Hiperatividade pode ser “uma expressão extrema” dos traços de personalidade (e a genética pode aumentar o risco)

Dezembro 18, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Expresso de 26 de novembro de 2018.

De entre todas as causas que podem levar à hiperatividade, a probabilidade de ser devido a factores genéticos é de 70% a 80%. A descoberta foi agora publicada por um grupo de investigadores da Universidade de Aahus, na Dinamarca .

causa da hiperatividade tem grandes probabilidades de ter origem genética. Um grupo de investigadores da Universidade de Aahus, na Dinamarca, descobriu que variantes genéticas podem aumentar o risco de ter défice de atenção ou hiperatividade.

“Sabemos que é altamente hereditário. Entre todas as causas que podem conduzir até à hiperatividade, os factores genéticos podem chegar entre os 70% e 80% de probabilidade”, explicou Anders Børglum, professor e coautor da investigação, que agora foi publicada na revista científica “Nature Genetics”. Os investigadores acreditam que a descoberta vai fazer com que se compreenda melhor a perturbação e, consequentemente, os desenvolvimentos no tratamento.

No entanto, apesar da certeza da relação entre a hiperatividade e as variantes genética, refere o jornal britânico “The Guardian”, ainda não é possível especificar com rigor que variantes são essas pois foram identificados vários genes que aumentam os riscos.

As conclusões do estudo agora publicado são resultado de uma investigação que avaliou 55 mil pessoas – sendo que a mais de 20 mil foi diagnosticada hiperatividade ou défice de atenção. Em 12 regiões do genoma, os cientistas encontraram alterações que aumentam o risco – algumas em menos de 1%.

“Estamos extremamente entusiasmados com estes resultados. Procurávamos isto há imenso tempo. Estas 12 regiões [que identificámos] representam apenas a ponta do iceberg”, referiu o investigador, sublinhando que a equipa espera encontrar centenas de outras.

A investigação aponta ainda para que o transtorno do défice de atenção e hiperatividade se trata de “uma extrema expressão” dos traços de personalidade encontrados numa população. O estudo, defendeu ainda Børglum, pode significar ainda a desestigmatização do problema, reduzindo o sentimento de culpa que muitas vezes diz encontrar nos pais das crianças com este transtorno.

 

 

 

Cientistas identificaram genes associados ao risco de obesidade infantil

Abril 20, 2012 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 10 de Abril de 2012.

O artigo mencionado na notícia é o seguinte:

A genome-wide association meta-analysis identifies new childhood obesity loci

Por Ana Gerschenfeld

Não é novidade: há cada vez mais crianças com excesso de gordura corporal – “pneus” na cintura e rosto, braços e pernas demasiado acolchoados. Embora o estilo de vida sedentário e os maus hábitos alimentares, que começam cada vez mais cedo, contribuam para esta epidemia, pensa-se que, tal como no adulto, também aqui existe uma forte componente hereditária. Mas quais são os factores genéticos que predispõem uma criança, à partida saudável, a tornar-se obesa ainda na infância?

Tirando os casos de obesidade infantil devida a doenças raras, a genética da esmagadora maioria dos casos – ditos de obesidade infantil “comum” – ainda está por desvendar. Struan Grant, do Hospital Pediátrico de Filadélfia, e colegas do consórcio internacional EGG (Early Growth Genetics) descobriram agora dois genes e publicaram ontem os resultados na revista Nature Genetics.

Diga-se, antes de mais, que as bases genéticas da obesidade do adulto também têm sido esquivas. Estima-se que, no adulto, entre 40% e 70% da variabilidade do IMC (índice de massa corporal) depende de factores genéticos. Mas, até agora, apesar de ter sido identificada uma série de variantes genéticas associadas ao IMC nos adultos obesos, isso não chega sequer para explicar 2% da variabilidade do IMC. Ainda tem de haver uma multidão de factores genéticos desconhecidos.

Voltando à genética da obesidade infantil, até aqui, diz Grant num comunicado do seu hospital, “os estudos centravam-se nas formas mais extremas de obesidade, sobretudo associadas a síndromes raras”. Mas, com base no novo estudo, “o maior de sempre ao nível de todo o genoma (…), conseguimos identificar claramente e caracterizar uma predisposição genética para a obesidade infantil comum”.

Os cientistas reuniram 14 estudos anteriores – totalizando 5530 casos de obesidade infantil e 8300 crianças não obesas, todos de origem europeia. “Para termos dados suficientes, que fornecessem a potência estatística necessária para revelar novos sinais genéticos”, explica ainda Grant, “foi preciso (…) combinar os resultados de estudos semelhantes vindos do mundo inteiro”.

Conseguiram assim identificar duas variantes genéticas claramente associadas à obesidade infantil: uma situada na proximidade de um gene chamado OLFM4, no cromossoma 13, e outra num gene chamado HOXB5, no cromossoma 17. E também duas outras, embora menos claramente associadas.

O papel que estes genes desempenham no organismo poderá dar novas pistas para a compreensão da doença. “O que sabemos da biologia de três dos genes sugere que o intestino poderá estar envolvido [na genética da doença]”, salienta Grant, “embora ainda se desconheça o papel funcional preciso desses genes na obesidade”. Para ele, “ainda é preciso muito trabalho, mas estes resultados poderão um dia ajudar a desenvolver futuras intervenções preventivas e tratamentos para as crianças com base no seu genoma individual”.

Para Pedro Teixeira, da Faculdade de Motricidade Humana, perto de Lisboa, “um longo caminho ainda resta percorrer até podermos aplicar este conhecimento ao diagnóstico de risco em indivíduos”. “Estou certo que esse dia ficará cada vez mais próximo e há muitas linhas promissoras, nomeadamente na interacção entre genes, ambiente e estilo de vida”, diz ao PÚBLICO. Contudo, “a prudência nesta matéria deve ser a norma neste momento”, acrescenta. “Não na investigação, mas nas expectativas que podem ser criadas.”


Entries e comentários feeds.