Europol alerta para nível inimaginável da exploração sexual infantil na internet

Outubro 12, 2018 às 6:00 am | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Expresso de 18 de setembro de 2018.

Diretora executiva da organização, Catherine De Bolle, afirmou que os casos de delitos cibernéticos são “cada vez complexos e sofisticados”

Europol alertou nesta terça-feira para o aumento e a criação de novas técnicas de cibercrime e qualificou de “inquietante” o elevado número de delitos, em “níveis inimagináveis”, de exploração sexual infantil que existem na internet.

“Os cibercriminosos estão a adotar novas técnicas criativas para atacar as suas vítimas a um ritmo sem precedentes. Este relatório tem apenas um objetivo em mente: evitar que criem vítimas”, aponta o documento da polícia europeia, sedeada em Haia, nos Países Baixos. Segundo a informação agora divulgada, os criminosos que utilizam este tipo de programas, designados ‘malware’, estão a privilegiar “os bancos, onde existem maiores ganhos potenciais”, em relação a ataques aleatórios a empresas.

Os riscos de ser vítima deste tipo de programas maliciosos “aumentam” à medida que os utilizadores recorrem à banca na internet para realizar tanto a gestão da sua conta, como para fazer pagamentos. Por outro lado, a Europol advertiu ainda que a exploração sexual infantil na internet “continua a ser o aspeto mais inquietante” do crime cibernético, com “volumes de material inimagináveis” até há alguns anos.

A diretora executiva da organização, Catherine De Bolle, concluiu que os casos de delitos cibernéticos são “cada vez complexos e sofisticados” e que a aplicação da lei “exige “capacidades adicionais e recursos de investigação e forenses”.

Mais informações no relatório:

INTERNET ORGANISED CRIME THREAT ASSESSMENT (IOCTA) 2018

Chantagem online: campanha europeia da Europol contra sextortion

Julho 27, 2017 às 6:00 am | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Say No! – A campaign against online sexual coercion and extortion of children – Vídeo legendado em português

Junho 28, 2017 às 9:00 am | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

mais informações:

https://www.europol.europa.eu/activities-services/public-awareness-and-prevention-guides/online-sexual-coercion-and-extortion-crime

 

Europol lança site para ajudar no combate ao abuso sexual de menores

Junho 27, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Site ou blogue recomendado | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mais informações no site.

https://www.europol.europa.eu/stopchildabuse

ver a reportagem da http://sicnoticias.sapo.pt/ de 13 de junho de 2017 no link:

http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2017-06-13-Europol-lanca-site-para-ajudar-no-combate-ao-abuso-sexual-de-menores

A Europol lançou um site em que pede ajuda para identificar situações de abuso sexual de menores. Na página são publicadas imagens de objetos que foram retiradas de fotografias de pornografia infantil e que podem ajudar a reconhecer locais, abusadores e até as crianças abusadas. A Europol acaba de acrescentar fotografias de 10 novos objetos e faz um apelo para que todos tentem ajudar, de forma a travar o abuso sexual de crianças.

 

Online child sexual coercion and extortion of children – looking for sexual material and your money

Junho 25, 2017 às 6:49 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

 

mais informações:

https://www.europol.europa.eu/activities-services/public-awareness-and-prevention-guides/online-sexual-coercion-and-extortion-crime

Há mais de dez mil crianças refugiadas desaparecidas na Europa

Agosto 10, 2016 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do http://observador.pt/ de 21 de julho de 2016.

anadolu agency getty images

Novo relatório da Europol confirma mais de 10.000 crianças refugiadas que desapareceram depois de chegarem à Europa, desde 2015. A Missing Children Europe é a organização que os procura.

Amir Jasim Shamo é um menino sírio de 13 anos que tinha um sonho: chegar à Europa. No pico do inverno, Amir embarcou na Turquia para tentar atravessar o mar Mediterrâneo e chegar às ilhas gregas. Depois de atracar em Farmakonisi, Amir desapareceu.

