Porto Editora explica corte em poema de Álvaro de Campos com pedofilia

Janeiro 15, 2019 às 7:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 14 de janeiro de 2019.

Editora afirma que a versão integral do poema Ode Triunfal está no livro reservado aos professores e diz que corte de três versos no manual para os alunos não é censura.

Lusa

A Porto Editora omitiu de um manual de Português do 12.º ano versos de um poema de Álvaro de Campos, um dos heterónimos de Fernando Pessoa, por possuir “linguagem explícita” e abordar a pedofilia, defendendo que cabe aos professores decidir se estudam os referidos versos.

Três versos do poema Ode Triunfal, de Álvaro de Campos, foram substituídos por um tracejado no manual Encontros do 12.º ano, da Porto Editora. O caso foi revelado neste domingo pelo semanário Expresso.

Por opção editorial desapareceram os seguintes versos: Ó automóveis apinhados de pândegos e de putas; E cujas filhas aos oito anos  e eu acho isto belo e amo-o! –Masturbam homens de aspecto decente nos vãos de escada.

Segundo uma declaração assinada pela equipa de autores do manual e enviada para a Lusa pela Porto Editora, o poema “está disponível na íntegra no livro escolar Encontros  12.º ano, na versão do professor”. A Porto Editora também já publicou um esclarecimento na sua página electrónica.

Os autores do manual escolar acrescentam que na versão do professor estão sinalizados os versos omitidos na edição do aluno e, assim, “os docentes podem decidir se abordam em contexto de sala de aula — e de que forma — versos que têm linguagem explícita e se relacionam com a prática da pedofilia”.

A Porto Editora assume que retirou os versos, mas sublinha que “a indicação de que os versos foram cortados é visível tanto graficamente (linhas a tracejado) como através da numeração das linhas”.

Para os autores do manual, deve ser o docente, tendo em conta “as características específicas de cada turma”, a decidir se têm condições para abordar os versos em falta.

“Os professores conhecem as suas turmas e conhecem o poema integralmente, pelo que saberão também se têm ou não condições para abordarem os referidos versos com o tempo e o cuidado necessários, uma vez que podem, obviamente, constituir factor de desestabilização ou de desvio da atenção dos alunos”, acrescentam em resposta à Lusa.

A Porto Editora recusa que tenha havido qualquer tentativa de censura da obra de Fernando Pessoa, garantindo que se tratou “apenas e tão somente de uma preocupação didáctico-pedagógica — seguida pela generalidade dos manuais existentes — que permite aos professores decidirem livremente sobre a abordagem mais adequada junto dos seus alunos”.

 

 

 

Londres tem um infantário onde as crianças aprendem português e inglês

Janeiro 5, 2017 às 6:00 am | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Reportagem da http://sicnoticias.sapo.pt/ de 27 de dezembro de 2016.

sic

visualizar a reportagem no link:

http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2016-12-27-Londres-tem-um-infantario-onde-as-criancas-aprendem-portugues-e-ingles

Em Londres há um infantário bilingue onde crianças entre os seis meses e os quatro anos aprendem a falar em português e em inglês. Abriu em 2012 e cantigas, histórias e actividades são sempre ensinadas em português e inglês, sendo que para os pais é a melhor forma de garantir que os filhos nunca esquecerão as suas origens. Até as refeições são feitas de acordo com receitas portuguesas adaptadas para crianças.

Ebooks Clássicos portugueses e Algumas obras constantes das Metas de Português

Setembro 4, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação, Livros, Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Recolha dos Ebooks efetuada pelo blog https://jfborges.wordpress.com/

Ebooks Clássicos portugueses– pt de PT atual,  (download free– .epub e .pdf):

Gil Vicente:

  1. Auto da Índia (Gil Vicente)
  2. Auto da Barca do Inferno (Gil Vicente)
  3. Lendas e Narrativas (Alexandre Herculano)
  4. Eurico, o Presbítero (Alexandre Herculano)

Antero de Quental:

  1. Causas da decadência dos povos peninsulares (Luso Livros)

Eça de Queiroz:

  1. Os Maias (Eça de Queirós)
  2. Contos (Eça de Queirós)
  3. A Cidade e as Serras (Eça de Queirós)
  4. O Crime do Padre Amaro (Eça de Queirós)
  5. O Mistério da Estrada de Sintra (Eça de Queirós)
  6. A Relíquia (Eça de Queirós)
  7. O Mandarim (Eça de Queirós)
  8. O Primo Basílio (Eça de Queirós)
  9. A Ilustre Casa de Ramires (Eça de Queirós)

