Homem usa Instagram e WhatsApp para abuso sexual de crianças e pornografia de menores

Agosto 11, 2020 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Notícias de Coimbra de 10 de agosto de 2020.

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Aveiro, no cumprimento de mandados de detenção emitidos pelo DIAP de Aveiro, deteve um indivíduo, com 26 anos de idade, sem ocupação profissional definida, suspeito da prática dos crimes de abuso sexual de crianças e de pornografia de menores.

O detido, residente num concelho do Norte do país, conheceu a vítima, um menor com 13 anos de idade e residente na zona de Aveiro, através da rede social Instagram, tendo primeiramente trocado com ele conversas de natureza sexual. Depois, usando a aplicação WhatsApp, enviou-lhe vídeos de cariz sexual, instando o jovem a enviar-lhe fotos intimas e a filmar-se desnudado, usando o telemóvel para esse efeito.

Apresenta propensão para comportamentos predatórios, desenvolvidos nas redes sociais, tendo já antecedentes criminais da mesma natureza, pelo que a investigação vai prosseguir no sentido de determinar a verdadeira extensão da sua atividade delituosa.

Presente às Autoridades Judiciárias competentes na comarca de Aveiro para interrogatório judicial, foram-lhe aplicadas as medidas de coação de apresentações bissemanais no posto policial da área de residência, proibição de contactos com a vítima por qualquer meio e proibição de aceder à Internet.

Selfies, sexting, autoimagem física : materiais didáticos

Fevereiro 25, 2020 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Geralmente, a criação de um “ego digital” pode ser considerada como uma tarefa adicional no desenvolvimento dos jovens do século XXI. O jornalista Michalis Pantelouris descreve este fe-nómeno da seguinte forma: “No Instagram, todos são o seu próprio porta-voz” (SZ-Magazine, Edi-ção 37/16). No entanto, estas redes também têm o seu lado negro: desde problemas relacionados com a privacidade, cyberbullying e violação de di-reitos de autor decorrente do reencaminhamento não autorizado de fotografias, à exposição online sob forma sexualizada e ao incitamento à compra através da apresentação subliminar de produtos por YouTubers famosos.

Descarregar o documento no link:

Click to access 20191106_155403014_907_Selfies%20Sexting%20Autoimagem_LR.pdf

Estudo. Facebook e Instagram estão a prejudicar a saúde mental das crianças

Setembro 9, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia e imagem do MAGG de 14 de agosto de 2019.

por Mariana Leão Costa

O estudo conclui que 51% das raparigas e 43% dos rapazes afirmam ligar-se às redes sociais mais de três vezes por dia.

No imediato, as redes sociais servem propósitos nobres como manter as pessoas ligadas e em permanente contacto. Mas nem sempre estes propósitos são assim tão altruístas. Os exemplos são muitos mas recordamos, por exemplo, o caso da mulher espanhola que, em maio deste ano, se suicidou por ver um vídeo seu de cariz sexual a ser partilhado nas redes sociais.

Agora, um novo estudo britânico publicado a 13 de agosto vem lembrar quais os impactos que as redes sociais podem ter na saúde mental das crianças. Segundo a investigação, estas plataformas expõem os adolescentes ao cyberbullying, retira-lhes horas de sono e ainda os leva a não fazer exercício físico.

O estudo foi realizado com uma amostra de mais de 12 mil crianças com idades entre os 13 e os 16 anos. Foi-lhes perguntado quantas vezes abriam as redes sociais por dia, mas não quanto tempo ficavam em cada uma delas. 51% das raparigas e 43% dos rapazes afirmaram ligar-se às redes sociais três vezes por dia.

Os investigadores concluíram que abrir o Facebook, o Whatsapp ou o Instagram semanalmente, aumenta o risco em 20% de as crianças sofrerem de distúrbios psicológicos. Aqueles que se ligavam mais de três vezes por dia tinham uma saúde mental mais pobre do que os outros que registavam valores mais baixos.

O estudo sugere ainda que as raparigas estão mais sujeitas a estes problemas do que os rapazes. “Os danos da saúde mental relacionados com a frequente exposição às redes sociais nas raparigas podem relacionar-se com a exposição ao cyberbullying e à falta de sono e exercício físico”, pode ler-se no estudo.

