Mais de uma em cada quatro crianças tem excesso de peso em Portugal

Janeiro 14, 2017 às 1:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do site http://www.educare.pt/ de 27 de dezembro de 2016.

O relatório mencionado na notícia é o seguinte:

Health at a Glance: Europe 2016 State of Health in the EU Cycle

educare

O problema da obesidade infantil é que estas crianças poderão tornar-se adultos obesos, alerta relatório da OCDE.

Andreia Lobo

Entrava no supermercado e Miguel (nome fictício) ia direto à prateleira dos salgadinhos. Com 11 anos adorava os “cheetos”. Um aperitivo de farinha de milho com sabor a queijo. Devorava um pacote antes do jantar. A cena repetia-se diariamente. Até que, numa consulta de rotina, a pediatra ficou chocada com o seu peso. Hoje, Miguel tem 17 anos. Corre diariamente. Come cinco peças de fruta, por dia. E começa a refeição sempre com sopa, seja em casa ou na escola. Mostra uma vontade férrea em não voltar a ser o gorducho que foi até aos 14 anos. À mesa das famílias portuguesas continuam a faltar os legumes. Seja no prato, a acompanhar a carne e o peixe, ou na forma de sopa. As crianças portuguesas estão entre as que mais comem fruta, mas são das que menos comem vegetais. É o que diz o relatório “Health at a Glance: Europe 2016” sobre os hábitos de alimentação saudável nos 28 Estados-membros da União Europeia.

A obesidade das crianças portuguesas recebe uma chamada de atenção dos autores do relatório. Mas não são as únicas a dar motivos de preocupação. “Mais de uma em cada quatro crianças tem excesso de peso na Áustria, Hungria e Portugal e mais de uma em cada três na Grécia e Itália”, lê-se no relatório publicado em novembro pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Em média, 23% dos rapazes e 21% das raparigas dos 28 Estados-membros têm excesso de peso. A tendência é para os rapazes pesarem mais do que as raparigas. Em Portugal acontece o contrário: as raparigas têm mais peso que os rapazes, o valor da obesidade ultrapassa os 30% nelas e fica nos 25% neles. No Reino Unido, Irlanda, Suécia, Suíça e Turquia acontece o mesmo, elas são mais pesadas.

O relatório “Health Behaviour in School-based Children” mostra que entre as crianças e jovens europeus em idade escolar, 21% dos rapazes e 13% das raparigas tinham excesso de peso em 2013/2014. O peso da obesidade nesta faixa variava de 12% na Dinamarca para 30% em Malta. Mundialmente as balanças estão a mostrar valores cada vez mais altos: entre 2001/2002 e 2013/2014 a percentagem de jovens de 15 anos com excesso de peso aumentou de 11% para 18%, entre os países da União Europeia. O problema da obesidade infantil, lembra a OCDE, é que estas crianças poderão tornar-se adultos obesos.

Pouco exercício físico
Quer chova ou faça sol, Miguel não dispensa o exercício diário. Começou a correr aos 15 anos. Tem a sorte de morar junto a um parque público com bastantes subidas e descidas. E é com as corridas que mantém o peso certo.

Segundo o relatório da OCDE, a falta de exercício é também um problema sério. Nas crianças entre os 11 e os 15 anos, em todos os países europeus, a prática de exercício físico tem vindo a diminuir. Os autores deste relatório lembram que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda 60 minutos diários de “atividade física moderada a vigorosa” para as crianças. Poucas o farão. A OCDE alerta que nem sempre existem equipamentos ou espaços para a prática da educação física, mesmo ao nível dos currículos, que possibilitem o cumprimento desta recomendação.

Na UE uma em quatro crianças faz exercício “moderado a vigoroso” regularmente. Os melhores cenários surgem na Finlândia e na Irlanda onde 34% das raparigas e 45% dos rapazes com 11 anos fazem exercício diário pelo menos durante uma hora. Na Bulgária, Croácia, Roménia, República Checa e Espanha, cerca de 35% dos rapazes são fortes praticantes de exercício. Na faixa etária dos 15 anos, lideram os rapazes espanhóis, seguidos dos búlgaros, croatas, irlandeses, luxemburgueses, polacos e checos. As raparigas na Bulgária, República Checa, Finlândia, Letónia e República Eslovaca são as mais ativas.

