabedoria a trabalhar a Atenção” – estimulação cognitiva para crianças da creche e do pré-escolar (2 aos 6 anos de idade)

Novembro 9, 2016 às 6:00 am | Publicado em Livros, Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

14717266_1264804966926712_5594057755149604520_n

mais informações:

https://www.facebook.com/SandraCostaeEquipa/

https://www.chiadoeditora.com/livraria/os-mochinhos-da-sabedoria-a-treinar-a-atencao

13 livros infantis para ensinar a importância dos direitos humanos às crianças

Janeiro 13, 2016 às 8:00 pm | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do site http://www.raizesjornalismocultural.com de 7 de janeiro de 2016.

007f7dcc1de776ae0fbd86ceae8656ad_XL

Você conhece Malala?

“Sim. Minha professora de história me contou que ela é muito importante”

Um adulto fez a pergunta acima e quem respondeu foi uma menina de sete anos, enquanto esperava na fila para autografar seu livro novo. O título? Nada de histórias pré-fabricadas sobre príncipes e princesas, mas a de uma das vozes mais importantes contra a opressão feminina no mundo: Malala Yousafzai.

Escrito pela jornalista Adriana Carranca, Malala – A menina que queria ir para a escola (Companhia das Letrinhas, R$ 29,90), inaugura um novo gênero que foi batizado de “livro-reportagem para crianças”. Carranca viajou até o vale do Swat, no Paquistão, e conta de forma didática como era a vida da menina que ficou conhecida por defender o direito à educação, sofreu um atentado por isso, e sobreviveu para contar. Hoje Malala é ativista na ONU e dona de um prêmio Nobel da Paz.

“Ali havia príncipes, guerreiros, rainhas. Havia os vilões, que eram os homens barbudos das montanhas. Tinha o sonho da menina que queria ser alguém, mas não pela via do casamento. Tudo isso em um vale que parecia encantado. Fui percebendo como tudo seria interessante para as crianças”, disse Adriana para O Globo.

Além de Malala, outros títulos publicados colaboram para que a discussão sobre direitos humanos no dia a dia com as crianças se torne frequente — com histórias que vão muuuuuuito além dos contos de fadas e histórias para dormir. Aqui estão 13 deles para você escolher:

Malala – A menina que queria ir para a escola

1

No primeiro livro-reportagem destinado ao público infantil, a jornalista Adriana Carranca relata às crianças a história da adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, baleada por membros do Talibã aos catorze anos por defender a educação feminina. Na obra, a repórter traz suas percepções sobre o vale do Swat, a história da região e a definição dos termos mais importantes para entender a vida desta menina tão corajosa. (Companhia das Letrinhas, R$ 29,90)

A esperança é uma menina que vende frutas

2

Reprodução

Viajando de trem para uma cidade grande, uma garota sobe em seu beliche, silenciosa mas com olhos que parecem dizer muitas coisas, e permanece ali, sem comida e companhia. É com essa recordação que Amrita Das inicia este livro, resultado de uma oficina de texto e ilustração que cursou em Chennai, na Índia. Como uma das mais importantes representantes da arte folclórica indiana chamada Mithila, a artista aproveita este espaço para falar sobre as dificuldades de uma infância pobre, a vida das mulheres na Índia, a luta pela liberdade em uma sociedade patriarcal, entre outros assuntos que, de uma forma ou de outra, dizem respeito a todos nós. Através de belas palavras e imagens, ela apresenta a sua história e dissemina um pouco da esperança que parece acompanhar sua arte. (Companhia das Letrinhas, R$ 29,90)

O que é a Liberdade?

3

Para muitos, o passarinho é um símbolo da liberdade. Mas será que ele se sente livre mesmo? E afinal, o que é a liberdade? Foi pensando nesse conceito tão difícil de compreender que Renata Bueno escreveu este livro recheado de diálogos curiosos entre um passarinho e personagens como um lápis, um camaleão, um espelho, um mágico… As respostas poéticas de cada um deles sobre o que é a tal da liberdade vão fazer tanto o passarinho quanto os leitores perceberem que essa sensação pode ser diferente para cada um de nós — e nem por isso menos autêntica. (Companhia das Letrinhas, R$ 34,90)

Flicts

4

Em Flicts, Ziraldo conta a história de um mundo que é feito de cores, mas nenhuma é Flicts. Uma cor rara, frágil, triste, que procurou em vão por um amigo. Abandonada, Flicts olhou para longe, para o alto, e subiu, e teve que sumir, para finalmente encontrar-se. (Melhoramentos, R$ 41,00)

