Mães que bebem e amamentam podem ter filhos com problemas cognitivos

Agosto 12, 2018 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 31 de julho de 2018.

As mães que bebem álcool e amamentam podem ter mais probabilidade de ter filhos com problemas cognitivos do que as que se abstêm durante a amamentação, sugere um estudo australiano. Para estes, os investigadores examinaram os resultados de testes de raciocínio preenchidos por 5107 crianças, bem como questionários preenchidos pelas mães detalhando se, durante a gravidez e fase de amamentação, consumiram álcool ou tabaco.

Assim, os filhos das que beberam apresentaram classificações mais baixas no que se refere a testes de raciocínio não-verbal, entre seis e sete anos. Aliás, os resultados era piores quanto mais as mulheres bebiam, relatam os investigadores da área da pediatria. “A opção mais segura é que uma mãe que amamenta se abstenha de beber álcool até que o seu bebé deixe de mamar”, aconselha Louisa Gibson, da Universidade Macquarie, na Austrália.

Quanto aos filhos de mulheres que fumaram durante o período de amamentação, não se verificou qualquer diferença nos resultados dos exames feitos e comparados com os filhos de mães que não fumaram. “Tal não significa que fumar seja seguro”, salvaguarda Gibson. “Se as mulheres tiverem dificuldade em abandonar o álcool e os cigarros, devem conversar com o seu médico sobre maneiras de reduzir a sua ingestão para minimizar os impactos no bebé”, acrescenta.

Embora a exposição pré-natal ao álcool e à nicotina esteja, há muito tempo, ligada a problemas cognitivos nos mais novos, este estudo traz novas perspectivas sobre os riscos da exposição durante a lactação.

 

 

 

O que acontece aos alunos com deficiência depois dos 18 anos?

Agosto 16, 2016 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto do https://www.publico.pt/ de 5 de agosto de 2016.

Rui farinha nfactos

Ana Cristina Pereira

As respostas sociais à população adulta com incapacidade têm vindo a aumentar, mas continuam insuficientes. Um número indeterminado de jovens acaba a escolaridade obrigatória e vai para casa.

Maria está impaciente. Pega na mão da irmã, Marta, e puxa-a para a porta do apartamento. “Ainda não”, diz-lhe a menina, de 11 anos. Ela está habituada a sair por volta das 9h para a escola. Acabou o prolongamento escolar. E não gosta de quebras na rotina. Qualquer alteração lhe faz impressão.

Durante 13 anos, a família nem tinha um nome para a doença dela. É raríssimo haver uma pessoa com uma mutação do gene CDKL5. Foi aprendendo a ampará-la nas convulsões. Foi percebendo a severidade do seu défice cognitivo. “Sabemos que quer sair porque nos pega na mão e nos leva para a porta”, diz o pai, Miguel Silva. “Percebemos que tem fome, porque chega à mesa, puxa a cadeira e senta-se.”

Completou 18 anos em Abril. No próximo ano lectivo, estará fora da escolaridade obrigatória. O Agrupamento de Escolas Dr. Costa Matos já não terá de a manter na Unidade de Apoio Especializado para a Educação a Alunos com Multideficiência. E a família não encontra, em Vila Nova de Gaia, vaga num centro de actividades ocupacionais com acordo de cooperação com o Estado.

Miguel trabalha como vendedor, numa multinacional. E a mulher, Cristina, gere o seu próprio negócio, um salão de cabeleireiro. Deixam as filhas na escola, ali perto, e seguem para o trabalho. Os avós paternos olham por elas desde que elas saem da escola até um deles voltar para casa. Em Agosto, expandem o tempo de apoio. Miguel e Cristina não se atrevem a pedir mais. Eles assustam-se tanto com as convulsões de Maria. “Têm medo que ela lhes morra nos braços”, diz o pai.

Maria tem um Plano Individual de Transição, como manda a lei. Três anos antes do fim da escolaridade obrigatória, a escola começou a procurar identificar oportunidades para a sua vida pós-escolar, envolvendo a família e a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM). “Não é por ter feito esse plano que tem resposta”, lamenta o pai.

O Ministério de Casa

Pelas contas da Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, há cada vez mais crianças com necessidades especiais nas escolas. Entre o ano lectivo 2014/2015 e o ano lectivo 2015/2016, o país passou de 75.193 para 78.175. No ano que agora terminou, 2081 frequentavam as unidades de apoio especializado para alunos com multideficiência e surdo-cegueira congénita, como ela.

