Unicef e Eurochild lançam novo inquérito: que tipo de Europa querem as crianças?

Junho 13, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do site Sapolifestyle de 6 de junho de 2018.

As crianças e jovens são, a partir de hoje, desafiadas a responder a um inquérito europeu desenvolvido por duas organizações para aferir o que pensam e o que querem da Europa.

A pesquisa online que está a ser promovida pela Unicef e pela Eurochild (uma rede de organizações e pessoas que trabalham pela melhoria da qualidade de vida das crianças e adolescentes), está aberta a crianças de todas as idades.

Embora visem crianças e jovens que vivem na União Europeia, o inquérito também recebe respostas fora da UE, estando a pesquisa disponível em pelo menos 19 idiomas.

Segundo as duas organizações, o inquérito online intitulado “Que tipo de Europa as crianças querem?” destina-se a captar as opiniões de crianças e jovens sobre o futuro da Europa e será uma rara oportunidade para as crianças que vivem no continente terem as suas vozes ouvidas pelos principais líderes da União Europeia.

Os tópicos abordados incluem a experiência das crianças sobre a vida familiar, a escola e a sociedade, a migração, bem como os seus pensamentos sobre a Europa

A pesquisa é escrita em linguagem amiga da criança, a fim de incentivar as respostas de menores de 18 anos de idade e os seus resultados serão anunciados numa sessão especial do Parlamento Europeu a 20 de novembro – Dia Universal da Criança – com a participação de uma delegação de crianças e jovens.

A partir de hoje e até 21 de setembro escolas e outras entidades que trabalham com crianças e jovens são incentivadas a usar as diretrizes fornecidas on-line para estimular discussões aprofundadas.

Em novembro de 2017, o Presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, comprometeu-se a organizar um evento no plenário do Parlamento Europeu para fazer um balanço anual do trabalho do Parlamento Europeu sobre os direitos da criança.

Inquérito no link:

http://www.eurochild.org/news/news-details/article/what-kind-of-europe-do-children-want-unicef-eurochild-launch-a-survey-on-the-europe-kids-want/?tx_news_pi1%5Bcontroller%5D=News&tx_news_pi1%5Baction%5D=detail&cHash=ba5c6db8854350b038f9343540a1e6f4

Anúncios

Pobreza infantil na Europa Quantos mitos conhece?

Março 6, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Artigo da Focussocial de 25 de fevereiro de 2015.

@Rocco Luigi Mangiavillano, Les enfants de la revolution, 2011

Na União Europeia (UE) uma em cada quatro crianças estão em risco de pobreza ou exclusão social. No total, são 25 milhões de crianças, sendo que a maioria cresceu em famílias pobres, que lutam cada vez mais para lhes proporcionar uma vida digna. Por diversas razões, umas correm mais risco do que outras, mas está tudo explicado em mais uma publicação gratuita traduzida pela EAPN Portugal.

Ler o artigo no link:

Pobreza infantil na Europa Quantos mitos conhece

 

 

 

 

Towards Children’s well-being in Europe – EAPN and Eurochild’s explainer on Child Poverty in the EU

Abril 26, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

children

Descarregar a publicação Aqui

25 million children in the European Union (EU) are at risk of poverty or social exclusion – that is one child in every four. Most of these children grow up in poor families, who are increasingly struggling to provide them with a decent life. This is a social crime in an EU that prides itself on its social model, an attack on fundamental rights and a failure to invest in people and in our future. Can the EU afford the price?

This Explainer on child poverty is jointly produced by EAPN and Eurochild in order to:

Raise public awareness about what child poverty means in a European context, its causes, and how it impacts on the lives of children and their families.

Highlight effective solutions that can help to fight child poverty and promote the well-being of all children and families, particularly in times of austerity and public spending cuts.

We hope it will help to mobilize widespread public and political support for intensified action to reduce child poverty and to promote children’s well-being, at a timely moment to support the implementation of the European Commission’s Recommendation against child poverty.[1]

EAPN has already issued a series of 3 explainers on Poverty and Inequality in the EU (2009), on Adequacy of Minimum Income in the EU (2010) and on Wealth, Inequality and Social Polarisation in the EU (2011).

