Os benefícios das artes plásticas para as crianças

Outubro 9, 2016 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do site http://uptokids.pt/ de 22 de setembro de 2016.

uptokids-artes3

Os benefícios das artes plásticas para as crianças

A arte desempenha um papel importante no universo infantil. Grande parte das crianças gostam naturalmente de pintar, desenhar e brincar com cortes e recortes, mesmo sem serem estimuladas para tal.

À semelhança de todas as experiências culturais, as artes plásticas são uma ótima forma de desenvolver apetências, conhecimentos e valores que os vão acompanhar durante toda a vida. Não é por acaso que as artes plásticas são usadas por terapeutas ocupacionais e integram grande parte do programa de aprendizagem das creches e jardins de infância.

Ensina a importância de fazer

Desenhando, pintando e esculpindo é natural que as crianças guardem uma imagem projetada do possível resultado final, mas é necessário trabalhar essas expetativas. O incentivo das artes plásticas em casa ou na sala de aula é, portanto, uma ótima forma de ensiná-las a desfrutar de cada passo do processo e a saber lidar com a frustração e com a gestão de expetativas. “O importante é participar” dirão alguns, mas mais importante ainda é divertirem-se pelo caminho! Não interessa o resultado final, o que interessa é o processo – esta é uma lição para a vida.

Aproxima pais e filhos

As artes plásticas são um caminho para a interação e para preencher tempo de qualidade entre pais e filhos. Sentar-se com os seus filhos a pintar, desenhar e a criar coisas novas estreita laços familiares e promove a comunicação, a cooperação, o espírito crítico e a partilha de experiências e opiniões.

Abre as portas à criatividade individual 

Desenvolver a imaginação é tão importante como aprender a falar, saber as cores e contar até 100. Além disso, as artes visuais são uma excelente forma das crianças se expressarem, quebrando as barreiras linguísticas, principalmente em idades em que o discurso verbal ainda não está completamente assimilado.

Resiliência e autoestima

Saber falhar é a regra número 1 de um artista e essa regra é válida também para artistas de palmo e meio. É importante escolher atividades que se adaptem à idade da criança, para que haja sempre superação. Além de desenvolver ferramentas emocionais tão importantes como a resiliência, a paciência e o autocontrolo, todas as artes plásticas incluem uma boa dose de encorajamento para fazer melhor – tendo um papel importantíssimo na construção da autoestima e confiança dos mais pequenos.

Descobrir o mundo e descobrir-se

Os adultos não devem influenciar o processo criativo das crianças, mas podem dar-lhes oportunidades para elas poderem conhecer o mundo e experienciá-lo. Papel, tinta, gesso, argila e elementos naturais como folhas, terra e água são uma ótima maneira de elas terem contacto com novos materiais, objetos, texturas e possibilidades, ao passo que descobrem o mundo através deles. Sujar, claro, faz parte do processo. Aprenda como tirar tinta da roupa facilmente e não deixe de incentivar o sentido de exploração e descoberta dos seus filhos!

Consciência corporal e coordenação motora

Através do tato e da manipulação de objetos os mais pequenos descobrem o mundo, interpretam o que os rodeia e aguçam a curiosidade. O desenho, a pintura e os trabalhos manuais são um excelente “empurrão” no desenvolvimento motor da criança. No topo da lista estão a destreza dos dedos e a coordenação entre o olhar e o movimento das mãos. Logo de seguida, a consciência de si próprios e a aprendizagem de que é preciso cuidar do próprio corpo em todas as ações e atividades.

Precisa de mais argumentos?

Por Joana Teixeira para Up To Kids®

 

 

Como educar uma criança para gostar de museus

Janeiro 25, 2015 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

texto do site  http://porvir.org  de 11 de dezembro de 2014.

Especialista dá dicas para transformar passeios considerados chatos pelos jovens em experiências culturais significativas

por Heather Greenwood Davis, do Family Time

Algo estranho acontece conosco quando nos tornamos pais: nós esquecemos quão chato “o pensamento adulto” pode ser.

Quando eu era criança, a ideia de passar horas em um museu ou galeria de arte já era o suficiente para me fazer fechar a cara. E, no entanto, algumas vezes, eu me encontro oferecendo os mesmos argumentos de “devemos ir para o museu” para meus próprios filhos e, em seguida, me vejo surpresa por eles não ficarem empolgados com a proposta.

