Plasticus maritimus. Como explicar o problema do plástico às crianças

Dezembro 14, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Observador de 28 de novembro de 2018.

Ana Dias Ferreira

Tem direito a nome científico (inventado pela bióloga Ana Pêgo) e deu um livro da Planeta Tangerina. O problema do plástico nos oceanos está agora acessível a uma criança. Vamos formar ativistas?

É uma espécie exótica e invasora que se encontra em todos os mares e zonas costeiras do mundo. Pode apresentar-se sob uma grande variedade de formas e em todas as cores, incluindo a transparente ou mesmo “invisível”. Em geral, desloca-se fácil e rapidamente, em função dos ventos e correntes. Tem grande facilidade de se adaptar a todos os ecossistemas. Nome científico? Plasticus maritimus, uma designação inventada pela bióloga Ana Pêgo (e agora um livro), que nos últimos quatro anos tem feito questão de gastar o seu latim para falar do problema do plástico nos oceanos.

“O meu objetivo é chegar ao máximo de pessoas. Essa tem sido a minha arma de combate: informar”, diz a bióloga marinha de 47 anos. Munições não lhe faltam: em 2014 reconstruiu o esqueleto de uma baleia de 10 metros só com objetos de plástico branco encontrados na praia, na instalação “Balaena plasticus”, este ano reposta no Centro Cultural de Belém. Em 2015 criou a página Plasticus maritimus para partilhar fotografias do lixo que começou a colecionar e que deu origem a várias exposições. Desenvolve regularmente oficinas e ateliers sobre o ambiente para crianças e famílias, em instituições como a Gulbenkian e o Oceanário. Passa a vida a “escrever para todo o lado”, seja sobre as largadas de balões promovidas pelas câmaras municipais ou os pacotes de sumo com palhinhas distribuídos nas escolas. Agora escreveu também um livro, em parceria com Isabel Minhós Martins, da editora infanto-juvenil Planeta Tangerina, e com ilustrações de Bernardo P. Carvalho. Um guia de campo, como os biólogos fazem quando querem identificar determinadas plantas e animais, para falar desta “espécie invasora” que representa já 80% do lixo que existe nos oceanos e que ameaça sobrepor-se aos peixes em 2050. Objetivo: sensibilizar para um uso mais sensato dos plásticos (metade usados apenas uma vez), formar ativistas, levar à mudança. “Acho que se as pessoas forem informadas sobre o impacto dos nossos hábitos diários, se souberem que as largadas de balões e os cotonetes que atiram para a sanita vão parar ao mar, vão querer fazer alguma coisa. Não podemos continuar à espera que os outros resolvam os assuntos. Temos de ser ativos.”

Dando o exemplo do sabonete em lugar do gel de banho, Ana Pêgo defende que “não é preciso fazer uma mudança radical para começar a ‘desplastificar’”, basta começar por chegar ao supermercado e “não querer as bolachas que são vendidas dentro de dois pacotes”, ou fugir das embalagens de uso único. Esse é também todo o espírito (e mérito) do livro: dar sugestões concretas, descomplicar o que é complicado e tornar um dos maiores problemas e desafios do nosso planeta acessível a uma criança de oito anos.

É por isso que Plasticus maritimus – uma espécie invasora começa por mostrar, antes de mais, qual é a importância de salvar os oceanos, principais reguladores do clima e que produzem mais de 50% do oxigénio que respiramos. Ou que explica afinal o que é o plástico, com direito a uma “pequena aula de físico-química” que mostra como se fabrica e por que é um material tão especial e duradouro, podendo ficar dezenas, às vezes centenas de anos no meio ambiente. É por isso também que depois dos números assustadores — “todos os anos, cerca de oito milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos, o que equivale a serem despejados no mar, a cada hora que passa, cerca de mil toneladas de plástico, um camião cheio por minuto” — se mostram alternativas e bons exemplos que já estão a ser seguidos noutros países, como a lei aprovada em França para banir a louça descartável de plástico até 2020. Ou que se dão ainda sugestões de hábitos a implementar no dia-a-dia, com direito a umas quantas notas de como lidar com a atitude dos outros se nos acharem extraterrestres por recusarmos coisas que não são essenciais, identificarmos bizarrias que não deviam existir (como laranjas descascadas vendidas em placas de esferovite e envolvidas em celofane) ou mandarmos arranjar os objetos que se estragam em vez de ir a correr comprar outros.

Estes hábitos são contra-corrente no mundo da novidade e do “usa-e-deita-fora”,  mas “o livro acaba por sair em plena explosão do plástico”, diz Ana, que em tempos se sentiu sozinha a alertar para uma questão a que ninguém parecia ligar. A sua instalação da baleia branca era o elefante na sala, mas em janeiro deste ano o elefante chegou a Bruxelas, com a apresentação da primeira grande Estratégia Europeia sobre Plásticos por parte da Comissão Europeia. “Este já não é um problema que está lá longe, na ilha do Pacífico feita de plástico, que tem 17 vezes o tamanho de Portugal e que continua a aumentar. É um problema que está aqui na Europa, aqui em Cascais, na nossa costa. Há animais que aparecem mortos e que comeram plástico.” Estão nas notícias, nas imagens (chocantes) postas a circular, começam a estar na agenda política.

