Alunos do segundo ano com dificuldades motoras: 40% não sabem saltar à corda nem dar uma cambalhota

Junho 5, 2018 às 1:15 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 5 de junho de 2018.

Um terço dos alunos do 2.º ano que fizeram a prova de Expressões Físico-Motoras no ano passado teve dificuldade em participar num jogo de grupo, 46% não conseguiram dar seis saltos consecutivos à corda e 40% não conseguem dar uma cambalhota para a frente mantendo a direcção e levantando-se de pés juntos. Os dados foram divulgados pelo Jornal de Notícias (JN) e fazem parte do relatório do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), que analisa os resultados das provas de aferição e é divulgado esta terça-feira.

“Os resultados reforçam a ideia de que a Educação Física não é dada no 1.º ciclo como devia”, defende o presidente da Confederação Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física (CNAPEF), Avelino Azevedo, ouvido pelo JN. Azevedo diz que “os resultados são inquietantes” e que deveria ser repensado o modelo de ensino da Educação Física no ensino primário, idades em que se desenvolvem capacidades como o equilíbrio ou flexibilidade, diz.

Além da disciplina de Educação Física, há outras áreas em que os alunos apresentam dificuldades: 72% dos estudantes do 5.º ano não conseguiram identificar o rio Mondego na prova de História e Geografia de Portugal; nesta disciplina, as questões sobre o Tratado de Tordesilhas foram aquelas com menos respostas correctas, com 65% dos alunos a errarem todas as perguntas. Com base nos mesmos dados, Diário de Notícias (DN) refere que 45% dos 90 mil alunos que realizaram as provas de aferição de História e Geografia do 2.º ciclo não conseguiram localizar Portugal no continente europeu.

Em Matemática, o insucesso é generalizado: na prova do 5.º ano, só 10% dos alunos conseguiram calcular a área de um polígono que envolvia a área de dois triângulos e de dois rectângulos.

 

 

 

Miúdos têm dificuldade em escrever sem erros e contar dinheiro

Janeiro 18, 2015 às 4:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 13 de janeiro de 2015.

o documento citado na notícia é o seguinte:

relatório  dos Testes Intermédios do 2.º ano do 1.º Ciclo do Ensino Básico (CEB)

Maria João Lopes

O Instituto de Avaliação Educativa avaliou quatro anos de resultados dos testes intermédios de Português e Matemática no 2.º ano do 1.º ciclo.

Saber escrever com coerência, com vocabulário adequado e sem erros. Colocar bem os acentos. Saber fazer melhor as contas com dinheiro. Estes são alguns dos aspectos identificados como frágeis no relatório, divulgado nesta terça-feira, sobre os resultados dos testes intermédios de Português e Matemática no 2.º ciclo.

Estes testes começaram em 2010/2011 e, embora não sendo obrigatórios, são feitos no 2.º ano do 1.º ciclo do ensino básico nas escolas que o pretendam. O objectivo é o “diagnóstico precoce das dificuldades dos alunos”. Há dados positivos, mas, tendo em conta os últimos quatro anos, o IAVE destaca três áreas que merecem uma “intervenção mais específica” a Português: a escrita; a gramática; e, tendo em conta as “fragilidades” na interpretação de alguns tipos de texto, a leitura. Na Matemática, também há aspectos a aperfeiçoar, como, por exemplo, saber fazer melhor as contas com dinheiro.

As dificuldades na escrita relacionam-se sobretudo com a estruturação do texto e ortografia. O IAVE considera “indispensável” que os miúdos treinem, “de forma sistemática, a construção da frase, a estruturação do texto e a produção de narrativas, individualmente, em pares e em grande grupo”.

Até 2013, a leitura e apreensão do sentido global do texto tiveram resultados “bastante satisfatórios”. Mas em 2014 foi diferente – apenas 42% das respostas tiveram o “nível máximo de desempenho”, resultados que podem ser explicados por ter sido introduzida a análise de um texto poético.

Mas é na gramática e na escrita que estão as “maiores dificuldades”. Na gramática, os acentos são um dos problemas. Em 2014, apenas 35% das crianças acentuaram correctamente as seis palavras pedidas. No ano anterior, o resultado também tinha sido “insatisfatório” – 25%. Os miúdos têm ainda dificuldade na identificação de rimas – 43% de respostas certas.

Na parte escrita, embora haja “uma ligeira melhoria” em relação a 2013, os resultados mantêm-se “insatisfatórios” – apenas 42% tiveram o “nível máximo de desempenho”, quando lhes foi pedido para fazerem um texto com a estruturação das diferentes partes. Escrevê-lo com correcção ortográfica, só 28%. Ainda em 2014, só 39% dos textos eram coerentes e só 38% com “vocabulário adequado”.

Rectângulo e quadrado

Na Matemática, “os resultados mostram, recorrentemente, pior desempenho na interpretação do enunciado de um problema e na definição de uma estratégia apropriada à sua resolução, assim como na justificação clara e coerente dos procedimentos” usados. São ainda “evidentes as fragilidades nos conteúdos que apelam à mobilização da capacidade de raciocínio”.

Nos números e operações, há uma melhoria de 2013 para 2014 na resolução de problemas envolvendo um operador. Ainda assim, a maioria não teve respostas no nível máximo – 41% em 2014 e 35% em 2013. O IAVE sugere que “seja dedicada especial atenção” ao significado do sinal de igual, ao desenvolvimento do cálculo mental e ao registo escrito das estratégias utilizadas no cálculo.

Também “o significado dos símbolos matemáticos, assim como a sua escrita, como meio de comunicação matemática, merecem”, segundo o relatório, “atenção adicional”, apesar da melhoria do desempenho dos alunos neste ponto.

Os autores do documento revelam ainda preocupação com a percentagem “elevada” de “alunos que não reconhecem o quadrado como um caso particular do rectângulo”. Em 2014, apenas 31% dos miúdos o fizeram. Também no que toca aos sólidos geométricos, “os alunos apresentam algumas dificuldades ao nível do conhecimento das respectivas propriedades”.

Os autores desta análise estão de igual modo apreensivos com a percentagem “de alunos que ainda efectuam contagens de dinheiro de forma incorrecta”: “Apesar de os alunos terem apresentado sempre desempenhos satisfatórios quando confrontados com situações relacionadas com dinheiro, ainda se notam algumas fragilidades”. Em 2014, a percentagem de miúdos que responderam correctamente foi 68%, menos 14% face a 2011. Uma diferença que pode estar relacionada com o facto de, em 2014, o valor em causa incluir euros e cêntimos e, em 2011, só euros. “Apesar de estas percentagens serem satisfatórias em ambos os casos, não deixa de ser insatisfatório que uma percentagem ainda significativa dos alunos não tenha resolvido a operação adequadamente, tratando-se de um tema recorrente e essencial no dia-a-dia”. No relatório são ainda identificadas “algumas dificuldades ao nível da leitura e da interpretação de informação”, em gráficos, por exemplo.

Em 2014, os testes intermédios foram realizados por 68.118 alunos (Português) e 68.681 (Matemática), em 839 escolas.

 

 


Entries e comentários feeds.