Resultados de novo estudo podem ajudar a explicar discussões acesas nas redes sociais

Dezembro 25, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Kacper Pempel/ Reuters

Notícia da http://visao.sapo.pt/ de 13 de dezembro de 2017.

Repostas furiosas, ânimos exaltados,muito pouca ponderação. O cenário é conhecido de todos os que andam pelo mundo das redes sociais e uma nova investigação dá uma pista para o explicar

A voz de uma pessoa é mais persuasiva do que a palavra escrita e isso é relevante sobretudo quando em causa estão ideias diferentes das nossas.

Num estudo publicado recentemente no Psychological Science, uma equipa de investigadores das universidades da Califórnia e de Chicago, conduzida por Juliana Schroeder, levou a cabo várias experiências em que um grupo de voluntários era expostos a várias ideias: umas com as quais concordavam e as outras não.

Um dos exercícios consistia em fazer 300 participantes ver, ouvir ou ler argumentos sobre a guerra, o aborto ou a música, neste caso específico country ou rap, que são dois estilos que normalmente polarizam as opiniões. Depois, era pedido aos voluntários que avaliassem a pessoa que tinha exposto o argumento. Quando os participantes não concordavam, a tendência era a de “desumanizar” o interlocutor, ou atribuir-lhe uma menor capacidade para pensar ou sentir. Mas quando o mesmo argumento era ouvido, fosse em vídeo ou só mesmo através de um ficheiro de áudio, os participantes não se mostraram tão críticos.

Convicções transmitidas oralmente fazem o comunicador parecer mais razoável e até mais humano, explica ao The Washington Post Juliana Schroeder, enquanto as mesmas crenças perdem “os elementos humanizadores” quando são comunicadas por escrito.

A investigação começou com um artigo de jornal. Um dos cientistas leu uma citação no jornal de um discurso de um político com o qual discordava acentuadamente. Num email enviado ao Washington Post, Schroeder explica que o mesmo investigador ouviu, na semana seguinte, exatamente a mesma parte do discurso a passar na rádio e ficou “chocado” com a diferença da sua própria reação: Quando leu, o político pareceu-lhe imbecil, mas quando o ouviu, o mesmo político pareceu-lhe razoável.

Agora, já com o resultado do estudo na mão, Schroeder acredita que estas conclusões podem ajudar a explicar o efeito tão acentuado das redes sociais no aumento da polarização das opiniões políticas.

“De certa forma, a tecnologia está a tornar as nossas interações mais baseadas em texto. Muitas pessoas recebem a maioria das suas notícias através das redes sociais. Isto pode ser desumanizador e pode aumentar a polarização”, reflete.

 

 

Children consuming online time ‘like junk food’

Agosto 23, 2017 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia da http://www.bbc.com/ de 6 de agosto de 2017.

Parents must intervene to stop their children overusing social media and consuming time online “like junk food”, the children’s commissioner has said.

In an interview with the Observer, Anne Longfield criticised the ways social media giants use to draw children into spending more time.

She said parents should be proactive in stopping their children from bingeing on the internet in the summer holidays.

Ms Longfield has launched a campaign to help parents with the issue.

She said: “It’s something that every parent will talk about especially during school holidays; that children are in danger of seeing social media like sweeties, and their online time like junk food.

“None of us as parents would want our children to eat junk food all the time.

“For those same reasons we shouldn’t want our children to do the same with their online time.”

The commissioner added: “When phones, social media and games make us feel worried, stressed and out of control, it means we haven’t got the balance right.

“With your diet, you know that, because you don’t feel that good. It’s the same with social media.”

Last year, industry watchdog Ofcom said the internet overtook television as the most popular media pastime for children in the UK.

Children aged five to 15 are spending 15 hours a week on the internet.

Ms Longfield said children should be helped to understand that sites encourage them to continue their use based on what they have previously been doing online.

A study earlier this year of screen time and mental wellbeing among teenagers suggested that moderate use of devices may be beneficial.

The research, which appeared in the journal Psychological Science, was based on self-reported data from 120,000 15-year-olds in England.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

A Large-Scale Test of the Goldilocks Hypothesis : Quantifying the Relations Between Digital-Screen Use and the Mental Well-Being of Adolescents

 

 

 

“Bullying” na infância tem consequências futuras

Julho 29, 2017 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia da http://www.paisefilhos.pt/ de 12 de julho de 2017.

O “bullying” durante a infância poderá acarretar consequências duradouras negativas para a saúde, apurou um estudo da Universidade de Pittsburgh (EUA) que seguiu um grupo de mais de 300 homens desde o início da escola primária até aos 30 e poucos anos.