Relativamente às crianças, Dinamarca, França, Grécia e Itália sãos os países onde menos se pratica exercício. Piores só mesmo os italianos. Tanto os rapazes como as raparigas ocupam as últimas posições, são os mais sedentários quer nos 11 quer nos 15 anos. Preocupante é a redução da prática de exercício verificada à medida que as crianças vão crescendo, ou seja, na passagem dos 11 aos 15 anos. Mais notória no sexo feminino. Em Portugal, na Áustria, Finlândia, Irlanda, Polónia e Eslovénia a percentagem de atividade física entre as raparigas cai em 60%.

Consumo de frutas e legumes
Comer mais fruta e legumes pode ser uma questão, simplesmente, de os ter mais à mão. A exposição a estes alimentos, em casa ou na escola, é um fator importante no aumento do seu consumo. E este é também um indicador de saúde alimentar, reconhecem os peritos da OCDE.

Os jovens de 15 anos surgem na décima posição na lista dos que mais fruta comem nos 28 Estados Membros da UE. Os maiores consumidores de fruta são os rapazes, na Dinamarca, Irlanda, Luxemburgo e Portugal e as raparigas na Áustria, Dinamarca, Irlanda e Itália. Pelo contrário, Grécia, Letónia e Suécia (rapazes e raparigas) e Finlândia (rapazes) são os menores consumidores de fruta, com rácios de uma em quatro para as raparigas e menos de um em cinco para os rapazes.

No que respeita ao consumo diário de legumes em 2013/2014, uma em cada três raparigas e um em cada quatro rapazes diziam-se consumidores diários, nos países da UE. Na Bélgica, 61% das raparigas comem legumes todos os dias, são seguidas pelas colegas da Dinamarca, Irlanda e Holanda, com percentagens de consumo a oscilarem entre os 45% e 50%. A Bélgica continua a liderar o ranking do consumo destes alimentos entre os rapazes (52%), seguida da Irlanda (41%) e da França (40%). Comer vegetais todos os dias é prática menos comum em Espanha, Estónia, Portugal (nas raparigas) e Finlândia e Alemanha (rapazes). As diferenças de consumo entre géneros são maiores na Finlândia, Alemanha e Itália.

Ainda assim, os europeus estão a comer cada vez mais legumes. Nos últimos 14 anos, o consumo médio diário aumentou, entre rapazes e raparigas. O maior aumento, acima dos 10%, foi registado na Dinamarca e na Estónia, em ambos os sexos. Lituânia (rapazes e raparigas), Áustria (raparigas) e Irlanda (rapazes) registaram aumentos na ordem dos 8 a 10%. Já o consumo de fruta registou um aumento de 2001 a 2009, mas começou a diminuir a partir de 2010 entre as raparigas. O consumo aumentou em mais de 10% na Áustria, Dinamarca, Estónia, Grécia, Hungria e Malta, também na Espanha e na Suécia (só entre as raparigas), mas diminuiu na Alemanha e na Polónia.

Face a estes números, a OCDE recomenda aos países que desenvolvam estratégias eficazes para assegurar que o consumo de frutas e vegetais, nas crianças e nos jovens, esteja conforme as diretivas mundiais na área da alimentação. O relatório destaca a atuação realizada no âmbito do programa europeu de consumo de fruta e vegetais na escola. No ano letivo de 2009/2010 o programa foi introduzido em 24 países da União Europeia. Os resultados permitem olhar o futuro com otimismo. “As intervenções ao nível da alimentação nas escolas têm um efeito forte e positivo no consumo de frutas e vegetais entre as crianças”, concluem os autores do relatório.

 

Tablet deve ficar fora da mesa para evitar obesidade, dizem pediatras

Dezembro 22, 2016 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do http://lifestyle.publico.pt/ de 16 de dezembro de 2016.

eric-gaillard

Lusa

Pediatras aconselham refeições em família sem qualquer dispositivo móvel.

Os pediatras defenderam esta sexta-feira a realização de refeições em família e sem qualquer dispositivo móvel como forma de evitar a obesidade, pois sem tecnologias a criança come devagar e percebe quando está saciada.

No âmbito da 23.ª edição das Jornadas de Pediatria de Leiria e Caldas da Rainha, organizado pelo Centro Hospitalar de Leiria, a pediatra do Centro Hospitalar Lisboa Central, Júlia Galhardo, afirmou que os “tablet, iPhone e demais ‘is’ não podem estar na mesa”.