Acompanhando meu pincel

5

Ao percorrer as delicadas e vibrantes ilustrações nas páginas deste livro, o leitor fica conhecendo a história de como a sua autora, a indiana Dulari Devi, se tornou uma artista. Nascida em uma família pobre, de tradição pescadora, ela precisou trabalhar na infância, ajudando a mãe na plantação de arroz, cuidando dos irmãos mais novos em casa, fazendo trabalhos domésticos para os vizinhos. O que mais gostava de fazer, no entanto, era parar no caminho para ver as outras crianças brincarem (Martins Fontes, R$ 32,50)

A diaba e sua filha

6

Todos os dias, ao anoitecer, uma diaba de pele escura, olhos brilhantes e roupas muito limpas sai pelas ruas da cidade, batendo de porta em porta, em busca de sua filha perdida. Prestes a ajudá-la, as pessoas reparam que ela tem cascos negros e delicados no lugar dos pés e imediatamente a expulsam de suas casas, apagando as luzes até que se afaste. Ao narrar esse conto de mistério, antes uma alegoria sobre nossos próprios medos e preconceitos, a autora coloca bem e mal, humanidade e demônios, nós e os outros na mesma página, nos desafiando a buscar qualquer traço de humanidade dentro de nós mesmos. (Cosac Naify, R$ 29,90)

A Bela Desadormecida

7

Quando Belinha nasceu, seus pais deram uma grande festa e chamaram todo o mundo, menos a bruxa. Mas ela compareceu mesmo sem convite e levou como presente uma maldição: ao completar catorze anos, Belinha seria picada no dedo e, nesse instante, ela e todos os que estivessem por perto dormiriam um século. Os pais de Bela passaram catorze anos evitando que a filha se aproximasse de objetos pontudos ou cortantes. Mas o que aconteceu quando chegou o dia tão temido? É para esse momento que converge toda a emoção da história. O desenlace, como se verá, é adequado à época em que Belinha vive: ela é uma menina da metrópole, mora num apartamento e gosta de rock. As ilustrações, que têm um colorido pouco habitual nos livros infantis, colaboram para que nada seja adocicado nessa Belinha que desadormece, ainda que nela se espelhe a doçura dos contos de fada. (Companhia das Letrinhas, R$ 34,00)

A História de Júlia – E sua sombra de menino

8

Os pais de Júlia a criticam muito, sempre dizendo que ela se parece com um menino, no jeito, nas rouaps etc. Numa manhã, a garota percebe que sua sombra adquire o formato de um garoto, repetindo todos os seus gestos. Júlia se sente triste e acaba questionando sua própria identidade. (Editora Scipione, R$ 34,90)

É tudo família!

9

Davi tem um três-quartos-de-pai que ele adora. Carla e Maurício têm duas mães e dois pais. Carolina está muito triste e não quer ter outra mãe. Paula ganha duas festas por ano: a de aniversário e a de dia da chegada. O pai de Maurício chama-o de pituquinho. Lucinha tem a voz igualzinha à da mãe. Porém, todos têm algo em comum: pertencem a uma família, e toda família é única! (L&PM Editores, R$ 31,50)

O nascimento de Celestine

10

O nascimento de Celestine ocupa um lugar especial na obra da artista belga Gabrielle Vincent (1928-2000), criadora da série de álbuns ilustrados Ernest e Celestine, que conta com admiradores em todo o mundo – e já inspirou um longa-metragem de animação de mesmo nome, finalista do Oscar 2014. Neste livro de imagens, com delicadas ilustrações a pincel e tinta sépia, a autora narra a história de como Ernest, um urso solitário e de bom coração, encontrou a ratinha Celestine – e de como ambos se tornaram companheiros inseparáveis. Um clássico sensível e comovente, que praticamente dispensa as palavras, e toca direto o coração do leitor. (Editora 34, R$ 49,00)

O mundo no black power de Tay’o

11

Divulgação

Tayó é uma princesinha que chega em forma de espelho para que outras princesinhas se mirem, se reconheçam e cresçam, cumprindo a única missão que nos foi dada, ao virmos viver neste planeta: a de sermos felizes. (Peirópolis, R$ 34,00)

