Enhancing the non-cognitive skills of disconnected youth

Dezembro 10, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Texto do blog https://oecdskillsandwork.wordpress.com de 26 de novembro de 2015.

ocde

By Glenda Quintini.

Youth who have disconnected from the education system and are not working or planning to return to training are at high risk of marginalisation. Some of these young people are homeless, have disabilities, have been in foster care and/or are known to the justice system. Efforts to create programmes that succeed in reconnecting these at-risk young people to education, the labour market and society more generally as early as possible are key. However, this is easier said than done. This group of highly-disadvantaged youth face multiple challenges in addition to lacking the skills and qualifications to reintegrate school or the labour market. Any intervention requires addressing all these needs in a comprehensive way.

Like other programmes to facilitate school-to-work transitions, those targeted on disconnected youth focus on providing participants with strong cognitive skills. This includes both foundation skills – such as literacy, numeracy and problem solving – and job-specific skills – in many cases vocational or job-related skills that facilitate labour market entry at the end of the programme. Unlike other programmes, however, there is a strong focus on fostering the non-cognitive skills of participants such as motivation, resilience, trust, communication and team work skills.

The World Bank (Guerra, Modecki, Cunningham, 2014) has come up with the PRACTICE taxonomy to summarize key non-cognitive skills that are relevant to employers. The taxonomy is consistent with what has been studied in the non-cognitive skills literature, and was developed by identifying employer demanded skills and matching them to common indicators in the non-cognitive skills literature, such as Big Five and the Grit scale. Not only is this taxonomy useful to highlight the importance of non-cognitive skills in responding to employers’ skills needs but it also serves as guidance to identify non-cognitive skills commonly targeted by interventions for improving labour market outcomes.

Table 1. PRACTICE Skills, Sub-Skills, Big Five Traits, and Biological Foundations

blog19-11

Source: Guerra, N., K. Modecki and W. Cunningham (2014), “Developing Social-Emotional Skills for the Labour Market: the PRACTICE Model”, World Bank Policy Research Discussion Paper No. 7123.

Having said this, not everybody buys into the relevance of non-cognitive skills as a policy tool to improve labour market outcomes. Critics believe that these skills are very difficult to “affect” or “influence”, at least beyond early childhood. So, is there evidence that non-cognitive skills can be fostered to facilitate re-integration in education or employment? Yes BUT successful programmes are long and costly.

Non-cognitive skills are normally “taught” in number of ways: through mentoring, whereby youth are associated to an adult who provides guidance and serves as a role model; the frequent use of one-to-one tutoring to foster learning through individualised support; work with the family to ensure/improve parental involvement; and/or a residential settings to take youth away from a disruptive family/social environment.

Because the fostering of non-cognitive skills is often a component, among others, of successful programmes for disconnected youth, evaluations of its effects on education and labour market outcomes are hard to single out. Participants in disconnected-youth programmes often cite mentoring as key to their success in acquiring qualifications or finding work at programme completion. This is the case of well-recognised programmes, with a track record of proved effectiveness for disconnected youth such as: Job Corps – a US residential programme for disconnected youth with a strong focus on education, employability and social development; Youth Build – a US programme replicated internationally, focusing on 16-24 year olds to provide academic credential and vocational training in the construction field; or the French EPIDE (Etablissments pour l’Insertion dans l’Emploi) – a residential re-employment programme for disconnected youth with a strong focus on social and civic education.

Evidence of the effectiveness of actions to foster non-cognitive skills also comes from initiatives exclusively focused on their development. Although many of these programmes have not been the object of rigorous evaluations – very few, for example, are tested using random assignment methods – some have yielded positive cost-benefit evaluations. Because non-cognitive skills can be fostered in a variety of environment, actions take place in several different contexts.

The international Big Brothers Big Sisters mentoring programme – an after-school programme for at-risk youth – has yielded positive long-term impacts of matching adult volunteer mentors with young people aged 6-18 to support them in reaching their potential over the course of a year. Outcomes include improved self-worth, better relationships with peers and parents, reduced substance misuse and improved academic outcomes. Some youth arts and sports interventions have also been found to significantly improve young people’s self-esteem, confidence, emotional control, organisation and leadership skills. Finally, some family based interventions have been successful in promoting positive parenting, enhancing child and adolescent social and emotional skills, reducing problem behaviours and improving academic performance and attachment to school (Incredible Years, Families and Schools Together, Strengthening Families Programme; Social Skills Group Intervention-Adolescent).

But action on non-cognitive skills does not come cheap. The programmes that have been most successful in enhancing participants’ employment and education outcomes are residential, last several months – close to a year, in most cases – and cost between 15000 and 25000 USD per participant. All in all, if the alternative is lifelong welfare dependency (with a high risk of intergenerational transmission) or a prison sentence (approximately 80000 per inmate per year in the United States) the cost may still be worth it.

