Nuvem Vitória conta histórias à noite a crianças hospitalizadas

Janeiro 3, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

João Santos

Notícia do Jornal de Notícias de 15 de dezembro de 2018.

Associação está presente em quatro hospitais e tem cerca de 300 voluntários. Verba atribuída pelo Lidl no âmbito da campanha solidária de Natal vai permitir alargar a ação a outras unidades.

O sorriso das crianças internadas na pediatria do Hospital de São João, no Porto, aquando da visita dos voluntários da Nuvem Vitória para lhes lerem histórias na hora de deitar, deixa adivinhar o quanto aquele momento é mágico. Num piscar de olhos, os mais novos esquecem os tratamentos e deixam-se encantar pelos contos.

Parece simples, mas a ideia de fazer algo diferente a nível de voluntariado esteve anos numa gaveta até ver a “luz da noite”, em 2016, pelas mãos da ex-jornalista Fernanda Freitas e do advogado Pedro Dias Marques. “Pensámos num projeto inovador, que envolvesse voluntariado e leitura, as nossas duas âncoras. Contar histórias só se fosse à noite, pois eu não tinha tempo de dia”, conta a presidente da associação, explicando o significado do nome: “Porque terminamos com a frase “Vitória, vitória, acabou-se a história”. Claro que há a mensagem subliminar da vitória sobre a doença. Quanto à nuvem, queríamos uma imagem fofinha, que não aparecesse à noite, mas quando aparece faz magia. Uma nuvem à noite não se vê, a não ser que seja Vitória”.

O projeto-piloto começou na pediatria do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, estendendo-se, depois, ao “Joãozinho”, no Porto, e ao Hospital de Vila Franca de Xira e Centro de Medicina e Reabilitação de Alcoitão. Atualmente, a Nuvem Vitória está presente nas noites de segunda a sexta-feira e conta com a ajuda de cerca de 300 voluntários, que trabalham em sistema rotativo, uma duas ou todas as semanas do mês, dependendo da disponibilidade.

O apoio que a associação receberá através da campanha solidária do Lidl, que decorre até ao próximo dia 30, permitir-lhe-á alargar a ação. “No próximo ano teremos mais seis núcleos, um deles em Braga, mas até 2020 queremos estar em 14 hospitais. Gostávamos de ter um núcleo em cada capital de distrito”, avança Fernanda Freitas, salientando ser “a gestão ultra-profissional da Nuvem” que abre as portas das administrações hospitalares.

Percurso até ser voluntário

Não se pense, contudo, que é fácil ser “Nuvem”. Há lista de espera e muitos passos a seguir até se chegar às crianças. “O primeiro é ter mais de 21 anos, fornecer o registo criminal para se confirmar que pode trabalhar com menores e dizer a disponibilidade. Segue-se a formação de um fim de semana, na qual recebe o regulamento, o contrato e o número de apólice de seguro e aprende os direitos e deveres”, enumera a presidente, frisando: “Ter jeito para contar histórias é o que menos importa”.

“O que interessa é ter compromisso, responsabilidade e bom senso. Porque o saber contar histórias vem com tempo. Pega-se num livro e lê-se mais torto ou direito, com enganos… os miúdos não ligam a isso. Eles querem é aquele bocadinho de atenção”, anota Fernanda Freiras, completando: “Se depois desta experiência traumática, as crianças chegarem a casa e só se lembrarem da Nuvem e das histórias que lhes lemos, já cumprimos a missão”.

Apesar de vários estudos comprovarem os benefícios da leitura, não só na saúde física dos mais novos, como na mental, a presidente anota que o objetivo da associação não é “evangelizar os pais que não têm esse hábito”.

“A nossa função é, naquele momento, serenar as crianças que estão internadas. Os pais percebem a importância do nosso trabalho e há crianças que lhes pedem para continuarem a ler quando vão para casa. Não fazemos a parte moral de tentar incutir a leitura, em especial naquelas situações em que sabemos que eles não leem. É uma situação melindrosa e podemos estar a ferir suscetibilidades e não é isso que se pretende”, esclarece Margarida Soares, jurista e coordenadora do núcleo do Porto da Nuvem, continuando: “Mas há crianças que dizem que quando forem para casa querem que os pais continuem a fazer igual”.

Plataforma “Quero Dormir”

E numa altura em que os dados em Portugal apontam para uma diminuição acentuada das horas que os portugueses dormem, sejam crianças ou adultos, este projeto acabou por espoletar a criação da plataforma do sono, denominada “Quero Dormir”.

