Os dois primeiros anos são muito importantes para as crianças, mas a adolescência é mais

Junho 25, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do i de 5 de junho de 2019.

Lançamento do livro de Vânia Beliz “Chamar as coisas pelos nomes : como e quando falar sobre sexualidade” 19 setembro FNAC Chiado 19.00 horas

Setembro 18, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação, Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

CHAMAR AS COISAS PELOS NOMES: Como e quando falar sobre sexualidade.

Editora Arena

Convido-vos a conhecer o meu novo livro dirigido às famílias, aos educadores e às educadoras. “Chamar as coisas pelos nomes” é o meu desafio de oferecer, a quem educa, estratégias simples para que se possam abordar com crianças e com jovens alguns dos temas mais importantes da sexualidade. O prefácio de Jorge Ascensão, Presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, é o ponto de partida do reconhecimento da importância desta temática na educação para a saúde.

Porque falar de sexualidade ultrapassa, em muito, a temática do sexo, convido-vos a descobrir como podemos promover a saúde e o bem-estar das nossas crianças desde o nascimento. Educamos para a sexualidade desde que nascemos, e a forma como nos comportamos e como educamos meninos e meninas é um ponto de partida importante para o sucesso das nossas relações. A forma como viveremos a nossa intimidade e como construiremos a nossa felicidade depende sempre da forma como integramos a nossa identidade, de como lidamos com o nosso corpo e as suas transformações, e de como vivemos os primeiros relacionamentos… Será que sente ter competências para abordar todos estes temas importantes?

E as questões da identidade: quem sou e como sou? a puberdade e a adolescência? Bem, “Chamar as coisas pelos nomes” poderá ser, assim, uma ferramenta que considero importante para todos e para todas que se preocupam com a felicidade dos seus filhos e das suas filhas, e que querem responder eficazmente a todas as perguntas e desafios que surgirem.

De forma objetiva e sem medo, chamemos as coisas pelos nomes!

O meu obrigada

Vânia Beliz 

 

Até quando dura a adolescência? Aos 24, dizem cientistas

Fevereiro 18, 2018 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do https://www.dn.pt/ de 19 de janeiro de 2018.

Apesar de a puberdade acontecer cada vez mais cedo, o início da vida adulta está a ser cada vez mais adiado

“Um miúdo de 25 anos”. “Um jovem de 35”. Expressões como estas ouvem-se frequentemente e dão conta da ideia generalizada de que o início da vida adulta acontece cada vez mais tarde. Mas agora um grupo de cientistas defende que a idade que define o início e o fim da adolescência deve ser alterada de forma a abranger as pessoas entre os 10 e os 24 anos.

Num texto publicado na revista The Lancet, estes investigadores consideram que definir um adolescente como uma pessoa que tem uma idade situada entre os 10 e os 24 (e não entre os 10 e os 18, como se considera atualmente) corresponde mais ao crescimento dos indivíduos e ao entendimento generalizado acerca desta fase da vida e iria permitir uma aplicação da lei de forma mais adequada.

A puberdade começa cada vez mais cedo, graças às melhorias registadas ao nível da alimentação, saúde e condições de vida, mas os indivíduos iniciam uma vida adulta cada vez mais tarde. Analistas alertam para o perigo de infantilizar os jovens, mas o assumir de responsabilidades profissionais ou familiares (casamento e paternidade) acontece numa fase mais adiantada da vida.

Segundo dados da Pordata, as mulheres em Portugal casam-se agora (2016), em média, aos 31 anos, e os homens aos 32,8. Em 1961, eles casavam-se aos 26,9 e elas aos 24,8. Também a idade para ter o primeiro filho foi adiada: passou dos 27,1 em 1990, para os 31,9 em 2016.

Além destes factores socias, os cientistas apontam razões biológicas para o adiamento oficail do início da vida adulta: o corpo, mais precisamente o cérebro, continua a desenvolver-se para lá dos 20 anos, a trabalhjar de forma mais rápida e eficiente.

 

 

Adolescentes na era digital

Janeiro 6, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Artigo do site do El País de 25 de dezembro de 2014.