“Se a criança estiver distraída não vai sinalizar que já está saciada e vai continuar a comer. As refeições devem ser feitas em família e devagar. Conversando sobre como correu o dia come-se mais devagar e o organismo tem tempo para fazer a sinalização [saciedade]”.

Júlia Galhardo criticou ainda a forma como as refeições decorrem nas escolas, onde são feitas a correr. “Quem comer a sopa primeiro é que ganha. Está errado. Quem come a sopa devagar, é que deve ser premiado”.

A mesma opinião tem a pediatra do Hospital da CUF, no Porto, Carla Rêgo, que considerou ainda as creches o “lugar mais catastrófico” na questão da alimentação. Esta pediatra recomenda ainda a proibição do uso do biberão a partir dos 12 meses, pois “permite a ingestão sem controlo de volumes brutais de leite”, assim como o “leitinho noturno”, onde vão ser ingeridas proteínas “sem serem gastas”.

A ingestão frequente de água, fazer cinco a seis refeições diárias, com poucas porções, comer devagar e não repetir são outros conselhos deixados. “Deve-se estimular a variedade e evitar proteínas e hidratos de carbono ao jantar. A partir da adolescência, o jantar pode ser apenas água, sopa e fruta”.

Júlia Galhardo considerou que os sabores são outro aspecto que pode influenciar o excesso de peso, pelo que recomendou que o bebé comece a ingerir primeiro a sopa e só mais tarde a papa. “Se comer primeiro a papa, que é mais doce, vai ter mais dificuldade em introduzir o [sabor] amargo”.

Outra sugestão deixada por esta pediatra é recorrer a actividades do dia-a-dia para “pôr as crianças a mexerem-se”. Por exemplo, “participar na limpeza da casa, ouvindo música e dançando ao mesmo tempo ou brincando com um animal de estimação”. Defendendo que “não é preciso ser fundamentalista” nas regras, Carla Rêgo considerou que a preocupação “não deve ser apenas com o fast food“, pois “as bolachas, as barritas e outros alimentos processados têm muito açúcar e gordura”.

A prevalência nacional da obesidade em idade pediátrica em Portugal é de 31,4%, revelou ainda Carla Rêgo, adiantando que o “valor mais elevado verifica-se no Norte”.

 

 

Jovem investigadora vence prémio com trabalho sobre obesidade infantil

Outubro 10, 2016 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do http://p3.publico.pt/ de 22 de setembro de 2016.

John Vizcaino/Reuters

John Vizcaino/Reuters

Liane Costa recebeu 20.000 euros com um estudo sobre o impacto da obesidade na saúde de crianças em idade escolar. Em Portugal, 33,3% das crianças entre os dois e os 12 anos têm excesso de peso

Texto de Lusa

A investigadora Liane Costa, que este ano terminou o internato de formação específica em Pediatria, no Hospital de São João, no Porto, venceu o Prémio Banco Carregosa/SRNOM, no valor de 20.000 euros, com um trabalho na área da obesidade infantil.

Segundo a investigadora, o trabalho, denominado “Childhood Obesity – Related Inflammation and Vascular Injury Impact on the Kidney”, contribuiu “substancialmente para a compreensão do impacto da obesidade no rim e na vasculatura de crianças em idade escolar”.

Liane Costa explicou que “a maioria dos mecanismos envolvidos na associação entre obesidade, disfunção vascular e lesão renal são ainda largamente desconhecidos e têm sido muito pouco explorados em idade pediátrica”. Assim, “foi nosso objectivo contribuir para um melhor conhecimento destes mecanismos, através do estudo de uma amostra de crianças pré-púberes saudáveis, provenientes de uma coorte de nascimentos portuguesa (Geração XXI)”, acrescentou. No seu trabalho, a investigadora observou que “o consumo de álcool durante a gravidez e a obesidade materna contribuíram para o impacto da obesidade na função renal das crianças”, o que, em seu entender, “reforça a necessidade de estratégias preventivas em relação à obesidade, ainda antes do nascimento”.

“Propusemos uma nova forma de ajuste da função renal ao tamanho corporal, o que constitui um resultado com importantes implicações na investigação e prática clínica”, explicou. Para a jovem médica, de 32 anos, este prémio é “uma motivação suplementar para conjugar as duas vertentes — clínica assistencial e de investigação”.

