Filminhos Infantis à solta no Museu Nacional dos Coches | 1 JULHO

Junho 27, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

mais informações no link:

http://museudoscoches.gov.pt/pt/museu/noticias/noticias-detalhe/?c=ferias-de-verao-no-museu-nacional-dos-coches

 

MONSTRINHA 2018 – cinema de animação para publico infantil e juvenil e programas para escolas – 8-18 março

Fevereiro 12, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Em 2018 queremos continuar este trabalho de disseminação do cinema de animação junto do publico infantil e juvenil, criando ou aumentado o hábito de ver cinema de animação alternativo aos das televisões e cinemas comerciais.

Para além de sessões de cinema a MONSTRINHA vai levar às escolas ações de formação para crianças, jovens e professores de forma a que todos possam, também, aprender as bases da arte de bem animar.

A MONSTRINHA regressa mais uma vez com o melhor da animação mundial em programas para todos os níveis de ensino:
3 aos 6 anos | 7 aos 12 anos | mais de 13

LOCAIS E PARCEIROS DESTA EDIÇÃO:
Cinema São Jorge | Teatro Meridional | Museu Nacional de Etnologia | Centro Cultural de Carnide |Junta de Freguesia laranjeiro e Feijó | Academia Almadense | Escolas de Lisboa, Almada e Barreiro

Sr.(a) Professor(a) INSCREVA JÁ A SUA TURMA, A SUA ESCOLA antes que esgote!

ESPERAMOS POR SI e pelos seus alunos…na MONSTRINHA, entre 8 e 18 de MARÇO de 2018.

mais informações:

http://www.monstrafestival.com/apresentacao/

Prepare as pipocas: 15 filmes para ver com os miúdos

Outubro 27, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto do http://observador.pt/ de 11 de outubro de 2017.

Ana Cristina Marques

Com a ajuda do livro “101 Filmes para Veres Antes de Cresceres”, reunimos 15 histórias inesquecíveis para as crianças verem na companhia da família. Há sagas estrelares e clássicos intemporais.

O universo do cinema está cheio de magia, sobretudo entrarmos nele logo de pequeninos. Há filmes que nos fazem sonhar e pensar, que nos trazem lições de vida e ainda carismáticos amigos imaginários. O livro “101 Filmes para Veres Antes de Cresceres” (editora Booksmile) é um guia para miúdos e graúdos, mas também um compêndio dos filmes mais populares para os olhos e ouvidos dos mais pequenos e suas famílias. O livro apresenta mais de uma centena de longas-metragens, para diferentes idades, e faz um resumo dos enredos (com spoilers à mistura), introduzindo ainda algumas curiosidades.

Aproveitando a novidade — a obra acaba de chegar ao mercado na companhia do livro “101 Livros para Leres Antes de Cresceres” –, selecionámos 15 filmes para diferentes faixas etárias. Há desde o tradicional desenho animado ao clássico que, apesar da velhice, continua atual. Porque há histórias que devem ser vistas na companhia da família e contadas com um balde de pipocas entre as mãos.

1. Para maiores de 4 anos

Uma Vida de Inseto (“A Bug’s Life”; 1998)

Neste filme de animação digital é possível ver através dos olhos de um inseto como é, na verdade, a vida debaixo da terra. A história centra-se na irreverência de uma formiga que pensa de forma diferente do resto da colónia — que não só tem de juntar comida a tempo do inverno rigoroso que se aproxima, como prestar contas a um bando de gafanhotos que a escraviza. Cabe à personagem principal, a formiga Flick, salvar o dia com a ajuda de um grupo de soldados que, afinal, não passam de artistas circenses… Uma curiosidade sobre o filme de 1998 é o facto de a equipa de filmagens ter colado rodas de Lego numa câmara de pequenas dimensões, que foi depois montada num jardim. A ideia, pois claro, foi perceber a vida real dos verdadeiros bichinhos.

Up Altamente (“Up”; 2009)

Nunca é tarde para voltar a gostar e ser gostado, mesmo que a união em causa seja uma bastante peculiar: a trama junta dois protagonistas muito diferentes, um senhor rezingão de 78 anos e um menino curioso e aventureiro de apenas 8. Os dois ficam inevitavelmente amigos quando uma aventura sem precedentes os junta. A história envolve viagens de sonho, animais esquisitos e casas voadoras, que navegam ao comando de um sem-fim de balões coloridos.

Mary Poppins (“Mary Poppins”; 1964)

O clássico perdura no tempo, tanto que já foram realizadas versões mais recentes da história que, ano após ano, continua a encantar a pequenada. O musical é baseado na série de livros de fantasia escrita a partir de 1934 por P. L. Travers — a autora demorou 20 anos a deixar-se convencer pelo próprio Walt Disney a autorizar a adaptação cinematográfica. A ação desenrola-se em Londres, quando uma ama flutua do céu ao encontro da família para a qual vai trabalhar. A partir desse momento, Mary Poppins começa a espalhar magia e a ganhar a admiração e carinho das crianças da família Banks. O filme, que ganhou cinco óscares da Academia, foi pioneiro ao juntar desenhos animados e atores reais, sobretudo numa altura em que a animação por computador era impensável.

