A escola que nunca desiste dos seus alunos deu um livro

Maio 19, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto do http://www.noticiasmagazine.pt/ de 8 de maio de 2017.

 

A Escola da Ponte, à qual muitos chamam a escola mais democrática do país, fez 40 anos. O romancista e ex-jornalista Paulo M. Morais foi espreitar o que por lá se faz de tão extraordinário e a experiência deu um livro: «Voltemos à Escola», da Contraponto.

 Texto de Sara Dias Oliveira

O modelo é conhecido. Não há salas de aula, há espaços de aprendizagem. Não há filas de carteiras, há mesas redondas. Não há aulas, há tempos. Não há disciplinas, há valências. Não há professores, há orientadores educativos. Não há diretor, há gestor.

A Escola da Ponte nasceu na aldeia de Vila das Aves, em Santo Tirso, em 1976, há 40 anos – a NM entrevistou José Pacheco, fundador da escola, em março passado [leia aqui a entrevista]. Paulo M. Morais, romancista e ex-jornalista, resolveu escrever um livro sobre este projeto peculiar e que já motivou mais de 40 trabalhos de investigação.

Paulo M. Morais quis perceber como a Escola da Ponte ensina de forma diferente há 40 anos, como esta escola mexe com a ordem estabelecida. Levava imensas perguntas na cabeça quando chegou à Ponte. Os alunos fazem o que querem? Aprendem alguma coisa? Porque só existe uma escola assim em Portugal? O modelo é replicável? Há estudos sobre os resultados desta escola? Isto resulta? Pediu autorização para entrar, teve permissão, andou à vontade, conheceu a dona Helena da reprografia, o senhor Serafim, o funcionário que faz o que for necessário, alunos e professores.

No primeiro dia, chegou atrasado à escola que entretanto se mudou para a vila de São Tomé de Negrelos, também em Santo Tirso, que o GPS não deteta, com estrada de empedrado, estreita, quase sem espaço para dois carros se cruzarem – mas onde só no ano letivo passado estiveram mais de 1200 visitantes, quase metade do Brasil. Entrou, viu na janela do átrio da escola os direitos e os deveres dos visitantes afixados e foi percebendo de que cepa é feita esta escola que esticou do 1.º ciclo até ao 9.º ano de escolaridade. Na hora da despedida, custou-lhe dizer adeus.

«Visitar uma escola na Finlândia é ir ao encontro de uma realidade que tem por detrás o apoio dos responsáveis políticos educativos. Visitar a Escola da Ponte é ir ao encontro de um pontinho minúsculo do mapa de Portugal. É ir à aldeia gaulesa dos livros de Astérix, um último reduto que resiste teimosamente às sucessivas cargas do império escolar», conta.

Esta escola é um exemplo de resiliência. Paulo M. Morais leu livros, entrevistou José Pacheco, falou com alunos, ex-alunos, professores, funcionários. Trocou impressões com gente que decidiu estudar o que acontece na Ponte. «A história da Escola Ponte é uma história de pessoas apaixonadas. É uma história de resistência, como tantos já disseram, mas principalmente de paixão pelas crianças, pela educação, pelo futuro. É uma escola que requer uma entrega própria dos apaixonados; que demanda um compromisso próximo da fé», escreve o ex-jornalista que fez crítica de cinema, viajou pelo mundo com uma mochila às costas, foi pai de uma menina e plantou um pessegueiro – e, neste momento, traduz romances e livros de não ficção e tem vários livros publicados, entre eles Revolução Paraíso e O Último Poeta.

Paulo M. Morais quis saber o que pensa quem ali passa ou passou o tempo. Hélder, aluno de 14 anos, fala com conhecimento de causa. «O efeito que a escola teve em mim foi aprender a estudar e saber assumir os erros». Catarina, de 13 anos, também escreveu o que pensa num papelinho. «Deu-me mais responsabilidade, autonomia e mais sentido na vida, ao longo do meu futuro. Também me fez estudar ao meu ritmo e conseguir seguir a minha vida com maior responsabilidade». Adelina Monteiro, 12 anos de professora, 11 dos quais na Ponte, conta como é ensinar nesta escola. «A Escola da Ponte é crescimento em comunidade, num exercício pleno de cidadania interventiva, crítica, implicada, responsável. A Escola da Ponte é afeto, é conhecimento, é uma ponte para a transformação social.»