Mas, depois de dezenas de visitas a museus e uma diminuição no número de reclamações, eu acho que encontrei um segredo que vou compartilhar. Encoraje seus filhos a aprender ao longo da vida com esses cinco truques:

Crédito gow27  Fotolia com

  1. Leve em conta o que eles querem

Muitas vezes, nós, pais, começamos levando nossos filhos aos museus que estão ao nosso redor, em vez de procurar os que despertem maior interesse deles. Começando a partir dos interesses, irá garantir que eles queiram fazer o passeio, pelo menos a princípio.

Seu filho ama dinossauros? O museu Royal Tyrrell, em Alberta, nos Estados Unidos, será um sucesso (será que ainda existem fósseis de dinossauros ainda a ser descoberto nas redondezas). Eles querem ser astronautas? Então o Kennedy Space Center, vai levá-los à loucura, assim como o museu Air and Space, em Washington DC.

E se você não pode ir ao museu que te sirva com maior precisão, pelo menos, faça uma pesquisa prévia para escolher as exposições certas. A grande placa que diz “você está aqui” na entrada do museu não é hora de começar a decidir como você vai passar o seu dia.

  1. Repense como é o passeio em um museu

Paredes, teto, portas… Tudo isso é para ser levado em conta quando você está procurando uma experiência museológica. Hoje em dia, arte pode ser encontrada nos mais diversos lugares. Pense nos murais de arte pela Filadélfia, uma caminhada para ver os grafites de Toronto, ou nas exposições anuais ao ar livre em Sarasota, na Flórida, para começar.

E mesmo em suas caminhadas diárias, considere procurar arte na arquitetura em torno de você, isso pode transformar o significado que o “ir para o museu” tem para seu filho.

Você poderia ir a Paris e nunca por os pés dentro do Louvre e ainda ter muita “arte” para discutir. Deixe seu filho adolescente tirar selfies na frente de Le Mur des je t’aime. O mural possui a frase “eu te amo” escrita em mais de 250 línguas e seu interesse pode despertar. Uma visita ao popular parque Champ de Mars significa que você vai ver as imagens da famosa Torre Eiffel.

  1. Mantenha interativo

É a maneira infalível de tocar o coração das crianças, mas exposições interativas deixará as crianças maiores (e os pais) entretidos, também. Muitos de nós, jovens e menos jovens, aprendem melhor através do toque e de jogo. Procure por museus que incentivem a interação.

Levei meus filhos ao museu Experience Music Project (EMP), em Seattle, e o que era suposto ser uma visita de uma hora se transformou em uma tarde inteira, eles encontraram os instrumentos que mais gostavam em um cenário que era convidativo e não intimidador. Era comum eu precisar usar muita persuasão para fazer meu filho de 10 anos ir para as aulas de piano, mas lá ele estava lendo os tutoriais, aprendendo notas e acordes, sem eu precisar falar nada.

Não tem certeza se seus filhos gostam de arte? Leve-os para um dos tours de pijama do Artime ou às gincanas criadas dentro da Barnes Foundation, na Filadélfia, que eles vão gostar para sempre. O museu em si é muito bom para crianças e não impõe regras sobre como o passeio deve ser conduzido.

Os centros de ciência são sempre um sucesso com as crianças. NEMO, em Amsterdam, oferece diversão por dentro e por fora (há um telhado inclinado, areeiros, e uma mini-praia). No Centro de Ciências de Glasgow, na Escócia, você vai se divertir tanto quanto eles vão nas áreas de arte e educação.

  1. Comece enquanto eles ainda são jovens

Você não tem que estar na Itália – ou em qualquer outro país estrangeiro – para fazer uma visita ao ser parte da rotina.

Certa vez eu estava pronta para levar as crianças para a Galeria de Arte de Ontário, no Canadá, e os deixei engatinhar do lado de fora, onde esculturas gigantes os mantiveram hipnotizados. Um dinossauro gigante do Museu Real de Ontário nas janelas superiores fez meus filhos me pedirem para entrar, e não o contrário.

Museus também podem ser incríveis experiências de ensino para as crianças mais velhas começarem a compreender alguns aspectos menos lisonjeiros da humanidade.

No Newseum, em Washington DC, falamos sobre raça e cultura, no Anne Frank Housein, em Amsterdã, falamos sobre o Holocausto através da perspectiva desta heroína corajosa, e no museu The Apartheid, em Joanesburgo, aprendemos sobre os efeitos da segregação, pois eles lhe entregam um cartão de identificação de sua raça que dita o caminho que irá percorrer pela exibição.