A Pequena Sereia (“The Little Mermaid”; 1989)

Tem dois óscares no currículo e combina uma história clássica, assinada pelo dinamarquês Hans Christian Anderson, com músicas animadas e bem conseguidas. A história da pequena sereia de cabelos ruivos que quer ser humana ainda hoje agarra crianças e adultos ao ecrã, e promete tanto de fantasia como de questões existenciais: depois de salvar e de se apaixonar por um príncipe humano, Ariel tem apenas três dias para ser correspondida, caso contrário perderá a sua voz, que trocou por um par de pernas, para sempre.

O Feiticeiro de Oz (“The Wizard of Oz”; 1939)

“É provavelmente o filme mais popular de sempre”, lê-se no livro “101 Filmes para Veres antes de Cresceres”. O Feiticeiro de Oz baseia-se no livro “O Maravilhoso Feiticeiro de Oz”, de L. Frank Baum, e chegou pela primeira vez às salas de cinema no remoto ano de 1939, dias antes de a Segunda Guerra Mundial rebentar. As lições morais do filme ainda hoje são relevantes, com os protagonistas a personificarem diferentes ensinamentos. A trama anda à volta da viagem de Dorothy e do cão Toto que, através de um tornado, são transportados para a Terra de Oz. Para regressar a casa vão precisar da ajuda de amigos improváveis e da magia do enigmático feiticeiro.

2. Maiores de 6 anos

E.T O Extra-terrestre (“E.T The Extra-Terrestrial”; 1982)

“E.T phone home” é talvez a frase, em inglês, que vem automaticamente à memória assim que se fala deste filme. Assinado pelo realizador Steven Spielberg, o filme faz um retrato da inocência da infância e de uma amizade improvável, entre um rapaz de 10 anos e um extraterrestre que só quer voltar a casa. Elliot e os irmãos vão fazer de tudo para ajudar a criatura peculiar a fugir das garras de agentes governamentais. E quem é capaz de esquecer aquela viagem de bicicleta com passagem incluída por uma lua luminosa?

À Procura de Nemo (“Finding Nemo”; 2003)

O filme conta a entusiasmante (e, por vezes, angustiante) viagem de um pai à procura do filho, um peixinho com uma barbatana invulgarmente pequena que é raptado por um mergulhador no primeiro dia de aulas (aquáticas). Marlin, o pai, embarca numa inusitada aventura por todo o oceano e, pelo caminho, faz amigos cujo carisma e falta de memória já deram origem a uma sequela: “À Procura de Dory”.

Os Goonies (“The Goonies”;1985)

Amigos, aventura, piratas e criminosos. O filme de Steven Spielberg tem de tudo um pouco para cativar os mais pequenos. Há lições morais, cenas icónicas e — spoiler alert! — um final feliz invejável. O grupo de amigos, autodenominado “Goonies”, descobre um velho mapa de tesouro que em tempos pertenceu ao pirata One-Eyed Willy (Willy Zarolho). Na tentativa de salvarem as casas de família, cujos terrenos estão prestes a ser ocupados por um clube de campo, embarcam numa aventura sem igual que arranca numa caverna debaixo de um restaurante — o mesmo que é usado por uma família de bandidos fugidos da polícia…

Aladdin (“Aladdin”; 1993)

O conselheiro do sultão é o vilão da história e o papel de herói, esse, cabe a um ladrão e ao seu macaco de estimação. Aladino e o génio tresloucado, que sai cá para fora a cada esfregadela da lâmpada mágica, protagonizam a tradicional luta do bem contra o mal (sim, faz lembrar a canção de arranque do Dragon Ball). O filme que ganhou dois óscares na década de 1990, e que conta ainda com uma bela história de amor, tem na voz do génio o inconfundível Robin Williams.

O Rei Leão (“The Lion King”; 1994)

Pumba, um dos amigos carismáticos de Simba, foi a primeira personagem da Disney a dar um pum no cinema — e isto aconteceu ao fim de 57 anos e de 54 filmes. Confessada a curiosidade, contemos também que o filme retrata uma história original, isto é, sem qualquer base em contos de fada, como acontece em “A Pequena Sereia”. Simba, uma cria de leão herdeira ao trono das Terras do Reino, foge de tudo e de todos pensando ser o responsável pela morte acidental do pai. Enquanto isso, o seu maléfico tio, Scar, apodera-se injustamente do reino. É na companhia dos incontornáveis Timon e Pumba (e também de Nala) que Simba regressa, já crescido, a casa e à família para reclamar o que é seu.

3. Maiores de 12 anos

Do Céu caiu uma Estrela (“It’s a Wonderful Life”; 1947)

Sim, é a preto e branco. Sim, é antigo. E sim, vale a pena. A longa-metragem conta a história do muito altruísta e samaritano George Bailey que, percebendo que vale mais morto do que vivo devido à situação financeira que a família enfrenta, prefere morrer a viver mais um dia em angústia. Mas antes de conseguir atirar-se da ponte, um anjo desce dos céus e fá-lo ver como seria a vida da cidade e das pessoas na sua ausência. A mensagem é clara: Bailey tinha uma vida maravilhosa e não sabia.