Na Escola da Ponte, cada aluno é único e irrepetível. Ali vive uma comunidade educativa que pratica a escola de uma outra maneira. Igual a tantas outras espalhadas pelo país, mas que segue um caminho diferente. «Dentro das suas idiossincrasias, a Escola da Ponte é igual a qualquer outra escola. Há os alunos compenetrados, os problemáticos, os preocupados, os engraçados, os perturbadores, os carismáticos, os tímidos; há todo o tipo de alunos que se encontram noutras escolas. Mas o milagre da Ponte, como diz o senhor Serafim, talvez passe por nunca se desistir de nenhum deles», escreve o autor do livro.

Cada aluno programa o seu trabalho. Às quartas-feiras, os alunos reúnem-se em redor do seu tutor e preenchem um plano de quinzena. O tutor é quem acompanha de forma individual e permanente o percurso curricular de cada aluno. A base programática é igual à das outras escolas, a abordagem é diferente. Há seis dimensões: linguística, lógico-matemática, naturalista, identitária, artística, pessoal e social.

Acredita-se que as necessidades individuais devem ser atendidas singularmente, que cada aluno deve fazer a apropriação individual e subjetiva do currículo, tutelada e avaliada pelos orientadores educativos. E o projeto educativo coloca como um dos objetivos formar «pessoas e cidadãos cada vez mais cultos, autónomos, responsáveis, solidários, e democraticamente comprometidos na construção de um destino coletivo e de um projeto de sociedade que potenciem a afirmação das mais nobres e elevadas qualidades de cada ser humano.»

«Na Escola da Ponte, também há conflitos, problemas, alunos difíceis, queixas, discussões, amuos. E, como resposta, há paciência e também disciplina. Uma espécie de caos organizado», diz Paulo M. Morais.

Os alunos debatem e decidem tudo o que se passa na escola. Decidem quando estão preparados para serem avaliados. O autor do livro assistiu à eleição da Assembleia da Escola da Ponte, à apresentação dos candidatos e propostas, aos debates, aos votos na urna.

Cada criança define o respetivo plano de aprendizagem, de acordo com conceitos de autonomia, solidariedade e responsabilidade. «Na mesma sala, no mesmo núcleo, há alunos que aprendem diferentes coisas. Aqueles alunos, de certa forma, estão a aprender sozinhos, no seu ritmo próprio, com a sua própria lógica. Aqueles alunos estão a escolher, a optar, a decidir pelas suas próprias cabeças», adianta.

Paulo M. Morais assistiu também a um tempo de ginásio de alunos com necessidades educativas especiais, que obedece a um esquema próprio. As crianças ajudam na tarefa de ir buscar os aparelhos ao armazém. «Cada um tem tarefas específicas. Um miúdo atira uma bola de andebol ao cesto de basquete. Recebe incentivos quando encesta; não desiste quando falha. O rapazinho do trampolim continua a dar pulos; mas agora, de mãos dadas ao professor, sobe cada vez mais alto. Depois, as mãos largam-se para treinar a capacidade de ele dar uns passinhos e uns saltinhos autonomamente. Do outro lado da cortina de lona, rapazes e raparigas jogam ao ‘mata’», conta.

Na avaliação externa de 2013, feita pela Inspeção Geral da Educação e Ciência, a Escola da Ponte tirou muito bom em todos os itens. A equipa ministerial destacou «o excelente clima e ambiente educativos», «o trabalho colaborativo entre os alunos» e «a participação ímpar dos pais e encarregados de educação e dos alunos na vida do projeto.»

Esta escola não tem campainhas, as portas das salas estão abertas, o barulho nos corredores diminui à medida que os alunos entram nas salas. Tem alunos como noutras escolas, com os mesmos gostos, que têm telemóveis, andam à volta de tablets, fazem barulho no recreio. E, por vezes, a continuidade do projeto treme. «Não é nenhuma bandeira do ensino português. Bem pelo contrário. Todos os anos paira uma nuvem de dúvida sobre se o projeto Fazer a Ponte terá as condições para prosseguir nos moldes em que foi pensado. E, consoante o Governo e o ministro da Educação em funções, a relação e posição sobre a Ponte pode mudar drasticamente. É viver com o credo na boca. E, ainda assim, continuar a trabalhar como não houvesse uma nuvem negra que paira permanentemente sobre o telhado da escola.»

António Sampaio da Nóvoa assina o prefácio do livro. «É possível replicar esta experiência noutros lugares? Não. Mas é possível aprendermos com ela, mobilizarmos a mesma energia, fazer o mesmo trabalho de reflexão e de diálogo que os nossos colegas da Ponte têm feito desde 1976. Nem modas, nem imitações. Cada escola é uma escola. Irrepetível», escreve.

