PSP: mais de 82 mil crianças receberam pulseira ‘Estou aqui’ em seis meses

Dezembro 30, 2017 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do http://observador.pt/ de 19 de dezembro de 2017.

Mais de 82 mil crianças receberam nos últimos seis meses uma pulseira do programa ‘Estou aqui’, que ajuda a localizar crianças perdidas dos pais, anunciou a Polícia da Segurança Pública.

Mais de 82 mil crianças receberam nos últimos seis meses uma pulseira do programa ‘Estou Aqui’, que ajuda a localizar crianças perdidas, anunciou esta terça-feira a Polícia da Segurança Pública (PSP). Neste período, foram registadas “três ativações com sucesso”, adianta PSP em comunicado.

Segundo a polícia, Lisboa (36,8%), Porto (17,3%) e Setúbal (11%) são os distritos com maior número de pedidos, reunindo no seu conjunto cerca de 65% do total de pedidos efetuados. “A nível etário, verifica-se uma distribuição relativamente homogénea, com maior incidência na faixa dos três aos sete anos”, adianta a PSP, informando que a sexta edição do programa teve início no passado dia 1 de junho e termina a 31 de maio de 2018, sendo dirigida a crianças dos dois aos dez anos.

No que respeita ao programa Estou Aqui Adultos (EAA), a PSP refere que tem registado “um menor número de pedidos e um maior número de ativações” face à vertente das crianças. Desde o início da fase alargada do Estou Aqui Adultos, no passado dia 20 de março, foram pedidas perto de 4.250 pulseiras e registaram-se, até ao momento, 17 pedidos de ativação.

Num primeiro balanço, verifica-se que há mais mulheres a utilizar este programa (cerca de 59%) do que homens (41%), sendo as faixas etárias mais representadas dos 80 aos 89 anos (35%) e dos 70 aos 79 anos (26%).

O Programa Estou Aqui Adultos “foi pensado para garantir a segurança de todos os utilizadores na via pública e para promover o reencontro célere com o familiar ou conhecido previamente indicado”.

É especialmente dirigido a pessoas que, em razão da idade ou de doença, possam ter momentos de desorientação e ficar incapacitadas de dizer quem são e de indicar quem são os seus contactos de emergência.

Para obter uma pulseira Estou Aqui Adultos, é necessário fazer a pré-inscrição na página https://estouaquiadultos.mai.gov.pt/Pages/Home.htm e levantar a pulseira na esquadra selecionada.

As pulseiras para as crianças podem ser pedidas em https://estouaqui.mai.gov.pt/, ficando disponíveis em poucos dias na esquadra da PSP escolhida. As pulseiras são pessoais, intransmissíveis e gratuitas e podem ser ativadas em outros países da União Europeia.

O programa resulta de uma parceria da Polícia de Segurança Pública com a Fundação PT e a Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna. O EAA conta ainda com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Alzheimer Portugal, Fundação Liga e FENACERCI.

 

 

 

Comunicar em segurança – desafio para escolas do 1º e 2º ciclo

Setembro 23, 2017 às 6:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

INSCRIÇÕES ATÉ 4 OUTUBRO

mais informações no link:

http://www.comunicaremseguranca.sapo.pt/

 

Programa Escola Segura – Conselhos da PSP

Setembro 20, 2017 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

https://www.facebook.com/policiasegurancapublica/

Truque para nunca perder a sua criança numa multidão

Setembro 18, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do site http://www.e-konomista.pt/ de 19 de junho de 2017

Júlia de Sousa

Basta um segundo a olhar para o lado para de repente se perder uma criança na multidão. Mas… o que fazer para a encontrar? Saiba aqui.

Encontrar uma criança numa multidão pode ser tão difícil como – já diz o ditado popular – encontrar uma “agulha num palheiro”.

E ainda que todo o ano seja propício a este tipo de preocupações, o verão traz muitas enchentes e com elas também muitos perigos. Seja na praia, num centro comercial, num parque público ou num evento, bastam alguns segundos para perder uma criança de vista. E se todos sabem como é fácil, em poucos segundos, perder uma criança de vista, também é bem sabido que este é, dúvida alguma, o maior receio de todos os pais.

