Ação de formação “Sinais de Alerta no Desenvolvimento da Linguagem e da Fala em Crianças da Educação Pré Escolar “

Março 31, 2016 às 9:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

12524354_231636360522155_2073998982094226737_n 12804613_231635927188865_3328881325460813717_n

NA09 SINAIS de ALERTA no DESENVOLVIMENTO da LINGUAGEM e da FALA em CRIANÇAS da EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR
PORTO ( local a designar em breve)
DIAS: 9, 16 de abril, hor
ário: 9h30/13h30
Destinatários: Educadores(as) de infância, alunos do Curso de E.Básica, outros interessados.
INSCRIÇÃO:
http://apei.pt/formacao/ficha-inscricao/
Mais inf: http://apei.pt/formacao/plano-formacao/index.php?idf=679
Formadora:Carla Silva
Modalidade
Curso
Nº de Horas
8
Conteúdos
– Componentes da Linguagem e Fala;
– Sinais de alerta;
– Estratégias.
VALOR A PAGAR: Associados: 20€; Não Associados: 28€

 

Anúncios

Uso de eletrônicos e falta de estímulos dos pais atrasam a fala da criança

Março 1, 2016 às 12:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do http://mulher.uol.com.br de 3 de janeiro de 2016.

getty images

Melissa Diniz
Do UOL, em São Paulo

Os olhos brilham e os dedinhos não param de tocar a tela. Quem já viu uma criança brincando com um celular ou tablet sabe que os eletrônicos parecem exercer uma espécie de hipnose sobre meninos e meninas desde muito cedo, com jogos, aplicativos, filmes e desenhos. Mas o contato excessivo com esses aparelhos pode gerar consequências negativas ao desenvolvimento infantil, principalmente no que se refere à linguagem. Uma pesquisa realizada no Reino Unido, em 2012, constatou que, em seis anos, houve um aumento de 70% nos problemas de fala de crianças por conta do uso frequente de celulares e tablets.

Para prevenir consequências danosas ao desenvolvimento infantil, a Academia Americana de Pediatria recomenda que crianças menores de dois anos não tenham nenhum contato com a tecnologia. Após essa idade e até a adolescência, o uso deve ser limitado a duas horas por dia.

Segundo especialistas, embora sejam uma fácil e rápida solução para distrair as crianças em viagens e momentos de estresse, os eletrônicos não devem substituir brincadeiras tradicionais e, principalmente, o contato humano.

“Hoje percebemos que há crianças que demoram mais para falar por falta de estímulos em casa. Infelizmente, as brincadeiras e jogos tradicionais estão sendo substituídos pelas versões digitais, que proporcionam uma experiência totalmente diferente em termos de aprendizado”, afirma a fonoaudióloga infantil Elisabete Giusti, especialista em desenvolvimento da linguagem e suas alterações pela USP (Universidade de São Paulo).

De acordo com Elisabete, brincar com um jogo de memória tradicional é uma experiência muito mais rica do que usar uma versão digital. “Jogos de computador normalmente não dão à criança o mesmo senso de começo, meio e fim. Além disso, o tempo de atenção dela, ao usar um eletrônico, é bem menor”, declara. Isso sem contar que o jogo analógico normalmente promove a interação com alguém, enquanto que, no celular ou tablet, a criança brinca sozinha.

A fonoaudióloga afirma ainda que os pais também atrapalham quando, ansiosos, não dão à criança tempo para falar e acabam, eles mesmos, respondendo às perguntas que fazem. “Outro comportamento negativo é ficar o tempo todo testando o desenvolvimento do filho, perguntando seu nome, sua idade na frente de alguém. Isso não é interação. A criança percebe que está sendo testada e se irrita por ter de responder sempre a mesma coisa.”.

Marcos do desenvolvimento

A fonoaudióloga Elisabete Giusti explica que existem marcos ou fases que a criança precisa atingir para desenvolver adequadamente a fala. Todos os sons emitidos são, portanto, importantes e têm uma finalidade no aprendizado geral.

