Hiperactividade mal diagnosticada em Portugal

Março 25, 2015 às 5:39 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do i de 23 de março de 2015.

DR

O médico especialista em desenvolvimento infantil João Gomes Pedro alertou esta segunda-feira que a hiperactividade está mal diagnosticada em Portugal, havendo muitas crianças que tomam medicação sem necessidade enquanto outras deviam tomar e não o fazem.

Quando completa 50 anos de carreira, o pediatra fala das suas preocupações actuais e aponta como um dos grandes desafios da pediatria moderna os problemas comportamentais e relacionais das crianças e dos adolescentes.

“Hoje talvez estejamos na linha de fronteira de passar do modelo patológico para o modelo relacional e isto faz a diferença na pediatria, na educação, na psicologia, em toda e qualquer actividade formativa”, afirma.

Para Gomes Pedro, que aprendeu e começou a prática clínica centrada no diagnóstico das doenças, hoje é fundamental estabelecer precocemente uma relação entre o pediatra, os pais e o bebé, preparando-os para as várias fases do desenvolvimento expectáveis e acompanhando-os nos problemas que daí possam advir.

É o que se passa com a Hiperatividade e o Défice de Atenção (PHDA): “Estas doenças e expressões aparecem porque o pessoal de saúde está mais sensível, mais atento às perturbações de comportamento do que há uns anos atrás”.

Gomes Pedro adverte, no entanto, que esse olhar, o começar a olhar para o comportamento, leva, como risco na intervenção dos profissionais, a considerarem quase matematicamente: «o menino está muito activo, está hiperactivo».

“A professora queixa-se de que está activo, «é uma síndroma de Attention deficit hyperactivity disease», a professora diz «leve ao seu médico», e os médicos que não estejam ainda bem formados, bem alicerçados no que é o comportamento normal do que é um sinal de risco no comportamento, receitam o metilfenidato” (fármaco para tratamento da PHDA), acrescenta.

Isto comporta o “risco de se usar sistematicamente substâncias farmacológicas quando não há hiperactividade nenhuma”, pois “a actividade que vemos, por exemplo, num gabinete, é própria de uma criança com três, quatro ou cinco anos, que gosta de explorar e que, mais do que normal, é desejável”, sublinha.

Segundo o pediatra, “é muito frequente os pais chegarem com uma criança com três anos e a dizer “ela deve ter hiperactividade e precisa de ser tratada”.

O que acontece é que as pessoas estão mais despertas, o que comporta outros riscos: a hiperactividade e o défice de atenção hoje está, por um lado, sobrediagnosticado, e por outro, mal diagnosticado, o que significa que há crianças que tomam o metilfenidato sem precisarem e outras que precisariam e não o tomam.

“Há crianças hiperdiagnosticadas e outras crianças hipodiagnosticadas”, sublinhou, acrescentando que “a moral da história” é que é preciso garantir que não se deixa de diagnosticar uma hiperactividade e défice de atenção, que é facilmente corrigida farmacologicamente, mas que também não se começa a usar drogas quando não é necessário.

Não é que a medicação tenha muitos riscos, salienta, mas “um princípio fundamental na medicina é tratar quando é preciso e hoje a implicação de tratar não é só medicamentosa, mas é o acompanhar”.

A grande questão é que não existem ainda meios para garantir um diagnóstico exacto da PHDA.

“Não há propriamente um meio tão concreto como fazer uma análise para ver se há uma infecção, uma apendicite. A gente vê que há uma alteração dos glóbulos brancos, que mesmo que não se palpe conveniente uma barriga para fazer o diagnóstico, há uma análise concreta que nos diz «há infeção nesta criança»”.

No domínio do comportamento, no chamado modelo relacional, isso não é tão fácil, pois embora haja testes, como o Connors e outros, que dão pistas para que se possa estar perante uma PHDA, é preciso que o pediatra – “deve ser ele a tomar conta destas crianças – tenha experiência e tenha competência para distinguir entre essa perturbação e uma actividade normal”.

“É que é ‘hiperactiva’ toda a criança pequena, nomeadamente a criança que entra para o jardim-de-infância”, e é preciso ter isso bem presente e “não hiperdiagnosticar síndromas de défice de atenção que obrigam imediatamente a medicar”.

Lusa

 

Ação de Formação “Maus Tratos em Crianças – Avaliação e diagnóstico: Instrumentos de avaliação do risco e do perigo

Março 17, 2015 às 10:23 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

maus

A participação é gratuita, mediante inscrição prévia até ao dia 23/03/2015, disponível online : http://goo.gl/E1nVxb. Para mais informações e/ou esclarecimentos, pode contactar a CPCJ de Vila Nova de Poiares, através do telefone 239 420 850 ou do email cpcjvnpoiares@sapo.pt
prog

Cyberbullying: ameaças fazem-se cada vez mais pela Internet

Novembro 20, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia da TVI 24 de 19 de novembro de 2014.