Para Ana Pêgo, são os governos e os municípios que podem educar os cidadãos, mas também os cidadãos que podem exigir mais dos seus governos, através das suas escolhas. Mais do que no ecoponto amarelo, acredita numa série de “erres” antes do reciclar (repensar, recusar, reduzir, reparar e reutilizar), e acredita sobretudo no conceito de economia circular: “A reciclagem ainda tem um longo caminho pela frente e gasta recursos, além de que o plástico não é reciclável até ao infinito, ou não é facilmente reciclável de todo”, defende. “Acho que o futuro é a economia circular, que promove a reutilização de recursos e a reparação de materiais”. Citando o livro: “a ideia é que uma matéria-prima, quando é extraída da natureza, circule dentro deste circuito por muito, muito tempo… dando tempo à natureza de se regenerar.”

No seu guia de campo, e como um verdadeiro especialista à procura de uma determinada espécie no seu habitat natural, ensina a preparar uma saída para limpar as praias do Plasticus maritimus: o equipamento a levar, os cuidados a ter, os melhores locais e épocas. Para além de bióloga marinha, Ana Pêgo assume-se como beachcomber, isto é, alguém que não se limita a recolher lixo mas que coleciona e se interessa pela origem e a história dos objetos que encontra. Já apanhou 133 palhinhas na mesma praia e 253 tampas de garrafas em 20 minutos, num passeio no Cabo Raso, e tem coleções de pentes, peças de Lego, rodas, isqueiros, escovas de dentes ou embalagens de soro (todas mostradas no livro). A paixão pelo mar veio-lhe dos tempos de criança e de morar a 200 metros da Praia das Avencas, “o quintal mais incrível que alguém podia ter”. Adora baleias e esta é, resume, a sua forma de as salvar.

 

 

Concurso “Nós Reciclamos – 2015”

Abril 15, 2015 às 12:32 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

recicla

O Instituto de Apoio à Criança participa no concurso “Nós Reciclamos – 2015”, iniciativa do comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública (COMETLIS), realizado em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML).

A cerimónia de entrega dos prémios realizar-se-á no dia 22 de maio de 2015, no auditório da Fundação Champalimaud.

Esta iniciativa visa melhorar a proteção ambiental, estimulando a reutilização e reciclagem de materiais e tem em vista a construção de um “Carro de Patrulha”.

Este ano, a organização do evento conta, além do IAC, com a participação da Fundação Joana Vasconcelos e da Fundação Champalimaud. A iniciativa é dirigida a crianças, jovens e idosos, visando o reforço dos laços de proximidade da PSP com a população destas faixas etárias. Esses objetivos inserem-se no Modelo Integrado de Policiamento de Proximidade, concretizado pelas Equipas dos Programas Escola Segura e Idosos em Segurança da PSP de Lisboa.

Este concurso foi apresentado no dia 8 de abril, no antigo Comando Distrital de Lisboa da PSP. A primeira iniciativa, em 2013, envolveu alunos do 1.º e 2.ºciclos de 30 escolas da área da COMETLIS. No ano seguinte, foi alargado o âmbito de intervenção às instituições de apoio a idosos. Participaram 82 escolas e 62 instituições de apoio a idosos, num total de 144 instituições inscritas, o que envolveu cerca de 3000 pessoas.

cartaz

vídeo

Mais informação aqui

 

A mochila que permite a crianças africanas estudar

Fevereiro 15, 2015 às 4:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

notícia do site  http://www.noticiasaominuto.com  de 19 de janeiro de 2014.

naom_54bd5ba326011

Há um acessório escolar que está a revolucionar a vida de muitas crianças africanas. Trata-se de uma mochila feita à base de plástico reciclável que incorpora um pequeno painel solar.

O saco inovador é desenvolvido por um grupo de mulheres sul-africanas, empenhadas em dar uma melhor qualidade de vida aos alunos mais desfavorecidos, impedidos de estudar devido à falta de luz elétrica.

Durante o dia, a luz solar é absorvida e pode ser emitida até 12 horas. O material que compõe a mochila é refletor, para que os estudantes possam ser vistos à distância quando se deslocam de e para a escola nas primeiras horas do dia.

Segundo o site Blasting News, as Repurpose Schoolbags são produzidas numa fábrica em Rustenburg, na Cidade do Cabo, e distribuídas em escolas.