 

Education at a Glance 2014 – Novo Relatório da OCDE

Setembro 11, 2014 às 12:15 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , ,

glance

descarregar o relatório no link:

http://www.oecd.org/edu/eag.htm

This annual publication is the authoritative source for accurate and relevant information on the state of education around the world.

Featuring more than 150 charts, 300 tables, and over 100 000 figures, it provides data on the structure, finances, and performance of education systems in the OECD’s 34 member countries, as well as a number of partner countries.

It results from a long-standing, collaborative effort between OECD governments, the experts and institutions working within the framework of the OECD Indicators of Education Systems (INES) programme and the OECD Secretariat.

What’s new in the 2014 edition?

  • New indicators on private institutions, on what it takes to become a teacher, and on the availability of, and participation in, professional development activities for teachers.
  • Data from the 2012 Survey of Adult Skills, on attainment, employment, intergenerational education mobility, earnings, and social outcomes related to skills proficiency.
  • Data from the 2013 OECD Teaching and Learning International Survey (TALIS) and the 2012 OECD Programme for International Student Assessment (PISA) in several indicators.
  • Analysis of the impact of the recent economic crisis on the interplay among educational attainment, employment, earnings and public finance.
  • More in-depth information related to upper secondary completion rates and the types and use of student loans.
  • For the first time, data from Colombia and Latvia.

Portugal é um dos países da OCDE onde a percentagem de jovens que não estudam nem trabalham mais tem crescido

Setembro 11, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Público de 9 de setembro de 2014.

 

publico

Samuel Silva

Quase 17% da população até aos 29 anos não tem qualquer actividade. Diplomados portugueses estão entre os mais afectados pelo desemprego, aponta relatório Education at a Glance, que este ano dá particular atenção às consequências da crise económica.

O número de jovens que não estudam nem trabalham não tem parado de crescer. Os chamados “nem-nem” representam já quase 17% da população nacional entre os 15 e os 29 anos, segundo o estudo anual da OCDE sobre o sector da Educação, que foi apresentado nesta terça-feira. Portugal é mesmo um dos países onde esta realidade mais se acentuou. O Education at a Glance 2014 dá particular atenção às consequências da crise económica sobre a educação e o emprego dos jovens.

Em menos de uma década, os jovens que não estudam nem trabalham passaram a valer mais quase quatro pontos percentuais na sua faixa etária. Em 2005, os “nem-nem” representavam 12,9% da população 15 aos 29 anos, um número que cresceu 0,6 pontos nos cinco anos seguintes. Em 2012, o ano em que se baseiam os indicadores reunidos pela OCDE neste relatório, estes jovens valiam já 16,6%. Destes, 11,8% estão desempregados – a maioria (7,7%) encontra-se nesta situação há mais de seis meses –, enquanto os restantes estão inactivos.

Fruto destes resultados, Portugal é o décimo país do mundo com maior percentagem de jovens até aos 29 anos que estão inactivos. A tabela é liderada pela Turquia (29,2%), ao passo que a Holanda tem o melhor resultado (6,71%). Contrariamente ao que aconteceu em Portugal, a crise económica mundial fez aumentar o número de jovens no sistema de ensino. Entre 2008 e 2012, a proporção de população entre os 15 e os 29 anos que já não se encontrava a estudar diminuiu de 41 para 36%. As dificuldades de acesso ao mercado de trabalho tornaram o custo de oportunidade de uma formação mais apetecível, fazendo com que muitos jovens tenham optado por se manter no sistema de ensino.

872280

Por isso, entre 2011 e 2012, a média de “nem-nem” nos países da OCDE diminuiu 0,5 pontos percentuais, fixando-se agora em 15%. Portugal está quase dois pontos acima da média e é o terceiro país onde esta proporção mais cresceu no último ano analisado pelo relatório: 1,4 pontos percentuais. Apenas Itália (1,5) e Espanha (1,4) registam uma evolução semelhante.

Este “Olhar sobre a Educação” que a OCDE lança anualmente sobre os sistemas de ensino de 44 países – os seus 34 membros, aos quais se juntam países de grande dimensão que estão fora da organização como Brasil, China, Índia, Rússia, Arábia Saudita e África do Sul – presta este ano particular atenção aos efeitos da crise económica. Para isso, foram desenvolvidos novos indicadores, que avaliam, por exemplo, a ligação entre os níveis de educação e emprego e o nível de escolaridade e a mobilidade social.

Neste retrato, Portugal está quase sempre entre os países onde a crise teve um mais forte impacto sobre o sector da educação e o acesso dos jovens ao mercado de trabalho. O desemprego atinge 10,5% dos diplomados nacionais, ao passo que a média da OCDE se fica pelos 5%. Só há outros dois países analisados em que esta taxa chega aos dois dígitos e ambos partilham com Portugal a localização geográfica e a exposição à crise financeira e às medidas de austeridade: a Grécia, onde a taxa de desemprego dos diplomados ultrapassa os 15%, e Espanha (12,4%).