Segundo um relatório da Europol, Amir é apenas uma das mais de 10.000 crianças refugiadas que desapareceram depois de chegarem à Europa, desde 2015.

A Missing Children Europe é uma rede de mais de 30 organizações não-governamentais, com sede em Bruxelas, que espalha cartazes com fotografias e dados que permitem identificar crianças desaparecidas. Em muitos desses cartazes está a cara de Amir. Outro cartaz mostra dois meninos sírios que desaparecem: Alnd de cinco anos e Roder, o seu irmão de quatro anos. O tio dos dois rapazes, Othman, contou que Alnd e Roder eram inseparáveis.

Depois de uma viagem de vários dias entre a Síria e a Turquia, os meninos embarcaram com a família em direção à Grécia, em busca de um refúgio da guerra, de uma vida melhor. Mas a embarcação nunca chegou a terra. Afundou ao largo da costa grega e os tripulantes foram resgatados pela guarda costeira turca. Quando a contagem dos resgatados foi feita, os irmãos tinham desaparecido.

A família recorreu à Missing Children Europe para encontrar os meninos. A organização apressou-se a espalhar cartazes por toda a Europa para ajudar na procura dos dois irmãos.

O El Mundo explica que esta iniciativa levada a cabo pela Missing Children Europe (MEC) é a primeira do género — a focar-se somente em crianças –, desde que começou a crise dos refugiados, em 2015.

A responsável pelos refugiados da rede de ONGs, Federica Toscano, explicou que desde o início da crise de refugiados que a MEC se tem encarregado de procurar os desaparecidos, mas que desta vez escolheu uma campanha focada principalmente em crianças como forma de “sensibilizar os europeus para a situação”.

Federica ressalvou que não aparecem nem vão aparecer fotografias de todas as crianças. “Antes de tornar pública a fotografia, avaliamos se a sua divulgação pode pôr em causa a sua segurança”, explicou a responsável pelos refugiados.

As crianças que desaparecem

Amir não foi a única criança que procurava atingir a Grécia a aparecer nos cartazes da Missing Children Europe. Dois irmãos, Alkafagi, de seis anos e o irmão bebé, Mohamed de um ano, desapareceram na mesma rota.

Os irmãos Abaas viajavam sozinhos, talvez separados da família numa fronteira do Mar Mediterrâneo, como acontece a muitas das crianças que procuram um porto seguro na Europa.

Os países onde se registam mais desaparecimentos são a Alemanha, Bélgica, França, Itália e Reino Unido e a rota dos Balcãs (Grécia, Macedónia, Sérvia, Hungria e Áustria).

Delphine Moralis, secretária geral da MEC, afirmou que as buscas nestes casos costumam “ser muito lentas, na maior parte das vezes por falta de informação” que não permite ter uma imagem “geral do problema”.

Uma representante da UNICEF explicou ao El Mundo o processo que pode levar uma criança a desaparecer:

“Para estes desaparecimentos podem contribuir uma série de situações: os pequenos podem estar onze meses há espera num centro de acolhimento até que o país de acolhimento examine o seu pedido de asilo. Muitas vezes estes menores passam pelo processo sem um representante legal ou um tradutor e sem saberem os seus direitos. Muitas vezes nem têm um sítio para dormir devido à saturação. Estas situações aumentam o desespero e impulsiona-os a fugir.”

Dados da UNICEF informam que mais de 90% das crianças que chegam a estes centros têm entre 14 e 17 anos e vêm, principalmente, do Afeganistão, África Subsariana, Iraque, Marrocos e Síria.

