Kaspersky : “Dois terços das crianças europeias têm medo de utilizar a Internet”

Fevereiro 23, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto do http://wintech.pt/ de 7 de fevereiro de 2017.

Escrito por João Fernandes

Um estudo elaborado pela Kaspersky Lab que marca o Dia da Internet Segura 2017 revela que o crescente número de ameaças que as crianças encontram online está agora a ter efeitos negativos, com dois terços (67%) das crianças europeias com idades compreendidas entre os 10 e os 15 anos a admitirem que têm medo ou estão preocupadas em estar online. Desde brinquedos que podem ser hackeados, a assédios em plataformas de jogos como Minecraft, não é surpresa nenhuma que as crianças comecem a ter medo do que podem encontrar online. Mas o que pode ser feito para reconstruir a sua confiança? A Kaspersky Lab apoia o Dia da Internet Segura 2017 para fazer face a este problema.

De acordo com as pesquisas elaboradas, quase um terço (29%) das crianças tem medo que um desconhecido as possa intimidar; 23% tem medo de que um desconhecido lhes peça para fazer algo com o qual não estão confortáveis; 22% receia que um desconhecido lhes peça para fazer alguma coisa ilegal; e 21% teme que pessoas desconhecidas consigam aceder a informações que colocaram online mesmo depois de as terem apagado.

A juntar a isso, as crianças questionadas têm consciência de que as suas próprias atividades online lhes podem causar problemas com os seus colegas, com um em cada quatro (41%) a admitir arrependimento relativamente a publicações que possam ter afetado amigos ou outras pessoas.

“As vantagens de as crianças estarem online e conectadas são muitas. Por isso, é fácil esquecermo-nos de que crianças e jovens são por si só vulneráveis e que se podem expor a perigos, tendo ou não consciência disso, na utilização da Internet e dispositivos conectados“, afirma Alfonso Ramirez, Diretor Geral da Kaspersky Lab Iberia. “O tema deste ano para o Dia da Internet Segura é ‘unidos por uma Internet melhor’. A preocupação com a segurança é um dever que tem de ser partilhado por indústria, governo, professores e pais, para atenuar os riscos e fornecer às crianças um ambiente online seguro onde possam trabalhar, descansar e brincar.”

A Kaspersky Lab recomenda que pais, professores e a própria indústria trabalhem em conjunto para criar um ambiente seguro para as crianças, para que estas possam aprender e explorar online, de forma a não terem medo ou estarem preocupadas quando ligadas à Internet.

Em baixo os principais conselhos da Kaspersky Lab para garantir a segurança online das crianças:

  1. Falar com eles sobre possíveis perigos – Os pais podem sentir que falar com os filhos sobre perigos online é demasiado repetitivo. No entanto, pode ajudar a lembrar que os mesmos perigos e conselhos aplicados aquando da utilização da Internet se aplicam no mundo real;
  2. Encorajá-los a falar sobre as suas experiências online e, em particular, sobre qualquer coisa que os faça sentir desconfortáveis ou ameaçados;
  3. Definir regras claras sobre o que podem e não podem fazer online e explicar o porquê das mesmas terem sido impostas. Estas devem ser revistas à medida que a criança cresce.
  4. Utilizar um Software de Controlo Parental para estabelecer um âmbito do que é aceitável – quanto tempo (e quando) podem estar online, que conteúdos devem ser bloqueados, que tipo de atividades devem ser bloqueadas (chat rooms, fóruns, etc.). Os filtros do Controlo Parental podem ser configurados para diferentes perfis de um computador, permitindo que haja uma personalização dos mesmos para diferentes crianças.
  5. Não esquecer de utilizar as configurações fornecidas pelo seu ISP, fabricante do dispositivo e fornecedor da rede do seu telemóvel. Por exemplo, a maioria dos telemóveis permite prevenir compras in-app, para que evite compras quando a criança está a jogar;
  6. Proteger o computador através da utilização de um Software de Segurança na Internet – Os melhores produtos de Segurança na Internet incluem agora um módulo de controlo parental que permite que os pais coloquem uma barreira protetora em torno das crianças – reduzindo os riscos a que estas estão expostas online.
  7. Não esquecer os smartphones ou tablets – que são dispositivos sofisticados. A maioria dos dispositivos móveis vem com controlos parentais, e os fornecedores de softwares de segurança podem oferecer aplicações para filtrar conteúdos inapropriados, etc.
  8. Utilize os ótimos conselhos disponíveis na Internet – por exemplo o site do Dia da Internet Segura (http://www.saferinternet.org/safer-internet-day).

Este questionário foi desenvolvido pela Opinion Matters e pedido pela Kaspersky Lab tendo sido realizado com 5.000 crianças com idades compreendidas entre os 10 e os 15 anos na Alemanha, França, Espanha, Itália e Benelux num período de 10 dias.

