Más notas na escola? A solução pode estar na alimentação

Outubro 16, 2015 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia do Expresso de 30 de setembro de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

A Western Dietary Pattern Is Associated with Poor Academic Performance in Australian Adolescents

Scott Barbour Getty Images

Um estudo científico sugere que os adolescentes com uma alimentação tipicamente ocidental (rica em carnes vermelhas, açúcares e gorduras) têm tendência a ter um desempenho escolar mais fraco.

Marta Gonçalves

Alguma vez pensou que as más notas do seu filho podem estar associadas à alimentação? Pois a solução para um melhor desempenho escolar pode estar no prato. Um estudo divulgado recentemente pela a revista “Nature”, identificou que os adolescentes que ingerem regularmente carnes vermelhas e alimentos ricos em açúcar e gorduras têm um “pobre desempenho académico”.

“Identificámos a dieta ocidental como um fator de risco para um pobre desempenho académico durante a adolescência, um período sensível para o cérebro e uma fase da vida vulnerável no que diz respeito à nutrição”, lê-se nas conclusões do estudo. A dieta ocidental (que de dieta, no sentido mais comum da palavra, não tem nada) é rica em carnes vermelhas, doces, comida com muita gordura, farinhas, bebidas com açúcar e carnes processadas.

Em média, os resultados a matemática, escrita e leitura dos jovens que seguem a dieta ocidental são 7% inferiores aos resultados obtidos pelos adolescentes cuja alimentação é à base de vegetais e cereais integrais. É durante os anos da adolescência que o cérebro atravessa uma fase crítica de alterações e a comida saturada e pobre em nutrientes dificulta esse desenvolvimento.

A investigação teve lugar na Austrália. Ao longo do último ano, os cientistas falaram com centenas de jovens até aos 14 anos, no âmbito do Western Australian Raine Study, um estudo de larga escala sobre gravidez, infância, adolescência e começo da vida adulta. E inclui análises na área da saúde cardiovascular, desenvolvimento muscular, nutrição, sono, saúde mental, etc.

Este estudo australiano, assinado por Anett Nyaradi, Jianghong Li, Siobhan Hickling, Jonathan K. Foster, Angela Jacques, Gina L. Ambrosini e Wendy H. Oddy, não é o primeiro a relacionar a alimentação com o desempenho académico. Em 2008, um estudo canadiano comprovou que comer frutas e vegetais faz com que os jovens alcancem melhores resultados. Mais recentemente, em 2010, uma investigação sueca e islandesa apoiou essa conclusão.

 

 

 

 

 


Entries e comentários feeds.