[1] EC Recommendation (20 Feb 2013): Investing in children: breaking the cycle of disadvantage.

How the economic and financial crisis is affecting children & young people in Europe

Janeiro 31, 2013 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

report

Descarregar o relatório Aqui ou relatório + documentos e a notícia da Eurochild Aqui

A Linha SOS-Criança do Instituto de Apoio à Criança é mencionada na página 17.

The stark evidence set out in this report shows that the circumstances of children and families across Europe have seriously deteriorated compared with Eurochild’s previous analysis of the situation in 2011. Despite greater recognition of children as independent rights holders in recent political statements of the European Union1, the downward trend, jeopardising the respect of children’s human rights is evident in all three pillar areas of the forthcoming European Commission ‘Recommendation on Child Poverty and Child Well-being’: access to adequate resources; access to quality services; and children’s participation.

Key messages:

 When social protection systems are undermined, it is the most vulnerable groups who are most affected, among them children. Recognising the indivisibility and universality of human rights, support to the poorest and solidarity in times of crisis is essential. There is no price tag on respect for the human rights of children: social protection is about ensuring everyone a dignified life.

Access to preventive support services, health care and education that are affordable, available and of good quality is an investment in the future, not a cost. The denial to children of access to these universal rights ultimately results in their recourse to intensive, specialised rehabilitation services. The social cost of addressing the consequences of exclusion, homelessness, poor physical or mental health and abuse is very high. If children grow up in poverty, their well-being today, their life chances tomorrow, and society’s future will be irreversibly damaged.

EU policy and funding mechanisms should be directed at tackling child poverty and promoting child well-being at all levels. In particular, the Structural Funds should be used to support children and families, by establishing sustainable services in the community, providing early intervention mechanisms, and creating good quality alternative care placements.

 

Austeridade limita acesso das crianças à saúde e educação Aviso vem do Eurochild

Janeiro 31, 2013 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia da TVI24 de 23 de Janeiro de 2013.

As medidas de austeridade impostas em Portugal estão a limitar o acesso de crianças e famílias a serviços essenciais como a educação e a saúde, revela um relatório da Eurochild, a rede europeia de organizações para a infância.

A Eurochild é uma rede de organizações e pessoas que trabalham pela melhoria da qualidade de vida das crianças e adolescentes, com 116 membros em 35 países europeus.

«A maior evidência do presente relatório é que as condições de vida das crianças de toda a Europa e das suas famílias deterioraram-se muito em comparação com a anterior análise da Eurochild, em 2011», lê-se no relatório, concluído em dezembro do ano passado.

De acordo com a Eurochild, depois de um breve período de medidas de estímulo e expansão da despesa pública para contrariar o primeiro impacto da crise em 2008, a maioria dos governos europeus introduziu medidas de austeridade severas nos últimos anos, «o que representa uma série de ameaças às crianças e às suas famílias».

A organização coloca Portugal no grupo de países onde as transferências sociais têm pouco impacto na redução do risco de pobreza infantil, juntamente com a Bulgária, Grécia, Espanha, Itália, Lituânia, Letónia, Polónia, Roménia e Eslováquia.

Os países deste grupo são também aqueles cujas crianças estão expostas ao risco de pobreza mesmo quando todos ou alguns membros do agregado familiar trabalham.

«O estudo mostra que, desde o início da crise, muitos governos introduziram medidas de corte na despesa social, que são diretamente sentidas pelas crianças e pelas suas famílias», diz a Eurochild.

Acrescenta que isto diminuiu o acesso das crianças aos recursos adequados, limitou o seu acesso a serviços de educação, saúde e bem-estar e restringiu as oportunidades das crianças participarem plenamente na vida familiar e social.

«A crise afetou todos os países europeus, mas em diferentes graus. Nos casos mais graves, os governos da Grécia, Irlanda e Portugal aceitaram pacotes de empréstimos com a troika da Comissão Europeia, Banco Central Europeia e o Fundo Monetário Internacional, na condição de imporem enormes cortes na despesa social», aponta a organização.

A Eurochild alerta que as consequências a longo prazo do desemprego ou das condições de emprego precárias podem ser severas tanto no bem-estar das crianças como dos pais e lembra que a pobreza infantil pode ser evitada, dando como exemplo que há países que conseguem proteger melhor do que outros as suas crianças mais vulneráveis.