Eduardo Mãos de Tesoura (“Edward Scissorhands”; 1991)

Aqui está a primeira colaboração de sempre entre Johnny Depp e Tim Burton — desde então já fizeram oito filmes juntos, ao longo de um período de 25 anos. O jovem Edward, de cabelo tresloucado e tesouras afiadas em vez de mãos, é a personagem principal, uma espécie de monstro Frankenstein gótico que cresce sozinho num castelo, isolado do mundo, depois do ‘pai’ morrer deixando-o inacabado (daí as tesouras). Mais tarde é resgatado por uma senhora que o deixa ficar em sua casa, tornando-se popular pelo aspeto peculiar e pelo dom de cortar cabelo e sebes. A história, que envolve ainda um triângulo amoroso, é uma crítica social e vale a pena ver ou — como deve ser o caso — rever.

Forest Gump (“Forest Gump”; 1994)

“Run, Forest, run!” Forest Gump tanto correu que ainda hoje o filme de 1994 agarra qualquer um ao pequeno ecrã. A personagem principal (desempenhada por Tom Hanks, que lhe valeu um Óscar) é o narrador participante num enredo que junta vários ensinamentos para a vida, não fosse este homem inocente mas honesto, do Alabama, alcançar feitos tidos como inacreditáveis.

Guerra das Estrelas (“Star Wars”;1977)

Luke Skywalker, Han Solo e princesa Leia são personagens que há muito dispensam apresentações. Um dos trios mais populares do cinema continua em voga, sobretudo com a chegada iminente de um novo episódio, “Star Wars: Os Últimos Jedi” (já há trailer!). O primeiro episódio — que na verdade é o IV — da saga intergalática data de 1977 e, entretanto, já muito se acrescentou à história original. Mas para começar, nada como recuar à primeira vez em que Luke, Han Solo e Leia se cruzaram.

Momento da Verdade (“The Karate Kid”;1984)

Sr. Miyagi, o curioso porteiro que apanha moscas com pauzinhos, transforma-se no sensei do jovem Daniel LaRusso, que precisa de aprender karaté de modo a defender-se de um grupo de rufias. O processo é lento, frustrante por vezes, mas essencial. À medida que as lições prosseguem, o duo fica cada vez mais unido e Daniel chega a participar num importante torneio. O filme foi realizado pelo mesmo homem que trouxe Rocky Balboa à vida, em 1976 (John G. Avildsen).

https://www.youtube.com/watch?v=n7JhKCQnEqQ

 

 

 

 

Crianças que veem filmes com armas são mais propensas a usá-las

Outubro 1, 2017 às 5:26 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do https://oglobo.globo.com/ de 26 de setembro de 2017.

Crianças que assistiram a filmes não indicados para menores de 13 anos contendo armas de fogo birncaram com pistola desativada por mais tempo e puxaram mais vezes o gatilho que aquelas que viram versões editadas dos mesmos filmes sem as armas, de acordo com resultado de pesquisa publicado em artigo da revista científica americana JAMA Pediatrics.

De acordo com os responsáveis pelo experimento, muitas famílias americanas que possuem armas de fogo em casa não as guardam em segurança, e crianças nos Estados Unidos são mais propensas a morrer por um disparo acidental do que aquelas em outros países desenvolvidos. Muitos fatores influenciam o interesse dos pequenos em armas.

O foco da pesquisa realizada por Brad J. Bushman, da Universidade do Estado de Ohio, e de Kelly P. Dillon, da Universidade de Wittenberg, também no estado de Ohio, eram personagens de filmes que utilizavam armas de fogo. O estudo incluiu 104 crianças – 52 pares de irmãos, primos, ou amigos -, entre 8 e 12 anos de idade. Cada dupla foi selecionada aleatoriamente para assisitir a uma edição de 20 minutos dos filmes “The Rockteer” e “A lenda do tesouro perdido” com ou sem armas de fogo. As cenas dos flmes que mostravam armas foram retiradas de uma das versões, mas a ação e a narrativa não foram alteradas.

Depois de assistirem aos filmes, as crianças foram levadas para outra sala, onde podiam escolher qualquer jogo ou brinquedo disponível em um armário para brincar por 20 minutos, com a porta fechada. Uma das gavetas do móvel continha uma pistola calibre 0.38 real, desativada para que não disparasse, mas com martelo e gatilho funcionando.

Das 52 duplas de crianças, 43 (82,7%) acharam a pistola na gaveta; 14 pares (26,9%) informaram ou entregaram a arma a um dos assistentes da pesquisa; e em 22 casos (42,3%) pelo menos uma das crianças manuseou a arma. A versão do filme – contendo ou não armas de fogo – não influenciou o encontro ou manuseio da pistola, segundo os resultados da pesquisa.

No entanto, a média de acionamentos do gatilho entre as crianças que viram o filme que continha armas foi de 2,8, enquanto entre aquelas que viram a versão sem armamento ficou em 0,01. Além disso, o tempo médio gasto segurando a pistola foi de 53,1 segundos entre aqueles expostos às imagens com armas, frente a 11,1 segundos entre as demais. As análises da pesquisa sugerem que crianças que assistiram ao filme com armas também brincaram de forma mais agressiva e, por vezes, apontaram para pessoas antes de apertar o gatilho.