Um outro país para Azzi

12

A partir do olhar da menina Azzi, este livro retrata uma família do Oriente Médio, que se vê obrigada a fugir quando a guerra começa a afetar sua rotina. “Às vezes, o barulho das metralhadoras nos helicópteros era tão alto que as galinhas ficavam assustadas e paravam de botar ovos”, conta a protagonista, nessa narrativa ricamente ilustrada, revelando sua perspectiva da aproximação do conflito. (O Pulo do Gato, R$ 42,10)

Crianças como você

13

Celina, do Brasil, Ji-Koo, da Coréia do Sul, Houda, do Marrocos, Meena, da Índa, Esta, da Tanzânia… Crianças de verdade falam e escrevem sobre sua vida e seu jeito de ser. Surpreendente e emocionante, este livro é um marco. Ele faz uma viagem pelas diferentes culturas do mundo e mostra o cotidiano das crianças nos mais variados países. Editado em associação com o Unicef, Fundo das Nações Unidas para a Infância (Editora Ática, R$ 42,50)

(Com informações da Companhia das LetrinhasPromenino Portal Aprendiz)

Fonte: Brasil Post

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sessão de apresentação do “Manual de Educação para a Cidadania Global” 26 outubro Instituto da Educação Universidade do Minho

Outubro 23, 2015 às 11:45 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

manual

Convidamos-vos para a sessão de apresentação do MANUAL DE EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA GLOBAL: uma proposta de articulação para o 2º Ciclo do Ensino Básico, dirigido a professores e educadores, que se realiza no dia 26 de outubro, segunda-feira, às 10h30, na Sala de Atos (1104), no Instituto de Educação/Universidade do Minho.

O Manual de Educação para a Cidadania Global é um recurso educativo que disponibiliza um conjunto de planificações de unidades didáticas destinadas a integrar as temáticas de Educação para a Cidadania Global nos conteúdos do currículo formal de quatro disciplinas nucleares – Ciências Naturais, História e Geografia de Portugal, Matemática e Português.

Cada instituição presente, receberá um exemplar do Manual.

Este Manual foi publicado no âmbito do projeto “Educar para Cooperar” – Loures 3ª edição, que tem como objetivo contribuir para um mundo no qual as escolas sejam espaços de construção de cidadãos críticos e participativos, que promovam a transformação social.

A entrada é livre! Agradecemos o seu apoio na sua divulgação!

— em Instituto de Educação da Universidade do Minho.

Centro de Recursos para a Cooperação e Desenvolvimento (CRCD)

crcdesenvolvimento@ie.uminho.pt
Telefone: 253 60 12 85/ 253 60 22 83
Gabinetes: 2061 e 2062
Instituto de Educação da Universidade do Minho

‘Não São Apenas Números’: jogo educativo sobre migração e asilo na União Europeia

Setembro 22, 2015 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

18785433_PzeER

Não São Apenas Números’ é um jogo de ferramentas sobre migração e asilo na União Europeia concebido para ajudar os professores e outros educadores a envolver os jovens em discussões informadas sobre este assunto. É adequado para jovens com idades compreendidas entre 12 e 18 anos.
A importância social e política das questões relacionadas com migração e asilo tem crescido constantemente nas duas últimas décadas, nas quais o mundo testemunhou um aumento do movimento dos migrantes, requerentes de asilo e refugiados por todo o mundo. Ao mesmo tempo, continuam a surgir problemas de discriminação, xenofobia e racismo, causando muitas vezes tensões nas comunidades.
À medida que as sociedades europeias se tornam mais multiculturais, precisamos de sensibilizar quanto aos principais motivos pelos quais as pessoas escolhem ou são obrigadas a deixar os seus países. Esta compreensão pode ajudar a promover o respeito pela diversidade e encorajar a coesão social. Em particular, é necessário divulgar mais informação aos jovens, que são os decisores políticos de amanhã, mas cujas opiniões sobre migração e asilo nem sempre se baseiam em informações factuais e equilibradas.
Por este motivo, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) associaram-se para desenvolverem e divulgarem este novo jogo de ferramentas de ensino que visa encorajar o debate aberto e informado sobre estas questões importantes e complexas.
Este jogo de ferramentas proporciona aos jovens a oportunidade de perceberem que por trás de cada estatística anónima relacionada com a migração e o asilo existe um rosto humano e uma história pessoal.

Faça download da publicação em português AQUI.

Estes materiais estão disponíveis noutras línguas AQUI.

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.