Ler “Os Maias” no secundário já não era obrigatório, Eça de Queiroz continua a ser

Julho 20, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Observador de 18 de julho de 2018.

Sara Antunes de Oliveira

A polémica encheu as redes sociais, depois da notícia de que a obra mais conhecida de Eça de Queiroz tinha sido retirada da lista obrigatória no secundário. Mas, afinal, “Os Maias” já eram opcionais.

A escolha entre obras de Eça de Queiroz, para leitura obrigatória no ensino secundário, está prevista nos programas e metas de Português dos 10º, 11º e 12º anos pelo menos desde 2014. Num documento disponível no site de Direção Geral da Educação, com a data de Janeiro desse ano, está previsto que as escolas escolham entre “Os Maias” e “A Ilustre Casa de Ramires” — uma das obras é obrigatória, mas os estabelecimentos de ensino podem optar por qualquer uma delas. E uma pesquisa, no mesmo site, por programas curriculares de anos anteriores, permite encontrar referências, para o mesmo ano de ensino, a “um romance de Eça de Queirós (leitura integral)”, sem especificar qual, como se pode ver aqui, num documento homologado em 2002.

O jornal Público noticiou esta quarta-feira que a leitura d’Os Maias no ensino secundário ia deixar de ser obrigatória, remetendo para a consulta pública, que decorre até 27 de julho, das “Aprendizagens Essenciais”. A polémica acabou por inundar as redes sociais, com muitos críticos da suposta decisão. Em resposta ao Observador, o Ministério da Educação esclareceu que essas listas de conteúdos programáticos foram “construídas a partir dos documentos curriculares em vigor” e que delas “continuam a constar autores como Eça de Queiroz como leituras obrigatórias, dando liberdade às escolas para selecionar as obras concretas a ler”. Ou seja, tal como já acontecia, o objetivo é definir que a leitura de Eça de Queiroz continua a ser obrigatória: “Todos contactam com o autor e o movimento literário, mas alarga-se o leque de leituras dos alunos”, diz o Ministério, dando como exemplo que “um conjunto de alunos poderá ler “Os Maias”, outros “A Relíquia” e outros “A Cidade e as Serras”.

A mesma notícia avança também que a disciplina de História A também foi alvo da reorganização curricular, com alguns temas a deixarem de ser lecionados. No 10º ano, por exemplo, desaparece o conceito de direitos humanos, que até então era abordado no módulo “abertura europeia do mundo” nos séculos XV e XVI. No mesmo ano letivo, mas no capítulo da Idade Média, destaque para a eliminação da “dimensão cultural (arte gótica, religiosidade, ordens mendicantes e confrarias, escolas, universidades, …)”, conta ao diário a professora de História e autora Elisabete Jesus. “A imagem que me ocorre das aprendizagens essenciais é a de um friso cronológico em forma de puzzle. Um puzzle com algumas peças encaixadas à força, sem sentido, e um puzzle inacabado. Faltam-lhe peças”, concluiu a professora.

 

 

Ebooks Clássicos portugueses e Algumas obras constantes das Metas de Português

Setembro 4, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação, Livros, Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Recolha dos Ebooks efetuada pelo blog https://jfborges.wordpress.com/

Ebooks Clássicos portugueses– pt de PT atual,  (download free– .epub e .pdf):

Gil Vicente:

  1. Auto da Índia (Gil Vicente)
  2. Auto da Barca do Inferno (Gil Vicente)
  3. Lendas e Narrativas (Alexandre Herculano)
  4. Eurico, o Presbítero (Alexandre Herculano)

Antero de Quental:

  1. Causas da decadência dos povos peninsulares (Luso Livros)

Eça de Queiroz:

  1. Os Maias (Eça de Queirós)
  2. Contos (Eça de Queirós)
  3. A Cidade e as Serras (Eça de Queirós)
  4. O Crime do Padre Amaro (Eça de Queirós)
  5. O Mistério da Estrada de Sintra (Eça de Queirós)
  6. A Relíquia (Eça de Queirós)
  7. O Mandarim (Eça de Queirós)
  8. O Primo Basílio (Eça de Queirós)
  9. A Ilustre Casa de Ramires (Eça de Queirós)

 

Almeida Garrett:

  1. Viagens na Minha Terra (Almeida Garrett)
  2. Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
  3. Falar verdade a mentir (Almeida Garrett)
  4. Folhas caídas
  5. Camões

 

Camilo Castelo Branco:

  1. Amor de Perdição (Camilo Castelo Branco)
  2. Novelas do Minho (Camilo Castelo Branco)
  3. Onde está a felicidade? (Camilo Castelo Branco)
  4. A caveira da mártir (Camilo Castelo Branco)
  5. Maria Moisés
  6. Gracejos que matam
  7. O filho natural
  8. O degredado
  9. O comendador
  10. A queda de um anjo

 

Fernando Pessoa:

  1. Mensagem (Fernando Pessoa)
  2. O Banqueiro Anarquista e Outros Contos Filosóficos (Fernando Pessoa)
  3. Antologia Poética (Fernando Pessoa)
  4. Livro do Desassossego (Fernando Pessoa)
  5. Livro do Desassossego (edição em pdf do “Plano Nacional de Leitura: http://goo.gl/WUCxw9).
  6. Poemas Completos de Ricardo Reis (Fernando Pessoa)
  7. Poemas Completos de Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)
  8. Poemas Completos de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)
  9. O Marinheiro

 

Júlio Diniz:

  1. Serões da Província (Júlio Dinis)
  2. Uma Família Inglesa (Júlio Dinis)
  3. Os Fidalgos da Casa Mourisca (Júlio Dinis)
  4. A Morgadinha dos Canaviais (Júlio Dinis)
  5. As Pupilas do Senhor Reitor (Júlio Dinis)
  6. O Canto da Sereia
  7. Romantismo e Realismo na obra de Júlio Dinis

 

Cesário Verde:

  1. O Livro de Cesário Verde (Cesário Verde)
  2. O percurso sentimental de Cesário Verde

 

Florbela Espanca:

  1. Livro de Soror Saudade– (Florbela Espanca) Projeto Adamastor
  2. Sonetos completos (Luso Livros)
  3. O dominó preto (Luso Livros)
  4. Máscaras do destino (Luso Livros)

 

Padre António Vieira:

  1. Sermão de Santo António aos Peixes (Padre António Vieira)

 

Raúl Brandão:

  1. Húmus  (Raul Brandão)
  2. A Morte do Palhaço (Raul Brandão)

 

Mário de Sá-Carneiro:

  1. A confissão de Lúcio (Mário de Sá-Carneiro)
  2. Dispersão (Mário de Sá-Carneiro) – Projeto Adamastor

Teófilo Braga:

Viriato (Teófilo Braga)

 

Algumas obras constantes das Metas de Português

 

 


Entries e comentários feeds.