Filinto Lima, o director do Agrupamento de Escolas Dr. Costa Matos, que é também presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas, está indignado: “Estas crianças e jovens, com graves problemas, progridem até aos 18 anos e a partir daí vai tudo pela água abaixo. Passam do Ministério da Educação para o Ministério de Casa. Podem ficar em casa o resto da vida! Não são estimulados. Não evoluem. Os encarregados de educação ficam desesperados.”

Este ano, a grande preocupação de Filinto Lima é Maria e um colega. Há dois anos, a sua grande preocupação era um par de gémeos que completou 18 anos sem que houvesse uma resposta de continuidade para lhes dar. Prolongou-lhes a matrícula um ano, a ver se aparecia uma vaga na APPACDM ou na CERCI (Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos com Incapacidades). Não o fez no ano seguinte. Volvido um ano, continuam num apartamento sem elevador, à espera.

Fátima Jorge, a mãe dos gémeos, já não sabe o que há-de fazer. “Estar com eles o dia todo é complicado. Sentam-se aí a ver televisão. Quando se cansam de ver televisão, tenho de lhes pôr música. Eles gostam muito de música. Ó Miguel, que música é que gostas?”, pergunta, dirigindo-se ao filho, sentado no sofá. “Toy”, responde o rapaz, baixinho. “É o Toy. Ele adora o Toy.”

“Tanto os professores lutaram para estas crianças não ficarem em casa”, diz Fátima, sem perder os filhos de vista. “Muitas vezes, foram connosco, no carro deles, à APPACDM ou à CERCI.” Nota grande diferença no comportamento dos rapazes, agora com 20 anos. “Eles antes andavam mais calmos. Chegavam cansados, a gente dava-lhes banho, dava-lhes jantar. Eles estavam aí um bocado e iam dormir. Agora, às vezes, são duas da manhã e ainda andam aí, de um lado para o outro.”

Atingidos os 18 anos ou concluído o nível de ensino obrigatório, quem sai do ensino especial com um currículo específico individual não pode ingressar no ensino superior, mas pode ser encaminhado para emprego, formação profissional ou centro de actividades ocupacionais (CAO), uma resposta que funciona um pouco por todo o país com uma comparticipação da Segurança Social.

“Actualmente, com o aumento da esperança média de vida e do número de crianças e jovens com deficiência, todas as entidades com competência nesta área estão a trabalhar no sentido de se diversificarem as respostas e os serviços a prestar à população adulta com deficiência”, assegura a assessora de imprensa do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Têm vindo a subir o número de pessoas com incapacidade abrangidas por acordos de cooperação celebrados entre o Estado e instituições particulares de solidariedade, misericórdias e mutualidades. Em Dezembro de 2015, somavam 13.180. No final de 2011, 10.695. E o “Instituto da Segurança Social, ao nível do Orçamento Programa 2016, tem prevista a celebração/revisão de novos acordos de cooperação, o que garantirá a abrangência de mais 558 utentes”.

Lição de vida

Presume-se que a lista de espera seja grande, mas não se sabe dizer o quanto. “As instituições são responsáveis pela inscrição dos utentes em lista de espera, pelo que o Instituto de Segurança Social não dispõe de dados”, menciona a mesma fonte. “Futuramente está previsto, no âmbito da comissão de acompanhamento, um trabalho com as IPSS no sentido de se efectuar um cruzamento dos utentes em lista de espera para as respostas sociais da área da deficiência, uma vez que haverá um número significativo de utentes inscritos em mais do que uma instituição.”

Cada um tem de ter um plano ajustado. Há quem esteja num centro a fazer actividades socialmente úteis, que poderão vir a facilitar a transição para algum programa de integração socioprofissional, e quem esteja a fazer actividades estritamente ocupacionais, que “visam manter a pessoa activa e interessada, favorecer o seu equilíbrio e bem-estar físico, emocional e social”.

“A Maria não tem capacidade para fazer qualquer actividade”, reconhece o pai. “Ela não tem noção de perigo. É capaz de pegar numa faca e de a levar à boca. O tipo de resposta que procuramos é mais de estar, de cuidar. Ela precisa de terapias que a possam ajudar a desenvolver a autonomia — a controlar a urina, a ir à casa de banho, a comer sozinha. Ela pega num copo e leva-o à boca mas tanto o pousa direito como de lado. Ela precisa de trabalhar a psicomotricidade. Também podia trabalhar algumas áreas sensoriais, de relaxamento, de postura.”