Santi Burgos

La edad del pavo, en digital

La generación menor de 15 años es la primera que inicia la adolescencia con móvil propio

Los padres, desorientados ante la poderosa atracción de sus niños por las redes sociales

Luz Sánchez-Mellado

Sara, de 13 años, está de morros con sus padres. Se siente víctima de una injusticia. A pesar de sus buenas notas, han decidido confiscarle el móvil a las 11 de la noche, después de pillarla whatsappeando en la cama de madrugada. Al principio, protestó, clamó, chantajeó. Ahora, es ella la que le tira muy digna el teléfono a su madre, autora de este reportaje, antes de anunciar, cual rea rumbo al patíbulo, que se va a la cama. Sara era, dice su madre, “un bebé adorable”. Una niña risueña, cariñosa y siempre dispuesta a todo. Hasta que, súbitamente, mutó en la chica “contestona, indolente y alérgica a las efusiones” que describen hoy sus progenitores. Una adolescente de libro.

Sara está en plena eclosión hormonal. “Tengo un pavazo que no me tengo”, admite, entre ofendida y orgullosa. Nada que no pasara en su día su hermana Irene, hoy casi una adulta oficial a sus 17 años y medio. La diferencia es que, mientras Irene cruzó la delicada frontera entre niñez y adolescencia acompañada del ordenador situado en el salón de la casa, Sara lo está haciedo con el mundo, su mundo, incrustado las 24 horas en la palma de su mano en la pantalla de su teléfono móvil.

Irene, siendo nativa digital, ha tenido que migrar del PC al móvil. Sara, es nativa movildigital pura. La edad del pavo siempre fue difícil, pero el nuevo pavo digital tiene desorientados a muchos progenitores que, como los de Sara, compraron el móvil a sus niños para tenerlos más controlados, y han terminado con sus hijos localizados, sí, pero abducidos por una pantalla en la que no saben muy bien qué hacen ni con quién.

“Les estáis dando un BMW y les dejáis conducirlo solos, sin carné ni seguro. Vuestros hijos son digitales, y como vosotros no, renunciáis a controlarlos y a ponerles normas. No vale. Si le dáis una herramienta, tenéis que conocerla. Si os preocupáis de saber quiénes son sus amigos en la vida real, hacedlo también en la digital”. Esther Arén, inspectora jefe de la Unidad de Participación Ciudadana de la Policía, usa un estilo deliberadamente provocador para advertir a los padres sobre los riesgos de Internet y las redes sociales en conferencias como la que imparte hoy en el Instituto Dámaso Alonso de Madrid, invitada por la dirección y la AMPA del centro.

El auditorio, padres y madres universitarios de clase media, recibe la charla asintiendo con la cabeza y sintiéndose personalmente aludido, según dirán luego. “Algunos, os quedaríais de piedra al ver el vocabulario y las fotos que suben vuestros hijos a las redes. No vale decir que no sabéis. Nunca es tarde. Se puede aprender a conducir a los 40. Habladles. Ponedles normas. Horarios. Haceos un perfil. Ved a quién y quiénes les siguen. El móvil se lo pagáis vosotros, y el wifi. Que no os chantajeen con su intimidad. Son vuestros hijos, son menores y son vuestra responsabilidad”, concluye Aren, de 45 años, urgida por los whatsapps que su hija, de 13, lleva enviándole hace exactamente el rato que mamá debería haber acabado de trabajar. Parece que el control es mutuo.

Jesús Pernas, de 48 años, director del colegio público de Los Santos de la Humosa (Madrid), padre de un chico de 14 años, y consultor de redes y menores, tiene una visión diferente. “Si la policía tiene que venir a mi colegio, mal lo estoy haciendo como educador, y como padre”, explica. “Lo que es increíble es que Internet y las redes no estén presentes en el currículo escolar desde Primaria, cuando ocupa el 99% de su tiempo libre”, deplora. Pernas no comparte la recomendación de Arén de espiar a los hijos. “Prohibirles y amenazarles es criminalizarles, reconocer nuestro fracaso e invitarles a mentirnos. Ellos buscan en la red lo mismo que nosotros a su edad: el amor, la reafirmación, la emoción. Un chico suele ser en la red como es en la vida real. Ya no se sienten niños, están en un momento de búsqueda, han de decidir su camino. Ahí es donde tienen que estar los padres. Ese es el verdadero abismo, lo de la brecha digital es una excusa. Los padres hoy somos la generación XXL: nos viene todo grande. Hay que ponerte ante tu hijo y compartir su miedo. Hacer con él un trabajo emocional. Si le conquistas en la vida real, lo tendrás en la digital. Lo que no vale es quitarles el móvil. No es el futuro, sino el presente”.

