O lado positivo do não

Agosto 23, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Público de 13 de agosto de 2018.

António Sacavém e Paulo Sargento escrevem sobre como o ‘não’ pode ser a resposta certa para um “sim maior amanhã”.

Catarina Lamelas Moura

Foi conhecido há alguns anos o caso de uma menina britânica de quatro anos que teve de receber tratamento psiquiátrico por estar viciada no iPad. Sofria inclusive de crises de abstinência quando lhe retiravam o aparelho. Há algum tempo que os pais revelam dificuldade em contrariar os filhos e isso reflecte-se na sua educação, na forma como chegam à escola e até no futuro, no seu local de trabalho. Para os especialistas António Sacavém e Paulo Sargento, é importante saber dizer “não”.

O caso da criança britânica, que espelha a situação de tantas outras crianças, é descrito no livro de Paulo Sargento, Ensine o seu filho a dizer que não. O psicólogo desafia-nos a pensar no “não” como um acto de amor. Neste caso, dos pais para com os filhos, “num sentido de prevenir o risco, de habilitar o jovem a ele próprio saber defender-se”, explica ao PÚBLICO. No livro, apresenta uma série de situações comuns na infância e adolescência, desde o bullying aos comportamentos de risco, passando pelos perigos da Internet e pela violência no namoro. No fundo, trata-se de “ajudar as crianças e os adolescentes nas grandes decisões”, como descreve no subtítulo.

“O nosso cérebro desenvolve-se não só com processos de natureza excitatória, mas também com processos de natureza inibitória”, aponta o psicólogo. Naturalmente, há que haver comunicação entre pais e filhos. E essa deve ter por base dois elementos fundamentais: amor e criatividade. Amor na forma como disciplinam, e criatividade para encontrar soluções pertinentes para cada família e cada criança. Sargento exemplifica: se o filho mais pequeno pergunta à mãe se joga tão bem quanto o irmão, esta “seria desonesta e injusta se dissesse ‘sim’, mas também seria muito bruta se dissesse ‘não’”. Antes, pode dizer algo como: “O mano joga muito bem à bola e tu andas muito bem de bicicleta.”

São ensinamentos que levamos para a idade adulta – para a casa e o trabalho. “Vivemos numa sociedade de consumo imediato”, observa o professor António Sacavém, que lançou recentemente o livro Aprenda a dizer não sem culpas. “Não tem nada de bom nem de mau, mas estimula-nos a, por vezes, não ter a resiliência necessária para aguardarmos, pagarmos o preço, trabalharmos para depois procurarmos ter algo que se assemelha mais a uma felicidade duradoura.”

O autor defende que “o ‘não’ que dizemos hoje pode ser um sim maior amanhã”. Serve o aforismo para explicar que o “não” – ou antes, o “não-positivo”, como apresenta no livro – é, essencialmente, uma forma de estabelecermos as nossas prioridades. É uma ferramenta para gerir conflitos, “que nos convida a compreender as necessidades e sentimentos dos outros e depois a procurar uma solução vantajosa para ambas partes”, explica o autor.

Pode tratar-se de uma questão de ultrapassar a dificuldade de contrariar um parceiro, de dizer “não” ao chefe ou até mesmo de controlarmos os nossos próprios impulsos procrastinadores e mantermo-nos focados numa tarefa. Por exemplo, saber como dizer “não” a um café com um amigo, quando temos um livro para escrever. “Tive de dizer um conjunto de ‘nãos’, até durante as férias, mas procurei sempre que fossem positivos, que não pusessem em causa a relação que tenho com os meus filhos”, exemplifica António Sacavém.

As situações mencionadas não serão com certeza alheias a grande parte das pessoas. Tão pouco estes livros são os primeiros a identificar o lado positivo do “não”. O best seller do New York Times de 2016 The Subtle Art of Not Giving a F*ck tem todo um capítulo dedicado à “importância de dizer ‘não’”. Tal como Boundaries: When to Say Yes, How to Say No To Take Control of Your Life, editado pela primeira vez em 1992, chegou à lista de best- sellers.

“No fundo estamos todos a falar de uma ideia fundamental que é a construção de um cidadão, de como nos situamos perante o outro”, comenta Paulo Sargento. “É um processo que acontece ao longo da vida”, acrescenta. No entanto, depois da adolescência, “aquilo a que chamamos personalidade já não é tão moldável”.

Vários tipos de “não”

António Sacavém tem, na verdade, três variações da palavra “não”: há o “não-negativo”, o “não-positivo” e o “não-assertivo”. É nestes dois últimos que centra a sua abordagem. Permitem-nos, por um lado, manter o foco no que é importante e por outro preservar uma relação saudável com quem nos rodeia. O “não-negativo”, que define como “ácido sulfúrico para as relações”, é aquele que nos afasta de desafios que nos fariam evoluir, pelo medo da mudança, ou aquele que é dito de forma destrutiva. Já o “não-assertivo” clarifica a nossa posição, sem necessitar que “expliquemos os motivos que justificam um determinado comportamento”.

A capacidade de dizer “nãos mais competentes” pratica-se e, por isso, é essencial definirmos o nosso propósito pessoal. É isso que nos vai dar direcção “nos momentos em que temos de decidir o melhor caminho a trilhar”, escreve no livro.

Um dos primeiros passos que o autor propõe é dissociar o “não” do sentimento de culpa. “O não-positivo é essencialmente não-egoísta”, atira. Isto porque “procura conciliar os meus interesses com o do outro enquanto nos mantém focados”. O profissional afirma que “temos, enquanto seres humanos, uma tendência para misturar o comportamento com a pessoa”. “Mas dizer ‘não’ ao comportamento da pessoa não significa dizer ‘não’ à pessoa”, explica. “Duas pessoas podem sentir uma mesma afirmação que eu faça de forma completamente diferente. Somos responsáveis pelas nossas acções e não pelos sentimentos dos outros”, argumenta.

 

 

Nem permissividade, nem autoritarismo ensine-os a lidar com as consequências dos seus atos

Agosto 7, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

thumbs.web.sapo.io

Texto do site Sapolifestyle de 25 de julho de 2018.

Educar as crianças com base na autoridade deixou de funcionar. Mas o estilo permissivo que se generalizou também não surte bons efeitos. O que fazer, então? Pô-los a aprender com os seus próprios erros.

As livrarias estão cheias de manuais para educar os filhos, mas os filhos não param de arranjar formas de surpreender os pais – nem sempre pela positiva. A democratização da parentalidade, com base no princípio da cooperação (em vez de obediência), tem os seus efeitos positivos, mas deixa frequentemente nas mãos das crianças um poder que é dos adultos.

No livro The Collapse of Parenting (O Colapso da Parentalidade), o psicólogo e especialista em relações familiares, Leonard Sax, deixa um conselho liminar: “Comande, não pergunte, não negoceie”.

O médico norte-americano disse à CNN que, sem quererem, muitos pais estão a contribuir para um leque variado de problemas das novas gerações, nomeadamente, a obesidade e as doenças mentais

Leonard Sax admite que a educação autoritária, que tão bem funcionou no passado, já não é eficaz para os jovens de hoje. Mas isso não quer dizer que a obediência deva ser completamente substituída pela autogestão dos miúdos. Sax defende a premissa “ensinar as crianças através das consequências dos seus atos”. E alerta: “Mais rigidez quer dizer mais autoridade dos pais, mas isso também pode desencadear mais insanidade. Será assim tão mau permitir que a vida, e todos os seus imprevistos e circunstâncias, ocasionalmente atrapalhem as regras?”

Já Katherine Lewis, autora do livro The Good News About Bad Behavior (Boas Notícias Sobre o Mau Comportamento) defende que a velha ideia de que “quem manda sou eu, pura e simplesmente deixou de funcionar”.

Lewis tenta responder àquilo que considera ser “uma crise de autorregulação entre os miúdos” e acredita que esse fenómeno vai fazer com que quase metade das crianças venha a sofrer de problemas de humor, distúrbios emocionais ou algum tipo de dependência aos 18 anos.

Para Lewis, há quatro razões básicas para esta crise. A saber: a ascensão das redes sociais e da cultura tecnológica (que, garante, só faz o indivíduo “olhar para fora”), o declínio do tempo de vida em família, o desenraizamento social e uma educação pouco eficaz. “As crianças de hoje tendem a vaguear por aí sem grandes preocupações; são ensinadas a concentrar-se mais nas conquistas individuais do que no apoio à família, amigos e conhecidos”, disse a autora ao site da CNN.

Relativamente à responsabilidade dos pais, Lewis reforça que não os está a culpar, e pede que encarem a disciplina de outra forma. Primeiro, defende, é preciso “separar a nossa função de pais da ideia pré-estabelecida de que, como adultos, sabemos sempre o que é melhor”. E prossegue: “Embora essa abordagem autoritária tenha funcionado no passado, é ineficaz para a geração atual de jovens, mais familiarizada com a colaboração”, defende. “O volante já não está nãos mãos do pai e da mãe. Há hoje uma forte ideia de igualdade e eles sabem bem disso”.

Katherine Lewis explicou que, embora a educação autoritária ajude as crianças a serem melhores na escola e a evitarem alguns problemas, pode deixar cicatrizes emocionais. Razão pela qual, acredita, “muitos pais na década de 1980, criados por mães e pais autoritários, preferiram adotar uma abordagem oposta e seguir um estilo mais permissivo.”

O problema, sugere, é que fomos para o extremo oposto. “É daí que vem o culto da autoestima e da gratificação”, diz.

O que fazer? Renunciar à lei do medo que vigorava no passado e ajudar os miúdos a se auto-regularem. Não há receitas mágicas, é certo, mas existe uma regra permanente: “A única constante é encontrar uma forma de os consciencializar das consequências do que fazem, ao invés de avançar para a punição”, diz Lewis. “O castigo é algo imposto por alguém mais poderoso a outro, sem poder. As consequências ensinam-nos a aprender com os erros. São uma lição de vida”.

 

 

Entrevista ao pediatra Mário Cordeiro: “Os pais têm que deixar de ter tanto medo de tudo”

Agosto 4, 2018 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Entrevista da Conti outra a Mário Cordeiro. Imagem da Conti outra

Por Catarina Fonseca

É um dos mais respeitados pediatras portugueses e afirma que, embora sejamos melhores pais agora, ainda há muito para melhorar. Aqui falamos de culpa, TPCs e stresse, mas também de fins de semana e da mudança.

Somos melhores pais agora?

Somos melhores pessoas, em geral. Tenho fé na humanidade. Acredito que a maioria das pessoas tem coisas muito boas para dar, e a evolução em relação ao bem-estar, aos direitos humanos, às desigualdades, tem evoluído muito. Não é preciso recuarmos séculos. Em 1900 a média de vida em Portugal era de 40 anos. Havia bolo nos dias de festa e no resto do tempo era pão seco.

Vivemos no terror de sermos maus pais, mas nunca se falou tanto em parentalidade nem as pessoas se preocuparam tanto com isso…

Sim, às vezes até demais… (risos) Andamos demasiado preocupados com a nossa ‘performance’ enquanto pais e pelo caminho perdemos espontaneidade, naturalidade e bom senso, que são qualidades muitíssimo importantes. A naturalidade significa não andarmos sempre a pensar no que estamos a fazer ou no que o médico manda.
Quando as pessoas me dizem ‘Eu sigo-o’ dá-me sempre vontade de dizer ‘Não faça isso, que eu não sou um pregador evangélico!’. A espontaneidade é deixar as coisas correr e não ter obrigação de sermos pais ou mães iguais todos os dias. O bom senso é aquilo que nos rege sem regras nem obrigações.