Considerando que o “bullying” leva a interações interpessoais stressantes, tanto para os perpetradores como para as vítimas, a equipa pôs como hipótese o facto de uns e outros correrem um maior risco de problemas de saúde relacionados com o stresse. Para testar a sua teoria, a equipa recrutou participantes do Estudo sobre a Juventude de Pittsburgh (“Pittsburgh Youth Study”) que incluía 500 rapazes que tinham frequentado as escolas públicas daquele estado norte-americano em 1987-8. Mais de metade dos rapazes eram negros e quase 60 por cento recebia apoios financeiros.

Os investigadores recolheram informação junto das crianças, pais e professores sobre comportamentos relacionados com “bullying” quando os rapazes tinham entre 10 e 12 anos, assim como efetuaram avaliações regulares sobre fatores de risco psicossociais, biológicos e comportamentais para o declínio da saúde.

A equipa conseguiu anos mais tarde recrutar mais de 300 participantes no estudo original, os quais foram analisados relativamente a níveis de stresse, historial médico, alimentação e exercício físico e estatuto socioeconómico, tendo a maioria também efetuado análises ao sangue, avaliações inflamatórias e medidas de altura e peso. Foi apurado que tanto os perpetradores como as vítimas de “bullying” na infância apresentavam fatores de risco para uma saúde física debilitada.

Mais especificamente, os rapazes autores de “bullying” tendiam a ser mais agressivos e a fumar na idade adulta, que são fatores de risco para as doenças cardiovasculares e oncológicas. Já as vítimas apresentavam uma propensão para terem mais dificuldades financeiras, menores rendimentos, experiências de vida mais stressantes e de sentirem que eram tratados de forma injusta, também fatores de risco para as doenças cardiovasculares.

mais informações na notícia:

Childhood bullying linked to health risks in adulthood

 

 

Crianças que lêem têm acesso a 70% mais palavras

Novembro 10, 2015 às 9:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia da Sábado de 10 de outubro de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

The Words Children Hear: Picture Books and the Statistics for Language Learning

áudio de uma entrevista de Jessica Montag

Ler ajuda à imaginação e não só. Segundo uma investigação da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, a leitura dá acesso a 70% mais palavras do que as conversas que os pais têm com as crianças. E até ler aos bebés ajuda nesta aprendizagem, já que estão a adquirir o ritmo da leitura ao ouvirem os adultos.

O estudo comparou o vocabulário das crianças, segundo as conversas dos pais e ainda os textos de livros infantis, e encontrou novas palavras relacionadas com a leitura.

Como explica a investigadora Jessica Montag, citada pela revista brasileira Crescer, há ainda outras vantagens na leitura: “O ponto principal é que há mais palavras únicas no texto de livros de imagens do que em discursos que temos com as crianças. A principal vantagem é que os livros introduzem novos assuntos e novas palavras que, normalmente, estão fora do linguagem quotidiana.” A investigação aponta ainda para o facto de a leitura reforçar a relação entre pais e filhos e ao debate de novos temas.

 

Os desenhos de uma criança podem dizer muito sobre sua inteligência

Março 13, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

texto do site http://revistagalileu.globo.com  de 20 de agosto de 2014.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Genes Influence Young Children’s Human Figure Drawings and Their Association With Intelligence a Decade Later

flickr creative commons clappstar

Tem filhos, irmãos mais novos, sobrinhos? Dê uma olhada no caderno de desenho dos pimpolhos. Um estudo de longo prazo feito pelo King’s College London mostrou que há uma relação entre o detalhamento dos desenhos dos pequenos e sua inteligência.

Para chegar a essa conclusão, eles analisaram mais de 7700 pares de gêmeos (idênticos e não idênticos) de quatro anos. Durante a análise, eles pediam que as crianças desenhassem alguém da idade delas. Então, os cientistas observavam o detalhamento do desenho. Quanto mais características o retrato tinha (cabelo, roupa, braço, dedos), mais pontos eram atribuídos ao desenho. Depois os gêmeos passavam por um teste simples de habilidades cognitivas. E aqueles que faziam desenhos mais detalhados também tiravam notas mais altas em testes verbais e não verbais que buscavam analisar sua inteligência.

Depois de dez anos, quando os gêmeos completavam 14 anos, eles eram chamados novamente para a análise. E, de novo, aqueles que fizeram desenhos mais detalhados aos quatro anos de idade, também tiveram melhores resultados em provas de análise cognitiva. Ou seja, o detalhamento do desenho das crianças era um fator capaz de ‘prever’ sua inteligência a longo prazo.