 

Almeida Garrett:

  1. Viagens na Minha Terra (Almeida Garrett)
  2. Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
  3. Falar verdade a mentir (Almeida Garrett)
  4. Folhas caídas
  5. Camões

 

Camilo Castelo Branco:

  1. Amor de Perdição (Camilo Castelo Branco)
  2. Novelas do Minho (Camilo Castelo Branco)
  3. Onde está a felicidade? (Camilo Castelo Branco)
  4. A caveira da mártir (Camilo Castelo Branco)
  5. Maria Moisés
  6. Gracejos que matam
  7. O filho natural
  8. O degredado
  9. O comendador
  10. A queda de um anjo

 

Fernando Pessoa:

  1. Mensagem (Fernando Pessoa)
  2. O Banqueiro Anarquista e Outros Contos Filosóficos (Fernando Pessoa)
  3. Antologia Poética (Fernando Pessoa)
  4. Livro do Desassossego (Fernando Pessoa)
  5. Livro do Desassossego (edição em pdf do “Plano Nacional de Leitura: http://goo.gl/WUCxw9).
  6. Poemas Completos de Ricardo Reis (Fernando Pessoa)
  7. Poemas Completos de Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)
  8. Poemas Completos de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)
  9. O Marinheiro

 

Júlio Diniz:

  1. Serões da Província (Júlio Dinis)
  2. Uma Família Inglesa (Júlio Dinis)
  3. Os Fidalgos da Casa Mourisca (Júlio Dinis)
  4. A Morgadinha dos Canaviais (Júlio Dinis)
  5. As Pupilas do Senhor Reitor (Júlio Dinis)
  6. O Canto da Sereia
  7. Romantismo e Realismo na obra de Júlio Dinis

 

Cesário Verde:

  1. O Livro de Cesário Verde (Cesário Verde)
  2. O percurso sentimental de Cesário Verde

 

Florbela Espanca:

  1. Livro de Soror Saudade– (Florbela Espanca) Projeto Adamastor
  2. Sonetos completos (Luso Livros)
  3. O dominó preto (Luso Livros)
  4. Máscaras do destino (Luso Livros)

 

Padre António Vieira:

  1. Sermão de Santo António aos Peixes (Padre António Vieira)

 

Raúl Brandão:

  1. Húmus  (Raul Brandão)
  2. A Morte do Palhaço (Raul Brandão)

 

Mário de Sá-Carneiro:

  1. A confissão de Lúcio (Mário de Sá-Carneiro)
  2. Dispersão (Mário de Sá-Carneiro) – Projeto Adamastor

Teófilo Braga:

Viriato (Teófilo Braga)

 

Algumas obras constantes das Metas de Português

 

 

Miúdos têm dificuldade em escrever sem erros e contar dinheiro

Janeiro 18, 2015 às 4:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 13 de janeiro de 2015.

o documento citado na notícia é o seguinte:

relatório  dos Testes Intermédios do 2.º ano do 1.º Ciclo do Ensino Básico (CEB)

Maria João Lopes

O Instituto de Avaliação Educativa avaliou quatro anos de resultados dos testes intermédios de Português e Matemática no 2.º ano do 1.º ciclo.

Saber escrever com coerência, com vocabulário adequado e sem erros. Colocar bem os acentos. Saber fazer melhor as contas com dinheiro. Estes são alguns dos aspectos identificados como frágeis no relatório, divulgado nesta terça-feira, sobre os resultados dos testes intermédios de Português e Matemática no 2.º ciclo.

Estes testes começaram em 2010/2011 e, embora não sendo obrigatórios, são feitos no 2.º ano do 1.º ciclo do ensino básico nas escolas que o pretendam. O objectivo é o “diagnóstico precoce das dificuldades dos alunos”. Há dados positivos, mas, tendo em conta os últimos quatro anos, o IAVE destaca três áreas que merecem uma “intervenção mais específica” a Português: a escrita; a gramática; e, tendo em conta as “fragilidades” na interpretação de alguns tipos de texto, a leitura. Na Matemática, também há aspectos a aperfeiçoar, como, por exemplo, saber fazer melhor as contas com dinheiro.