O estudo admite limitações: havia apenas um revólver disponível para todas as crianças e a câmera escondida fixa conseguia gravar toda a sala, mas não a ação de todos os participantes.

“A presente pesquisa busca entender a conexão entre a exposição à violência com armas na mídia e o interesse em brincar com pistolas no mundo real. Nós acreditamos que esses dados são um ponto de partida interessante para debates sobre vários fatores que podem aumentar o interesse de crianças em armas e violência”, conclui o artigo.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Effects of Exposure to Gun Violence in Movies on Children’s Interest in Real Guns

 

 

15 filmes para se apaixonar pela matemática

Julho 24, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Recursos educativos, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Texto do site http://www.eligeeducar.cl/ de 4 abril de 2017.

15 películas para enamorarse por completo de las matemáticas

Personajes, profesores, genios que cambiaron la historia a través de los números. De eso tratan estas películas que no sólo cautivarán a los profesores de matemáticas, sino también a todos aquellos que aún intentan descubrir la belleza detrás de esta ciencia que muchos enseñan.

Escrito por: Camila Londoño

Grandes películas han contado las historias de grandes matemáticos, algunos conocidos como Alan Turing y John Nash, otros no tanto (aunque deberían serlo) como Katherine Johnson. Todos ellos en pequeña y gran escala cambiaron el curso de la historia a través de los números y son una gran inspiración no sólo para quienes aman las matemática, sino también para aquellos, como los jóvenes, que aún están buscando la forma de encantarse con los números. Estas películas no sólo fascinarán a profesoras y fanáticos de las matemáticas, también pueden convertirse en una herramienta perfecta para encantar a un grupo de estudiantes con esta ciencia formal, pues evidencian la importancia de la disciplina en la vida cotidiana de las personas y le dan relevancia a los números como una herramienta fundamental para transformar el mundo. Los personajes de estas historias lo hicieron, cambiaron el mundo a través de su habilidad matemática y esto le da fuerza y valor a la enseñanza de esta asignatura fundamental para el desarrollo de los estudiantes.

  1. El hombre que conocía el infinito

Srinivasa Ramanujan es un matemático indio que logra entrar a la Universidad de Cambridge gracias a sus importantes contribuciones previas. Algunas dificultades surgen y le impiden a este genio continuar su labor.

  1. The Imitation Game (Descifrando Enigma)

Historia basada en la vida del genio matemático Alan Turing y sus trabajos en la Segunda Guerra Mundial. Él y su equipo lograron descifrar la máquina Enigma, utilizada por el ejército nazi para enviar mensajes cifrados entre los diferentes frentes.

  1. Lecciones inolvidables

Sobre la historia de Jaime Escalante, un profesor de matemáticas de un instituto para jóvenes desamparados en Los Ángeles, a quienes enseña a amar las matemáticas y a ver la vida de otro modo.

  1. El pequeño Tate

Fred Tate es un niño de siete año virtuoso de las matemáticas que se siente incomprendido por el mundo que le rodea. Un día su madre decide internarlo en un centro para jóvenes superdotados.

  1. Pi, el orden del caos

Un thriller psicológico con dosis de intriga, ciencia ficción y drama que cuenta la historia de un matemático que está trabajando en el sistema numérico que gestiona y rige el mercado bursátil. Un clásico imperdible.

  1. La soledad de los números primos

Una adaptación de la maravillosa obra literaria de Paolo Giordano “La soledad de los números primos”. Las matemáticas son el eje de esta historia que se basa en la vida de dos personajes que se asemejan a dos números primos gemelos: aquellos próximos entre sí separados por un número par.

  1. Una mente brillante

Ganadora de numerosos premios, relata la vida del Premio Nobel, economista y matemático John Forbes Nash. Un clásico imperdible de las “películas matemáticas”.

  1. La pizarra

Un grupo de profesores viaja a través del Kurdistán iraní en busca de alumnos a los que puedan enseñar a leer y escribir. Las matemáticas también aparecen en esta película que denuncia la opinión de que para algunas personas la educación no constituye un valor.

  1. El indomable Will Hunting

Will Hunting es un joven de los suburbios de Boston con una capacidad y un talento innato para las matemáticas. Will es rebelde y enfrenta muchos problemas emocionales que un profesor y terapeuta llamado Sean McGuire (Robin Williams) le ayudará a enfrentar, resaltando siempre su gran talento para los números.

  1. La prueba

Una película en la que las matemáticas y las relaciones personales de sus protagonistas se entremezclan. Sobre una estudiante de Matemáticas atrapada entre un futuro –algo incierto- y un pasado ligado a la figura de su padre un eminente matemático que antes de fallecer descubrió un importante cálculo con número primos.

  1. La fórmula preferida del profesor

Números primos, raíces factoriales, números amigos, Pi… todos presentes en la historia de una madre soltera que empieza a trabajar en la casa de un profesor de matemáticas que, a consecuencia de un accidente de tráfico, tiene limitada su memoria a 80 minutos. Pronto surgirá una bonita amistad entre este profesor y el hijo de su empleada.