“As intervenções que promovam a saúde mental devem incluir esforços para prevenir ou aumentar a resiliência ao cyberbullying e assegurar um sono e exercício físico adequado nos jovens”, aconselham os investigadores

“Quer mesmo fazer esse comentário?” Instagram tem nova forma de combater o bullying

Julho 23, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia da TSF de 9 de julho de 2019.

Por Gonçalo Teles

Rede social quer que os utilizadores tenham o poder de moderar as suas caixas de comentários, dando-lhes também a possibilidade de “restringir” utilizadores com comportamentos abusivos.

As comunidades online podem ser lugares duros, principalmente no que diz respeito às caixas de comentários. A pensar nisso, o Instagram começa a implementar, a partir desta terça-feira, uma nova forma de tentar controlar e reduzir o número de comentários maliciosos e depreciativos publicados na rede.

O mecanismo é simples e tem duas dimensões: a do agressor a do visado. A primeira linha de defesa do Instagram é ativada quando o agressor tentar publicar um comentário depreciativo.

O Instagram vai utilizar a Inteligência Artificial para analisar o conteúdo do comentário depois da sua publicação e, se o identificar como depreciativo ou rude, vai perguntar ao utilizador: “Quer mesmo comentar isso?”, oferecendo a possibilidade de ‘anular’ o comentário em questão.

A segunda linha de defesa pertence ao utilizador afetado. A ‘vítima’ pode começar por “restringir” a capacidade do ‘infrator’ em comentar os conteúdos da sua autoria: esta opção faz com que os comentários feitos pelo ‘infrator’ sejam visíveis apenas para o próprio.

Qualquer outro utilizador não terá sequer conhecimento de que o comentário abusivo foi feito, a não ser que o utilizador atacado assim o permita. Assim, o utilizador é também o moderador da sua caixa de comentários.

Além disto, se o utilizador restringido enviar uma mensagem ao utilizador que tentou atacar, fica impedido de saber se a mensagem for lida, além de não conseguir ver se a sua ‘vítima’ está online. Com isto, o Instagram espera reduzir o medo que o utilizador atacado possa sentir em denunciar o infrator, diminuindo as linhas de contacto direto entre ambos, bem como o seu impacto.

“É nossa responsabilidade criar um ambiente seguro no Instagram. Esta tem sido uma prioridade importante para nós já há algum tempo e continuamos a tentar compreender e combater melhor este problema”, escreveu no blog do Instagram o coordenador da rede social, Adam Mosseri.

Instagram: Jovem suicida-se após questionar seguidores na rede social

Maio 22, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia e imagem do site PPLWare de 17 de maio de 2019.

As redes sociais têm hoje um impacto forte nas sociedades! “Facilmente” se consegue manipular a opinião pública e, em muitos cenários, as redes sociais conseguem ter o efeito “mudança” para o bem e para o mal.

Recentemente uma jovem de 16 suicidou-se após questionar os seus seguidores no Instagram se devia morrer ou viver.

O caso aconteceu na Malásia, no estado de Sarawak, e as autoridades estão a investigar o que terá levado uma jovem de 16 anos a suicidar-se. De acordo com as informações, a jovem colocou no Instagram uma sondagem onde questionava se devia morrer ou continuar a viver. Depois de obter mais respostas que indicavam para colocar fim à vida, a jovem acabou mesmo por fazê-lo.

Segundo dados da Polícia Local, o resultado do inquérito chegou a ter 69% dos seguidores a votarem a favor da morte e apenas 31% a favor de continuar a viver. No entanto, o inquérito terminou com 88% dos utilizadores a votarem a favor da vida.

Ching Yee Wong, responsável pelas comunicações do Instagram já deu os sentimentos à família e referiu que a rede tem uma enorme responsabilidade no sentido de garantir a segurança dos utilizadores.

Wong alertou para que os utilizadores “façam uso das próprias ferramentas de denúncia do Instagram para entrar em contacto com os serviços de emergência quando se detectam comportamentos que coloque em risco a segurança dos utilizadores.”

É importante que os jovens, e sobretudo os seus responsáveis, se consciencializem dos perigos e riscos que as redes sociais podem trazer. Apesar de serem ferramentas importantes no nosso dia a dia, podem também perigosos e, como no caso, fatais, quando não são bem utilizadas.

Pedro Pinto

 

 

El 92% de los adolescentes españoles entre 14 y 16 años tienen un perfil propio en redes sociales

Fevereiro 21, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia e imagem do ABC de 22 de janeiro de 2019.