“Espero que seja um bom exemplo, sobretudo, para os colegas mais novos que, de facto, é possível fazer clínica, sermos internos da especialidade e, ao mesmo tempo, fazermos investigação. Espero que sirva como motivação extra, sobretudo para os meus colegas mais novos”, sublinhou. Liane Costa pretende continuar com a sua formação, na área da nefrologia pediátrica, mantendo, em simultâneo, a investigação.

“Irei tentar aplicar este prémio na prossecução de objectivos nesta linha de investigação em que estou agora envolvida”, acrescentou. Segundo o estudo 2013-2014 da Associação Portuguesa contra a Obesidade Infantil (APCOI), que contou com 18.374 crianças (uma das maiores amostras neste tipo de investigação), 33,3% das crianças entre os dois e os 12 anos têm excesso de peso, das quais 16,8% são obesas. De acordo com a Comissão Europeia, Portugal está entre os países da Europa com maior número de crianças afectadas por esta epidemia.

O Prémio Banco Carregosa/ Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos tem um valor total de 25.000 euros — 20.000 euros para o projecto classificado em 1.º lugar e 5.000 euros a dividir por duas menções honrosas, e será entregue esta quinta-feira, 22 de Setembro, no Porto. A coordenação científica está a cargo de Sobrinho Simões.

 

 

 

Estudo conclui que filhos de mães pouco escolarizadas tendem a ser obesos

Março 19, 2016 às 6:34 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 11 de março de 2016.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Impact of Low Maternal Education on Early Childhood Overweight and Obesity in Europe

LUSA

Em Portugal, 21% das crianças têm excesso de peso e 6,5% são obesas.

Dois investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) participaram num estudo internacional que conclui que os filhos de mães com baixa escolaridade apresentam um risco maior de terem excesso de peso e obesidade.

De acordo com um comunicado sobre o estudo enviado pelo ISPUP, no qual participam os investigadores Henrique Barros e Sofia Correia, da Unidade de Pesquisa de Epidemiologia daquele instituto, em Portugal registaram-se “percentagens elevadas e excesso de peso e de obesidade e uma percentagem elevada de mães pouco escolarizadas”.

Apesar das desigualdades de género terem sido semelhantes às observadas em outros países europeus, a diferença absoluta na proporção de excesso de peso entre os extremos de escolaridade foi “particularmente elevada nas raparigas”, acrescenta.

Portugal apresentou uma percentagem de 21% de crianças com excesso de peso (resultado parecido com o observado em Espanha e Reino Unido), variando entre 9% na Holanda e 24% na Grécia e em Itália, lê-se na nota informativa. Em relação à obesidade, o estudo mostrou variações entre 1% em França e 6.5% em Portugal.

Para a investigação Impacto da Baixa Escolaridade Materna no Excesso de Peso e Obesidade na Primeira Infância na Europa foram recolhidos dados de 11 estudos europeus de coorte – projectos prospectivos em que os participantes são avaliados ao longo do tempo.

Esses estudos, iniciados em fases “muito precoces”, levaram a num total de 45 413 crianças entre os 4 e os 7 anos, tendo os dados nacionais sido recolhidos no âmbito do projecto Geração XXI, coorte que segue mais de 8500 crianças desde o nascimento (em 2005-2006).

“Independentemente de outras características, o risco de excesso de peso em crianças de mães pouco escolarizadas foi cerca 1.6 vezes superior ao daquelas no topo da hierarquia”, valor que aumentou para 2.6 quando avaliado o risco de obesidade, explicou Sofia Correia. “Em termos absolutos, verifica-se uma diferença média entre os extremos de escolaridade na proporção de excesso de peso e de obesidade de quase 8% e 4%, respectivamente”, acrescentou.

Durante o estudo foram também observadas diferenças sociais na composição corporal das crianças em diferentes países europeus, o que pode contribuir para “perpetuar a desvantagem social” em saúde nos próximos anos, informa ainda o comunicado.

Os autores do estudo concluem que estes resultados “reforçam a urgência de uma intervenção precoce, mesmo antes do nascimento, no sentido de alcançar equidade em saúde”.