A tese de doutoramento citada na notícia pode ser consultada no link:

Bullying nas escolas: prevenção e intervenção

«É uma nova forma de violência que amplia as consequências do bullying tradicional», como revela uma investigação da Universidade de Aveiro

Por: Redação / CF

Um trabalho de investigação da universidade de Aveiro (UA), divulgado esta quarta-feira, conclui que crescem as ameaças através da Internet entre colegas de escola, para evitarem sanções disciplinares, num fenómeno em expansão, o chamado cyberbullying. «Este é um problema que diz respeito a toda a sociedade e não apenas às escolas», aponta José Ilídio Sá, autor da tese de doutoramento «Bullying nas Escolas: Prevenção e Intervenção», realizada no Departamento de Educação da UA, que durante um ano letivo estudou o comportamento de alunos de uma escola secundária de Espinho. «O ‘cyberbullying’ traduz inquestionavelmente uma forma mais complexa de ‘bullying’. Em muitos casos, surge como a continuação do ‘bullying’ presencial, mas noutras situações desponta como o «espaço predileto do agressor», explica o investigador. O anonimato ou a falsa identidade do ofensor, a enorme quantidade de observadores presentes, a velocidade “viral” de propagação das ofensas, agressões e humilhações, são fatores que levam os agressores a fazer essa escolha. Para a executar, dispõem hoje de variados meios ao seu dispor, como smartphones com câmara fotográficas e de vídeo, tablets, numerosos postos com computadores disponíveis e facilidade de acesso à Internet. «É uma nova forma de violência que amplia as consequências do ‘bullying’ tradicional. A difusão de ameaças, difamações e violência psicológica através da Internet é um meio cada vez mais utilizado pelos jovens para ofender terceiros», retrata. Segundo dados da investigação realizada numa escola secundária com o 3.º ciclo do Ensino Básico, que envolveu o estudo de duas turmas ‒ uma do 7.º e outra do 10.º ano, 31% dos alunos admitiu conhecer um colega que já foi “gozado ou ameaçado na Internet” e 13% dos estudantes do 10º ano já foram ameaçados, pelo menos numa ocasião, no ciberespaço, sendo essa percentagem mais significativa (19%) no caso dos jovens dos Cursos Profissionais. Outro «dado preocupante», apontado pelo estudo de José Ilídio Sá, diz respeito ao número significativo de jovens que admite desconhecer a identidade do seu agressor e que revelou não ter reportado a agressão de que foi alvo. A pesquisa permitiu apurar, na ótica dos agredidos, que perto de 45% dos jovens vítimas de agressão admitiu não ter reportado o sucedido a uma terceira pessoa tendo, por isso, «sofrido em silêncio de modo presumivelmente continuado e prolongado». Os que optaram pela denúncia fizeram-no a um colega (42,6%) ou a um familiar (29,7% dos casos, sendo que 23,8% aos respetivos pais e 5,9% aos irmãos). «Note-se que apenas uma percentagem muito residual de jovens (13%) mencionou ter participado essa agressão a um adulto da escola», diz. No caso concreto do ‘bullying’ eletrónico, «a fronteira entre o espaço escolar e o exterior torna-se quase impossível de delimitar» e por isso, «a responsabilização do agressor, quer seja na vertente disciplinar ou na criminal, torna-se assim muito difícil de comprovar». As famílias podem ter uma intervenção decisiva neste tipo de casos, «uma vez que um número significativo de situações de ciberagressão tem como palco o espaço do domicílio», para a vítima ou para o agressor. «O papel das famílias assume particular relevância, designadamente no que diz respeito à vigilância e à monitorização dos padrões de uso e de consumo da Internet por parte dos jovens, e à definição de regras por parte dos pais», afirma. Aconselham-se por isso os pais a estarem atentos e a definirem os tempos de utilização e dos conteúdos e a localização dos equipamentos, procurando inverter a «cultura do quarto» característica nessas faixas etárias, como apresenta a Lusa em síntese.

Ciclo de Seminários “PHDA em Contexto Escolar”

Maio 29, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

phda

inscrições e programa

http://www.cfantoniosergio.edu.pt/

 

Palestra – Maus Tratos contra Crianças e Jovens : Avaliação e Diagnóstico

Maio 9, 2014 às 1:23 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

maus-tratos

inscrições:

http://www.g-c.pt/evento.php?id=97

Apenas 5% das crianças em idade pré-escolar está correctamente diagnosticada com asma

Janeiro 1, 2014 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do site RCM pharma de 5 de Dezembro de 2013.

Estima-se que mais de 300 mil portugueses tiveram um ataque de falta de ar no último ano, incluindo uma em cada quatro crianças com idade entre os 3 e os 5 anos. Dados nacionais sobre a prevalência da asma revelam que apenas cerca de 5 por cento das crianças em idade pré-escolar está correctamente diagnosticada com a doença quando se demonstrou que cerca de 10 por cento tiveram 4 ou mais ataques de falta de ar no último ano. O estudo adianta ainda que a taxa de internamento pediátrico continua muito elevada, avança comunicado de imprensa.