 

 

Concurso Escolar “Ovos Amarelos”

Fevereiro 22, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

ovos

“Ovos Amarelos”
…..é um concurso destinado às crianças que frequentam o Jardim de Infância / Pré-Escola (entre os 3 e 6 anos), de estabelecimentos de ensino públicos e privados

☁ Pretendendo não só encaminhar as nossas crianças para uma conduta ambientalmente responsável, mas também estimulando-as a serem agentes ativos na preservação e implementação de práticas de boas ações ambientais, as crianças devem elaborar uma escultura (com a ajuda de educadores e auxiliares) fazendo a reutilização de materiais: embalagens usadas
☁ Os trabalhos participantes (Esculturas) devem fazer alusão ao tema: Páscoa
☁ Estará em avaliação a criatividade e originalidade dos trabalhos
☁ Os trabalhos devem ser entregues acompanhados de 50Kg de ECAL – Embalagens de Cartão para Alimentos Líquidos (p. ex. embalagens de leite, sumo, natas, etc.)
Os trabalhos devem ser entregues até ao dia 28 de março de 2014.
☁ A avaliação dos trabalhos será feita por um júri constituído por elementos da VALNOR, da Tetra Pak e da AFCAL (Associação dos Fabricantes de Embalagens de Cartão para Alimentos Líquidos)
☁ O prémio do trabalho vencedor será entregue ao estabelecimento de ensino (Jardim de Infância / Pré-Escola)
☁ Existirá apenas um Trabalho/Escultura vencedor, de acordo com avaliação efetuada pelo Júri do concurso, no que diz respeito à diversidade de materiais utilizados, à criatividade e originalidade:
Prémio: “Escola mais Amiga do Ambiente”

mais informações aqui

Ação “Criar com Desperdício”

Maio 9, 2012 às 1:00 pm | Publicado em Actividade Lúdica, Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Desenvolver o prazer de criar e transformar, de dar nova vida a algo que deixou de ter utilidade, estimulando práticas de carácter participativo, criativo e construtivo são alguns dos objetivos da ação “Criar com Desperdício”, que o Sector da Actividade Lúdica vai realizar em formato oficina (3 horas) no dia 24 de Maio de 2012 e em formato workshop (6 horas) no dia 25 de Maio de 2012.

Criar brinquedos e brincadeiras é uma tarefa interessante e divertida. Cada brinquedo pode ter uma forma, um tamanho, uma cor diferente, de acordo com a imaginação de quem o cria e o constrói.

A utilização de materiais de desperdício, além de transmitir e fomentar valores de defesa do meio ambiente, contribuindo para o desenvolvimento de competências e atitudes ecológicas, sociais, culturais e económicas, desperta a sensibilidade, estimula a imaginação e é um convite à vontade de criar e transformar.

A ação será orientada por Elisabete Santiago, Professora de 1º Ciclo. Em baixo encontra o desdobrável e a ficha de inscrição, que nos deverá ser remetida com a maior brevidade, atendendo a que o número de inscrições é limitado.

Para algum esclarecimento adicional poderá contactar-nos através do telefone 21 380 7300 ou e-mail iac-ludica@iacrianca.pt .

Desdobrável

Ficha de Inscrição

V Encontro do CIED – Escola e Comunidade

Novembro 11, 2011 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A Drª Maria João Malho (Técnica do CEDI do IAC – Centro de estudos, Documentação e Informação Sobre a Criança do Instituto de Apoio à Criança) irá apresentar a comunicação “RECREIO: o espaço eleito para brincar” na sala 302 no dia 19 de Novembro entre as 10h45 e as 12h15.  O Fórum sobre os Direitos das Crianças e dos Jovens de que o Instituto de Apoio à Criança é uma das instituições criadoras vai apresentar o poster “Fórum sobre os Direitos das Crianças : uma possibilidade de cidadania activa”  no dia 18 de novembro de 2011 entre as 19h00-20h00.

Apresentação

A quinta edição do Encontro do Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais – CIED pretende debater a educação no sentido amplo, como forma de intervenção social e comunitária, em múltiplos contextos, com diversas expressões e actores.

A partir de uma análise reflexiva e prospectiva, pretende-se aprofundar o debate em torno de questões fundamentais da educação.

O Encontro destina-se a professores, educadores, técnicos de intervenção social e comunitária, dirigentes associativos, estudantes de pós-graduação e cidadãos interessados nos desafios da educação.

O programa do Encontro desenvolve-se em 2 sessões plenárias, cujos debates serão suscitados pelas intervenções de oradores/as convidados/as, e por sessões abertas à apresentação de comunicações.
 

Objectivos:

– Promover apresentação de trabalhos científicos no âmbito educativo, estimulando o debate sobre as questões actuais que afectam os múltiplos contextos de educação;

– Estimular a formação de parcerias científicas entre Investigadores e Educadores;

– Promover o debate sobre práticas suportadas em evidências empíricas.

 Áreas temáticas:

1. Intervenção em Contextos de Risco

2.Inovação e colaboração em Contextos Sociais e Educativos

3.Educação dos 0 aos 12 anos

4.Educação para a Cidadania 

Mais informações Aqui

 


Entries e comentários feeds.