Por que é que temos tanto medo de sermos maus pais?

Porque somos inseguros e estamos sempre preocupados com aquilo que os outros acham de nós. E muitas vezes essa censura social não existe. Às vezes pensamos ‘os outros vão achar que…’ e os outros não acham nada. São mecanismos projetivos: pomos na cabeça dos outros o que se passa na nossa. Outra das razões é por que a ciência nos ensinou que o que nós somos hoje radica na infância. Dantes, antes dos 18 anos a criança andava às ordens dos outros e não havia a noção de uma criança triste ou deprimida. Se estava triste era porque não tinha nada que fazer. Hoje sabemos que as crianças têm emoções e sentimentos, e que o ser humano se constrói desde que nasce.
E nós temos medo de os estragar para sempre e que a culpa seja nossa…
Sim, sim. Às vezes isso para nós, portugueses, também é um sentimento de autoflagelação e culpa, são muitos anos de moral judaico-cristã.

Para que serve a culpa?

Serve para nos redimir de algumas ações. Se eu der uma bofetada ao meu filho e achar que fui injusto, pergunto-me se, de cada vez que olhar para ele, não vou sentir-me mal. A necessidade de reparação é muito importante. É fundamental, quando se é injusto, perceber por que é que exageramos. Nós ainda temos muito a ideia de poder para com as crianças. Como não podemos bater no chefe, ralhamos ao filho. Quando uma pessoa sente que foi injustiçada, arranja um bode expiatório. E não podendo bater no S. Pedro, no governo ou no chefe, mantemos uma raiva latente que nos faz ter de mandar em alguém. E esses poderzinhos são aplicados em quem é mais frágil e mais desprotegido.

Confundimos poder com autoridade?

E autoridade com autoritarismo. Numa família, há um triângulo pai-mãe-filho, em que o filho ocupa o vértice inferior. E qualquer inversão deste esquema dá asneira. Agora, o ter de haver esta hierarquia não quer dizer que a amizade e a compreensão não dominem. Mas há de facto uma autoridade, que não se baseia no autoritarismo. Pais e filhos devem ser educados, saber argumentar, saber escutar e chegar a um consenso. Mas se não se conseguir um consenso, quem tem a última palavra são os pais.

Dê-me um exemplo de um bom castigo e de um mau castigo…

Um bom castigo é justo, equilibrado, e visa o comportamento e não a pessoa. O mau castigo é o contrário disto: pretende valorizar o castigador em vez de ensinar o castigado, e acima de tudo humilha a pessoa em vez de corrigir o comportamento. Por isso é que eu insisto muito que, antes de um castigo, devemos sempre dizer à criança ‘Eu amo-te muito’. Porque assim lhe dizemos duas coisas: não está aqui em causa o meu amor por ti e faço isto porque te amo. Ou seja, temos de passar à criança que o amor por ela nunca está em causa, apesar de eu poder estar zangado naquela altura. Porque a criança é literal, acha que vai ser deitada fora, como acontece quando não queremos qualquer coisa. O castigo deve ser acima de tudo pedagógico. Deve explicar-se o que a criança fez mal, não descarregar a nossa fúria.

Como dantes se davam reguadas na escola, na esperança de que por milagre a criança de repente ‘se lembrasse’ do que não sabia…

(risos) Totalmente. É um exemplo de um castigo absurdo. Felizmente que isso já passou. Mas repare que o que se passa com as crianças passa-se com qualquer um de nós. Se o seu chefe lhe disser ‘Olhe, ó Catarina, neste seu artigo há aqui umas coisas que gostaria que abordasse com mais pormenor, veja lá se eu não tenho razão, você faz isso tão bem”, você vai-se embora toda motivada para emendar o artigo. Agora se eu lhe disser ‘Este seu texto está uma verdadeira porcaria, você acha que eu vou publicar essa porcaria?’, isso só vai gerar ressentimento.

Mas já estamos a educar melhor, não?

Sem dúvida. Houve uma mudança geracional muito grande e muitíssimo repentina, que apanhou a era da internet e a evolução da ciência. As mudanças de paradigma nestes 20 anos foram uma explosão brutal, e é normal que por vezes se ande um bocado confuso com tudo o que nos chega.

O que é que estamos a fazer mal e a fazer bem?

De bem, aprendemos a valorizar as crianças, a estimular a autonomia, o esforço, o rigor (isto quando os miúdos não são abebezados). O que se faz de mau corresponde a um grande paradoxo na nossa sociedade: por um lado, infantiliza-se muito as crianças, por outro, dá-se-lhes um estatuto de ‘crescido’ e de opinativo que não condiz. Mas o pior, para mim, é o stresse diário em que mergulhamos os nossos filhos.

As crianças estão a ter cada vez mais uma vida muito parecida com a nossa, não é? Chama-lhe ‘vida mais-do-mesmo’: levanta, vai à escola, volta, banho, tpcs, cama…

Há duas coisas terríveis: eles trabalham demais na escola e submetemo-los a deslocações enormes. Um estudo provou que se uma pessoa for a caminhar o cérebro vai registando e descodificando as imagens à sua volta. Mas se for à velocidade de um automóvel, as imagens passam tão depressa que fazem o mesmo efeito de uma lâmpada a piscar, e essas imagens são lixo que ocupa o cérebro. A criança quando chega à escola já vai cheia de informação que não é nada. Tudo o que tem na cabeça são vertigens sem sentido, e este ‘lixo informativo’ é altamente stressante e tóxico porque o cérebro tem de se esforçar para perceber onde é que o vai ‘arrumar’… É por isso que muitas crianças chegam estoiradas ao meio da manhã. E depois os pais queixam-se de que elas estão desatentas. Elas não estão desatentas. Elas estão entupidas de informação inútil.

Como se quebra o ciclo do cansaço?

Além de se tentar que as crianças durmam mais e melhor (já agora, repare que investimos balúrdios num carro e ninguém investe num bom colchão) temos de perceber que nós não podemos ter tudo. Estamos habituados a ter o mundo na ponta dos dedos, e o acesso à informação imediata dá-nos uma sensação de omnipotência, de que podemos saber tudo e dominar tudo e ter tudo. Mas não podemos. Portanto, há que fazer concessões e escolhas.

E o que é que podemos fazer?

Por exemplo, podemos organizar-nos num estilo de vida em que as crianças possam ir para a escola de transportes. A partir dos 11, 12 anos podem perfeitamente andar de transportes. Nós é que somos bombardeados todos os dias por medos absurdos. Claro que o ideal é irem a pé para escola. Uma cidade é para se observar, para fruir. Os meus filhos sempre foram a pé. Mas eu dizia-lhes: ‘Se alguma vez vos apanhar a atravessar fora da passadeira, acaba-se logo isto.’ Não há autonomia sem responsabilidade.

O que acha da quantidade de TPCs que muitas crianças levam para casa?

Acho um perfeito disparate. Aceito alguns trabalhos, mas esta história de mais do mesmo é um atestado de menoridade à escola, que não soube ensinar-lhes o que eles precisavam de saber durante o tempo de aulas. Os pais devem proteger as crianças, e se necessário escrever ao professor: ‘O Manel hoje não teve tempo de fazer os TPCs’.

Mas os pais têm medo de que as crianças fiquem para trás…

Ai mas têm de deixar de ter tanto medo de tudo. Temos de ter uma voz mais ativa na educação das crianças. E são esses medos, mais do que o desinteresse, que desapoiam a criança. Devíamos ter associações de pais mais participativas.

Fazia os TPCs com os seus filhos?

Não os fazia com eles, mas sempre estive disponível para fazer revisões ou para tirar dúvidas. Eles sempre andaram e andam numa escola pública, e só tinham trabalhos aos fins de semana, o que eu apoiava. O que eu fazia era revisões antes dos testes. Mas fazer os TPCs com eles, nem pensar. As crianças têm de ser responsáveis pelo que têm de fazer, e os pais têm de estar disponíveis para uma dúvida ou outra, ou por exemplo para ensinar a investigar no Google.

Muitas pessoas querem filhos-troféu?

Querem um filho como um processo narcísico. Em vez de ‘que lindo filho que eu tenho’, pensam ‘que lindo pai que eu sou, que tenho um filho tão lindo’ (risos). Há pessoas que planeiam um filho como parte das ‘coisas’ que querem: uma casa, uma carreira, um carro, um emprego, um filho. Ora isto são domínios completamente diferentes em termos de realização. Um filho não é um bem, como um frigorífico, um filho dá trabalho, e as pessoas têm de se capacitar disso. Temos é de arranjar um equilíbrio entre as ‘peças’ do puzzle da nossa vida. Tanto é mau aquelas pessoas que acham que podem continuar a fazer tudo o que faziam quando não tinham um bebé, como as que se me vêm queixar: ‘Nunca mais fui ao cinema desde que o João nasceu.’ Isso é ser um bom pai ou mãe? Não, não é.

E depois o casamento ressente-se?

Claro. Porque deixamos de ser o Zé e a Maria e passamos a ser o pai e a mãe do João. E a relação conjugal não é a relação parental. Na relação conjugal, os filhos não devem entrar. Mas quando o INE nos diz que mais de metade das mães só terão um filho, as mães agarram-se àquele ser e infantilizam-no para lá do natural.

Por que é que gostamos tanto de manter os filhos bebés?

Porque as mães são o pólo regressivo e os pais o pólo de crescimento. Quando trabalhamos, por exemplo, estamos numa postura de crescimento. Em casa, estamos em ‘regressão’, relaxamos. As mães representam a segurança e proteção, os pais, o desenvolvimento e a progressão, o que não significa que muitas vezes as mães não façam de pais e vice-versa. Por isso, quando um filho cresce, dirige-se para o pai. E a mãe sente isso como uma traição. ‘Olha aquele agora só quer o pai’. Antigamente, quando a criança se dirigia para o pai, a mãe já tinha outro bebé na barriga. Hoje, isso deixa um grande vazio na mãe. E num país com uma das mais baixas taxa de natalidade do mundo, isto é dramático.

E depois culpabilizamo-nos por passarmos pouco tempo com eles…

E comparamo-nos com uma utopia que nunca existiu. Dizemos que as nossas mães passavam mais tempo em casa, mas as portuguesas sempre trabalharam imenso. Elas trabalhavam, tinham vida social, tinham hobbies, só que era tudo feito de modo contínuo. Um bocadinho com os filhos, depois apanhar couves, depois ir à loja, eram ‘bocadinhos’, o que dava uma sensação de continuidade. Não se vivia em ‘blocos’ de 8 horas. Mas a vida mudou radicalmente em pouquíssimo tempo. Tudo estava próximo, mesmo dentro das cidades a vida organizava-se em ‘aldeias’. Hoje isso perdeu-se.

O que podemos fazer?

Aproveitar as férias e os fins de semana para sair do esquema quotidiano, por exemplo. Deixar esse exibicionismo dos automóveis e das roupas e preocuparmo-nos mais com o que é verdadeiramente importante, porque não é isso que nos faz felizes. Mesmo as crianças já valorizam muito as coisas não pelo seu valor em si, mas pelo que custaram. Isto é espantoso! É mesmo isto que queremos passar-lhes? A cultura das marcas? Podíamos conversar mais com eles, discutir ideias e valores, coisa que não estão nada habituados a fazer.

Eles hoje é mais ecrãs?