Report of the commission on ending childhood obesity – relatório da OMS

Janeiro 29, 2016 às 10:30 am | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

report

According to the report, many children are growing up today in environments encouraging weight gain and obesity. Driven by globalization and urbanization, exposure to unhealthy (obesogneic) environments is increasing in high-, middle- and low-income countries and across all socioeconomic groups. The marketing of unhealthy foods and non-alcoholic beverages was identified as a major factor in the increase in numbers of children being overweight and obese, particularly in the developing world.

Overweight prevalence among children aged under 5 years has risen between 1990 and 2014, from 4.8% to 6.1%, with numbers of affected children rising from 31 million to 41 million during that time. The number of overweight children in lower middle-income countries has more than doubled over that period, from 7.5 million to 15.5 million.

In 2014, almost half (48%) of all overweight and obese children aged under 5 lived in Asia and one-quarter (25%) in Africa. The number of overweight children aged under 5 in Africa has nearly doubled since 1990 (5.4 million to 10.3 million).

descarregar o relatório no link:

http://www.who.int/end-childhood-obesity/news/launch-final-report/en/

 

OMS culpa publicidade pelo aumento da obesidade infantil

Janeiro 29, 2016 às 10:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do http://economico.sapo.pt de 26 de janeiro de 2016.

Recomendações e relatório da OMS no link:

http://www.who.int/end-childhood-obesity/news/launch-final-report/en/

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Advertising as a cue to consume: a systematic review and meta-analysis of the effects of acute exposure to unhealthy food and nonalcoholic beverage advertising on intake in children and adults

card_obesidade_260116

A obesidade infantil está a aumentar de forma galopante e a culpa pode ser da publicidade, diz a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O número de crianças abaixo dos cinco anos com excesso de peso aumentou em 10 milhões, nos últimos 15 anos. A taxa, que em 1990 era de 4,8%, passou para os actuais 6,1%, revelou ontem a OMS, que aponta o dedo ao marketing e à publicidade, sem restrições no que toca aos refrigerantes e a outras bebidas açucaradas.

O contributo da publicidade para que as crianças comam cada vez pior e para a actual epidemia de obesidade infantil tem sido comprovada por sucessivos estudos. Um dos mais recentes foi realizado pela Universidade de Liverpool e publicado, este mês, no American Jounal of Clinical Nutrition.

Os investigadores do Instituto de Psicologia, Saúde e Sociedade daquela instituição avaliaram o impacto da publicidade a alimentos não-saudáveis no seu consumo por crianças e adultos e concluíram que, no caso dos mais novos, a exposição a anúncios de televisão ou na internet levou a um aumento significativo da ingestão destes alimentos. Mas o mesmo não aconteceu no adultos. O estudo revela ainda que o impacto nas crianças é o mesmo em qualquer um dos meios utilizados.

“A nossa análise mostra que a publicidade não influencia apenas a preferência por uma marca, mas impulsiona o consumo.

Dado que quase todas as crianças, nas sociedades ocidentalizadas, estão expostas, numa base diária, a grandes quantidades de publicidade a alimentos não saudáveis, esta é uma preocupação real”, explicou Emma J. Boyland, responsável pela equipa de investigadores.

Boyland diz ainda que o aumento gradual da ingestão de calorias resultou na “actual epidemia de obesidade infantil” e defende que o marketing alimentar tem um papel crítico nesta matéria.

Estes resultados justificam, com base científica, as recomendações para a adopção de estratégias e políticas que reduzam a exposição das crianças à publicidade de alimentos.

 

Prevalência de Excesso de Peso e Obesidade Infantil nos Exames Globais de Saúde dos 5-6 Anos – artigo da Acta Pediátrica Portuguesa

Junho 20, 2015 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Artigo da Acta Pediátrica Portuguesa    v. 46, n. 2 (2015)

Prevalência de Excesso de Peso e Obesidade Infantil nos Exames Globais de Saúde dos 5-6 Anos

Resultados: Foram incluídas 344 crianças neste estudo. Utilizando as tabelas de percentis do Center for Disease Control and Prevention, constatou-se uma prevalência total de excesso de peso de 17% e de obesidade infantil de 21%. Analisando os resultados segundo as tabelas de percentis da Organização Mundial de Saúde, constatou-se uma prevalência total de excesso de peso de 21% e de 15% de obesidade infantil.