Já procurou uma solução fora da chamada rede solidária. “É muito caro”, resume. Agrada-lhe uma que custa 25 euros por cada hora de terapia. Maria experimentou. “Fazia uma terapia de manhã e outra à tarde e durante o resto do tempo tomavam conta dela. Davam-lhe um lanche. Tinha uma hora de trabalho. Davam-lhe almoço. Mais uma hora de trabalho. Davam-lhe lanche. Ia buscá-la. Ficava 50 euros por dia. A trabalhar uma hora de manhã e outra à tarde, mil euros por mês.”

Já pediu à escola para prolongar a matrícula da filha mais um ano. “Tudo depende de uma série de factores. Tudo depende das características de cada criança. Se tem mais capacidades, se não tem, em que grupo vai encaixar…” É ver. De uma coisa tem a certeza: não a vai manter fechada dentro de casa.

Nota que “há pessoas que têm vergonha de ter um filho com défice cognitivo”. Diz-lhe a experiência que muitos homens desaparecem sem olhar para trás, como fez o pai dos gémeos, há 18 anos. “Eu não tenho vergonha. Se vou jantar fora, levo a Maria. Já sei que vou ser o centro das atenções. Ela é capaz de fazer barulho. A Maria, muitas vezes, quando vamos na rua, aborda as pessoas. Se der um bocadinho de espaço, agarra a chupeta do menino que vai ao lado, puxa a carteira da senhora que vai a passar.” E, apesar de tudo, parece-lhe que Maria vai conseguindo ter alguma qualidade de vida. “Ela vive numa situação de excepção. Tem os pais unidos. Tem a família próxima. Ela é o elo. Tem sido uma lição de vida.”

 

 

Crianças com insuficiência de iodo possuem défice cognitivo

Julho 29, 2016 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Açoriano Oriental de 4 de julho de 2016.

clicar na imagem

65136202

Pós-Graduação em Educação Especial – Domínio Cognitivo e Motor

Agosto 21, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

pos

mais informações:

http://www.fmh.ulisboa.pt/pt/formacao-continua/educacao-especial-dominio-cognitivo-e-motor

App desenvolver a linguagem e leitura nas crianças com Perturbações do Desenvolvimento

Janeiro 21, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

texto do site http://aprendercomosdedos.com  de 7 de janeiro de 2014.

app

special

SPECIAL WORDS

“Palavras especiais” é uma app educativa concebida a pensar nas necessidades educativas específicas das crianças com Trissomia 21, ou crianças com outras Perturbações do Desenvolvimento caracterizadas por um bom processamento visual (crianças com outras com Défice Cognitivo, com Perturbações do Espectro do Autismo…). Está disponível para iPad e Android.

 

 

 

 

 

  • Objetivo: estimular a compreensão e expressão linguística, aprender a ler com uma metodologia de ensino global (visual) 
  • Idade: a partir dos 2,5 anos
  • Idioma: disponível em várias línguas, incluindo português com sotaque brasileiro, mas pode ser todo personalizado (áudio e imagens).
  • Preço: 12,99€
  • Disponível: na app store e play google

Descrição:

A app oferece 4 jogos de emparelhamento de imagens e palavras com dificuldade crescente:

1º fazer corresponder imagens iguais;

2º corresponder palavras iguais, sem apoio da imagem;

3º corresponder a palavra à sua imagem;

4º emparelhar uma imagem à sua legenda.

Como jogar

A app “special words”, é uma versão interativa de lotos de palavras, jogos de emparelhamento de cartões legendados.

A criança terá que arrastar o cartão apresentado ao centro do ecrã até ao seu correspondente, disposto num dos quatro cantos.

Se acertar o cartão vira e reforça o sucesso, dependendo do nível, surge a palavra escrita ou a sua imagem correspondente, se errar o cartão volta ao centro.

Por exemplo, no primeiro nível, o adulto pode começar por nomear a imagem (certificando-se que mantém o contacto ocular com a criança), realizar o seu gesto, e de seguida solicitar à criança que descubra onde está o seu igual.