Eles e nós. A ideia da tecnologia é poupar-nos esforços e libertar-nos. Mas não nos devia libertar para mais do mesmo! Devíamos usar esse tempo que ganhámos para qualquer coisa mais humana, ir passear, conversar, ir a uma esplanada, estar olhos nos olhos. Ou seja, devíamos pensar de vez em quando no que é que queremos da vida e no que pretendemos dos próximos anos. E o que é que podemos fazer para lá chegar. De certeza que haverá uma ou mais coisas que podemos mudar. E ter essa coragem de mudar. Temos muito medo da mudança. Às vezes vejo pais aflitíssimos porque a Rita vai mudar de escola e vai ter professores novos e colegas novos e ai ai ai. Mas qual é o problema? Mudar é saudável, cria-nos aptidões novas. Traz pessoas novas às nossas vidas, em vez de passarmos anos a fio no mesmo sítio, todos iguais uns aos outros e a debitar as mesmas banalidades. Isto é um desperdício da condição humana.

Fonte: ACTIVA

 

As crianças precisam da autoridade dos pais – Eduardo Sá

Julho 9, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Photo by Allen Taylor on Unsplash

Texto de Eduardo Sá publicado no site https://www.eduardosa.com

Há uma linha que separa a autoridade do autoritarismo. A autoridade é um exercício de bondade; o autoritarismo aquilo que se reclama quando os bons exemplos não coincidem com tudo o que se exige. Porque é que as crianças precisam da autoridade dos pais? Porque se as rotinas dão um perímetro mais ou menos familiar a tudo aquilo que desconhecem, a autoridade dá-lhes “um norte”. Um conjunto de nãos que, todos juntos, lhes trazem as regras que, em conjunto com as rotinas, orientam e estruturam as crianças, mesmo quando elas estão longe dos pais. As rotinas e as regras funcionam como um  “estabilizador de humor” que, quando não são demasiado opressivas, se adequam aos ritmos dos filhos e aquilo que se espera delas em termos sociais, fazendo uma ponte entre o dentro e o fora das crianças e o dentro e fora da família.

As crianças precisam de regras, portanto. As regras, se forem claro para elas, consolidam-se em função da autoridade que as crianças reconhecem aos pais. E a autoridade resulta da coerência dos nãos que elas têm por parte dos pais. Ora, é aqui que, grande parte das vezes, tudo se complica. Os pais entendem que explicar, negociar ou justificar as regras os torna mais democráticos e que isso ajudará a que as crianças, percebendo melhor aquilo lhes é pedido, acatem, de forma muito mais fácil, aquilo que eles esperam do seu comportamento. O resultado é, todavia, completamente ao contrário daquilo que os pais mais desejam. As crianças, sempre que sentem este “furor dialogante” dos pais, interpretam-no como um sinal de insegurança; de quem está a exercer a autoridade numa atmosfera de “desculpa qualquer coisinha”. E as consequências não são, seguramente, as melhores. Ficam mais assustadas, porque lhes falta “o norte”. Ficam muito mais agitadas, porque nem sempre aquilo que os pais esperam delas fica muito claro. E ficam muitíssimo mais desafiadoras, porque lidam com eles como se lhes estivessem sempre a dizer: “ainda está para nascer quem terá mão em mim!…”. Como se isso, só por si, não chegasse, à medida os pais vão saltitando entre os avisos, as ameaças, as explicações, a forma como “falam ao coração” e os desabafos com que capitulam diante de tudo isto, ao mesmo tempo que e os momentos se zangam, com clareza,  há muitas outras vezes em que “varrem para debaixo do tapete” uma asneira, duas asneiras, muitas asneiras… que não são “taxadas”, devidamente, pela sua autoridade. O que faz com que, à sétima ou à oitava asneira, os pais se zangam com “juros, sobretaxas e coimas adicionais” o que os leva a que, inevitavelmente, nunca sejam justos (porque a sua zanga acumulada faz com que sejam desproporcionados em relação a essa “oitava” asneira), para além de serem imensamente confusos (porque deixaram passar asneiras, talvez, mais graves do que essa “oitava” que os filhos terão feito, e acabam a zangar-se diante de uma outra que justificaria muito menos zanga da sua parte. Tudo isto quando, no entretanto, explicaram, justificaram e negociaram as regras, “mil vezes”. E depois de terem ameacado e avisado os seus filhos outras tantas “mil”.

Quando me falam do seu desespero e me dizem: “Eu já tentei tudo”, eu sorrio. Sobretudo porque não duvido que o “tudo” de que me falam é, inequivocamente, verdade. E , sempre que reajo e, tentando ser levemente provocatório, lhes digo que – regra geral – os nãos não se explicam, eles ficam um bocadinho atónitos e respondem: “Já percebi! Ou é assim, ou não é!”, rematando, de seguida: “Devo ser, portanto, autoritário!”. Mas, mal eu aceno com a cabeça, concordando como o “Ou é assim…” enquanto lhes garanto que isso não é ser autoritário, eles ficam confusos. Por mais que lhes garanta que as explicações são mais ruído do que uma mais-valia. Porque as crianças já têm nos exemplos dos pais a razão de ser das suas exigências. Por mais que lhes recorde que as crianças reconheçam aos pais a sua autoridade, baseadas no pressuposto que eles nunca lhes exigirão nada que não sirva para as proteger. E que, aquilo em que falham, é o no modo como, nem sempre, são coerentes nos nãos que impõem aos seus filhos, no tom com que se zangam (que faz com que muitos nãos se transformem em nins) e nas consequências que retiram dos nãos (que, ora tão depressa se transformam em castigos em formatos XXL, ora se resumem a um breve sermão). Às vezes, o embaraço dos pais é tão grande, que me perguntam, então, como é que se devem zangar, depois de avisarem os filhos duma forma um bocadinho “seca” (só duas vezes!!). Habitualmente, eu proponho: “E que tal… passar-se?…”, as mães – sobretudo elas – entram em “modo de alarme”. “Tem noção daquilo que eu sou capaz quando me passo?…”- perguntam-me elas. E eu digo: “Acredite que tenho. À “oitava” asneira ninguém se passa em “português suave””.

Moral da história: o “Ou é assim ou não é” dos pais da actualidade não tem nada a ver com os pais de antigamente. É bondoso, é democrático, traz regras e rotinas e faz os filhos crescer. Eu compreendo que os pais da actualidade tenham passado por muitos em que, à conta do “Ou é assim ou não é” de antigamente, se tenham sentido vítimas do autoritarismo. Mas sempre que ficam presos a isso, na ânsia de serem muito melhores pais, estragam os filhos. Porque não há como eles crescerem sem regras claras. E elas precisam de ser uma espécie de “piloto automático de nãos” com que as crianças façam uma triagem entre o bem e o mal, entre o medo e a coragem, entre o desconhecido e a curiosidade e, já agora, entre o passado e o futuro.

 

 

Daniel Sampaio: “Vivemos uma espécie de Big Brother familiar, todos a vigiarem-se uns aos outros”

Junho 4, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Entrevista do Observador a Daniel Sampaio no dia 22 de maio de 2018.

Ana Kotowicz

Pornografia, sexo, álcool, saídas à noite. As maiores preocupações dos pais estão no livro de Daniel Sampaio, no qual pede aos adultos que repensem a forma de comunicar com os filhos adolescentes.

“Deixe-me contar-lhe uma história curiosa…” Daniel Sampaio, que já a seguir nos vai falar sobre O homem que matou Liberty Valance, abriu-nos a porta de sua casa para conversarmos sobre o seu mais recente livro, “Do telemóvel para o mundo: pais e adolescentes no tempo da internet”. O título, como se vê, é auto-explicativo.

Ao longo da conversa, vai partilhando vários episódios do seu dia a dia, embora dizendo que não valem a pena ser referidos nesta entrevista. Este é um deles: “Ontem à noite vi um filme antigo, gosto muito de ver filmes antigos, e entrava o Lee Marvin, um ator de filmes duros. E eu lembrei-me de uma cena de outro filme em que o Lee Marvin atira um café a ferver para cima da namorada e ela aparece com uma cicatriz. Aquilo impressionou-me muito quando vi. Andei à procura na internet e descobri o nome da atriz e o filme onde isso se tinha passado. Isto é uma coisa maravilhosa, é uma recordação minha, antiga. O filme é de Fritz Lang, um filme muito antigo, e eu jamais encontraria esta cena numa enciclopédia de cinema.”

Com este exemplo, o professor de psiquiatria jubilado, de 71 anos, quer exemplificar aquilo que tenta dizer aos pais dos adolescentes no seu 27.º livro: as vantagens da internet superam largamente os riscos. Riscos, como diz, existem em todo o lado, “até quando usamos uma faca”. Frontalmente contra que as famílias se espiem na internet, defende que o importante é saber utilizar esta tecnologia e não deixar que ela se torne motivo de conflito. “Sabe… tenho consultas que nada têm a ver com psiquiatria. As pessoas não estão doentes, estão só a gerir mal a comunicação na família”, diz, sentado no sofá do seu escritório em casa, ao mesmo tempo que faz questão de lembrar que é psiquiatra e não psicólogo. Pelos últimos tem muito respeito, é até a profissão do seu filho, mas ele, Daniel Sampaio é psiquiatra com muito orgulho.

Do seu lado esquerdo vê-se um quadro do surrealista português Raúl Perez que mais tarde irá sugerir ao fotógrafo que aproveite para o enquadramento do seu retrato. “Já sei que o escritório tem pouca luz e que o espaço é pequeno. Também já sei que pestanejo muito. Mas não quer aproveitar este quadro? É surrealista, é lindo, é a melhor peça que tenho cá em casa.” Quanto ao início da conversa, e ao duro Lee Marvin, também nós fomos à internet. O filme de Fritz Lang, de 1953, chama-se Corrupção (Big Heat) e a namorada é Gloria Grahame. A partir daqui, a conversa começa e acaba nos telemóveis e na Galáxia Internet.

Posso deixar aqui o telemóvel? O meu colega fotógrafo vai avisar quando estiver próximo de nós.
Claro que sim. O meu está aqui [diz, pondo a mão no bolso]. Os telemóveis hoje fazem parte de nós, vão connosco para todo o lado.

Nem de propósito, é mesmo sobre telemóveis que vamos falar.
Vamos lá, então.

Nós, como diz, andamos sempre com o telemóvel atrás. Mas como é que devemos agir quando os miúdos nos começam a pedir o telefone?
Quando as crianças começam a exigir — e a palavra é mesmo exigir — é importante que nos sentemos ao lado deles a dizer desde muito cedo: “O que é que estás a ver?”, “Como é que estás a jogar este jogo?”, “Olha que não deves estar muito tempo com esse jogo, vamos interromper, vamos jogar um jogo de tabuleiro, vamos para a rua”. É importante introduzir a ideia de que o telemóvel é para usar durante um curto período de tempo. Mas se deixarmos uma criança sozinha com um tablet como vemos hoje, enquanto os adultos vão fazer outra coisa, passamos a mensagem errada. Hoje estive com uma pessoa que me disse que uma criança com um ano já tem uma grande apetência para pedir o telemóvel. E os pais dão-lho porque para eles o telemóvel é completamente banal. Nós adultos estamos sempre com o telemóvel.

Estamos a falar de crianças de 5, 6, 7 anos?
Ou menos, mesmo com 4! Se observar nos restaurantes, é muito frequente ver crianças de 4 anos com um ipad na mão enquanto os pais ou estão no telemóvel ou estão a comer, não é?