  1. Black Jack

Trata las matemáticas a través de un grupo de estudiantes y su profesor en la Universidad MIT, un virtuoso de la estadística que ha desarrollado un sistema que le permite a él y ellos ganar en los casinos grandes sumas de dinero jugando al Black Jack.

  1. El número 23

Cuenta la historia de Walter Sparrow quien recibe como regalo de cumpleaños un libro que casualmente refleja parte de su vida y que acabará por convertirse en su obsesión, una obsesión que le llevará a descubrir el poder que se esconde tras el número 23.

  1. Moneyball

Sobre un método matemático basado en la estadística que cambia los criterios a la hora de fichar jugadores en equipos profesionales. Billy Beane, es el protagonista, un entrenador frustrado que pone en marcha el método Moneyball, ideado por un economista de Yale, en su modesto equipo de baseball. Basado en hechos reales.

  1. Figuras ocultas

La película, nominada a varios premios de la Academia, cuenta la historia de la matemática afroamericana Katherine Johnson y sus dos colegas, Dorothy Vaughan y Mary Jackson, quien, mientras trabaja en una división segregada de un centro de investigación, ayuda a la NASA en la Carrera Espacial. Utilizando sus cálculos, John Glenn se convirtió en el primer astronauta estadounidense en hacer una órbita completa de la Tierra. Basado en hechos reales.

A Criança no Cinema

Julho 24, 2017 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

O Ciclo de Cinema “A CRIANÇA NO CINEMA”, uma iniciativa do IAC, em Coimbra, foi programado pela Fila K Cineclube e contou com as parcerias da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Coimbra, da Plataforma de Apoio a Jovens Ex-Acolhidos.

Teve como objetivo contribuir para a reflexão sobre as diferentes formas de representação da Criança no Cinema.

As sessões decorreram no Auditório do Conservatório de Música de Coimbra. No dia 6 Junho, o filme “Ponette” foi apresentado por Inês Coutinho (CPCJ) e Maria do Céu (Psikontacto); no dia 13 Junho, o filme “O Espírito da Colmeia” teve apresentação de Natália Cardoso (APAV) e Paula Duarte (IAC); por fim, no dia 20 Junho, o filme “Ser e Ter” contou com a apresentação de Teresa Paixão (Colégio S. José) e João Pedro Gaspar (PAJE).

Filmes podem substituir anestesia geral em crianças com cancro

Maio 16, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do http://www.jn.pt/de 8 de maio de 2017.

Ver filmes pode ser uma boa alternativa à anestesia geral em crianças com cancro sujeitas a sessões de radioterapia, conclui um estudo coordenado por uma radioterapeuta portuguesa e hoje divulgado.

Segundo o estudo, as crianças podem ser poupadas a dezenas de doses de anestesia geral se assistirem a um filme de que gostam projetado no interior da máquina de radioterapia enquanto fazem o tratamento.

O trabalho, que partiu de uma pequena amostra, foi coordenado por Cátia Águas, radioterapeuta e dosimetrista (que prepara materiais e equipamentos para exames de radioterapia) das Clínicas Universitárias de São Lucas, em Bruxelas.

A especialista apresentou, domingo, o estudo numa conferência da Sociedade Europeia de Radioterapia e Oncologia, em Viena, Áustria.

De acordo com Cátia Águas, citada num comunicado pela Sociedade Europeia de Radioterapia e Oncologia, o uso de vídeos em vez da anestesia geral é menos traumático para as crianças e as suas famílias, e torna cada sessão de tratamento mais rápida e rentável.

A anestesia geral tem sido a solução utilizada pelos médicos para manter as crianças quietas durante as sessões de radioterapia, um tipo de terapêutica direcionada contra o tumor com grande precisão, nomeadamente em cancros da cabeça, dos ossos e de tecidos moles, e que requer, para ser bem-sucedida, ausência de movimentos.

Uma vez que os tratamentos, normalmente diários, podem prolongar-se por um mês ou mês e meio, isso significa, segundo Cátia Águas, que as crianças têm de se submeter a várias doses de anestesia geral semanais e estar sem comer seis horas antes de cada sessão de tratamento.

O estudo em causa abrangeu 12 crianças, entre 1 ano e meio e 6 anos, com metade delas a ser tratada antes do projetor de vídeo ser instalado, em 2014. A outra metade foi tratada depois de o projetor estar a funcionar.

Antes de os vídeos estarem disponíveis, a anestesia geral era necessária em 83% dos tratamentos. A percentagem caiu para os 33% quando as crianças passaram a poder ver um filme à sua escolha.

Além de evitar alguns dos riscos associados à anestesia geral, a experiência revelou que cada sessão de radioterapia passou a demorar 15 a 20 minutos, em vez de uma ou mais horas, em parte porque não só as crianças ficaram mais colaborativas, pois sabem que vão ver um filme que apreciam, mas também deixaram de ser necessários os preparativos que uma anestesia geral exige.