  1. Vá embora cedo

Este é o segredo para qualquer coisa. Os deixe querendo mais.

Qualquer espaço se tornarchato quando você fica muito tempo nele. E quem quer voltar a um espaço quando você já esgotou todas as atividades que ele oferece?

Faça a você mesmo esse favor e não tente percorrer todo o museu em uma única tarde. Escolha algumas exposições e siga em frente muito antes das crianças pedirem isso.

* Texto publicado originalmente em inglês, no site Family Time, da National Geografic.

 

 

Oficinas Artísticas para crianças dos 6 aos 12 anos

Janeiro 8, 2015 às 4:10 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

oficinas

mais informações:

http://www.educarte.pt/

https://www.facebook.com/moveducacaopelaarte/timeline

5º Curso Educação pela Arte

Setembro 14, 2014 às 4:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

ispa

Destinatários

Educadores de infância, professores, psicólogos, psicopedagogos, animadores sócioculturais, monitores de museus, bibliotecas, lusotecas e ATL’s, auxiliares de acção educativa, enfermeiros e médicos Finalistas do mestrado integrado de Psicologia e Medicina ou de 2ºs ciclos de Psicologia (desde que habilitados com 1º ciclo em Ciências Psicológicas ou Psicologia) e finalistas das outras áreas

Objectivos

Sensibilizar os formandos para a Arte como base da educação, terapia e desenvolvimento global contínuo do individuo Desenvolver competências artísticas em interligação com os comportamentos expressivos Abordar a Educação pela Arte como metodologia privilegiada de combate ao insucesso escolar Encontrar caminhos para a reflexão e raciocínio além da matéria, incluindo a arte como facilitadora de processo criativo simplificador do relacionamento familiar e social

Programa

Apresentação Expressiva Educação pela Arte – Definição, história e fundamentos psicopedagógicos A Educação pela Arte e o desenvolvimento da personalidade, do sentido estético, dos comportamentos afectivos e do processo de socialização. Desenvolvimento das Artes do ponto de vista ontogenético e filogenético Compreensão da Arte – Retrospectivas e actualizações Técnicas Expressivas – Expressão dramática, dança, música e modelação

Calendarização

Sábado, Outubro 4, 2014 – 10:00 – 13:00

Sábado, Outubro 4, 2014 – 14:00 – 17:00

Sábado, Outubro 11, 2014 – 10:00 – 13:00

Sábado, Outubro 11, 2014 – 14:00 – 17:00

Sábado, Outubro 18, 2014 – 10:00 – 13:00

Sábado, Outubro 18, 2014 – 14:00 – 17:00

mais informações aqui

Cerimónia de Homenagem ao Prof. Calvet de Magalhães

Novembro 19, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

calvet

 

EB FRANCISCO DE ARRUDA

Calçada da Tapada, 152

1349-048 Lisboa

21 361 64 80

21 363 31 72

Escola troca seguranças por professores de artes e melhora desempenho de alunos

Maio 17, 2013 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia de O Globo de 2 de Maio de 2013.

Notícia original da DailynightlyNBCNews e Vídeo da reportagem:

Principal fires security guards to hire art teachers — and transforms elementary school

Orchard Gardens, em Boston, chegou figurar entre as cinco piores do estado americano de Massachusetts e pulou para uma das que aprimorou o ensino mais rapidamente

Escola chegou a proibir que alunos levassem mochilas por medo de armas escondidas

RIO – Cercado por crianças indisciplinadas e pelo aumento de violência dentro das salas de aula, o diretor de uma escola pública de ensino médio da cidade de Boston, nos Estados Unidos, tomou uma medida que, à primeira vista, pareceu loucura: ele demitiu todos os funcionários da segurança e, com o dinheiro, reinvestiu contratando professores de arte.

Em menos de três anos, o colégio Orchard Gardens, que figurava entre os cinco piores do estado Massachusetts, tornou-se uma das unidades onde houve maior salto de qualidade no aprendizado de alunos. O segredo?

– Não há um único jeito de se fazer uma tarefa. E a arte te ajuda a compreender isso. Se você levar isso a sério, o mesmo acontecerá na parte acadêmica e em outras áreas. Eles precisam mais do que um teste preparatório e mais do que simplesmente responder de um jeito uma questão – disse à rede de TV NBC o diretor Andrew Bott, o sexto a gerir a unidade em menos de sete anos.

Ao assumir a direção da Orchard Gardens em 2010, Bott chegou a ouvir de seus colegas que a escola era conhecida como a “matadora de carreiras” dentro da rede estadual de Massachusetts.