A pensar nisso, e de forma a proteger as crianças, o Departamento da Polícia de Clovis, na Califórnia (Estados Unidos da América) partilhou, nas redes sociais, um truque muitos simples mas eficaz, que pode ajudar todos os pais em desespero neste tipo de situações. E a solução é (espante-se!) muito simples: pensos rápidos líquidos. Uma dica de segurança muito prática que todos os pais vão querer conhecer.

Por Portugal tem à sua disposição e dos seus filhos o programa “Estou Aqui!” da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Encontrar uma criança na multidão com o programa “Estou Aqui!”

Destinado a crianças com idades compreendidas entre os 2 e os 10 anos de idade, o programa da PSP “Estou Aqui!” consiste de uma pulseira com uma medalha onde está gravado um número de série e o número de emergência europeu 112.

A quem encontrar a criança perdida é pedido que entre em contacto de imediato com o 112 e forneça o número gravado na medalha da pulseira, de forma a que o responsável pela criança, cujo número está na base de dados da PSP, seja contactado de imediato.

Este programa decorre entre o dia 01 de junho de 2017 e o dia 31 de maio de 2018. É válido em Portugal e na Europa, uma vez que o número de emergência é o mesmo – 112 – e a PSP está em contacto constante com as suas congéneres europeias, podendo o programa “Estou Aqui!” ser ativado em caso de necessidade.

Se está interessado em adquirir a pulseira da PSP para os seus filhos, basta que preencha o formulário online no site dedicado ao programa, escolha a esquadra da PSP onde pretende levantar a pulseira e dirigir-se ao mesmo na data indicada.

É também importante salientar que a PSP alargou o programa “Estou Aqui!” a adultos, tendo um site dedicado.

Encontrar uma criança numa multidão é possível… graças a um penso rápido líquido

Não, não vai ser o penso rápido líquido que vai guiar as crianças perdidas de volta até aos pais, mas pode muito bem ser a solução para ajudar a encontrar uma criança numa multidão.

Segundo um post divulgado na página de Facebook da Polícia de Clovis, naquilo a que eles chamam de “tip-of-the-day” (dica do dia, em português), pode é usar este tipo de penso rápido para gravar os seus dados de contacto na própria criança.

Basta para isso que escreva o seu número de telefone no pulso da sua criança e passe o penso rápido líquido por cima dessas informações. O que vai acontecer é que, graças às propriedades deste tipo de pensos rápidos, a informação vai ficar selada. Mesmo que se tente lavar, a informação escrita não sai. Veja o post abaixo:

As dicas da Polícia de Clovis continuam a ser partilhadas e esta em particular conta já com mais de 26 mil partilhas no Facebook.

Outra das dicas deste departamento da polícia californiana para os pais é que, antes de sair de casa para locais muito populados, tirem uma fotografia dos seus filhos, de forma a possuírem sempre uma foto atualizada. Nestas situações todas as informações são essenciais.

Detalhes como o penteado ou as roupas exatas que a criança tinha vestidas podem ser fulcrais para encontrar uma criança perdida numa multidão.

É claro que nunca ninguém quer pensar no pior cenário e nunca se espera perder uma criança numa multidão, mas não há como negar que, tal como diz, novamente, o ditado, “mais vale prevenir do que remediar”.

O programa “Estou aqui” 2017 da PSP, tem como parceiros o Instituto de Apoio à Criança e a Missing Children Europe.

O Programa “Estou aqui” 2017: reserve já a sua pulseira.

Junho 5, 2017 às 1:08 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

 

Texto do Facebook da PSP de 31 de maio de 2017.

Estou Aqui® regressa a 1 de junho e traz novidades

Decorrerá no próximo dia 1 de junho, pelas 11h30, no Parque Marechal Carmona, Cascais, o lançamento do programa Estou Aqui (EA) 2017 da Polícia de Segurança Pública (PSP) com o apoio da Câmara Municipal de Cascais e dos parceiros Fundação PT, MEO, Missing Children Europe, Instituto de Apoio à Criança e Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna.

Este ano o programa traz duas novidades: a idade é alargada, passando a ser dirigido a crianças dos 2 aos 10 anos, e passa a estar ativo 365 dias por ano (de 1 de junho 2017 a 31 de maio 2018).

