Rui reinterpreta os rabiscos de crianças — e transforma-os em personagens ilustradas

Junho 2, 2020 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do Público de 27 de maio de 2020.

Mariana Durães

A ideia já lhe ia na cabeça “há algum tempo”, mas conseguir a atenção “dos miúdos e dos pais”, entre escola e outras actividades, nem sempre é fácil. Por isso, Rui Sousa, artista plástico natural de Valongo, aproveitou o período de confinamento para lançar o convite: “Propus aos pais que pedissem aos filhos para fazer um desenho de um monstro ou de um animal e eu depois faria a interpretação desse desenho segundo o meu traço.”

Chamou ao projecto Isolamento Criativo e a ideia era, essencialmente, “entreter e ocupar a cabeça dos miúdos com algo que não fosse o vírus e a seca de terem que estar fechados em casa”. O resultado foram mais de 200 desenhos a chegar-lhe, espalhados entre mensagens e posts do Facebook (“recebi alguns que nem sei onde estão”) e o desafio de os reinventar a todos. “O segredo é tentar entrar dentro da cabeça deles, tentar perceber o que estão a representar”, explica. Assim, conseguiu transformar um conjunto de rabiscos desordenados em personagens mais reais, que preservam o traço infantil e a cor dada pelas crianças. “Os pais que me deram feedback disseram que os filhos conseguiam ver aquilo que queriam representar”, afirma.

Para os interessados em adquirir o desenho reinterpretado pelo artista, Rui fez “um preço simbólico”. Agora, terminado o período de confinamento, o projecto vai continuar, mas apenas por encomenda. Basta enviar um desenho feito por uma criança para o artista, via redes sociais. E não importa o quão abstractos pareçam os traços — a piada está mesmo aí.

Galeria no link:

https://www.publico.pt/2020/05/27/p3/fotogaleria/rui-reinterpreta-rabiscos-criancas-transformaos-personagens-ilustradas-401262?fbclid=IwAR2uk3VE35cgtVeN-wqq11RN36BKgQ7v6y9mNy4azBSGBM21FzRd-Yss5xE

Museu do Prado cria canal Youtube para crianças

Abril 30, 2020 às 12:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

 

Todos os vídeos no link:

Museus de todo o mundo oferecem visitas virtuais gratuitas

Março 27, 2020 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do site Comunidade Cultura e Arte de 19 de março de 2020.

Num momento em que toda a humanidade sofre um duro golpe, muitos esforços têm sido feitos para combater o isolamente quase forçado. Privados de várias coisas muito elementares da nossa vida, como ir jantar fora com amigos, passear, ir às compras, etc. várias organizações querem ajudar as pessoas a atenuar as consequências. Algumas televisões de sinal fechado estão temporariamente abertas, há várias listas de livros e filmes recomendados para ler num momento como este, entre outras iniciativas. Estar fechado em casa permite conviver mais com as pessoas que vivem connosco, ter mais tempo para ler, para ver filmes e séries ou para jogar. Tudo isto são experiências que não substituem o poder sair à rua, mas que nos ajudam muito mentalmente.

Perante esta pandemia do coronavírus, a Google Arte e Cultura decidiu unir-se com mais de 500 museus e estão a oferecer visitas virtuais a qualquer pessoa. Isso mesmo, a entrada num museu à distância de um click, sem bilhete, sem fila, mas claro através de um ecrã. Neste link podem encontrar os museus e ditos acessos a cada um deles.

Numa primeira ala podemos encontrar os Museus por ordem de popularidade, na seguinte podemos filtrar por ordem alfabética e na terceira temos direito a uma mapa do mundo com a contagem de museus disponível por zonas (vai mudando com o zoom). Portugal está representado com 36 Museus, maioritariamente na zona de Lisboa.

