Versão para crianças do Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança Relativo à Instituição de Um Procedimento de Comunicação

Maio 14, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

protocolo

descarregar aqui a versão em espanhol, inglês

Sessão de Lançamento de Publicações sobre Direitos da Criança – Assembleia da República, 2 de abril de 2014

Março 25, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

image002

Confirmação até dia 28 de março para ana.paula@gep.msess.gov.pt

descarregar as publicações aqui

programa

Crianças vão poder levar à ONU queixas sobre violações dos seus direitos

Janeiro 23, 2014 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 15 de Janeiro de 2014.

Madaree Tohlala AFP

Madaree Tohlala AFP

Bárbara Marinho

Quem tiver menos de 18 anos pode escrever ao Comité dos Direitos da Criança das Nações Unidas pedindo ajuda.

As crianças vítimas de abusos vão poder passar a fazer denúncias directamente ao Comité Internacional para os Direitos da Criança a partir de Abril, com a entrada em vigor do Terceiro Protocolo Facultativo à Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos das crianças caso de violação dos seus direitos. As crianças que tiverem esgotado todas as outras possibilidades passam a poder recorrer a esta instância internacional, como um adulto.

“Uma pessoa com menos 18 anos que considere que os seus direitos estão a ser violados, por exemplo que na escola está a ser objecto de violência, e que a escola não intervém para a proteger desse risco, pode escrever ao Comité dos Direitos da Criança pedindo apoio”, explicou aos jornalistas a portuguesa Marta Santos Pais, alta-representante da ONU para as crianças, considerando como “histórica” a entrada em vigor deste mecanismo.

Ao tornar-se no 10º país a ratificar o protocolo, a Costa Rica permitiu que este mecanismo, adotado pela Assembleia Nacional das Nações Unidas em 2011, entrasse em vigor. Além deste país da América central, os países que já ratificaram o novo protocolo à Convenção dos Direitos da Criança foram a Albânia, Alemanha, Bolívia, Eslováquia, Espanha, Gabão, Montenegro, Portugal e Tailândia.

Em virtude deste novo protocolo, as crianças poderão apresentar, a título individual ou colectivo, denúncias relacionadas com violações específicas de seus direitos, segundo os termos da Convenção relativa aos direitos da criança, ao protocolo sobre as crianças em conflitos armados, e ao protocolo sobre o tráfico de crianças, prostituição e pornografia infantil.

Se um país for considerado culpado por violar a Constituição, será obrigado a aplicar as recomendações do Comité. No entanto, apenas as crianças de países cujos Governos ratificaram o protocolo facultativo que estabelece um procedimento de comunicação, é que poderão apresentar as denúncias ao Comité.

“A comunidade internacional colocou efectivamente os direitos das crianças em pé de igualdade com os outros direitos humanos e, reconheceu que as crianças também têm o direito de recorrer a um mecanismo internacional como os adultos” declarou, em comunicado, um conjunto de organizações internacionais não-governamentais de apoio à adopção do protocolo.

O Comité dos Direitos da Criança, composto por 18 especialistas em direitos humanos, poderá actuar para proteger as crianças que apresentem denúncias de possíveis represálias, pedindo aos Estados envolvidos que tomem medidas provisórias para a criança ou grupo de crianças.

 

 

 

Novo instrumento legal reforça o direito das crianças a serem ouvidas

Janeiro 16, 2014 às 2:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Nota de Imprensa da Unicef de 14 de Janeiro de 2014.

unicef

A UNICEF juntou-se a defensores dos direitos das crianças de todo o mundo, congratulando-se com a notícia de que as crianças poderão em breve apresentar queixas junto do Comité das Nações Unidas dos Direitos da Criança, o que reforça o seu direito a serem ouvidas. O Terceiro Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança estabelece um procedimento de comunicação que protege expressamente o direito das crianças a uma via de recurso eficaz em caso de violação dos seus direitos.

ler  a nota de imprensa aqui

Ratificação do Protocolo Facultativo à Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança relativo à instituição de um procedimento de comunicação

Setembro 21, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Texto do Gabinete de Documentação e Direito Comparado de 9 de Setembro de 2013.