Carlota Fominaya

Estas son algunas de las principales conclusiones de la investigación «Las TIC y su influencia en la socialización de adolescentes» realizada por Google, la FAD y BBVA.

Casi la totalidad (el 92%) de los adolescentes españoles entre 14 y 16 años afirman tener un perfil propio en redes sociales y lo usan fundamentalmente para sentirse integrados en el grupo de jóvenes de su edad. Prefieren Instagram (para publicar y ser vistos) y Youtube (para consumir contenidos, sentirse fan), pero también utilizan Twitter (para seguir a sus ídolos) y Facebook (como plataforma para juegos y mantener amistades lejanas). Es decir, «las redes son para ellos un lugar para comunicarse, pero también de expresión, donde ellos generan contenido», ha asegurado Eulalia Alemany, directora técnica de la FAD (Fundación de Ayuda a la Drogadicción), una de las entidades, junto a Google y BBVA, responsables del estudio «Las TIC y su influencia en la socialización de adolescentes».

Otra de las principales conclusiones que se extraen de este estudio (realizado en el marco de Proyecto Conectados), es que cerca del 90% de los adolescentes disponen de entre 2 y 5 dispositivos digitales personales, destacando entre ellos el smartphone en primer lugar (89,9%), seguido por el ordenador portátil (76%) y tablet (69%). La mayoría de ellos indican además que tienen estos dispositivos desde hace al menos dos años, lo que indica la temprana edad a la que los adolescentes tienen acceso a las TIC.

El informe no solo analiza el uso que los adolescentes españoles de 14 a 16 años realizan en la web y las redes sociales, sino también las dificultades que encuentran, cómo las solventan, y los dispositivos que manejan y desde cuándo, entre otras cuestiones. Los resultados de la investigación se han obtenido a través de 1.624 entrevistas a adolescentes de 14 a 16 años en centros educativos.

Tras la presentación del estudio, la ministra de Educación y Formación Profesional, Isabel Celaá, ha entregado los premios del juego online Conectados a los 8 adolescentes que mejor han puntuado en este juego sobre cómo manejar las TIC de forma segura y responsable. La ministra ha estado acompañada por el director de Políticas y Asuntos Públicos de Google España y Portugal, Francisco Ruiz Antón; la directora de Comunicación y Relación con los Medios del Grupo BBVA, Ana Ortas; y el presidente de la Fad, Ignacio Bayón.

Aceder ao estudo Las TIC y su influencia en la socialización de adolescentes nos links:

https://proyectoconectados.es/sala-de-estudios/

https://www.fad.es/node/8411

 

 

 

Adolescentes portugueses trocam Facebook pelo Instagram

Março 23, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

PAULO SPRANGER/GLOBAL IMAGENS

Notícia do https://www.dn.pt/ de 5 de março de 2018.

Ana Rita Guerra

Rede de partilha de fotos e vídeos foi a que mais cresceu no ano passado e já é a segunda mais utilizada em Portugal

As notícias da morte do Facebook ao longo dos anos têm sido claramente exageradas, mas a tendência de perda de utilizadores entre os 12 e os 17 anos está a acelerar mais do que o previsto. Há pelo menos cinco anos que diversos estudos se debruçam sobre este problema na rede social mais utilizada do mundo: os mais jovens não querem estar onde estão os adultos. Os números recentes da eMarketer mostram que os adolescentes americanos estão a deixar o Facebook em grandes quantidades e a voarem para a aplicação de mensagens efémeras Snapchat. Mas, em Portugal, a tendência não é bem essa. A rede social que os jovens portugueses preferem agora é o Instagram, que, apesar de também pertencer ao conglomerado de Mark Zuckerberg, tem características mais atrativas para essa faixa de idades.

“Toda a gente começou a deixar de usar [o Facebook] e depois lá não dá para pôr as Stories”, confirma Sofia Matos, de 15 anos. “No Insta dá para pôr histórias e começou a ficar mais na moda.” A criação desta funcionalidade, Instagram Stories, foi uma das iniciativas recentes mais bem-sucedidas da rede social. Permite criar uma história curta com fotografias, frases, clips de vídeo e emojis que desaparece ao fim de 24 horas – uma cópia clara do conceito do Snapchat (e que, na verdade, também existe no Facebook). É a funcionalidade que os jovens portugueses parecem preferir. “Eu quando vou ao Instagram o que costumo ver mais é Stories”, diz ao DN Baltazar Nunes, de 17 anos, que fez exatamente o mesmo que Sofia: desinstalou a app do Facebook do telemóvel e só deixou a do Messenger. “O Instagram é para pôr fotografias e editá-las com filtros diferentes e acho que o Facebook ficou mais antiquado. As pessoas gostam de coisas mais modernas e diferentes”, resume. Baltazar diz que a tendência é a mesma entre todos os seus amigos e dura há cerca de um ano. “O Instagram tem funções completamente diferentes” reitera. “No Instagram, não sei explicar, mas tenho mais amigos que veem.”