Ainda há dias assisti a isso. Era uma criança que teria uns dois anos, no máximo, e a mãe ainda antes de vir a refeição, preparou o tablet com uns desenhos animados e durante todo o tempo em que esteve a dar de comer à criança, ela esteve a ver o que se passava no tablet.
Seguramente que isso se passa em casa também. Temos de evitar que a criança se habitue a estar a fazer outras coisas enquanto está no tablet. Temos de evitar que ele seja utilizado como uma ama eletrónica. O que estamos a pedir é que seja o dispositivo a tomar conta da criança.

Às vezes, os pais estão desesperados…
Sim, claro, se for por um curto período não tem qualquer problema. Aliás, não há qualquer problema na utilização do telemóvel se tivermos a ideia de que tem de ser um curto período de tempo e de que aquelas horas de que eu falo no livro, que são horas fundamentais para os jovens e a família, sejam preservadas: a hora do pequeno-almoço, a hora de chegar a casa, a hora de jantar e a hora de deitar. Depois pode haver muita abertura… Mas é importante perceber que é preciso ensinar a fazer uma boa utilização quando se dá um telemóvel a uma criança de 10 anos.

“Uma criança com um telemóvel antiquado vai ser alvo de piadas”

É essa a idade certa para a criança ter o seu primeiro telemóvel?
É a altura que eu acho que é adequada. Mas deve dar-se um smartphone, não se deve dar um telemóvel de teclas, porque isso vai fazer com que sejam gozados na escola. Temos de perceber que se damos um telemóvel antiquado a uma criança de dez anos, que até poderia ser adequado para a idade, ela é automaticamente alvo de piadas na escola.

Mas a pedagogia do telemóvel não pode começar só aos 10 anos, pois não?
Não. A pedagogia do ecrã começa com a televisão. Os adolescentes não vêem televisão praticamente nenhuma e se precisarem vêem no telefone. Mas as crianças vêem. Podemos começar a pedagogia do ecrã desde muito cedo para que elas saibam ver televisão moderadamente e para, mais tarde, quando entrarem em contacto com o computador e o telemóvel, também os saberem utilizar de uma forma correta.

A televisão pode então ser uma preparação para mais tarde saberem usar um telemóvel?
É essa a ideia.

E o que devem os pais fazer nessa altura?
Restringir o tempo. No livro, tenho a certa altura uma proposta que não é minha, é do Serge Tisseron [psicanalista], sobre a utilização dos ecrãs. Eles começam com desenhos animados na televisão. Devem ver durante um curto período e não estar muito tempo a ver televisão para criar, desde logo, a ideia de que qualquer visionamento tem de ter uma regra de utilização. O que é fundamental é criar nas crianças e nos jovens a ideia de uma boa utilização. A internet é uma coisa maravilhosa se for bem utilizada.

A internet tem esse lado óptimo, um estudante pode ver uma palestra que se está a passar do outro lado do mundo e já ninguém procura enciclopédias de papel.
Isso é muito importante. Tenho ali uma Enciclopédia Larousse, muito boa, mas que já ninguém utiliza. A internet tem esta coisa maravilhosa, abre para o mundo, permite aumentar o conhecimento, marcar uma viagem, marcar um restaurante, um encontro amoroso… Sou contra que se diga que a internet é uma coisa má. Tem riscos, mas qualquer coisa tem riscos. Uma faca pode ter riscos. É preciso é interiorizarmos esta ideia, desde muito cedo, de que a internet onde eles todos vão viver é uma coisa extremamente positiva, desde que bem utilizada.

É uma porta para o mundo, como diz no livro?
Essa é a perspetiva que tem de ser dada. Porque, se não é trabalhada na infância, transforma-se num instrumento de poder de filhos contra pais. Depois os pais têm necessidade de repor o poder na família e vivemos uma espécie de Big Brother familiar, o Orwelliano, no sentido do livro “1984”, não no sentido da TVI. Tudo a vigiar-se uns aos outros.

Vê isso acontecer nas famílias, essa vigilância excessiva?
O que se passa em algumas famílias é muito preocupante: é a entrada nos telemóveis dos filhos, a vigilância constante do computador de casa, o tal Big Brother Orwelliano. E esse é o principal motivo para não haver confiança entre pais e filhos, porque as pessoas passam a vida a vigiar-se umas às outras. Há casais que também se espiam no telemóvel. Mas quando os pais entram no telemóvel dos filhos, depois ficam prisioneiros por que não podem confessar que o fizeram. Descobriram coisas que não gostaram.

E depois o que é que os pais fazem com a informação que recolheram dos telemóveis dos filhos? 
Não conseguem fazer nada. Esta semana tive uma consulta onde estava um rapaz de 14 anos que frequentava sites pornográficos — muito frequente nestas idades — e o pai marcou uma consulta para lhe poder dizer que estava a espiar o telemóvel. A consulta foi muito difícil, porque o filho tomou consciência de que o pai andava a entrar-lhe no telemóvel e ficou extremamente zangado. Tive de trabalhar o conflito, porque o pai ficou preso à sua informação.

Então como é que se pode fazer de outra forma?
Através da confiança. Através de o pai e a mãe estarem habituados a partilhar o mais possível aquilo que os filhos fazem nos ecrãs. Claro que há sempre uma zona que os filhos não vão partilhar, mas se houver algum problema significativo, o filho que está habituado a partilhar os problemas com os pais desde o princípio vai fazê-lo.

“Quando os filhos sabem mais do que os pais, o poder na família é abalado”

Diz-nos no livro que, pela primeira vez, e falando dos telemóveis, os filhos sabem mais do que os pais. Isto cria conflitos na família?
Esse é um ponto fundamental. Escrevi este livro porque sei que há muitos conflitos na família a propósito da internet e do telemóvel. Foi o ponto de partida. Ao longo da história, as gerações mais velhas sempre tiveram maior experiência de vida e souberam mais do que os filhos em praticamente todas as circunstâncias. Pela primeira vez com estas novas tecnologias — que não são tão novas assim, mas continuamos a chamá-las novas — os filhos têm um conhecimento maior de que os pais, sabem mais. Isso faz com que a situação de poder na família, que deve estar sempre do lado dos pais, seja abalada. Donde, uma advertência dos pais aos filhos é rejeitado com a expressão “não sabes nada disto”. E é mesmo esta a expressão que se usa. Não sabes nada disso. Isto gera um desequilíbrio de poder que tem sido fonte de conflitos.

E os pais estão preparados para esta inversão de papéis?
Os pais estão a preparar-se, sobretudo os mais novos. Os pais das crianças estão mais preparados e há uma grande diferença entre eles e os pais dos adolescentes, que têm 45 anos aproximadamente. O que está a acontecer é que a partir dos conflitos de utilização do telemóvel, começam a surgir outros problemas na família que têm a ver com a intimidade, com a privacidade, com a gestão da hora do sono, com a relação com os amigos… Problemas que foram levantados por uma situação que devia ser banal na família e que é a autoregulação da internet.

Está a fazer uma diferenciação entre pais de adolescentes e de crianças. O nível de problemas tem também a ver com o conhecimento que os próprios pais têm das tecnologias?
Claro. Os pais mais novos têm mais experiência, mais conhecimento, estão mais à-vontade e isso facilita. Os pais das crianças atuais estão mais alerta para o problema e quando esses filhos chegarem à adolescência poderão gerir melhor a situação. Muitas vezes o que aconteceu foi que os pais não fizeram nada durante a infância, deram o telemóvel aos filhos aos 10 anos, e continuaram sem fazer nada. Depois surgem os problemas.

Se não os ensinamos a pôr a roupa suja no cesto quando têm 5 anos, não vão passar a fazê-lo só porque um dia fizeram 15 anos. É isso?
Sim, como a história da cadeira que quase todos têm no quarto, onde deixam a camisa usada para vestir noutro dia. Um dia vou escrever sobre isso. Esta regra tem de ser explicada na infância, que a roupa não fica atirada, tem de ser arrumada. Ou seja, uma adolescência saudável ganha-se na infância. É muito importante passar essa mensagem. As pessoas dizem: “Não deu problema nenhum na infância, mas agora está a dar.” É verdade, mas na infância os pais tinham uma grande possibilidade, um grande poder sobre a criança. Depois perdem poder, perdem autoridade. Se as regras não estão interiorizadas, é muito mais difícil na adolescência conseguir isso.

Ou seja, os pais não podem esperar que um dia os jovens passem a respeitar regras que nunca lhes ensinaram na infância. É isso que quer dizer?
Sim, sim. Há outra coisa a propósito disso. É a ideia de que a adolescência é uma fase em que vai haver muitos problemas, mas vai passar. Essa é uma ideia errada. A adolescência, de facto, tem problemas, mas se não tivermos uma intervenção nos problemas, não vai passar. Pelo contrário, vai-se agravar. Como sabemos que a adolescência se prolonga, muitas pessoas chegam à idade adulta com problemas que podiam ter sido resolvidos antes. Deve-se intervir. Os pais devem ter uma atitude muito presente, bastante assertiva, com envolvimento. E isso é muito mais fácil se tiver havido essa relação na infância.

No livro usa a imagem de que os pais devem ir sentados no banco de trás do carro durante a adolescência dos filhos.
É uma metáfora que funciona bem. Primeiro, os pais devem conduzir o carro, depois devem passar para o lado do volante quando ele fizer 18 anos e começar a conduzir, e depois devem ir no banco de trás. Significa que temos sempre de acompanhar a vida dos filhos, mas que o controlo que vamos exercer é menor à medida que eles vão avançando na idade. Os pais nunca podem achar que os filhos podem estar sozinhos — aquilo a que eu chamo a educação indulgente, que é deixar fazer tudo, não haver vigilância nenhuma —, mas também tem de haver envolvimento afetivo.

A tal parentalidade construtiva de que fala?
Quando introduzo o tema da parentalidade construtiva, que é baseado em muitos estudos, não quis maçar o leitor com muita informação, mas há dados consistentes que dizem que se os pais tiverem uma atitude com autoridade, sem autoritarismo, e ao mesmo tempo estiverem envolvidos afetivamente, se partilharem a vida dos filhos, se forem acompanhando, se se interessarem, esta parentalidade é mais eficaz e funciona como modelo. É muito provável que esses filhos quando forem pais tenham esse modelo apreendido. Se os pais forem muito autoritários, ou pelo contrário muito permissivos, é muito pouco provável que funcione.

Aliás, diz isso no livro, que o tipo de parentalidade que exercemos influencia de forma determinante a adolescência.
Não é só os anos da adolescência. Há estudos que dizem que influencia também as gerações seguintes, porque esse modelo, apreendido pelo adolescente, vai ser posto em prática quando ele, mais tarde, for pai ou mãe.

“É utópico pensar que um rapaz de 16 anos não vai beber”

Até porque quando somos pais acabamos por ir buscar memórias de que não nos lembrávamos há anos, não é?
Começando logo pelo parto. As mulheres lembram-se sempre das suas mães na altura do parto, é muito frequente. E quando não têm uma boa relação com a mãe é mais difícil. Os avós também são cada vez mais importantes, vivem mais tempo, têm mais saúde e há muitos divórcios. É um papel muito significativo, como o dos padrastos e das madrastas, a quem se deve tirar a carga negativa, porque em muitos casos são extremamente importantes e positivos para os adolescentes. O importante é ter adultos disponíveis por perto dos adolescentes. As pessoas pensam que os jovens não gostam de falar com adultos e isso não é verdade. Os jovens gostam de falar entre si, mas gostam de ter momentos com os adultos.