 

Trafficking in human beings in the EU – relatório da Europol

Abril 11, 2016 às 12:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

report

descarregar o relatório no link:

https://www.europol.europa.eu/CONTENT/TRAFFICKING-HUMAN-BEINGS-EU

The Commercial Sexual Exploitation of Children Online report – novo relatório Europol

Fevereiro 26, 2015 às 2:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

europol2

descarregar o relatório no link:

https://www.europol.europa.eu/content/live-streaming-child-sexual-abuse-established-harsh-reality

https://www.europol.europa.eu/content/commercial-sexual-exploitation-children-online

Novas plataformas utilizadas para divulgar pornografia infantil dificultam investigação, alerta Europol

Fevereiro 26, 2015 às 1:30 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do http://diariodigital.sapo.pt/  de 24 de fevereiro de 2015.

europol

Os criminosos que divulgam pornografia infantil em direto na Internet utilizam cada vez mais novas plataformas tecnológicas, como o serviço de comunicação Skype ou a moeda virtual bitcom, o que dificulta as investigações policiais, alertou hoje a Europol.

“Os criminosos que exploram sexualmente crianças na Internet estão a usar cada vez mais os desenvolvimentos tecnológicos e a obter benefícios financeiros”, afirmou o Serviço Europeu de Polícia (Europol), num relatório sobre esta matéria.

A divulgação de pornografia infantil através de plataformas de transmissão em direto na Internet (‘livestream’) ou de plataformas de comunicação texto e vídeo, como é o caso do serviço Skype, é muito mais difícil de detetar, em comparação com a difusão através de um ‘site’, explicou o organismo, no mesmo documento.

O relatório foi desenvolvido pelo departamento de cibercriminalidade da Europol, com a colaboração da Eurojust (Unidade Europeia de Cooperação Judiciária), de organizações não-governamentais (ONG) e de multinacionais da área dos cartões de crédito ou da Internet, como Google e Microsoft.

“A pesquisa revela que a transmissão em direto dos abusos em troca de pagamento não é mais uma tendência emergente, é uma realidade estabelecida”, sublinhou o relatório.

O documento denunciou que crianças sem-abrigo ou crianças da própria família dos criminosos estão a ser abusadas em direto em frente a câmaras e que essas imagens são transmitidas através da Internet.

“Isto acontece na União Europeia e em países emergentes”, indicou o relatório.

A polícia filipina desmantelou recentemente uma rede criminosa que transmitia em direto os abusos sexuais de crianças com idades entre os seis e os 15 anos, segundo a Europol.

As 15 vítimas menores foram libertadas e 29 pessoas foram detidas, incluindo os membros do grupo criminoso e as pessoas que pagaram para assistir aos abusos sexuais.

Mais de 700 presumíveis compradores de conteúdos de pornografia infantil nas Filipinas foram identificados, precisou a Europol.

Em 2014, os investigadores identificaram, pela primeira vez, um ‘site’ que vendia pornografia infantil exclusivamente através de bitcoins.

O uso desta moeda virtual lançada em 2009 torna a deteção dos criminosos mais difícil, uma vez que é utilizada através de um sistema de pagamento anónimo. Anteriormente, o modo mais utilizado eram os cartões de crédito, o que facilitava o controlo das transações.

Diário Digital com Lusa

 

 

Joint action in 22 European countries against online child sexual abuse material in the internet

Dezembro 24, 2011 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Press Release da Europol de 16 de Dezembro de 2011.

269 suspects identified and 112 arrested

Law enforcement agencies from 26 European countries, supported and coordinated by Europol, have carried out a major crackdown against online child sex abuse file-sharing networks. So far ‘Operation Icarus’ has helped to identify 269 suspects and arrest 112 suspects, spread across 22 involved countries.*The operation targeted those sharing the most extreme forms of video material, which included babies and toddlers being sexually abused and raped. A lot of the material seized during the house searches is awaiting forensic examination in order to support follow-up investigations and possible prosecution of offenders. However, this operation has already uncovered previously unknown networks of child sex offenders operating on different internet channels.