“Este site que está a ser construído por nós, em parceria com a Associação Portuguesa do Sono e a Ordem dos Psicologos Portugueses, vai ser um depositório de notícias e informações credíveis. Terá, ainda, um mapa para geo-referenciar especialistas do Sono ou serviços onde haja a especialidade do Sono”, revela Fernanda Freitas, deixando um alerta: “A médica da Associação Portuguesa de Psicólogos que trabalha connosco diz-nos que há tantas coisas que acontecem na adolescência que podia ter sido resolvidas com umas boas noites de sono na infância. Há estudos sobre a ligação do bulling ou da violência com a falta de sono”.

Hospital elogia voluntariado

No Hospital de São João, o trabalho desenvolvido não só pela Nuvem Vitória, mas também por outras entidades é “muito importante”, segundo declarações de Ana Príncipe, assessora do presidente do Conselho de Administração do Hospital S. João e técnica de saúde, mas obriga a uma análise rigorosa dos projetos.

“Uma das razão pelas quais a Nuvem tem de ter um escrutínio muito apertado é porque estamos numa hora mais desprotegida, quer para os funcionários, quer para os meninos, quer para os familiares. Por isso, o voluntariado a esta hora tem de ter características muito especiais para ser um fator de felicidade e o bem-estar dos nossos doentes”, explica a assessora, salientando: “A noite é muito complicada de gerir pelos pais, são muitas horas “mortas””.

Ana Príncipe anota que os profissionais de saúde, enfermeiros e médicos de serviço, “olham para os voluntários como uma nuvem passageira, suave, que passa sem ser notada”. “A Nuvem Vitória sabe passar despercebida ao funcionamento normal de um hospital desta dimensão e isso é muito importante. Além disso, o símbolo da Nuvem e a cor branca despertam sentimentos bons associados ao saudável e à felicidade que isso traz”, complementa a técnica de saúde.

Contos ajudam a acalmar

Quando Alexandrina Pinto, mãe de uma paciente, Ana, de 12 anos, viu os voluntários pediu-lhes que fossem contar uma história à filha, que aquando da visita já estava a dormir.

“Pedi à Nuvem Vitória para lhe ler uma história, pois acho que mesmo que esteja a dormir, o subconsciente da Anocas fica alerta”, diz esta mãe, visivelmente mais confortada após a leitura do conto. “Só conheci esta associação neste último internamento, mas acho fundamental o trabalho deles, pois ajuda a descer a energia, a acalmar as crianças e a prepará-las para o sonho. Da outra vez a minha filha estava acordada e adorou a história”, acrescenta Alexandrina Pinto, revelando que a leitura é um hábito antigo em casa.

“Desde a gravidez li sempre muita poesia e histórias em voz alta e desde que a Ana nasceu leio-lhe à noite. Se não estou eu a adormecê-la, peço a quem está que também lhe leia. E, criei um hábito com o meu pai de ler histórias sem livro para ela descobrir mais coisas sobre a família, porque acho que é importante. Sempre que é o meu pai a adormecê-la, ela escolhe uma pessoa da família e ele conta-lhe uma história”, finaliza esta mãe.

Oito mil histórias para adormecer e mais uma contada a crianças nos hospitais

Dezembro 24, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Sapo24 de 3 de dezembro de 2018.

Miguel Morgado

O sono e as leituras de cabeceira juntaram à mesa duas psicólogas, uma blogger, uma empresa de distribuição (Lidl Portugal) e uma associação, a Nuvem Vitória. Associação conta histórias para adormecer a crianças que estão em hospitais ou instituições. Até 2020, quer triplicar o número de 300 voluntários e adormecer 50 mil crianças.

A temática do sono e a importância de contar de histórias de embalar às crianças. O mote juntou à mesa duas psicólogas, Teresa Rebelo Pinto e Clementina Pires de Almeida, uma blogger, Rita Ferro Alvim e uma associação (Nuvem Vitória), representada na pessoa de quem a criou e preside, Fernanda Freitas, ex-jornalista.

Como pano de fundo, juntando as quatro vozes num encontro marcado num café (Amélia), em Campo de Ourique, Lisboa, uma empresa de distribuição (Lidl Portugal) lançou uma campanha de Natal (que decorre até 30 de dezembro) integrada na estratégia de Responsabilidade Social para apoiar a Nuvem Vitória, associação criada em 2016 que através dos seus 300 voluntários espalhados nos hospitais de Santa Maria, em Lisboa, de São João, no Porto, e de Vila Franca de Xira, e no Centro de Medicina e Reabilitação de Alcoitão lê histórias para adormecer a crianças que estão nessas hospitais e instituições.