 

 

Portugal não reduziu excesso de peso e obesidade entre adolescentes

Março 24, 2015 às 2:09 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 24 de março de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Trends in young people’s health and social determinants

Nuno Ferreira Santos

Andreia Sanches

Estudo internacional passa em revista dados de 2002, 2006 e 2010 e traça tendências. Investigadora do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo diz que a meta de travar epidemia da obesidade foi alcançada. Agora falta reduzir a prevalência.

Os adolescentes estão em geral “mais saudáveis” do que há uma década, conclui o estudo Tendências na saúde dos jovens e determinantes sociais publicado nesta terça-feira no The European Journal of Public Health, com base em dados recolhidos em vários países da Europa e América do Norte. Mas há um aspecto que causa preocupação: o número dos que sofrem de excesso de peso e obesidade não está a diminuir. Portugal faz parte do grupo dos que há anos se destacam pela negativa.

Em 2002, 19% dos rapazes adolescentes portugueses apresentavam excesso de peso ou obesidade. Em 2010, eram 21,34%. Em 25 países analisados, ao longo de oito anos, Portugal esteve sempre no grupo dos seis onde o problema mais se faz sentir entre os jovens. Nas raparigas, as taxas oscilaram entre os 13,54% e os 15,87% (respectivamente em 2002 e 2010). Mais, só nos Estados Unidos.

O trabalho publicado no The European Journal of Public Health passa em revista os dados obtidos no âmbito do Health Behaviour in School-aged Children (HBSC) — um grande levantamento dos comportamentos e estilos de vida dos adolescentes que é publicado de quatro em quatro anos em colaboração com a Organização Mundial de Saúde (OMS). O último inquérito HBSC foi feito em 2014 em 43 países e abrangeu em Portugal 6026 jovens com uma média de idades de 14 anos. Os dados nacionais já antecipados, em Dezembro, mostraram que o peso dos adolescentes portugueses com excesso de peso ou obesidade se mantinha idêntico ao que havia sido registado no inquérito de quatro anos antes (15,2% com excesso de peso, 3% obesos). Mas estes dados de 2014 não estão ainda reflectidos na análise publicada nesta terça feira.

O trabalho hoje publicado é constituído por um conjunto de 21 artigos de investigadores de vários países que analisaram os inquéritos do HBSC de 2002, 2006 e 2010. O projecto foi coordenado pela Universidade de St. Andrews, na Escócia, em colaboração com a OMS. O objectivo é aproveitar o manancial de informação que foi sendo apurada nos diferentes inquéritos quadrianuais e traçar tendências.

Um dos artigos aborda a prevalência do excesso de peso e da obesidade em 25 países europeus, mais Canadá e Estados Unidos. Sem surpresas, os Estados Unidos ocupam sistematicamente o topo da tabela. A Ucrânia é o país onde o problema tem tido menor dimensão ao longo do período em análise. Em 13 países, o excesso de peso e a obesidade ganharam terreno entre os rapazes, de forma que os peritos consideram significativa. O mesmo aconteceu entre as raparigas, em 12 países. É no leste europeu — caso da Croácia, da República Checa, da Estónia, ou da Rússia, por exemplo — que a situação mais se tem agravado.

Em Portugal, os dados apontam para uma estabilização, segundo os peritos. Mas por que razão o problema se mantém praticamente inalterado? Contactada pelo PÚBLICO Ana Rito, investigadora do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge e coordenadora do programa MUN-SI (Programa de Promoção de Saúde Infantil em Municípios), diz que não se trata de uma derrota: “Portugal travou o carácter epidemiológico da obesidade, tal como foi estabelecido na conferência europeia de Istambul, na Carta Europeia de Luta contra a Obesidade [em 2006]. Não houve aumento. Agora, as taxas mantêm-se elevadas.”

Apesar de não conhecer a análise agora publicada, Ana Rito diz que a tendência traçada vai no mesmo sentido da observada para crianças mais pequenas — através do COSI (sistema de Vigilância Nutricional Infantil), que avalia crianças entre os seis e os nove anos. “É preciso perceber os factores de risco e prevenir, para que não haja mais crianças e adolescentes com esta doença, e tratar as que têm esta doença.” E isso passa “por um estilo de vida saudável”.

As crianças e jovens portugueses até apresentam alguns aspectos a seu favor, como um consumo maior do que noutros países de hortofrutículas, explica a investigadora. “Mas quando se comparam os níveis de actividade física com os que se observam, por exemplo, no Norte da Europa não há comparação possível” e Portugal sai a perder. Os hábitos das raparigas e dos rapazes portugueses são bem mais sedentários.