Voltemos à Escola chega às livrarias a 12 de maio. É apresentado no dia seguinte, a 13, na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto, às 17h30, no âmbito do ciclo literário Porto de Encontro, com a participação de professores da Escola da Ponte. A 15 de maio, Alexandre Quintanilha e Rui Vieira Nery apresentam a obra, editada pela Contraponto, na FNAC Chiado, em Lisboa, às 18h30.

 

Uma escola portuguesa tem chamado a atenção do Brasil

Novembro 25, 2016 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia da http://www.tsf.pt/ de 10 de novembro de 2016.

barbara-baldaia

Barbara Baldaia

O curso online “Fazer a Ponte” existe desde 2006 e já foi frequentado por mais de 2.000 professores e investigadores brasileiros. A Ponte é uma escola diferente, sem salas e sem testes de avaliação.

Na escola da Ponte, o diretor Paulo Topa faz a ligação via facebook para o Brasil. Atende Wilson Azevedo, do Aquifolium Educacional.

Wilson é o responsável por “Fazer a Ponte”. É este o nome do curso online com uma equipa de professores da Escola da Ponte. A escola, por ser diferente, há muito tempo que fascina os brasileiros.

Wilson ficou curioso com o que leu no livro de Rubem Alves, “A Escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir” ao ponto de ter atravessado o Atlântico e ter vindo viver para Portugal. Pôs a filha a estudar na escola.

O professor brasileiro gostou da experiência e decidiu espalhar a palavra pelo Brasil. O curso existe há 10 anos e, diz ele, já formou mais de 2000 professores e educadores, sobretudo brasileiros. Wilson Azevedo tenta ser preciso: o que se procura é uma aprendizagem mais efetiva.

Vale a pena fixar 3 ou 4 ideias.

Ao contrário das escolas normais, a escola da Ponte não está dividida por turmas nem por idades – está organizada por graus de aprendizagem: iniciação, consolidação e aprofundamento.

Os alunos não aprendem todos o mesmo ao mesmo tempo. Seguindo o programa oficial do ministério da educação, são eles que definem o que aprender e quando aprender.

Da mesma forma, são também os miúdos que dizem quando é que se sentem prontos a ser avaliados e de que forma.

Paulo Topa diz que a maior parte das perguntas que chegam do Brasil tem a ver com a avaliação, com o facto de não haver testes.

As duas traves-mestras da Ponte são “autonomia” e “responsabilização”.

Ao aplicar alguns destes métodos, as escolas brasileiras que vieram beber a experiência da Ponte sentiram já melhorias. Não se trata de empinar matéria. Wilson Azevedo realça que o que é realmente importante é a aprendizagem.

Wilson diz que no Brasil há professores universitários que procuram aprender com o método da Ponte.

Uma escola sem salas de aula, onde o portão está sempre aberto, sem professores a papaguear a matéria, sem testes de avaliação iguais para todos. Uma escola onde cada um é como cada qual.

E, já agora, uma escola onde todas as semanas, os alunos se reúnem em assembleia geral.

ouvir a reportagem no link:

http://www.tsf.pt/sociedade/educacao/interior/uma-escola-portuguesa-tem-chamado-a-atencao-do-brasil-5491526.html

 

 

 

José Pacheco: “Aulas no século XXI são um escândalo. Com aulas ninguém aprende”

Abril 21, 2016 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Entrevista do Observador a José Pacheco no dia 10 de abril de 2016.

lsr_7722_1280x640_acf_cropped

Marlene Carriço

Uma escola sem divisão por ciclos de ensino, sem turmas, sem aulas, nem testes. Uma escola onde os alunos aprendem e onde são felizes. É esta a escola que o professor José Pacheco defende.

José Pacheco tem 64 anos e é mestre em Educação da Criança, pela Universidade do Porto. Chegou a fazer parte do Conselho Nacional de Educação e ganhou prémios pelo projeto que coordenou na Escola da Ponte. Há 10 anos decidiu mudar-se e rumou ao Brasil, onde é responsável por mais de 100 projetos para um novo modelo de ensino. No ano em que a Escola da Ponte faz 40 anos, o Observador pôs-se à conversa com o seu principal fundador.