“A maior parte das pessoas desvaloriza o sono. É uma perda de tempo, pensam”, alertou Teresa Rebelo Pinto, psicóloga, especialista em sono. “Focamo-nos muito na alimentação e no desporto e secundarizamos a importância do sono”, acrescentou Rita Ferro Alvim, blogger.

“Quando nascemos não temos o ritmo do sono interiorizado. O sono aprende-se e reaprende-se. E temos que ajudar as crianças a aprender”, referiu a psicóloga, Teresa Rebelo Pinto. Porquê? “Quando dormimos pouco, o sistema imunitário fica mais fraco, temos mais dificuldades cognitivas e relacionais”, descreveu.

No caso das crianças, que ficam “mais excitadas e agitadas”, socorre-se de estudos que associam a “redução/privação do sono e o insucesso escolar”, registando-se ainda “níveis mais elevados de agressividade”, perturbações e riscos de “obesidade (quatro vez mais provável)” ou “ansiedade e diabetes” alertou. “As doenças do sono, não só insónias, têm que ser tratadas por um especialista; não é o vizinho, nem é o tempo que ajuda a passar”, rematou Teresa Rebelo Pinto.

Para Clementina Pires de Almeida, psicóloga clínica, especialista em bebés, ao contar histórias para adormecer “estamos a contribuir para o desenvolvimento cerebral” sendo que essa leitura de cabeceira terá “uma repercussão a nível de velocidade de processamento e domínio a linguagem” das crianças, sublinhou.

Ao nível do sono, as histórias, incluídas na rotina para adormecer, são “momentos de conexão e em que podemos ajudá-los a acalmar”. Em contexto hospitalar, essa rotina, tem um impacto mensurável. “Pode ser usada como uma ferramenta terapêutica não invasiva com resultados fantásticos na recuperação da criança”, sustentou, como seja o “alívio da dor, da ansiedade e a diminuição do stress”, exemplificou.

Nuvem Vitória quer adormecer 50 mil crianças

Fernanda Freitas, ex-jornalista da RTP e presidente da Associação Nuvem Vitória, sempre gostou de “dormir” e “contar histórias” relatadas “ao nível de voluntariado no hospital”, assumiu.

“Criar uma resposta a um problema que não tinha resposta”, esteve na base da criação deste voluntariado em hospitais. “Contar histórias à partida onde as crianças gostam de as ouvir e onde os voluntários têm (mais) tempo, não interferindo com o horário de trabalho”, acrescentou. O projeto-piloto, esse, nasceu em Santa Maria, apoiado num “estudo de ambiente de pediatria”.

Hoje, a Nuvem Vitória contabiliza “8 mil histórias e 6 mil horas de voluntariado”. E aponta a um compromisso futuro de até 2020 “abrir em 10 unidades e IPSS”, ter “900 voluntários” e chegar à leitura para “50 mil crianças hospitalizadas ou institucionalizadas”, assumiu Fernanda Freitas, presidente da associação cuja missão é a de contar histórias para adormecer a crianças hospitalizadas.

http://nuvemvitoria.pt/

 

Neste hospital os miúdos guiam minicarros até à sala de operação

Novembro 7, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Sophie Mars, de 9 anos, foi a primeira criança a conduzir um dos seis minicarros eléctricos a caminho do bloco operatório Tom Maddick SWNS.com

Notícia do Observador de 22 de outubro de 2018.

Alfredo Lavrador

As operações estão longe de figurar entre os pontos altos da vida das crianças (e dos pais). Para dourar a pílula, este hospital convida os miúdos a conduzir minicarros até à sala das operações.

Está localizado em Leicester, no Reino Unido, o hospital em que uma criança pode encarar uma operação como algo não tão traumático e, quem sabe, até com um pequeno twist positivo. Tudo porque a administração tem uma frota de minicarros eléctricos que os petizes podem conduzir através dos corredores até à sala de operações.

Os responsáveis pelo Childrens Hospital, no Leicester Royal Infirmary, no coração do Reino Unido, tiveram uma ideia tão simples quanto brilhante. Para atenuar o stress pré-operatório, os empregados cotizaram-se para reunir a verba necessária para adquirir um minicarro eléctrico, que os pacientes de mais tenra idade poderiam conduzir pelos corredores e deslocar-se, ao volante, até à sala de operações. Os resultados foram tão satisfatórios quanto o sorriso na cara das crianças, à medida que se aproximavam do local em que se iria realizar a intervenção cirúrgica. E tudo correu lindamente, até o carro avariar e deixar de alegrar a pequenada, suavizando uma situação que se é problemática para adultos, é-o mais ainda para os mais pequenos.