Apesar destas dificuldades, o ensino superior continua a ser uma mais-valia para os portugueses no acesso ao mercado de trabalho. Os diplomados têm uma taxa de desemprego que é 5,5 pontos mais baixa do que a de quem tem menos do que o ensino secundário e os seus salários são mais altos 70% do que os colegas com menor formação.

Outro indicador revelador dos impactos da austeridade sobre o sistema de educação e formação nacional é o do financiamento do Estado ao sector. Portugal destina 3,66% do seu PIB à Educação, ficando abaixo da média da OCDE (3,85%). O país aparece também entre aqueles onde o investimento público mais caiu entre 2009 e 2011: cerca de 5%.

A análise feita pelo Education at a Glace deste ano mostra bem como o início da crise marca o ponto de inflexão do investimento em Educação. Entre 2008 e 2009, o financiamento público do sector estava a crescer 13 pontos acima do valor de referência. Nos três anos seguintes, inverteu a tendência e ficou oito pontos abaixo do limiar médio. Em situação semelhante encontram-se países como a Irlanda, a Espanha e a Itália.

Em consequência disto, a parcela de financiamento no sistema de ensino que é assegurado por privados – algo que se manifesta apenas no ensino superior – aumentou 24 pontos percentuais entre 2000 e 2011, fixando-se agora em 31,44%. A retracção do papel do Estado nas universidades e politécnicos em Portugal é apenas ultrapassada pela que se verificou no Reino Unido (onde os privados representam 37,5% dos gastos). Ambos os países são destacados no relatório pelo facto de terem aumentado “substancialmente” o valor das propinas cobradas nas instituições de ensino superior, o que releva outra das tendências identificadas no relatório: o aumento da percentagem de investimento assumida por particulares deve-se sobretudo às despesas suportadas pelas famílias dos alunos.

Uma geração “desligada”

O contínuo crescimento da camada da população jovem que não está a estudar nem a trabalhar está a criar uma geração “desligada” e com “falta de perspectivas em relação ao futuro”, dizem sociólogos contactados pelo PÚBLICO. Os números divulgados pelo relatório Education at a Glance da OCDE não são uma novidade para os especialistas, mas os 17% de jovens inactivos entre os 15 e os 29 anos que são apontados no documento permitem perceber a dimensão de um problema que é “preocupante”.

A socióloga do trabalho da Universidade do Minho (UM) Ana Paula Marques relaciona dois dos principais indicadores apontados pelo estudo internacional tornado público esta terça-feira. O aumento do número de jovens que não estudam nem trabalham está ligado ao nível extraordinariamente alto de diplomados que estão no desemprego em Portugal, considera a especialista. A situação tem contornos “preocupantes” e está a assumir uma dimensão “importante”.

“Este é um fenómeno novo em Portugal e tem vindo a registar-se a partir de 2010, o que talvez não seja acaso”, avalia Ana Paula Marques, lembrando que as dificuldades de inserção dos licenciados no mercado de trabalho estão associados à crise económica. Esta realidade está a criar as condições para que a chamada geração “nem-nem” seja também uma geração “desligada” da sociedade. “Não é só a falta de emprego. Estes jovens também perdem a ligação com a cidadania e a sua integração, com todas as consequências que isso tem”, alerta a especialista.

“Quanto mais tempo passarem nesta situação, mais complicada ficará a situação destes jovens”, concorda Carlos Manuel Gonçalves, sociólogo da Universidade do Porto (UP), que, entre outros estudos, coordenou “Licenciados, Precaridade e Família”, editado em 2010. Dos 16,6% de jovens inactivos, 7,7% estão no desemprego há mais de seis meses. Este desemprego de longa duração, associado à falta de inserção no sistema de educação e formação “está a criar um grupo de pessoas não qualificadas”, aponta o professor da UP.

Para o investigador, o crescimento dos jovens que não estudam nem trabalham tem uma explicação “conjuntural”, associada à crise económica, que está a dificultar o acesso dos jovens europeus ao mercado de trabalho. Portugal “não é caso único”, sublinha. Todavia, o sociólogo do Porto acrescenta a esta uma outra explicação de carácter estrutural: “Há uma desafeição de muitos jovens em relação à escola e à formação”, considera, atribuindo esta circunstância à “falta de expectativas relativamente ao futuro”.

Ana Paula Marques concorda com esta ideia de “ausência de futuro”, que condiciona as possibilidades de acção no presente. Esta dimensão coloca mesmo dificuldades ao sucesso das políticas públicas de formação e inserção do mercado de trabalho. Ainda assim, os dois especialistas dizem ser importante reforçar essas apostas, de modo a manter os jovens inactivos mais próximos do emprego ou do sistema de educação. “Não podemos deixar este vazio tomar espaço”, avisa a socióloga do trabalho da UM.

 

 

 


Entries e comentários feeds.