Crítico do modelo tradicional de ensino, que afirma ser do século XIX, o professor defende a aprendizagem numa escola sem aulas, nem turmas, nem ciclos. Uma mudança radical na forma como vemos a escola pública? Sim. Mas possível de implementar, e com sucesso, garante.

Porque é que há 40 anos sentiu necessidade de mudar a forma como dava aulas? O que o levou a iniciar o projeto “Fazer a Ponte”?

Porque me vi incompetente e antiético. Incompetente porque não conseguia ensinar todas as crianças e muitas reprovavam, e antiético porque reconhecia que não ensinava todos e continuava a trabalhar do mesmo modo. E quando encontrei duas professoras que faziam a mesma pergunta que eu — “Porque é que damos a aula tão bem dada e há alunos que não aprendem?” — descobrimos a resposta: se nós dávamos as aulas e eles não aprendiam, eles não aprendiam porque nós dávamos a aula. É isso mesmo. Para nós foi perder o chão. Nós só sabíamos dar aula. Por isso não fui eu que fiz a Ponte, foi muita gente. Talvez eu fosse um despoletador do projeto. E o que fizemos foi algo intuitivo e amoroso: continuámos a dar aulas, porque criança não é cobaia, mas simultaneamente introduzimos nas nossas práticas, em equipa, algumas metodologias, técnicas, espaços de convivência, que foram dando forma a um novo projeto.

Um projeto mais baseado na autonomia?

Na autonomia, na responsabilidade e na solidariedade, que foram os três valores matriciais do projeto. As escolas são as pessoas e as pessoas são os seus valores. A escola não são edifícios, são projetos que partem de valores e de princípios e nós fomos indo ao encontro de uma concretização desses valores.

E as mudanças começaram logo a apresentar resultados?

Houve uma melhoria cognitiva, mas nós fomos além. Nós fizemos pela primeira vez aquilo que hoje se chama de educação integral. Compreendemos que teríamos de mexer não só no nível cognitivo, mas também no domínio atitudinal, sócio moral, ético, estético, emocional, espiritual.

Mas a forma de ensinar mudou repentinamente?

Não. De início dávamos aula durante a maior parte do tempo, porque era aquilo que nos tinham ensinado a fazer, mas fomos introduzindo alterações. Passámos de uma cultura de solidão para uma cultura de equipa, de corresponsabilização. Essa reelaboração da nossa cultura pessoal e profissional custou tempo e sofrimento. Decidimos habitar um mesmo espaço, derrubar paredes, juntar alunos. Compreendemos que sozinhos não poderíamos ensinar tudo a todos. Mas se estivéssemos em equipa, com um projeto, e autonomizássemos o ato de aprender, poderíamos responder efetivamente às necessidades de cada jovem. Ao fim de oito anos estava já a escola toda com um modelo diferente. E nós descobrimos uma coisa fundamental, que é que um professor não ensina aquilo que diz, ele transmite aquilo que é. Um professor tem que ser um tutor e um mediador de aprendizagens. E a aprendizagem acontece quando há um vínculo afetivo entre quem supostamente ensina e quem supostamente aprende.

40 anos depois, como está a Ponte? E como está o ensino em Portugal?

Tenho estado ausente e sinceramente posso estar muito desfasado da realidade portuguesa, mas tenho os meus netos e o meu filho que é professor e vou tendo retorno. Tenho tido algumas informações que me levam a crer que todas as engenharias curriculares feitas até hoje, pouco ou nada fizeram mudar a escola. Todos já perceberam que o modo como trabalham não ensina todos e que isso contraria aquilo que é o direito à educação e que é um dever do Estado. As escolas têm excelentes professores, mas a trabalhar do modo errado. Não faz sentido alunos do século XXI terem professores do século XX, com propostas teóricas do século XIX, da Revolução Industrial. A grande questão é que as escolas têm sido geridas por burocratas e não por pedagogos e as políticas públicas têm sido desastrosas: mais exames, mais alunos por turma.

Quer dizer que não concorda com os exames.

Mais exames não vão melhorar o sistema porque não é a preocupação com o termómetro que faz baixar a temperatura. Mais exames para quê? Os exames não avaliam nada. O teste é o instrumento de avaliação mais falível que existe. Conceber itens de teste, garantir fidelidade e tudo mais é um exercício extremamente rigoroso, assim como assegurar que as condições são as mesmas para todos quando se aplica o teste. E corrigir o teste também introduz uma subjetividade enorme. Além disso, esses instrumentos de avaliação apenas “provam” a capacidade de acumulação cognitiva, de armazenamento de informação em memória de curto prazo, para debitar no exame e esquecer.