Entre outros, pode-se em questões de segundos ver a Noite Estrelada de Van Gogh no MoMA The Museum of Modern Art (Nova Iorque) e dar o salto para o seu museu em Amsterdão. Depois dos pintores holandeses pode-se desfrutar dos clássicos intemporais do Renascimento italiano na Galeria degli Uffizi (Florença) para depois explorar os museus asiáticos.

A lista é verdadeiramente extensa mas não inclui todos os museus, logicamente. O Louvre, por exemplo, não está presente, mas oferece algumas visitas guiadas através deste link.

Perante o estado actual das coisas, várias começam a ser as opções para quem está em casa. A criatividade das pessoas para se entreter nestes tempos está a ser posta à prova. E se é verdade que ver um museu no computador não é a mesma coisa, pode-se sempre compensar o virtual com o real quando todo o isolamento social (que é tão necessário) deixar de ser preciso.

Pintar Ciência! no Centro Ciência Viva do Algarve (Faro), 16 junho

Junho 10, 2018 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

mais informações no link:

http://www.ccvalg.pt/public/even.php?evid=1095

 

Oficinas de Páscoa do Museu Bordalo Pinheiro – 10 a 13 de abril

Março 10, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

16807028_1327750877285793_4842177731469706035_n

Inscrição:

servicoeducativo@museubordalopinheiro.pt

Tel.: 218 170 667

mais informações no link:

https://www.facebook.com/MuseuBordaloPinheiro/

Um avô que faz todos os dias desenhos para os netos

Dezembro 17, 2016 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

texto do http://p3.publico.pt/ de 5 de dezembro de 2016.

chanjae-lee

autoria Andreia Cunha

Natural da Coreia e residente no Brasil, Chanjae Lee, reformado de 75 anos, tinha até há pouco tempo uma única tarefa diária: levar os netos à escola. Um dia, Arthur e Allan regressaram à Coreia com os pais e o avô ficou sem nada para fazer. Os dias eram passados a ver televisão coreana. A família ficou preocupada e decidiu ajudar Chanjae a encontrar uma nova actividade. Ji Lee, um dos filhos, lembrou-se do tempo em que o pai costumava fazer desenhos para as crianças. A ideia era convencê-lo de que podia voltar a desenhar e depois partilhar as fotos no Instagram. O pai odiou a ideia e nem sequer sabia o que era esta rede social (nem um e-mail ou o Google). A mulher, por outro lado, é muito curiosa. Com 75 anos usa Gmail, Google, Facebook e Instagram. Ela e o filho uniram-se. Depois de algumas tentativas falhadas, Chanjae recomeçou um passatempo antigo. Os desenhos são para os três netos. De repente, passou de “velho mal-humorado” a ilustrador das aventuras de Arthur, Allan e Astro e a um sucesso do Instagram – como mostra o vídeo que o filho partilhou. Ensiná-lo a usar esta rede social não foi fácil, mas ele aprendeu (lentamente). Desde perspectivas de Nova Iorque a um retrato da mulher, de um desenho dos netos a tomar banho até ilustrações dos brinquedos que Arthur e Allan deixaram no Brasil. Tudo é partilhado na página @drawings_for_my_grandchildren (desenhos para os meus netos). Animais e plantas são outros dos temas preferidos, bem como as tradições e os locais da Coreia, desenhados com diferentes técnicas e estilos. Chanjae faz um desenho por dia e já tem centenas de ilustrações no Instagram. Mas não está sozinho no projecto. A avó é a responsável pelas histórias que acompanham os desenhos do avô e que encantam os netos. Os filhos traduzem cada uma para inglês e português. O projecto tornou ainda mais unida uma família que está em diferentes cantos do mundo. O sucesso foi tanto que até surgiu a ideia de expor e vender os desenhos para financiar as viagens de visita aos netos. Entretanto, “o Astro começou a correr e o Arthur e o Allan já não são pequenos rapazes”. Chanjae não mudou muito – “continua um velho mal-humorado” –, mas tornou-se um especialista do Instagram.

 

 

A felicidade escondida: “Não se negam pedidos a um anjo”

Dezembro 3, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do Expresso de 21 de novembro de 2015.