Por falar na conversa com os adultos, no livro diz que não faz sentido estar a maçar os adolescentes com conversas muito longas…
As chamadas conversas à séria… Foi um amigo do meu neto que me inspirou, tem 18 anos. Ele dizia: “Eu ficava logo nervoso quando os meus pais diziam que íamos ter uma conversa séria.” Sobretudo no campo da sexualidade. Daí a pequena conversa: um pequeno acontecimento de vida que é comentado, uma série que se está a ver e que serve para uma pequena conversa. Quando a filha fala dos amigos e diz, por exemplo, a Carolina está grávida… Bom, isto é uma mensagem que quer dizer que ela própria está a iniciar a vida sexual e que está com esse problema. Temos de captar essas mensagens e usar esses momentos em vez daquela coisa antiga, que alguns pais ainda tentam, que é ter uma conversa muito a sério sobre a pílula ou as drogas. Nada disso funciona. Funciona a pequena coisa. “Vais sair à noite, já sei que vais beber. Mas o que deves fazer em relação ao beber? Beber pouca quantidade, beberes água e comeres antes de sair.” São três coisas fundamentais.

E isso chega?
Não chega, porque há excessos. Não digo que isto, do álcool, não é um problema. Mas é mal abordado. Para já, a grande maioria dos jovens não se vai tornar alcoólico como às vezes oiço dizer. Eles bebem em excesso e isso não é bom, mas é preciso desdramatizar o consumo e dar-lhes regras de utilização. É utópico pensar que um rapaz de 16 anos vai sair à noite e não vai beber. Se o pai lhe diz para não beber, perde autoridade. É preferível não dizer. O que deve fazer é ensinar-lhe as regras fundamentais: comer, não ter o estômago vazio, beber água, beber com moderação e não misturar as bebidas. Quando o adolescente está a sair e vai cheio daquele entusiasmo é preciso lembrar estas regras.

Essa pequena conversa funciona melhor do que sentá-los para a conversa séria?
Funciona melhor do que a dos perigos do álcool, dos jovens que acabam na esquadra ou em coma alcoólico. Eles já sabem isso tudo. O que é preciso é saber beber.

Esse estilo de conversa passa também por falar com os filhos através de mensagens ou WhatsApp?
O mais possível. É uma ferramenta que é extremamente importante e que é a comunicação instantânea. Sem ter a preocupação de estar sempre a controlar, mas ter alguma noção de onde eles estão e o que estão a fazer. Em relação aos meus netos, que me introduziram no WhatsApp, foi muito bom. Mas disseram-me: “Instagram não, avô. Não é para ti.” Mas o WhatsApp é muito bom porque podemos comunicar.

E se calhar os adolescentes respondem mais depressa a uma mensagem do que a 4, 5 ou 6 telefonemas, não é?
Completamente. Eles não gostam muito de falar ao telefone, a não ser quando namoram. Eles próprios comunicam muito rapidamente. Eles não gostam de conversas prolongadas. E os pais, a falar com eles, dizem: “Como foi a escola? Já lanchaste? Trouxeste o caderno? Ligaste à avó?” E eles respondem com monossílabos: “Sim, pai, sim, mãe.”

É o nagging de que fala no livro?
nagging é o ralhar persistente. É muito importante deixá-los descontrair um bocadinho quando chegam a casa e isso pode passar pela ida ao computador, ao telemóvel e à internet. Não faz mal nenhum. Não se deve começar logo a dizer tens de estudar, tens teste amanhã, vai tomar banho… Este tipo de persistência, o nagging, nos jovens de hoje que são mais cientes dos seus direitos, vai provocar uma contra-reação.

Essa é uma das grandes angústias dos pais de adolescentes, a perda do controle?
Sim, é o grande problema. Antes, quando os filhos ficavam na casa de um amigo, era muito fácil saber o que se passava. Telefonava-se à mãe do amigo. Hoje, o mundo é diferente, é a tal Galáxia Internet do Manuel Castells [sociólogo espanhol]. Os pais não sabem o que se passa: se eles estão a ver pornografia, se estão num site perigoso, se estão a dar elementos de identificação a um estranho… Há novos riscos, mas eles só se podem obviar com confiança.

“A confiança nas famílias é mais importante do que o diálogo”

A confiança é fundamental no mundo de hoje?
É, é a palavra-chave. A confiança nas famílias é mais importante do que o diálogo. Se vir os meus livros anteriores, eu falava muito no diálogo. O que tenho vindo a perceber é que a palavra-chave, neste momento, é a confiança. Tem de haver confiança entre as gerações. Por isso é que sou completamente contra que se espie o telemóvel, ou que se entre no quarto de um adolescente sem bater à porta. É preciso que os pais se habituem a conceder alguma privacidade, mas também é importante os filhos perceberem que estão numa casa de família e têm de ter respeito pelas convicções dos pais. Eles têm de ter o seu território privado, que é o seu quarto, mas o quarto não está fechado em relação ao que se passa à volta.

Mas os adolescentes são desconfiados por natureza…
São desconfiados porque têm muito receio de ser controlados. E quando temos só a perspetiva do controlo, sem envolvimento, o controlo torna-se excessivo e eles ficam muito preocupados com isso. Por isso é que digo sempre que é preciso tender para a autonomia. E como se vence a desconfiança? Com confiança. Parece uma coisa de La Palice, mas é verdade. Se temos uma relação de abertura — há coisas que nos vão sempre escapar como pais — mas, de uma forma geral, as coisas correm bem.

Estes pais que agora vão espreitar os telemóveis dos filhos são os mesmos que há uns anos não gostavam que as mães lhes fossem ler os diários…
Não tinha pensado nisso, mas sim, é o correspondente. Lembra-se que os diários tinham uma chave? Uns livrinhos muito bonitos, mais para as raparigas do que para os rapazes, mas tinham essa pequena chave que depois se escondia. É a mesma coisa. Havia mães que às vezes até tentavam arrombar a fechadura. É a mesma coisa, mas muito ampliada porque a internet é uma coisa muito constante.

Faz sentido sermos amigos dos nossos filhos nas redes sociais?
Acho que se pode ser amigo, mas sem ter a preocupação de controlo excessivo. Por outro lado, toda a excessiva camaradagem entre pais e filhos não é uma coisa boa, é preciso saber-se separar o que é ser pai do que é ser pai camarada. No livro conto a história de um pai que fumava charros ao pé do filho. Isso é o pai camarada e o pai camarada perde autoridade. Não é suposto sermos amigos dos nossos filhos, somos pais. Evidente que há pais amigos, mas não somos os amigos deles. A partir dos anos 1980, as gerações tornaram-se mais próximas e os pais de hoje — o Eduardo Sá diz isso e eu concordo — são muito próximos dos filhos. Isso é muito bom do ponto de vista dos afetos. Mas há o reverso, o excesso de camaradagem com a respetiva perda de autoridade. E é preciso recuperar a autoridade, mas não passa pelo regresso do não… não é isso. O caminho é a confiança e caminhar lado a lado com os filhos desde a infância.

Mas é preciso dizer não de vez em quando?
É preciso dizer não muitas vezes, mas tem muito mais força dizer não se se tiver uma relação de confiança com os filhos.

Em relação aos pais que são amigos dos seus filhos nas redes sociais, temos de pensar bem nos comentários que fazemos?
Claro que sim. Não se deve fazer comentários, devemos evitá-los, tal como as imagens que podem ser contestadas mais tarde. É preciso muita prudência com as imagens que se põem dos nossos filhos. As que parecem muito adequadas e fáceis na infância podem, mais tarde, ser detestadas. Conto-lhe um exemplo: um pai disse-me que estava radiante porque conseguiu que o filho de 7 anos fosse fotografado ao lado dos jogadores do Benfica, e perguntou-me se devia pôr no Facebook. Eu disse para não pôr. Ele vai achar maravilhoso agora, mas se calhar aos 14 ou 15 anos pode não gostar dessa imagem. Tire antes a fotografia e partilhe através do telemóvel com as pessoas amigas. Se põe no Facebook fica uma marca para sempre.

E nós não temos isso, mas os nossos filhos vão ter uma pegada digital desde o dia em que nascem.
Sabe que agora quando vão a uma festa de anos e sabem as pessoas que lá estão, a primeira coisa que vão fazer é ver o perfil dessa pessoas na redes sociais? Quando vão a uma seleção para uma entrevista de emprego, a primeira coisa que o empregador vai saber é o que consta na internet sobre essa pessoa. Descobrem-se coisas que depois não são boas paras as pessoas.

É difícil ser pai de um adolescente e ter de lidar com tantas preocupações e cuidados e alertas…
A adolescência é uma época difícil por definição. Nunca disse que é fácil, o que eu proponho e torná-la mais fácil e divertida. Não temos de ter aquela ideia de que é uma época trágica e de crise. Mas é difícil. É muito mais fácil ter as crianças com 5, 6, 7 anos. Um pai de um adolescente está permanentemente preocupado. Tem é de compensar a preocupação com as coisas positivas que tem a adolescência.

“Os adolescentes sempre viram pornografia, agora o acesso é mais fácil”

Falta-nos falar da questão da pornografia.
Adoro o tema. Adoro porque temos de falar sobre ele. O que me preocupa na pornografia — os adolescentes sempre viram pornografia— é que agora o acesso é muito simples e mais fácil. A grande questão é que nós não temos educação sexual em Portugal. Não temos sítios onde as pessoas possam falar sobre o que é a sexualidade saudável. E os adolescentes podem estar a ser influenciados por visões de imagens sexuais que não correspondem à sexualidade das pessoas.

Que tipo de visões?
O corpo da mulher é explorado, o corpo do homem é exagerado… As imagens que parecem proezas do ponto de vista sexual não correspondem à vida das pessoas e isso pode dar a ideia, sobretudo nos rapazes que vêem mais pornografia do que as raparigas, que assim é que deve ser. Isso é mau. O que é que vamos fazer? Não vamos entrar no telemóvel e ver se eles estão a ver pornografia, vamos normalmente falar sobre o tema: “É natural que estejas a ver sites pornográficos. O que é que estás a pensar sobre isso?” Isto costuma acontecer por volta dos 12, 13, 14 anos.

Um adolescente que consome pornografia com muita frequência pode acabar viciado?
Claro, é viciante. Completamente viciante porque está ligado à masturbação. E é antes do início da vida sexual ativa que o fazem, quando a iniciam vêem muito menos pornografia. Corresponde à fase da descoberta do corpo e da sexualidade. É muito possível que ao evitar falar sobre a pornografia, ela se torne viciante e o adolescente acaba com um problema de dependência.

Mas o que se pode fazer para evitar uma situação de dependência? Como disse, é certo que vão vê-la. Antigamente era mais difícil, era preciso ter coragem para ir ao quiosque, encarar o vendedor e comprar a revista pornográfica.
Devemos falar sobre a pornografia, abrir a porta de nossa casa aos amigos deles, não os deixar estar muito tempo sozinhos. Quando temos um grupo de rapazes e raparigas é muito pouco provável que vão ver pornografia em conjunto. Antigamente dizíamos que eram preocupantes os casos de adolescentes que saíam muito e que iam muito para as discotecas. Hoje, devemos preocupar-nos com um jovem que está muitas horas no quarto sem nenhum controle. Não se pode entrar lá de repente, mas deve-se chamar a atenção. E, aos poucos, eles vão falando. Temos de fazer isso: falar da sexualidade normal, não ter medo de abordar o tema, até porque é uma fase passageira.

A pornografia pode influenciar as relações futuras dos adolescentes?
Ainda não há estudos sobre isso, mas há esse receio entre os investigadores. Pode estar relacionado com a violência sexual no namoro, por exemplo. Alguns estudos dizem que eles podem estar a reproduzir comportamentos que vêem em sites pornográficos. Aí, entra novamente a educação sexual: o que se pode ver e o que se pode fazer a partir daí. Mas há esse risco, daí ter abordado este tema.