Hoy es viernes por la tarde y Sara ha quedado con sus amigos Hugo, Sauditu, Isa y Kacper en el jardín situado junto al antiguo parque de bomberos de Alcalá de Henares (Madrid), donde residen. Así, “Bomberos”, se llama el grupo de Whatsapp a través del que se han citado, y por el que se intercambian mensajes, fotos, vídeos, y emoticonos a discreción durante todo el tiempo en el que no están juntos, incluso estándolo. Aunque todos empezaron con el “móvil patata”, la terminal básica que sus padres les compraron a los 10 o 12 años para “tenerlos colocados”, hoy todos tienen móvil con Internet. Ya son mayores. Además de Whatsapp, tienen perfil en Instagram —red de fotos y comentarios—, Snapchat —aplicación de conversación e imágenes que desaparecen a los 30 segundos— y Ask —red de preguntas y respuestas anónimas—, entre otras aplicaciones, juegos y redes. Menos para hablar, funden su tarifa en esas actividades. Lo hacen porque les gusta “sentirse siempre con los amigos, enterarse de cosas, cotillear, y, sí, gustarle a la peña”. “A ti también te gusta que te sigan en Twitter”, espeta Sara a su madre.

Salvo la reciente limitación horaria de Sara, y Hugo, a quien solo le dejan usarlo el fin de semana, todos usan su móvil sin injerencias paternas. Todos conocen a alguien a quien han insultado con epítetos como “maricón”, “bollera”, “foca” o “furcia” en las redes. Pero ellos, no. Todos suben fotos. Pero ninguna ligeros de ropa o en situaciones comprometidas, aunque el último cotilleo es que una conocida envió una foto desnuda a otro chaval, y acabó “rulando por todo Alcalá”. Todos saben los riesgos a los que se exponen. Pero todos “controlan”, aseveran con el gesto de superioridad de los adolescentes de toda época.

Sara aprovecha su público y cuenta, indignadísima, cómo su madre la “amenazó” con hacerse un perfil en Instagram para controlar sus fotos. “No confía en mí. No sé por quién me toma. Ni siquiera me deja ese poco de intimidad”, se duele, sin reparar en que cualquiera puede ver sus fotos en esa red. Sauditu, se solidariza con ella: “Yo tampoco quiero que me siga mi madre. Imagina que subo una foto y alguien comenta: “Me pones perraco”. Yo sé que es una broma, y me hace gracia, pero mi madre lo malinterpretaría”.

—¿Y si lo dice un desconocido?

—Le ignoraría, y si sigue molestándome, le bloquearía, y punto.

Para Sara y sus amigos, la vida es simple. Pero la realidad es más compleja. Hay ciberacoso escolar. Hay grooming, adultos que se hacen pasar por niños para lograr imágenes o favores sexuales. Hay niños que quedan con desconocidos. Hay casos de adicción a las redes. Hay suicidios. Por haber, hay hasta expertos que aconsejan no permitir el uso del móvil hasta los 16 años, cuando el 83% de los chicos de 14 ya tienen uno.

La inmensa mayoría de los niños y adolescentes usan el móvil para comunicarse y divertirse sanamente. La supervisión, los límites y las normas paternas —recomendadas por todos— parecen estrategias de sentido común para atravesar esa edad, la del pavo, que solo se cura con el tiempo. Dice Ícaro Moyano, consultor digital, y antiguo ejecutivo de Tuenti, que “en Internet, no hay años humanos, sino años perro. Un año en la vida digital, es como cinco o seis en la vida real. Y tres o cuatro años son una generación”. La que separa a Irene de Sara.

Hiperconectados

  •  El 30% de los niños de 10 años dispone de un móvil. A los 12, son el 70%. Y a los 14, el 83%
  • El 20% de los niños de 11 años tiene un perfil en alguna red social. A los 12, el porcentaje es del 50%. Y los de 15 en adelante, disponen de él en el 90% de los casos.
  • Un 38% de los menores sube contenidos audiovisuales a la Red sin permiso de sus padres.
  • El 90% de los padres confiesa que ignora si sus hijos visitan páginas peligrosas. En general, confían en que sus hijos “pueden controlar” cualquier cosa que pueda molestarles en la Red

Fuente: Intituto Nacional de Estadística y ‘Encuesta sobre hábitos de uso y seguridad de menores en Internet’ del Ministerio del Interior

más información

 

 

Crianças com puberdade precoce tendem a ter mais problemas mentais

Abril 10, 2013 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia da TVI 24 de 3 de Abril de 2013.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Early Puberty and Childhood Social and Behavioral Adjustment

Notícia original do Murdoch Childrens Research Institute

Early poor mental health link to early puberty

Conclusão é de um estudo realizado pelo Instituto de Investigação Infantil Murdoch de Melbourne, na Austrália

Por: tvi24

As crianças com puberdade precoce tendem a ter mais problemas mentais que as outras e enfrentam uma «dupla desvantagem» ao anteciparem o período de «vulnerabilidade emociona» dos adolescentes. A conclusão é de um estudo divulgado esta quarta-feira na Austrália.