Salvou a situação uma família local, proprietária da Sturgess Motor Group, especializada na venda de automóveis novos e usados, que entregou uma frota de seis minicarros ao hospital de crianças, “como forma de agradecimento ao estabelecimento de saúde”, pois também os seus petizes já tinham ali sido pacientes, “pelo que reconheciam a importância de criar condições menos perturbadoras para as crianças”, estivessem elas a braços com uma situação oncológica ou um mero osso partido..

E, provavelmente para promover corridas para ver quem é o primeiro a chegar ao bloco operatório,  a frota é composta por versões reduzidas de veículos muito populares, com ênfase nos SUV, do Land Rover Defender ao Volvo XC90, passando pelo Range Rover. Presente está igualmente o icónico Fiat 500 e os desportivos Alfa Romeo 4C e o Jaguar F-Type.

Para Julie Clerc, patrona dos University Hospitals de Leicester, “a viagem até ao bloco operatório pode ser traumática, mesmo para adultos, o que nos levou a pensar numa forma de tornar essa deslocação mais agradável para os mais novos”. O que, ao que tudo indica, foi conseguido.

 

O Instituto de Apoio à Criança e a Humanização dos Serviços de Pediatria – Press Release

Agosto 11, 2017 às 4:44 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Press Release

O Instituto de Apoio à Criança e a Humanização dos Serviços de Pediatria

 

Instituto de Apoio à Criança congratula-se com o despacho n.º 6668/2017, do Ministério da Saúde, publicado em Diário da República, o qual estabelece as disposições e procedimentos sobre a efetivação do direito de acompanhamento de criança ou jovem, com idade inferior a 18 anos, em situação de intervenção cirúrgica, no momento da indução da anestesia e durante o recobro cirúrgico. Este despacho é igualmente aplicável a pessoas maiores de idade com deficiência ou em situação de dependência.

O despacho assinado pelo Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, refere que “A ansiedade da criança ou jovem e da família tendem a diminuir quando existe suporte emocional no pré-operatório, sendo este importante quer por razões humanitárias e de desenvolvimento, quer porque aumenta a cooperação com a equipa de saúde, quer ainda porque reduz a angústia ao acordar e assim os problemas de comportamento no pós-operatório.”

Nesta linha, ao longo de mais de trinta anos, o IAC defende e promove os Direitos da Criança, designadamente o direito à assistência médica e aos cuidados de saúde necessários e adequados às crianças.

Em 1998, o Instituto de Apoio à Criança através do Setor da Humanização dos Serviços de Atendimento à Criança  publicou e divulgou a nível nacional a Carta da Criança Hospitalizada, que reafirma os direitos da criança hospitalizada e expressa os princípios universalmente aceites, tais como:

 

o internamento como último recurso;

– o acompanhamento pelos pais ou seus substitutos dia e noite;

– o dever de informar as crianças e os pais ou seus substitutos sobre qualquer tratamento, a fim de os incentivar à participação, decisão e colaboração dos cuidados;

– a equipa de saúde deve responder às necessidades psicológicas e emocionais das crianças e das famílias;

– entre outros.

A hospitalização é uma situação em que a criança é sujeita a um internamento hospitalar para procedimentos de diagnóstico ou terapêuticos. Para a criança, a hospitalização significa a separação da família, a rotura com as suas atividades diárias, doença e tratamentos, ou seja, sofrimento e dor. Estes fatores manifestam-se de diferentes formas e podem ser geradores de ansiedade, pelo que se considera como prioritário a Humanização dos Serviços de Atendimento à Criança – O Direito aos melhores cuidados é um Direito fundamental para o desenvolvimento integral e harmonioso da Criança.

 

      A Direção do Instituto de Apoio à Criança

                                                                                                                                      Lisboa, 11.08.2017

Pais vão poder acompanhar filhos durante anestesia no bloco operatório

Agosto 9, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 2 de agosto de 2017.

A indução da anestesia pode ser uma das experiências mais marcantes da vida da criança ou jovem Nelson Garrido

Hospitais têm que criar condições, até ao final do ano, para que o direito ao acompanhamento seja possível. O objectivo é diminuir a ansiedade das crianças no momento da anestesia e na fase do recobro.