Os primeiros são as vocalizações, que costumam ser produzidas quando a criança atinge os dois meses de vida. “São vogais e, às vezes, alguns sons guturais também. A partir dos seis meses já há um balbucio, percebemos uma sequência de sílabas que combinam vogais e consoantes, como bababá e dadadá.”

Todas essas fases, afirma Elisabete, demonstram uma intenção de comunicação. É também a partir do sexto mês que a criança percebe a voz dos pais e ouve a si mesma, brincando com os sons que emite. Com um ano, aparecem as primeiras palavras e a criança começa a tentar imitar os sons dos bichos. Por volta de 18 meses, faz combinações de duas palavras. Aos dois anos já deve falar pequenas frases e ter um vocabulário de cerca de 200 palavras.

“É importante os pais observarem que essa habilidade de produzir os sons precisa ser ampliada com o tempo. Não importa, nessa fase, se a pronúncia está correta, mas o repertório tem de aumentar gradativamente.”

A especialista afirma que é um erro imaginar que crianças que não falam na idade certa “têm seu próprio tempo” ou que ao entrar na escola irão recuperar o tempo perdido. O atraso na fala pode prejudicar também a escrita e a socialização da criança quando ela começar a estudar.

“O grande risco de esperar é perder um período importante de neuroplasticidade [capacidade que o sistema nervoso tem de se adaptar] para fazer intervenções precoces. Quanto antes se intervém, melhores serão os resultados.”

Ao perceberem alguma dificuldade, os pais precisam procurar ajuda. “Se uma criança não passou pelos marcos de desenvolvimento ou se aos dois anos não fala nada, é preciso procurar uma avaliação profissional”, diz.

Segundo a fonoaudióloga, pode acontecer ainda de a criança estacionar em alguma fase e não dar continuidade ao desenvolvimento. “Algumas não têm vocabulário, outras não conseguem formar frases, outras não conseguem aprender os sons ou têm uma fala de difícil compreensão. Pode ser o caso de fazer uma terapia específica, para cada problema há um tratamento diferente.”

 

Afeto e estímulos no dia a dia fazem bebê se desenvolver melhor

 

 

 

É científico: raparigas começam a falar mais cedo do que os rapazes

Abril 3, 2015 às 3:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do Expresso de 29 de março de 2015.

Nuno Botelho

Isabel Leiria

Tal como já fazem para avaliar o peso e a altura, pediatras e especialistas em Portugal podem agora verificar em que percentil da linguagem se encontra um bebé e se apresenta ou não algum desvio relevante em relação ao padrão típico das crianças portuguesas.

Uma equipa de investigadores do Lisbon Baby Lab da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o primeiro do género a surgir em Portugal, concluiu este ano um trabalho inédito de adaptação do questionário conhecido como CDI (Inventário de Desenvolvimento Comunicativo – formas reduzidas) para português europeu, de forma a identificar as competências médias de bebés e crianças no que respeita à compreensão e à fala. Um instrumento que já tinha sido adaptado para meia centena de línguas, mas não para o português.

O estudo foi feito a partir de uma amostra representativa de 836 crianças, entre os 8 e os 30 meses. As curvas de desenvolvimento mostram que a compreensão de palavras precede a produção de vocábulos (ver caixa) e que enquanto a primeira tem uma progressão linear, a fala dá um salto a partir dos 15 meses. A investigação permitiu ainda verificar que desde muito cedo as raparigas começam a compreender, mas sobretudo a dizer, mais palavras do que os rapazes. A diferença foi encontrada em várias línguas, ainda que não em todas.

“Os estudos sobre o CDI reportam o resultado, mas não adiantam explicações. Todavia, estudos na área do desenvolvimento do cérebro revelaram que os cérebros de rapazes e raparigas apresentam diferenças no seu desenvolvimento ainda durante a gravidez e que podem estar relacionadas com a forma como homens e mulheres processam a linguagem, designadamente com o facto de as mulheres terem capacidades de linguagem mais fortes”, explica Sónia Frota: “A maturação de áreas do cérebro envolvidas na linguagem ocorre mais cedo nelas.”