Falou sobre a necessidade de uma boa educação sexual. O que é que devia estar a acontecer nas escolas?
Como sabe, pertenci a um grupo de trabalho que lançou a Educação Sexual nas escolas através de uma lei de 2009. O que se verifica, penso que sobretudo por falta de vontade política e porque o tema não está na agenda do Ministério da Educação, é que depende muito da vontade dos professores. É uma pena. Como vimos, é muito difícil eles falarem com os pais sobre este assunto, o acesso à internet é muito fácil, e se a escola não faz nada… Temos um problema. Espero que a disciplina prometida de Cidadania não seja apenas com conteúdos muito teóricos e muito gerais, mas que seja com coisas muito práticas e que a Educação Sexual seja recuperada. Falar de educação sexual é uma oportunidade para falar de educação. À volta dela tem tudo: o respeito entre pessoas, a privacidade, o amor. A escola não é só o Português e a Matemática. Os pais são o mais importante, mas a escola pode dar um contributo, tem de dar instrução e educar.

A internet também mudou as amizades e o amor dos jovens?
Sobre a amizade, seguramente. Sobre o amor, não se sabe, é uma questão muito complexa. Não sabemos muito sobre o amor. Sobre a amizade, sim. Havia a ideia de que havia jovens com poucos amigos reais e muitos virtuais. Hoje sabe-se que não. Têm muitos amigos reais e depois continuam a contactar com os amigos reais através da internet. A amizade aumentou muito com a internet e aumentou para além fronteiras, porque há muitos jovens que através do Erasmus têm amigos estrangeiros. E isto é uma coisa completamente nova. Em relação ao amor, acho que seguramente vai ter influência, mas ainda não sabemos qual é a repercussão. Nos casais, sim, há casos de ciúmes potenciados pela internet. Nos adolescentes, ainda vamos ter de esperar alguns anos para ver.

 

 

O telemóvel é hoje uma extensão do nosso corpo, particularmente do nosso cérebro. É absolutamente privado. Perde-se a relação de confiança quando os pais começam a espreitar o telemóvel dos filhos – Daniel Sampaio

Abril 21, 2018 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Diana Tinoco

Entrevista da Visão a Daniel Sampaio no dia 5 de abril de 2018.

Texto CLARA SOARES, Fotografia Diana Tinoco

O telemóvel é hoje uma extensão do nosso corpo, particularmente do nosso cérebro. É absolutamente privado. Perde-se a relação de confiança quando os pais começam a espreitar o telemóvel dos filhos

Daniel Sampaio recebe-nos com um sorriso aberto, em sua casa, na capital. Na sala ao lado, dois dos seus sete netos estão na companhia da avó. Maria José Ferreira foi sua colega de curso, na Faculdade de Medicina de Lisboa, e com ela viria a casar-se no ano em que concluiu a licenciatura. Aos 72 anos, e a menos de dois de celebrar as bodas de ouro, o professor jubilado mantém contacto regular com a comunidade educativa da escola secundária que tem o seu nome, na Sobreda da Caparica, em Almada, e permanece fiel ao nível de atividade que lhe conhecem colegas, alunos, pacientes e leitores. Do Telemóvel para o Mundo (Caminho, 216 págs., €15,50) é o seu novo livro, que será apresentado no próximo dia 11 de abril, ao final da tarde, na Fundação Medeiros Ferreira. O autor lança o desafio a adolescentes e pais da sociedade em rede: a internet pode separar gerações mas também aproximá-las mais do que nunca. Lembra-se do seu primeiro smartphone com teclas, no início da década, quando surgiram no mercado – “os adolescentes não gostam, que são ostelemóveis dos bisavós!” e acredita que vivemos um momento decisivo e especial, para o qual devemos estar preparados. Quanto mais cedo o fizermos, melhor.

Desde que se jubilou, como passou a ocupar o seu tempo livre?

A seguir à minha jubilação, em setembro de 2016, e da última lição em outubro desse ano, houve um vazio. Foram 40 anos de vida profissional muito ativa, e nos primeiros meses senti falta da faculdade e do hospital. O trabalho de consultório aumentou e tem sido gratificante. Pertenci a dois grupos de trabalho no Ministério da Saúde, tenho lido bastante e levei um ano a escrever este livro, que envolveu pesquisa, entrevistas a jovens e referência a casos clínicos.

Continua a manter o consultório e a trabalhar fora de casa?

Sou contra os consultórios em casa! A casa é um sítio privado e deve-se separar muito bem a vida profissional da privada. Continuo a dar consultas na sede da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar (SPTF), duas vezes por semana.

A terapia familiar funciona em Portugal?

É gratificante ter mais de mil sócios e três delegações. A SPTF está muito ativa, porque soubemos organizarnos e dar espaço para que as novas famílias aparecessem: casais separados, divórcios litigiosos, guardas parentais, famílias monoparentais, outras com crianças adotadas… O mérito da SPTF, criada em 1979, foi ter-se modernizado, estando a formar pessoas das comissões de proteção de crianças e jovens.

Como era o adolescente Daniel, em relação aos pais, aos avós…?

Eu lia muito e era um pouco sombrio e muito sério. Tive alguma militância associativa na comissão próassociação dos liceus, que era uma estrutura ilegal. Acompanhei a crise académica e depois entrei na faculdade, nos anos 1960. Eu fui mais comprometido do que os adolescentes de hoje, que me parecem mais alegres.

Pergunta ao homem que lançou o Núcleo dos Estudos do Suicídio (NES): os miúdos estão bem?

A maioria está. Quando se criou o NES (em 1987), não existiam ainda os comportamentos autolesivos ou de automutilação. Nas nossas escolas falta a capacidade para dar resposta a essas situações, porque a saúde escolar está muito pobre. Embora não sendo a maioria, há jovens com problemas significativos de saúde mental e poucos pedopsiquiatras e psicólogos nos serviços públicos.

Quais as conclusões do grupo de trabalho sobre a integração dos psicólogos no Serviço Nacional de Saúde (SNS), coordenado por si?

Os grupos de trabalho fazem as suas recomendações, vamos ver se são cumpridas ou não. Foi proposto um programa nacional para o tratamento da ansiedade e da depressão, e recomendada maior contratação de psicólogos para os centros de saúde, evitando encher os serviços de psiquiatria com casos de doença mental grave, particularmente a esquizofrenia e a doença bipolar. E foi ainda recomendada a criação de estágios de psicologia no SNS, com uma parte do ordenado a ser suportada pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Porque admite ter “errado o alvo” quando escreveu o livro Inventem-se Novos Pais?

Nos anos 80, à luz da psiquiatria e da psicologia, não podia haver uma adolescência normal sem crise, depressão e conflito. No século XXI, verificou-se que isso era uma ideia errada. Os adolescentes normais não têm grande mal-estar. Há adolescentes problemáticos que exigem uma abordagem especializada, mas a maioria ultrapassa esta fase, com alguma turbulência, porém sem dificuldades de maior. No novo livro corrigi algumas coisas que disse antes, como a de que ser adolescente implicava sempre sofrimento.

O mal-estar de que fala será mais dos pais dos adolescentes do que dos próprios?

É uma época muito difícil para os pais. Nunca como agora os pais estiveram tão próximos dos filhos do ponto de vista do afeto, mas têm falta de autoridade: é o caso do pai-camarada, que gosta muito do filho e está sempre com ele.

Como exercer a autoridade com os nativos digitais?

Quando a internet se generalizou nos telemóveis, introduziu uma dimensão conflitual nas famílias. Isso nota-se nas consultas, nas escolas e na relação entre pais e filhos. Para que a internet seja um ponto de encontro, e não de conflito, devemos habituar as crianças desde cedo a lidar com as tecnologias. Na adolescência já é tarde, porque, como sabem mais do que os pais e avós, os filhos têm formas mais diversas e sofisticadas de escapar ao controlo deles.

No livro apresenta casos que mostram como tudo pode correr mal…

São casos reais, mas modificados, para manter a confidencialidade. Admira-me haver pedidos de consulta centrados no conflito em torno do uso da internet. Nessas famílias perdeu-se a oportunidade de encontrar um caminho de proximidade. Se a internet for um ponto de conflito, vai cavar-se um fosso intergeracional enorme, porque os mais novos não vão prescindir de usar o telemóvel.

Ou da “Galáxia internet”, como refere por diversas vezes.

É um termo do sociólogo espanhol Manuel Castells. Com este livro, quero mostrar que a internet é uma oportunidade para novas comunicações na família, que são agora em rede: dos irmãos, dos amigos, dos filhos, dos pais – apontam o dedo aos filhos, mas eles mesmos passam muitas horas no Facebook. De tão centradas no conflito à volta do uso do telemóvel, muitas famílias não se aperceberam do que já mudou na área da comunicação.

Há uma idade certa para se dar o telemóvel ou o tablet aos filhos?

Cedo, cinco ou seis anos, para interiorizarem a regra. Um adolescente deve saber que há horas em que não é suposto utilizar ecrãs. Ter a noção de que não deve estar com o telemóvel às refeições nem levá-lo para a cama, na hora de ir dormir.

Se os pais consultarem os emails de trabalho ou o Facebook à refeição, ou quando vão deitar-se, perdem a legitimidade para se fazerem respeitar nesse campo.

Exatamente. Há períodos decisivos na vida da família para comunicar em presença, sem ecrãs: acordar e ir para a escola ou para o trabalho; chegar a casa e organizar os trabalhos de casa, banhos, jantar; e hora de deitar. Esta disciplina passa por pais e filhos.

Fala em parentalidade construtiva. Pode explicar melhor o conceito?

Não se pode ter autoridade sem envolvimento afetivo com um filho adolescente. Este envolvimento é construído na infância, e sem ele surge o conflito, potenciado pela internet, quando deveria ser o contrário. Pais ou mães distantes não conseguem fazer como noutros tempos, impor- -se através da educação pelo medo, até porque a criança tem hoje a possibilidade de fazer ouvir a sua voz e não acata o autoritarismo. Os pais só não devem transigir quando estão em jogo questões de saúde ou de segurança.

Fazem sentido os livros com estratégias para os pais, na área das tecnologias ou outras?

Tudo o que seja ajudar os pais a refletir, idealmente com outros pais, é positivo, pois eles têm muitas dúvidas, mas não há serviços nem locais onde possam ser auxiliados. Os livros não devem ser muito diretivos e no meu eu criei as secções “perguntas e respostas” e “para pensar”. Há coisas que já se sabem: organizar a hora do deitar, o uso da internet, abrir a casa aos amigos dos adolescentes.

Como a questão do namorado ou da namorada, se podem ou não dormir lá em casa…

De uma forma geral, as mães estão mais próximas dos filhos. A mãe continua a ser, na sociedade portuguesa, uma figura muito importante a nível emocional. Se falarmos com os nossos jovens sem entrar na intimidade deles, percebemos que há relações ocasionais. Quando for um namoro responsável e com envolvimento, “à séria” como eles dizem, os pais devem apoiá-los.

Aí entram as questões da sexualidade e da inexistência da educação sexual nas escolas.