Alexandra Campos

As crianças e jovens com idade inferior a 18 anos que forem sujeitas a cirurgias vão passar a poder ser acompanhadas no bloco operatório no início da anestesia por um dos pais ou alguém que os substitua e será também permitida a presença de um acompanhante mais tarde, no momento do recobro. “A ansiedade da criança ou jovem e da família tendem a diminuir quando existe suporte emocional”, justifica o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, num despacho que vem instituir este direito e que é publicado esta quarta-feira em Diário da República.

Os hospitais onde são efectuadas cirurgias em idades pediátricas têm agora cinco meses – até ao final do ano – para avançarem com as medidas de adaptação necessárias para que este despacho seja cumprido. Mas será sempre necessária a autorização prévia dos médicos responsáveis pela cirurgia e anestesia, especifica o diploma a que o PÚBLICO teve acesso.

O direito genérico dos doentes ao acompanhamento está previsto na legislação que define os direitos e deveres dos utentes dos serviços de saúde desde há anos. Mas a lei acentua expressamente que é “vedado ao acompanhante assistir a intervenção cirúrgica”, excepto se para tal for dada “autorização do clínico responsável”.

Agora, pretende-se abrir esta possibilidade em momentos específicos das intervenções cirúrgicas nas crianças e jovens, mas não só – prevê-se que passem igualmente a beneficiar do direito de acompanhamento durante a anestesia e no momento do recobro os adultos com deficiência ou em situação de dependência, “com as necessárias adaptações”, prevê o diploma.

Para materializar este direito, estabelece-se que, quando uma equipa decide que um menor vai ser operado, “o cirurgião e o anestesista responsáveis devem providenciar para que se reúnam as condições adequadas”.

Experiência marcante

Mas estão previstas algumas restrições. “Factores como patologia grave da criança ou do jovem ou outros que desaconselhem a presença no bloco operatório” devem ser esclarecidos e convenientemente transmitidos antes da cirurgia, sublinha-se.

Recordando que são prioridades do Governo a promoção da “humanização dos serviços” e o reforço do “poder do cidadão” no Serviço Nacional de Saúde, o secretário de Estado cita estudos efectuados no Reino Unido e nos Estados Unidos da América que demonstram que, além de diminuir a ansiedade da criança, a presença dos pais antes da operação “aumenta a cooperação”, o que acaba por beneficiar a “própria equipa de saúde”.

“A indução da anestesia pode ser uma das experiências mais marcantes da vida da criança ou jovem, existindo estudos que evidenciam a associação significativa entre induções anestésicas difíceis e alterações do comportamento no pós-operatório”, lê-se no despacho, que sublinha que, sendo muitas vezes as cirurgias nestas idades encaradas como uma “vivência ameaçadora”, os esforços para minimizar este tipo de efeitos têm um “efeito positivo” mesmo “em termos da capacidade para lidar com a adversidade no futuro”.

Preparar os pais e os hospitais

Caberá aos hospitais assegurarem a formação prévia do acompanhante, em consultas antes da cirurgia, que podem incluir visitas e vídeos informativos.

As unidades de saúde terão também que disponibilizar locais próprios onde os progenitores possam trocar de roupa e deixar os seus pertences e definir circuitos em que estes possam movimentar-se “sem colocar em causa a privacidade de outras crianças e jovens nem o funcionamento normal do serviço”.

Os acompanhantes serão ainda devidamente industriados sobre as fases da anestesia e do recobro e sobre o momento em que devem sair do bloco operatório. Caso surjam complicações inesperadas, devem abandonar de imediato o local.

Médicos a favor

Resta saber como vão reagir os cirurgiões e os anestesistas. No diploma, explica-se que foram pedidos pareceres à Comissão Nacional da Saúde Materna, da Criança e do Adolescente e à Direcção-Geral da Saúde e que foram também ouvidas as ordens dos médicos e dos enfermeiros, que se pronunciaram a favor.

Em 2016, também através de despacho, esclareceu-se que os pais ou qualquer “pessoa significativa” podiam assistir aos partos das crianças que nascessem por cesarianas nos hospitais públicos. Este direito de acompanhamento já estava previsto na lei mas não era até então possível na maior parte dos hospitais, porque os profissionais de saúde recusavam frequentemente a presença de acompanhante no bloco, argumentando que aumenta o risco de infecção.