Ex: “olha é uma banana, ba-na-na, (gesto da banana), onde está a banana igual? Vamos colocar a banana em cima da banana igual”

Também pode perguntar à criança, o nome do objeto, qual a sua função (para que serve).

Ex: “o que é isto? Como se chama? É uma … banana”.

A criança pode responder tentando verbalizar o nome ou através do gesto.

mac

 

Esta app foi concebida para iPhone, iPad e iPod touch

ir para a loja 

 

play

e para dispositivos Android

ir para loja

 

Personalizar o jogo

Apesar de oferecer um leque muito variado de imagens, objetos da vida quotidiana (bola, sapato, colher, escova, copo, sumo) animais, ações, adjetivos, a grande vantagem deste jogo é poder ser todo ele personalizável consoante as necessidades e interesses particulares de cada criança.

É possível adicionar suas próprias palavras, imagens e áudio, e facilmente sincronizar perfis de jogo entre outros dispositivos móveis.

Sempre que possível utilize imagens reais, relacionadas com o dia-a-dia da criança, fotografias dos elementos da família, objetos utilizados nas suas rotinas diárias.

Tentar evitar utilizar desenhos (mais difícil de generalizar conceitos). Comece por criar uma pequena lista de palavras, que sejam interessantes, significativas e necessárias para comunicar.

Ex: nomes de familiares (mãe, pai, manos, avós, tios), comida (sopa, pão, bolacha, iogurte), bebidas (água, leite), brinquedos (urso, boneca, carro), objetos (cama, cadeira, escova, colher, prato, copo, chaves), transportes (carro, comboio), animais (cão, gato, pato, cavalo, galo, vaca, porco, ovelha).

Progressivamente vá introduzindo novas palavras e numa fase posterior as ações. Quando personalizar as palavras, tenha também o cuidado de acrescentar o artigo (em vez de banana, colocar “a banana”) e de manter a letra de imprensa minúscula.

Quando estiver a gravar o som, pode nomear a palavra e de seguida, repetir de forma silabada (a banana… ba-na-na); no caso dos animais e transportes poderá gravar também o som que fazem (a vaca… va-ca … muuuuu).

As palavras trabalhadas devem ser reforçadas frequentemente nos ambientes naturais da criança, e devem ser incluídas em frases funcionais ilustradas. Para esse efeito o programador desta app, desenvolveu outra com esse fim Special stories.

special-stories

Disponível na app store(ipad) e play google (android)

Pré-requisitos do jogo

Para jogar a criança já terá de ter adquirido um conjunto de competências prévias. Identificar objetos  em cartões legendados, terá de dar e apontar a pedido.

Saber mais

Esta app, utiliza uma metodologia de ensino que privilegia o processamento visual de informação, fomenta o desenvolvimento da linguagem enquanto ensina as crianças a ler, a reconhecer globalmente palavras escritas. Para saber mais sobre esta estratégia de ensino, pode consultar aqui o programa PALAF “aprender a ler para aprender a falar” desenhado por Luísa Cotrim e Teresa Condeço, psicólogas educacionais.

 

 

Jornadas do Dia Internacional do Deficiente – Combate aos Maus Tratos na Deficiência

Novembro 21, 2012 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Inscrições:

Rede Social de Penacova, Edifício das Piscinas Municipais, sala 11, piso-1, 3360-191 Penacova

redesocial@cm-penacova.pt

Telef.: 239 470 318 – Serviço Ação Social CMP

Congresso: “(Des) Envolvimento: Perturbações Infanto-Juvenis – Do encaminhamento à Intervenção”

Novembro 1, 2011 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Nos dias 18 e 19 de novembro, realiza-se, em Mangualde, o Congresso: “(Des) Envolvimento: Perturbações Infanto-Juvenis – Do encaminhamento à Intervenção”.

Inscrição:
15€* até 11 de Novembro de 2011
20€* a partir de 11 de Novembro de 2011
* valor totalmente revertido para o projecto social “Formação e certificação laboral de jovens com Necessidades Educativas Especiais”

Ficha de inscrição-5 Sentidos com opção workshop´s (4)

programa do congresso 5 Sentidos 18 e 19 de Nov (5)

Organização
5 SENTIDOS – Espaço de Intervenção e Reabilitação Psicoeducacional
Largo do Rossio, 64, 1º Andar – Mangualde
Tel: 232 617 400 Email: mangualde.5sentidos@hotmail.com


Entries e comentários feeds.