Desde que Cátia Águas começou a projetar filmes nas sessões de radioterapia, as crianças passaram a estar mais relaxadas e menos ansiosas.

A radioterapeuta pretende alargar o método a doentes adultos ou que sofram de claustrofobia e de ansiedade.

mais informações na notícia:

Watching movies can replace general anesthesia for kids with cancer having radiotherapy

 

 

10 filmes que abordam a inclusão de pessoas com deficiência

Novembro 27, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

texto do site https://catraquinha.catracalivre.com.br/ de 25 de julho de 2016.

por Redação

Do Centro de Referências

Para garantir a efetiva inclusão de crianças e adultos, é necessário que as deficiências sejam lidas em um contexto de diversidade, assumindo que todos temos perfis e necessidades específicas e aprendemos cada um a nossa maneira.

Para contribuir com essa reflexão, o Centro de Referências em Educação Integral selecionou filmes que têm como tema a inclusão de pessoas com diferentes tipos de deficiência. As obras podem ser um excelente disparador para debater, em sala de aula e também em família, a necessidade da construção de uma sociedade inclusiva.

Veja abaixo aqueles que tem classificação livre e pode ser visto pelas crianças.

Aqui você confere a lista completa

Cordas (2014)

O curta animado “Cordas” narra a amizade entre Maria, uma garotinha muito especial e Nicolás, seu novo colega de classe, que sofre de paralisia cerebral. A pequena, vendo algumas das impossibilidades do amigo, não desiste e faz de tudo para que ele se divirta e consiga brincar. Reconfigurando e recriando jogos e atividades, Maria celebra a vida do colega, aprende ao passo que ensina e emociona a todos – inclusive os espectadores -, com as possibilidades do sonho e de uma amizade verdadeira. Ao final, uma surpresa especial, que lembra a todos da importância do educar e da relação que se estabelece no ensino e aprendizagem.

Sempre amigos (1998)

O filme relata a parceria, a amizade e as dificuldades enfrentadas por dois garotos: Kevin, extremamente inteligente, sofre de uma doença degenerativa e, por conta disso, acaba ficando isolado do convívio social, e vivendo mais no mundo da imaginação; e Max, um gigante de 13 anos, que não tem o desenvolvimento esperado na escola e por conta disso é discriminado no ambiente pelos colegas. Quando os dois se encontram, uma bela amizade nasce e com ela uma relação de inteligência e força, como um contraponto às injustiças cometidas nas demais relações de convivência.

Uma lição de amor (2001)

O filme conta a história de Sam Dawson, um homem com deficiência mental que tem uma filha Lucy que, quando completa 7 anos, começa a ultrapassar intelectualmente seu pai. Uma assistente social ao ver a situação quer tirar a guarda internando Lucy em um orfanato. A situação se transforma em um briga jurídica em que se discute o papel do pai e se pessoas com limitações intelectuais como Sam podem ser responsáveis por crianças.

A pessoa é para o que nasce (2002)

Documentário relata a história de três irmãs cegas de Campina Grande, Maria das Neves, Regina Barbosa e Francisca da Conceição. A narrativa mostra a leitura de mundo das mulheres e a dedicação do trio à música.

Janela da Alma (2001)

No documentário, 19 pessoas dão seus relatos de como lidam com a deficiência visual. As histórias acabam abordando o olhar de uma forma mais sensível e menos ligada diretamente com o espectro exterior, sugerindo que a sociedade em geral, mesmo com a possibilidade de ver, deixou de enxergar o que é visível aos olhos.

Amy uma vida pelas crianças

Após a morte de seu filho, Amy deixa seu marido para se tornar professora em uma escola para crianças deficientes. Descobrindo uma nova razão para viver, ela se dedica a ensinar crianças surdas a falar, ao mesmo tempo em que elas o ensinam o verdadeiro sentido do amor.

 

 

Filminhos Infantis à Solta pelo Pais na Malaposta em Novembro

Novembro 10, 2016 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

mala

mais informações:

http://www.malaposta.pt/2016/11_novembro/cinema_filminhos_infantis_a_solta_pelo_pais.HTML

 

7 filmes infantis que abordam consciência e conservação ambiental

Dezembro 20, 2015 às 1:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do site http://vivagreen.com.br de 5 de agosto de 2015.

vivagreen

Acho que essa lista é essencial para crianças, mas diz muito sobre adultos. Diz muito sobre o mundo em que vivemos e nossa intensiva campanha em destruí-lo. Narra com histórias lúdicas o obvio: sem natureza, como sobreviver? E temos em doses divertidas e sensíveis a ilustração de quão contraditório e cego pode ser o ser humano, destruindo vida em busca de uma “vida melhor”.

Então antes de adentrar em qualquer assunto, como sempre, aconselho que você reserve uma tarde, faça algo gostoso para comer e sente com seu filho para ver algum destes títulos. Mais importante que apresentar lições e conteúdo de qualidade para crianças, dar o exemplo tem sido o melhor dos métodos.

Não basta apenas falar “Preservar o meio ambiente é importante, queridx, por favor, veja esse filme”, é necessário inserir o hábito da conservação e restauração do meio ambiente em nossa rotina. Como garantir um futuro melhor para nossos filhos? Mostrando na prática que a mudança é possível. Sim, podemos transformar nossas práticas em algo positivo.