Mais do que variações normais, os investigadores realçam a importância de se conhecer o desenvolvimento linguístico típico, por forma a detetar desvios significativos e desencadear uma intervenção “mais atempada e ajustada dos técnicos”. Uma das investigações em curso no Lisbon Baby Lab pretende precisamente detetar a existência ou não desses sinais em bebés de risco no espectro do autismo em vez de esperar dois ou três anos pela manifestação desses sintomas.

Ainda que não falem como os adultos – as primeiras palavras surgem à volta dos 12 meses, apesar de haver bastante variação entre crianças -, é possível, através de sistemas de monitorização do olhar (eye tracking), eletroencefalogramas, registo de sons perceber a relação de bebés e crianças com a linguagem. Quando e como começam a descodificar sons, palavras e frases é uma das perguntas a que se tenta responder naquele laboratório, criado há cinco anos. Sendo certo que antes de dizerem as primeiras palavras com sentido, os bebés desenvolvem capacidades relacionadas com a linguagem logo nas primeiras semanas de vida.

As crianças e as línguas estrangeiras

“Bebés recém-nascidos são capazes de discriminar a língua materna de línguas estrangeiras”, exemplifica Sónia Frota, diretora do laboratório. “São também capazes de distinguir entre duas línguas estrangeiras, dependendo das propriedades sonoras dessas línguas.”

O que as experiências mais recentes mostram é que tudo começa “mais cedo do que se pensava”, diz Sónia Frota. No Lisbon Baby Lab testou-se a reação de bebés com 5 meses a determinados contrastes de melodia (a mesma frase dita com entoação interrogativa ou afirmativa, como é comum na fala) e confirmou-se que os bebés já discriminam essa diferença. Mas quando foram expostos ao mesmo tipo de contrastes, usando uma língua estrangeira, no caso o mandarim, essa discriminação já não aconteceu da mesma maneira, relata. “Isto significa que aos 5 meses já estão sintonizados para a sua língua nativa”, sublinha a investigadora.

A partir dos 4-6 meses os bebés têm consciência da “distribuição dos sons típica de cada língua”, acrescenta. E não é de todo um mito que as crianças têm mais facilidade em aprender um idioma estrangeiro do que os adultos. “Mesmo entre as próprias crianças há uma grande diferença nessa capacidade, entre o que conseguem fazer entre o primeiro ano de vida e o que acontece entre os 4 e os 7 anos. A partir daí há uma quebra brutal dessa capacidade”, confirma. Porquê?

“Quando nascemos é como se o cérebro fosse um campo virgem que nunca foi ceifado, em que tudo tem a mesma importância. Um bebé exposto a sons do chinês, do árabe, do italiano, do português consegue discriminar todos eles, de uma forma que um adulto não consegue. Esse campo vai sendo ceifado pela língua a que estão mais expostos e há circuitos que vão sendo otimizados para determinadas combinações de sons e outros que vão sendo desativados”, numa espécie de “learning by forgetting” explica Sónia Frota.

É o que acontece com línguas relativamente próximas na sonoridade, como o Português e o Espanhol. “Um bebé espanhol não terá dificuldade em distinguir a vogal ‘e’ aberta ou fechada. Para um adulto espanhol isso é uma dificuldade porque só utiliza uma das vogais”, exemplifica. E está também demonstrado que, nalguns casos, as características dos idiomas acabam por facilitar ou dificultar o início da fala. Os bebés que falam inglês americano têm um desenvolvimento mais rápido do que os que falam francês, por exemplo.

http://labfon.letras.ulisboa.pt/babylab/
https://www.facebook.com/pages/Lisbon-BabyLab/119941204727631?fref=nf

 