“A asma está ainda pouco diagnosticada e continua incorrectamente tratada. Não existe também uma perspectiva preventiva instituída em todo o sistema de saúde. É inexplicável, e injustificável, por exemplo, que continue sem comparticipação a vacinação anti-alérgica, a qual criteriosamente prescrita por especialistas permite interferir significativamente na evolução desta doença, ou seja, na sua história natural”, explica o médico Mário Morais de Almeida.

A investigação sobre asma revela ainda que mais de 700 mil pessoas com asma tiveram queixas no último ano e que mais de 500 mil doentes fazem regularmente medicação para esta doença inflamatória crónica. A asma afecta 1 milhão de pessoas e mais de 10 por cento dos idosos em Portugal.

“Actualmente é indiscutível que esta doença crónica, muito frequente, transversal a todos os grupos etários, deve merecer uma atenção particular, quer nos aspectos de diagnóstico, quer nas acções que podem permitir melhorar o seu controlo. Mais de 40 por cento das pessoas com asma continuam mal controladas e a maioria delas não tem consciência em quanto a sua qualidade de vida está afectada”, explica Mário Morais de Almeida.

Por este conjunto de razões, para possibilitar um aumento da notoriedade desta doença ainda associada a muitos mitos e crenças, a SPAIC, por decisão dos seus sócios e à semelhança de sociedades científicas internacionais similares, adoptou um novo nome, passando a incluir ASMA na sua designação: Sociedade Portuguesa de Alergologia, Asma e Imunologia Clínica – SPA2IC.

Nos últimos anos foi esta a sociedade científica que no nosso país mais contribuiu para a investigação e conhecimento sobre a asma. Para além de vários estudos publicados e de múltiplas iniciativas de educação médica e sensibilização para o público em geral, a SPA2IC esteve sempre empenhada com o objectivo de promover a saúde dos portugueses, ao melhor custo possível, sem desperdícios, defendendo a causa e os interesses das pessoas com asma e outras manifestações de alergia.

A asma é uma doença inflamatória crónica dos brônquios que se inicia, habitualmente, na infância, mas que pode surgir em qualquer idade. Os sintomas típicos desta doença são a tosse, chiadeira no peito ou pieira, falta de ar, aperto no peito, que se podem agravar com o esforço físico, e cansaço ao fazer as actividades do dia-a-dia.

Os doentes com asma, se estiverem controlados, podem fazer as suas actividades, quer profissionais ou escolares, quer desportivas, sem qualquer limitação da vida diária. O tratamento adequado é fundamental para uma melhoria da qualidade de vida.

Seminário Cyberbullying: do diagnóstico à prevenção

Outubro 18, 2013 às 2:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

cyber

Mais informações Aqui

 

Cientistas descobrem novo modo de diagnosticar autismo em crianças de 1 ano

Agosto 26, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança, Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia do Diário Digital de 08 de Agosto de 2013.

Declarações áudio de Eric Courchesne

Media Release da Asia Pacific Autism Conference sobre a descoberta de Eric Courchesne.

Um grupo de cientistas decifrou uma série de padrões biológicos que possibilitam o diagnóstico do autismo em crianças menores de um ano, segundo uma pesquisa apresentada esta quinta-feira na cidade australiana de Adelaide.

A pesquisa, divulgada durante a Conferência para o Autismo na Ásia-Pacífico, mostra como a rede genética interrompe a produção de células cerebrais que acarretam esta doença, que afecta uma em cada 100 crianças em maior ou menor medida.

Esta descoberta representa um grande avanço para diagnosticar o autismo, cuja identificação dos primeiros sintomas «é complexa e complicada», segundo Eric Courchesne, professor de neurociência da Universidade da Califórnia.

«É a primeira descoberta em genes cerebrais e mostra que o sistema genético poderia ser um factor importante para futuras pesquisas de tratamentos, no desenvolvimento de evidências adiantadas do autismo», afirmou o pesquisador ao canal australiano ABC.

Segundo Courchesne, com estas técnicas de diagnóstico adiantadas, a doença poderia ser identificada em crianças de um a dois anos, ao invés da actual fase: entre os três e cinco anos.

«Isto significa que elas vão passar a receber um tratamento antes e, por isso, terão um resultado melhor», apontou.

O investigador declarou que as redes genéticas podem apresentar uma maior compreensão da doença e, inclusive, algum dia, chegar a uma prevenção.

«Durante anos questionei qual é o sistema que causa o autismo, e tenho que dizer que este é uma descoberta muito emocionante», finalizou Courchesne.

 

VII Seminário Perturbação do Espectro do Autismo Desafios Futuros

Julho 3, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

autismo2 autismopro

VII Seminário da APPDA-Setúbal…inscreva-se já!
Contactos para inscrição:
appda-setubal@sapo.pt

geral@appda-setubal.com

265 501 681/916181849/916815707

Workshop Perturbações do Espetro do Autismo: Diagnóstico e Intervenção

Novembro 29, 2012 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Mais informações Aqui

« Página anteriorPágina seguinte »


Entries e comentários feeds.