Resolução da Assembleia da República n.134/2013, Decreto do Presidente da República n.100/2013, de 9 de Setembro.

Aprova e ratifica o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à Instituição de Um Procedimento de Comunicação, adoptado em nova Iorque em 19 de dezembro de 2011.

O Protocolo que agora Portugal vem, por meio da Assembleia da República, aprovar e, por acto do Presidente da República, ratificar, institui um mecanismo de queixas por violação de algum dos direitos da criança consagrado na Convenção de 1989 relativa aos Direitos da Criança, no Protocolo Facultativo à Convenção relativo à venda de crianças, prostituição infantil e pornografia infantil, e, ou, no Protocolo Facultativo à Convenção, relativo à participação de crianças em conflitos armados.

Este instrumento integra-se na concepção universalista, de não divisibilidade e interdependência dos direitos humanos, permitindo um direito de queixa individual, e já não apenas colectivo, independentemente da natureza civil e política ou económica, social e cultural do direito violado. Insere-se, assim na linha dos instrumentos que teve início com o Protocolo Facultativo ao Pacto Internacional sobre os Direitos Económicos, Sociais e Culturais, e mais remotamente na Conferência de Viena sobre os Direitos Humanos de 1993.

Contudo, a inovação maior deste instrumento está em permitir que sejam formuladas queixas por ou por conta de menores, tradicionalmente entregues à guarda dos pais, de alguém em nome do direito, ou de uma instituição, e geralmente desprovidos, à excepção de reduzidos casos previstos na lei civil, e sempre por meio da intervenção de uma instituição, de meios para afirmarem autonomamente as suas reivindicações no domínio jurídico. Inovação reforçada, na medida em que a criança, por via desta superação permitida pelo Protocolo agora aprovado e ratificado, é, em pé de igualdade com os adultos, sujeito substantivo e processual de Direito Internacional Público.

Outro ponto de interesse neste Protocolo está no reconhecimento da acção popular em defesa da criança, uma vez que a queixa pode ser despoletada pela criança certamente, mas também por alguém em nome da criança, quer esta tenha conseguido dar o seu consentimento, quer não, tratando-se de denunciar uma situação de violação dos direitos humanos. Estará aqui a abertura de uma porta para, em outros instrumentos, se vir, por necessidade e utilidade, a admitir a acção popular?

Finalmente se poderá colocar a questão da adaptação à nova ordem dos direitos humanos, de instrumentos como a Convenção Europeia dos Direitos do Homem, muito limitada na sua redacção aos direitos civis e políticos. A evolução da jurisprudência do Tribunal Europeu vai no sentido da abertura da CEDH ao leque completo dos direitos humanos, na senda desta nova geração de instrumentos internacionais, abrangendo os direitos civis e políticos, e por interpretação, os económicos, sociais e culturais, relativos ao ambiente. A questão que se poderá ainda colocar estará na noção de vítima directa, da Convenção europeia, que talvez venha a conhecer alguma evolução com a admissão neste Protocolo, da acção popular.

Este Protocolo mentado a partir da necessidade de resolver questões concretas pode bem vir a ser mais um factor poderoso de evolução da concepção dos direitos humanos e da técnica de defesa e promoção destes direitos frente ao actual estado da arte neste domínio.

por Paulo Marrecas Ferreira

Decreto do Presidente da República n.º 100/2013. D.R. n.º 173, Série I de 2013-09-09

Presidência da República

Ratifica o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança Relativo à Instituição de Um Procedimento de Comunicação, adotado em Nova Iorque em 19 de dezembro de 2011

Resolução da Assembleia da República n.º 134/2013. D.R. n.º 173, Série I de 2013-09-09

Assembleia da República

Aprova o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança Relativo à Instituição de Um Procedimento de Comunicação, adotado em Nova Iorque em 19 de dezembro de 2011


Entries e comentários feeds.