Então como se deve avaliar as aprendizagens dos alunos?

Através de uma avaliação formativa contínua e sistemática, que é o que não se faz nas escolas. Nas escolas aplica-se teste e dá-se uma nota sem saber o que se faz. Há quem confunda avaliação com classificação e dê a nota a partir dos resultados dos testes. Eu sei que se alega considerar uma percentagem da nota dada a partir da avaliação de atitudes. Porém, não se apresenta os instrumentos de avaliação, que permitam medir atitudes como a autonomia, a criatividade. Diria que essa avaliação é feita a ‘olhómetro’.

E era de esperar que o ensino público português, passados estes 40 anos, mantivesse um modelo tradicional de aulas?

Eu acredito nos professores, na escola, mas não com as medidas político-educativas que são tomadas. Injeta-se na escola cada vez mais objetivos por pressão corporativa. Injeta-se nas escolas áreas que não faz sentido algum. Por exemplo, criar uma aula de área de projeto? Projeto é o projeto da escola, é o projeto educativo. Educação para a cidadania? Nós não ensinamos para a cidadania, nós educamos na cidadania. Cidadania não é uma hora por semana, é todo o tempo de escola. Andamos a brincar com coisas sérias. Está tudo errado.

E porque ninguém muda? A mudança não passa também pelos professores?

Os professores têm uma cultura em tudo contrária à mudança. Eles são ótimas pessoas, maravilhosas. Repare, professor é a única profissão em que o estágio é feito antes de tirar o curso. Fazem 12 anos a ouvir aulas, entram na faculdade e ouvem aulas, e vão dar aulas. Podem até ouvir falar dos Piagets da vida, mas os estágios são feitos em escolas tradicionais, onde estão excelentes professores tradicionais que trabalham no paradigma do século XIX ou XVIII. Este modelo de escola, desde o século XIX, que subdivide a escola em ciclos, em anos, em turmas, em horário padrão, isso é cartesianismo. Aulas? Aulas no século XXI são um escândalo! Em aulas ninguém aprende! Eu aceito quem conteste o que eu digo, mas ninguém contesta porque é uma verdade.

Mas é possível alunos de idades diferentes, todos juntos, aprenderem, na mesma sala, o que é suposto para a sua idade?

Porque não? Ninguém aprende com quem sabe a mesma coisa, ninguém aprende com quem tem a mesma idade. Eu falo daquilo que eu faço [no Brasil] e que tem excelentes resultados. Estou a falar de projetos que produzem excelência académica e inclusão social e onde não há organização por idades. Onde as escolas não têm casa de banho do aluno separada de casa de banho do professor, onde os auxiliares de ação educativa ensinam a limpar aqueles que sujam, onde a educação acontece. Onde não há aulas, nem turmas, nem anos, que são dispositivos sem sentido nenhum, sem fundamentação científica. Concebeu-se uma nova construção social de aprendizagem onde todos aprendem e são felizes. Isso é possível. Eu provo isso em mais de 100 projetos no Brasil e mais meia dúzia em Portugal.

E como vê a figura do chumbo?

A reprovação é a prova de que realmente a escola não funciona como deveria. Muitas vezes se diz que os professores são exigentes quando reprovam. A pergunta que eu faço é: se a escola melhor é a que mais alunos reprova, o melhor hospital é o que mais doentes mata? Quando as pessoas nem sequer refletem sobre isso… Quanto às classes de apoio, planos de recuperação, isso é tudo um enfeite que não resulta, porque aquilo que não se ensina em oito meses, não é em um mês de plano com mais do mesmo que se vai ensinar. Não é com mais horas de aula que se vai ensinar mais, é com outro tipo de aprendizagem.

Mas se o aluno não conseguir atingir as metas de aprendizagem… como se faz?

Compreendo a insistência. Nas escolas que, infelizmente, ainda vamos tendo, há alunos que não conseguem atingir metas. E é preciso acrescentar aulas de recuperação, “explicações”, “planos educativos individuais” e outros paliativos. Mas, nos projetos que acompanho, todos os alunos alcançam as metas. Porque trabalhamos a montante, para não ter de remediar a jusante; investimos na prevenção, para não tentar remediar depois. Nesses projetos, não há “alunos que não conseguem atingir metas”. Portanto, nada é preciso fazer, a não ser desenvolver um trabalho escolar coerente com a Lei de Bases. Em cada escola a seu modo, não há receitas.