De acordo com o relatório, em Portugal, o corte nos benefícios para as crianças entre 2010 e 2012 «foram particularmente severos e tiveram um impacto significativo no rendimento de muitas famílias com filhos».

«As novas e restritivas regras de acessibilidade para os benefícios sociais podem levar a que muitos beneficiários sejam injustamente privados do acesso à assistência social, o que pode igualmente constituir uma importante redução no seu rendimento», lê-se no relatório.

A Eurochild lembra que, comparando com 2011, a taxa de desemprego subiu em 15 Estados membros nos últimos três meses, com os aumentos mais altos registados na Grécia, Espanha, Itália, Chipre, Portugal (+0,5 pontos percentuais, para 15,2%) e Bulgária.

Por outro lado, o desemprego afeta mais de 30% dos jovens em idade ativa na Bulgária, Itália, Portugal e Eslováquia.

Os dados relativos a Portugal foram recolhidos através da Rede Europeia Anti-Pobreza que sublinha que «o desemprego e o corte nos subsídios têm uma influência direta nas oportunidades e nos cuidados infantis».

A mesma organização denuncia «o aumento substancial», nos últimos dois anos, do número de casos de famílias com dificuldades em pagar os seus empréstimos e um aumento do número de chamadas relacionadas com pobreza familiar feitas em 2011 para a linha do Instituto de Apoio à Criança.

 

 

Compendium of Inspiring Practices Early intervention and prevention in family and parenting support

Novembro 8, 2012 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Descarregar o documento Aqui

Eurochild’s thematic working group on family and parenting support provides a forum for members to exchange experience and know-how, thereby contributing to improved policy and practice across Europe. This compendium of inspiring practice of early intervention and prevention in family and parenting support builds on five years of mutual learning and exchange.

The 12 case studies in this Compendium offer a small sample of services that have had a demonstrable positive impact on the children and families they aim to serve. They were selected firstly, because they reflect a response to an identified need, social challenge, economic and/ or political imperative that was innovative in the context of prevailing national/ regional/ local circumstances. Secondly, because of their potential to use the learning or to replicate the practice more widely within their country or across Europe.

Policy recommendations:
– Parenting interventions should sit alongside wider family support and be part of a comprehensive package that enhances children’s rights and well-being.

– All services aimed at family and parenting support must be non-stigmatising and empowering in their approach, have a participatory and strengths-based orientation, be accessible to all but built around a model of progressive universalism. their conception must be underpinned by a child-rights approach.

– Eurochild strongly advocates a balanced perspective in evidence based approaches which are capable of reflecting critically on quantitative and qualitative data and analysis in assessing practice.

Speak Up! Giving a voice to European children in vulnerable situations

Outubro 22, 2012 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Descarregar o documento Aqui

Speak up! is a 2-year project led by Eurochild on children’s rights run under a grant from the Fundamental Rights & Citizenship Program of the European Commission.

It aims to  address children’s own views of their rights, the protection of those rights and their opinions on necessary national and European policy actions.

The children involved are particularly vulnerable due to their situation or characteristics, as these children most frequently experience rights violations and are less likely to be heard.

Eurochild’s 7th annual conference Brighter futures – Building effective partnerships to end child poverty

Outubro 13, 2010 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Inscrições até ao dia 15 de Outubro de 2010, mais informações Aqui

Eurochild’s proposals for the development of the EU’s strategy on the rights of the child

Maio 13, 2010 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Sumário da proposta da Eurochild:

In Eurochild’s view the EU strategy on the rights of the child should set overarching aims:

  • To promote and protect child rights in EU action;
  • To support Member States efforts to promote and protect children’s right and implement the UNCRC.

Establish a seven year timeframe (2011-2018) with two 3 ½ years delivery periods.

Set strategic objectives and proposals for concrete actions in the following areas:

  • Mainstreaming children’s rights in all EU action.
  • Identifying and developing priority actions.
  • Monitoring and evaluating action undertaken.
  • Enhancing data collection and the development of common indicators at EU level.
  • Communicating more effectively on children’s rights.

Ver proposta da Eurochild Aqui


Entries e comentários feeds.