 

Falar com o bebé ajuda-o a fazer amigos

Janeiro 21, 2015 às 10:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia da Pais & Filhos de 14 de janeiro de 2015.

o estudo citado na notícia é o seguinte:

Listen up! Speech is for thinking during infancy

Mother and Baby kissing and hugging. Happy Family

A importância de falar com os bebés desde o nascimento foi recentemente confirmada por investigadores norte-americanos, os quais garantem que quanto mais habituadas as crianças estiverem a ouvir conversas – mesmo que inicialmente não consigam responder – melhores ferramentas sociais possuíram quando forem expostas ao mundo para além da família. Ou seja, farão amigos mais facilmente e também serão capazes de distinguir melhor quem realmente gosta delas.

Os cientistas das universidades de Illinois e de Nova Iorque acreditam que os bebés não só adquirem um vocabulário mais rico, como “ficam apetrechados com capacidades psicológicas, cognitivas e sociais que formam a base do seu processo de aprendizagem”, tal como afirma Athena Vouloumanos, autora principal do artigo publicado no jornal científico “Trends in Cognitive Sciences”. Isto porque a atenção dada a quem fala com elas é também, e em paralelo, usada para as crianças reconhecerem os pormenores e situações que formam o seu mundo.

 

 

 

 

Como estimular o bebê a falar

Janeiro 17, 2015 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

texto do site  http://revistacrescer.globo.com  de 7 de janeiro de 2015.

166381925

Por Malu Echeverria

Basta o bebê emitir alguns sons, ainda nos primeiros meses de vida, para os pais se perguntarem: quando ele vai começar a falar? Ansiedades à parte, é importante ressaltar que o desenvolvimento da linguagem ocorre paralelamente ao neurológico. “Ele depende do amadurecimento cognitivo, mas também de um ambiente estimulador”, explica a fonoaudióloga Débora Befi Lopes, professora da USP e coordenadora do Serviço de Fonoaudiologia do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas (SP). Isso quer dizer que, sim, você pode ajudar seu filho em mais essa conquista. Veja, a seguir, como se dá a aquisição da linguagem e o que pode ser feito para facilitar esse processo.

Gugu-dadá

Não existe uma idade exata para as crianças falarem as primeiras palavras. Em geral, isso acontece por volta dos 12 meses. “Mas há aquelas que já começam aos 10 meses, enquanto outras só aos 16. E ambas estão dentro do normal”, esclarece a fonoaudióloga. Com 1 ano de idade, o bebê pronuncia, em média, dez palavras que tenham algum significado importante para ele, como papai, mamãe, bola, au-au, etc – provavelmente, ele não irá articular os sons de maneira correta. Nessa fase, compreende-se aproximadamente 50 palavras.

Ao redor dos 2 anos, a criança começa a juntar duas palavras para formar pequenas frases (“qué papá”, “dá bola”). Ocorre, então, um salto no desenvolvimento da linguagem: ela passa a produzir entre 150 e 200 palavras e entende aproximadamente 600 delas. Não por coincidência, esse boom corresponde ao período em que muitas entram na pré-escola. “O estímulo do novo meio, onde é preciso se esforçar mais para ser compreendido e interagir, faz diferença”, afirma Débora. Outro aspecto relevante é que, em contato com outras crianças, surgem palavras novas que antes talvez não fizessem parte do universo dela. Se um dos amigos tiver um gato, por exemplo, e ela não, esse será mais um bicho que passará a conhecer. É assim que a linguagem acontece: sempre dentro de um contexto. Justamente por isso, não adianta mostrar cartões com figuras de objetos para aumentar o vocabulário do seu filho. Ele não irá captá-las se elas não fizerem sentido dentro do cotidiano. Fale com ele