Sofia, que já nem se lembra da palavra-passe da conta no Facebook, só usa a app do Messenger para enviar fotografias a si mesma e poder guardá-las. Explica que um dos motivos pelos quais deixou de gostar de ir à rede era estar rodeada de adultos. “No Facebook tinha muitos familiares e no Insta não tenho quase ninguém.”

A mesma transição aconteceu com Mara Machado, que vai fazer 16 anos em maio. No caso de Rafael de Barros, de 13 anos, a passagem para o Instagram deveu-se à popularidade entre os amigos. “Fiz porque ouvia toda a gente a falar sobre isso, queria ver como era e como funcionava”, diz ao DN. Ainda assim, Rafael não é um grande utilizador de redes sociais; mantém o Facebook por causa do Messenger, apesar de quase nunca entrar no seu perfil, e prefere o WhatsApp como meio de comunicação.

Em todos os casos, os pais dos adolescentes criaram contas no Instagram para poderem seguir a atividade dos filhos, sendo que são contas privadas – o adolescente tem de aceitar o pedido para ser seguido e a regra é não o fazer se não conhecer a pessoa.

“Ela acha o Instagram mais seletivo”, conta Ana Machado, mãe de Mara, que agora usa a rede de partilha de fotos para divulgar o seu trabalho de estética. “Um mundo um pouco mais fechado.”

Anabela de Barros, mãe de Rafael, continua a ter as palavras–passe das contas do adolescente, mas diz notar uma grande diferença entre rapazes e raparigas. “Elas expõem-se muito mais”, considera. “Há aquela coisa de se mostrarem.”

Tendência nacional

Estes casos refletem uma tendência nacional que foi atestada pela Marktest num estudo divulgado no final de 2017. Segundo os dados apurados no relatório “Os Portugueses e as Redes Sociais”, da Marktest Consulting, o Instagram foi a rede que teve o maior aumento relativo em 2017, na ordem dos 35%, e é já a segunda rede mais usada pelos portugueses. Enquanto a taxa de utilização global é de 50,3% entre todos os portugueses que usam redes sociais, a penetração na faixa etária dos 15 aos 24 anos é bem mais impressionante: 80,4%.

O Facebook continua a ser a rede mais utilizada, tendo registado durante o ano de 2017 uma taxa de penetração de 95,5% entre o universo de utilizadores de redes sociais. Mas, mesmo que os adolescentes não apaguem as suas contas no site criado por Mark Zuckerberg por uma questão de conveniência – por exemplo, login noutras apps, ligação entre contas ou manutenção do Messenger -, deixaram de ser utilizadores reais. No caso de Mara Machado, a jovem cancelou mesmo o seu perfil e já só usa o Instagram. Os dados da Marktest, curiosamente, indicam que existe uma incidência superior de utilização da rede de partilha de fotos entre as mulheres. Por outro lado, “os residentes na Grande Lisboa e no Grande Porto e indivíduos das classes mais baixas também referem mais do que a média ter conta no Instagram”, indica o relatório da consultora.

E o Snapchat?

A eMarketer prevê que, só neste ano, o Snapchat adicione 1,9 milhões de utilizadores americanos com menos de 25 anos, enquanto o Facebook vai perder 2,1 milhões de utilizadores nessa faixa etária (os analistas questionam se será troca por troca). No ano passado, a rede de Zuckerberg perdeu 1,4 milhões de adolescentes entre os 12 e os 17, três vezes mais que o previsto, e a tendência repete-se noutros grandes mercados, como o do Reino Unido. A aplicação de mensagens efémeras em fotos e vídeos continua a ter mais jovens entre os 12 e os 24 do que o Instagram nos Estados Unidos, mas mesmo assim tem uma dimensão mundial inferior. O Snapchat contabiliza 187 milhões de utilizadores diários, enquanto o Instagram tem 500 milhões.