O EA é um programa inovador que, através de uma pulseira com código alfanumérico, permite (via 112 – Número Europeu de Emergência) de forma célere chegar ao contacto com os pais, educadores ou tutores de uma criança que se encontre perdida, promovendo o reencontro. Os dados são única e exclusivamente geridos pela PSP.

Em cinco edições o programa abrangeu mais de 163 mil crianças.

O lançamento do EA 2017 foi antecedido por um roadshow conjunto da PSP e MEO pelas escolas de norte a sul do país, que termina com o lançamento oficial do programa.

As pulseiras podem ser pedidas em https://estouaqui.mai.gov.pt/ e ficam disponíveis em poucos dias na esquadra da PSP escolhida. As pulseiras são pessoais, intransmissíveis e gratuitas e podem ser ativadas em outros países da União Europeia.

O evento de lançamento coincide com as comemorações do Dia Mundial da Criança e contará com mais de mil crianças, convidadas através da PSP – Escola Segura e terá diversas atividades lúdicas como a atuação do grupo de metais da Banda Sinfónica da PSP, exposição de meios e demonstração de valências. Os objetivos, para além da sensibilização quanto ao EA, são a proximidade entre a PSP e as crianças e proporcionar momentos de diversão e memórias positivas junto dos mais novos.

 

Não te deixes enganar pela Baleia – Se entras no jogo, o teu papel é perder

Maio 9, 2017 às 2:30 pm | Publicado em Divulgação, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

mais informações:

 

Não deixes que a Baleia te marque para sempre – Se entras no jogo é para perder

Maio 8, 2017 às 2:21 pm | Publicado em Divulgação, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

mais informações:

Prevenção contra Desafio “Baleia Azul” vídeo da PSP

Maio 4, 2017 às 12:30 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Baleia azul. Os conselhos da PSP sobre o jogo fatal

Abril 28, 2017 às 2:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

texto do https://ionline.sapo.pt/ de 27 de abril de 2017.

Shutterstock

Carlos Diogo Santos

O jogo que levou ao suicídio várias crianças e adolescentes em países como o Brasil e a Rússia já chegou às escolas portuguesas. Como o i noticia na edição de hoje, há links a circular por sms e whatsapp e mensagens a advertir para os riscos de entrar no desafio da baleia azul.

O i pediu à PSP alguns conselhos para que pais e filhos saibam o que fazer em caso de se sentirem ameaçados pelo “jogo”:

– Aconselha-se os pais a manterem-se informados relativamente ao jogo e a alertar as crianças e jovens para as suas implicações;

– Deve existir uma maior supervisão e monitorização das atividades dos filhos na internet e das redes sociais;

– Importa ainda que os pais alertem as crianças sobre os riscos de adicionar desconhecidos e recomendem que apenas a família, amigos e pessoas da escola façam parte da lista de amizades nas redes sociais;

– A PSP recomenda ainda o bom uso dos meios digitais e informa que não há necessidade de proibir o acesso aos mesmos;

– Ressalva-se que o mais importante é incentivar o diálogo e o debate no seio familiar sobre os assuntos relacionados com a segurança, perigos e privacidade na internet de forma a promover um maior conhecimento por parte das crianças e jovens;

– Sempre que os pais suspeitem que as crianças ou jovens estejam a ser alvo de violência psicológica ou intimidação devem dirigir-se à Esquadra da PSP mais próxima e efetuar uma denúncia relatando todos os factos.

 

 

 

PSP registou 1787 casos de violência no namoro entre jovens alunos

Fevereiro 14, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do http://www.dn.pt/ de 14 de fevereiro de 2017.

A atriz Sofia Arruda, de 28 anos, confessou ter sido vítima de violência no namoro durante a adolescência. “Quero alertar os jovens que não podem permitir este tipo de situações, nem praticá-lo”, adiantou num vídeo publicado no Youtube. Para sensibilizar os jovens para a questão, contou que tinha um namorado que “morria de ciúmes” e que a dominava   |  Orlando Almeida / Global Imagens

A atriz Sofia Arruda, de 28 anos, confessou ter sido vítima de violência no namoro durante a adolescência. “Quero alertar os jovens que não podem permitir este tipo de situações, nem praticá-lo”, adiantou num vídeo publicado no Youtube. Para sensibilizar os jovens para a questão, contou que tinha um namorado que “morria de ciúmes” e que a dominava
| Orlando Almeida / Global Imagens