Temos aqui lindas imagens, com animais, árvores, aventuras e a maior lição de todas: precisamos valorizar a vida, e não só a nossa.

E muito me espanta que num país que possuí a maior área da Floresta Amazônica, tribos intocadas e uma diversidade de fauna e flora de colocar continentes no chão, se produza tão pouco conteúdo infantil abordando tais temas. Alô indústria! Vamos falar de coisa boa, vamos falar de meio ambiente!

Então segue mais uma lista da nossa coluna semanal #conteúdodequalidade. Boa diversão

  1. O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida

Acho que vi esse filme no mínimo umas 100 vezes no último 1 ano. Helena é completamente doida por esse filme e houve épocas que ela via o filme ad infinitum e nós vivíamos cantando a música. Era Let It Growwwww 24 por dia – sim, é muito parecido com a do Frozen e chiclete com o mesmo potencial.

Mas para nós é o melhor filme infantil para discutir destruição, conservação e restauro do meio ambiente, e ainda tem pitadas geniais de como a indústria se beneficia e distorce nosso senso do que é correto. O filme é baseado no livro do Dr. Seuss, que foi um cartonista e desenhista americano responsável por personagens como O Gato de Cartola, Grinch e Lorax. Procurem livros dele, é fantástico!

No filme temos Ted, um menino com ótimas intenções: conseguir um beijo da garota que gosta, mas ela é uma ativista [yey!] e completamente apaixonada pela história das Trúfulas, árvores que foram extintas antes dos jovens personagens nascerem. Então acompanhamos a busca de Ted pela última Trúfula e o retorno ao passado de Thneedville, a cidade feita de plástico onde as árvores são mantidas com pilhas.

Retornamos na história do filho rejeitado que busca a aprovação da mãe. Um dia ele resolve partir em busca de um futuro melhor – leia-se: impressionar a família – e descobre uma linda floresta de Trúfulas; no primeiro momento ele fica maravilhado, mas já vai logo tirando o machado e cortando uma das lindas árvores para fazer um “lindo” e super prático tecido. Nessa chega Lorax, o Guardião da Floresta, que entra de forma triunfal para colocar nosso Umavez-ildo no lugar. Só que a ambição humana é implacável e isso fica muito evidente durante o filme, que tem músicas fantásticas, uma animação linda e um dos melhores roteiros que já vi.

O estúdio que criou O Lorax para os cinemas, Illumination Entertainment, é o mesmo do Meu Malvado Favorito, então corre e vai lá ver.

  1. Nausicaä do Vale do Vento

Esse filme é uma das obras primas de Hayao Miyazaki, diretor e roteirista japonês responsável pelo Studio Ghibli, lugar onde nascem os filmes mais lindos do mundo. Se você nunca ouviu falar em nenhum desses dois nomes, corra procurar sobre e veja todos os filmes com seus filhos.

Dias de Fogo é um evento conhecido por ter destruído o ecossistema da Terra e a civilização humana. Os que restaram do grande evento de esforçam em conseguir sobreviver, já que o clima e as condições são áridas e a população teve que recorrer a tecnologia para se manter, isolados em pequenos impérios.

Nausicaä é uma princesa de um pequeno império no Vale do Vento, que além de tentar conter as investidas de outros reinos, também estuda uma floresta chamada Mar da Corrupção, cheia de plantas, fungos e insetos gigantes, onde o ar é tóxico e tem devastado todo o planeta com seus danos. Ao contrário do restante da população, Nausicaä se sente fascinada pela floresta e acredita que ela possuí belezas, mesmo depois dos danos terem causado a morte de quase toda a sua família.

É uma história linda sobre o quão nocivo podem ser os danos causados pelos seres humanos na natureza, mas que nem tudo está perdido. E foi a primeira produção do Hayao Miyazaki, já que enquanto a Disney lançava sua Branca de Neve, os japoneses do outro lado do mundo mostravam que meninas podiam ser cientistas e voar!

  1. WALL-E

Eu choro com esse filme, eis a realidade. É a animação que vi mais vezes sem ser coagida pela minha filha.

É uma animação da Pixar [amamos eles] e foi dirigido pelo mesmo diretor de Procurando Nemo, que também aconselhamos ver.

A história se passa num futuro distante onde a Terra está destruída e soterrada em lixo. Tudo isso aconteceu por nosso cultura consumista, que engoliu, processou e vomitou até que o planeta estivesse sem recursos naturais e com tranqueiras empilhadas sobre tudo; e claro que isso aconteceu com a ajuda de uma megacorporação, a Buy-n-Large , que também foi a responsável pela retirada da população humana da Terra até ela se “restabelecer”. Nossa sociedade começou a viver em naves no espaço, sedentários, se alimentando de porcarias, até que se viram impossibilitados de caminhar. É chocante ver em uma animação nossa sociedade espelhada de forma tão honesta. Realmente chega a causar angústia, pois parece [ou será] que esse é o nosso futuro.