 

 

Jovens portugueses são os que mais procuram linguagem explícita na Internet. Mas há piores

Janeiro 5, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia da http://visao.sapo.pt/ de 23 de dezembro de 2016.

fabrizio-bensch

O mais recente estudo da empresa de softwares de antivírus Kaspersky fez um rescaldo do ano que agora termina e avaliou os comportamentos online de jovens menores de idade de 89 países, nos últimos 12 meses.

Os comportamentos online de risco assumem, neste estudo, 7 formas: conteúdos para adultos; álcool, tabaco e narcóticos; linguagem explícita; jogos a dinheiro, lotarias ou concursos e sorteios; conteúdos de software, áudio, vídeo em sites sem licença; violência; e armas, explosivos e pirotecnia.

O trabalho tem por base as estatísticas recolhidas com o módulo “Controlo Parental” ativo e, a nível global, Portugal encontra-se na 13ª classificação (com 170 tentativas por ano), no quer diz respeito aos comportamentos de risco adotados por crianças e jovens. É uma classificação muito positiva comparando com os três primeiros lugares: Israel (775 tentativas por ano), o Reino Unido (490 tentativas por ano) e os Estados Unidos (352 tentativas por ano). É importante referir que as tentativas em causa são, todas elas, falhadas, uma vez que o módulo “controlo parental” as intercetou, impedido o acesso aos sites pesquisados.

No parâmetro especifico de “linguagem explicita”, no entanto, lideramos esta lista, com 60 tentativas por ano. Isto significa que os jovens portugueses são os que mais visitam sites com asneiras ou linguagem de conteúdo sexual.

A pesquisa de conteúdos para adultos e a entrada em sites não licenciados é liderada pelo Japão enquanto Israel lidera a pesquisa de álcool, tabaco e narcóticos e armas, explosivos e pirotecnia, os Estados Unidos lideram a pesquisa de conteúdos violentos e Itália as pesquisas de associadas a apostas e jogos ou sorteios com recompensas.

Resta dizer que embora os nossos jovens sejam mais atrevidos no que toca à linguagem não estamos sequer presentes nos restantes top 10, dos outros seis parâmetros analisados, com um consumo e procura pouco substanciais de outros conteúdos considerados perigosos.

Alfonso Ramírez, o Diretor Geral do Kaspersky Lab Iberia comentou o estudo reforçando a importância do uso de soluções especializadas que alertem previamente os pais. “Uma mãe ou um pai não podem estar sempre ao pé do seu filho e prevenir um encontro casual com conteúdos pornográficos ou sites que promovem a utilização de drogas”, disse.

Este estudo cobre o espaço temporal entre o mês de dezembro de 2015 e o mês de novembro deste ano e inclui dados recolhidos pelas soluções de segurança do Kaspersky Lab para Windows e Mac OS X, mas há que ter em atenção que estes valores não dizem inteiramente respeito a pesquisas feitas pelos menores de forma deliberada, por exemplo, as crianças podem acabar nestes sites por terem clicado, acidentalmente, num banner ou num link partilhados por outra pessoa ou sugeridos por outros sites.

Um outro estudo feito com 3780 famílias em sete países e também este ano pela empresa serve de complemento a estes dados revelando que as crianças russas e americanas são as mais suscetíveis de esconder dos pais as provas das suas pesquisas online.

 

 

Segurança online das crianças preocupa mas a dos seniores também

Dezembro 21, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

notícia do site http://tek.sapo.pt  de 7 de dezembro de 2015.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Consumer Security Risks Survey 2015

thumbs.sapo.pt

Os pais preocupam-se com os perigos que os seus filhos correm enquanto navegam na Internet, mas os receios estendem-se também aos membros mais velhos da família.

Assim indica um estudo recente da Kaspersky Lab e da B2B International que mostra que 30% dos adultos acham que não têm qualquer controlo sobre o que os seus filhos vêm ou fazem online e 52% acreditam que os perigos que estes correm estão a aumentar.

Mas não são apenas os mais jovens que geram preocupação entre os adultos, há também quem tenha receios relativamente aos membros seniores da família, nomeadamente os seus pais e avós.

Mais de metade dos inquiridos têm pais que acedem à Internet e 29% do total preocupam-se com a possibilidade de os idosos correrem riscos online e não saberem lidar com eles.

A preocupação aumenta em proporção à idade e aqueles que têm avós cibernautas (19% dos participantes) consideram-nos ainda mais vulneráveis, sendo que dois terços – 13% do universo total – preocupam-se com o que estes utilizadores podem encontrar na web.

O risco de se tornarem vítimas de malware (52%) ou de fraudes online (50%), de perderem dinheiro por causa de ameaças virtuais (45%) ou de serem espiados (37%) estão entre as maiores preocupações com os mais velhos.

Em comum com a lista dos principais receios relativamente às crianças, os resultados mostram que a comunicação online com estranhos (25%) e o acesso a conteúdo impróprio/explícito (20%) também fazem parte das preocupações de quem tem pais e avós a acederem à Internet.

O estudo foi realizado em junho deste ano e tem por base as respostas de 12.355 pessoas a partir dos 16 anos de um total de 26 países.

 

 

 

 


Entries e comentários feeds.