Mas concorda que é difícil mudar este paradigma.

Se fosse fácil já tinha mudado. É difícil, é difícil…

Então como se pode fazer esta mudança?

Eu defendo sempre múltiplos caminhos. Um deles é que nós deveremos, nas escolas que despertam para a necessidade de mudar, trabalhar com aqueles professores que tomaram consciência e com coragem, lentamente, respeitando a criança, começar a desenvolver o projeto educativo da escola. Porque os projetos educativos das escolas não são cumpridos. E então esse núcleo de projeto, respeitando quem não queira, tem de avançar com autonomia pedagógica.

Aqui e ali têm sido anunciados alguns projetos inovadores, como as salas de aula do futuro. Isto pode ser o início da mudança?

Não, de modo algum. A aula híbrida, como vejo por aí, é aula. Não tem de haver aula. E as novas tecnologias podem ser importantes, se não forem mitigar o modelo de escola, enfeitar as aulas com quadros interativos ou um portátil por aluno. Quando um aluno está com acesso à informação na Internet ele não aprende, ele precisa da intervenção do adulto, do mediador da aprendizagem, que o ajude a passar da informação caótica para o conhecimento e do conhecimento para uma ação e isso chama-se projeto. E ao passar do conhecimento para a ação desenvolve competências. Isso não acontece numa aula.

Mas nessas salas o professor está lá apenas a guiar o grupo de alunos que tem de buscar as respostas.

Perante o quê? Um projeto? E lança perguntas significativas para os alunos? A aprendizagem tem de partir de necessidades, desejos, sonhos, algo concreto, que eu sinto que a comunidade precisa. É a partir dessa necessidade, com a introdução de projetos de pesquisa e roteiros de estudo, que as coisas acontecem.

Pode-me dar um exemplo prático de como isto pode funcionar?

Há um jovem que se queixa que lhe põem o lixo à porta na sua rua e ele percebe que tem de acabar com essa situação. Ele junta-se com outros jovens e vai fazer um projeto para acabar com a lixeira. Ele vai ter de fazer roteiros de pesquisa para perceber porque é que há lixo, o que é o lixo, o que é isso de recolha seletiva de lixo. Ele vai ter de reunir muitos objetivos do currículo nacional, de ciências, matemática, estudo do meio, português, para resolver. Mas não ensinamos tudo assim. Há objetivos que é impossível incluir nesses projetos que partem das necessidades, então aí nós fazemos os projetos paralelos, alternativos, porque não podemos permitir que a criança não aprenda todos os objetivos do programa.

Esses projetos funcionam de acordo com o modelo tradicional de aulas?

Não! Vou perguntar-lhe e assim pergunto a muita gente: sabe fazer a raiz quadrada? Já não se lembra! Sabe qual a fórmula para calcular o volume da esfera? Não, pois não? Eu posso continuar a perguntar-lhe coisas do ensino básico e você não sabe. E agora pergunto: não teve aulas sobre isso? Aprendeu? Não. Numa aula não se aprende nada. Aprende-se no contexto de projetos, com roteiros de pesquisa, com mediação pedagógica devidamente feita e com avaliação formativa contínua e sistemática, preferencialmente com portefólios digitais de avaliação. É isto.

E é possível fazer diferente e cumprir com os programas, currículos e alcançar metas de aprendizagem?

Só é possível cumprir com tudo isso fazendo diferente, porque do modo que a escola funciona o currículo não é cumprido. Os projetos não são cumpridos.

Que conselho deixa ao ministro da Educação?

Não sei. Mas posso propor que ele reúna com gente que já faz diferente para melhor cá ou se quiser ir lá fora vai ver que lá fora acontecem coisas muito boas em centenas de lugares, em muitos países. Esqueçam a Finlândia e o Norte da Europa.

 

Na Escola da Ponte não há turmas, nem testes

A Escola Básica da Ponte, no concelho de Santo Tirso, marca a diferença no ensino público português há 40 anos. Nesta escola não há ciclos, nem turmas, nem testes. A escola organiza-se em núcleos de projeto e são os alunos, em conjunto com os “tutores”, que definem, quinzenalmente, os objetivos de aprendizagem e vão sendo avaliados à medida que vão dizendo que “já sabem” aquilo a que se propuseram. Na última avaliação externa, levada a cabo pela Inspeção-Geral da Educação, a escola foi avaliada com Muito Bom em todos os parâmetros.

 

 

 

 

 

 

 

 


Entries e comentários feeds.