A que se deve esta diferença entre os jovens americanos e os portugueses? Baltazar Nunes resume desta forma: “O Snapchat é como o Facebook, há uns anos toda a gente usava e deixaram de usar, passou tudo a usar o Instagram.” Sofia Matos confirma: “O Snapchat uso para tirar fotos, porque tem lá efeitos giros, mas já não uso muito.” Rafael de Barros e Mara Machado nem sequer têm lá conta.

Talvez reflitam uma transição que vai chegar a outros mercados, ou estejam a responder às próprias decisões da Snap, casa-mãe do Snapchat, que nos últimos tempos fez um grande esforço para atrair utilizadores mais velhos. Na conferência com analistas para discutir os resultados do quarto trimestre fiscal, o CEO da Snap, Evan Spiegel, falou dos resultados das novidades introduzidas gradualmente na aplicação do Snapchat com esse propósito. O executivo mostrou uma série de indicadores encorajadores, entre os quais melhor envolvimento e interação com utilizadores acima dos 35 anos. É uma faixa etária que normalmente não se associava à aplicação de mensagens efémeras, e que choca com o desejo dos adolescentes de socializarem em ambientes virtuais com poucos ou nenhuns adultos.

A Snap parece estar a tirar notas da experiência do Facebook e do Instagram: é que, embora haja muita atenção devotada às preferências dos adolescentes, estes não têm o mesmo poder de compra das faixas etárias superiores, que estão mais bem distribuídas pelas redes sociais controladas por Mark Zucker- berg.

É um caminho inverso ao que o Instagram fez, quando usou os métodos bem-sucedidos do Snap- chat para atrair utilizadores mais velhos – com resultados muito positivos em mercados como o português. As Stories de que os adolescentes falaram, uma inspiração direta do conceito do Snapchat, aumentou o envolvimento com os utilizadores e acelerou o crescimento em novas contas. É possível até traçar um paralelo entre o ganho de utilizadores no Instagram e a desaceleração do crescimento no Snapchat, o que, por sua vez, levou a Snap a tomar medidas controversas.

De facto, o redesenho mais recente da interface do Snapchat foi feito precisamente para atrair outros públicos, mas causou uma autêntica revolta entre os utilizadores fiéis, que estão a fazer circular uma petição contra com mais de 1,2 milhões de assinaturas. A consultora LikeFolio reportou uma explosão de comentários de pessoas que trocaram o Snapchat pelo Instagram por causa do novo layout, que foi avaliado negativamente por 80% dos utilizadores.

A juntar a esta repercussão inesperada do redesenho, a Snap tombou 6,1% em bolsa e perdeu mais de 1,3 mil milhões de dólares de capitalização bolsista por causa de um tweet de Kylie Jenner, uma das figuras mais populares do clã Kardashian. “Entãooooo há mais alguém que já não vai ao Snapchat? Ou sou só eu… ugh isto é tão triste.” Muitos dos seus seguidores do Twitter (um total de 24,5 milhões) concordaram com o que a celebridade escreveu, apesar de Kylie ter publicado logo a seguir que ainda adora o Snapchat, o seu “primeiro amor”.

mais informações no relatório:

Os Portugueses e as Redes Sociais 2017

 

16 seria o ideal mas há crianças portuguesas a navegarem online sozinhas desde os 8 anos

Março 12, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do https://tek.sapo.pt/ de 15 de fevereiro de 2018.

Em França fala-se nos 15 anos como idade mínima para deixar de ser necessária a autorização dos pais para criar perfil no Instagram, no Snapchat ou no Facebook. E em Portugal?

Da teoria à prática a distância é normalmente grande e tal parece aplicar-se às regras de utilização de redes sociais como o Instagram, o Snapchat ou o Facebook. O funcionamento destes serviços estabelece os 13 anos como idade mínima para criar perfil, mas há quem comece a navegar sozinho muito antes, alerta a psicóloga Ivone Patrão.

“O acesso às redes sociais sempre foi barrado a menores. Geralmente fazem uma permissão a partir dos 13 anos, mas o que se observa é que isto não é respeitado. Falo todos os dias com jovens e pais e sei bem isso”, referiu em declarações ao SAPO TEK.

A autora do livro #GeraçãoCordão acrescenta que nos estudos que tem desenvolvido, a média de idades de acesso à internet sem supervisão parental é de oito anos. “A partir daqui está tudo dito”.