Além disso, pesquisadores descobriram que os desenhos de gêmeos idênticos eram mais parecidos do que desenhos de gêmeos dizigóticos, sugerindo que a maior similaridade genética também tem um papel na percepção do mundo – embora o mecanismo dessa ação ainda não seja conhecido.

Via Time

 

 

 

Desenhos de uma criança podem determinar a sua inteligência

Setembro 11, 2014 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

texto do site http://www.chiadomagazine.com de setembro de 2014.

Mais informações e o estudo indicado no texto na notícia original Children’s drawings indicate later intelligence

chiado magazine

Um estudo feito pelo King’s College London mostra-nos que existe uma relação muito próxima entre o nível de detalhes de um desenho de uma criança e a sua inteligência, conclusão atingida depois de analisar mais de 7700 pares de gémeos (idênticos e não idênticos) de quatro anos.

Durante a análise, os cientistas pediram que as crianças desenhassem alguém da idade delas. Depois disso verificavam o nível de detalhe do desenho. Quantos mais características tinha o retrato (cabelo, roupa, olhos, braços, dedos) mais pontos eram atribuídos.

Depois disso, os pares de gémeos passavam por um teste muito simples de habilidades cognitivas. Aquelas que faziam os desenhos mais detalhados tiraram sempre as notas mais altas em testes verbais e não verbais, que procuravam testar a sua inteligência.

Dez anos depois, quando as crianças completavam 14 anos, eram chamados novamente para testes. Novamente, aqueles que fizeram os desenhos mais detalhados com apenas quatro anos, tiveram melhores resultados em provas de análise cognitiva. Ou seja, os detalhes do desenho de uma criança são uma forma de supor a sua inteligência a longo prazo.

Além disso, os pesquisadores concluíram que os desenhos de gémeos idênticos tinham mais parecenças do que os desenhos de gémeos dizigóticos. Sugerindo por isso, que a maior similaridade genética também tem um papel na semelhança de percepção do mundo.

 

Bullying na infância e na adolescência tem efeitos na vida adulta

Setembro 4, 2013 às 12:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do site crescer.sapo.pt de 19 de Agosto de 2013.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Impact of Bullying in Childhood on Adult Health, Wealth, Crime, and Social Outcomes

Novo estudo mostra que adultos expostos ao «bullying» durante a infância têm maior probabilidade de desenvolver distúrbios psicológicos.

Há muito que se reconheceu que o bullying numa idade jovem representa um problema para as escolas, para os pais e para os formuladores de políticas públicas. Embora as crianças passem mais tempo com os seus pares do que os pais, há relativamente poucos estudos publicados sobre a compreensão do impacto dessas interações na vida para além da escola.

Os resultados de um novo estudo, publicado na revista Psychological Science, da Associação para a Ciência Psicológica, destaca a medida em que o risco de problemas relacionados com a saúde, a pobreza e as relações sociais é agravado pela exposição ao bullying. O estudo leva em consideração muitos fatores que vão além de resultados relacionados com a saúde.

Dieter Wolke, da Universidade de Warwick, no Reino Unido, e William E. Copeland, do Centro Médico da Universidade de Duke, nos Estados Unidos da América, olharam para além do estudo das vítimas e investigaram o impacto sobre todos os afetados: as vítimas, os próprios agressores e aqueles que se enquadram em ambas as categorias, as chamadas «vítimas-bullies».

«Não podemos continuar a ignorar o bullying como sendo uma parte inofensiva, quase inevitável, do crescimento», diz Dieter Wolke. «Precisamos de mudar esta mentalidade e reconhecer o bullying como um problema sério tanto para o indivíduo como para o país, já que os efeitos são duradouros e significativos.»

As « vítimas-bullies» apresentam um maior risco de problemas de saúde na idade adulta, com uma probabilidade seis vezes mais elevada de serem diagnosticados com uma doença grave, de serem fumadores regulares ou de desenvolverem um distúrbio psicológico quando comparadas com adultos que nunca se viram envolvidos em episódios de bullying.

Os resultados mostram que as «vítimas-bullies» são talvez o grupo mais vulnerável de todos. Este grupo pode virar-se para o bullying depois de ser intimidado, uma vez que pode não ter a regulação emocional ou o apoio necessário para lidar com o bullying.

«No caso das “vítimas-bullies”, o estudo mostra como o bullying pode alastrar-se quando não é tratado», acrescenta o investigador. «Algumas intervenções já estão disponíveis nas escolas, mas são necessárias novas ferramentas para ajudar os profissionais de saúde a identificar, monitorizar e lidar com os maus efeitos do bullying. O desafio que enfrentamos agora é aplicarmos tempo e recursos a tais intervenções para tentar colocar um fim ao assédio moral.»

Maria João Pratt

 

 


Entries e comentários feeds.