Sempre lutei por isso, conseguiu-se alguma coisa, mas continuo a defender a sua importância, porque cada vez mais encontro jovens com muitas dúvidas e muita ignorância sobre o tema. A internet pode ter um perigo importante, que é a pornografia no telemóvel, vista sobretudo pelos rapazes. Se aos 12 e 13 anos passarem o tempo a ver pornografia, com a exploração do corpo da mulher e as proezas atléticas sexuais, que pouco ou nada têm que ver com o que se passa na vida real, podem começar a ter dificuldades na relação sexual com os parceiros, porque idealizam uma determinada situação. A educação sexual deveria ter isto em conta, bem como o que se passa nas escolas, a difusão de imagens íntimas a seguir a uma zanga entre namorados (porn revenge). A educação para os média no campo da sexualidade também é fundamental. A internet é uma fonte de informação que é preciso contextualizar em pequenos grupos de rapazes e de raparigas, para falarem do que estão a sentir nas suas interações. Há muito a fazer.

Espreitar o telemóvel dos filhos é próprio de “sem-abrigo digitais”?

Sou completamente contra os filtros parentais. E também que os adultos vejam o telemóvel dos pais. O telemóvel é hoje uma extensão do nosso corpo, particularmente do nosso cérebro. É uma coisa absolutamente privada. Perde-se a relação de confiança quando os pais começam a espreitar o telemóvel dos filhos. Ficam prisioneiros disso e com uma angústia acerca do que devem e não devem fazer. Ter um telemóvel por volta dos dez anos implica que a criança saiba, aos oito, como vai usá-lo devidamente quando o receber, à entrada do 5.º ano de escolaridade. Ou seja, precisa de saber que, quando entra na internet, não pode divulgar o nome completo e outros dados pessoais.

Como se desenvolve essa capacidade para aconselhar os filhos numa área em que nem sempre os adultos se orientam?

Basta, por exemplo, que os pais verbalizem os medos que têm sobre o uso que os filhos podem dar ao equipamento. Ou de como possam proceder face a condutas menos próprias (ciberbullying e afins).

Manifestou-se a favor do uso medicinal da canábis, embora condene o uso recreativo. Que argumentos o levam a ter essa posição?

Há já muitas evidências acerca dos derivados da canábis, que são úteis, do ponto de vista médico, em situações ligadas à quimioterapia, à dor e a certos casos de epilepsia na criança. Deve ter um uso farmacêutico controlado e não haver um autocultivo. Em relação ao uso recreativo, sou contra. São drogas muito perigosas porque impedem o progresso da adolescência normal, que envolve tarefas como modificar a relação com os pais, com os companheiros, a vida amorosa e sexual e a concentração nos estudos. É muito curioso: os jovens são muito hábeis. Em vez de usarem a palavra “erva” ou “haxixe”, dizem aos pais “eu fumo pólen”. Trata-se da mesma coisa, razão pela qual dedico uma parte do livro às drogas.

Contudo, e isso é do conhecimento de muitos adolescentes, muitos pais consumiram derivados de canábis na juventude.

O grande problema hoje é o fácil acesso e a ideia romântica de que não faz mal. Não subscrevo a teoria de que estas drogas conduzem ao consumo de outras, essa situação não se coloca nos adolescentes. Porém, sabemos hoje que o cérebro está em formação até por volta dos 23 anos e que o uso de drogas pode eventualmente comprometer as sinapses. Falta mais investigação sobre isso. Enquanto psiquiatra, tenho conhecimento de casos de esquizofrenia precipitados pelo uso recreativo em quem tem predisposição para a doença.

Sugere aos pais que relativizem certos comportamentos agressivos dos filhos, fruto da imaturidade do cérebro. É mesmo assim?

Digo isso com algumas reservas! Se der um murro num colega, temos de responsabilizá-lo! Falei disso porque se sabe que o cérebro ainda não está suficientemente formado para exercer plenamente a capacidade de abstração e de autocrítica.

Como se exerce a autoridade sem dramas nas famílias recompostas?

No regime clássico – ou seja, os filhos ficam com a mãe e veem o pai de 15 em 15 dias –, a consequência é o afastamento do pai. Tenho evoluído bastante acerca da guarda partilhada, que deve tentar-se sempre que possível, por ser a forma mais parecida com a da família nuclear. Se houver um mínimo de entendimento entre adultos, as crianças e os jovens adaptam-se. Defendo que, em cada casa, devem estar definidos papéis e regras. Se a mãe vive com o padrasto, ambos devem definir como atuar, e isso não quer dizer que em casa do pai tenha de ser igual.

Na prática, vale o princípio “em cada casa as regras são as de quem lá vive”?

A autoridade do padrasto e a da madrasta são muito difíceis de gerir, porque rapidamente os adolescentes dizem “não és o meu pai” ou “não és a minha mãe”; eles utilizam esse argumento como arma. Zangam-se com a mãe e dizem “vou viver para casa do pai”. Ou estão em casa do pai e telefonam à mãe a dizer “vem-me buscar”. Sou contra isso: permitir que a criança ou o adolescente utilize as regras da outra casa na casa onde está não resulta.

Voltamos à questão de quem tem condições para ser apresentado em casa, mas desta vez dirigida aos adultos…

A apresentação de um novo companheiro, ou de uma nova companheira, aos filhos deve ser muito prudente, e o relacionamento ser minimamente sério e ter pernas para andar, tanto quanto se consegue saber. E sem que os jovens sejam surpreendidos por alguém a dormir lá em casa.

Que gostaria de dizer aos seus leitores enquanto cidadão digital?

Estou apaixonado pelo momento atual. A internet é um ponto de encontro maravilhoso, de partilha e de comunicação. Com as devidas regras, podemos aproximar as gerações em vez de separá-las.

csoares@visao.pt

O mimo não estraga as crianças. A falta de limites, sim

Abril 6, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto e foto do site http://uptokids.pt/

Ser criança é muitas vezes concebido como um pano de fundo em que tudo parece perfeito, ou pelo menos, quase perfeito… Mas, Ser criança, não é sempre um arco-íris, cheio de cor, de vida e bem- estar, às vezes, ser criança é cinzento, umas vezes mais claro, outras cinzento escuro, quase negro, sem pontos de luz… Mas, afinal, que bicho papão é esse que parece tirar a cor à infância? Que bicho papão é esse que, às vezes, se torna tão grande dentro de cada criança que parece contamina-la em todas as áreas?

Quais os ingredientes para uma criança feliz?

A criança nasce e precisa de protecção, que cuidem dela e garantam o seu correcto desenvolvimento, é dependente! Mas se cuidarmos fisicamente do bebé, e depois nos esquecermos de lhe dar amor, a criança entra naquilo a que os técnicos de saúde mental chamam de ‘depressão analítica’, um estado que reflecte a não satisfação da necessidade de um amor seguro e incondicional.

O coração de mãe e também o coração de pai (sim, porque não nos podemos esquecer que o pai pode ter um coração tão grande como o da mãe, temos de deixar de o subestimar!) sabe bem no seu intimo que o principal ingrediente para uma criança feliz é o Amor. O amor seguro e incondicional, o afeto e o mimo – como só os pais de alma e corpo cheio sabem dar!

O mimo não estraga as crianças. A falta de limites, sim.

O mimo não estraga as crianças. Nunca uma criança ficou estragada por ter mimo a mais, ou amor a mais! O mimo e o amor funcionam como o combustível que nos faz mover, não só em criança, mas ao longo de toda a nossa vida. É o amor que nos prende à vida e só quando o amor nos segura podemos alcançar a felicidade.

Mas, então, o que é isso de “ele é mimado, ninguém faz nada dele”?, que ‘mimo mau’ é esse que afecta tantas das nossas crianças?

É a falta de limites.

Os Pais são capazes de sentir no seu intimo que só com limites claros a criança cresce segura de si! Quase todos os pais conseguem senti-lo, mas só os Pais conscientes, os que estão seguros de si, de alma e corpo cheio conseguem fazê-lo; só esses pais conseguem estabelecer as balizas sem resvalar para um lado de ‘general autoritário’, sem parecerem mais assustadores do que seguros.

A criança precisa de limites

Os limites – embora na fase inicial uma criança os rejeite – atribuem-lhe segurança e robustez. É como se o pai e a mãe lhe dissessem ao coração: “avança, que nós estamos aqui para garantir que tens o caminho seguro. Aconteça o que acontecer, nós não te vamos deixar cair”.

Uma criança sem limites é uma criança em auto-gestão que, mesmo que sinta com o coração todo, ainda não sabe onde pode pisar ou não, explorando, aos poucos, o mundo de forma assustada, sempre com a ideia que um dia, se for preciso, pode ninguém estar lá para a proteger.

Uma criança sem amor ou sem limites será sempre um adulto em apuros. Se queremos crianças felizes, precisamos de uma boa dose de amor em equilíbrio com uma boa dose de limites. Assim, de falha em falha, como só os bons pais se permitem a falhar, subtraímos birras, multiplicamos sorrisos e somamos felicidade em cada criança, em cada família.

Por Escola do Sentir, Cátia Lopo e Sara Almeida Psicólogas Clínicas

 

Só dois alunos foram expulsos da escola nos últimos três anos

Março 17, 2018 às 9:30 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 12 de março de 2018.

Expulsão só pode ser aplicada a maiores de 18 anos. Já a transferência compulsiva foi aplicada a 51 jovens. Mas está em queda.

CLARA VIANA

Em três anos, entre 2015/2016 e o ano lectivo corrente, a medida disciplinar de expulsão da escola só foi aplicada a dois alunos, segundo informações enviadas ao PÚBLICO pelo Ministério da Educação (ME). A expulsão da escola voltou a ser possível com o Estatuto do Aluno aprovado em 2012, mas o ME afirma não dispor dados anteriores a 2015/2016.

Só podem ser expulsos os alunos com mais de 18 anos, que por isso já não se encontram abrangidos pela escolaridade obrigatória. Por via desta medida, os alunos ficam impedidos de regressar à escola durante mais dois anos. Ou seja, são expulsos num ano lectivo e não poderão regressar nos dois anos seguintes.

A possibilidade de um aluno ser expulso tinha sido eliminada na revisão do Estatuto do Aluno aprovada em 2008, mas voltou a ser repescada pelo anterior Governo PSD/CDS em 2012.

A decisão de expulsão compete ao director-geral da Educação, com possibilidade de delegação, e só pode ser adoptada “quando, de modo notório, se constate não haver outra medida ou modo de responsabilização no sentido do cumprimento dos seus deveres como aluno”.

A segunda medida mais gravosa prevista no Estatuto do Aluno é a transferência compulsiva de escola, que também só pode ser decidida pelo director-geral de Educação a partir das propostas apresentadas pela escola nesse sentido. Segundo o ME, o número de alunos abrangidos por esta medida desceu de 75 em 2015/2016 para 51 em 2016/2017. Em 2014/2015 tinham-se registado 215 transferências compulsivas.

Se o número de transferências compulsivas está em queda, o mesmo quase não acontece com os processos enviados pelas escolas com vista à aplicação desta medida. Foram 140 em 2015/2016 e 139 no ano lectivo seguinte.

Também em queda, conforme o PÚBLICO já noticiou, estão os actos praticados no interior da escola que configuram um crime e que são reportados pelos directores ao ME. Passaram de 1321 em 2013/2014 para 422 em 2016/2017.

Segundo o Estatuto do Aluno, a transferência compulsiva de escola pode ser aplicada a estudantes a partir dos 10 anos, quando estejam em causa “factos notoriamente impeditivos do prosseguimento do processo de ensino dos restantes alunos da escola ou do normal relacionamento com algum ou alguns dos membros da comunidade educativa”.