Este ano, porém, o colégio da especialidade de anestesiologia da Ordem dos Médicos contestou a possibilidade de acompanhamento durante as cesarianas, num parecer muito crítico. “Compreende-se e valoriza-se a importância da presença parental”, mas esta não se considera “apropriada” em “ambiente de sala operatória”.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, explicou, entretanto, ao PÚBLICO que são situações diferentes. A Ordem dos Médicos é completamente a favor da presença dos pais no momento da indução da anestesia e no recobro, afirma Miguel Guimarães, lembrando que esta prática já se tornou habitual em vários hospitais. É o caso, por exemplo, do Hospital Pediátrico de Coimbra, onde isto já se faz há cerca de 20 anos.

o despacho citado na notícia é o seguinte:

Despacho n.º 6668/2017

 

 

Sessões sobre os Direitos da Criança 2017

Julho 26, 2017 às 2:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

No âmbito do Plano Anual da Comissão Social da Freguesia de Santo António dos Olivais de Coimbra, foram dinamizadas duas sessões relativas aos Direitos da Criança, tendo sido explorado o conto infantil Tanto, Tanto. O Jardim de Infância dos Olivais acolheu a primeira sessão, no dia 5 de junho, dirigida a 3 grupos, num total de 50 de crianças. No Jardim de Infância de Montes Claros, no dia 8 de junho, decorreu a segunda sessão de 124 crianças, divididas em 3 grupos.

Ainda, no dia 8 de junho, visitámos o Sorriso – Associação dos Amigos do Ninho dos Pequenitos, em Coimbra e contámos, a história do Zebedeu, Um Príncipe no Hospital a um pequeno grupo de crianças da creche e pré-escolar. A Brincar, a Brincar se aprendeu a perder o medo de ir ao médico!

XVI Hospital da Bonecada no Colombo de 24 a 30 de Abril

Abril 21, 2017 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

“Não percam o XVI Hospital da Bonecada no Colombo de 24 a 30 de Abril. Um projecto da Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas do qual o IAC é, orgulhosamente, parceiro.”

https://www.facebook.com/hospitaldabonecada

 

Carta da Criança Hospitalizada e Zebedeu – Um Príncipe no Hospital em destaque no site da DGS

Fevereiro 17, 2017 às 12:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social, Publicações IAC-CEDI | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

carta

Texto do site da https://www.dgs.pt/

A Carta da Criança Hospitalizada foi preparada por várias associações europeias em 1988, e o Sector da Humanização dos Serviços de Atendimento à Criança do Instituto de Apoio à Criança (IAC) publica, desde 1996, a sua versão em português.

A Carta da Criança Hospitalizada, nos seus dez princípios, define de forma clara um conjunto de direitos da Criança que, uma vez garantidos, asseguram a excelência do acolhimento e estadia da criança no hospital.

Em 2012, procurando cumprir um dos direitos consignados na própria Carta da Criança Hospitalizada – direito a receber uma informação adaptada à sua idade e compreensão -o IAC lançou o livro “Zebedeu – Um Príncipe no Hospital”, que aborda os direitos da criança no hospital, numa linguagem adaptada à compreensão do público infantil.

Para aceder a estes conteúdos, visite o website do IAC.

zebedeu

Projeto solidário “Fashion Kids” dá lugar a exposição

Outubro 23, 2015 às 9:08 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

convite

https://www.facebook.com/events/1034794779877817/

Hospital infantil cria sala pirata para tornar exames menos assustadores e até divertidos

Agosto 28, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do site http://www.pipop.info de 11 de agosto de 2015.

foto

Fonte: New York Daily News

O Hospital Infantil Morgan Stanley, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, decorou o seu aparelho de tomografia com ondas do mar, animais divertidos, bandeiras, piratas e muitas aventuras, para tornar as tomografias menos assustadoras e ajudar as crianças a descontraírem num ambiente divertido.

O espaço foi decorado com papel de parede infantil com amigáveis bichinhos estampados na parede. O aparelho faz lembrar um navio pirata, pois a maca parece a proa de um navio, o buraco da máquina de tomografia é o leme e o piso imita a água.

A intenção era deixar os mais pequeninos mais à vontade, para que pudessem associar a experiência a algo positivo.

A ideia surgiu de uma enfermeira, depois de ter tido um pequeno paciente que reclamou porque queria terminar o exame para poder ir brincar.

mais fotografias e informações no link:

http://www.nydailynews.com/new-york/pirate-themed-ct-scanner-helps-new-york-city-kids-find-calm-waters-tests-article-1.1435876

 

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.