Construída em 2003 para ser uma referência no mundo das artes, a Orchard Gardens nunca alcançou esse objetivo. O estúdio de dança era usado como depósito, e instrumentos de orquestra estavam praticamente intactos. A violência chegou a tal ponto que alunos foram proibidos de levar mochilas. Tudo para se reduzir a incidência de armas em sala de aula. Cerca de 56% dos mais de 800 alunos da escola são descendentes de latinos, e outros 42% são considerados negros.

Mas com a substituição de seguranças por professores de arte, as paredes dos corredores viraram muros de exposição, os entulhos no estúdio deram espaço às aulas de dança e a orquestra voltou a tocar. De acordo com Bott, o contato com as artes deixou os alunos mais motivados e com maior espírito de empreendedorismo.

Um dos alunos, Keyvaughn Little, conseguiu ser aceito na disputada Academia de Artes de Boston, única escola pública do estado especializada em artes visuais e de performance.

– Todas as aulas extra-classe e a maior atenção que recebemos nos faz pensar ‘eu realmente posso ter um futuro nisso e não preciso ir para uma escola regular. Posso ir para uma escola de artes – afirmou Keyvaughn à NBC.

Workshop – Trabalhar uma Criança Diferente

Março 23, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

ispa

Objectivos

Alertar para os casos difíceis e como poder resolvê-los

Proporcionar conhecimentos diversos sobre integração

Conhecer os contributos da Educação pela Arte para a integração de crianças com necessidades especiais

Programa

Apresentação expressiva

As “crianças difíceis”

Exercícios expressivos

Estudos de casos (o albinismo…)

Contributos da Educação pela Arte para a integração de alunos com necessidades especiais

Abordagens às diferentes áreas artísticas

A importância do objecto transacional

Duração

7 horas

Formadores

Dr.ª Isabel Andrea

(Psicóloga educacional, especialista em Expressões Lúdicas e Artísticas)

Calendarização

Sábado, Maio 11, 2013 – 09:00 – 13:00

Sábado, Maio 11, 2013 – 14:00 – 17:00

Mais informações Aqui

3.º Seminário do Gil

Outubro 23, 2012 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Mais informações Aqui

Encontro SER 2011 – Sexualidade e Educação em Reflexão

Setembro 20, 2011 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

A Drª Dulce Rocha, Presidente Executiva do Instituto de Apoio à Criança, irá estar presente no dia 8 de Outubro na Mesa Redonda 2 –  “Educação, Família e Felicidade”.

Notícia do Portal das Escolas

Numa iniciativa conjunta de quatro centros de formação de professores, realiza-se nos dias 7 e 8 de Outubro, no Estoril, o Encontro SER 2011 – Sexualidade e Educação em Reflexão, que pretende constituir um momento de partilha de práticas, ideias e projectos.

O programa inclui conferências, workshops e momentos de Educação pela Arte.

 Enunciam-se, a seguir, os conteúdos a abordar no Encontro, que é promovido pelos Centros de Formação (CF) de Escolas de Cascais, Oeiras, Loures Oriental e Prof. João Soares:
-Enquadramento da Educação Sexual em Portugal e no mundo.
-Desenvolvimento da sexualidade infantil e juvenil.
-Contributos para uma vivência positiva da sexualidade.
-Estereótipos de género.
-Sexualidade na deficiência.
-Quadro ético de referência: família, escola, direitos humanos e sociedade.
-Riscos e prevenção.
-A Educação Sexual no currículo e a formação de professores.
-A Educação pela Arte como estratégia de intervenção na Educação para a Sexualidade.

 O Encontro SER 2011 está reconhecido como uma acção de formação creditada.

 Para mais informações, referentes, nomeadamente, à inscrição e ao programa, consultar o sítio SER | 2011.

“As Artes no Jardim de Infância”

Novembro 6, 2010 às 1:00 pm | Publicado em Livros, Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

“No seguimento do trabalho que tem vindo a ser realizado pela DGIDC, com vista à produção de materiais de apoio ao desenvolvimento do currículo na educação pré-escolar, será brevemente editada a brochura “As Artes no Jardim de Infância”. Inserida, tal como as anteriores publicações, numa perspectiva de operacionalização das Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar, esta brochura propõe uma abordagem metodológica de articulação entre a Expressão Plástica e a Expressão Musical.” Download do documento Aqui

GODINHO, José Carlos – As artes no jardim de infância. Lisboa : DGIDC, 2010.

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.