Não se trata apenas de actividades formais de exercício: “Por exemplo, os pais portugueses não sentem que o caminho de casa para a escola seja seguro, por isso os meninos não vão a pé”, diz, citando dados recolhidos no âmbito do COSI.

As famílias também se queixam de falta de tempo, o que prejudicará as refeições que preparam para as crianças. “Há uma enorme necessidade de acompanhar as famílias”, diz, o que é, de resto, um dos objectivos do MUN-SI. “O excesso de peso e a obesidade continuam a ser um sério problema de saúde pública”, remata.

Impacto da crise

Os 21 artigos que constam da mais recente edição do European Journal of Public Health passam em revista vários outros aspectos relacionados com a saúde dos adolescentes avaliados pelo HBSC — desde o consumo de substâncias, como álcool, drogas e tabaco, à “satisfação com a vida” reportada pelos jovens.

Concluem os peritos que os adolescentes ficaram, em geral, nos últimos anos, “mais felizes e saudáveis” o que até “é surpreendente tendo em conta que muitos países enfrentaram graves crises económicas na última década”.

A tendência global é para um aumento do consumo de fruta e vegetais, para um aumento da actividade física, para um aumento do usos de preservativos, exemplifica-se, num comunicado síntese da Universidade de St. Andrews. Tudo isto se deverá às políticas de saúde pública levadas a cabo em vários países e também à mudança dos valores — até das modas, admite-se.

Infelizmente, os dados já conhecidos para Portugal relativos a 2014, do HBSC, e ainda não reflectidos nesta análise, mostram que em alguns aspectos os jovens até podem estar mais saudáveis mas já não “mais felizes”, diz Margarida Gaspar de Matos, coordenadora em Portugal do HBSC.

Em declarações por email, a investigadora da Faculdade de Motricidade Humana, da Universidade de Lisboa, diz que o trabalho sobre as tendências ao nível da saúde dos adolescentes agora divulgado é “muito importante” (a própria é co-autora de vários dos artigos) mas, “em alguns países, como Portugal, foi comprometido pela recessão”, ficou, de algum modo, ultrapassado. “Pelo menos na percepção de felicidade e bem-estar e da saúde mental as coisas pioraram pela primeira vez desde 2002”, em Portugal.

Recorde-se algumas das conclusões divulgadas em Dezembro: quase 30% dos adolescentes portugueses disseram  que se sentiam deprimidos mais do que uma vez por semana. Eram 13% em 2010. Perto de um em cada quatro disse sentir medo frequentemente. Três vezes mais do que quatro anos antes. E um em cada cinco alunos do 8.º e 10.º anos magoou-se a si próprio nos 12 meses anteriores ao inquérito, de propósito, sobretudo cortando-se nos braços, nas pernas, na barriga… Um aumento de quase cinco pontos percentuais. Ter dores de cabeça mais do que uma vez por semana é algo que faz parte da vida de 36% dos adolescentes quando, em 2010, era relatado por apenas 13,5%.

 

 

Obesidade afeta três vezes mais as crianças pobres do que as ricas

Março 20, 2015 às 10:00 am | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia da Visão de 16 de março de 2015.

Descarregar o relatório:

Recipe of Inequality  : Why our food system is leaving low-income households behind

Reuters

 

O relatório Recipe of Inequality alerta que as crianças britânicas educadas em meios pouco desenvolvidos não estão a ser devidamente orientadas e guiadas em relação às práticas alimentares saudáveis .

Os dados são alarmantes: No Reino Unido, 22% das crianças pobres são obesas em comparação com 7% das crianças ricas que sofrem de obesidade. Segundo o relatório Recipe of Inequality, os níveis de obesidade são superiores em crianças pobres, em grande parte devido ao défice de cuidados prestados a este setor da população britânica. Além disso, os casos de obesidade em crianças saudáveis diminuiu para metade desde 2006.

O presidente da Food and Poverty Comission, Geoff Tansey, reforça a falta de atenção sobre esta temática nas crianças pobres: “enquanto a maioria da população está mais saudável e tem acesso a diferentes tipos de comida, os mais pobres estão a ser deixados para trás ao mesmo tempo que as desigualdades estão a aumentar.” “Não podemos continuar com este sistema”, reforçou em declarações ao Daily Mirror.