Teresa Pinto Basto

Filipa Sáragga pinta, escreve e pratica solidariedade social. Tem 31 anos, três livros publicados e uma vontade imensa de partilhar o que aprende com as “crianças azuis” com quem convive.

Katya Delimbeuf

que leva uma rapariga de 26 anos, formada em Belas-Artes, a começar a escrever e a ilustrar livros? O pedido de uma menina de 7 anos com cancro terminal pode dar um valente empurrão. Foi este o clique na vida de Filipa Sáragga, hoje com 31 anos, madrinha desta menina que se chamava Maria – e que morreu. Quando Filipa disse a Maria “um dia vou pintar a tua história”, ela respondeu-lhe “não, a madrinha pinta e escreve”. “Não se negam pedidos a um anjo”, pensou Filipa. Nesse momento, naquele quarto do Instituto Português de Oncologia de Lisboa, ela soube que tinha de escrever a história de Maria, para dar a conhecer a sua sabedoria e o modo como sorria “no meio de tanto sofrimento”.

Nascia assim o livro “Talvez um Anjo”, o segundo de Filipa Sáragga, escrito e ilustrado por ela. Dedicado à memória de Maria Luísa Lousada Laureano, os lucros das vendas reverteram na íntegra para a Associação Nariz Vermelho e para a família da menina. O prefácio foi escrito pela mão do então cardeal patriarca de Lisboa, José Policarpo, e lançado na Fundação Calouste Gulbenkian.

Filipa Sáragga

Antes já tinha havido um primeiro livro (infantil), “O Toiro e a Bailarina”, ilustrado com base em pinturas a óleo da autoria de Filipa Sáragga. A pintora passou por um momento mais difícil na sua vida pessoal e decidiu transformá-lo em algo positivo. “Nesta altura, fora de casa, já me tinha deparado com o verdadeiro sofrimento, com as verdadeiras fragilidades, e decidi que queria pôr o meu trabalho ao serviço dos outros.”. Fala do voluntariado que desenvolveu sempre junto de crianças, muitas institucionalizadas ou “diferentes”, com síndromas de autismo ou trisomia 21. Chama-lhes “crianças azuis”, mas esclarece que também há muitos adultos que se sentem marginalizados e excluídos e que por isso são mal rotulados.

Imprimiu 1700 livros numa gráfica, convenceu Marcelo Rebelo de Sousa e Laurinda Alves a escrever, a apresentou a sua primeira obra no Centro Cultural de Belém (imagine-se…!). Encheu a sala e vendeu os exemplares todos. Os 23.800 euros foram direitinhos para duas associações: a Terra dos Sonhos e a Associação Salvador. Com este novo projeto, Filipa encontrou uma vocação. “Antes sonhava em vir a ser uma boa pintora. Era bastante carreirista”, assume. Depois percebeu que “é uma perda de tempo estarmos demasiado concentrados em nós mesmos”.

Filipa Saragga

Uma das ilustrações de Filipa Sáragga para o livro “A Princesa Azul e a Felicidade Escondida”, onde são visíveis os “meninos azuis” Filipa Saragga

O voluntariado já vinha de trás. “Os meus pais sempre nos incentivaram – a mim e às minhas irmãs – a respeitar e cuidar de quem mais precisa. Lembro-me, desde muito pequena, da felicidade que sentia no Natal quando íamos em família distribuir cabazes a um bairro social muito carenciado. Lembro-me como se fosse hoje da felicidade daquelas famílias ao receberem os cabazes. Consigo ver-lhes o sorriso e sentir-lhes os abraços. A felicidade daquelas crianças era irresistível.”