Nós começamos a acompanhar a rotina de WALL-E, um robô coletor de lixo que vive na Terra, sozinho, sendo fofo. Até que um dia chega a EVA, outro robô, mas nesse caso ela foi enviada para buscar vida na Terra… e calha que WALL-E tem surpresas. E assim começa a aventura, com nosso robô fofo correndo atrás da super high tech.

É minha produção preferida da Pixar, não só por colocar todas as métaforas de forma genial, mas porque eles conseguiram criar um personagem que não fala nada além do próprio nome e “EVA” e mesmo assim é expressivo e carismático. WALL-E é o aluno nerd do fim da classe que você quer abraçar – e de quebra ele ajuda a salvar a humanidade.

  1. Minúsculos [Minuscule – La vallée des fourmis perdues]

Essa linda e bem escrita produção francesa não fala diretamente sobre o impacto humano no meio ambiente, mas conta a história de uma guerra entre formigas com riqueza bélica, tática e de humor quando uma cesta de piquenique é abandonada.

Um casal saí correndo quando a mulher entra em trabalho de parto e deixa toda a comida do piquenique no local, gerando a trama dessa animação que dura poucos minutos, não tem nenhum diálogo, mas deixa nosso coração cheio de ensinamentos de trabalho em equipe, generosidade e como decisões humanas podem impactar na vida de outros seres, mesmo sendo “apenas” formigas.

Nossa Joaninha-macho que toma partido na guerra é acolhida de forma muito divertida pelo grupo e se vê engolida por forças mais potentes que seus curtos braços. É um daqueles filmes para se assistir junto com a família e além de se deliciar com uma arte realmente bem produzida, ver uma versão dos filmes com formigas muito bem feita e didática quando discutida.

  1. O Mundo dos Pequeninos

Esse filme é do diretor Hiromasa Yonebayashi, que fez uma linda adaptação do livro The Borrowers, da escritora Mary Norton, que publicou a história dessas pequenas pessoas em 1952.

O filme conta a história de Arrietty e sua família, pequenos seres que parecem pessoas normais, mas com 10cm de altura, e que vivem no assoalho de uma casa em Tóquio.  Com a chegada de Sho, um garoto doente, uma amizade um tanto inusitada nasce entre eles. Durante toda a história a sensação é que os Barrows são seres da natureza, talvez uma releitura das “fadas”, mas que se viram forçados a habitar pequenos lugares a medida que a civilização domesticava animais e se espalhavam em locais intocados. Mas infelizmente eles não estão seguros nem dentro da própria casa, já que quando um dos adultos descobrem que a casa pode estar sendo habitado pelos “pequenos intrusos” começa uma guerra em busca de extinguir Arrietty e sua família.

É um filme muito lindo, com uma histórica tocante e com uma narrativa que foge da fórmula americana. Deixa ainda mais a sensação de que os intrusos são os seres humanos, já que forçam todos os seres a se habituarem com seus gostos e sonhos, e nunca o contrário, aceitando a ordem natural da natureza.

  1. Era uma Vez na Floresta

Esse filme foi a minha infância, mas apesar de sempre ver Ferngully em vários lugares como filme que discute conservação do meio ambiente, esta obra incrível dirigida por Charles Grosvenor nunca está em lado algum.

Abgail, Edgar e Russel vivem felizes numa floresta, tal como um rato, uma toupeira e um ouriço devem viver. Eles são amigos e seguem sua rotina como sempre, até que um dia um homem chega na floresta espalhando gases tóxicos e adoece Michelle, amigas deles. Então começa a busca do três amigos, junto com o Tio Cornelius, de uma forma de salvar Michelle e a floresta.

É um daqueles filmes antigos, de 93, que contam fábulas de uma forma simples e divertida. Até hoje não entendo porque se fala tão pouco nesse filme, mas recomendo para todo mundo.

  1. Princesa Mononoke

Mais um do Hayao Miyazaki! E esse é meu filme preferido dele, porque temos um japão onde os seres humanos convivem com deuses da natureza e suas forças que trazem destruição para florescer a vida.

Somos apresentados ao Príncipe Ashitaka, que após matar o terrível deus-Javali se vê amaldiçoado pelo mesmo. Angustiado, ele foge da mesma aldeia que lutou tanto para defender e nesse longo caminho acaba por conhecer San, a Princesa Mononoke.

Numa aldeia está sendo travada uma luta e do lado dos deuses-animais está San, que foi adotada e criada por uma tribo de deuses-lobos. Seu ódio pelos seres humanos que estão destruindo a natureza é enorme e ela com o tempo foi se esquecendo do seu lado humano, até o seu encontro com Ashitaka.

E nisso a história se desenvolve, entre uma guerra entre a civilização que quer se estabelecer e a natureza, e seus protetores, que lutam incansavelmente contra a destruição.

Colocamos aqui os filmes que acreditamos que não são abordados com frequência, mas recomendamos também: Irmão Urso, Vida de Inseto, Reino Escondido, Tainá – Uma Aventura da Amazônia, Mogli – O Menino Lobo, Procurando Nemo, Rio [1 e 2] e A Fuga das Galinhas.

Via Não pule da janela – naopuledajanela.com.br

 

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.