 

Rute Coelho

Queixas aumentaram nos últimos anos, e com maior incidência nos ex-namorados. PSP e APAV fazem ações de sensibilização

Manuela (nome fictício), de 20 anos, da geração das redes sociais e da informação ao segundo, era vítima numa relação de violência com o namorado. Humilhada verbalmente em frente aos amigos dele, era também agredida quando estavam sós. A jovem, ainda a estudar numa escola secundária, nunca teve coragem de contar aos pais, com quem vivia, até porque o namoro era recente. Um dia, lembrou-se de uma ação de sensibilização para a violência no namoro que a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) tinha feito no liceu. Falou com uma amiga e dirigiu-se à APAV. Ia finalmente denunciar o que estava a viver e pedir apoio. O caso foi contado ao DN pela psicóloga Helena Sampaio, da APAV, que tem experiência no atendimento de vítimas e nas ações de sensibilização sobre o tema nas escolas.

“A violência no namoro é transversal a idades e a classes sociais e cada vez mais expressiva”, afirma perentória Helena Sampaio. Os últimos dados oficiais da PSP, de 2016, do Programa Escola Segura, que abrange 1,1 milhões de alunos, mostram a dimensão do fenómeno: 1787 casos denunciados à polícia, a maioria dos quais (1020) entre ex-namorados e 767 entre namorados. Desses, 103 ocorreram entre menores de 17 anos: 58 entre ex-namorados e 45 entre namorados.

ng8286910

Há três anos que a violência no namoro tem vindo sempre a aumentar, com a maior subida a registar-se de 2013 para 2014 (mais 501 casos), aumento explicado pelo facto de esta prática ter passado a ser punida criminalmente a partir de 2013, integrada no crime público de violência doméstica.

Helena Sampaio, que tem realizado ações de sensibilização nas escolas, garante que encontra muitos casos de “violência mútua” entre os jovens namorados. “Começa pela violência verbal nas redes sociais e depois evolui para a agressão física, a ponto de rapaz e rapariga serem ambos vítimas e agressores, num duplo papel”. E admite que há uma “banalização dos atos de violência entre jovens”.

Apesar de os números de 2016 indicarem que houve quase dois mil casos registados pela PSP, o subintendente Hugo Guinote, coordenador do Programa Escola Segura da polícia, ressalva que as ocorrências entre menores de 17 anos são apenas 5,80% do total de casos, “mantendo-se estabilizada esta proporção em 2015 (5,83%) e em 2016 (5,76%).

Os dados mostram que as denúncias têm vindo a aumentar nos últimos anos. “Atendendo a que as ações de sensibilização, especificamente sobre esta temática, têm vindo a aumentar em proporções muito mais acentuadas – tendo-se verificado mais 37,75% de ações de 2014 para 2015 e mais 32,5% de 2015 para 2016 – e a própria comunidade escolar se tem mobilizado muito mais na denúncia, este ligeiro aumento é uma evidência do período de desocultação que ainda estaremos a atravessar, e que é precisamente um dos objetivos do Programa Escola Segura”, referiu.

Namorados escolhem as roupas

Daniel Cotrim, assessor técnico da direção da APAV, conhece a realidade pelas ações de sensibilização nas escolas. “A verdade é que em 2017 as raparigas portuguesas ainda não contam aos pais que têm namorado.” Sublinhando que esse paradigma “tem de ser alterado”, Cotrim recorda o que tem notado nas estudantes: “A grande maioria das raparigas dizem que os namorados é que lhes escolhem as roupas quando vão sair na sexta-feira à noite e que eles têm acesso às passwords de e-mail e Facebook (e o contrário não acontece), que a primeira relação sexual é quase forçada, o ciúme desmesurado é visto como natural e a traição deles como uma falha delas.” Quando as vítimas são menores, a APAV contacta os pais e incentiva-os a assistir às consultas de acompanhamento. “A maior parte dos pais são apanhados de surpresa. Primeiro não acreditam, depois ficam irritados por não saberem do namoro e acabam por se culpar a eles próprios.”

 

« Página anteriorPágina seguinte »


Entries e comentários feeds.