As dificuldades na escrita relacionam-se sobretudo com a estruturação do texto e ortografia. O IAVE considera “indispensável” que os miúdos treinem, “de forma sistemática, a construção da frase, a estruturação do texto e a produção de narrativas, individualmente, em pares e em grande grupo”.

Até 2013, a leitura e apreensão do sentido global do texto tiveram resultados “bastante satisfatórios”. Mas em 2014 foi diferente – apenas 42% das respostas tiveram o “nível máximo de desempenho”, resultados que podem ser explicados por ter sido introduzida a análise de um texto poético.

Mas é na gramática e na escrita que estão as “maiores dificuldades”. Na gramática, os acentos são um dos problemas. Em 2014, apenas 35% das crianças acentuaram correctamente as seis palavras pedidas. No ano anterior, o resultado também tinha sido “insatisfatório” – 25%. Os miúdos têm ainda dificuldade na identificação de rimas – 43% de respostas certas.

Na parte escrita, embora haja “uma ligeira melhoria” em relação a 2013, os resultados mantêm-se “insatisfatórios” – apenas 42% tiveram o “nível máximo de desempenho”, quando lhes foi pedido para fazerem um texto com a estruturação das diferentes partes. Escrevê-lo com correcção ortográfica, só 28%. Ainda em 2014, só 39% dos textos eram coerentes e só 38% com “vocabulário adequado”.

Rectângulo e quadrado

Na Matemática, “os resultados mostram, recorrentemente, pior desempenho na interpretação do enunciado de um problema e na definição de uma estratégia apropriada à sua resolução, assim como na justificação clara e coerente dos procedimentos” usados. São ainda “evidentes as fragilidades nos conteúdos que apelam à mobilização da capacidade de raciocínio”.

Nos números e operações, há uma melhoria de 2013 para 2014 na resolução de problemas envolvendo um operador. Ainda assim, a maioria não teve respostas no nível máximo – 41% em 2014 e 35% em 2013. O IAVE sugere que “seja dedicada especial atenção” ao significado do sinal de igual, ao desenvolvimento do cálculo mental e ao registo escrito das estratégias utilizadas no cálculo.

Também “o significado dos símbolos matemáticos, assim como a sua escrita, como meio de comunicação matemática, merecem”, segundo o relatório, “atenção adicional”, apesar da melhoria do desempenho dos alunos neste ponto.

Os autores do documento revelam ainda preocupação com a percentagem “elevada” de “alunos que não reconhecem o quadrado como um caso particular do rectângulo”. Em 2014, apenas 31% dos miúdos o fizeram. Também no que toca aos sólidos geométricos, “os alunos apresentam algumas dificuldades ao nível do conhecimento das respectivas propriedades”.

Os autores desta análise estão de igual modo apreensivos com a percentagem “de alunos que ainda efectuam contagens de dinheiro de forma incorrecta”: “Apesar de os alunos terem apresentado sempre desempenhos satisfatórios quando confrontados com situações relacionadas com dinheiro, ainda se notam algumas fragilidades”. Em 2014, a percentagem de miúdos que responderam correctamente foi 68%, menos 14% face a 2011. Uma diferença que pode estar relacionada com o facto de, em 2014, o valor em causa incluir euros e cêntimos e, em 2011, só euros. “Apesar de estas percentagens serem satisfatórias em ambos os casos, não deixa de ser insatisfatório que uma percentagem ainda significativa dos alunos não tenha resolvido a operação adequadamente, tratando-se de um tema recorrente e essencial no dia-a-dia”. No relatório são ainda identificadas “algumas dificuldades ao nível da leitura e da interpretação de informação”, em gráficos, por exemplo.

Em 2014, os testes intermédios foram realizados por 68.118 alunos (Português) e 68.681 (Matemática), em 839 escolas.

 

 

Ciberescola da Língua Portuguesa

Novembro 8, 2011 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Já se encontra disponível o novo serviço do Ciberdúvidas – a Ciberescola da Língua Portuguesa – com lançamento oficial previsto para o próximo dia 28 de outubro, nas instalações da Fundação Cidade de Lisboa (Campo Grande, n.º 380).
Pode obter mais informações, aqui.

Texto retirado do Boletim Informativo n.º 131 – 24/10/2011 do CIREP


Entries e comentários feeds.