A felicidade escondida

Este ano, Filipa escreveu nova obra. “A Princesa Azul e a Felicidade Escondida” é um “livro de adultos para crianças que conta a história de uma princesa diferente, nascida com uma cor que não existe”, por ser vítima de bullying, discriminação, exclusão e todos os sofrimentos daí decorrentes. Determinada, Filipa queria contar com o comentário de António Guterres, alto comissário da ONU para os refugiados, na sua obra. Feitos os contactos, ele ligou-lhe, explicando que até poderia ler o livro “sem compromisso” na próxima viagem de avião, mas que não lhe podia prometer nada. Foi por isso com enorme surpresa e satisfação que Filipa recebeu a notícia de que Guterres aceitara escrever-lhe um texto para o início da obra. “Quando olho para os 50 milhões de pessoas que no mundo de hoje tiveram de fugir das suas casas e das suas comunidades por causa da guerra e da violência, gostaria muito que os responsáveis pudessem ter lido ‘A Princesa Azul e a Felicidade Escondida’ e aprendido a lição. O mundo seria bem melhor”, escreveu António Guterres. O livro de Filipa acabou por ser integrado no Plano Nacional de Leitura, no 6º ano.

Filipa Sáragga 3

Entretanto, Filipa está já a escrever o quarto livro. É uma obra que fala sobre a sua “redescoberta”, que lhe ensinou “o verdadeiro sentido da vida”. Espera “ter oportunidade de fazer isto o resto da vida”. Tem a sorte de ter uma família que a “ajuda a ajudar” e que tem orgulho no caminho que ela escolheu para si. Aprendeu muito com as suas experiências. A não julgar, a relativizar os males da vida, a olhar para o outro e não para si. No fim de tudo, gostava de sentir que fez “outras pessoas felizes” e que valorizou “aquilo que realmente é importante”. Filipa está a fazer a parte dela.

 

 

 

 

Exposição de pintura infantil e juvenil de ARTIGIANO

Setembro 16, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

blx

Concurso Mundial de Pintura dirigido a Crianças e Jovens

Maio 15, 2013 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia da DGE / SG – MEC

world

A Fundação “Little Zograff”, em parceria com a Municipalidade e o Centro de crianças de Bansko – Bulgária -, vai promover um concurso mundial de pintura que obedece às seguintes regras:

Tema: o tema pode ser livre ou, então, podem ser apresentados desenhos/pinturas relacionados com a natureza, paisagens, animais ou experiências relacionadas com a natureza.

Publico-alvo: Dirigido a alunos da faixa etária dos 4 aos 15 anos de idade.

Dimensão da imagem: Mínimo de 30 a 40 cm; máximo de 49 a 70 cm.

Materiais a utilizar: Não há especificações sobre os materiais a utilizar; os trabalhos devem ser originais.

Período do concurso: Os trabalhos podem ser enviados a partir de 1 de maio de 2013 até 15 de junho de 2013 (inclusive).

Dados pessoais exigidos: Primeiro nome e apelido, sexo, idade, nacionalidade, endereço, e-mail, telefone, título da pintura, número de desenhos submetidos a concurso, sendo que o máximo estipulado é 2 por concorrente.

Avaliação: A avaliação dos trabalhos será feita por um conjunto de pintores búlgaros e especialistas na matéria.

Anúncio dos vencedores: Após a selecção dos desenhos vencedores, o anúncio será feito através de uma carta dirigida a todas as organizações participantes.

Resultados: Os resultados serão publicados na página web da Fundação “Little Zograff

Prémios: Os prémios terão uma vertente pecuniária associada a uma estatueta.

Posteriormente, a 7 de setembro, em Bansko, está pensada uma exibição de todos os trabalhos premiados. Estes mesmos trabalhos serão objeto de uma publicação em catálogo, a ser distribuido por cada vencedor.

Para informações mais detalhadas, pode ser consultada a página web da Fundação “Little Zograff”.

Fonte: DGE / SG-MEC

Exposição + Teatro Infantil + Workshops no Jardim Botânico da Ajuda nas Comemorações do 25 de Abril

Abril 21, 2013 às 2:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

exposição

25

Mais informações Aqui ou Aqui

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.