“Para falar, o bebê precisa ser exposto à linguagem, ou seja, ouvir a voz humana”, ensina Débora. O melhor incentivo, portanto, é conversar com o bebê desde sempre. Ao trocar a fralda, nomeie as partes do corpo. Leia e converse sobre a história contada. Cante para ele e junto com ele. Lembre-se, no entanto, de que você será o modelo que seu filho irá reproduzir. “Tudo bem mudar a entonação de voz para falar carinhosamente, algo que todas as mães fazem. Só não vale pronunciar as palavras do jeito errado”, alerta a especialista. Por fim, deixe que ele se esforce – de acordo com os limites da idade, claro – para falar os nomes, e não apenas apontar as coisas. E, quando ele desatar a conversar, controle-se para não corrigi-lo o tempo todo. Em vez de dizer que ‘aua’ está errado, o melhor é repetir a frase com a pronúncia correta: “quer água?”. Quando você menos esperar, acredite, ele estará falando pelos cotovelinhos.

saiba mais

3 coisas sobre a fala das crianças

A hora certa de sentar, andar e falar

Por que as meninas falam antes que os meninos?

 

Etapas do Desenvolvimento da Criança

Dezembro 2, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

10734262_752060334881730_1930663818851740080_n

clicar na imagem

mais informações aqui

 

 

Os bebés treinam mentalmente a fala meses antes de começarem a falar

Julho 21, 2014 às 1:30 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Artigo do Público de 16 de julho de 2014.

instituto da aprendizagem e das  neurociências Universidade de washington

Ana Gerschenfeld

Ao longo do primeiro ano de vida, o cérebro humano prepara-se para conseguir coordenar os movimentos que irão permitir ao bebé articular os sons da sua língua, concluem cientistas.

Sabe-se que, até mais ou menos aos oito meses de idade, os bebés prestam igualmente atenção aos sons de todas as línguas que ouvem. Mas, por volta dos 12 meses, passam a reconhecer claramente a sua língua materna – ou seja, aquela que é, normalmente, a mais falada à sua volta – em detrimento de qualquer outra. Ainda não se sabe bem como é que esta transição da percepção da fala se opera, mas agora uma equipa de cientistas nos Estados Unidos descobriu o que consideram ser uma base biológica dessa radical transformação.

Segundo eles, mesmo quando os bebés ainda são incapazes de articular qualquer palavra, o seu cérebro já está a tentar imitar, mentalmente, os sons que eles ouvem. E assim fazendo, está a construir, em silêncio, as bases neuronais motoras que irão possibilitar a locução pelo bebé, a partir do segundo ano de vida, das palavras da sua língua mãe. Os resultados foram publicados na edição desta semana da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

O que Patricia Kuhl, da Universidade de Washington (em Seattle), e colegas essencialmente mostraram é que as palavras que os bebés com sete meses de idade ouvem à sua volta estimulam as áreas motoras do cérebro que estão encarregadas de coordenar e planificar os movimentos que irão permitir, uns meses depois, a articulação efectiva da fala.

Os cientistas analisaram a actividade cerebral de 57 bebés, respectivamente com sete meses e 11 a 12 meses de idade. Para isso, sentaram-nos debaixo de um aparelho parecido “com um secador de cabelo à moda antiga” – mas que é de facto um capacete high-tech que mede a actividade cerebral através de uma técnica não invasiva dita de magnetoencefalografia, totalmente inócua para os bebés, lê-se no mesmo documento. Os bebés ouviam sílabas derivadas do inglês ou do espanhol, como “da” e “ta”, enquanto os cientistas registavam a resposta do cérebro dos bebés a esses sons.

Mais precisamente, a equipa registou uma activação neuronal numa área auditiva do córtex chamada “giro temporal superior” bem como em duas outras áreas – a área de Broca e o cerebelo – que se sabe serem responsáveis pela planificação dos movimentos necessários para articular as palavras. E constataram que, aos sete meses, todas essas áreas se activavam com igual intensidade fosse qual fosse a língua que os bebés ouviam.