A resenha de todo o panorama de obesidade em crianças pobres surge sensivelmente 10 anos depois de um famoso programa de televisão do chef Jamie Oliver, em que foram abordadas e melhoradas as refeições escolares.

“A campanha por melhores refeições escolares (…) melhorou, sem sombra de dúvidas, os níveis de nutrição para muitas crianças”. As palavras são de Jeanette Orrey, uma veterana pela campanha de comida infantil saudável e que foi fonte de inspiração para o programa do chef Jamie Oliver.

“Mas, muitas crianças estão a ser esquecidas e nós precisamos de redobrar os esforços para garantir que todos têm acesso a uma alimentação nutritiva e economicamente acessível”,disse.

 

 

 

“A formatação do gosto das crianças começa com a família”

Dezembro 24, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Entrevista do Público a Pedro Graça no dia 18 de dezembro de 2014.

Alexandra Prado Coelho

Cinco perguntas a Pedro Graça, responsável do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável.

O relatório “Portugal – Alimentação Saudável em números 2014” mostra que a obesidade infantil é maior nos países da Dieta Mediterrânica: Grécia, Itália, Espanha e Portugal. Que explicação tem para isso? Tenho uma explicação que é pessoal, e que tem a ver com o facto de ter havido uma drástica diminuição da natalidade nestes países, o que faz com que as crianças sejam híper-protegidas. Por razões económicas, muitas vezes não são os pais quem toma conta delas, são os avós, que ainda se mostram mais protectores. A isso soma-se uma redução da actividade física e o facto de passarem muito tempo a ver televisão ou a jogar computador. Mas no Norte da Europa, onde se pensava que a obesidade tinha diminuído, também está a aumentar, o que tem a ver com o crescimento da presença das comunidades imigrantes, que têm um nível de obesidade mais elevado.

Um dos pontos mais surpreendentes do relatório é o que mostra que a maior parte do sódio que ingerimos é através da sopa. Como interpreta este dado? Consumimos muito sopa, o que é muito bom, porque as nossas sopas são um elemento extraordinário. Mas são ainda muito salgadas. Para as escolas e outros espaços públicos estamos a tentar desenvolver instrumentos que permitam ao responsável por uma cantina medir facilmente a quantidade de sal na sopa para fazer um controlo. Mas nas casas das pessoas não conseguimos regular, por isso apenas podemos alertar os pais para a grande responsabilidade que têm quando utilizam o sal. O que acontece é que assim estamos a programar as crianças para o gosto do sal muito cedo.

Estamos, correctamente, a dar às crianças muito pequenas legumes e fruta, mas ao mesmo tempo criamos-lhes também muito cedo o hábito de consumir refrigerantes. É uma contradição? Temos de facto um consumo muito interessante de fruta e hortícolas comparados com outros países europeus, mas também fomentamos o gosto pelo doce muito cedo, e o que o estudo mostra é que uma criança que consome açúcar aos dois anos vai consumir mais aos quatro. É um gosto que perdura. Tem-se criticado muito a escola por formatar o gosto, mas o que se percebe aqui é que essa formatação começa mais cedo e com a família. A responsabilidade passa a ser da família, que precocemente instala o gosto pelo sal e o açúcar.

A situação dos idosos causa particular preocupação? Encontramos uma elevada prevalência de desnutrição entre os idosos, o que mostra que temos que trabalhar mais com este grupo que, além de tudo, é um grupo que está a crescer. Temos dado muita atenção às crianças, mas é preciso também olhar para os idosos.

O número de obesos está a aumentar ou estamos a assistir a mais casos de registo médico de pessoas com obesidade? O número que temos é o que encontramos geralmente os estudos e que corresponde a 10% da população, ou seja, um milhão de pessoas. O que acontece é que os serviços de saúde não estavam a registar os casos, e essa situação alterou-se [houve um aumento de 150 mil casos registados entre 2011 e 2013], o que permite um melhor diagnóstico da situação. Mas mesmo assim ainda há um sub-registo, porque o número de casos registados é inferior aos 10% que sabemos que existem.

descarregar o  relatório Portugal – Alimentação Saudável em números 2014 no link:

http://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-alimentacao-saudavel-em-numeros-2014-pdf.aspx

saudável

 

« Página anteriorPágina seguinte »


Entries e comentários feeds.