‘This is the latest major success in over 10 years of Europol supporting law enforcement agencies in Europe in their fight against child sex abuse online.  This operation shows how the internet is helping offenders to develop better techniques for sharing images on a global basis and for protecting their identity.  The problems involved are becoming harder to police and call for sustained efforts by policy-makers and law enforcement agencies to ensure that society’s response remains strong and agile in this area.  Europol is committed to playing a leading part in this work
 through its unique capabiliites to develop intelligence and digital forensic skills across Europe and through the coordination of major international operations,” says Rob Wainwright, Director of Europol.

Investigations are ongoing and more arrests are expected. Special focus will be on identifying the producers of the material, the suspects and their victims. Among those arrested for downloading illegal material was one who is suspected of grooming a young child, and was arrested before being able meet ths child face to face.

Operation Icarus is the first operation concluded under the auspices of the new action plan of the COSPOL Internet Related Child Abuse Material Project (CIRCAMP)**, an initiative by EU police chiefs led by Belgium and funded by the European Commission.

Cecilia Malmström, EU Commissioner for Home Affairs welcomed the joint action saying “These children are victims of multiple crimes. First, when the actual abuse takes place. Then, when it is filmed. And, thereafter, every time the images are posted, circulated or viewed. The joint action carried out under Europol coordination shows our commitment to backing the fight against this appalling crime. It highlights the importance of cooperation between law enforcement authorities at European and international level to tackle criminal activities that know no borders. We will continue to use all the tools at our disposal, including the recently adopted EU directive on the fight against pedo-pornography, sexual abuse and exploitation of minors, to support efforts to combat these horrendous crimes and to help protect our children”.

Operation Icarus was initiated during a CIRCAMP meeting at the start of 2011. It was agreed that the National High Tech Crime Unit of the Danish Police (DK NITEC) should be the lead country and carry out the investigations because of its expertise in illegal material exchange through file sharing systems, known as peer-to-peer. After the collection of intelligence by the Danish National Police, an operational meeting was organised at Europol in September 2011, to disseminate intelligence packages to the involved EU Member States and countries with a Europol operational agreement.

Intelligence and additional information was disseminated by Europol through its secure information system in order to guarantee the integrity of data and to ensure a fast reaction in the concerned countries. Europol’s cooperation network will also facilitate further investigations by involving partners such as Eurojust and Interpol when needed.

“Law enforcement agencies have to work together to combat the growing threat of cybercrimes against children, and we have to use the most advanced technology available. The complexity is huge and challenging – for example one of the Danish suspects had 29 terabytes of data that we seized. This is an incredible amount of data for our investigators to handle. To put it into perspective, that could hold about 9000 hours of high-quality video,” says Jens Henrik Hoejbjerg, Danish National Commissioner of Police.

* The participating countries are: Austria, Belgium, Bulgaria, Cyprus, Czech Republic, Denmark, Estonia, Finland, France, Germany, Ireland, Italy, Luxembourg, Malta, Netherlands, Poland, Slovakia, Spain, Sweden, Croatia, Norway, Switzerland

** The members of CIRCAMP are: Belgium, Denmark, Finland, France, Germany, Ireland, Italy, Malta, Netherlands, Norway, Spain, Sweden, Europol and Interpol.  

1.    Notes to editors

Broadcast quality footage can be obtained by using the following link(s) from Danish National Police:

http://92.43.124.121/hdvideo/DVPal.mov
http://92.43.124.121/hdvideo/DVPal.mov.zip
http://92.43.124.121/hdvideo/DVCproPALAnamorphic.mov
http://92.43.124.121/hdvideo/DVCproPALAnamorphic.mov.zip
http://92.43.124.121/hdvideo/DVCproHD1080i50.mov
http://92.43.124.121/hdvideo/DVCproHD1080i50.mov.zip
http://www.politi.dk/VideoIcarus

2.    CHILD ABUSE IMAGE, NOT CHILD PORNOGRAPHY
Use of the phrase ‘child pornography’actually benefits child sex abusers;
a)    It indicates legitimacy and compliance on the part of the victim and therefore legality on the part of the abuser

b)    It conjures up images of children posing in ‘provocative’positions, rather than suffering horrific abuse.

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.