O novo Regulamento Geral de Proteção de Dados vai trazer força legal a estas regras que não têm sido respeitadas. O diploma que os Estados-membros terão de adotar até 25 de maio próximo define que “só os menores com idade igual ou superior a 16 anos podem dar consentimento válido para o tratamento de dados pessoais relacionados com a oferta direta de serviços da sociedade de informação, tais como serviços online”. Prevê, no entanto, que os países da União Europeia estabeleçam uma idade inferior para esse consentimento, “desde que seja salvaguardado o limite mínimo de 13 anos”.

França já fez a sua proposta nesse sentido. A Assembleia Nacional daquele país fixou nos 15 anos a idade mínima para um cidadão francês criar sozinho um perfil numa rede social. Entre os 13 e os 15 anos tal será possível com o consentimento de cada um dos progenitores ou responsáveis legais e abaixo dos 13 fica proibido.

Algo idêntico poderia ser seguido em Portugal, na opinião de Ivone Patrão. A psicóloga considera que, nas idades mencionadas, “já se adquiriu maior maturidade cognitiva e emocional, para exercer algum autocontrolo face ao que pode surgir online”.

Acrescenta que “é importante que se legisle”, e além disso também é importante “o legislador conhecer os dados da realidade e perceber que temos muitas crianças e jovens em risco, pela ausência da supervisão de um adulto, quando contactam com o mundo online”.

Em Portugal, o RGPD já esteve em consulta pública, não sendo conhecida ainda uma proposta final própria no que diz respeito às idades escolhidas.

 

 

Mais novos deixam o Facebook mas alguns abrem o Instagram

Março 6, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 12 de fevereiro de 2018.

Previsões da eMarketer antecipam uma queda nos utilizadores entre os 12 e os 24 anos.

JOÃO PEDRO PEREIRA

A ideia de que os utilizadores mais jovens não gostam de partilhar a rede social com os pais e avós corre pela Internet há anos. Mas o envelhecimento dos utilizadores do Facebook está a acelerar, indica um relatório de uma analista de mercado, numa tendência que trará mais desafios à rede social e que poderá mudar o comportamento dos anunciantes.

De acordo com previsões da eMarketer, divulgadas nesta segunda-feira, de todos os utilizadores de Internet entre os 12 e os 17 anos nos EUA, serão este ano menos de metade aqueles que vão aceder pelo menos uma vez por mês ao Facebook.

Os chamados utilizadores activos mensais são uma métrica importante para o Facebook, que tinha em Dezembro 2130 milhões destes utilizadores, mais 14% do que no final de 2016. Teoricamente, é preciso ter pelo menos 13 anos para ter uma conta na rede social.

A eMarketer (que é propriedade do grupo de media alemão Axel Springer) antecipa que o número de utilizadores com menos de 12 anos nos EUA deverá cair 9% ao longo de 2018. Já o número de utilizadores entre os 12 e os 24 anos deverá descer perto de 6%. É a primeira vez que a eMarketer prevê um declínio no número de utilizadores destas faixas etárias.

No Reino Unido, segundo estimativas da mesma analista citadas pelo jornal The Guardian, o número de utilizadores entre os 12 e os 24 anos cairá 12% este ano. Não há números para Portugal.

Contactado pelo PÚBLICO, o Facebook disse não ter nenhum comentário sobre o relatório.

Outras plataformas a crescer

Perder utilizadores mais novos no Facebook não quer dizer que a empresa os perca completamente. Alguns estão a migrar para outras plataformas, entre as quais o Instagram, uma aplicação focada em partilha de fotografias, que é também do Facebook (a empresa é ainda dona da aplicação de mensagens WhatsApp). A eMarketer aponta que esta aplicação deverá conseguir este ano, nos EUA, mais 1,6 milhões de utilizadores com menos de 25 anos.

A aplicação rival Snapchat, que permite a partilha de imagens que se apagam automaticamente e foi concebida especificamente para utilizadores mais jovens, também está a crescer. A aplicação terminou 2017 com 187 milhões de utilizadores diários (não comunica utilizadores mensais, ao contrário das outras redes sociais), um aumento anual de 18%.

“O Snapchat poderá acabar por ter um aumento de utilizadores nos grupos mais velhos, uma vez que está a redesenhar a plataforma para ser mais fácil de usar”, observou a analista da eMarketer Debra Aho Williamson. “A questão vai ser saber se os utilizadores jovens vão continuar a achar o Snapchat fixe à medida que mais pais e avós lá estão. É essa a encruzilhada em que o Facebook está.”