O trabalho, realizado pelo Instituto de Investigação Infantil Murdoch de Melbourne, foi publicado na «Revista da Saúde do Adolescente e é o primeiro estudo deste tipo», de acordo com a agência noticiosa espanhola EFE.

O estudo assinala que as crianças com puberdade precoce avançam muito menos «em termos do seu mundo emocional» que as outras da mesma idade, indicou George Patton, um dos investigadores.

Além disso, têm uma maior taxa de problemas mentais, sobretudo as raparigas que atingem a puberdade entre os oito e os nove anos, adiantou.

A investigação revelou ainda que rapazes e raparigas com puberdade precoce têm os mesmos problemas psicossociais, mas que os primeiros têm também mais problemas de comportamento que os seus pares.

Os problemas sociais, emocionais e de conduta são comuns durante a puberdade e incluem a ansiedade, a depressão, a agressividade e a tendência para o abuso de substâncias psicoativas.

Em caso de puberdade precoce a vulnerabilidade aquele tipo de problemas é antecipada, segundo o estudo realizado entre 3.500 menores australianos.

Dados históricos indicam que a idade média do início da puberdade nas mulheres passou dos 17 para os 13 anos entre 1830 e 1960, uma variação que os especialistas atribuem a uma melhor nutrição e a um índice de massa corporal mais elevado.

No entanto, desde 1960 já se registou outra queda, disse George Patton, defendendo que as crianças com puberdade precoce necessitam de maior ajuda para ultrapassarem este período difícil das suas vidas.

13 º Congresso Português de Arte -Terapia

Setembro 12, 2012 às 2:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Mais informações Aqui

Puberdade. Querida, alguém está a encolher a infância

Julho 8, 2010 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Artigo do jornal i de 3 de Julho de 2010.

Fotografia de Filipe Casaca

Fotografia de Filipe Casaca

por Marta F. Reis

O peito começa a crescer um ano antes. Nos rapazes nota-se na voz. A ciência confirma, mas ainda não encontrou uma explicação

Irene Mateus tem 33 anos disto: “As meninas de oito anos, agora?”, ri. “Parecem as de 12, com maminhas e tudo… antes chegavam ao 3.o ciclo e às vezes ainda não tinham nada.” Para a professora do 1.o ciclo em Rio Maior, a avaliação é empírica: “Tenho alunos com oito e nove anoso com uma sensibilidade muito desenvolvida para o namoro, para apreciar o sexo oposto e o corpo.” Nas idas à piscina, conta, comparam o tamanho do peito. Nos SMS gabam-se dos músculos. “Preocupações com a roupa? Nem imagina…” A ciência está cá para explicar: a puberdade começa cada vez mais cedo e o seu fim tem continuado a cair na última década. Um estudo dinamarquês publicado em 2009 na revista “Pediatrics” faz um dos últimos balanços: nas meninas, a idade média do início de crescimento do peito diminuiu de 10,9 anos para 9,9 em 15 anos, e o aparecimento do período cerca de quatro meses. Nos rapazes a puberdade, em média, começará três a quatro meses mais cedo do que nos anos 90. O ponto de partida para um dos principais centros de estudo sobre a puberdade na Europa, o Departamento de Crescimento e Reprodução do Hospital Universitário de Copenhaga, foi uma pequena tragédia num dos mais famosos grupos corais da Escandinávia – o coro de rapazes de Copenhaga – em 2003, muitos dos pequenos coristas, admitidos a partir dos nove anos e então com 12/13 anos, não iriam poder participar numa tournée por estarem a mudar de voz cedo demais. Os investigadores decidiram agarrar o coro como caso de estudo, e em 2006 publicaram os primeiros resultados: num período de dez anos, as fífias adolescentes na voz tinham começado a aparecer em média quatro meses mais cedo. E quando mais forte fosse o rapaz aos oito anos, mais cedo isso acontecia. Meses depois a investigadora Lise Aksglæde decidiu verificar a tese em raparigas, e acabaram por avançar com um estudo misto com 4000 adolescentes que revela que os sintomas da puberdade recuaram até um ano desde a década de 90. Há trabalhos a consolidar os resultados dinamarqueses um pouco em todo o mundo, também em Portugal. Um estudo da antropóloga Cristina Padez, da Universidade de Coimbra, concluiu que a idade da menarca entre as mulheres portuguesas caiu cerca de um ano entre a década de 70 e a década de 80, dos 13,18 anos para os 12,03. Procurar novas explicações para este declínio é uma das preocupações dos investigadores nesta área. Sabe-se que nos últimos 150 anos, as melhorias na nutrição, higiene (por exemplo o facto de haver menos doenças infantis) e condições socioeconómicas nos países desenvolvidos, ter-se-á traduzido numa antecipação da puberdade, mas poderá haver outras como o stress familiar ou a exposição a toxinas, todos em estudo.