“A maioria dos bebés de sete meses consegue palrar, mas apenas irá pronunciar as primeiras palavras a seguir ao primeiro aniversário”, diz Kuhl, citada em comunicado da sua universidade. “O facto de termos detectado uma activação cerebral em áreas cerebrais motoras numa altura em que os bebés estão simplesmente a ouvir os outros a falar é significativo, porque quer dizer que o cérebro do bebé tenta, logo de início, responder verbalmente. E também sugere que o cérebro dos bebés de sete meses já está a tentar descobrir os movimentos certos para produzir palavras.”

Já nos bebés com 11-12 meses, esse padrão de activação alterava-se: as áreas auditivas passavam a responder mais fortemente à língua materna do que à língua estrangeira, enquanto as áreas motoras passavam a responder mais fortemente à língua estrangeira do que à língua materna. Para os cientistas, isso não só confirma que, nesta fase do seu desenvolvimento, os bebés já adquiriram uma experiência auditiva suficiente para distinguirem a língua materna das outras, como também sugere que já é preciso um maior esforço por parte das suas áreas cerebrais motoras para descobrirem como articular os sons da língua estrangeira do que para articular as palavras da sua própria língua. A transição da percepção da fala apanhada ao vivo e em directo, por assim dizer.

“A experiência da língua [ouvida durante os primeiros meses de vida] serviria assim para reforçar o conhecimento da língua nativa, tanto perceptual como motor. Ao fim do primeiro ano, (…) tornar-se-ia portanto mais difícil e menos eficiente gerar modelos [motores] internos para uma língua estrangeira”, escrevem os cientistas.

Os resultados têm várias implicações sociais, segundo os autores. Por um lado, mostram que é preciso falar “a sério” com os bebés, mesmo sabendo que não percebem o que estamos a dizer-lhes, porque esse é precisamente o “catalisador” da sua aprendizagem da língua, a chave que lhes vai permitir gerar os tais “modelos cerebrais internos” para mais tarde conseguirem falar essa língua.

Por outro, sugerem que a forma como os pais costumam falar com os seus filhos recém-nascidos, articulando muito bem e esticando as vogais de forma exagerada (“oooohhh, meu liiiindoooo bebéééééé”) – e que nada tem a ver com dizer palavras que não fazem sentido – poderá ajudar os bebés na construção desses modelos motores cerebrais logo nos primeiros meses de vida. “Essa forma de falar dos pais é muito exagerada e é possível que, quando os bebés a ouvem, o seu cérebro consiga modelar mais facilmente os movimentos necessários à fala”, diz Kuhl.

 

 

Quando uma criança não fala bem…

Junho 25, 2014 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Artigo de opinião de Rita Lopes da Silva publicado no Público de 19 de junho de 2014.

As preocupações em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem, são frequentemente referidas por pais, outros familiares e educadores de crianças na idade pré-escolar. Esta perturbação do desenvolvimento surge em cerca de 10% das crianças até aos 5 anos de idade, sendo considerada grave em 1% das crianças.

A fala pode ser definida como o acto motor da expressão verbal, apresentando como características a articulação dos sons, o timbre da voz ou o ritmo do discurso. A linguagem é uma função cerebral muito complexa que utiliza um conjunto de símbolos para expressar ideias e pensamentos. No seu conjunto, a fala e a linguagem são fundamentais para a comunicação verbal e facilitadoras da integração social.

Ainda durante a gravidez, o feto é capaz de distinguir sons da língua materna e a voz da mãe e logo nos primeiros meses após o nascimento começa a emitir sons, mais tarde a palrar e a produzir palavras e depois frases. A estrutura do discurso e a capacidade de adequação do mesmo ao contexto social sofrem modificações ao longo dos anos, sendo também influenciadas pelas capacidades cognitivas da criança. O nosso vocabulário é expandido durante toda a vida, pelo que se pode afirmar que o desenvolvimento da linguagem nunca termina.