As previsões da eMarketer surgem depois de dois anos difíceis para o Facebook, que começaram com a disseminação de desinformação, especialmente durante as eleições americanas de 2016, e terminaram com um acumular de críticas no final de 2017 em relação aos potenciais efeitos nocivos da rede social, nomeadamente entre os mais novos. “Só deus sabe o que está a fazer aos cérebros das nossas crianças”, afirmou em Novembro, numa entrevista, um dos primeiros investidores na empresa e antigo presidente não executivo, Sean Parker. Poucos meses antes, frente a uma plateia de universitários, um antigo executivo pedira desculpas e tinha dito que “o circuito perpétuo de validação social movido a dopamina” criado pela rede social estava “a destruir a forma como a sociedade funciona”.

Mark Zuckerberg anunciou em Janeiro que iria dedicar o ano a concentrar-se em resolver os problemas do Facebook e a empresa já fez alterações nos conteúdos que apresenta a cada pessoa e que resultaram num decréscimo de 5% no tempo passado dentro da rede social. O objectivo é aumentar a qualidade dos conteúdos que os utilizadores vêem.

Por ora, as críticas e alterações na demografia dos utilizadores parecem não estar a afectar o negócio: as receitas da empresa dispararam 47% em 2017.

 

 

Adolescentes compram Xanax no Facebook e Instagram – Reino Unido

Março 2, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Twitter

Notícia do https://www.dn.pt/ de 14 de fevereiro de 2018.

Segundo testemunhos, basta fazer uma pesquisa com o tipo de drogas que se quer comprar e a venda realiza-se depois fora da rede

Os adolescentes ingleses estão a comprar drogas como Xanax nas redes sociais, denuncia uma investigação da BBC, corroborada por dados de uma associação que ajuda jovens com adições, a Addaction, e que refere existirem compradores de apenas 13 anos.

Após a investigação se ter tornado pública, o Ministério do Interior do Reino Unido disse que já estava a tomar medidas e o Instagram e Facebook – as redes sociais onde a venda ilegal de drogas mais acontece – frisaram que esse tipo de venda é ilegal nas suas plataformas. No entanto, este existe.

Um adolescente de Kent, ouvido pela BBC, disse que é fácil encontrar nas redes sociais quem venda drogas como Xanax – um medicamento amplamente prescrito nos EUA para tratar a ansiedade, mas que no Reino Unido só pode ser obtido com prescrição médica.

O jovem admitiu consumir MDMA, cocaína e Xanax, e que consegue encontrar quem venda estas drogas online. O adolescente confessou que passou noites sob o efeito de drogas para conseguir estudar para os exames e que mesmo durante as provas estava sob o efeito de drogas.

“Consegue-se encontrar uma página [nas redes sociais] com o tipo de drogas vendidas, com base em fotos ou naquilo que queremos comprar”, explicou o jovem. Depois, a conversa transfere-se da Internet para o mundo real, onde se efetua a venda.

Vários jovens do Reino Unido têm recebido tratamento hospitalar devido ao consumo de Xanax. O deputado britânico Bambos Charalambous revelou que o país desconhece o quão generalizado é o uso desta droga pelos mais jovens e pediu uma campanha de consciencialização, mais pesquisas e serviços de apoio aos adolescentes com problemas de adição.

Nick Hickmott, da Addaction, confirma a tendência. “Faz parte da cultura dos jovens atualmente. Quantos o fazem é discutível e, obviamente, o que é realmente importante é obter algumas estatísticas, mas já é bom que mostremos alguma preocupação”, disse, citado pela BBC.

Um porta-voz do Home Office – agência estatal britânica responsável pelas questões de segurança – afirmou que esperam “que as empresas que detêm as redes sociais atuem rapidamente para remover conteúdos e contas de utilizadores que não cumpram as suas próprias políticas”.

Em resposta, um porta-voz do Instagram disse: “Comprar ou vender drogas é proibido no Instagram e essas contas foram removidas”.

Um porta-voz do Facebook também alegou que as contas foram removidas, acrescentando: “Comprar ou vender drogas de qualquer tipo não é permitido no Facebook”.

Ambos os sites pediram aos seus utilizadores que denunciassem essa atividade.

 

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.