Meninos-adultos O desfasamento entre a idade física e a mental também provoca alguns receios. “A puberdade física e a social estão cada vez mais separadas. As crianças começam a desenvolver-se fisicamente em adultos antes de terem todo o tipo de informação sobre sexo, socialização e responsabilidade pessoais”, defende Mark Bellis, autor de estudos sobre o impacto da puberdade precoce no comportamento (ver caixa). A opinião é partilhada por Teresa Paula Marques, psicóloga especialista em em contexto escolar: “Daqui a algum tempo teremos pessoas com aspecto de adultos mas com atitudes de crianças”, diz. Entre especialistas, importa contudo distinguir duas realidades: a idade média da puberdade, e os casos precoces e patológicos. “Para lá da maior precocidade da entrada na puberdade, em termos populacionais, há casos de entrada muito precoce, que mesmo que não traduzam nenhuma situação patológica, podem causar problemas, já que, socialmente, a autonomia e identidade da adolescência se fazem mais tarde”, explica o pediatra Mário Cordeiro. Marcelo da Fonseca, da Sociedade Portuguesa de Pediatria, mantém que a puberdade normal “é progressiva e habitualmente tem início por volta dos 11 anos de idade no sexo feminino e dos 12 anos no sexo masculino”. António Piedade, especialista em antropologia biológica da Universidade de Lisboa acredita que pode estar em causa um ligeiro encolhimento da infância, sem que haja razões para preocupação. “Sempre houve infâncias mais curtas do que outras, o que importa é a qualidade”, afirma. “Tem-se sentido o recuo mais no caso das mulheres, até porque no caso dos rapazes pode dizer-se que a puberdade é mais discreta. Costumo dizer que as mulheres parecem maduras antes de o serem, e os homens são antes de o pareceram. Verificamos que a melhoria das condições de vida, do ponto de vista nutricional às vezes até excessiva, aumentou os casos precoces e diminuiu os tardios. Mas quando as condições ambientais se degradam a fisiologia atrasa a sua maturidade”, diz. Desvaloriza contudo a questão da maturidade psicológica, pela grande mescla que já hoje existe entre jovens. “Quem lida com crianças sabe que por volta dos 12 anos temos de tudo: meninas menstruadas, não menstruadas, rapazes sexualmente capazes e outros que não o são – são quatro grupos biológicos diferentes. Nunca poderemos estar todos completamente adaptados”, diz. Na prática, mais do que o salto físico, é a maturidade e a falta dela que salta à vista. António José Sarmento, professor de ciências no Colégio Planalto em Lisboa, só de rapazes, entende que mais do que o desenvolvimento físico nota-se que os alunos nos últimos anos são “infantis” durante mais tempo, e entram na puberdade por osmose. “A abordagem deve ser sempre esclarecer a curiosidade do jovem, mas que sentido faz um rapaz de 11 anos perguntar o que é um orgasmo, que não parte da sua experiência física nem estará no seu horizonte próximo?”, diz. Já Zilda Azevedo, professora numa escola do 1º ciclo da região de Lisboa, nota que as conversas sobre os temas da puberdade vão e vêm por fases, também por exposição: há alunos mais velhos, pesa a integração nas escolas dos alunos de realidades desfavorecidas que trazem as brincadeiras de casa. Nos coros infantis portugueses para já ainda não há muitas vozes a rachar mais cedo. Talvez porque, como explica Erica Mandillo, maestrina do Coro Infantil da Universidade de Lisboa, a amostra de rapazes nos grupos não seja muito grande. Mas as meninas também mudam de voz, e nessas, é verdade, acontece mais cedo.


Entries e comentários feeds.