O desenvolvimento da linguagem surge em todas as culturas e línguas, porém com diferenças no modo de aquisição dos sons produzidos ou da estrutura gramatical das frases. Existem igualmente variações, consideradas normais, no número de palavras, construção das frases ou inteligibilidade do discurso em crianças da mesma idade. Enquanto algumas crianças dizem desde muito cedo várias palavras inteligíveis, que mais tarde juntam e constroem frases progressivamente mais complexas, outras produzem inicialmente um discurso com frases longas, porém difíceis de entender mesmo para os familiares próximos.

São considerados sinais de alarme a criança não palrar consoantes ou vogais aos 8 meses, não apontar aos 12 meses, não dizer nenhuma palavra aos 16 meses, não fazer expressões de duas palavras aos 2 anos, não construir frases aos 3 anos, usar uma linguagem incompreensí­vel para os pais aos 2 anos e para estranhos aos 3 anos, não contar uma história aos 3 anos, ter erros na articulação das palavras aos 6 anos, ou existir uma suspeita de regressão da linguagem em qualquer idade.

O desenvolvimento da linguagem ocorre espontaneamente numa criança saudável, sendo para tal necessário que tenha um nível cognitivo adequado, audição mantida, aparelho fonatório (estruturas envolvidas na fala) íntegro, seja convenientemente estimulada e tenha vontade de comunicar. Assim, perante uma criança que não fala bem, devemos questionar se poderá ter uma surdez, atraso global do desenvolvimento, perturbação do espectro do autismo ou se a estimulação está a ser insuficiente.

Utiliza-se o termo Atraso Isolado de Linguagem quando a aquisição se faz de forma típica, embora mais tarde do que a idade habitual para cada etapa. Apresenta erros característicos na construção de palavras ou frases, por exemplo omitindo alguns sons ou produzindo erros gramaticais como “este carro é minho” ou “ouvam todos”. Esta perturbação tem geralmente uma boa evolução e entre os 4 e 5 anos de idade está recuperada.

Na Perturbação Específica do Desenvolvimento da Linguagem (PEDL) a aquisição é qualitativamente anómala e a criança comete erros diferentes dos referidos anteriormente no Atraso Isolado de Linguagem. Apesar de parecer que tem apenas dificuldade em se expressar verbalmente, compreendendo tudo o que lhe é dito, tal facto não se confirma quando é feita uma avaliação formal da linguagem.

Nem sempre é fácil distinguir entre uma variação normal e uma perturbação do desenvolvimento da fala ou linguagem. Sempre que existir alguma dúvida ou preocupação deverá ser partilhada com o médico assistente (médico família ou pediatra), que poderá referenciar para uma consulta especializada de Desenvolvimento ou Neuropediatria e se necessário pedir uma avaliação por um terapeuta da fala.

Quando se coloca a hipótese de perturbação da linguagem deve ser realizada uma avaliação da audição, nível cognitivo, desenvolvimento da linguagem e motor, integração social e comunicação. Raramente é necessário efectuar exames de diagnóstico como TAC, ressonância magnética ou EEG, excepto se há história de epilepsia, regressão da linguagem ou alterações no exame físico/neurológico.

A intervenção deve ser multidisciplinar e adaptada às necessidades específicas de cada criança, visando reforçar a interacção social e a intenção comunicativa. Consiste na reeducação e treino em terapia da fala e num enquadramento escolar adequado, não existindo medicamentos que estejam indicados para esta situação clínica. É fundamental prevenir e tratar os problemas emocionais, comportamentais e o isolamento associados a este tipo de perturbações.

O prognóstico das perturbações de desenvolvimento da linguagem é variável. Quando o diagnóstico é feito na idade pré-escolar, um terço das crianças recupera antes dos 6 anos. Porém, estas perturbações associam-se por vezes a dificuldades de aprendizagem, nomeadamente da leitura e escrita, perturbações emocionais e do comportamento e, mais tarde, dificuldades de inserção social e profissional.

Neuropediatra do CADin

 

 


Entries e comentários feeds.