O ME escusou-se a dar exemplos de práticas que possam entrar nesta definição. Mas Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas, adianta que a transferência poderá ser aplicada, por exemplo, “a alunos que agridam um professor ou um funcionário ou que pratiquem uma agressão grave contra um colega”. Chama, contudo, a atenção de que “cada caso é um caso” e que na decisão “devem ser tidas em conta atitudes que funcionam como atenuantes (arrependimento do aluno, por exemplo) ou agravantes (ser reincidente, entre outras)”.

Filinto Lima diz que nunca propôs esta medida. “A suspensão da escola [que pode ter um prazo máximo de 12 dias] é a medida mais gravosa que geralmente é aplicada pelos directores”, acrescenta, para lançar um repto: “Está na altura de debater se o actual Estatuto do Aluno ainda serve a realidade das escolas, que nestes anos mudou muito.”

 

 

 

Mimo a mais não estraga uma criança. A falta de limites sim

Dezembro 18, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do http://p3.publico.pt/ de 6 dezembro de 2017.

Uma criança sem limites é uma criança em auto-gestão. Uma criança sem amor ou sem limites será sempre um adulto em apuros

Texto de Cátia Lopo e Sara Almeida

Ser criança é muitas vezes visto com um pano de fundo em que tudo parece perfeito ou, pelo menos, quase perfeito. No entanto, ser criança não é sempre um arco-íris, cheio de cor, de vida e bem-estar; às vezes, ser criança é cinzento, umas vezes mais claro, outras cinzento escuro, quase negro, sem pontos de luz. Afinal, que bicho papão é esse que parece tirar a cor à infância? Que bicho papão é esse que, às vezes, se torna tão grande dentro de cada criança que parece contaminá-la em todas as áreas? Quais os ingredientes para uma criança feliz?

A criança nasce e precisa de protecção, que cuidem dela e garantam o seu correcto desenvolvimento. É dependente! Mas se cuidarmos fisicamente do bebé e depois nos esquecermos de lhe dar amor, ele entra naquilo a que os técnicos de saúde mental chamam “depressão analítica”, um estado que reflecte a não satisfação da necessidade de um amor seguro e incondicional.

O coração da mãe e o coração do pai — sim, porque não nos podemos esquecer que o pai pode ter um coração tão grande como o da mãe, temos de deixar de o subestimar! — sabem bem no seu íntimo que o principal ingrediente para uma criança feliz é o amor. O amor seguro e incondicional, o afecto, o mimo, como só os pais de alma e corpo cheio sabem dar!

Não, não é verdade que o mimo estraga as crianças, nunca uma criança ficou estragada por ter mimo a mais ou por ter amor a mais! O mimo e o amor funcionam como o combustível que nos faz mover, não só em criança, mas ao longo de toda a nossa vida. É o amor que nos prende à vida e só quando o amor nos segura podemos alcançar a felicidade.

Mas, então, o que é isso de “ele é mimado, ninguém faz nada dele”? Que “mimo mau” é esse que afecta tantas das nossas crianças? É a falta de limites. De novo, os pais são capazes de sentir no seu íntimo que só com limites claros a criança cresce segura de si! Quase todos os pais conseguem senti-lo, mas só os pais conscientes, os que estão seguros de si, de alma e corpo cheio, conseguem fazê-lo; só esses pais conseguem estabelecer as balizas sem resvalar para um lado de “general autoritário”, sem parecerem mais assustadores do que seguros. Os limites — embora na fase inicial uma criança os rejeite — atribuem-lhe segurança e robustez. É como se o pai e a mãe lhe dissessem ao coração: “Avança, que nós estamos aqui para garantir que tens o caminho seguro. Aconteça o que acontecer nós não te vamos deixar cair”.

Uma criança sem limites é uma criança em auto-gestão que, mesmo que sinta com o coração todo, ainda não sabe onde pode pisar ou não, explorando, aos poucos, o mundo de forma assustada, sempre com a ideia que um dia, se for preciso, pode ninguém estar lá para a proteger. Uma criança sem amor ou sem limites será sempre um adulto em apuros. Se queremos crianças felizes, precisamos de uma boa dose de amor em equilíbrio com uma boa dose de limites. Assim, de falha em falha, como só os bons pais se permitem a falhar, subtraímos birras, multiplicamos sorrisos e somamos felicidade em cada criança, em cada família.

 

 

“É preciso recuperar a disciplina e a autoridade na escola”

Novembro 15, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

 

Entrevista do https://brasil.elpais.com/ de 13 de julho de 2017 a Inger Enkvist

Ana Torres Menárguez

Ex-assessora de educação do Governo sueco se posiciona contra as novas metodologias educacionais.

Não é fácil encontrar uma opinião como a de Inger Enkvist (Värmland, 1947). Enquanto a maioria dos gurus educacionais defende acabar com as fileiras de carteiras escolares e os formatos convencionais de aula e dar mais liberdade aos alunos dentro da classe, Enkvist, ex-assessora do Ministério de Educação da Suécia, acredita que é preciso recuperar a disciplina e a autoridade dos docentes na sala de aula. “As crianças têm que desenvolver hábitos sistemáticos de trabalho e para isso necessitam que um adulto as orientem. Aprender requer esforço e, quando se deixa os alunos escolherem, simplesmente não acontece.”

Catedrática de Espanhol na Univesidade Lund (Suécia), Enkvist começou sua carreira na educação como professora do ensino secundário e durante mais de trinta anos se dedicou a estudar e comparar os sistemas educacionais de diferentes países. Além da publicação de livros como Repensar a Educação (Bunker Editorial, 2014), escreveu mais de 250 artigos sobre educação.

Enkvist compareceu em março à Comissão de Educação do Congresso dos Deputados da Espanha para apresentar sua visão sobre o modelo educacional espanhol, no qual aponta falta de motivação por parte do professorado e a necessidade de reformulação dos graus de professor em Educação Infantil e Primário – correspondente aos anos de ensino fundamental no Brasil – para tentar atrair os melhores estudantes.

Pergunta. As novas correntes de inovação educacional reivindicam um papel mais ativo por parte dos alunos. Acabar com as aulas expositivas e criar metodologias que impliquem ação por parte do estudante. Por que você se opõe a esse modelo?

Resposta. A nova pedagogia promove a antiescola. As escolas foram criadas com o objetivo de que os alunos aprendessem o que a sociedade havia decidido que era útil. Qual é o propósito da escola se o estudante decide o que quer fazer? Essas correntes querem enfatizar ao máximo a liberdade do aluno, quando o que ele necessita é de um ensino sistemático e bem estruturado, sobretudo se levamos em conta os problemas de distração das crianças. Se não se aprende a ser organizado e a aceitar a autoridade do professor no ensino fundamental, é difícil que se consiga isso mais tarde. O aluno nem sempre vai estar motivado para aprender. É preciso esforço.

P. Em seu livro a senhora questiona a crença de que todas as crianças querem aprender e, portanto, é uma boa opção deixar que tomem a iniciativa e aprendam sozinhos. Quais são seus argumentos contra isso?

R. Nunca foi assim. É uma ideia romântica que vem de Rousseau: dar como certo que o ser humano é inocente, bem-intencionado e bom. Uma criança pode concentrar-se em uma tarefa por iniciativa própria, mas normalmente será numa brincadeira. Aprender a ler e escrever ou matemática básica requer trabalho e ninguém se sente chamado a dedicar um esforço tão grande a assimilar uma matéria tão complicada. É preciso haver apoio, estímulo e algum tipo de recompensa, como o sorriso de um professor ou os cumprimentos dos pais.

P. O que se deveria recuperar do antigo modelo de educação?

R. Ter claro que o professor organiza o trabalho da classe. Se os alunos planejam seu próprio trabalho, é muito complicado que obtenham bons resultados, e isso desmotiva o professor, que não quer responsabilizar-se por algo que não funciona. Essas metodologias estão distanciando das salas de aula os professores mais competentes. Já não se considera benéfico que o adulto transmita seus conhecimentos aos alunos e se fomenta que os jovens se interessem pelas matérias seguindo seu próprio ritmo. Em um ambiente assim não é possível ensinar porque não existe a confiança necessária na figura do professor. Viver no imediato sem exigências é bem o contrário da boa educação.

P. A senhora qualificou a autoaprendizagem como contraproducente. Mas uma vez terminada a formação obrigatória, e que os estudantes consigam um trabalho, o mercado de trabalho muda rápido e eles podem se ver obrigados a se reciclar e mudar de profissão. Não acha que é uma boa ideia lhes ensinar desde pequenos a tomar a iniciativa na aprendizagem?

R. Essa é a grande falácia da nova pedagogia. As crianças têm que aprender conteúdos, e não o chamado aprender a aprender. Não basta dizer aos alunos que devem tomar decisões. Não vão saber como fazer isso. Dou um exemplo. O Governo sueco oferece cursos de formação para adultos e é um desespero quando só se apresentam cidadãos com um perfil educacional elevado. Eles se interessam e acham útil, e por isso têm entusiasmo para começar. Se uma pessoa aprende um conteúdo, considera que é capaz e que no futuro poderá voltar a fazer isso. Quem é mais adaptável e mais flexível ao perder um emprego? Aquele que já tem uma base de conhecimentos, que conta com mais recursos internos, e isso é a educação que lhe proporciona. Quanto mais autodisciplina, mais possibilidades você tem pela frente e menos desesperado se sentirá diante de uma situação limite.

P. Há um grande debate quanto à utilidade dos exames. Alguns especialistas defendem que na vida adulta não ocorra esse tipo de prova e que o importante é ter desenvolvido habilidades para adaptar-se a diferentes entornos.

R. Essa é a visão de alguém que não sabe como funciona o mundo das crianças. Na vida adulta, todos temos prazos, momentos de entregar um texto, e isto se aprende na escola. Com os exames a criança aprende a se responsabilizar e entende que não comparecer a uma prova tem consequências: não será repetida para ele. Se não cumprimos nossas obrigações na vida adulta, logo nos veremos descartados dos ambientes profissionais. Os exames ajudam a desenvolver hábitos sistemáticos de trabalho.

P. Por que você considera que o momento atual da escola não permite que ninguém se destaque?

R. A escola não é neutra, nem todos vão aprender do mesmo modo. Nas classes há desequilíbrios enormes em um mesmo grupo, pode haver até seis anos de diferença intelectual entre os alunos. A escola deveria manter as crianças com diferentes capacidades juntas até os onze anos e, a partir daí, oferecer diferentes níveis para as matérias mais complexas. Isso é feito em algumas escolas públicas da Alemanha. Para os que não entendem, dou um exemplo. Imagine colocar em uma mesma classe 30 adultos com níveis socioculturais e interesses totalmente díspares e pretender que aprendam juntos. Isso é o que estamos pedindo a nossos filhos. Em menos de uma semana haveria uma rebelião.

P. A escola mata a criatividade, segundo o pedagogo britânico Ken Robinson.

R. O mais simples é pensar em um músico de jazz. Parece que está improvisando, brincando. Como pode fazer isso? Sabe 500 melodias de memória e usa pedaços dessas peças de forma elegante. Repetiu isso tantas vezes que parece que o faz sem esforço. A teoria é necessária para que surja a criatividade.

P. Quanto aos conteúdos que se aprende na escola, acha que seria necessário modernizá-los?

R. Uma professora espanhola me contou que um de seus alunos lhe disse na sala de aula: para que serviria estudar Unamuno? Que aplicação prática poderia ter? Precisamos conhecer a situação de nosso país, saber de onde viemos. Com Unamuno se aprende um modelo de reação, que não há motivo para ser adotado, mas conhecê-lo te ajuda a elaborar a sua própria forma de ver o mundo.

 

 

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.